Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

MIOSTATINA


Ems
 Compartilhar

Post Destacado

Ola a todos

Bem quando observo o pessoal todo fazendo esperimento se empolgando e se interessando sobre o MYOSTAT, MYO BLAST..etcs..resolvi entrar tambem na discursao que é bastante interessante e enriquecedora.

Gostaria de deixar claro que nao sou contra o produto, so estou postando algumas informacoes e questionamentos pesquisados para aprimoramento de opiniões.

Miostatina

A miostatina é um gene que regula negativamente o crescimento muscular, ou seja, ela limita o tamanho do músculo, tanto pela atenuação da hipertrofia quanto da hiperplasia. Ainda não se sabe ao certo como a miostatina atua, podendo ser pela indução da morte das células, inibição da proliferação de células satélites e/ou diretamente no metabolismo protéico.

Estudos em animais

Em 1997, MCPHERRON et al fizeram um experimento interessante e obtiveram uma descoberta surpreendente. Através de manipulação genética os pesquisadores produziram ratos com deficiência no gene GDF-8 (miostatina) e verificaram que os animais “deficientes” eram muito maiores que os normais, com seus músculos chegando a ser de 2 a 3 vezes mais volumosos, sem que houvesse um aumento correspondente na gordura!!!!

Em animais de maior porte, como os bois, a inibição da miostatina não é tão significativa quanto em ratos. Existem algumas raças que possuem naturalmente mais massa muscular, como a Belgian Blue, a qual possui uma mutação genética que a leva a ter de 20 a 25% mais massa muscular e uma menor quantidade de gordura intramuscular e tecidos conectivos (dados citados por MCPHERRON & LEE, 1997). Estes dados em animais podem levar a interessantes trabalhos no campo da engenharia genética, no sentido de produzir animais maiores e com carne de melhor qualidade em uma grande variedade de espécies, tendo em vista que a miostatina conserva suas propriedades em diversos componentes do reino animal.

Estudos em humanos

Desta forma, tornou-se inevitável associar o ganho de massa muscular à atividade da miostatina em humanos. Esta poderia ser uma explicação de como o fator genético determina a composição corporal dos indivíduos em níveis musculares, teorizando que pessoas com maiores atividades de miostatina teriam dificuldade em ganhar massa muscular.

Um estudo feito em Estocolmo, na Suécia, mediu a quantidade de miostatina em um grupo de homens saudáveis e dois de HIV positivos (um com perda de peso menor que 10% e o outro com redução ponderal maior que 10% nos últimos 6 meses). De acordo com os resultados há uma correlação negativa entre a miostatina e quantidade de massa magra, tanto em indivíduos saudáveis quanto HIV positivos, dando suporte à teoria de que a miostatina seja inibidora do desenvolvimento muscular (GONZALEZ-CADAVID et al, 1998). Outros estudos também verificaram maiores atividades da miostatina em estados catabólicos induzidos por períodos prolongados de imobilização, como estados de leito (ZACHWIEJA et al, 1999; REARDON et al, 2001). Mais recentemente também foi verificada uma maior atividade de miostatina em idosos, atribuindo um possível papel deste gene na sarcopenia (perda de massa muscular) (MARCELL et al, 2001; SCHULTE et al, 2001).

Os maiores níveis de miostatina em portadores do vírus HIV (GONZALEZ-CADAVID et al, 1998), atrofias crônicas (ZACHWIEJA et al, 1999; REARDON et al, 2001) e idades avançadas (MARCELL et al, 2001; SCHULTE et al, 2001) fazem surgir especulações acerca das aplicações terapêuticas que a inibição da atuação da miostatina podem ter em estados catabólicos induzidos por diversas patologias.

Em 2000, IVEY et al publicaram um estudo onde procurou-se verificar os efeitos da miostatina nos resultados obtidos com o treinamento de força. O estudo envolveu um treinamento de musculação de 9 semanas, com uma metodologia similar ao drop-set, tendo 4 grupos: homens jovens, homens idosos, mulheres jovens e mulheres idosas. De acordo com os resultados os diferentes fenótipos de miostatina não influenciaram na resposta hipertrófica ao treinamento de força quando os resultados de todos os 4 grupos eram analisados em conjunto, porém houve uma tendência para maiores ganhos de massa muscular em mulheres com um determinado genótipo. Estas conclusões podem gerar dúvidas quanto à influencia da miostatina na resposta normal ao treinamento de força.

A descoberta deste gene trouxe reações em diversos segmentos: os profissionais da saúde procuraram uma maneira de reverter o catabolismo gerado por estados patológicos e pelo envelhecimento; os pecuaristas visualizaram uma forma de aumentar seus ganhos, produzindo animais maiores, e alguns segmentos do esporte procuraram uma maneira de obter melhores resultados desportivos e estéticos.

Como era de se esperar, muitas indústrias de suplementos alimentares se prontificaram a lançar no mercado substâncias que prometem atenuar os efeitos da miostatina e, desta forma, romper as barreiras genéticas do ganho de massa muscular, porém creio que isto seja improvável de acontecer, pois dificilmente um destes produtos produzirá a mágica de inibir a atuação deste gene e se isso ocorrer, os resultados podem não ser muito agradáveis, pois não podemos esquecer que todos os movimentos de nosso corpo são controlados por músculos, incluindo os da fase e outros locais que não costumamos lembrar quando pensamos em hipertrofia. Uma inibição generalizada da miostatina poderia provocar desenvolvimento incontrolado de todos eles, gerando um aspecto nada agradável.

Outro ponto que gerará questionamentos é a distante, porém real, possibilidade da miostatina passar a ser manipulada em humanos mesmo antes do nascimento, originando uma linhagem de “super-seres”. Isto traz à tona a questão ética da engenharia genética: até que ponto a ciência pode interferir no desenvolvimento de um indivíduo?

Bom é isso ai...

no mais e pagar pra ver...

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


fantastico seu post....... Realmente a descoberta da miostatina e seu funcionamento sao muito novas, pensa-la em inibi-la tao cedo é pouco provavel, apesar de que eu uso o produto Myostat, pois sempre existe aquele 1% de chance, e nós malhadores sempre queremos acreditar que aquilo vai nos fazer crescer, alem do que tambem nao acreditaram em Sabin quando ele fez a vacina, niguem achou que ia dar certo injetar a propria doença para ser imunizado, isso era loucura, mas no final se provou o contrario........ Por que nao o mesmo com o Myostat????? Bem, agora é esperar.......

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Pois é fhmattos....

Acho muito interessante e pertinente o debate sobre o assunto pois se realmente se confirmar na pratica sua eficacia teorica, a mistatina sera uma verdadeira revolucao(ou evolucao..ehhe) nao so para a musculacao mas para toda a engenharia genetica.

Me atrevo ate a dizer que nessas areas a cronologia sera dividida em A.M.(antes da miostatina) e P.M.(pos miostatina)...ehehe.

Mas ate la o jeito e ficar de camarote esperando os resultados, pois como nós mesmos sabemos, existem milhares de outros produtos no mercado que prometiam verdadeiros milagres e nao passaram de mera teoria. E o mais desanimador sao os tais e ainda desconhecidos efeitos colaterais. Se nao houverem ja deu pra perceber tb os possiveis efeitos de superdosagem, e o uso a longo prazo? sera que o organismo nao tenderia baixar os niveis permanentemente ou ate mesmo deixar de produzir a miostatina? isso acarretaria a verdadeiras aberracoes da natureza..heheh...sao algumas das muitas perguntas q ficam.

Como disse o lance agora é esperar e fico muito feliz pela sua aplicacao e audacia de esperimentar tal produto alem do interesse por novas formas de aprimoramento.Sinceramente espero q tenha exito nessa empreitada.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta 100% gratuita!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora
 Compartilhar

×
×
  • Criar novo...