Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Post Destacado

Olá pessoal.

Novo no fórum, primeiro tópico, primeiro ciclo.

Gostaria da análise do pessoal mais experiente, com dicas e críticas por gentileza.

Não questiono como fazer, mas se o meu propósito está certo. Pesquisei sobre.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

28 anos, 15% BF, 1,81m, 82,5Kg.

Malho há 6 anos, voltei firme há 4 meses após 1 ano parado.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Estou com 16 ampolas de Durateston Schering em mãos, pra mandar 500mg/sem por 8 semanas.

Pensei na associação com Deca, mas tenho medo da qualidade da massa que irei adquirir. Dessa forma, pretendo associar com Estano e talvez incluir uma Oxan, não sei ainda.

 

Ciclo pretendido:

1-8 500mg/sem durateston

5-10 50mg dsdn estanozolol

TPC:

Observação: Já realizei uma cirurgia de ginecomastia, com a retirada total da glândula. Preciso me preocupar com aromatização?

15 dias após a última Dura:

1º - 14º dia - 100mg de Clomid
15º - 28º dia - 50mg de Clomid

Seguem as fotos antes do ciclo.

 

Por favor, aceito opiniões para conseguir o melhor do ciclo.

 

 

IMG_20160102_205249.jpg

IMG_20160102_205311.jpg

IMG_20160102_205336.jpg

IMG_20160102_205401.jpg

Link para o post
Compartilhar em outros sites
Madrugão suplementos

Não jogue dinheiro fora

Compre suplementos bem mais baratos com o cupom de desconto do FISIculturismo.com.br

Clique aqui para obter seu cupom

Há casos de Ginecomastia, que mesmo após com a retirada da glândula, alguns especialistas afirmam que se houver um desequilíbrio hormonal, pode-se haver uma proliferação do tecido glandular novamente. Portanto no seu caso acho conveniente prevenir isso do começo ao fim. Geralmente nos casos mais comuns em ciclos, durante o ciclo 10mg de Tamoxifeno resolve, mas no seu caso eu não saberia dizer ao certo.

Com relação ao ciclo, vejo que você antes treinava legal, como narrou, e antes você devia então ter um volume muscular melhor do que a atual, pelo que posso concluir. Talvez fosse bom você treinar um tempo bom ainda Natural, para tentar chegar mais perto possível do que você tinha antes, para iniciar o ciclo. Mas ai é você quem decide, pois se quiser já iniciar o ciclo, não poderíamos dizer que você é um iniciante também.

Muitas vezes num caso assim como o seu, apenas a Durateston já resolve bem, sem ter a necessidade de combinar nada junto. 

Dia correto para se iniciar a TPC sem fazer exames, é difícil prever, e neste caso podemos citar um número aproximado, e em ciclos assim algo em torno de 20 a 25 dias talvez fosse legal, e na internet você verá varias outras sugestões, parecidas até, com números próximos a esse que eu citei, e isso acontece pois dia fixo assim "no chute" sem exames é difícil saber. Mas acho 15 dias pouco.

abraços e aguarde a opinião dos demais colegas.

ou para curtir

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Moderador

Poderia esperar mais um pouco para ciclar já que voltou há apenas 4 meses. Poderia também usar apenas 1 droga já que é teu primeiro ciclo e você não sabe como teu organismo irá responder.

A TPC pode esperar um pouco mais e o tamoxifeno seria interessante. Além disso, a aromatização não é  apenas ter gineco mas uma série de  outros colaterais que podem acontecer quando o estrogênio aumenta.

ou para curtir

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Tudo que os amigos falaram eu estou de acordo (nem li o que disseram mas os kras são feras, então apoio kkkkkkkkk)

Só vou apontar uma coisa, vc não tem 15% de bf, nessas fotos ai vc deve está girando em torno d 22%-26%, pode ter certeza.

Meu conselho é que baixe mais o percentual de gordura, até lá, vc já estará bem adaptado aos treinos novamente, após isso se vc achar que deve...

 

Editado por segmentation_fault
errata

ou para curtir

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta em nossa comunidade! É rápido, fácil e grátis!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora
  • Conteúdo similar

    • Por Carlos Bernardo
      Groth labs é confiável, já usaram algo deles?
    • Por Alan Azevedo
      MASTER 50
      1º - Miguel Quiroz (02) - Argentina
      2º - Manoel Porto (01) - Brasil
      MASTER 40 (até 1,72)
      1º - Augusto Javier (21) - Paraguay
      MASTER 40 (acima de 1,72)
      1º - Mario Ceglio (32) - Brasil
      2º - Rogerio Trindade (31) - Brasil
      3º - Manoel Porto (33) - Brasil
      SUB-JUNIOR
      1º - Felipe Tavares (71) - Brasil
      2º - Willian Neves (72) - Brasil
      3º - Guilherme Moreira (73) - Brasil
      JUNIOR
      1º - Vitor Lima (83) - Brasil
      2º - Renan Favero (82) - Brasil
      3º - Felipe Tavares (81) - Brasil
      4º - Lucas Bradock (84) - Brasil
      ESPECIAL
      1º - Gustavo Carvalho (91) - Brasil
      2º - Hugo Ricardo Colman (93) - Paraguay
      3º - Fernando Rufino (92) - Brasil
      4º - Jutair Magalhaes (94) - Brasil
      MENS FITNESS (até 1,72)
      1º - Diego Cañete (62) - Paraguay
      2º - Jadison da Silva (61) - Brasil
      MENS FITNESS (acima de 1,72)
      1º James Willian (131) - Brasil
      2º Felipe Marins (132) - Brasil
      3º Alex Sander(135) - Brasil
      4º Osmar Meza (134) - Paraguay
      5º Lagos Sosa (133) - Paraguay
      MISS PHYSIQUE
      1ª Lidia da Silva Barbosa (101) - Brasil
      2ª Eduarda Martins (102) - Brasil
      MISS FIGURE MASTER
      1ª Mara Fabiana Compañone (115) - Argentina
      2ª Cristiane Nunes (111) - Brasil
      3ª Maybell Kelner (112) - Paraguay
      4ª Claudia Gaetano (113) - Argentina
      5ª Estela Gabriela (114) - Argentina
      MISS FIGURE II
      1ª Cinara Polido (53) - Brasil
      2ª Veruska Costa (54) - Brasil
      3ª Marjorie Cardoso (55) - Brasil
      4ª Camila Guimaraes (52) - Brasil
      5ª Nasari Nellis (51) - Brasil
      MISS FIGURE I1ª Paula Santos (121) - Brasil
      MISS TONED II
      1ª Fernanda Short (43) - Brasil
      2ª Tania Silva (48) - Brasil
      3ª Valkiria Fernandes (47) - Brasil
      4ª Ana Maria Lopez (45) - Paraguay
      5ª Mariana Pontes (44) - Brasil
      6ª Aline Menezio (46) - Brasil
      7ª Gessyka Lutielle (42) - Brasil
      7ª Fabricia Raielle (41) - Brasil
      MISS TONED I
      1ª Ana Paula Benati Reis (144) - Brasil
      2ª Leticia Rapucci (141) - Brasil
      3ª Carolina Crozetta (142) - Brasil
      4ª Gladys Castaños (147) - Argentina
      5ª Fernanda Figueiredo (143) - Brasil
      6ª Paula Brasil (146) - Brasil
      7ª Nohely Caceres (145) - Paraguay
      CLASSE 4
      1º Jose Luiz Camilo (154) - Brasil
      2º Lucas Coelho (153) - Brasil
      3º Cesar Castanho (152) - Brasil
      4º Jefferson Andrade (151) - Brasil
      CLASSE 3
      1º Matheus Donaire (162) - Brasil
      2º Francisco Pereira (161) - Brasil
      CLASSE 2
      1º Gonzalo Lopes (172) - Argentina
      2º Gustavo Rodrigues (171) - Brasil
      3º Mario Ceglio (175) - Brasil
      4º Rafael Braga (173) - Brasil
      5º Rogerio Trindade (174) - Brasil
      CLASSE 1
      1º Marcos Aurélio (181) - Brasil
      2º Bernardo Cesarino (188) - Brasil
      3º Henrique Duggen (183) - Brasil
      4º Willian Martins (182) - Brasil
      CAMPEÃO OVERALL - Gonzalo Lopes - Argentina
      CAMPEÃO OVERALL MASTER - Mario Ceglio - Brasil
      CAMPEÃO OVERALL MENS FITNESS - James Willian - Brasil
      CAMPEÃ OVERALL TONED - Fernanda Short - Brasil
      CAMPEÃ OVERALL FIGURE - Cinara Polido - Brasil
    • Por Gustavo Barquilha Joel
      O stanozolol, também conhecido como winstrol, e um esteróide que pode ser encontrado tanto na versão injetável quanto oral. Esta droga é uma das mais difundidas entre os praticantes de musculação (3), existindo alguns mitos sobre ela, como o que Stanozolol “seca”.
      Na verdade esta droga possui características pouco androgênicas (características masculinas) e moderadamente anabólicas (crescimento muscular). Algumas mulheres utilizam esta droga por esta possuir características pouco androgênicas, porém uma pequena virilização pode ser vistas em algumas mulheres (1).
      Assim como nas outras drogas, sua eficiência depende da afinidade da droga com seus receptores. Em todo caso, talvez seja este o motivo pelo qual esta droga é tão controvérsia pelos praticantes de musculação, tendo alguns encontrados bons resultados com seu uso enquanto outros não.
      O stanozolol é utilizado principalmente com a finalidade de aumento de massa muscular com um menor risco de retenção hídrica, sendo daí que vem o mito de que esta droga seca. Na verdade, ela pode ser mais bem aproveitada no período de definição, pois ela não vai reter tanta água, diferentemente de algumas drogas com efeitos mais androgênicos e que possuem características mais androgênicas (1).
      Vale ressaltar que esta droga é considerada doping para atletas. Um dos casos mais conhecidos de dopping esportivo da história foi o do corredor canadense Ben Johnson, medalha de ouro nos 100m rasos nas Olimpíadas de Seul, em 1988, cujo exame detectou a presença dos metabólitos do anabolizante stanozolol (2).
      Outra característica negativa do stanozolol é sua falsificação, sendo de longe esta uma das drogas mais falsificadas do mercado. Esta droga tem como características um aumento do apetite e do peso corporal com notável recuperação das condições gerais ao melhorar a utilização das proteínas pelo organismo, aumentando a síntese de proteínas. É utilizada como tratamento para estados de depreciação física, debilidades de diversas origens, anorexia rebelde, convalescência, doenças crônicas e debilitantes, entre outras.
      A dosagem utilizada geralmente para homens variam de 16 a 30 mg/dia na forma oral e de 150mg a 350mg por semana divididas na forma injetável, enquanto que para mulheres, a administração é dosada entre 4mg a 8mg por dia na forma oral e de 50mg a 100mg por semana em tomadas divididas na forma injetável.
      Alguns atletas aplicam o Stanozolol injetável nos músculos mais deficientes, numa tentativa de aumentar o volume dos mesmos, porém não existem comprovações científicas para o mesmo (1).
      Alguns dos efeitos colaterais que podem ser encontradas com o uso desta droga é acne, ginecomastia, hipertensão, agressividade, queda na libido após o uso de esteróides, queda de cabelo, aumento excessivo de pelos no corpo, entre outros efeitos colaterais (4).
      Referências
      1 - Peres, RAN. ; Guimarães Neto, WM. Guerra metabólica manual de sobrevivência. 2° edição. Midiograf. Londrina, 2005.
      2 - ILVA, Paulo Rodrigo Pedroso da ; CZEPIELEWSKI, M. A. . O Uso de Esteróides Anabolizantes no Esporte. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Rio de Janeiro, v. 8, n. 6, p. 235-243, 2002.
      3 - SILVA, Paulo Rodrigo Pedroso da MACHADO JR, Leonel Carrillo ; FIGUEIREDO, Vandré C ; CIOFFI, Alex P ; PRESTES, Marcius C ; CZEPIELEWSKI, M. A. Prevalência do uso de esteróides anabólicos em praticantes de musculação de Porto Alegre. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, v. 51, p. 104-110, 2007.
      4 - BARQUILHA, G. Uma analise da incidência de efeitos colaterais em usuários de anabolizantes da cidade de Bauru. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, v. 03, p. 146-153, 2009.
      Matéria de Gustavo Barquilha Joel e Luis Gustavo da Silva Rodrigues sobre o winstrol.
      Nota importante:
      Ola amigos,
      A intenção desta coluna não é estimular ninguém a utilizar qualquer tipo de substância ilícita, muito pelo contrário, o objetivo é demonstrar os vários efeitos colaterais que elas trazem com seu uso. Tentamos também na coluna associar as informações cientificas disponíveis na literatura com as informações praticas de atletas e/ou praticantes de musculação do mundo underground das academias.
    • Por Madilson Medeiros
      O uso de anabolizantes esteroides e comum
      O mundo da utilização de ergogênicos voltados para o aumento do rendimento esportivo, especialmente no fisiculturismo, é repleto de mitos e mistérios. Hoje é de conhecimento público que (a época da ingenuidade já acabou) estas substâncias são largamente utilizadas como meio de melhora da performance pelos atletas profissionais – prática essa que logo se espalhou pelos praticantes amadores e recreacionais.
      Podemos afirmar com propriedade que este tipo de utilização é lugar-comum na maioria dos esportes, porém muito mais flagrante e evidente nas modalidades onde ocorrem mudanças na composição corporal, como é o caso do nosso Bodybuilding, atletismo e da natação – desculpem, foi inevitável não lembrar da Gusmão (Rebeca) – que, inclusive agora treina powerlifting. Nada mais justo!
      Mitos no uso de esteroides anabolizantes
      De um modo geral, o uso destes recursos reserva conhecimentos apurados em bioquímica, metabolismo e bioenergética – muitas vezes inacessíveis para a maioria da população. Empirismo e método de “tentativa e erro” tem sido empregados pelos que se aventuram nesse campo sem a devida bagagem teórica. Em face desta situação, vários tipos de visões equivocadas costumam surgir. Mitos são criados, falsas idéias e conceitos errôneos aparecem.
      Esteroides para ganhar massa muscular e esteroides para definição?
      Em relação ao uso de anabolizantes esteroides, há uma série destas lendas. Uma delas é a de que existem drogas que são próprias para definição e outras específicas para volume muscular. Você, a esta altura, deve estar pensando: “Mas isso realmente acontece! Ou não?” A resposta é: SIM, isto de fato ocorre, porém o erro reside em dizer que exista um esteroide anabólico exclusivamente formulado para “definir”, enquanto outro foi criado apenas para incrementar a musculatura. Na verdade, as coisas não funcionam assim e é sobre isto que discutiremos a seguir.
      Há algumas semanas atrás, recebi uma mensagem de e-mail no qual um leitor de meu blog, cheio de dúvidas a respeito de sua preparação, me perguntou se poderia chegar a um bom nível de definição muscular sem o uso do AAE Winstrol (Estanozolol). Muito provavelmente, a dúvida deste leitor representa um dos maiores mitos em relação ao estanozolol.
      Este fármaco, notoriamente, tem uma excelente reputação neste quesito, porém há certa confusão em relação aos seus efeitos no que diz respeito à mudança da composição corporal. Muitas pessoas atribuem um físico bem definido e com baixo percentual de gordura ao uso desta substância – “quantas ampolas de Winstrol você tomou para ficar rasgado assim?” – e esta idéia tem sido bastante disseminada pela grande maioria dos usuários deste tipo de recurso.
      Por um lado, é uma meia-verdade, já que o estanozolol realmente produz efeitos muito interessantes em relação à definição, porém isto não quer dizer que ela seja necessariamente produto de sua utilização.
      Todos os esteroides tem a finalidade de aumentar a síntese protéica
      Na realidade, os anabólicos esteroides, de um modo geral, não visam proporcionar máxima definição! TODOS, SEM EXCEÇÃO, foram desenvolvidos para favorecer o anabolismo através do aumento da síntese protéica. Alguns tipos, como a oximetolona, foram desenvolvidos não somente com este propósito, mas também aumentar a produção de hemácias nos quadros de anemia, por exemplo.
      Seu uso terapêutico se destina a vários estados de convalescença, como os observados nos traumas pós-operatórios, nos tratamentos de AIDS, leucemia, caquexias, queimaduras graves e extensas, hipogonadismos, castrações etc. Paralelamente, estas drogas influem também no metabolismo das gorduras, facilitando a lipólise (queima), especialmente pela diminuição da secreção insulínica, aumento da receptividade dos tecidos à glicose e diminuição da expressão de uma enzima denominada Lipoproteína Lipase (LLP).
      Diferença entre os esteroides: maior ou menor aromatização (retenção hídrica e acúmulo de gordura corporal)
      A grande diferença entre esses compostos é que alguns (todos são derivados do hormônio testosterona) tem uma probabilidade menor de conversão em ESTROGÊNIO. Portanto, os mais androgênicos (ésteres de testosterona, metandrostenolona, metandriol etc.) são mais passivos de causar retenção hídrica e aumento de gordura de padrão ginóide, enquanto com outros (conhecidos como anabólicos) não acontece o mesmo. Por quê?
      Ora, eles convertem mais facilmente em estrogênio – hormônio feminino – e este é que causa aumento de água e gordura subcutâneas, prejudicando a definição. Existem diversas enzimas que mediam outros tipos de conversão, porém algumas reações são mais fáceis de acontecer, enquanto outras são mais difíceis e outras até irreversíveis.
      Por exemplo, a conversão que leva testosterona até a formação de 5α ou 5β DHT (metabólito responsável por vários efeitos colaterais adversos), pode levar à formação de 5α ou 5β androstanadiol, que por sua vez, pode formar androsterona ou etiocolanona (duas substâncias muito utilizadas em fórmulas de pró-hormonais).
      Este é uma via enzimática de mão única, ou seja, irreversível. Como a testosterona pode formar DHT ou estradiol (também uma via irreversível), estas reações não se desfazem. É por essa razão que o estanozolol dificilmente levará a conversão em estradiol, pois é derivado do DHT e não apresenta possibilidade de retornar à sua forma original - a testosterona, esta sim, passiva formar estradiol.
      Estrógenos causam aumento de gordura corporal
      Testosterona em si não causa aumento de gordura corporal e retenção hídrica (pelo menos, não diretamente), quem provoca isso são os estrógenos produzidos pelo excesso deste hormônio. Por esta razão é que culturistas utilizam inibidores e bloqueadores de aromatase (enzima responsável pela conversão de testosterona em estradiol).
      Graças a essa confusão, muitos praticantes acham que o estanozolol e outros fármacos semelhantes (drostanolona, metenolona, boldenona, trembolona etc.) irão definir seu físico facilmente. Imaginemos um gordinho que utilize uma destas substâncias e continue com a ingestão calórica alta, comendo à vontade... Certamente se tornará um gordinho com um pouco a mais de músculos, porém ainda gordinho.
      Então, por qual razão é consenso utilizar este tipo de anabólicos em fase de definição muscular? A resposta é muito simples, inclusive é uma repetição do que já mencionamos acima. Estas drogas tendem a reter menos líquido e são propícias para esta fase.
      Mas lembre-se, isso não é regra geral. Existem alguns culturistas que utilizam drogas altamente androgênicas mesmo em períodos de preparação. A diferença é que ter de se lançar mão de mais recursos a fim de evitar retenção hídrica do que em uso de drogas menos androgênicas.
      Ambiente calórico
      Outro ponto importante é o AMBIENTE CALÓRICO em o atleta se encontra. Costumo dizer, nas rodas de conversa com os colegas, que é preferível utilizar substâncias anabólicas em situações de restrição calórica severa, como as que ocorrem em dietas pré-competição. Ocorre que, neste caso, há uma tendência em utilizar músculos como fonte energética – a temida neoglicogênese – e por esta razão o catabolismo é iminente.
      Neste contexto, o anabólico entra com a função de preservar (e na melhor das hipóteses, até aumentar) a massa magra obtida a tão duras penas. Não é por acaso que muitos estudiosos atribuem os ganhos proporcionados pelos AAEs muito mais pela sua capacidade anti-catabólica do que propriamente anabólica.
      Para se chegar a níveis extremos de definição muscular – e ainda assim, preservar massa magra – é fundamental que exista todo um contexto voltado a este propósito: dieta e treinamento específicos, sob adequadas condições metabólicas.
      Drogas para perda de gordura
      Entretanto, uma vez que afirmamos que os AAEs não são estritamente responsáveis pela definição muscular, também é importante ressaltar que existem drogas que são, por outro lado, de uso específico para perda de gordura e aumento da definição. Estas drogas, como os AAEs, não foram criadas para este fim, mas proporcionam um real efeito de queima de gordura e (ou) diminuição do percentual hídrico.
      É o caso de substâncias como os β-agonistas, hormônios tiroidianos, anfetaminas, diuréticos etc. Evidentemente, esta é uma situação de risco-benefício, considerando os perigos quanto à sua utilização.
      De qualquer maneira, a recomendação é que não se faça uso de substâncias ilícitas não simplesmente pelo fato de serem proibidas pela legislação anti-doping. O principal motivo pelo qual é necessário extremo cuidado na manipulação e administração destes recursos consiste na preservação da saúde, já que seu uso é restrito aos portadores de patologias.
      Poucos estudos científicos
      Os estudos conduzidos com estas substâncias são empregados no campo terapêutico e sua administração obedece à conduta condizente de cada caso. A utilização para aumento do rendimento atlético ainda é obscura, embora saibamos que existem, ao redor do mundo, experts que dominam o assunto. Fora deste cenário, pode-se dizer que o conhecimento necessário para lidar com tais recursos é totalmente underground.
      Conclusão
      Embora o uso de AAEs e outras substâncias otimizadoras do desempenho seja arriscado para a saúde, não podemos tapar o sol com uma peneira e simplesmente fingir que tal prática não aconteça. Seria extremamente leviano de nossa parte. Tampouco devemos fazer apologia ao uso destes recursos.
      Todavia, ao nos omitirmos quanto a divulgação de informação séria e verdadeira, teremos alguma responsabilidade quanto aos absurdos que usualmente acontecem. Neste caso, informar é melhor que proibir.
    • Por Amanda Mayrinck Hallak
      Conceito de meia-vida
      A meia-vida de um esteróide refere-se ao intervalo de tempo necessário para que metade da droga seja metabolizada. Quando uma droga tem meia-vida de 10 horas, isso significa que depois deste tempo sua concentração em nosso organismo cai pela metade, sendo que a quantidade restante não estará mais em condição de cumprir sua tarefa apropriadamente.
      Exemplo: O decanoato de nandrolona tem uma meia-vida de 15 dias. Sendo assim, se alguém aplicar 100 mg de decanoato de nandrolona após 15 dias a concentração desta droga diminuirá para aproximadamente 50mg, mais 15 dias para 25 mg e assim sucessivamente caso uma nova aplicação não seja feita.
      Vale lembrar que drogas orais possuem uma meia-vida atípica comparada a outras drogas injetáveis, pois seus cristais se dissolvem lentamente, mas tão logo tenham se dissolvido, a concentração da droga declina rapidamente. Um exemplo é o stanozolol oral, sua meia-vida é em torno de 1 dia.
      Tipos de ciclos
      Os ciclos podem ser: curtos, médios ou longos.
      Independente do ciclo vale lembrar que toda droga possui riscos conhecidos e desconhecidos em curto, médio ou longo prazo; algumas, inclusive podem provocar óbito. Existe uma crença que a combinação de esteróides funciona melhor do que a utilização de apenas um deles. Se por um lado essa crença parece ser indiscutível, por outro é bem certo que determinadas combinações, apesar de parecerem produzir melhores efeitos quanto ao aumento da força e massa muscular, também salientam os efeitos colaterais.
      Um ciclo curto tem um período de 8 a 10 semanas. Com 5 a 6 semanas de administração de drogas e de 3 a 4 semanas de intervalo pelo menos. No intervalo não se utilizam esteroides anabolizantes. Ciclos curtos permitem menores intervalos de descanso entre os ciclos.
      Um exemplo tradicional de ciclo curto é utilizando as drogas Deca Durabolin e Durateston. Deca durabolin possuiu meia-vida de 15 dias e durateston meia-vida de 15 a 18 dias. Este é um tipo de combinação muito comum entre aqueles que estão começando. Para pessoas absolutamente iniciantes, doses pequenas podem ocasionar ganhos espetaculares. Lembre-se quanto mais próximo do inicio, maior é a magnitude dos ganhos. Mulheres jamais devem se envolver com esta categoria de drogas, pois os efeitos colaterais seriam muito salientes.
      Deca Durabolin (Decanoato de Nandrolona)
      Deca é um preparado anabólico injetável. Após a injeção, o decanoato de nandrolona é gradualmente liberado do depósito intramuscular e subseqüentemente hidrolisado em nandrolona.
      A duração de ação é de cerca de 2 semanas. O perfil anabólico de DECA-DURABOLIN, segundo estudos metabólicos realizados em seres humanos, demonstra os efeitos anticatabólico e poupador de proteína, como também os efeitos favoráveis no metabolismo do cálcio (em casos de excreção).
      A Deca é modernamente androgênica, com boas propriedades anabólica e reduzido efeito aromatizante, sendo atípico o pronunciamento de efeitos colaterais.
      Por outro lado, esta droga reduz o desejo sexual e provoca infertilidade em homens mais do que qualquer outro esteroide anabólico em altas dosagens. É uma droga facilmente coletada em exames anti-doping.
      Durateston (Decanoato de testosterona, fenilproprionato de testosterona, isocaproato de testosterona e propionato de testosterona)
      Durateston é um preparado androgênico para administração intramuscular contendo quatro ésteres diferentes do hormônio natural, a testosterona. Pela combinação desses ésteres de testosterona, a ação de Durateston inicia-se logo após a injeção e é mantida por aproximadamente três semanas.
      O propionato e o fenilproprionato de testosterona tem uma ação imediata, mas, de curto período. Já o isocaproato e o decantado tem um inicio de ação mais lento, porem de longa duração. Esta droga pode mostrar excelentes resultados em aumento de forca e ganho de peso e parece não promover muita retenção hídrica como a maioria dos esteróides altamente androgênicos.
      Outra vantagem observada pelos usuários é que só se pode utilizar esta droga por maior período de tempo pelo fato de não causar maciço fechamento dos receptores celulares, como acontece com muitos esteróides. Durateston é geralmente bem tolerado.
      Ao planejar um ciclo, o entendimento da meia-vida das drogas é fundamental e muito importante, pois se não for assim o usuário poderá, dentre outros enganos, se manter dentro de um ciclo durante muito tempo salientando assim todos os possíveis efeitos colaterais.
      Esta informação também pode contribuir para que o ciclo planejado não tenha muita flutuação de drogas no sistema e na concentração sanguinea.
×
×
  • Criar novo...