Jump to content
Sign in to follow this  
rechrech

TUTORIAL CLEMBUTEROL

Rate this topic

Recommended Posts

Este texto tem caráter informativo, estou relatando meu conhecimento em pró de responder algumas dúvidas. Não é um artigo e não está anexado as referências bibliográficas.

Resolvi ler sobre Clembuterol e com o que me deparei foi um monte de textos em vários sites diferentes onde todos diziam a mesma coisa, nada. Tudo escrito por cima, sem justificar pra que usar tal farmaco em conjunto, como age tal substancia, etc.
Ficaria grata se alguém que tenha maior conhecimento na área tratada neste texto, me informe o que sabe sobre possíveis combinações com o uso do Clembuterol, por exemplo, com o uso do T3.


Para explicar como age o Clembuterol é necessário o entendimento de algumas palavras que serão incessantemente citadas no texto. Segue então o significado de algumas palavras:

Agonista: É a substância química que se liga em um receptor e o ativa. Normalmente, quando um receptor é ativado, ele também ativa a célula e ela desempenha a sua função.

Antagonista: É a substância química que se liga ao receptor e não o ativa, a danada fica ali, apenas ligada, sem fazer nada, impedindo que o Agonista se ligue, porque no receptor, só podem se ligar, um tipo de molécula de cada vez.

Lipólise: é o nome dado à quebra de lipídeos e consequente disponibilização de ácidos graxos livres e glicerol (Ler anexo onde mostra as etapas da degradação dos ácidos graxos).

Agonista Adrenérgico: ativam os receptores adrenérgicos (norepinefrina e epinefrina).

Proteínas G: As proteínas G (GMP-dependentes) são substâncias que realizam o acoplamento dos receptores de superfície à adenil-ciclase, podendo exercer atividade estimulando (Gs) ou inibindo (Gi) sobre a unidade catalítica (adenil-ciclase). A interação da proteína Gs cardíaca com o receptor beta-1 ocupado por catecolamina, com GTP e com cátions ativa a adenil-ciclase, elevando o teor de AMPc, o que deflagra uma cascata de eventos intracelulares que melhoram a contratilidade e o lusitropismo.

Receptores beta: são receptores pós-sinápticos da adrenalina, presentes em diversas partes do organismo humano, tais como, coração, rins, vasos sanguíneos do músculo esquelético e musculatura lisa bronquial. Existem três tipos a saber: beta-1, beta-2 e beta-3.

Meia vida: A meia vida de uma droga é o intervalo de tempo necessário para que metade da droga seja metabolizada. Após cair pela metade a quantidade restante não estará mais em condição de cumpri sua tarefa apropriadamente.

FAT BURNERS
Os conhecidos Fat Burners (Clembuterol, Salbutamol, Cimaterol, Efedrina), ativam os receptores beta-adrenérgicos, resultando em lipólise e termogênese.

Receptores beta-adrenérgicos: Beta-1, Beta-2 e Beta-3, são todos ligados a uma proteína estimuladora, Gs que, ao sofrer o estimulo ativa a enzima adenilato-ciclase, levando ao acúmulo de AMPc, dentre outras coisas. A Gs pode aumentar a ativação de canais de Ca2+ sensíveis a voltagem da membrana plasmática. A proteinocinase A é o principal receptor intracelular de AMPc. A sua ativação provoca a fosforilação de diversas proteínas células, gerando as respostas desejadas ao se utilizar um beta-adrenérgico.
A proteinocinase A fosforila e ativa a lipase dos triglicerídeos no tecido adiposo, levando ao aumento da liberação de ácidos graxos livres e maior suprimento de substrato para o metabolismo oxidativo.

Resistência dos receptores: Com a exposição de células aos agonistas adrenérgicos ocorre uma diminuição de resposta aos mesmos agonistas, ocorre então uma dessensibilização. Quando a dessensibilização fica só nos beta-adrenérgicos é chamada de dessensibilização homóloga. O mecanismo mais importante para a regulação rápida dos receptores beta-adrenérgicos é a estimulação agonista da fosforilação dos receptores, que leva à redução da sensibilidade da futura estimulação por agonistas. Os receptores podem ser fosforilados por várias proteinocinases diferentes, mas em todos os casos o resultado final é o mesmo: a redução do acoplamento a Gs.

Disposição dos receptores: receptores beta-adrenérgicos estimulam a lipólise e receptores alfa-adrenérgicos inibem esse processo. O tecido adiposo apresenta receptores adrenérgicos dos dois subtipos. No tecido muscular a ativação beta-adrenérgica parece estimular a síntese proteica, da mesma forma que ocorre o estimulo da lipólise no tecido adiposo.
É necessário entender que onde os fat burners agem é somente na estimulação dos beta receptores. Todo resto ocorre em função da degradação de substancias a outras substancias e assim em um ciclo conhecido como Ciclo de Lynen.
Segue uma boa parte do que ocorre com os ácidos graxos e o glicerol que foi hidrolisado pelos Triagliceróis.
Leia se quer ter um melhor entendimento sobre o metabolismo dos lipídeos, se não pule para a parte intitulada "CLEMBUTEROL, SPIROPENT, OU SÓ CLEMBUTEROL"



ENTENDENDO O CICLO DE LYNEN:
Triagliceróis são os lipídios mais abundantes da dieta e representam a principal reserva energética do organismo. São armazenados nas células adiposas, sob a forma de anidra, e podem ocupar a maior parte do volume celular. Pelas lípases, presentes nos adipócitos, os triagliceróis são hidrolisados a ácidos graxos e a glicerol, estes oxidados por vias diferentes.

Pela falta da Glicerol quinase os adipócitos não podem aproveitar o glicerol, sendo liberado ao sangue então, chegando ao fígado, por ação, agora da presente, glicerol quinase é convertido a glicerol 3-fosfato e transformado em diidroxiacetona fosfato(glicerol 3-fosfato é formado por redução de diidroxiacetona fosfato: obtida a partir de glicose), um intermediário da glicose ou da gliconeogênese.

Agora, voltando aos ácidos graxos, eles são liberados pelos adipócitos e transportados pelo sangue ligados à albumina e utilizados, principalmente no fígado e músculos, como fonte de energia.

A degradação dos ácidos graxos ocorre no interior das mitocôndrias, então para que ocorra a oxidação são ativados e transportados para matriz mitocondrial. Na membrana externa da mitocôndria os ácidos graxos são ativados por conversão a acil-CoA(forma-se uma ligação tioéster entre o grupo carboxila do ácido graxo e o grupo SH da coenzima A., produzindo uma acil-CoA).

Tanto acil-CoA como acetil-CoA são compostos ricos em energia: a energia derivada da clivagem do trifosfato de adenosina (ATP) em adenosina monofosfato (AMP) e pirofosfato inorgânico (PPi), é utilizada para formar a ligação tioéster citada acima. O PPi é hidrolisado a 2Pi, uma reação irreversível, e isso torna o processo de ativação de ácido graxo a acil-CoA também irreversível. Porém a membrana interna da mitocôndria é impermeável a acil-CoA, e como dito acima a degradação dos ácidos graxos ocorre no interior das mitocôndrias. Para a introdução dos radicais acila na matriz mitocondrial, é utilizado a carnitina-acil transferase I, transferindo o radical acila para a carnitina, e, na face interna, a carnitina-acil transferase II doa o grupo acila da acil-carnitina para uma coenzina A da matriz mitocondrial, liberando a carnitina.

A acil-CoA presente na matriz mitocondrial é oxidada a acetil-CoA(é oxidada por b-oxidação no ciclo de Lynem), produzindo assim NADH e FADH2. A b-oxidação consta de uma série de quatro reações, ao final das quais a acil-CoA é encurtada de dois carbonos, que são liberados sob a forma de acetil-CoA. As quatro reações são:

1. oxidação da acil-CoA a uma enoil-CoA (acil-CoA b-instaurada) de configuração trans com formação de FADH2;

2. hidratação da dupla ligação, formando o isômero L da 3-hidroxiacil-CoA;

3. oxidação do grupo hidroxila a carbonila, com formação de b-cetoacil-CoA e NADH;

4. quebra da b-cetoacil-CoA por uma molécula de CoA, com formação de acetil-CoA e uma acil-CoA com dois carbonos a menos; esta acil-CoA refaz o ciclo várias vezes, até ser totalmente convertida a acetil-CoA.
Após os ácidos graxos serem degradados até acetil-CoA formada na mitocôndria a síntese dos ácidos graxos passa a ocorrer no citossol. A oxidação completa de um ácido graxo exige a cooperação entre o ciclo de Lynen, que converte o ácido graxo a acetil-CoA, e o ciclo de Krebs, que oxida o radical acetil a CO2.

Para continuar o entendimento da degradação de acetil-CoA, basta ler mais a fundo sobre os dois ciclos citados acima: Ciclo de Lynen e Ciclo de Krebs, para o entendimento sobre Clembuterol e seus receptores até aqui basta.




CLORIDRATO DE CLEMBUTEROL, SPIROPENT, OU SÓ CLEMBUTEROL:

Clembuterol é um beta-2 agonista/antagonista específico que provoca lipólise pela aceleração da quebra de triglicerídeos em ácidos graxos. É um agonista adrenérgico, por isso em muitos textos tem seu mecanismo de ação comparado ao da Adrenalina. É um estimulante e um agonista/antagonista SELETIVO (assim como o Salbutamol e o Cimaterol), isso quer dizer que ele age diretamente sob os receptores beta. Isso torna o Clembuterol muito mais potente/efetivo comparado a Efedrina que é um não seletivo. Sua função é estimular os beta-2 receptores e produzir respostas adrenérgicas. O Clembuterol é mais utilizado em comparação com o Salbutamol e o Cimaterol devido a sua Meia vida ser maior e talvez menos utilizado que a Efedrina pelo fato dela ser um alcaloide as pessoas relacionam isso á algo natural, menos perigosa e mais correta que o Clembuterol, bem isso não é verdade. A grande maioria dos outros compostos apresentam uma meia vida menor a do Cloridrato de Clembuterol. Isso é bom e ruim. Ruim porque isso torna a dessensibilização a droga mais rápida e o que importa é a capacidade da droga de se manter em atividade com o receptor. E é bom porque com uma meia vida maior as dosagens são feitas em horários mais distintos.
Seguindo o assunto da meia vida do Clembuterol, ele é absorvido em duas etapas distintas (eliminação bifásica), decai em 10hrs e depois em 36hrs após o uso. Isso é indiferente, pois usamos da meia vida da droga para estabelecer quando será administrada a próxima dose. Se sabe que a meia vida dessa droga fica em torno de 7-9hrs e para fins da ação lipolítica deve ser tomada então, conforme sua meia vida.

O Clembuterol causa aumento da secreção do hormônio Glucagon, o hormônio contra-regulatório a insulina, causa aumentos nos níveis de glicose sanguínea, promove vasodilatação e (sem comprovação cientifica) é mediador de estímulo anabólico nos músculos.

Tudo que se usar junto com o Clembuterol, o seu efeito é potencializado, porque ele aumenta a oxigenação no sangue, o que serve para aumentar o rendimento atlético ou para auxiliar na queima de gordura.


CLEMBUTEROL E SEUS EFEITOS ANABÓLICOS

O Clembuterol tem efeitos Anabólicos? Perante a ciência nada comprovado. Perante os fisiculturistas, sim. Porém, se está em busca de um anabólico obviamente não usará o Clembuterol que é provido de uma meia vida curta, que age como um estimulante e que “fecha” seus receptores. E, testes realizados em cavalos apontam que o efeito anabólico sugerido só existiu nos primeiros vinte dias. Agora deixando a ciência de lado, o tecido muscular apresenta muitos receptores beta-adrenérgicos, principalmente o do tipo 2 (que o Clembuterol mais afeta), é sabido também que o exercício intenso aumenta a densidade dos receptores beta-2. E mais, só em os beta-agonistas disponibilizarem mais gordura como fonte de energia, exerce o um efeito anti-catabólico. Há autores que defendem que, assim como o próprio treinamento, a lesão de células musculares por esse composto leva ao aumento da concentração de protentes fatores de crescimento, como IGF, FGF, prostaglandinas e MGF. Esse protocolo funcionaria como um treino “mais potente”, lesando mais células e provocando um período de supercompensação mais potente.
Resumo: Existem muitas drogas que podem ter efeito anabólico comprovados a anos, não há a necessidade de usar um Clembuterol da vida para esse fim.


APRESENTAÇÃO DO CLEMBUTEROL

Aqui no Brasil, sem correr o risco das falsificações, o Clembuterol se encontra no medicamento Pumonil, um fármaco para equinos, com função broncodilatadora e espasmolítica.
Existe Clembuterol em comprimido, em líquido injetável e em gel oral, mas muita gente pensa que o gel é transdermal (de passar na pele), mas é de uso oral. Normalmente o gel oral sai mais em conta.
No Pulmonil Gel, pela bula, em níveis de cada 100ml se encontra 2,0 mg de Clembuterol. O Pulmonil com 500ml custa certa de R$ 100,00.
A dose aplicada em humanos jamais seria em mg, deixando isso claro. O uso correto seria mcg e a dose média de aplicação diária deveria ficar em torno de 60 a 120mcg/dia, não ultrapassando de 200mcg/dia.


USANDO CLEMBUTEROL/PULMONIL

Alguns cuidados devem ser tomados antes de começar a fazer uso do Clembuterol.
Duas semanas antes de começar o uso, verifique sua temperatura corporal todos os dias, logo cedo. Isso te dará uma margem de segurança. Após começar a administrar o Clembuterol, se sua temperatura voltar a média do que era antes do uso, suspenda o uso, e espere os seus receptores voltarem ao normal. Provavelmente já estarão fechados, isso diminuirá os efeitos de drogas anabólicas, assim como anulará o efeito do próprio Clembuterol.
Clembuterol tem efeito hipertensivo, então é bom todos os dias durante o ciclo se verificar a pressão arterial, esta, deve estar em torno de 140/90.
Devido ao desconhecimento da gravidade dos efeitos colaterais, inicia-se sempre com a dose bem abaixo do que pretende administrar todos os dias, vá aumentando a dose gradativamente, à medida que seu corpo vai se acostumando aos efeitos colaterais.
No primeiro dia pode-se administrar uma dose de 20mcg após ter verificado a temperatura, espera-se uma hora e meia e verifica-se a temperatura novamente, a temperatura deve ter subido, caso não, no dia seguinte aumente a dose para 40mcg.
Leve em conta sempre a meia vida da droga, pegando como base a meia vida de 7hrs, pois, a meia vida do Clembuterol fica em torno de 7-9hrs. Após a primeira dose, a segunda dose deverá ser tomada sete horas depois da primeira, com os mesmos mcg administrados. E assim, terceira dose. É importante que se pare o uso “cedo”, pois Clembuterol é um estimulante, assim tem os mesmos efeitos colaterais. Pode causar insônia e te deixar agitado. Uma boa hora para utilizar do anti-histamínico seria antes de dormir, já que ele te deixará sonolento.
Clembuterol nunca deve ser administrado perto da hora do treino, pois ele causa taquicardia.
Clembuterol é considerado doping pelo comitê olímpico internacional. Porém não é facilmente pega em exames por ter uma meia vida curta, mas lembra que Clembuterol possui uma eliminação bifásica. Após 40 hrs após a ultima administração não haverá resquícios da droga.


POR QUE NÃO USAR CLEMBUTEROL E EFEDRINA:

Clembuterol é um beta-2agonista específico, lembra? Efedrina é um estimulante agonista/antagonista não específico, esse não específico torna Efedrina mais perigosa, e menos eficiente. Enquanto Clembuterol age sobre o receptor beta-2 que está relacionado a quebra de lipólise, a Efedrina age sobre os receptores beta e também sobre os receptores alfa. Efedrina funciona estimulando o SNS, através da Noradrenalina periférica e taquicardia.
Efedrina é menos eficiente porque ela “sai atirando pra todos os lados”, todos os receptores estão aptos a ação dela, inclusive os alfa-receptores e enquanto os beta receptores tem ação lipolítica, os alfa inibem essa ação. Também por ter uma meia vida mais curta. O seu efeito lipolítico depende da proporção entre receptores e tecido alvo, ou seja, quanto mais beta-receptor maior o efeito lipídico.
Sobre a Efedrina ser mais perigosa, ela tem efeitos sobre Beta-1, um receptor beta cardíaco, podendo levar a estimulação excessiva do órgão. Efedrina causa vasoconstrição por estar ligada aos alfa adrenérgicos, é um hipertensor, alcaloide e tem ação simpatomimética.Além disso, efedrina leva a uma maior ação deiodinases tireoideanas, havendo uma maior conversão periférica de T4 (inativo) em T3 (ativo), altos níveis de T3 tem seus efeitos bons em relação a perda de gordura, mas seus efeitos negativos a saúde.
Agora, sobre não usar a Efedrina em conjunto com o Clembuterol, ou no período off do Clem. é pelo fato da Efedrina mesmo em menor escala continuar agindo sobre os beta-2, não dando assim o tempo para a volta da sensibilização.
Resumo: A Efedrina tem seus lados bons, age em maior escala sobre o Beta-3, age sobre o T3, entre outras coisas. Porém, seu uso em conjunto do Clembuterol tão citados em fóruns é irracional. O uso do Clembuterol é mais seguro e mais eficiente.


POSSIVEIS EFEITOS COLATERIAS:

Clembuterol é um estimulante, e age sobre o CNS.
Provoca efeitos colaterais típicos de agonistas adrenérgicos e de estimulantes. Tais como: nervosismo, câimbras musculares, tremores das mãos, enxaquecas, insônia, aumento da pressão sanguínea, náusea, taquicardia, dores no peito, taquipnéia, vertigens, ansiedade, vômitos, tonturas, febre. Houve em estudos com ANIMAIS, infarto agudo do miocárdio e acidente vascular cerebral. Algumas manifestações clínicas da intoxicação por Clembuterol podem confundir-se com quadros psiquiátricos como ataque de pânico ou crise ansiosa. Para evitar efeitos colaterais mais perigosos, verifique a originalidade do produto, a dosagem, a via de administração, e a temperatura corporal.
Estudos relacionados em animais pouco se assemelham aos realizados em humanos, pois os animais possuem bem mais beta receptores, estando assim propícios a maiores ganhos e maiores efeitos colaterais.
Os efeitos colaterais somem após duas ou três semanas de uso.
Ao contrário do que leio em muitos fóruns na semana off não se faz uso de nenhum estimulante do SNC, nem do beta agonistas. Comumente é utilizado na semana off Efedrina.

DIMINUINDO OS EFEITOS COLATERAIS:

Como o Clembuterol causa aumento da secreção do hormônio Glucagon, é necessário suplementar com potássio, e se possível de taurina. Lembrando de beber muita água. Isso ajuda a evitar as câimbras musculares.
Li vários relatos em que uma suplementação com Carnitina ajuda, e lendo sobre o ciclo de Lynen nota-se a utilidade da carnitina. Mas nada que haja embasamento científico.
Tomar um anti-histamínico é essencial quando se faz um ciclo com Clembuterol, os anti-histamínicos utilizados comumente são: Cetotifeno e Benadryl, ambos devem ser administrados a noite. Seguindo a dosagem prescrita.

REGULAÇÃO DA LIPÓLISE:

A lipólise é regulada por alguns fatores que podem diminuir sua taxa, e diminuir a lipólise não é bom em nenhum momento.
Prostaglandinas: Como resposta a estimulação beta-adrenérgica, ocorre liberação de prostaglandinas E2 na fenda sináptica. Esses compostos agem em receptores ligados a uma proteína Gi (inibitória), que diminui a atividade da adenilato-ciclase e consequentemente a lipólise.
O uso de inibidores de sua síntese (principalmente AINES: ácido acetilsalicílico, ibuprofeno e naproxeno) pode ser recomendado quando objetiva-se a queima de gordura.
Adenosina: Quando ocorre estímulo adrenérgico, ocorre síntese de adenosina que se liga a receptores acoplados a proteína Gi, que diminui a atividade da adenilato-ciclase e consequentemente a cascata da lipólise.
As metilxantinas (teofilina e cafeína) tem a capacidade de bloquear o receptor de adenosina, e podem potencializar a queima de gordura.
Foafodiesterases: são enzimas que hidrolisam o AMPc em fragmentos inativos, tornando o controle hormonal sob segundo mensageiros mais rápido. O estímulo beta-adrenérgico, devido essa degradação, necessita de regeneração constante de AMPc.
As metilxantinas (cafeína e teofilina) inibem essa enzima e previnem a recaptura de noradrenalina, potencializando a queima de gordura.

Meu conhecimento vai até aqui, quando o assunto é combinar outras drogas para melhor resultado ou diminuição de colaterais, não possuo conhecimento.


post-69938-0-24670900-1348618200.jpg

Share this post


Link to post
Share on other sites

No que tange a regulação da Lipólise, se em conjunto com Clembuterol utilizar ASS/Aspirina e cafeína, teria um maior resultado na queima de gordura? Foi o que entendi. E isso não alteraria os receptores beta 2 agonistas?

No caso do uso do ácido acetilsalicílico, qual seria a quantidade para inibir a síntese?

Share this post


Link to post
Share on other sites

No que tange a regulação da Lipólise, se em conjunto com Clembuterol utilizar ASS/Aspirina e cafeína, teria um maior resultado na queima de gordura? Foi o que entendi. E isso não alteraria os receptores beta 2 agonistas?

No caso do uso do ácido acetilsalicílico, qual seria a quantidade para inibir a síntese?

eu usaria a cafeína nos dias OFF do clemb.

Share this post


Link to post
Share on other sites

se for fazer ciclo 15on15off seria melhor usar o cetotifeno no ciclo de clembuterol, e usar a cafeina durante o mesmo período do clembuterol. Se tu ainda nao tiver contente com a perca nesses 15 off tu coloca ioimbina. E se houve necessidade de novo.. mais 15 on de clem. E a cafeina age muito substancialmente pra interferir na saturação dos receptores.

Share this post


Link to post
Share on other sites

se for fazer ciclo 15on15off seria melhor usar o cetotifeno no ciclo de clembuterol, e usar a cafeina durante o mesmo período do clembuterol. Se tu ainda nao tiver contente com a perca nesses 15 off tu coloca ioimbina. E se houve necessidade de novo.. mais 15 on de clem. E a cafeina age muito substancialmente pra interferir na saturação dos receptores.

E como fica a questão do ácido acetilsalicílico, quantidade e período?

Ainda estou na dúvida de Clenbuterol e Salbutamol...

Share this post


Link to post
Share on other sites

se for fazer ciclo 15on15off seria melhor usar o cetotifeno no ciclo de clembuterol, e usar a cafeina durante o mesmo período do clembuterol. Se tu ainda nao tiver contente com a perca nesses 15 off tu coloca ioimbina. E se houve necessidade de novo.. mais 15 on de clem. E a cafeina age muito substancialmente pra interferir na saturação dos receptores.

nao entendi direito o uso do cetotifeno no ciclo

Share this post


Link to post
Share on other sites

E como fica a questão do ácido acetilsalicílico, quantidade e período?

Ainda estou na dúvida de Clenbuterol e Salbutamol...

o que tu for usar pra aumentar a efetividade ou diminuir os colaterais tu usa conforme a bula do medicamento po. Cetotifeno se não me engano (leia) é 2mg duas vezes ao dia. Já o ASS pode usar ibuprofeno.

Salbutamol tem os mesmo efeitos colaterais mas tu parou pra olhar a dose usual? A dose efetiva de salbutamol é bem mais alta que a de clem.

nao entendi direito o uso do cetotifeno no ciclo

o cetotifeno tu pode usar só no final dos 15 on, ou quando sentir que a tua temperatura não tá mais se elevando como no começo do uso, ou tu pode usar no decorrer do ciclo. Junto do clem é como eu prefiro. Assim tu tem sempre o que quer da droga.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now
Sign in to follow this  

  • Similar Content

    • By dbugim
      Olá pessoal, por favor, vejam o meu caso :

      Tenho 1,73m; 80kg; 25% de gordura

      Estou ciclando com W, e já estou na 6/12 ampola, tomo de segunda e quinta, porém no final deste ciclo pretendo tomar clembuterol e começar o aeróbico pesado, estou começando a definir a parte superior do abdome e costelas, porém nada interessante, gostaria de saber qual ciclo ideal de Clem e quantos devo tomar.

      Abraços a todos
      Daniel
    • By Davizir Cutler
      O ciclo ficara assim:
      1-6 H STANE = HALOVAR 1-4 EFEDRA 30 - 45 MG + 210 MG DE CAFEINA A CADA FRANOL 6-9 CLEMB 1 - 5 MLS + CETOTIFENO + CAFEINA 6-10 STANO ORAL 60 mg tsd tpc
      1-2 40mg tamox 2-4 20mg tamox shotgun mfr-1
      creatina
      dieta 4g proteina/kg / carbos de 2 a 2,5 g de carbos/kg / gorduras moderadas de 1 a 0,5g /kg
      Bem essa é a ideia ja que venho a 4 meses de cutt mt restrito perdi 17 kilos, e pretendo inicar esse visando maior qualidade muscular, perca de bf e se possivel ganhar o maximo de massa magra junto.
      Será que funciona?

    • By Heraldo Costa
      Clembuterol – Pulmonil
      Clembuterol
      Autor Anthony Roberts
      Retirado de forums.steroid.com
      Traduzido, Adaptado e Complementado por MRJP (MUNDO ANABOLICO)

      (Clembuterol)
      Peso Molecular(base): 277.193
      Dose Efetiva: 40-160ug/dia
      Apresentações: http://www.vetnil.com.br/produtos/pulmonil-gel/
      Clembuterol é um beta-2 agonista/antagonista seletivo usado como broncodilatador. Sua função é estimular os receptores beta-2 (localizados no pulmão por exemplo) e produzir respostas adrenérgicas. Por ele ser seletivo, apresenta muito pouca ação nos receptores beta-1 (localizados no coração por exemplo) evitando efeitos cardiovasculares.Clembuterol aumenta a temperatura corporal (termogênese) através do aumento da ação das mitocôndrias, aumenta a taxa de metabolismo basal e diminui o apetite. Isso explica, em parte, como os beta-2 agonistas estimulam diretamente as células adiposas e aumenta a lipólise. E, assim como todo beta-2 agonista, clembuterol diminui a sensibilidade à insulina, infelizmente.
      Ele é um agente muito efetivo para atletas. Irá aumentar a relação massa magra/massa gorda, através da queima de gordura e possívelmente aumentando a massa magra.Em um estudo, cavalos receberam uma dose de clembuterol (1mcg/lb 2x ao dia) e realizaram exercícios por 20 minutos, três vezes por semana. Isso acarretou um perda de gordura/percentual (-17,6%) e de massa gorda (-19,5%) na semana 2, resultado similar para o grupo que recebeu clembuterol e não treinou.Em contraste, o grupo exercitado apresentou uma resposta diferente em relação a massa magra, que aumentou significantemente (+4,4%) na semana 6.Reexaminando: Clem vs Clem + exercício produziram basicamente os mesmos resultados pelas duas primeiras semanas. Isso mostra que duas semanas on e duas semanas off (15on 15off) parece ser o protocolo perfeito para o uso se o objetivo é perda de gordura. Se procura-se um efeito quase anabólico deve-se usar, então, por mais tempo (seis semanas aparentemente). Sabendo que clembuterol sozinho apresenta resultados semelhantes a clem + exercícios, porque usar 15on/15off? Lembre-se que a resposta dos animais a beta agonista/antagonista é um pouco diferente. Recomenda-se o uso por 6-12 semanas de clembuterol se você espera os maiores resultados dele, porém a perda de gordura mais dramática ocorrerá entre a primeira e segunda semana. Os mecanismos para o aumento da massa magra ao redor da sexta semana ainda são desconhecidos. Supõe-se que isso ocorre por mecanismos não mediados pelos receptores, o que é bom para nós. Clembuterol é uma substância lipofílica e pode entrar facilmente no tecido muscular , o que pode indicar um mecanismo de funcionamento. Certamente a síntese de proteína muscular faz parte disso, ja que clembuterol estimula essa síntese . Mas também é especulado que o efeito de crescimento promovido pelo clembuterol pode ser específico para o músculo e assim a droga parece agir em um mecanismo fisiológico responsável pelo controle do crescimento ainda não entendido. A composição muscular e o tamanho da fibra aumentaram com o uso do clem. Uma outra hipótese é que o clembuterol induz a formação de IGF-1 no local. Em um estudo onde usou-se ratos, clembuterol induziu um aumento dos níveis de mRNA IGF-1, IGF-proteína ligante-4, sendo isso associado a um aumento de IGF-1 no músculo. Isso é, ativou a expressão de IGF-1 no músculo esquelético em dois níveis: peptídico e mRNA e essa pode ser a explicação para o efeito anabólico relatado no uso de clembuterol.
      Clembuterol também pode potencializar a ação da insulina.Claramente os resultados que você espera do clembuterol são aqueles ganhos com o clem + exercícios por seis semanas ou mais. Esse efeito anabólico dramático não foi confirmado em humanos, mas em animais ele é indiscutível. Como deve-se tomar, então, o clembuterol?
      Clembuterol apresenta uma eliminação bifásica, isso é, ele é tecnicamente metabolisado em duas fases diferentes. Isso não é importante, uma vez que um estudo mostrou que para a maioria dos objetivos, as concentrações de clem decaem com uma meia-vida aproximada de 7-9,2 horas e sobem novamente umas 35 horas depois. Se você estiver interessado, clem tecnicamente decae bifasicamente em 10 e depois 36 horas. Para os nossos objetivos a dose deve ser tomada de acordo com a meia-vida de 7-9 horas, sendo as doses divididas de 3.5-4.5 horas após o despertar, parando-se cedo o suficiente para conseguir dormir. Clembuterol pode causar insônia e ansiedade (assim como todos os estimulantes). Recentemente tornou-se popular ingerir apenas uma dose de clem pela manhã, e isso não esta errado. Porém, baseado na taxa de eliminação corpórea é recomendada uma dose de 20mcg ao acordar, uma mesma dose um pouco mais tarde e mais uma vez mais tarde (sendo possível tolerar os efeitos colaterais). Deve-se começar então com uma dose de 20mcg e repetir esse mesma dose mais duas vezes no dia se for tolerável (os efeitos colaterais diram: tremedeira, sudorese e outros efeitos clássicos dos estimulantes). Então pode-se começar a aumentar dose gradualmente. Uma dose de 60-120mcg dia é o suficiente e mais segura. Mantenha sua pressão arterial abaixo de 140/90, para manter uma segurança (se aumentar muito, diminua a dose). Monitore também a temperatura corporal (com base em uma temperatura basal tirada semanas antes do uso de clem), durante o uso. Quando ela retornar aos níveis anteriores significa que os efeitos termogênicos estão começando a decair.Cabe aqui comentar a idéia, completamente incorreta, de associar clembuterol e efedrina. Efedrina é um beta agonista não seletivo muito potente (age também no beta-2, o mesmo do clem).
      É bom saber também que clembuterol não é bom para o coração podendo provocar alguns problemas (como hipertrofia ventricular) porém todos os estudos que relatam isso são feitos em animais e é importante reelembrar que os animais apresentam mais receptores beta-2 e podem estar sujeitos a alguns efeitos que os humanos não estão. Clembuterol pode causar hipertrofia cardíaca e necrose cardíaca em alguns casos. Denovo, a maioria dos estudos que os mais significantes, e possivelmente irreversíveis problemas ocorrem com doses medidas em mg. Humanos tomam doses medidas em mcg. Porém doses mais baixas de clembuterol podem provocar apoptose das células cardíacas Alguns estudos indicam diminuição da performance em exercícios cardiovascular com clembuterol, enquanto outros mostram sua capacidade de aliviar os sintomas da asma induzidos pelo exercício. Claramente, esse composto apresenta diferentes efeitos em diferentes pessoas. Deve-se administrar potássio em uma boa quantidade (para evitar cãimbras), água e taurina, uma vez que o clem provoca depleção dessa substância.
      Clembuterol também parece diminuir a resistência a fadiga. Nesse estudo foi notado o aumento da atividade da enzima fosfofrutoquinase (um marcador do metabolismo glicolítico anaeróbico) e diminuição da atividade da enzima citocromo oxidase (um marcador do metabolismo mitocondrial aeróbico). Esse decréscimo no metabolismo mitocondrial aeróbico e aumento da taxa de hidrólise do ATP na miofibrila, reduz a resistência a fadiga.
    • By lillyp
      Comprei o clembuterol lavizo e estou fazendo a dieta cetogênica a 10 dias ! 
      Tenho 26 anos 
      1,60 de altura
      69 kls
      treino a 4 anos mas dei uma parada de 7 meses e retornei aos treinos tem um mês e foi exatamente nessa parada de 7 meses sem treino e dieta que engordei tanto asssim!
      Quero ciclar o clemb assim:
      1=1ml
      2=1ml
      3=1ml
      4=1,5ml
      5=1,5ml
      6=2ml
      7=2ml
      8=3ml
      9=3ml
      10=4ml
      11=4ml
      12=4ml
      13=5ml
      14=5ml
      15=5ml
      Oque acham ? 
      Tem Mais Algumas dicas ou algo que eu possa acrescentar ou mudar o ciclo? 
      Agradeço a todos desde já!
      vou deixar aqui fotos e medidas.
      Medidas pescoço 34  busto 94  braço 32 cintura 79 cintura umbigo 89 quadril 106 perna 63 panturilha 39
    • By Demodar
      Qual é melhor para perder gordura: fazer um ciclo de Clembuterol ou tomar um Riped?
×
×
  • Create New...