Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Alguém já teve lesão no ombro fazendo supino?


Post Destacado

Olá pessoal,

Faço musculação há mais de 10 anos. No dia 27 de outubro de 2005 eu estava fazendo supino inclinado, ainda aquecendo, com peso de 20 kgs de cada lado. Estava com um pouco de pressa, e sem perceber, inclinei o banco mais que deveria, ao invés de 45º coloquei um pino mais alto, mais próximo dos 90º. Ao descer o peso senti uma forte dor no ombro direito, não conseguindo mais voltar o peso sem ajuda. Coloquei gelo na hora e fui ao médico.

Foi constatado lesão SLAP NO OMBRO, vejam sobre no link abaixo.

http://www.dornoombro.com/problemascomuns/slap

Fiz fisioterapia por meses, sem resultado e a ressonância não conseguiu visualizar a lesão com precisão. É preciso que seja feita a artroressonância magnética (ARTRO-RN), com o contraste, que é muito mais preciso que a ressonância. Com o exame, o médico verá com a devida precisão, para que através de uma cirurgia possa recuperar o ombro. Não sinto dores no dia a dia, apenas se eu tentar treinar o membro superior.

O exame custa uns R$ 2.000,00, ainda não fiz, o plano não cobre esse exame. Pergunto, alguém já teve isso, ou algo parecido no ombro? Será que com a cirurgia fica perfeito o ombro, sendo possível continuar com a musculação normalmente, sem receio de acontecer de novo?

Valeu!!

ou para curtir

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 2 semanas depois...
Madrugão suplementos

Não jogue dinheiro fora

Compre suplementos bem mais baratos com o cupom de desconto do FISIculturismo.com.br

Clique aqui para obter seu cupom

  • Respostas 29
  • Criado
  • Última resposta

Membros mais ativos neste tópico

Membros mais ativos neste tópico

Posts mais populares

Olá pessoal, Faço musculação há mais de 10 anos. No dia 27 de outubro de 2005 eu estava fazendo supino inclinado, ainda aquecendo, com peso de 20 kgs de cada lado. Estava com um pouco de pressa,

Olá mfreza! Se vc tiver essa mesma lesão SLAP como falei, podemos continuar com nossas atividades normalmente, apenas não dá para pegar pesado no supino. Sendo assim, na hora de vc preencher tod

Que bom que vc tá melhor. Eu sou o mesmo Emanuel que postou em 2008, só que aquela minha conta sumiu, tive q criar outra. Saúde mano!

Caro colega,

estou com o mesmo problema ou bem parecido. Acho que foi por supino e/ou levantamento lateral. Estou com essa dor que dá hora sim hora não, dependendo do movimento. Fiz um exame de ressonância e agora estou indo a um especialista. Tratei ela a um tempo atrás como se fosse uma simples tendinite. Parei os exercícios tem uns 4 meses, melhorou mas nunca passou e tem horas que a dor é irritante principalmente na hora de dormir. Uma dor que se irradia do ombro pra parte de fora do braço. Fui a um ortopedista a pouco tempo que me falou algo sobre a "sindrome do impacto" e um possível rompimento parcial de um tendão do supra-espinhoso. Sugiro a vc que pare de fazer os exercícios, pois pode piorar ainda mais o estado e procure auxílio médico.

Bom, espero ter ajudado....

Abraço.

ou para curtir

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 2 semanas depois...

Olá Billyrjse, valeu pelo retorno!

Bom, desde então eu nunca mais fiz exercícios de forma séria. Somente às vezes eu faço flexões leves em casa, nada de mais. Para eu poder voltar aos exercícios terei que fazer esse exame e depois provavelmente operar, não há outro jeito. O médico falou que após operar, terei que ficar pelo menos 6 meses de recuperação, com fisioterapia, exercícios localizados. Em resumo, um prejuízo completo!

ou para curtir

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Confirmado... tb estou com essa lesão SLAP e o causador foi o supino com certeza. O médico me deu duas opções: operar e levar uma vida normal ou tratar somente e não fazer mais exercícios. Só que a cada dia que passa vejo que não tem solução mesmo....é faca mesmo! rs. A dor diminuiu consideravelmente, mas ainda existe um desconforto. Quanto as suas dúvidas de treino após a cirurgia, creio que não terás problemas. Conversei com médicos e o professor da academia sobre treinar após a recuperação da artroscopia, que é relativamente demorada. E segundo eles não há nenhum impeditivo, inclusive até mesmo na opinião do médico autor do texto sobre SLAP que vc colocou aqui no site afirma que que os treinos podem ser a nível competitivo depois de operado...ou seja, bem pesado pelo meu entendimento. Muitos atletas conhecidos passaram por isto e os resultados nas competições posteriores a cirurgia foram excepcionais. Cara, te desejo boa sorte e um Feliz Natal.

ou para curtir

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 3 semanas depois...

Eu já tive lesão no ombro, quis me meter a besta e aumentei demasiadamente o peso no supino e comecei a fazer a serie sem ninguém por perto.

Acabei perdendo a força enquanto estava elevando a barra e ela caiu para trás um dos lados apenas e eu tive uma lesão desgraçada.

Resumindo, meses sem treinar e nem mexer o braço direito, e depois de muitos meses, eu voltei a treinar SEM FAZER PEITO por mais 2 meses.

Qdo comecei denovo com o treino de peito fiquei bastante tempo fazendo PULLOVER se não me engando, com POQUISSIMO PESO, fazia cruxifixo com pouco peso tb fui trabalhando com dorzinha, com o tempo foi diminuindo dai inclui o supino com pouco peso e fui aumentando até voltar a velha forma, o processo todo levou o tempo de uma gestação hahaha, quase 9 meses nessa função.

Por sorte não foi da gravidade de vcs, mas acredito que vcs podem voltar a malhar sim, mas o cuidado vai ser quintuplicado !!!!!!

Boa melhora pra vcs e boa sorte !

ou para curtir

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 3 semanas depois...

Olá pessoal,

Valeu pelo retorno! Billyrjse, eu não fiz a cirurgia ainda, por enquanto eu faço apenas exercícios leves. Com exercícios leves não há problemas.

Do exame de artroressonância exigido, até a cirurgia, anestesista, etc, vai umas facada$, fora os meses de molho.

Sei que se eu quizer voltar a treinar normalmente, mais pesado, a única forma é operar mesmo. Enquanto isso vou levando normal, já que não sinto nenhuma dor no dia a dia, só se eu forçar levantando muito peso.

É isso aí... Lesão é soda.. Me fale se vc operou ou deixou como está!

Valeu!

ou para curtir

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Ae galera... pelo visto encontrei alguns aqui que também dividem o mesmo problema que tenho passado.

Há 4 meses lesionei o ombro depois de um treino... nao sei exatamente em qual exercicio, pq na hora eu nao senti nenhuma dor.... senti mesmo no dia seguinte. Assim que constatei a dor no ombro, já deixei de treinar, até pq a dor estava foda.

Procurei um médico, fiz alguns exames, mas acho que não fui feliz com este médico pois o cara me desmotivou, disse que eu teria que aprender a conviver com a dor e que não adiantaria fazer nada... só esperar!

Após 4 meses e meio parado, ter perdido 5 kg, eu voltei essa semana pra academia, AINDA COM UM POUCO DE DOR... tenho feito exercicios com a menor carga... e mesmo assim eu ainda sinto um incomodo.

Tenho muito receio de nao conseguir voltar ao que era antes... isso me deixa extremamente angustiado... mas estou tentando ser confiante e vou ser paciente... com calma e tempo acho que vou me recuperando. Esta semana vou procurar outro médico... desta vez um especialista, pra saber exatamente que tipo de lesao eu tive e as possibilidades de retornar.

Enfim... esses 4 meses têm sido foda! Desejo que todos aí consigam se recuperar bem e possam voltar aos treinos!

Abraços.

ou para curtir

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Tb sofri uma lesao na parte posterior do ombro, possivelmente na escapulo, estou a 5 meses de molho, nao fiz fisio, na fiz cirurgia.O primeiro medico me disse q nao era um problema grave pois eu conseguia movimentar meu ombro em tdas as direçoes sem problemas, me passou um AINE,e nao me ajudou em nd, fui em outro ortopedista q tb nao me ajudaou em nd, ele fez uns testes clinicos pra ver se era o manguito e nao me ajudou em nd tb.Minha dor nao aparece nas atividades do dia a dias mas se forçar um pouco num exercicio de ombro, mesmo sendo leve ja doi.Pelo tempo q estou com a lesao ela ja esta cronica, alguem sabe me dizer se a artroscopia pode curar mesmo o lesao estando em estado cronico?

abs

ou para curtir

Link para o post
Compartilhar em outros sites
...Pelo tempo q estou com a lesao ela ja esta cronica...

Cara... nao sei se dá pra dizer que a lesao virou cronica... se for assim, o meu caso tbm ja virou cronico, pq faz quase 5 meses.

Ainda acredito que vou conseguir recuperar meu ombro, mesmo que nao seja 100%... mas que de pra eu voltar a treinar!...

abs

ou para curtir

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Mike1995...cara ainda estou com a lesão e estou parado a mais de 8 meses. Nestes meses parados a dor aliviou bastante, tem dias que pareço não ter nada. Tb estou da mesma forma que a maioria aqui...só sinto dores quando faço algum esforço maior e em uma determinada posição (exemplo: quando tento eguer algo com braço esticado a 90 graus junto ao corpo, com a palma da mão virada pra cima...é fo#@#!). Fui em vários médicos e o mais convincente me disse se tratar de uma lesão SLAP e me deu 2 opções: opera e fico livre disso ou levo a vida assim sem fazer esforços. Outro médico me disse que não era caso de operar pois eu conseguia levantar, lateralmente, bem o braço sem dores. Me disse que cirurgia são pra casos graves onde vc nem consiga movimentar o braço. Resumindo...to em cima do muro. Vou procurar um outro especialista de ombro pra desempatar.... rsrs.

Torço pela recuperação de todos.

ou para curtir

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta em nossa comunidade! É rápido, fácil e grátis!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora
  • Conteúdo similar

    • Por Ianara Roberta Stein
      Musculação e risco de lesões
      Hoje a academia de musculação se tornou um dos ambientes mais frequentados por pessoas que buscam ter um estilo de vida saudável. Isso é demonstrado pelo número enorme de academias espalhadas de grandes centros a pequenos bairros. Isso é muito positivo, pois, a prática da musculação traz inúmeros benéficos à saúde (FLECK, 2017).
      Mas, nesta matéria, não se trata dos benefícios da prática da musculação. Trataremos dos riscos que podemos correr se não tomarmos alguns cuidados na prática dos exercícios de musculação.
      Os exercícios contra resistidos, que chamamos popularmente de musculação, são capazes de gerar alterações rápidas no tecido muscular, proporcionando um efeito de super-compensação que damos o nome de hipertrofia muscular (SANTAREM, 2012). No fim das contas, o que todo praticante de musculação busca é esse aumento do volume muscular, que proporciona a um moldelamento do corpo, juntamente com a diminuição do tecido adiposo (gordura), que resulta na definição e aspecto atlético.
      A prática da musculação é relativamente segura. Num estudo recente, foi constatado que os praticantes da musculação tiveram 0,12 (doze centésimos) lesões por cada ano de prática, ou 0,24 (vinte e quatro centésimos) lesões por cada 1.000 (mil) horas de atividade (KOGH, 2017).
      Comparada a outros esportes, tais como a corrida [em que as lesões passam de 1,5 (uma e meio) por ano de prática] (KIM, 2018), o número de lesões é insignificante.
      Risco de lesões na musculação: ombro e tendinites
      Ao observarmos algumas características das lesões e entendermos um pouco sobre a mecânica dos movimentos, poderíamos diminuir ainda mais esses números. Por exemplo, o estudo de Kogh, 2017 indicou a articulação do ombro como a mais acometida por lesões, e as tendinites como as principais ocorrências.
      Ao nos atentarmos para a articulação do ombro, em especial, vamos perceber que ela é uma das mais complexas do corpo humano, e está ativa em praticamente todos os exercícios da musculação que envolvem os membros superiores.
      Causas de lesões na articulação do ombro
      Avaliaremos alguns aspectos dos movimentos da articulação do ombro e encontrar possíveis causas das lesões. Anatomicamente, a articulação do ombro é composta por três ossos:
      escápula; clavícula; úmero. A articulação do ombro de maior mobilidade é a glenoumeral, articulação que fica entre a cavidade glenoide (escápula) e a cabeça do úmero. Essa é a articulação de maior mobilidade de todo o corpo. Por isso, a complexidade é grande. A sua estabilidade é garantida por um grupo de músculos chamados de manguito rotador, região mais suscetível a lesões tendíneas (NEER,1972).
      Os movimentos do ombro dependem de um conjunto de fatores que envolvem o deslizamento de estruturas ósseas associadas a estabilização muscular. Existe um ritmo entre a escápula e o úmero chamado de ritmo escapuloumeral, na proporção de 3:1 (três para um), ou seja, para cada 4 (quatro) graus de abdução (levantar o braço), temos 3 (três) graus da abertura da escapula, para 1 (um) grau de abertura do úmero (IMHOFF, 2019).
      Vamos imaginar que alguma coisa mantenha a escápula rígida, sem a possibilidade de realizar esse movimento de abertura e de garantir o ritmo escapuloumeral. O que aconteceria?
      Como a articulação é livre, ela faria o movimento às custas de um deslizamento forçado da cabeça do úmero e com a compressão dos tendões dos músculos do manguito rotador.  Em 2 (duas) ou 3 (três) semanas já temos causa suficiente para uma tendinite do manguito rotador.
      Espessamento da fáscia muscular como causa de lesão
      Entre os fatores que podem fixar a escápula, tornando o movimento rígido, temos o espessamento da fáscia muscular. Ela é uma membrana de tecido conjuntivo que reveste o músculo, como se fosse um envelope. Ela garante o deslizamento perfeito entre cada feixe de fibras musculares, e tem a capacidade de se movimentar juntamente com o músculo.
      Porém, a fáscia muscular não tem propriedades contráteis, e pode sofres deformações devido a fatores como traumas e hipoxia (falta de oxigênio).
      Musculação e hipoxia
      Na prática da musculação, é comum a fáscia passar por situações de hipoxia. É uma situação natural devido ao estilo do estímulo do exercício. Essa hipoxia pode gerar deformações da fáscia, levando ao seu espessamento e rigidez.
      O espessamento e a rigidez da fáscia impedirão o deslizamento natural das fibras musculares, bem como o aporte sanguíneo do músculo, essencial para a recuperação e a hipertrofia. Como podemos perceber, qualquer anormalidade no funcionamento do sistema pode comprometer os resultados esperados do exercício e gerar lesão.
      Liberação miofascial para prevenir lesões
      Atualmente, existe uma maneira muito eficaz de se prevenir esse tipo de lesão, chamada de liberação miofascial (LM). Ela é uma técnica de mobilização digital que se utiliza de manobras de deslizamento profundo no tecido miofascial proporcionando reequilíbrio e melhora da função musculoesquelética.
      A técnica se baseia na aplicação de uma tensão, proporcionando alongamento da área de contratura seguida de um relaxamento, aumentando a flexibilidade e reorganizando as estruturas (DA SILVA, 2017).
      A LM é considerada uma forma de terapia no tratamento de dor, potencializando a função muscular e auxiliando a extensibilidade tecidual. Pode ser realiza de forma manual (mãos, cotovelos ou dedos) ou com auxílio de instrumentos.
      Liberação miofascial e hipertrofia muscular
      No mundo do fisiculturismo, considerado um esporte onde os atletas se baseiam no uso de exercícios de resistência com cargas para desenvolver os músculos do corpo, visando por definição, proporção e estética dos músculos, a LM também conquistou o seu espaço.
      A liberação miofascial no fisiculturismo contribui para a diminuição da aderência miofascial, melhorando a função muscular, auxiliando no ganho de força e de flexibilidade, além de prevenir dores e lesões. Os resultados de hipertrofia muscular são otimizados (Meloto; Cardoso, 2018).
      “Diante do exposto acima, a SOCIEDADE NACIONAL DE FISIOTERAPIA ESPORTIVA (SONAFE) adota parecer que a Liberação Miofascial é de grande auxílio preventivo e terapêutico e, para finalidade da prevenção e tratamento cineticofuncional é de uso inerente da Profissão Fisioterapia, entretanto, entende que o recurso de Liberação Miofascial não é ato privativo da Fisioterapia. Outros profissionais com domínio técnico-científico podem indicar e aplicar os recursos de Liberação Miofascial e de Auto Liberação Miofascial para objetivos inerentes as suas categorias, tais como a melhora do desempenho físico e a prevenção de dor miofascial pós exercício.”
      Outras matérias sobre liberação miofascial
      A fim de fornecer mais conteúdo sobre o tema, sugerimos mais alguns links de matérias sobre a liberação miofascial para facilitar a sua pesquisa:
      Liberação Miofascial na Hipertrofia: potencializando o treinamento de atletas: aponta que a fáscia saudável permite maior hipertrofia por melhorar a flexibilidade da musculatura, o que também permite mais ganhos no aproveitamento de nutrientes da dieta; Liberação Miofascial: apresenta os conceitos básicos dessa técnica de alongamento promovida por massoterapeutas; Mônica Rivero explica tudo sobre liberação miofascial e deep massage: a especialista indica a liberação miofascial para tratar inflamações, microlesões, aplicações locais (uso de esteroides) ou traumas diretos, os quais podem ocasionar perda de elasticidade (e prejudicar a hipertrofia). Por fim, segue um vídeo publicado no YouTube com o fisiculturista Fernando Sardinha sendo tratado com a técnica da liberação miofascial:
      Local do consultório para fazer a liberação miofascial
      Caso você tenha interesse na liberação miofascial, pode buscar atendimento no seguinte endereço:

      Referências
      CHARLES S NEER, I. I. Anterior acromioplasty for the chronic impingement syndrome in the shoulder: a preliminary report. JBJS, v. 54, n. 1, p. 41-50, 1972.
      DA SILVA, D. A., & Mejia, D. P. M. A Liberação miofascial no tratamento da fascite plantar. Portalbiocursos, 2017.
      FLECK, Steven J .; KRAEMER, William J. Fundamentos do treinamento de força muscular . Artmed Editora, 2017.
      IMHOFF, Florian B. et al. Glenoid retroversion is an important factor for humeral head centration and the biomechanics of posterior shoulder stability. Knee Surgery, Sports Traumatology, Arthroscopy, p. 1-10, 2019.
      KIM, Jong-Soon; PARK, Hye-Sang; OH, Sae-Sook. An analysis of the characteristics of sports activities and injury experiences of leisure sports participants. Journal of exercise rehabilitation, v. 14, n. 3, p. 407, 2018.
      KEOGH, Justin WL; WINWOOD, Paul W. The epidemiology of injuries across the weight-training sports. Sports medicine, v. 47, n. 3, p. 479-501, 2017.
      MELOTO, F; Cardoso, F. M. Fisiculturismo e Fisioterapia: uma abordagem sobre a liberação miofascial. Ulbra, 2018 .
      SANTAREM, José Maria. Musculação em todas as idades. Editora Manole, 2012. SONAFE. Parecer nº 05/2016. Acesso em: 13 de agosto de 2019. 
    • Por Luan Viana
      Posicionar as mãos na barra na largura dos ombros; Subir o corpo com a coluna reta; Manter os joelhos com uma pequena flexão; Trazer a barra próximo ao queixo, levantando bem os cotovelos e contraindo voluntariamente os ombros e bíceps; Descer a barra alongando a musculatura até embaixo, sem relaxar os ombros, que devem permanecer contraídos.
    • Por Luan Viana
      Deitar sobre um colchonete; Posicionar as mãos ao lado do corpo, mais ou menos na linha média do tórax; Manter a cabeça em posição neutra; Manter o tronco, quadril e pés sempre alinhados; Posicionar os pés na largura do quadril para mais conforto; Fazer a extensão do cotovelo, sem fazer o encaixe articular; Descer tudo, bem próximo ao chão, sem encostar nele.
    • Por Luan Viana
      Ajustar o banco para que a pagada das mãos fique ligeiramente abaixo da linha do ombro; Ajustar a pegada das mãos para o mais próximo possível do corpo (proporciona mais amplitude ao movimento); Pegar o aparelho de modo que os punhos e cotovelos fiquem alinhados na posição de 90º (na "metade do caminho"); Fazer a extensão do cotovelo sem fazer o encaixe articular ao final; Alongar o máximo que conseguir para trás; Sempre manter alinhado o punho e o cotovelo; Manter as escápulas unidas; Deixar a cabeça em posição neutra (sem movimentação).
    • Por Talles Sucesso
      Deitar no banco apoiando completamente o tronco, o qual deve se mantido ereto e apoiado durante toda a execução; Manter os dois pés no solo; Pegar a barra com as mãos na largura aproximada dos ombros; Manter os cotovelos fechados; Descer a barra próximo ao diafragma (alinhar a mão e o cotovelo ao vetor do centro de gravidade); Subir a barra com o máximo de amplitude, sem fazer o encaixe articular;

Madrugão suplementos

Não jogue dinheiro fora

Compre suplementos bem mais baratos com o cupom de desconto do FISIculturismo.com.br

Clique aqui para obter seu cupom



×
×
  • Criar novo...