Jump to content
Sign in to follow this  
SC0RPI0N

Cozinhar o ovo desperdiça a clara?

Rate this topic

Recommended Posts

Voce está desperdiçando o nosso tempo, que é mais importante ! rs

calma Alanz, tambem não é bem assim, ninguem nasce sabendo tudo, eu entendo a dúvida dele, ele deve ter ouvido falar na aula de biologia que cozinhando o ovo, mudanças de pH e forças iônicas, a proteina desnatura, ou seja, rompe suas ligações, com isso ele deve ter pensado que não há mais proteina. Isto é verdade, porem cozinhando ou não, nosso corpo irá quebrar todas as ligações peptidicas transformando em aminoacidos para poderem ser absorvidos e rearranjados depois.

Share this post


Link to post
Share on other sites
calma Alanz, tambem não é bem assim, ninguem nasce sabendo tudo, eu entendo a dúvida dele, ele deve ter ouvido falar na aula de biologia que cozinhando o ovo, mudanças de pH e forças iônicas, a proteina desnatura, ou seja, rompe suas ligações, com isso ele deve ter pensado que não há mais proteina. Isto é verdade, porem cozinhando ou não, nosso corpo irá quebrar todas as ligações peptidicas transformando em aminoacidos para poderem ser absorvidos e rearranjados depois.

E eu pensando que as aulas de biologia não eram importantes, rs

Mentira.. sempre gostei de biologia principalmente depois que começei a treinar, mas nunca tinha pensando dessa forma sobre o ovo.

Agora sim a pergunta faz sentido, mas foi colocado de uma forma muito aberta..

Share this post


Link to post
Share on other sites

A culpa é mesmo dos professores em geral. Poderiam desmistificar MUITA coisa não só de nutrição básica, mas de outros assuntos.. vai longe isso.

De fato, cozinhar o ovo agnete "desenovela" a proteina, o nome que se da a isso é a desnaturação. Sem cozinhar quem iria fazer isso é o nosso sistema digestivo. Por essa razão o ovo cozido tem a digestão facilitada.

Se agente precisa-se da proteina inteira seria um problema, mas felizmente precisamos só dos aminoacidos...

Alias esse é o mesmo motivo que torna ingerir colageno inutil. Absorvemos aminoacidos, proteinas não não! =)

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ninga, por exemplo,

Tirando a probabilidade de se contaminar com a salmonella e tal.. o fato de voce comer o ovo cru é melhor, por manter todos os nutrientes preservados do ovo, porem o corpo tem um maior trabalho na absorção dos nutrientes por causa de não haver a desnaturação antes; ou é pior, pelo fato de sua digestão ser mais trabalhosa e o corpo acaba não absorvendo totalmente o ovo ?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Você irá absorver o ovo antes se você o cozinhar pois já fez parte do processo digestório durante o cozimento, não que isso seja melhor ou pior, depende do seu proposito, mas comer ovo cru é foda, parece coisa de Os Filhos de Francisco! kkk

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não faz diferença pela quantidade de aminoácidos absorvidos...a proteina da clara do ovo eh facilmente desnaturada, e não só o aquecimento quebra essas estruturas, como dito antes o pH tbm, e o estomago é bem acido

Share this post


Link to post
Share on other sites

Desgraça de pensamento enraizado no pessoal de academia... acham que maromba tem que comer só ovo cru, batata doce e frango...

Cozido é otimo, eu como frito em óleo de girassol...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não tenho esse pensamento.. afinal a maior parte das vezes que faço ovo, não é cozido, é omelete, ou quebro o ovo na agua e cozinho.

Mas minha duvida foi no quesito da biologia e por puro conhecimento. Se nosso corpo reage de forma diferente se for ingerido um ovo cozido, onde já aconteceu a desnaturação da proteina e a proteina já pode ser facilmente digerida pelo organismo, ou ele simplesmente cru, onde o corpo precisa fazer o trabalho de desnaturar ela.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Sign in to follow this  

  • Similar Content

    • By Neo3dotZ
      Posso comer a clara de ovo frita?
    • By fisiculturismo
      A abumina é uma das melhores e mais baratas fontes de proteína que você pode inserir na sua dieta. E isso não é uma novidade. O motivo é simples. Na realidade, muitas pessoas se equivocam na ortografia da palavra albumina, digitando abumina, ou até mesmo pensando que se trata da nomenclatura correta para a clara de ovo desidratada.
      Durante muitos anos a albumina tem sido utilizada na suplementação alimentar dos atletas de fisiculturismo ou de pessoas que buscam ganhar mais massa muscular, por ser uma fonte de proteína de excelente qualidade e muito barata. 
      Antes mesmo de a proteína do soro do leite (whey protein) despontar como a mais consumida na via da suplementação, a albumina conquistou espaço em substituição à prática do consumo de claras de ovos cruas (com ou sem as gemas), o que era comum nas dietas dos fisiculturistas da época do Arnold Schwarzenegger e do ator Sylvester Stallone, nos anos 70 e 80.

      Por ser bem intragável o consumo de ovos crus, e por existir o risco de infecção intestinal com bactérias, principalmente salmonelas, a abumina, quer dizer, albumina, que é um pó que pode ser misturado em diversos tipos de líquidos para consumo (água, leite, sucos e etc), era uma opção muito mais interessante para o aumento mais prático do consumo de proteínas na dieta.
      Ainda que mais prático o consumo da clara de ovo desidratada e menos intragável que o consumo do ovo cru, o seu gosto não é muito agradável e é bem conhecido o efeito colateral dos gases intestinais, provocando flatulências ou peidos bem mal cheirosos ou fedidos.
      Atualmente, grande parte dos nutricionistas tem recomendado o consumo de ovos inteiros (clara e gema) em vez do consumo das claras apenas, por conterem as gemas proteínas, vitaminas e gorduras boas. E pelo fato de a gema do ovo não aumentar o colesterol ruim. Aliás, o ovo é considerado um dos melhores alimentos do mundo por vários nutrólogos.
      Portanto, se você ainda chama a albumina de abumina, já pode utilizar a nomenclatura correta. E agora, você também já sabe que comer os ovos inteiros é muito melhor do que comer apenas a clara do ovo, desidratada ou não. Saiba mais sobre os dados de referência do consumo de ovos inteiros versus o consumo de clara do ovo ou albumina apenas em nossa postagem abaixo:
       

    • By _TST_
      Eu fiz algumas pesquisar sobre o ovo e tive como conclusao q um bom alimento tirando o tal do colesterol, e queria saber uma coisa tipo eu nunca tive problemas d colesterol c começar a comer vamos supor uns 4 ovos por semana ah grande riscos d eu ter?? alguem sabe me dizer algo a respeito??
    • By Bodyboarder
      Há muito tempo, o conhecimento popular identificou o grande valor nutritivo dos ovos. A sua fácil digestão, a confirmação de suas qualidades nutricionais e o baixo preço fizeram com que os ovos fossem empregados habitualmente na alimentação de pessoas de todas as idades.
      Mesmo quando ingeridos inteiros, o conteúdo calórico relativamente baixo dos ovos, semelhante ao da carne magra, justifica o seu emprego na alimentação de pessoas obesas. Quando apenas as claras são utilizadas, o conteúdo calórico passa a ser extremamente baixo, embora o valor nutritivo diminua muito.

      Mais de 70% do peso de um ovo é água, sendo que no caso da clara isolada o conteúdo é quase 90%. Um ovo apresenta em média 81,5 calorias. Os ovos são excelente fonte de proteínas de alta qualidade. Cada ovo inteiro apresenta 7 gramas de proteínas, sendo aproximadamente 4 gramas na clara e 3 gramas na gema.

      A gordura da gema dos ovos é insaturada, apresentando efeitos protetores com relação à artereosclerose . Por outro lado, na gema existe o colesterol, cuja influência na arterogênese será discutida posteriormente.

      Carboidratos e fibras não participam da composição dos ovos, ilustrando a importância da variedade de alimentos para uma boa nutrição. As vitaminas liposolúveis A, D, E e K estão presentes em grandes quantidades nos ovos, assim como as vitaminas do complexo B, incluindo a B12. A vitamina C não está presente nos ovos. Com relação aos minerais e eletrólitos, os ovos são pobres em cálcio, mas excelente fonte de fósforo, ferro e magnésio. O sódio e potássio encontram-se em boas quantidades, principalmente na clara.

      O consumo de ovos, às vezes, é criticado com o argumento de que o colesterol presente na gema pode ser prejudicial à saúde, estimulando a artereosclerose. Alguns aspectos devem ser esclarecidos. Quantidades de colesterol no sangue acima de 220mg% estão estatisticamente relacionadas com a maior incidência de artereosclerose. O colesterol, no entanto, tem funções tão importantes, que o organismo possui um complexo sistema de síntese desta substância. Entre a funções do colesterol está a síntese de testosterona, o hormônio anabolizante natural do organismo, que é estimulado pelos exercícios com pesos. Quando aumenta a ingestão de colesterol na alimentação, o organismo diminui a síntese, regulando as quantidades no sangue.

      Pessoas geneticamente predispostas à artereosclerose apresentam síntese aumentada de colesterol e, mesmo sem a ingestão, apresentam altos níveis sanguíneos dessa substância. Além da predisposição genética, outros fatores aumentam o risco da artereosclerose e suas conseqüências. Tal é o caso do consumo de gorduras saturadas (o colesterol não é uma gordura e as gorduras dos ovos são insaturadas) da hipertensão arterial, do fumo, do stress emocional do uso de anabolizantes esteróides e anti-concepcionais. Para adotar uma conduta prática para a ingestão de ovos inteiros, sem procupações com todos os aspectos teóricos da arterogênese, só existe uma maneira: a dosagem do colesterol no sangue. Desde que os níveis de colesterol se mantenham abaixo de 220mg%, não há limites justificáveis para a ingestão de ovos inteiros.

      O consumo das claras dos ovos, isoladamente, só se justifica quando as pessoas apresentam níveis elevados de colesterol no sangue, e nos curtos períodos de dieta para a redução máxima da gordura corporal. Por várias razões, as claras nunca devem ser ingeridas sem cozimento, o que também se aplica para as gemas. Um dos motivos para o cozimento é a eliminação de salmonelas, micro-organismos que, com alguma freqüência, contaminam os ovos e podem causar diarréias graves, às vezes fatais. Outra razão é a inativação de fatores inibidores da atividade da tripsina, presentes nos ovos crus. A tripsina é uma enzima proteolítica produzida no pâncreas, e sua inibição pode levar à absorção de proteínas mal digeridas, produzindo efeitos indesejáveis como alergias, diarréia e o que é mais importante para atletas, a perda de proteínas do sangue pela urina, levando ao balanço nitrogenado negativo e perda de massa muscular. O cozimento também inativa a avidina dos ovos crus, que é um inibidor da biotina, importante vitamina do complexo B. Este efeito benéfico do cozimento é apenas adicional, visto que a avidina ingerida ativa dificilmente levaria à uma deficiência de biotina, presente na gema e em outros alimentos.

      Como vimos, os ovos constituem em excelente alimento para todas as pessoas, em particular para esportista e atletas.

      Matéria por Prof. José Maria Santarém - extraída da Revista Muscle in Form Edição 4/96.
    • By Alisson Kalel Cotta
      Pessoas que consomem 18 gramas de proteína de ovos inteiros ou de clara de ovo depois de se exercitarem tem diferença na forma como seus músculos se regeneram, um processo chamado síntese proteica, relatam pesquisadores em um estudo. Especificamente, a resposta de recuperação muscular naqueles que comem ovos inteiros é 40% maior do que naqueles que consomem uma quantidade equivalente de proteína somente das claras, segundo a equipe.
      A descoberta, publicada no American Journal of Clinical Nutrition, sugere que a prática generalizada de jogar fora as gemas para maximizar a ingestão de proteína dos ovos é contraproducente, disse Nicholas Burd, professor de cinesiologia e saúde da Universidade de Illinois que liderou o estudo.
      As gemas também contêm proteínas, juntamente com os principais nutrientes e outros componentes nutricionais que não estão presentes nas claras de ovos. E algo nas gemas está aumentando a capacidade do corpo de utilizar essa proteína nos músculos.
      “Este estudo sugere que comer proteína dentro de sua matriz alimentar mais natural tende a ser mais benéfico para os nossos músculos, em oposição à obtenção de proteína de fontes isoladas de proteína”, disse ele.
      No estudo, 10 homens jovens realizaram um único exercício de resistência e depois comeram ovos inteiros ou claras contendo 18 gramas de proteína. Os pesquisadores administraram infusões de leucina e fenilalanina marcadas com isótopos estáveis (dois importantes aminoácidos) para os participantes. Isso permitiu aos cientistas manter e medir com precisão os níveis de aminoácidos no sangue e nos músculos dos participantes. Isso permitiu um rastreamento preciso de onde os aminoácidos derivados dos alimentos acabaram depois que os participantes os ingeriram.
      A equipe levou amostras repetidas de sangue e biópsia muscular para avaliar como os aminoácidos derivados do ovo estavam aparecendo no sangue e na síntese protéica nos músculos antes e depois do exercício de resistência e da alimentação.
      “Ao usar esses ovos marcados, vimos que se você comeu o ovo inteiro ou as claras, a mesma quantidade de aminoácidos ficou disponível no sangue”, disse Burd. “Em cada caso, cerca de 60 a 70 por cento dos aminoácidos estavam disponíveis no sangue para construir músculos. Isso sugere que obter a proteína de ovos inteiros ou apenas dos brancos não faz diferença, como a quantidade de aminoácidos na dieta”.
      Mas quando os pesquisadores mediram diretamente a síntese de proteínas no músculo, eles encontraram uma resposta muito diferente.
      “Vimos que a ingestão de ovos inteiros imediatamente após o exercício de resistência resultou em maior síntese de proteína muscular do que a ingestão de claras de ovos”, disse Burd.
      Estudos anteriores sugerem que essa diferença não tem nada a ver com a diferença no conteúdo energético de ovos inteiros e claras de ovos – ovos inteiros contendo 18 gramas de proteína também contêm cerca de 17 gramas de gordura, enquanto as claras não têm gordura. Estudos do laboratório de Burd e outros mostram que simplesmente adicionar gordura a uma fonte de proteína isolada na dieta após o exercício não aumenta a síntese de proteínas.
      “Há muita ênfase na nutrição proteica na sociedade moderna, e pesquisas mostram que precisamos de mais proteína na dieta do que pensávamos para manter a saúde”, disse Burd. “À medida que a população mundial cresce, precisamos de estratégias econômicas e sustentáveis para melhorar o uso de proteínas na dieta. Este trabalho mostra que consumir proteína de ovo em sua matriz natural tem um benefício muito maior do que obter proteína isolada da mesma fonte. ”
      Fonte: Stephan van Vliet, Evan L Shy, Sidney Abou Sawan, Joseph W Beals, Daniel WD West, Sarah K Skinner, Alexander V Ulanov, Zhong Li, Scott A Paluska, Carl M Parsons, Daniel R Moore, Nicholas A Burd. Consumption of whole eggs promotes greater stimulation of postexercise muscle protein synthesis than consumption of isonitrogenous amounts of egg whites in young men. The American Journal of Clinical Nutrition, 2017; 106 (6): 1401 DOI: 10.3945/ajcn.117.159855
      https://nutrindoideias.com/musculacao/hipertrofia/ovo-inteiro-ganho-de-massa-muscular/
×
×
  • Create New...