Jump to content
Sign in to follow this  
_Doberman_

Tudo sobre CLA

Rate this topic

Recommended Posts

CLA – Ácido Linoléico Conjugado

O CLA é um ácido graxo poliinsaturado natural encontrado em produtos lácteos (grande parte na gordura do leite) e carne de ruminantes (bovinos, bubalinos, ovinos e caprinos), as quais representam as duas maiores fontes de CLA na alimentação dos seres humanos. Também pode-se encontra-lo na carne de cordeiro, na vitela e em menor grau na carne de suíno, frango, peru e em algumas fontes vegetais (JIANG et al, 1996; STEINHART, 1996; IP et al, 1999).

Acido linoléico conjugado é um termo que descreve os isômeros geométricos do ácido linoléico. Ele é formado no rúmen, como um primeiro intermediário da bio-hidrogenação do ácido linoléico, pela enzima ácido linoléico isomerase, proveniente da bactéria anaeróbica ruminal Butyrivibrio fibrisolvens. Portanto, uma explicação plausível em relação à quantidade de CLA ser maior nos ruminantes é que a hidrólise da gordura dentro do rúmen proporciona maior produção de ácido linoléico.

Esta substancia tem sido associada à redução de gordura corporal, aumento do metabolismo e ganho de massa muscular, porém suas atribuições vão muito mais além. O ácido linoléico conjugado é indicado na proteção contra o câncer, combate ao colesterol, controle da diabetes além de ser considerado um excelente antioxidante (BAUMAN et al, 1998; LIN et al, 1999 JENSEN et al, 1991).

As industrias de suplementos tem corroborado com as vantagens do CLA, aumentando assim a comercialização desse produto. Porém a maioria dos estudos que comprovam o aumento do metabolismo e conseqüente redução da gordura corporal é feita em animais de laboratório.

Redução de gordura corporal, aumento do metabolismo e ganho de massa muscular

Um estudo feito por PARK et al (1997) analisou a composição corporal de camundongos que foram suplementados com óleo de milho ou CLA. Os resultados mostraram uma redução de 57 a 60% de gordura corporal e aumento de 5 a 14% a massa corporal magra no grupo que suplementou com CLA. Em outro estudo feito em camundongos, os pesquisadores acrescentaram CLA à dieta desses animais, trazendo resultados surpreendentes: ao final de seis semanas foi observado que o CLA proporcionou uma redução de 43 a 88% do tecido adiposo (WEST et al., 1998).

Em seres humanos muitas pesquisas já foram feitas, porém os resultados deixaram a desejar. Veja o exemplo do estudo publicado por BLANKSON et al em dezembro de 2000, onde os autores analisaram o efeito do CLA na redução da gordura em seres humanos obesos, usando para avaliação corporal o dual-energy X-ray absorptiometry (DEXA). Depois de 12 semanas o grupo que utilizou CLA (3,4 g/d) teve uma redução significativa da gordura corporal, comparado com o grupo placebo, porém não relataram alterações na massa corporal magra. Neste estudo o CLA se mostrou eficiente para reduzir a gordura corporal em seres humanos obesos. Seus resultados parecem prometedores, porém o número da amostra era relativamente pequeno e isto, em ciência, pode ser considerado um fator limitante em conclusões gerais.

Os efeitos do ácido linoléico conjugado em seres humanos com obesidade abdominal foram investigados em um estudo de 4 semana, no qual 24 homens obesos com síndrome metabólica fizeram parte da amostra. Catorze deles receberam 4,2 g CLA/d e 10 receberam placebo. Ao término do estudo verificou-se uma significativa redução no perímetro abdominal com a suplementação de CLA, porém outras medidas antopométricas não mostraram nenhuma diferença significativa entre os grupos. Os resultados indicaram que a suplementação de CLA por 4 semanas em homens obesos com síndrome metabólica pode diminuir a gordura abdominal (RISERUS, 2001). Mas por que será que as outras medidas não diminuíram?

Já um outro estudo, com indivíduos de peso normal que se exercitavam regularmente o CLA não se mostrou eficaz na redução da gordura corporal (SEMEDMAN e VESSBY, 2001).

BLANKSON et al (2000) analisaram 66 indivíduos obesos (com IMC acima de 25-35 kg/m2) que foram divididos em 5 grupos: 1) placebo (9g de óleo de oliva), 2) 1.7g de CLA, 3) 3.4g de CLA, 4) 5.1g de CLA e 5) 6.8 g de CLA. Ao final de 12 semanas, todos os grupos que receberam CLA apresentaram redução significativa do percentual de gordura em comparação com o grupo placebo e dentre os grupos que receberam CLA a redução da gordura corporal foi significativamente maior nos grupos que receberam 3,4 e 6,8 gramas por dia, sugerindo que doses diárias acima de 3,4 gramas de CLA sejam desnecessárias.

Acredita-se que a suplementação com CLA promova modificações na membrana do tecido adiposo, alterando assim a expressão gênica do adipócito, através da diminuição da atividade da enzima stearoyl-CoA desaturase (LEE, PARIZA, NTAMBI, 1998). Alguns autores propõem que os efeitos do CLA sobre a composição corporal estejam relacionados à redução do tecido adiposo pelo aumento da lipólise (PARK et al., 1999).

O consumo diário de CLA no homem ocidental é estimado em apenas 1 g, embora esteja sendo recomendada a ingestão de 3,5 g de CLA/dia para um homem adulto de 70 kg. Assim, a suplementação de CLA na dieta do ser humano faz-se necessária para alcançar essa recomendação (IP et al., 1994).

Câncer:

O CLA está entre os compostos anticarcinogênicos que atuam reduzindo a incidência de tumor e a inibição de células cancerígenas de melanoma, cólon, próstata, pulmão, ovário e tecido mamário (WONG et al., 1997; CESANO et al., 1998; IP et al., 1999).

Alguns sugerem que o acido linoléico talvez seja o mais potente anti-carcinogênico de origem animal conhecido pelo homem, sendo seus efeitos considerados pela National Academy of Science estadunidense como inequivocamente comprovados. Algumas formas de CLA (c9, t11) não só previnem, mas atacam as células tumorais já presentes no organismo, reduzindo tumores previamente formados.

Colesterol

GAVINO et al em 2000, conduziram uma pesquisa com o objetivo de avaliar os efeitos do CLA sobre o perfil lipídico sanguíneo de ratos que recebiam uma dieta contendo colesterol e gordura hidrogenada do coco mais 1% de CLA. Os resultados apresentaram menores níveis sanguíneos de colesterol, triglicerídeos e nenhuma alteração nos níveis de HDL além de terem ganhado significativamente menos peso.

Diabetes

BELURY et al (2003) descobriram que o CLA retarda o início da diabete em ratos, também chegando à conclusão que este ácido ajuda a melhorar o controle do início da diabete em humanos.

Antioxidantes

Vários estudos como o de IP et al (1991) e BANNI et al (1995) sugerem que o CLA também pode atuar por mecanismos antioxidantes.



Conclusão:

As premissas acima nos levam a crer que mais uma substância é associada a efeitos milagrosos, nos quais os resultados partem da “simples” redução de gordura e vão até a cura de doenças como o câncer. Os estudos são inúmeros, porém suas metodologias utilizam amostras pequenas, quando feitas em humanos, e nos animais os resultados são duvidosos pois, chegam a assustar de tão prometedores.

A maioria das pesquisas foi patrocinada por empresas interessadas na venda do produto, o que nos leva a desconfiar da veracidade dos tão exorbitantes resultados aqui mostrados. Agora cabe à ciência fazer uma investigação mais detalhada sobre esse ácido que aparece como “o salvador da pátria”, pois se realmente todas as evidencias forem definitivamente comprovadas teremos aqui um produto que será um grande marco para a saúde humana.



Referências bibliográficas

BANNI, S.; DAY, B.W.; EVANS, R.W.; CORONGIU, P.F.P.; LOMBARDI, B. Detection of conjugated diene isomers of linoleic acid in liver lipids of rats fed a choline-devoid diet indicates that the diet does not cause lipoperoxidation. J. Nutr. Biochem., v. 6, n. 5, p. 281-289, 1995.

BAUMAN et al. Trans fatty acids, conjugated linoleic acid and milk fat synthesis. In: Cornell Nutrition Conference for Feed Manufactures (Proceedings). New York: New York State College of Agricultura and Life Sciences / Department of Animal Science and Division of Nutritional Science. p. 95-103, 1998.

BELURY MA, MAHON A, BANNI S. The conjugated linoleic acid (CLA) isomer, t10c12-CLA, is inversely associated with changes in body weight and serum leptin in subjects with type2 diabetes mellitus.J Nutr. 2003 Jan;133(1):257S-260S.

CESANO, A.; VISONNEAU, S.; SCIMECA, J.A.; KRITCHEVKY, D.; SANTOLI, D. Opposite effects of linoleic acid and conjugated linoleic acid on human prostatic cancer in SCID mice. Anticancer Res. v. 18, p. 1429-1434, 1998.

CESANO, A.; VISONNEAU, S.; SCIMECA, J.A.; KRITCHEVKY, D.; SANTOLI, D. Opposite effects of linoleic acid and conjugated linoleic acid on human prostatic cancer in SCID mice. Anticancer Res. v. 18, p. 1429-1434, 1998.

CHIN, S.F.; LIU, W.; STORKSON, J.M.; HA, Y.L.; PARIZA, M.W. Dietary sources of conjugated dienoic isomers of linoleic acid, a newly recognised class of anticarcinogens. J. Food Comp. Anal., v. 5, p. 185-197, 1992.

GAVINO VC, GAVINO G, LEBLANC MJ, TUCHWEBER B. An isomeric mixture of conjugated linoleic acids but not pure cis-9, trans-11-octadecadienoic acid affects body weight gain and plasma lipids in hamsters.J Nutr. 2000 Jan;130(1):27-9.

IP, C.; BANNI, S.; ANGIONE, E.; CARTA, G.; MCGINLEY, J.; THOMPSON, H.J.; BARBANO, D.; BAUMAN, D. Conjugated linoleic acid-enriched butter fat alters mamary gland morphogenesis and reduces cancer risk in rats. J. Nutr., v. 129, p. 2135-2142, 1999.

IP, C.; CHIN, S.F.; SCIMECA, J.A.; PARIZA, M.W. Mammary cancer prevention by conjugated dienoic derivative of linoleic acid. Cancer Res., v. 51, p. 6118-6124, 1991.

IP, C.; SINGH, M.; THOMPASON, H.J.; SCIMECA, J.A. Conjugated linoleic acid suppresses mammary carcinogenesis and proliferative activity of the mammary gland in the rat. Cancer Res., v. 54, p. 1212-1215, 1994.

JIANG, J. et al. Occurence of conjugated cis-9, trans-11- octadecadienoic acid in bovine milk: effects of feed and dietary regimen. J Dairy Sci. v.79. n.3. p.438-445, 1996.

LEE KN, PARIZA MW, NTAMBI JM. Conjugated linoleic acid decreases hepatic stearoyl-CoA desaturase mRNA expression. Biochem Biophys Res Commun. 1998 Jul 30;248(3):817-21

LIN, T.Y. et al. Conjugated linoleic acid concentration as affected by lactic cultures and added linoleic acid. Food Chemistry. v.67. p. 1-5, 1999.

STEINHART, C. Conjugated linoleic acid the good news about animal fat. Journal of Chemical Education. v.73. n.12. p.A302, 1996.

WEST DB, DELANY JP, CAMET PM, BLOHM F, TRUETT AA, SCIMECA J. Effects of conjugated linoleic acid on body fat and energy metabolism in the mouse. Am J Physiol. 1998 Sep;275(3 Pt 2):R667-72.PMID: 9728060.

WONG, M.W.; CHEW, B.P.; WONG, T.S.; HOSICK, H.L.; BOYLSTON, T.D.; SHULTZ, T.D. Effectsof dietary conjugated linoleic acid on lymphocyte function and growth of mamary tumors im mice, Anticancer Res., v. 17, p. 987-993, 1997.

post-69938-0-03257500-1386462238_thumb.j

Share this post


Link to post
Share on other sites

Olá TNA ... No proprio forum achei isso, que fala em 3,4Gr diarias.

O paragrafo é o que começa com a palavra BLANKSON

Eu acho que já vi sites que falam 3,2 Gr, porem minha memoria pode me estar enganando , já que são numeros parecidos e proximos.

Mas o importante é o contexto, de que tanto faz 3,4Gr (sendo que o individuo ingere mais algumas durante o dia na alimentação) ou 10Gr.

Abs,
Jiu icon_wink.gif


Muito bom esse tópico. Valeu por ressucitá-lo, Jiu-jitsuRJ!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Sign in to follow this  

  • Similar Content

    • By R0ck
      Antigamente tava tomando 1 capsula 3 vezez(café/almoço/janta) agora to tomando 2 caps 2 vezes(café/almoço)

      queria saber ql é o melhor horario pra se aproveitar o produto
    • By zip-19
      e ai galera blz??? sou novo aki... andei lendo alguns topicos, porem minha duvida nao foi totalmente esclarecida....

      gostaria de saber qual a melhor coisa pra tomar para secar, se eh mesmo o YELLOW SWARM, ou se ele serve mais para dar energia nos exercicios... ou se tem algum termogenico melhor q ele...

      ou eu deveria optar por um CLA???

      e qtas calorias devo ingerir para ter maiores resultados sem a perca excessiva de massa magra

      espero q me ajudem....

      valew!
    • By Géssica Carvalho Marcello
      O que é o Cártamo
      O Cártamo é considerada uma planta oleaginosa conhecida antes da era Cristã e vem sendo muito utilizada na culinária e na produção de corante amarelo para tingir e aromatizar alimentos.
      Óleo de cártamo
      A partir da semente é possível extrair o óleo de cártamo que possui diversas propriedades e benefícios.
      O cártamo possui lignanas, polissacarídeos e óleos essenciais como: ácido oléico, ácido linolênico e acido palmítico. Possui vitamina E que é de relevante importância para se obter uma ótima saúde e melhoria no desempenho físico.
      Benefícios do óleo de cártamo
      Dentre os benefícios do óleo de cártamo, podemos citar as seguintes propriedades:
      antiinflamatório; antioxidante natural (acelera o metabolismo, acarretando na perda da gordura corporal, principalmente na região abdominal aumentando assim, a tonicidade muscular e diminuindo o colesterol); Auxilia a regularização do LDL e triglicérides; fortalece o sistema imunológico aumentando a resistência às infecções e doenças; previne contra o aparecimento de celulites; é ótimo para a pele por sua capacidade de reduzir o aparecimento de rugas e inflamações cutâneas. Vitamina E no óleo de cártamo
      A vitamina E é considerada um excelente antioxidante no combate ao envelhecimento e estresse oxidativo e auxilia no bom funcionamento do sistema imunológico.
      Para praticantes de atividades físicas, a vitamina E é sem dúvida essencial, pois ela é participa da regeneração de todos os tecidos do corpo, ajudando de forma significativa, as pessoas ativas a reduzirem os sintomas decorrentes do overtraining.
      Pesquisa feita com a vitamina E concluiu que ela é capaz de ajudar no transporte de aminoácidos e açúcares do sangue para dentro das células musculares e a promover a síntese de proteína nos músculos.
      O óleo de cártamo é precursor do CLA (ácido linoléico)
      O óleo de cártamo é precursor em CLA (ácido linoléico) que vem sendo estudado por estar associado à redução da gordura corporal, da arteriosclerose, na prevenção de diabetes mellitus e até mesmo efeito antitrombônico. O ácido linoleico em forma de suplemento é capaz de manter uma boa saúde, porém, é difícil de obter através de uma dieta normal exigindo assim, a busca por outras fontes que é o caso do óleo de cártamo.
      Estudos com CLA e perda de gordura
      Estudo feito com o ácido linoleico entre homens e mulheres, pré e pós 8 semanas, concluiu que a perda da gordura corporal foi significativa, uma vez que os homens apresentaram maior perda de gordura abdominal em relação às mulheres (referência).
      Ácido oleico no cártamo
      O cártamo é também fonte rica de ácido oleico, que é uma gordura monoinstaurada, considerada saudável. Quando consumida em quantidade adequada, pode proporcionar a diminuição do colesterol LDL, acelerar a perda de peso, reduzir o risco de doenças cardíacas e acidente vascular cerebral (AVC).
      Óleo de cártamo e perda de gordura
      Pesquisadores cada vez mais vêm descobrindo os benefícios do óleo de cártamo. Dentre estes benefícios, junto com uma dieta balanceada e exercícios físicos diários, está associada à perda da gordura localizada. Os cientistas descobriram também, que o óleo de cártamo aumenta a produção do hormônio adinopectina, que ajuda no controle da produção de insulina e avisa o corpo quando utilizar a gordura como fonte primária de energia.
      Nos músculos, o óleo de cártamo age no aumento da atividade da enzima CPT (carnitina palmitoil transferase), presente nos músculos esqueléticos de contração voluntária, e que transporta a gordura para dentro da mitocôndria, organela responsável por converter a gordura em energia.
      Quando a atividade da CPT é aumentada, as células adiposas recebem mais energia e consequentemente ocorre à queima, resultando em mais energia para o trabalho muscular.
      A gordura corporal possui a capacidade de inibir a atividade da enzima lípase lipoprotéica que possui a função de transferir a gordura presente na corrente sanguínea, para o interior da célula que é responsável em armazenar a gordura corporal.
      Quanto maior for à atividade da lípase lipoprotéica, maior será o volume do tecido adiposo, ou seja, ganhamos mais gordura corporal, porém quando ocorre o bloqueio da lípase lipoprotéica, a transferência da gordura para as células fica inibida, fazendo com que o corpo utilize o estoque de gordura já existente como fonte de energia para a atividade muscular.
      Óleo de cártamo deve ser associado à dieta
      Vale ressaltar que para garantir as propriedades e benefícios do óleo de cártamos, deve-se associar uma dieta balanceada juntamente com a atividade física.
      Sempre que adquirir um produto busque pelo selo da ANVISA.
      Referências
      1. ATKINSON, R. Conjugated linoleic acid for altering body composition and treating obesity. In: Yuraweez M, Mossoba M, Kramer J, Pariza M, Nelson G, editors. Advances in conjugated linoleic acid research. hampaign, IL: AOCS Press; 1999. P.353-438.
      2. AZZI A, BREYER I, et. al. Specific Cellular Responses to a-tocopherol.J Nutr,200.]
      3. BALZ F. Antioxidant vitamins and heart disease. Presented at the 60th Annual Biology Colloquium. Oregon State University, Corvallis. Oregon. February 25, 1999.
      4. BJORNTROP, P. Visceral obesity: a “civilization syndrome”. Obes Res. 1993; 1(3):206-2.
      5. BOAZ M, SMETANA S, WEINSTEIN T, et. al. Secondary prevention with antioxidants of cardiovascular disease in endstage renal disease (SPACE): randomized placebo – controlled trial. Lancet 2000.
      6. BOTELHO, A.P.; SANTOS-ZAGO, L.F.; REIS, S.M.P.M.; OLIVEIRA, A.C. A suplementação com ácido linoléico conjugado reduziu a gordura corporal em ratos Wistar. Rev. Nutr., Campinas, 18(4):561-565, jul./ago., 2005.
      7. C.S.I.R. (Council of Scientific and Industrial Research). 1948-1976. The wealth of India. 11 vols. New Delhi.
      8. CHOI, J.S.; JUNG, M.H.; PARK, H.S.; SONG, J. Effect of conjugated linoleic acid isomers on insulin resistance and mRNA levels of genes regulating energy metabolism in high-fat-fed rats. Nutrition, v. 20, p. 1008-1017, 2004.
      9. CLOSE, R.C.; SCHOELLER, D.A.; WATRA, A.C.; NORA, E.H. Conjugated linoleic acid supplementation alters the 6-mo change in fat oxidation during sleep. Am J Clin Nutr 2007;86:797– 804.
      10. Collaborative Group of the Primary Prevention Project (PPP). Low dose aspirin and vitamin E in people at cardiovascular risk: a randomized trial in general practice. Lancet 2001.
      11. DIPLOCK, A. T., “Will the Good Fairies” Please Prove to Us that Vitamin E Lessens Human Degenerative Disease?” Free Radic Res 27.5,1997.
      12. DUKE, J.A. The quest for tolerant germplasm. p. 1-61. In: ASA Special Symposium 32, Crop tolerance to suboptimal land conditions. Am. Soc. Agron. Madison, WI.
      13. EKIN, Z. (2005), “Resurgence of Safflower (Carthamus tinctorius L.). Utilization: A global view”, J. of Agronomy 4(2):83-87. 2005
      14. EVSTINEEVA, R. P., et. al. “Vitamin E as a Universal Antioxidant and Stabilizer of Biological Membranes” Membr Cell Biol. 12.2, 1998.
      15. GISSI Prevenzione Investigators. Dietary suplementationwith n-3 polyunsaturated fatty acids and vitamin E after myocardial infarction: results of the GISSI Prevenzione trial. Gruppo Italiano per lo Studio della Soprawivenza nell’infarto miocárdio, Lancet 1999.
      16. GUIMIAO, W., L. Yili, (1985), “Clinical application of safflower (Carthamus tinctorius)”, Zhejiang Traditional Chinese Med. Sci. J.,. 20: 42-43.
      17. HARTMANN, A., et. al. Vitamin E Prevents Exercises – Induced DNA Damge. Mutat Res. 1995.
      18. KAMPHUIS, M.M.; LEJEUNE, M.P.; SARIS, W.H.; Westerterp-Plantenga, M.S. The effect of conjugated linoleic acid supplementation after weight loss on body weight regain, body composition, and resting metabolic rate in overweight subjects. Int J Obes Relat Metab Disord 2003;27:840-7.
      19. KHOSHOO, T.N. Energy from plants: problems and prospects. Reprinted from Part II of the Proceedings of the 69th Session. Indian Science Congress, Mysore. Lucknow Printing House, Lucknow. 1982.
      20. MC BRIDE, J. M., et. al. “Effect os Residence Exercises on Free Radical Production. Med Sci Sports Exerc 30,1. 1998.
      21. Panel on Dietary Antioxidants and Related Compoubds,Food and Nutrition Board, Institut of Medicine. National Academy of Sciences. Deiteary Reference Intakes for Vitamin Cm Vitamin E, Seleniun and Carotenoids. Washington. D.C. National Academy Press, 2000.
      22. PAOLISSO, G. et.al., Pharmacologic Doses of Vitamin E Improve Insulin Action in Healthy Subjects anda Non-Insulin Dependent Diabetic Patients. Am J Clin Nutr 57. 1998.
      23. PROENÇA DA CUNHA, A.; SILVA, A.P.; ROQUE, O.R. (2003), Plantas e produtos vegetais em fitoterapia, Fund. Cal. Gulb.
      24. RAGHU, J.S. AND SHARMA, S.R. 1978. Response to irrigation and fertility levels of safflower. Indian J. Agron. 23(2):93-97.
      25. RIMM EB, STAMPFER MJ, ASCHERIO A, et.al. Vitamin E consumption and the risk of coronary heart disease in men. N Engl. J Med. 1993.
      26. STAMPFER MJ. HENNEKENS CH, MANSON JE, et. al. Vitamin E consumption and the risk of coronary heart disease in women. N Engl. J Med. 1993.
      27. STEPHENS NG, PARSON A, SCHOFIELD PM, et. al. Randomised controlled trial of vitamin E in patients with coronary disease: Cambridge Hearth Antioxidant Study (CHAOS). Lancet 1996.
      28. SUBRAMANIAN, M., RAMASAMY, N.M., RANGASAMY, M., APPADURAI, R., AND SUBBALAKSHM, I.B. 1979. CO.1 a high yielding non-spiny safflower (Carthamus tinctorius). Madras Agr. J. 66(4): 211-214.
      29. TRABER MG. Vitamin E. In Shils ME. Olsen JA. Ross AC(eds) Modern Nutrition in Health and disease. Baltimore: Wlliams &Wilkins, 1999.
      30. VIVAS, M.J. (2002), “Culturas Alternativas – Cártamo, Sésamo e Camelina”, Melhoramento, 38:183-192.
      31. Wu, K.K. and Jain, S.K. 1977. A note on germplasm diversity in the world collections of safflower. Econ. Bot. 31:72-75.
      32. YADAVA, R. N.; CHAKRAVARTI, N., “Anti-inflammatory activity of a new triterpenoid saponin from Carthamus tinctorius Linn.”, Journal of Enzyme Inhibition and Medicinal Chemistry 23(4), 543-548(6).2008
      33. YUSUF S, DANGENAIS G, POGUE, et. al. Vitamin E suplementation anda cardiovascular events in high risk patients. The Hearth Ocutcomes Prevention Evaliation Study Investigators. N Engl J Med. 2000.
    • By King Nutrition
      Alguem sabe exatamente qual é a diferença entre oleo de cartamo e CLA ????
×
×
  • Create New...