Ir para conteúdo
  1. FitCoupleHim

    FitCoupleHim

  • Conteúdo Similar

    • Por Salu Ramos
      Pretendo fazer meu primeiro ciclo em breve.
      Tenho algumas dúvidas sobre o crash hormonal do estrogênio (como usar o anastrozol e o tamox).
      Apenas testo para não "queimar" a largada.

      Biotipo = Ectormorfo
      Idade = 18 anos
      Peso = 77 kilos (Iniciei com 62 kilos)
      Altura = 185 cm
      Bf = 11~12%
      Tempo de treino = 13 meses de treino, 7 meses sem parar.
      Minha evolução: http://www.hipertrofia.org/forum/topic/224681-evolução-salu-ramos-17-anos/

      Protocolo:
      1 - 10: ENANTATO DE TESTOSTERONA 490 mg/semana = uma aplicação de 350 mg a cada 5 dias (meia vida) ou 490 mg divididos entre segunda e quinta (afim de estabilizar os níveis).
      1 - 12: OMEGA 3 = 5 ou 10 mg tsd.
      3 - 12: ANASTROZOL = penso em fazer 1 mg dsdn ou 0,5 mg dsdn.
      3 - 12: HCG = 100 ui tsd ou 500 ui/semana divididos entre segunda e quinta (água bacteriostática 2%).
      12 - 13: TAMOXIFENO = 40 mg tsd.
      13 - 14: TAMOXIFENO = 20 mg tsd.
      14 - 15: TAMOXIFENO = 20 mg dsdn.
      15 - 16: TAMOXIFENO = 20 mg ds2dn.

      Gostaria de saber a opnião de vcs, oque acham da maneira que irei usar o tamoxifeno? anastrozol? e o hcg?
      Vlww minha gente.
    • Por Salu Ramos
      não sei se o tópico está no local correto, já peço desculpas.

      A dúvida é, vale a pena investir em vitamina D3 e vitamina E durante o blast?
      Até onde sei, os efeitos benéficos seriam:
      Vitamina D3 = ação anti-estrogênica e menos SHBG.
      Vitamina E = mais fertildade (não sei exatamente como funciona) e menos radicais livres.

      A minha é dúvida é se estes benefícios são tão pequenos que não fazem a diferença.
      Se souberem de mais funções coloquem ai.
      Vlw minha gente, esse é meu primeiro post no fórum.
    • Por Marcelo Leimann
      Ola, eu estou passando por um momento dificil e gostaria da ajuda de vocês se possivel.. Na verdade é mais um "desespero" pelos seguintes fatos:
      Tenho "18" anos, e decidi fazer um ciclo de Stanozolol, comprimido, só Stano (eu sei fiz besteira, até pq os ganhos somente foram mais de força do que shape) até ai tudo bem, comecei tomando 20mg/dia na segunda semana aumentei pra 30, ciclei por 4 semanas mais ou menos até porque era meu primeiro ciclo, queria conhecer como é tomar anabolizante e não queria degradar meu figado (ate pq o ciclo pegou a semana do carnaval, muita bebida e tal).
      Depois que acabou o ciclo eu logo comprei uma caixa de Clomid com 10 comprimidos de 50 mg, tomei 1 ou 2 a cada dia e 3 dias depois que acabou eu senti os efeitos da falta de testosterona no corpo (no terceiro dia eu cheguei a chorar no trabalho por conta do meu emocional parecer o de uma menininha), eu tava muito abatido, nao conseguia carregar coisas pesadas e a fadiga me matava, literalmente eu tava muito mal. Então eu fui até a farmacia e comprei 2 caixas de Indux, tomei 100mg durante 5 dias e 50 mg durante 10 dias, eu tava bem novamente, mas não tinha aquele tesão de adolescente entende? kkk... Agora fazem uns 4/5 dias que eu parei de tomar o Indux e eu estou sentindo minha libido muito baixa, (não tenho mais aquele hormonio a flor da pele, o meu amigo está totalmente flácido e é dificil de me excitar sozinho agora).
      Enfim, eu estou com medo de que eu piore ao ponto do terceiro dia sem Clomid, e não consiga recuperar todo aquele meu apetite sexual que eu tinha, recorri até aqui só agora pq só achei que fosse recorrer se fosse de extrema necessidade, e não sei mais oque fazer, pensei em pedir um exame pra medir os niveis de testosterona mas eu sei que estão baixos, só vai confirmar oque eu sinto.
      Vocês tem algo pra me aconselhar ? oque eu devo fazer? oque eu tomo pra melhorar esse meu eixo de uma vez por todas?
    • Por FitCoupleHim
      O texto abaixo trata-se de fragmento extraido do artigo Diagnóstico e Tratamento do Hipogonadismo Masculino Tardio
      por MartaAlves*,**, Celestino Neves*,**, José Luís Medina*,**        www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0871-34132010000100003
      ----------------------------------
       
      Fisiologia do eixo hipotálamo-hipófise-testicular
      A produção de GnRH (Gonadothropin Releasing Hormone) pelo hipotálamo é regulada por sinais estimulantes ou inibitórios, que têm origem no córtex cerebral e que são mediados por neurotransmissores. A sua libertação leva à produção e libertação de gonadotropinas, a FSH (Follicle-Stimulating Hormone) e a LH (Luteinizing Hormone) (1), verificando-se que a cada pulso de LH corresponde um pulso hipotalâmico de GnRH (2). Estas hormonas, por sua vez, actuam a nível gonádico levando à produção de testosterona (T) e contribuindo, de modo fundamental, para a espermatogénese. A LH estimula as células de Leydig a produzir T a partir do colesterol e a FSH estimula as células de Sertoli a produzir espermatozóides. Para que a espermatogénese seja qualitativa e quantitativamente eficaz é essencial a presença de níveis adequados de T nos túbulos seminíferos (1). A prolactina (PRL) potencia a acção da LH nas células de Leydig.
      A FSH induz ainda a produção, pelas células de Sertoli, da proteína de ligação aos androgénios e da inibina B. Esta última suprime a espermatogénese por efeito parácrino e, indirectamente, pela supressão da FSH (feedback negativo) (1). A T e os seus metabolitos, o 17-beta estradiol (E2) e a di-hidrotestosterona (DHT), suprimem também a produção de gonadotropinas por um mecanismo de feedback negativo sobre o hipotálamo e a hipófise anterior.
      É interessante recordar outras condicionantes da produção de T, nomeadamente o efeito da luz e a existência de um ritmo circadiano e circanual. É bem conhecida a produção de T pelo efeito da luz solar na pele, em particular na pele dos órgãos genitais. Verifica-se ainda que os seus níveis urinários se elevam na primavera e no verão, sendo cerca de um terço mais elevados no fim do mês de Agosto, comparativamente ao mês de Fevereiro (3,4). A produção de T no jovem adulto saudável é também variável ao longo do dia. Este ritmo circadiano caracteriza-se por concentrações máximas de madrugada e concentrações mínimas ao anoitecer. O ritmo circadiano de produção de T desvanece-se com o envelhecimento (5).
       
      Testosterona e órgãos-alvo
      Em circulação, a T existe sob três formas. A T pode encontrar-se ligada à SHBG (sex hormone binding globulin), forma esta que não está imediatamente disponível para os órgãos-alvo, já que a ligação é forte. Pode ainda ser encontrada em ligação com a albumina, uma ligação mais fraca, o que a torna facilmente disponível para os órgãos-alvo. Uma pequena percentagem de T, 1 a 2%, circula livremente (T livre). A T total (100%) resulta da soma das três formas em circulação. A T biodisponível (60%) é a fracção correspondente à soma da T livre com a T ligada à albumina (6).
      Determinados tecidos requerem a configuração da DHT, obtida pela acção da 5a-reductase, de modo que o efeito androgénico seja máximo. A T pode ainda ser aromatizada em E2, que exerce os seus efeitos ligando-se aos receptores estrogénicos (1).
       
      Funções da testosterona
      A T contribui para o aumento da força e volume muscular, influencia a síntese hepática de proteínas séricas, actua no tecido adiposo, reduzindo a massa gorda, acelera o crescimento linear dos ossos e é importante no encerramento das epífises, durante a puberdade, e na manutenção da densidade mineral óssea. Tem ainda um papel a nível cerebral influenciando a líbido, a agressividade e a cognição. É também determinante na distribuição da pilosidade corporal e facial com padrão masculino, no desenvolvimento de calvície e na produção de sebum na pele. Tem efeitos hematológicos, aumentando a hemoglobina e o hematócrito, através da actuação directa na medula óssea, onde estimula as stem cells, ou no rim, estimulando a produção de eritropoietina. Contribui também para o crescimento peniano, a espermatogénese, o crescimento e a função prostática (1).
      ---------------------------------------
       
      Todas as referências estão  disponíveis no texto  original (versão completa)) disponível em http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0871-34132010000100003
       
×