Ir para conteúdo
Entre para seguir isso  
Toxi

ESTEROIDES E MULHERES: DA OBESIDADE CENTRAL À RESISTÊNCIA INSULÍNICA

Avalie este tópico:

Post Destacado

ESTEROIDES E MULHERES: DA OBESIDADE CENTRAL À RESISTÊNCIA INSULÍNICA

Bom, não é segredo pra ninguém que o uso de esteroides vem aumentando consideravelmente ano após ano, nem é preciso que o IBGE vá as ruas perguntar “Nos escuse a petulância, mas você utiliza bombas?” pra descobrir isso. A busca pelo uso de esteroides (leia-se hormônios anabólicos androgênicos) é, obviamente, a melhora da composição corporal ao diminuir o percentual de gordura e aumentar o volume/qualidade muscular. No público feminino os colaterais mais conhecidos são o aumento da acne, queda do cabelo, retenção de líquidos, engrossamento da voz, crescimento anormal de pelos, não sendo tão raro encontrar moças detentoras de corpos esculturais, mas com barbinha e em alguns casos falando mais grosso até que eu (pouco provável). Tem várias tretas cardiovasculares, neuronais etc, só pra constar, é claro.

Pra infortúnio da mulherada existem alguns efeitos colaterais que vão contra os objetivos estéticos, são eles: resistência à insulina, adiposidade abdominal e redução do gasto energético. Epa, peraí, mas os esteroides, especialmente a testosterona, não deveriam fazer o oposto? E o post do dotô falando sobre suplementar com testosterona porque esse é melhor hormônio existente nesta nessa terra de incertezas e mágoas? Bem, é complicado, mas calma lá, tentaremos entender. VEM COMIGO MONSTRO (A), vamos ver o que a literatura (também conhecida como CIÊNCIA) tem a dizer sobre isso.

Não tem a menor chance de um comitê de ética aprovar um estudo prescrevendo esteroides pra mulheres só pra ver o que acontece com elas a nível molecular, mas felizmente (ou não) existe uma condição patológica que faz com que as damas produzam mais testosterona do que o normal: a síndrome de ovário policístico. Essa patologia faz com que o ovário e as adrenais produzam andrógenos em excesso, condição chamada hiperandrogenismo. É com esse tipo de evidência que vou tentar explicar como os esteroides podem afetar o metabolismo feminino.

Uma revisão (1) comparou os efeitos dos andrógenos em homens e mulheres. Aparentemente a deficiência de testosterona em masculinos tem efeitos parecidos com o excesso do mesmo hormônios em femininas. Nos caras a testosterona é uma maravilha: reduz a gordura visceral, diminui adiponectina, melhora sensibilidade insulínica periférica, estimula PGC1a, reduz a síntese de lipídeos no fígado, aumenta o gasto energético, melhora sensibilidade a leptina e a secreção de insulina (IMAGEM 1).

21751548_1727409680894475_66150043974942

 

Só que nas moças o contrário é evidenciado. Se você der uma boa olhada na IMAGEM 2 verá que o hiperandrogenismo maltrata bastante as damas.

21740494_1727409694227807_65220643377088

 

Pra começar, há um incremento no estresse oxidativo sistêmico pela ativação do Fator Nuclear Kappa B (NFkB), o que leva a uma mobilização de macrófagos tipo 1, esses monstrinhos são como tratores dentro do seu corpo produzindo bilhões de citocinas inflamatórias e agentes pró-oxidantes. Não os leve a mal, é o papel deles, isso é uma resposta imunológica (claro que mal desencadeada).

O tecido adiposo também passa por remodelação. Naturalmente as mulheres tem uma proporção de gordura bem maior que os homens (aproximadamente o dobro), só que distribuído na região gluteal/femural, enquanto que os homens tem mais gordura visceral e na região da cintura. O hiperandrogenismo também altera a expressão de proteínas no tecido adiposo (1), levando a uma “masculinização” da gordura nas mulheres, ou seja, elas passam a ter maior estocagem de gordura na região da cintura. Percebe, Ivair, a petulância dos andrógenos? Virilizam até sua pança!

Alterações na secreção e funcionalidade da leptina também são evidenciadas (1)(2)(6)(7). O mecanismo não parece claro, mas foi relatada diminuição da atividade da Leptina na termogênese do tecido gordo marrom, lavando a um menor gasto energético. Também foi relatada produção excessiva de leptina (hiperletpinemia) e resistência à ela. Outro interessante ocorrido foi a redução da expressão de proopiomelacortina (POMC), responsável por controlar o apetite entre várias outras coisas.

Mas o que mais me intriga é a resistência insulínica. Na verdade a insulina e eu sempre fomos grandes amigos e nunca tivemos segredos entre nós. Eu sempre soube o que precisava saber, mas agora estamos falando de MULHERES. Mulher é complicada, mesmo a nível molecular. Isso simplesmente não deveria acontecer, mas acontece e vários fatores são associados a esta resistência.

O que se sabe é que em mulheres com hiperandrogenismo a insulina tem uma eficácia de 35% a 40% menos, isso já obriga o pâncreas a produzir mais insulina pra compensar e então se instala uma hiperinsulinemia. Uma parada interessante é que o hiperandrogenismo parece aumentar as fibras musculares tipo II (menos sensíveis a insulina) e inibir a atividade da glicogênio sintase no músculo (6)(7), aí você já tem resistência insulínica na musculatura.

O aumento do estresse oxidativo sistêmico e do tecido adiposo abdominal/visceral contribuem pra resistência insulínica, já expliquei sobre nesse vídeo https://goo.gl/RtbA7p Diminuição dos GLUT-4 na gordura (4) também é um mecanismo adicional pra essa condição. Na IMAGEM 3 você pode perceber resumidamente o que acontece: o excesso de andrógenos promove aumento da gordura visceral que por sua vez secreta uma porrada de citocinas inflamatórias e essas detonam a cascata da insulina nos tecidos alvos, impedindo a glicose de entrar (via redução de GLUT-4), o pobre pâncreas é que tem que segurar a onda e passa a produzir mais insulina pra dar conta do recado e impedir que você mulher linda e maravilhosa tenha hiperglicemia. Óbvio que ninguém é de ferro, de tanto trabalhar em algum momento o pâncreas vai começar a travar e aí eu te desejo boa sorte.

21743015_1727409857561124_37575232718393

Creio eu (eu creio, porque a ciência crê, e nela minha fé está) que os maiores problemas acontecem depois do receptor de insulina. Veja bem, a insulina se liga normalmente ao receptor, contudo a cascata de efeitos não ocorre normalmente. Na IMAGEM 4 fica detalhada a vasta cascata de sinalização da insulina. O hiperandrogenismo atua negativamente aqui de várias maneiras: a PKC (circulada em verde) parece ter seu efeito reduzido, tendo ela participação ativa na translocação de GLUT-4. Entretanto, o fator mais impactante é a fosforilação em serina do IRS (substrato do receptor de insulina), aliás, se um dia você for pro Show do Milhão e o Sílvio te perguntar qual o defeito mais presente na resistência insulínica, você pode falar sem pensar que é fosforilação em serina do IRS, é muito provável que acerte e fique rico.

21751660_1727409710894472_25670076382644

Caso você não saiba, o IRS tem diferentes sítios onde um fosfato pode se ligar, normalmente o receptor da insulina coloca um fosfatinho em TREONINA do IRS e com isso ele segue saltitante e alegre propagar a sinalização da insulina. Agora se um fosfato for colado em SERINA ele será desativado e não fará nada.

Outra coisa importante é que a resistência insulínica é seletiva. Na FIGURA 4 circulado em azul está a Proteína Ligada ao Receptor do fator de Crescimento 2 (GRB2), esta via pode funcionar independente da atividade o IRS, logo, a insulina pode exercer seus efeitos mitogênicos (expressão de genes, proliferação, etc.) mesmo sem exercer seus efeitos metabólicos (captação de glicose, síntese de glicogênio, anabolismo e por aí vai). Esta via pode agravar a resistência insulina uma vez que os ERKs 1/2 podem ativar a via da JNK, conhecida inimiga dos efeitos metabólicos insulínicos.

É CONFUSO? Calma, vou resumir. Na IMAGEM 5 vemos claramente que através do excesso de andrógenos, aqui demonstrado através da PCOS (síndrome de ovário policístico, na sigla em inglês), o receptor de insulina é fosforilado em serinas, o que o desativa. Aquela outra via, a do GRB2, entretanto, pode funcionar sozinha induzindo os efeitos mitogênicos da insulina. Só que sem IRS funcionando, não terá também AKT trabalhando, tampouco PI3K. Se essas gracinhas estão desocupadas você não tem os efeitos benéficos da insulina e o que isso te trará? Mais glicose no sangue, já que ela não está entrando pros tecidos que deveria.

21728043_1727409724227804_14289972128865

Agora façamo-nos uma pergunta: por que maldição o IRS é fosforilado em serina? Seria o Mr. M capaz de desvendar esse mistério? Eu aposto que não, já que até a ciência está com dificuldade pra isso. Pra tentar explicar essa inativação da IRS foi sugerido uma hipotética serina-kinase (7), onde a mesma estaria inativando a atividade da AKT e também estimulando a atividade dos Citocromos P450 envolvidos na “fabricação” de esteroides (IMAGEM 6).

21740475_1727409737561136_35408500448617

Agora na IMAGEM 7 os caras foram ainda mais longe e propuseram que essa fosforilação em serina é causada pelos ácidos graxos livres nas células. É conhecido que esteroides androgênicos melhoram o funcionamento dos receptores Beta Adrenérgicos a Lipase Hormônio Sensível no tecido adiposo visceral. Provavelmente com isso você tem maior liberação de ácidos graxos livres vindos os quais em excesso vão zoar tudo, pela fosforilação em serina do IRS.

21740573_1727409767561133_61939946988538

Outras coisas que é importante observarmos: atividade física e dieta são diretrizes no tratamento de atividade física, levando em consideração que a maioria das mulheres que usam esteroides treina e se alimenta corretamente (ou pelo menos deveria, né?) é explicável porque resistência insulínica e adiposidade abdominal não são tão presentes.

O uso de esteroides menos androgênicos que a testosterona, como oxandrolona e metenolona, podem interferir nisso, já que esses efeitos deletérios se dão especificamente pelo receptor de andrógenos. O tempo de uso também é impactante, logo é algo a se levar em conta. Interessante observar que o hiperandrogenismo provavelmente não é o único fator que desencadeia resistência insulínica, até porque o tratamento pra reduzir os andrógenos ou desativar o receptor androgênico nem sempre revertem o quadro.

Por fim, dê uma nova olhada nas imagens 3 e 7. Você percebe algo estranho? Está bem claro que os andrógenos contribuem pra resistência insulínica, mas também fica evidenciado que a resistência insulínica por si causa hiperandrogenismo, especialmente pela ativação da CYP450c17. É uma espécie de bola de neve onde um alimenta o outro. Será que o uso de esteroides exógenos não poderia fazer essa bola de neve metabólica começar rolar e, a partir daí, quem vai segurá-la?

RESUMINDO:

274c.png "Masculiniza" a gordura feminina: as mulheres naturalmente tem o percentual de gordura maior que os homens, entretanto a distribuição da gordura nas mulheres costuma ser melhor que nos homens. No público masculina a gordura é normalmente concentrada na região da cintura/abdome enquanto que nas mulheres ela é distribuída nos flancos, coxas e quadril. Acontece que a gordura abdominal é mais prejudicial a saúde que as outras. Ela também estimula o aumento dos macrófagos, piorando a sensibilidade a insulina e favorecendo a obesidade. Acontece que com o uso de andrógenos as mulheres sofrem alterações a nível genético que favorece o depósito de gordura na região abdominal.

274c.png Resistência insulínica no músculo: o uso de andrógenos altera a proporção de fibras musculares I e II, essa proporção desequilibrada acaba resultando numa menor captação de glicose pelo músculo, levando a resistência insulínica.

274c.png Alteração de receptores no hipotálamo: o hipotálamo feminino fica menos responsivo a leptina e à produção de POMC, isso leva a diminuição da ativação da gordura marrom, levando a um menor gasto energético.

274c.png Hiperinsulinemia: mulheres ficam 35% a 40% menos sensíveis a insulina com o excesso de andrógenos. Isso leva a um aumento da produção de insulina pra compensar esse efeito negativo. Isso, obviamente, pode dificultar a queima de gordura, engordar e até levar a um caso de diabetes tipo II.

 

Infelizmente a ciência não elucidou completamente como se dão os efeitos deletérios do hiperandrogenismo em mulheres, mas já podemos ter uma luz na situação. Todavia, nada nos impede de especular e discutir em cima do que já está elucidado.

 

1f4f0.png? REFERÊNCIAS:

  1. Navarro, G., Allard, C., Xu, W. and Mauvais-Jarvis, F. (2015), The role of androgens in metabolism, obesity, and diabetes in males and females. Obesity, 23: 713–719. DOI: 10.1002/oby.21033
  2. Baptiste, Catherine G. et al. Insulin and Hyperandrogenism in Women with Polycystic Ovary Syndrome. The Journal of steroid biochemistry and molecular biology 122.0 (2010): DOI: 10.1016/j.jsbmb.2009.12.010
  3. A E Newell-Fugate. The role of sex steroids in white adipose tissue adipocyte function. Reproduction. 2017 Apr;153(4):R133-R149. DOI: 10.1530/REP-16-0417
  4. Rosenbaum D, Haber R & Dunaif A. 1993 Insulin resistance in polycystic ovary syndrome: decreased expression of GLUT-4 glucose transporters in adipocytes. American Journal of Physiology – Endocrinology and Metabolism 264 E197–E202.
  5. Corbould A. 2007 Chronic testosterone treatment induces selective insulin resistance in subcutaneous adipocytes of women. Journal of Endocrinology. 192 585–594. DOI: 10.1677/joe.1.07070
  6. Evanthia Diamanti-Kandarakis, Andrea Dunaif; Insulin Resistance and the Polycystic Ovary Syndrome Revisited: An Update on Mechanisms and Implications, Endocrine Reviews, Volume 33, Issue 6, 1 December 2012, Pages 981–1030. DOI: 10.1210/er.2011-1034
  7. Joselyn Rojas, Mervin Chávez, Luis Olivar, et al. Polycystic Ovary Syndrome, Insulin Resistance, and Obesity: Navigating the Pathophysiologic Labyrinth. International Journal of Reproductive Medicine, vol. 2014, Article ID 719050, 17 pages, 2014. DOI: 10.1155/2014/719050
  8. Escobar-Morreale HF, San Millán JL. Abdominal adiposity and the polycystic ovary syndrome. Trends Endocrinol Metab. 2007 Sep;18(7):266-72. Epub 2007 Aug. DOI: 10.1016/j.tem.2007.07.003

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta em nossa comunidade! É rápido, fácil e grátis!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora
Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Por CarolAlmeida
      Olá a todos,
      Acompanho e me interesso pelo mundo fitness desde 2012. Já segui dieta, treinei, acompanhada de nutri e personal. Uns momentos de lá pra cá bem firmes, outros menos, permaneci na tentativa insana de ficar pura até 2015. Mas sempre tive muita dificuldade de ganhar massa muscular, pouca força e pra piorar, gorduras localizadas, que me fazem ser extremamente falsa magra. 
      Pois bem, em 2015 procurei um endócrino pra me ajudar no primeiro ciclo e ele receitou oxandrolona 20mg por 8 semanas, na 9 e 10 fizemos 30mg, na 11 semana 40mg e na 12 desci para 30mg, e assim suscetivamente até chegar em 10mg. Tive somente queda de cabelo e ganhei bastante gordura, junto com massa. Nesses tempos acredito que o nutricionista não dosou bem as calorias, extrapolou demais por ver que eu ia usar AES, mas não levou em consideração meu baixo peso corporal e de massa. O problema é que parei sozinha de forma brusca(dei ouvidos a pessoas que não entendem nada disso) e acabei com acne e perdendo todo o resultado. 
      Segui a vida sem usar nada, só na tentativa e erro e treinando sem muita empolgação,
      Em 2017 engravidei e fiquei muito instatisfeita com meu corpo depois, cheia de gordura localizada mesmo pesando muito pouco, fora o treino que ficou bem ruim pois eu estava extremamente fraca. Estava com 55kg para 1,64. Em novembro do ano passado, procurei um nutrólogo e ele receitou Ostarine 12mg + 4 injeçcoes de testo bioidêntica 50mg por semana + 1 deposteron 50mg. Este ciclo durou ao todo 3 meses finalizando com a Ostarine ( a testo usei bem no inicio porque a minha estava ridiculamente baixa só essas 5 semanas, o resto mantive só a ostarine). Meu bf que estava em 34% baixou para 29% (perdi 2,5kg de gordura e ganhei 1kg de massa). E olha que estava seguindo dieta séria com um ótimo nutri( o mesmo que me acompanha agora), antes de procurar o nutrólogo há 2 meses. Me dediquei com afinco e o treino melhorou em relação a setembro. 
      Meu metabolismo está uma lesma... O fato é que estou com peso baixo e massa magra muito baixa, isso torna meu metabolismo essa desgraça. Talvez fruto de uma dieta que fiz sozinha antes de procurar o nutri, extremamente lowcarb por um tempo longo.
      Segui agora com um outro médico e ele me receitou um ciclo de 8 semanas de Primobolan sublingual 7mg 3x ao dia. Ele queria muito combinar com Masteron, mas fiquei com muito medo dos colaterais. Preferi sentir primeiro como meu corpo responde a este ciclo, pois tenho consciencia que precisarei de muitos ciclos pra melhorar, então melhor ir devagar.
      Entre a Ostarine, ir a consulta, e conseguir o Primobolan na farmácia de manipulação (bem sei do risco de falsificação que ronda essa droga, que, diga-se de passagem, foi absurdamente cara) passaria 15 dias sem nada e estou usando 10mg de Stanozolan sublingual 5mg 2x ao dia que consegui com minha cunhada. Não queria correr o risco de piorar o meu desempenho de novo ficando 15 dias sem nada. 
      Na segunda irei iniciar o ciclo e a opinião e pitacos de todos será muito bem vinda. 
      RESUMO
      Idade: 31
      53,5 kg
      1,64 m
      não tirei medidas
      Bf: 29 (15kg de gordura e 20kg de massa muscular SOMENTE
      Tempo de treino: desde o pós parto estou levando a sério a 8 meses sem parar 
      Nesse ciclo tenho como objetivo aumentar a massa magra e por consequência, reduzir o BF, colocando o metabolismo nos eixos.
      Protocolo:
      2 semanas de Stanozolol sublingual 5mg 2x ao dia
      8 semanas Primobolan sublingual 7mg 3x ao dia
      DIETA
      6:00 1 banana 
      manipulado com 3g de beta alanina +  5mg de palatinose + 250mg de cafeína
      6:30 treino
      8h 3 ovos inteiros + 100g de alguma raiz(mandioca, batata doce...) + 3g de creatina + suco verde(pq gosto e já supro micronutrientes) + vitamina D + magnésio glicil glutamina + vitamina pro cabelo e unhas com cisteína e nutricolim que o nutrólogo mandou manipular.
      12h  100-120g de proteina + 100g de raizes ou 4 col de arroz + porção grande de legumes + 8 castanhas ou 1 col de azeite
      15h 100g-120g de proteína + legumes a vontade
      19h 12h  100-120g de proteina + 100g de raizes ou 4 col de arroz + porção grande de legumes + 8 castanhas ou 1 col de azeite
      Obs: lembrem do meu tamanho e qualidade corporal pra justificar a quantidade baixa de comida. O nutri já planejou acrescentar uma porção dessas de carbo a cada 2 semanas  e vou sentindo se vou ganhando muita gordura ou se está dando certo. Tenho muito medo de repetir o erro do outro ciclo, que o nutri da época jogou as calorias de uma vez lá pra cima por conta do ciclo e  veio bastante gordura junto(posso mandar uma foto de como fiquei).
       
       
      TREINO
      No momento o fator de intensidade do treino está sendo o volume. Para preparar para um próximo momento onde focarei mais na força, sinto que meus ligamentos não aguentariam ainda cargas mais altas. Mas está melhorando devagar e sempre. Outro ponto a chamar atenção é o treino de pernas. Tentei começar com 2x por semana, mas não consigo também dar a intensidade necessária ainda, sinto que fico aquém do que poderia trabalhar, por isso no momento estou realizando 3x por semana. Se tento ir além peco nas execuções dos movimentos. Por enquanto a melhor receita pra fadigar foi o volume por isso. Se tiverem mais idéias a acrescentar, agradeço.
      O TREINO MUDA A CADA 15-20 DIAS AGORA QUE ESTOU CICLANDO.
       
      *TREINO A
       LEG 45 4X 10-12
      AGACHAMENTO SMITH 4X 10-12
      AGACHAMENTO SUMO CONCENTRADO 4X14
      AFUNDO NO SMITH SOB UM STEP 3X12 CADA PERNA
      EXTENSORA + 1 DROP SET 3X12
      GLUTEOS NO CABO EXTENSÃO 4X12 A 15
      ELEVAÇÃO PÉLVICA UNILATERAL COM UM PÉ NO BANCO 4X12-15
      HIPEREXTENSÃO LOMBAR NO BANCO INVERSOR 3X15
      Panturrilha em pé no Step 3x 30
       
      *TREINO B
      PUXADOR FRENTE ABERTO 4X12 A 14
      REMADA CURVADA INVERTIDA 4X 15 A 18
      REMADA EM PÉ NA POLIA MÉDIA 3X15
      SUPERSET PUXADOR COSTA + CRUCIFIXO RETO 3X15+15
      ROSCA DIRETA 4X 10 A 15
      SUPERSET ROSCA MARTELO + TRICEPS TESTA COM HALTER 3X15+20
       
      CIRCUITO ABDOMEN, CORE E LOMBAR (está precisando muito melhorar. Um mal que a maioria das mulheres pós parto precisa correr atrás, tenho flacidez, gordura localizada e falta de tônus)
      PRANCHA FRONTAL + LATERAL + SUPERMAN NO SOLO 2X 60”+30” + 10
      ABDOMINAL BOXEADOR 3X 22 MOVIMENTOS
      ELEVAÇÃO DE PERNAS 3X10
      HIPEREXTENSÃO LOMBAR NO BANCO 3X15
       
      HIIT 5 TIROS NA BIKE DE 60 SEGUNDOS
       
      *TREINO C
      BISET MESA FLEXORA + STIFF COM HALTER 4X12+12
      CADEIRA FLEXORA 3X18
      CADEIRA ABDUTORA TRONCO A FRENTE 3x25
      GLUTEO NO CABO EXTENSÃO 3X15
      ELEVAÇÃO PELVICA 3X20
      PASSADA LIVRE 3X3O
      PANTURRILHA NO SMITH 4X15A 18
      PANTURRILHA SENTADA 4X20 A 25
       
      *TREINO D
      PECK DECK 4X10 A 12
      SUPERSET PECK DECK INVERTIDO + ELEVAÇÃO FRONTAL 3X15 +15
      ELEVAÇÃO LATERAL 3X15
      BISET ELEVAÇÃO DE ANILHA + CRUCIFIXO INVERSO 3X12 + 12
      TRICEPS FRANCES 4X20
      SUPERSET TRICEPS CORDA + ROSCA DIRETA 3X20 +15
       
      CIRCUITO ABDOMEN, CORE E LOMBAR (está precisando muito melhorar. Um mal que a maioria das mulheres pós parto precisa correr atrás, tenho flacidez, gordura localizada e falta de tônus)
      PRANCHA FRONTAL + LATERAL + SUPERMAN NO SOLO 2X 60”+30” + 10
      ABDOMINAL BOXEADOR 3X 22 MOVIMENTOS
      ELEVAÇÃO DE PERNAS 3X10
      HIPEREXTENSÃO LOMBAR NO BANCO 3X15
       
      HIIT 5 TIROS NA BIKE DE 60 SEGUNDOS
       
      *TREINO E
      LEG PRESS 45 PERNAS AFASTADAS + PROXIMAS + PASSADA 3X12+12+20
      CADEIRA EXTENSORA UNILATERAL 4X20
      AGACHAMENTO SMITH 4X15
      AGACHAMENTO SUMO CONCENTRADO 4X20
      ELEVAÇÃO PELVICA UNILATERAL COM PÉ NO BANCO 4X20 A 25
      GLUTEOS NO CABO EXTENSÃO 4X18 A 20
      HIPEREXTENSÃO LOMBAR NO BANCO INVERSOR 3X20
      PANTURRILHAS NO STEP 1X80
       
      Sintam-se livres pra opinar na questão da dieta (e meu medo de vir muita gordura, do treino e seu volume e claro, do ciclo) 
      Prometo que amanhã sigo com fotos conforme o padrão 
       
       
       
       
       
       
    • Por Gabi Fit
      Pessoal, finalizei um ciclo de oxandrolona (30 MG ao dia) e boldenona (60 mg semanal) que foi o meu primeiro, estou fazendo exames de sangue para checar se está tudo OK e gostaria de orientação / sugestões para um segundo ciclo visando ganho de massa magra (tenho muita dificuldade).
      Nesse primeiro ciclo tive colaterais como espinhas (algumas no rosto), clitoris inchado e pele oleosa.
      Gostei bastante da boldenona e me sugeriram usar boldenona com primobolan, gostaria de opiniões de vocês (tenho medo de virilizar).
      Podem me ajudar?
      Malho há um pouco mais de 2 anos, e nesse primeiro ciclo consegui 3 KG.
      Meus dados
      Idade: 30
      altura: 1,58 cm
      Peso: 52 kg - bf 11% 
      Pescoço: 34 cm
      Bíceps: 26 cm
      Ombro: 97,5
      Cintura: 67,5 cm
      Bumbum / quadril: 88 cm
      coxa abaixo do bumbum: 52,5 cm
      Coxa média: 48,7 cm
      Panturrilhas: 35 cm
      Glúteos: 98cm
      Dieta: 
       Café da manha: 1 dose de hipercalorico+ 200 ml leite desnatado + 2 fatia de pao integral + 2 colheres de requeijao light
      Almoço: 150gr de carne moida ou patinho ou frango ou peixe + 100 gr de arroz integral ou batata doce
      lanche da tarde: 2 colheres de albumina ou 1 iogurte ou 100 gr de abacate
      Pré treino: 80gr de abacate + 2 colheres de albumina
      Pós treino: 1 dose de whey + 3 bananas
      Jantar: 200 gr de frango + folhas e vegetais + 3 ovos
      Treino 5 x por semana e atualmente tenho treinado seg, quarta e sexta inferiores (Seg e sexta quadriceps e quarta posterior e gluteo) e terça e quinta superiores.



    • Por Degcastro
      Faz 2 semanas que terminei meu primeiro ciclo com oxandrolona feito por 13 semanas.
      Agora estou em cruise com propionato 3ui DSDN em aplicações subcutânea. Minha primeira aplicação foi dia 19/01/19, então to a 2 semanas aplicando.
      As primeiras aplicações foram mais tranquilas mais as ultimas três, não sei se fiz alguma coisa errado que elas ficaram bem vermelhas e ta um caroço bem dolorido. Não to sentindo dor mais se apertar ai doi.
      Quero agradecer ao @Bravo Costa e @K C que me deram varias dicas de como aplicar.
      To usando reparil e vou comprar um bolsa térmica pra fazer umas compressas quente pra ajudar o caroço a desaparecer.
      Por enquanto não to sentindo nada de diferente, nem mesmo minha libido mudou.
      Minha força continua mesma na academia. To sem espinhas e pele e cabelo ta normal..
      Quando completar 30 dias de uso vou fazer exames pra comparar com os que fiz no final do ciclo com a oxandrolona.
      TMJ
       
       
      Segue as fotos
       




    • Por Sereiafit
      Olá queridos do meu coração! 
       Eis-me aqui novamente para relatar minhas experiências no mundo das drogas. hehehe
      Para quem não acompanhou, aqui está meu relato anterior com oxandrolona : 
      Agora que já me conhecem, segue as observações: 
      Após o ciclo de oxandrolona fiz um com bold 100mg/sem por 12 semanas Tive um ganho considerável, chegando a aproximadamente 70kg mesmo durante o ciclo tive uma série de imprevistos, baixando minha imunidade e tendo várias gripes fortes com febre, tosse, indisposição e garganta muito inflamada Colaterais com bold: voz arranhando (voltou ao normal no pós ciclo), libido razoável, queda de cabelos e só! Após o ciclo outra gripe forte me fazendo perder quase 5kg Forcei a dieta para recuperar um pouco a magreza e ganhei um bf%zinho, porém subi o peso mesmo no pós ciclo  rsrsrs  
      Meus dados
      Idade: 28
      Peso: 67kg - bf 17% (ultima medição há um mês mas deve ter aumentado)
      Cintura: 72 cm
      Bíceps: 32cm
      Peito: 94 cm
      Coxa media: 61cm
      Panturrilhas: 37cm
      Glúteos: 102cm
       
      DIETA:
      PRÉ-DESJEJUM  (10min antes do desjejum)
      - Suco de 1 limão
      - 1 colher de sopa de Vinagre de Maçã
      - Vitamina D – 5000UI
      - Vitamina C-500mg
      - Vitamina A
      - Omega 3
       
      DESJEJUM – pré-treino
      - 250ml de leite desnatado
      - 30g de aveia em flocos
      - 30g de whey protein
      - 1 banana nanica
      - 2 ovos
       PÓS TREINO
      - 100g de batata doce ou arroz integral / 100g de arroz branco (no dia de MMII)
      - 150g de patinho
      - 50g de brócolis
      - Creatina 5g
       
      ALMOÇO
      - 100g de arroz integral
      - 30g de feijão
      - 150g de peito de frango
      - Vegetal do Tipo A – à vontade (ao menos 100g)
       
      LANCHE 1
      -150g Carne Magra Grelhada
      - 100g batata doce 
      - Azeite de Oliva-5g
      - 100g abacaxi
       
       
      LANCHE 2
      -100g Frango Grelhado
      -100g Batata doce-
      -Vegetal do Tipo A – à vontade
      - Maça
       
      JANTAR
      -120g Carne Magra grelhada
      -100g Batata Doce
      -Vegetal do Tipo A – à vontade
      - Azeite de Oliva-5g
       
      CEIA
      - 120g abacate
      - 15g whey protein
      - 5g creatina
      - Vitamina C-500mg
      Calculei essa dieta deu em torno de 2.900kcal, com a proporção de 40%prot, 35%carb e 25%gord. Se alguém discordar disso, pode comentar que reavaliarei. 
       
      TREINO: Eu não tenho uma sequência pré-definida de treino. Treino os grupamentos sempre de acordo com a recuperação, seguindo mais ou menos isso:
      COSTAS PANTURRILHAS E ABDÔMEN  POSTERIOR E GLÚTEOS BÍCEPS E TRÍCEPS PANTURRILHA E ABDÔMEN OMBRO E APENAS UM EXERCÍCIO PARA PEITO QUADRÍCEPS DESCANSO As academias que frequento abrem até no domingo, então eu sigo mais ou menos esse esquema, o descanso por muitas vezes é aleatório. Fora musculação eu faço dança de salão, mas trata-se de uma atividade com pouco esforço físico na minha opinião. Tenho feito a periodização entre treino de força e resistência tbem. Apesar que ultimamente me sentia fraca devidas gripes que tive, mas eu estava forçando um treino mais pesado.
       
      Protocolo::
      1 - 12 semanas - boldenona 100mg/sem
      1-5 semanas - masteron 50mg/sem
      6-12 semanas - masteron 70~100mg/sem (irei avaliar o aumento da dose de acordo com os colaterais e resultados, talvez eu não aumente, talvez eu toco o pau kkk)
      Planejamento de depois diminuir a dose para 50mg/sem novamente e levar por um bom tempo ou até eu resolver fazer outro ciclo (pq sou mto doida) 
      As aplicações de bold estão 2x por semana e masteron dsdn. Tipo um dia aplico bold+master, dn, apenas master, dn, bold+master. Primeira dose aplicada ontem.
       
      Eu ia fazer bold + primo. Mas teve uma confusão com o fornecedor, acabou que veio masteron, então vai isso mesmo! kkkkk
      Me deem opinião sobre a dose please; Esse protocolo foi indicado pelo coach, porém eu continuarei por conta. 
       
       
      A noite ou amanhã cedo eu posto foto da carcaça!
       
      Bjs ♥
    • Por Katyfcps
      Bom dia. @Foston gostaria muito da sua orientação. Passei essa semana pelo meu endócrino e percebemos que minha testo continua baixa. E junto a isso outras coisas estão ruins. Cortisol. Vitaminas. Ferro. Líbido.
      Tenho quase 39 anos. Sou praticante de atividade física (70% aeróbico e 30% musculação mais ou menos assim)KKK. Faço reeducação alimentar e emagreci 65kilos APENAS com estilo saudável. Sem remédio e sem bariátrica. Nada contra nenhum deles.
      Tenho auto estima mais elevada e me cuido. Fiz retirada de pele do seio e da barriga e coloquei silicone. Não sou sarada e nem musculosa. Ainda tenho coxas grossas e um pouco de gordura a perder. Tenho 1,65 de altura e 69 kilos.
      Porém minha líbido. Esta péssima. E meu endócrino sugeriu o uso da testosterona bioidentica 3% pentravan 60g. Por dois meses. E depois repetir os exames. O que vc acha?
      Eh em gel. Ele disse pra usar 1 grama no antebraço a noite.
      Tenho receio dos traços masculinos. Sou casada e meu marido não eh muito a favor do uso dessas coisas. 
       
       
      Vamos lá....
      Não faço uso de anticoncepcionais
      Idade: 38
      Altura: 1.65
      Peso: 69
      Medicações em uso: nenhum
      Problemas de Saúde: apenas testosterona baixa. Cortisol alto. Colesterol um pouco alto. Porém o bom eh bem alto e o ruim bem baixo
      Tempo de treino: faço aeróbicos de manhã. Cerca de 2 horas. Amo bike e jump
      Ciclos feitos: não faço e nunca do uso de anabolizantes se a pergunta for essa. Kkkk
      Ciclo proposto com Aes (Marca) dose e tempo: faço aeróbicos .jejum por conta de refluxo e tbm por conta do jejum intermitente
      Divisão de treino e horario do mesmo: e musculação a noite. Superior. Inferior e abdomen
      Dieta com quantidade de proteina/carboidrato/gordura por dia: não faço acompanhamento com orientações médicas e nem nutricionais. Fiz na cara e na coragem. Tirei o que sabia ser errada e comi comida de verdade. A base de muita proteína legumes saladas e frutas. Comida de varejão e feiras.
       
      Sim falarei com meu marido mesmo sabendo que não será um assunto fácil e tranquilo. Porém. Necessário. Essa questão do líbido está mexendo muito comigo. Sou nova e mesmo tendo a plástica e me sentindo feliz e bonita não me sinto mulher e nem com desejos. Ele me atrai pra caramba. Não eh falta de interesse e nem de desejo. E eh algo difícil até de explicar. Fora o cansaço físico que ando sentindo e não eh anemia. 
      Não estou usando pelo fator físico externo. Porém não sou boba e se me ajudar a perder um pouco de gordura corporal ficaria mais feliz ainda.
      Não achei nenhuma foto que pudesse postar. Assim possível farei isso
×