Jump to content
Sign in to follow this  
isartori

L-CARNITINA: o que é e como usar

Rate this topic

Recommended Posts

Quimicamente, a carnitina é uma amina quaternária (a mesma família química à qual a colina pertence) e existe sob a forma de dois estereoisômeros (estruturas que são a imagem espelhada uma da outra) chamados L-carnitina (a forma ativa encontrada em nossos tecidos) e D-carnitina ( a forma biologicamente inativa).

 

Uma mistura das duas formas em partes iguais tem o nome de DL-carnitina. A L-carnitina é sintetizada no corpo humano, principalmente no fígado e nos rins, a partir de aminoácidos essenciais, a lisina e a metionina. Três vitaminas, niacina, B6 e C, assim como o ferro, participam dessa síntese. Hoje sabe-se que a L-carnitina é essencial para a manutenção da saúde dos seres humanos.

 

A L-carnitina é absolutamente necessária para o transporte dos ácidos graxos de cadeia longa até a mitocôndria, a fornalha metabólica das células. Os ácidos graxos são as principais fontes de produção de energia no músculo cardíaco e esqueletal, estruturas particularmente vulneráveis à deficiência de L-carnitina.

 

Já foram identificados vários estados de insuficiência de L-carnitina, muitos dos quais são de origem genética. Dentre os sintomas dessas deficiências estão: fraqueza muscular, confusão severa e angina (“dor no peito”). Alguns grupos, particularmente, correm risco de deficiência de L-carnitina. Dentre eles estão pacientes de insuficiência renal crônica em hemodiálice e pacientes com insuficiência hepática. Até alguns subgrupos saudáveis apresentam necessidade adicionais de L-carnitina.

 

Dentre eles estão os vegetarianos radicais, recém-nascidos, gestantes e lactantes. Só recentemente se reconheceu que a L-carnitina é essencial para a saúde ótima. O futuro dessa substância parece promissor, desde que a ciência médica continue a investigá-la. Dentre os argumentos a favor dessas substâncias estão:

 

1. Protege contra doenças cardiovasculares;

2. Protege contra doenças musculares (e ajuda a desenvolver os músculos e o vigor);

3. Protege contra doenças hepáticas;

4. Protege contra o diabetes;

5. Protege contra doenças renais;

6. Ajuda nas dietas.

 

Estudos clínicos demonstraram os efeitos positivos da suplementação de L-carnitina em pacientes que sofrem de doenças da artéria coronária e que recebem injeções de L-carnitina. Em um grupo, por exemplo, demonstrou-se o aumento significativo da tolerância aos exercícios entre pacientes tratados com L-carnitina com doenças da artéria coronária.

 

Outros demonstraram também uma maior tolerância a exercícios entre pacientes de doença da artéria coronária tratados com L-carnitina. Em outro estudo, dois grupos semelhantes de pacientes que sofriam de angina pectoris (a dor no peito severa que freqüentemente acompanha o fluxo insuficiente de sangue e oxigênio para o músculo cardíaco) tomaram duas formas diferentes de carnitina. Observou-se uma melhoria notável nos dois grupos durante os trintas dias iniciais nos quais se administrou carnitina por via oral.

 

Entre trinta e sessenta dias, entretanto, observou-se uma melhoria maior no grupo que tomou L-carnitina (50 miligramas por quilograma de peso corporal por dia) mas não no grupo que tomou DL – cartinina (100 miligramas por quilograma de peso corporal por dia).

 

Muitas pessoas consomem gérmen de trigo e o óleo derivado do gérmen de trigo como fontes de vitamina E “natural” e octacosanol. Não há indícios persuasivos que sugiram que a vitamina E ou qualquer outra substância derivada dessas fontes seja mais eficaz do que a vitamina E comprada em cápsulas.

 

Além disso, o óleo contido nessas cápsulas é muito menos propenso à rancidez do que o do gérmen de trigo. Foi elaborado um argumento não-convincente, com base em pesquisas inadequadas, de que o óleo de gérmen de trigo é superior aos suplementos concentrados de vitamina de vitamina E.

 

A razão disso, segundo alegações, é que o óleo de gérmen de trigo contém octacosanol, um álcool de 28 carbonos. Atualmente, os fabricantes e divulgadores do óleo de gérmen de trigo competem em relação à quantidade de octacosanol contida em seus respectivos produtos.

 

O fato é que há poucas informações na literatura científica que indiquem que o octacosanol desempenhe um papel significativo na biologia e saúde humanas. É interessante e instrutivo notar que os autores de artigos que divulgam o octacosanol freqüentemente citam um documento científico específico, sugerindo claramente que esse documento trata do reagente catalisador octacarbonila de dicobalto, que nada tem a ver com octacosanol!

 

Uma observação final sobre esse assunto: atualmente, parece que descobertas anteriores que mostram um possível papel benéfico do óleo de gérmen de trigo no tratamento da distrofia muscular talvez tenham sido resultantes de uma substância inteiramente diferente, como o selênio, que hoje parece ter uma possível função nesse distúrbio, embora ainda não se tenha demonstrado claramente isso.

 

Relatou-se, há algum tempo, que a suplementação de carnitina reduz significativamente os lipídios sangüíneos totais (gorduras e substâncias semelhantes à gordura), uma descoberta confirmada recentemente por pesquisadores japoneses que relataram que a administração oral de 900 miligrama de L-carnitina diminuiu notavelmente os níveis sangüíneos de triglicerídeos, um dos lipídios envolvidos nas doenças cardiovasculares.

 

A L-carnitina oral, neste estudo, foi tão eficaz quanto a L-carnitina intravenosa. O efeito continuou enquanto se deu continuidade à administração de carnitina; os níveis de triglicerídeos aumentaram novamente quando se suspendeu a administração da carnitina. Não se observou nenhum efeito sobre o colesterol. Entretanto, em outros estudos, a administração oral de 1 grama de L-carnitina diariamente durante um período de dez a quinze semanas gerou um aumento substancial no colesterol HDL em dois homens normais. O HDL é o colesterol “bom”, a parte protetora contra a doença da artéria coronária.

 

As pesquisas realizadas até o momento sugerem um papel potencialmente importante para a L-carnitina no tratamento e possivelmente na prevenção de algumas formas de doenças cardiovasculares. Entretanto, hoje não existem indícios que as pessoas com níveis normais de carnitina e metabolismo normal de ácidos graxos se beneficiem da suplementação não alimentícia de carnitina. Maiores pesquisas estão garantidas.

 

Demonstrou-se recentemente, em um estudo bem projetado, que a suplementação de L-carnitina aumenta a distância que os pacientes de claudicação intermitente decorrente de doença vascular periférica conseguem caminhar.

 

Quanto às alegações relacionadas aos músculos e ao vigor, demonstrou-se que os pacientes com algumas formas de doenças que enfraquecem os músculos, em sua maioria hereditárias, apresentam deficiências de carnitina que, em algumas instâncias, respondem à suplementação de carnitina. As alegações de que a carnitina pode ajudar a desenvolver a musculatura e aumentar a resistência física levaram à sua adoção entre alguns atletas e adeptos da musculação.

 

È possível que os indivíduos normais possam se beneficiar do aumento da energia proporcionado por suplementos de carnitina, mas não há provas de que isso realmente aconteça. Nem tampouco há muitos indícios de que a carnitina ofereça proteção direta contra doenças hepáticas. As deficiências de carnitina, entretanto, podem atrapalhar os processos normais do metabolismo hepático das lipoproteinas, contribuindo para elevações potencialmente danosas dos níveis sangüíneos de triglicerídeos e colesterol. (Veja a discussão acima sobre doenças cardiovasculares.)

 

Quanto ao diabetes, embora tenham sido relatadas anormalidade no metabolismo da carnitina em diabéticos, não há provas de que a suplementação de carnitina previna o diabetes. O argumento de que a carnitina oferece proteção contra doenças renais aparentemente provém de relatos de que a deficiência de carnitina em pacientes de falência renal que passam por hemodiálise, hoje freqüentemente observada, possa ser prevenida através da suplementação oral de carnitina.

 

Não há indícios, entretanto, de que esses suplementos beneficiem indivíduos normais que buscam prevenir o desenvolvimento de problemas renais. Postulou-se que a carnitina seria um suplemento útil para os indivíduos em dietas de baixa caloria; que a carnitina, aumentando a eficiência da oxidação dos ácidos graxos (aumentando a taxa de queima das calorias armazenadas sob forma de gordura) seria capaz de aumentar a tolerância a dietas de baixa caloria, reduzindo a sensação de fome e franqueza que resultam da oxidação menos eficiente das gorduras. Trata-se de uma idéia intrigante que vale a pena investigar.

 

Do lado negativo, precisamos observar que foram relatados sintomas da miastenia (franqueza progressiva de certos grupos de músculos sem indícios de atrofia ou desgaste) em pacientes renais mantidos em hemodiálise e suplementação de DL-carnitina por tempo prolongado. Os sintomas desapareceram com a suspensão da administração da DL-carnitina. Quando, mais tarde, esses mesmos pacientes receberam uma forma L de carnitina (L-carnitina), os sintomas da miastenia não voltaram.

 

Essas descobertas sugerem que os suplementos devem ter a forma de L-carnitina, e não de DL-carnitina. Desconhece-se qual seria a ingestão ideal de L-carnitina na alimentação. Na verdade, a quantidade de L-carnitina na alimentação ocidental média permanece indefinida.

 

Uma análise não publicada de pacientes hospitalizados nos Estados Unidos mostrou uma ingestão de carnitina na alimentação entre 2 miligramas a 300 miligramas por dia. Até que tenhamos maiores – e melhores – informações em mãos não podemos faze nenhuma recomendação. As fontes mais ricas de L-carnitina na alimentação são as carnes vermelhas (carneiro e boi, em particular).

 

Os laticínios contém L-carnitina. Vegetais, frutas e determinados cereais contém pouco ou nenhum carnitina. (O abacate contém alguma; o tempeh, produto fermentado da soja, também.)

 

Existem suplementos disponíveis nas formas DL e L. Se usar suplementos de carnitina, use apenas a L-carnitina. Lembre-se de que ficou demonstrado que a forma DL da carnitina causa uma síndrome semelhante à miastenia em alguns pacientes. A forma L-carnitina, por outro lado, não gerou efeitos colaterais negativos, nem mesmo em indivíduos que tomaram 1,6 grama diária durante mais de um ano.

Share this post


Link to post
Share on other sites

ótimo paper!!!
mas nada será mais benéfico que um déficit calórico....

Como o psico dos indivíduos são tão fortes, tomar um plus junto às práticas saudáveis de alimentação e exercícios esse suplemento será tendencioso aos resultados, portanto, quem tem condições financeiras que o tomem (o texto diz ser seguro). Mas quem não tem condições, a falta não será o ponto crucial para os resultados.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Sign in to follow this  

  • Similar Content

    • By R0ck
      Antigamente tava tomando 1 capsula 3 vezez(café/almoço/janta) agora to tomando 2 caps 2 vezes(café/almoço)

      queria saber ql é o melhor horario pra se aproveitar o produto
    • By zip-19
      e ai galera blz??? sou novo aki... andei lendo alguns topicos, porem minha duvida nao foi totalmente esclarecida....

      gostaria de saber qual a melhor coisa pra tomar para secar, se eh mesmo o YELLOW SWARM, ou se ele serve mais para dar energia nos exercicios... ou se tem algum termogenico melhor q ele...

      ou eu deveria optar por um CLA???

      e qtas calorias devo ingerir para ter maiores resultados sem a perca excessiva de massa magra

      espero q me ajudem....

      valew!
    • By Géssica Carvalho Marcello
      O que é o Cártamo
      O Cártamo é considerada uma planta oleaginosa conhecida antes da era Cristã e vem sendo muito utilizada na culinária e na produção de corante amarelo para tingir e aromatizar alimentos.
      Óleo de cártamo
      A partir da semente é possível extrair o óleo de cártamo que possui diversas propriedades e benefícios.
      O cártamo possui lignanas, polissacarídeos e óleos essenciais como: ácido oléico, ácido linolênico e acido palmítico. Possui vitamina E que é de relevante importância para se obter uma ótima saúde e melhoria no desempenho físico.
      Benefícios do óleo de cártamo
      Dentre os benefícios do óleo de cártamo, podemos citar as seguintes propriedades:
      antiinflamatório; antioxidante natural (acelera o metabolismo, acarretando na perda da gordura corporal, principalmente na região abdominal aumentando assim, a tonicidade muscular e diminuindo o colesterol); Auxilia a regularização do LDL e triglicérides; fortalece o sistema imunológico aumentando a resistência às infecções e doenças; previne contra o aparecimento de celulites; é ótimo para a pele por sua capacidade de reduzir o aparecimento de rugas e inflamações cutâneas. Vitamina E no óleo de cártamo
      A vitamina E é considerada um excelente antioxidante no combate ao envelhecimento e estresse oxidativo e auxilia no bom funcionamento do sistema imunológico.
      Para praticantes de atividades físicas, a vitamina E é sem dúvida essencial, pois ela é participa da regeneração de todos os tecidos do corpo, ajudando de forma significativa, as pessoas ativas a reduzirem os sintomas decorrentes do overtraining.
      Pesquisa feita com a vitamina E concluiu que ela é capaz de ajudar no transporte de aminoácidos e açúcares do sangue para dentro das células musculares e a promover a síntese de proteína nos músculos.
      O óleo de cártamo é precursor do CLA (ácido linoléico)
      O óleo de cártamo é precursor em CLA (ácido linoléico) que vem sendo estudado por estar associado à redução da gordura corporal, da arteriosclerose, na prevenção de diabetes mellitus e até mesmo efeito antitrombônico. O ácido linoleico em forma de suplemento é capaz de manter uma boa saúde, porém, é difícil de obter através de uma dieta normal exigindo assim, a busca por outras fontes que é o caso do óleo de cártamo.
      Estudos com CLA e perda de gordura
      Estudo feito com o ácido linoleico entre homens e mulheres, pré e pós 8 semanas, concluiu que a perda da gordura corporal foi significativa, uma vez que os homens apresentaram maior perda de gordura abdominal em relação às mulheres (referência).
      Ácido oleico no cártamo
      O cártamo é também fonte rica de ácido oleico, que é uma gordura monoinstaurada, considerada saudável. Quando consumida em quantidade adequada, pode proporcionar a diminuição do colesterol LDL, acelerar a perda de peso, reduzir o risco de doenças cardíacas e acidente vascular cerebral (AVC).
      Óleo de cártamo e perda de gordura
      Pesquisadores cada vez mais vêm descobrindo os benefícios do óleo de cártamo. Dentre estes benefícios, junto com uma dieta balanceada e exercícios físicos diários, está associada à perda da gordura localizada. Os cientistas descobriram também, que o óleo de cártamo aumenta a produção do hormônio adinopectina, que ajuda no controle da produção de insulina e avisa o corpo quando utilizar a gordura como fonte primária de energia.
      Nos músculos, o óleo de cártamo age no aumento da atividade da enzima CPT (carnitina palmitoil transferase), presente nos músculos esqueléticos de contração voluntária, e que transporta a gordura para dentro da mitocôndria, organela responsável por converter a gordura em energia.
      Quando a atividade da CPT é aumentada, as células adiposas recebem mais energia e consequentemente ocorre à queima, resultando em mais energia para o trabalho muscular.
      A gordura corporal possui a capacidade de inibir a atividade da enzima lípase lipoprotéica que possui a função de transferir a gordura presente na corrente sanguínea, para o interior da célula que é responsável em armazenar a gordura corporal.
      Quanto maior for à atividade da lípase lipoprotéica, maior será o volume do tecido adiposo, ou seja, ganhamos mais gordura corporal, porém quando ocorre o bloqueio da lípase lipoprotéica, a transferência da gordura para as células fica inibida, fazendo com que o corpo utilize o estoque de gordura já existente como fonte de energia para a atividade muscular.
      Óleo de cártamo deve ser associado à dieta
      Vale ressaltar que para garantir as propriedades e benefícios do óleo de cártamos, deve-se associar uma dieta balanceada juntamente com a atividade física.
      Sempre que adquirir um produto busque pelo selo da ANVISA.
      Referências
      1. ATKINSON, R. Conjugated linoleic acid for altering body composition and treating obesity. In: Yuraweez M, Mossoba M, Kramer J, Pariza M, Nelson G, editors. Advances in conjugated linoleic acid research. hampaign, IL: AOCS Press; 1999. P.353-438.
      2. AZZI A, BREYER I, et. al. Specific Cellular Responses to a-tocopherol.J Nutr,200.]
      3. BALZ F. Antioxidant vitamins and heart disease. Presented at the 60th Annual Biology Colloquium. Oregon State University, Corvallis. Oregon. February 25, 1999.
      4. BJORNTROP, P. Visceral obesity: a “civilization syndrome”. Obes Res. 1993; 1(3):206-2.
      5. BOAZ M, SMETANA S, WEINSTEIN T, et. al. Secondary prevention with antioxidants of cardiovascular disease in endstage renal disease (SPACE): randomized placebo – controlled trial. Lancet 2000.
      6. BOTELHO, A.P.; SANTOS-ZAGO, L.F.; REIS, S.M.P.M.; OLIVEIRA, A.C. A suplementação com ácido linoléico conjugado reduziu a gordura corporal em ratos Wistar. Rev. Nutr., Campinas, 18(4):561-565, jul./ago., 2005.
      7. C.S.I.R. (Council of Scientific and Industrial Research). 1948-1976. The wealth of India. 11 vols. New Delhi.
      8. CHOI, J.S.; JUNG, M.H.; PARK, H.S.; SONG, J. Effect of conjugated linoleic acid isomers on insulin resistance and mRNA levels of genes regulating energy metabolism in high-fat-fed rats. Nutrition, v. 20, p. 1008-1017, 2004.
      9. CLOSE, R.C.; SCHOELLER, D.A.; WATRA, A.C.; NORA, E.H. Conjugated linoleic acid supplementation alters the 6-mo change in fat oxidation during sleep. Am J Clin Nutr 2007;86:797– 804.
      10. Collaborative Group of the Primary Prevention Project (PPP). Low dose aspirin and vitamin E in people at cardiovascular risk: a randomized trial in general practice. Lancet 2001.
      11. DIPLOCK, A. T., “Will the Good Fairies” Please Prove to Us that Vitamin E Lessens Human Degenerative Disease?” Free Radic Res 27.5,1997.
      12. DUKE, J.A. The quest for tolerant germplasm. p. 1-61. In: ASA Special Symposium 32, Crop tolerance to suboptimal land conditions. Am. Soc. Agron. Madison, WI.
      13. EKIN, Z. (2005), “Resurgence of Safflower (Carthamus tinctorius L.). Utilization: A global view”, J. of Agronomy 4(2):83-87. 2005
      14. EVSTINEEVA, R. P., et. al. “Vitamin E as a Universal Antioxidant and Stabilizer of Biological Membranes” Membr Cell Biol. 12.2, 1998.
      15. GISSI Prevenzione Investigators. Dietary suplementationwith n-3 polyunsaturated fatty acids and vitamin E after myocardial infarction: results of the GISSI Prevenzione trial. Gruppo Italiano per lo Studio della Soprawivenza nell’infarto miocárdio, Lancet 1999.
      16. GUIMIAO, W., L. Yili, (1985), “Clinical application of safflower (Carthamus tinctorius)”, Zhejiang Traditional Chinese Med. Sci. J.,. 20: 42-43.
      17. HARTMANN, A., et. al. Vitamin E Prevents Exercises – Induced DNA Damge. Mutat Res. 1995.
      18. KAMPHUIS, M.M.; LEJEUNE, M.P.; SARIS, W.H.; Westerterp-Plantenga, M.S. The effect of conjugated linoleic acid supplementation after weight loss on body weight regain, body composition, and resting metabolic rate in overweight subjects. Int J Obes Relat Metab Disord 2003;27:840-7.
      19. KHOSHOO, T.N. Energy from plants: problems and prospects. Reprinted from Part II of the Proceedings of the 69th Session. Indian Science Congress, Mysore. Lucknow Printing House, Lucknow. 1982.
      20. MC BRIDE, J. M., et. al. “Effect os Residence Exercises on Free Radical Production. Med Sci Sports Exerc 30,1. 1998.
      21. Panel on Dietary Antioxidants and Related Compoubds,Food and Nutrition Board, Institut of Medicine. National Academy of Sciences. Deiteary Reference Intakes for Vitamin Cm Vitamin E, Seleniun and Carotenoids. Washington. D.C. National Academy Press, 2000.
      22. PAOLISSO, G. et.al., Pharmacologic Doses of Vitamin E Improve Insulin Action in Healthy Subjects anda Non-Insulin Dependent Diabetic Patients. Am J Clin Nutr 57. 1998.
      23. PROENÇA DA CUNHA, A.; SILVA, A.P.; ROQUE, O.R. (2003), Plantas e produtos vegetais em fitoterapia, Fund. Cal. Gulb.
      24. RAGHU, J.S. AND SHARMA, S.R. 1978. Response to irrigation and fertility levels of safflower. Indian J. Agron. 23(2):93-97.
      25. RIMM EB, STAMPFER MJ, ASCHERIO A, et.al. Vitamin E consumption and the risk of coronary heart disease in men. N Engl. J Med. 1993.
      26. STAMPFER MJ. HENNEKENS CH, MANSON JE, et. al. Vitamin E consumption and the risk of coronary heart disease in women. N Engl. J Med. 1993.
      27. STEPHENS NG, PARSON A, SCHOFIELD PM, et. al. Randomised controlled trial of vitamin E in patients with coronary disease: Cambridge Hearth Antioxidant Study (CHAOS). Lancet 1996.
      28. SUBRAMANIAN, M., RAMASAMY, N.M., RANGASAMY, M., APPADURAI, R., AND SUBBALAKSHM, I.B. 1979. CO.1 a high yielding non-spiny safflower (Carthamus tinctorius). Madras Agr. J. 66(4): 211-214.
      29. TRABER MG. Vitamin E. In Shils ME. Olsen JA. Ross AC(eds) Modern Nutrition in Health and disease. Baltimore: Wlliams &Wilkins, 1999.
      30. VIVAS, M.J. (2002), “Culturas Alternativas – Cártamo, Sésamo e Camelina”, Melhoramento, 38:183-192.
      31. Wu, K.K. and Jain, S.K. 1977. A note on germplasm diversity in the world collections of safflower. Econ. Bot. 31:72-75.
      32. YADAVA, R. N.; CHAKRAVARTI, N., “Anti-inflammatory activity of a new triterpenoid saponin from Carthamus tinctorius Linn.”, Journal of Enzyme Inhibition and Medicinal Chemistry 23(4), 543-548(6).2008
      33. YUSUF S, DANGENAIS G, POGUE, et. al. Vitamin E suplementation anda cardiovascular events in high risk patients. The Hearth Ocutcomes Prevention Evaliation Study Investigators. N Engl J Med. 2000.
    • By King Nutrition
      Alguem sabe exatamente qual é a diferença entre oleo de cartamo e CLA ????
×
×
  • Create New...