Ir para conteúdo
Entre para seguir isso  
ninga

VERDADES SOBRE A VITAMINA C

Avalie este tópico:

Post Destacado

Bom, vamos lá.

Primeiro, vitamina C é envolvida na produção de anticorpos.

Gripes e resfriados, aliás, vírus, não são combatidos por anticorpos, então não há relação entre a vitamina C e a gripe.

os virus são especialmente atacados pelo sistema complemento e por macrófagos que são ativados por interferon gama.

Bom, eu sempre vasculho no pubmed (periodico de artigos cientificos) sobre essas substancias e pouco ou quase nada se tem comprovado cientificamente sobre os efeitos dessas substancias.

Não to dizendo que n existam, porém, não há muito respaudo da comunidade cientifica, muitos experimentos com essas substancias não alteram nada e a vitamina C é uma delas.

Já a arginina mostra sim um aumento no tratamento do sistema imunologico.

abraços

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
li li li

vcs se contradizem.. expoe opinioes.. mais n consegui chegar a uma ideia aqui..

eh beneficente o uso da vit C diariamente?

Os graduados nesse área divergem de opinião tb cara. Tenho um livro do Waldemar Guimarães e o cara apoia o uso da vit C. Tenho outro do Mc Ardle (cara foda) e diz que pode dar problemas até no DNA (como vc já deve ter lido nesse tópico). E em quem vou confiar? Não tem como saber... Só no chute!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sabe qual o melhor skema?

Alimentação reforçada em frutas, proporcionalmente ao nível de atividade física, regra geral, é suficiente.

Okei?

Nesse sentido, quais os principais produtos top que tenham vit. C? Dizem que acerola equivale a 10 laranjas, etc

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Não, afirmo seguramente que 500 mg não é superdosagem.

Façam a seguinte analise, será que 500 mg seria superdosagem, sendo que em todo o mundo a vitamina C é vendida como OTC nas doses de 500 mg, e com prescrição médica nas doses de 1 e 2 gramas???????

Essa historia de 500 mg a gente nao absorve é velha e eu ja escutava na escola. A questao nao é que a gente nao aproveita toda, a questao é distribuição no corpo.

Todos os medicamentos utilizam milhares de vezes a quantidade de principio ativo a mais do que a gente precisaria... Mas isso é assim pois nao podemos pegar o Doril e colocar direto na cabeça, ou o antibiotico e colocar direto no intestino, ou o roacutan direto nas espinhas. Temos que fazer ele cirtular em todo o corpo, e assim uma parte minima ira fazer o trabalho, entendem???

Se vo ce tomar menos, o copro vai ter que diluir a dose exata em todo o corpo e ai o efeito nao aparecerá.

Por isso usamos formas topicas pra algumas afecções e orais para outras...

Mas , voltando ao topico, acredito que o ideal para que faz exercicios e visa o combate ao catabolismo.

500 mg de manha em jejum + 1 capsula de Vit C de efeito prolongado.

Mas é apenas a minha opinião.

quebrar o comprimido em 4 e tomar 125 mg... So se fosse na veia, mas oral.....

fala ai pharmabio, uma coisa q fico pensando direto, não apenas sobre a vitamina C, mas também sobre outras vitaminas, é o seguinte :

vc disse q precisamos de uma dose maior pq o corpo vai diluir, grande parte vai se perder no corpo e se a dose for exata uma parte mínima vai fazer efeito, mas se 60 mg são 100% da ingestão diária recomendada de vitamina C, já não esta sendo levado em conta essa perda??

isso citando uma pessoa q não pratique esportes, uma pessoa qualquer q vai a farmácia e compra um redoxon por exemplo...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Bem, tenho um familiar médico que diz que o excesso de Vitamina C causa ardor na urina. Além disso, já li artigos na net que afirmam que o excesso pode causar o aparecimento de cálculo renal (pedra nos rins).

Então, decidi observar o tal "ardor" e, caso ocorra, baixarei a dosagem atual que é de 500mg/dia (1 comprimido).

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta em nossa comunidade! É rápido, fácil e grátis!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora
Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Por Dra. Shalimar Diniz
      Bater tudo no liquidificador e tomar na hora.
    • Por abel81
      Pessoal,

      Como já sabemos um treino mto prolongado (mais de um hora) prejudica porque ocorre o catabolismo do musculo. Por outro lado, a vitamina C é anti-catabólica, então no caso de precisar "puxar" o treino um pouco mais algum dia, será que ajudaria tomar 1 comprimido (1 g) de vit c durante o treino.

      Será que amenizaria esse efeito destrutivo do cortisol?
    • Visitante louko
      Por Visitante louko
      Vitamina C realmente é o melhor anticatabolico? Pode ser tipo cebion ou redoxon?
      valew

    • Por C.Ricardo
      Vitamina C é considerada anticatabólico? Se sim, qual a dose recomendada, e quando tomar? Antes ou depois do treino?
      Valew galera !!
    • Por Pedro Alvim Neto
      O exercício físico apresenta diversos benefícios, entre eles, redução da pressão arterial e do risco de doenças cardiovasculares, aumento do HDL colesterol, melhora do diabetes tipo 2 e resistência à insulina, proteção contra complicações vasculares, modulação da secreção hormonal, da produção e consumo de energia e consequentemente melhor qualidade de vida e longevidade.
      Entretanto, ocorrem diversas adaptações fisiológicas durante a atividade física, sendo necessários ajustes cardiovasculares e respiratórios para compensar e manter o esforço realizado.
      O exercício físico intenso pode aumentar a produção de radicais livres ou espécies reativas de oxigênio no músculo esquelético e em outros tecidos, associadas ao metabolismo energético acelerado. Essas espécies podem contribuir para danos tissulares e celulares e prejudicar o desempenho físico.
      Caso a produção de EROs (espécie reativa de oxigênio) seja prolongada, pode sobrecarregar as defesas antioxidantes celulares naturais, levando à perda da função da membrana e organelas das células, latência do retículo sarcoplasmático e desacoplação da mitocôndria, podendo ser uma das causas de atrofia muscular, fadiga e overtraining.
      Os mecanismos que envolvem a produção de EROs nos exercícios aeróbio e anaeróbios são distintos. É bem aceito que a produção de EROs e dano tecidual subsequente resultante de exercício aeróbico é em grande parte devido ao aumento do fluxo no transporte de elétrons levando ao aumento da fuga de radicais superóxido.
      Já durante e após o exercício anaeróbio pode ser mediada através de outras vias, tais como, a ativação da cadeia de transporte de elétrons, a síntese aumentada das enzimas xantina-oxidase e NADPH-oxidase, o prolongado processo de isquemia e reperfusão tecidual e a atividade fagocítica.
      Além disso, o aumento da síntese de ácido láctico, catecolaminas e o processo inflamatório elevado após exercícios anaeróbios com intensidades supra-máximas também contribuem significativamente para a produção de EROs.
      Antioxidantes são substâncias capazes, mesmo em concentrações relativamente baixas, de retardar ou inibir a oxidação do substrato, através de sua capacidade de doar elétrons para o radical livre.
      Alternativas nutricionais para estimular defesas antioxidantes têm sido estudadas, para reduzir os efeitos oxidantes promovidos pelo exercício extenuante, dentre elas a suplementação com vitamina A, C e E, B- caroteno, selênio, zinco, creatina, glutamina e ômega-3.
      Há evidências de que a suplementação de vitaminas possa prejudicar processos adaptativos do exercício, podendo resultar na redução do processo de biogênese mitocondrial, a suplementação deve ser evitada na proximidade do treino, já os alimentos que possuem vitaminas antioxidantes podem ser ingeridos nas proximidades dos treinos, esses não vão interferir na biogênese mitocondrial, pois, apenas vão modular o estresse oxidativo e não vão interferir nas adaptações fisiológicas da atividade física.
      Diferentemente dos estudos com vitaminas, a suplementação de flavonoides parece ser uma estratégia interessante, pois além do possível aumento da biogênese mitocondrial, também apresenta proteção antioxidante. Os compostos fitoquímicos geralmente são manipulados e devem ser prescritos por nutricionistas para que o organismo possa absorvê-los de forma mais eficiente e que sejam utilizadas estratégias corretas na suplementação destes nutrientes. Esses nutrientes são encontrados em alimentos como: abacate, suco de uva integral, suco de cereja e tomate.
      Os polifenóis representam grande variedade de compostos, divididos em diversas classes, tais como, ácidos hidroxibenzóicos, ácidos hidroxicinâmicos, antocianinas, flavonóis, flavonas, flavonoides, flavononas, isoflavonas, estilbenos e lignanas. São moléculas abundantes na dieta, e há crescente interesse sobre suas ações na prevenção de doenças degenerativas, por apresentarem função antioxidante, anti-inflamatória, atividades cardioprotetoras e anticancerígenas.
      As antocianinas são pigmentos amplamente distribuídos na natureza, solúveis em água e de cor intensa, responsáveis pela coloração azul, vermelha, violeta e púrpura de muitas espécies do reino vegetal.
      As fontes de antocianinas comercialmente utilizadas são as cascas de uva e repolho roxo, há inúmeros outros frutos e flores que são estudadas como fonte deste pigmento; jabuticaba, açaí, berinjela, batata- doce roxa e alguns frutos não convencionais como camu- camu.
      É importante incluir na alimentação de praticantes de atividades físicas, alimentos ricos em vitaminas antioxidantes e polifenóis para fazer a modulação do estresse oxidativo sem inibir as adaptações da atividade física ocorrendo assim a biogênese mitocondrial. A suplementação de vitaminas antioxidantes deve ser feita em horários distantes dos treinos, e caso seja necessário. Importante ter um acompanhamento de nutricionista esportivo para que exames periódicos de micronutrientes sejam feitos para saber se realmente há necessidade de se usar uma suplementação.
       
      Referências Bibliográficas:
      GONÇALVES, Lívia de Souza. Efeitos da suplementação da quercetina sobre o rendimento físico em esteira ergométrica e indicadores metabólicos do exercício exaustivo em atletas de futebol. 2014. 64f. Dissertação (Mestrado) - Pós-graduação em Patologia da Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2014.
      PEREIRA, Milena Biazi Prado. O papel dos antioxidantes no combate ao estresse oxidativo observado no exercício físico de musculação. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo, v. 7, n. 40, p. 233- 245, jul/ago. 2013.
      ROCHA, Juliana de Cássia Gomes. Adição dos corantes naturais antocianinas e luteína em bebidas formuladas com proteínas de soro de leite. 2013. 128f. Dissertação (Mestrado) - Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, 2013.
       
×
×
  • Criar novo...