Ir para conteúdo

Benefícios Do Whey Protein Por Markus B

Avalie este tópico:


Post Destacado

WHEY PROTEIN


Nas últimas décadas, várias pesquisas vêm demonstrando as qualidades nutricionais das proteínas solúveis do soro do leite, conhecidas como whey protein 1. Essas proteínas apresentam excelente composição em aminoácidos essenciais, alta digestibilidade e biodisponibilidade. Além disso, possuem peptídeos bioativos, que atuam como agentes antimicrobianos, anti-hipertensivos, reguladores da função imune e fatores de crescimento (Lönnerdal, 2003; Salzano, 1996). Devido a esses fatores Whey Protein é considerada de elevado valor nutritivo. (Sgarbieri, 1996; Zinsly et al, 2001)

Exercício Físico
Por suas caracteristicas whey protein tem sido utilizada como matéria prima em diversos suplementos nutricionais. No meio esportivo alguns estudos relacionam o seu consumo com a otimização do treinamento e do desempenho físico, uma vez que esta proteína é capaz de favorecer a hipertrofia muscular e o ganho de força por diferentes vias (Aargaard, 2004, Wolfe, 2000).
É certo que praticantes de atividade física necessitam de um maior aporte protéico para que haja uma resposta anabólica efetiva (Maughan).Estudos mostram que a síntese protéica é elevada quando aminoácidos são ingeridos (Biolo 1997, Bennet 1989, Smith 1998) e que esta síntese é fortemente influenciada pelo conteúdo de aminoácidos essenciais da proteína (Phillips et all, 2005).
A Whey Protein possui o perfil de aminoácidos muito similar ao das proteínas do músculo esquelético (Ha & Zamel). Além disso, possuem quase todos os aminoácidos essenciais em excesso às recomendações, apresentando elevada concentração de aminoácidos de cadeia ramificada (BCAA), principalmente leucina. (Marshall 2004 e Sgarbieri 2004).
A leucina é um importante fator para o crescimento e reparação de tecidos. Estudos sugerem que ela participa no processo de iniciação da ativação da síntese de proteínas (Anthony et al 2001) sendo assim, classificada como o aminoácido mais importante para sinalização da síntese proteica (Marshall 2004).
Outra característica igualmente importante da Whey Protein é que ela é altamente digerível e rapidamente absorvível (“fast protein”) (Sgarbieri 2004). Essa rápida absorção faz com que as concentrações plasmáticas dos aminoácidos, inclusive a leucina, atinjam altos valores logo após a sua ingestão (Dangin, 2001), o que estimula de forma significativa a síntese protéica, principalmente se forem ingeridas logo após a sessão de exercício físico.
Além de aumentar as concentrações plasmáticas de aminoácidos, a ingestão de proteína do soro do leite aumenta, significativamente, a concentração de insulina plasmática (Calbet & MacLean, 2002), favorecendo a captação de aminoácidos para o interior da célula muscular, o que otimiza a síntese e reduz o catabolismo protéico.

Controle de Peso
O excesso de gordura corporal é um fator de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas. Assim a perda e a manutenção do peso saudável são essenciais para a melhora da qualidade de vida. Várias estratégias podem ser utilizadas para a redução da gordura corporal, entre elas a seleção de alimentos capazes de aumentar a saciedade e fornecer nutrientes que contribuam para a saúde.
Sabe-se que a proteína é o macronutriente com maior poder sacietogênico (Paddon-Jones, 2002). Diferentes fontes protéicas, porém, podem influenciar de maneira distinta esse mecanismo (Alfenas, 2010).
A Whey Protein tem um maior efeito na regulação do apetite do que proteínas como caseína, albumina e proteína da soja (Anderson et al, 2004). Peptídeos bioativos derivados dessa fonte proteica exercem ações potenciais na ingestão alimentar através da regulação da secreção de hormônios sacietogênicos (Luhovyy, 2007; Paddon-Jones, 2002).
Além disso, Whey Protein apresenta elevado teor de cálcio, nutriente que está relacionado à regulação do metabolismo lipídico nos adipócitos e o estoque de triglicerídeos. Estudos demonstram, no entanto, um maior efeito na melhora da composição corporal quando utilizados produtos derivados do leite em comparação a produtos enriquecidos com cálcio, mas não derivados do leite. Isso indica um possível sinergismo entre seus peptídeos bioativos e o cálcio, o que resulta em atenuação da lipogênese e aceleração da lipólise (Zemel, 2003).



Imunidade
Os peptídeos derivados do soro do leite exercem efeitos imunomodulatórios através de diferentes mecanismos como atividade antioxidante, antimicrobiana e antiviral e estimulação da síntese de glutationa (Pacheco et al, 2008).
A glutationa é um importante agente antioxidante, sendo sua síntese dependente da concentração intracelular de aminoácidos sulfurados, particularmente a cisteína. O alto teor de deste aminoácido das proteínas do soro do leite contribui para o aumento nas concentrações de glutationa no organismo (Haraguchi,, 2006) e desta forma o uso de whey protein tem sido associado à melhora da imunidade.
A lactoferrina é uma fração protéica do whey protein que também se relaciona á imunidade, pois estudos mostram que tem habilidade em ativar células Natural Killers e neutrófilos e aumentar a citotoxicidade dos macrófagos. Também parece ter ação antiviral, antifúngica e propriedades antibacterianas, sendo este efeito mais evidente em organismos que requerem ferro para replicação, uma vez que a lactoferrina tem a capacidade de quelar este ferro (Nishiya, 1982; Shah, 2000).

Outras Aplicações
O consumo de Whey Protein também traz benefícios para as outras situações clínicas, tais como:

Hipertensão: algumas frações protéicas da Whey Protein são precursoras de peptídeos inibidores da enzima conversora de angiotensina (ECA). Esta enzima converte a angiotensina I em angiotensina II, responsável pela vasoconstrição. Assim, o consumo de whey protein pode atuar como adjuvante no controle da pressão arterial (Hartmann, 2007).

Osteoporose: Alguns estudos demonstram que as proteínas do soro do leite promovem a formação dos ossos em humanos, estimulando a proliferação e a diferenciação dos osteoblastos, aumentando a densidade mineral óssea e inibindo a reabsorção de cálcio (Toba et al, 2001). Por estes mecanismos o consumo do Whey Protein pode contribuir para o fortalecimento dos ossos, auxiliando na melhora da osteoporose.

Estresse e Humor : A serotonina, formada a partir do triptofano, é um neurotransmissor diretamente relacionado às alterações de humor e estresse (Haraguchi, 2006). Pelo seu elevado teor de triptofano, a whey protein tem o poder de elevar este aminoácido no sangue e dessa forma a concentração de seretonina. Com isso, alguns autores atribuem efeitos comportamentais da ingestão dessa proteína no humor, percepção da dor, e o ciclo de dormir e acordar, além de reduzir de forma significativa os sintomas da depressão (Markus et al, 2000; Yogman 1982)


A proteína do soro do leite pode ser obtida por diferentes métodos. Dependendo do método utilizado é possível obter Whey Protein Concentrado, Isolado e Hidrolisado.

A matéria prima obtida do Whey Protein Concentrado possui de 30 a 90% de proteínas, sendo o restante constituído de carboidratos e lipídios. Já o Isolado possui uma concentração protéica em sua matéria prima maior que 90% e o restante também constituído por carboidratos e lipídios. O início da absorção das proteínas desses produtos ocorre em aproximadamente 25 minutos. Por possuir maior teor protéico o Whey Protein Isolado apresenta maior valor biológico quando comparado ao Whey Protein Concentrado.O Hidrolisado por sua vez, é obtido pela hidrólise de proteínas do concentrado ou isolado, resultando em proteínas de cadeia menor, peptídeos e aminoácidos livres. Por esta razão este produto apresenta uma maior velocidade de absorção (em torno de 15 minutos).



Referências

1. Haraguchi, F.K., Abreu, W.C., De Paula, H. Proteínas do soro do leite: composição, propriedades nutricionais, aplicações no esporte e benefícios para a saúde humana. Rev. Nutr., Campinas, 19 (4):479-488, jul./ago., 2006.


Anderson, G.H, Moore, S.E. Protein source, quantity and time of comsuption determine the effect of proteins on short-term food intake in young men. J.Nutr., 134:3011-3015, 2004.

Wolfe, R.R. Protein supplements and exercise. Am J Clin Nutr.; 72(2):551s-7s, 2000.

Yogman, M.W, Zeisel, S.H, Roberts, C. Assessing effects of serotonin precursors on newborn behaviour. J. Psychiatric Res, 17:123-133, 1982

Hartmann, R, Meisel, H. Food-derived peptides with biological activity: from research to food applications. Curr.Opin.Biotechnol., 18:163-167, 2007.

Alfenas, R.C.G, Bressan, J, Paiva, A.C. Effects of protein quality on appetite and energy metabolism in normal weight subjects. Arq Bras Endocrinol Metab.;54/1, 2010.

Paddon-Jones, D, Westman, E, Mattes, R.D, Wolfe, R.R, Astrup, A, Westerterp-Plantenga. Protein, weight management, and satiety. Am.J.Clin.Nutr.87(5):1558S-1561S, 2008.

Calbet, J.A.L, MacLean, D.A. Plasma glucagon and insulin responses depend on the rate of appearance of amino acids after ingestion of different protein solutions in humans. J Nutr.; 132(icon_cool.gif:2174-82, 2002.

Dangin, M, Boirie, Y, Garcia-Rodenas, C, Gachon, P, Fauquant, J, Callier, P, et al. The digestion rate of protein is an independent regulating factor of postprandial protein retention. Am J Physiol End Met.; 280(2):E340-E8, 2001 .

Ha, E, Zemel, M.B. Functional properties of whey, whey components, and essential amino acids: mechanisms underlying health benefits for active people. J Nutr Biochem.; 14(5):251-58, 2003.


Markus, C.R, Oliver, B, Panhuysen, G.E.M, der Gusten, J.V, Alles, M.S, Tuiten, A, et al. The bovine protein alfa lactalbumin increases the plasma ratio of tryptophan to the other large neutral amino acids, and in vulnerable subjects raises brain serotonin activity, reduces cortisol concentration, and improves mood under stress. Am. J. Clin. Nutr.; 71(6):1536-44, 2000.

Salzano, Jr. I. Nutritional supplements: practical applications in sports, human performance and life extension. Symposium series 007; São Paulo; 1996-2002. p.75-202.

Lönnerdal, B. Nutritional and physiologic significance of human milk proteins. Am J Clin Nutr.; 77(6):1537-43, 2003.

Sgarbieri, V.C. Proteínas em alimentos proteicos: propriedades degradações, modificações. São Paulo: Editora – Livraria Varela, 1996. 517p., p.139-157.

Zinsly, P.F.; Sgarbieri, V.C; Dias, N.F.G.P., Jacobucci, H.B.; Pacheco, M.T.B.; Baldini, V.L.S. Produção piloto de concentrados de proteinas de leite bovino: composição e valor nutritivo. Braz. J. Food. Technol., Campinas, 4:1-8, 2001.

Zemel, M.B. Mechanisms of dairy modulation of adiposity. J.Nutr., 133:252-256, 2003.

Toba, Y, Takada, Y, Matsuoka, Y, Morita, Y, Motouri, M, Iría, T, et al. Milk basic protein promotes bone formation and suppresses bone resorption in health adult men. Biosci. Biotechnol. Biochem.; 65(4):1353-57, 2001.

Nishiya, K, Horwitz, D.A. Contrasting effects of lactoferrin on human lymphocyte and monocyte natural killer activity and antibody. J. Immunol. 139:2519-2523, 1991.

Shah, N.P. Effects of milk-derived bioactives: an overview. Br J Nutr , 84:S3-S10, 2000.

Pacheco, M.T.B, Antunes, A.E.C, Sgarbieri, V.C. New Technologies and Physiological Functional Properties of Milk Proteins. In: Protein Research Progress, 2008.

Luhovyy, B.L, Akhavan, T, Anderson, G.H. Whey proteins in the regulation of food intake and satiety. J Am Coll Nutr.;26(6):704S-12S, 2007.

Aargaard, P. Making muscles "stronger": Exercise, nutrition, drugs. J Musculoskel Neuron Interact; 4(2): 165-174, 2004.

Biolo G, Tipton KD, Klein S, Wolfe RR. An abundant supply of amino acids enhances the metabolic effect of exercise on muscle protein. Am J Physiol, 273:E122-E129, 1997.

Bennet WM, Connacher AA, Scrimgeour CM, Smith K, Rennie MJ. Increase in anterior tibialis muscle protein synthesis in healthy man during mixed amino acid infusion: studies of incorporation of [1-13C] leucine. Clin Sci (Lond) 76:447-454, 1989.

Smith K, Reynolds N, Downie S, Patel A, Rennie MJ. Effects of flooding amino acids on incorporation of labeled amino acids into human muscle protein. Am J Physiol, 275:E73-E78, 1998;

Haraguchi, F.K, Abreu, W.C, Paula, H. Proteínas do soro do leite: composição, propriedades nutricionais, aplicações no esporte e benefícios para a saúde humana. Revista de Nutrição

Phillips S.M., Hartman, J.W., Wilkinson, S.B. Dietary Protein to Support Anabolism with Resistence Exercise in Young Men. Journal of the American College of Nutrition, vol 24, n.02, 134S-139S, 2005.

Marshall, K. Therapeutic Applications of Whey Protein. Alternative Medicine Review, vol.9, n, 02, 2004.

Sgarbieri, V.C. Propriedades fisiológicas-funcionais das proteínas do soro do leite. Rev. Nutr., Campinas, 17(4):379-409, out./dez., 2004.

Anthony, J.C, Anthony T.G, Kimball, S.R, Jefferson, L.S. Signaling pathways involved in translation control of protein synthesis in skeletal muscle by leucine. J. Nutr., 131(3):856-860, 2001.

Ha, E, Zemel, M.B. Functional properties of whey, whey components and essential amino acids: mechanisms underlying health benefits for active people. J. Nutr. Biochem., 14(5):251-258, 2003.

Salzano Jr I. Nutritional supplements: practical applications in sports, human performance and life extension. Symposium series 007; São Paulo; 1996-2002. p.75-202.

Lönnerdal B. Nutritional and physiologic significance of human milk proteins. Am J Clin Nutr. 2003; 77(6):1537-43.

post-69938-0-61744300-1385593784_thumb.j

Link para o post
Compartilhar em outros sites

  • 1 mês depois...
On 7/20/2012 at 1:08 PM, Markus B said:
Essa rápida absorção faz com que as concentrações plasmáticas dos aminoácidos, inclusive a leucina, atinjam altos valores logo após a sua ingestão (Dangin, 2001), o que estimula de forma significativa a síntese protéica, principalmente se forem ingeridas logo após a sessão de exercício físico.

Markus, lendo o seu texto (muito bem explicado, por sinal), me lembrei de outro que li que contradiz a sua afirmação.

O que você acha das informações abaixo?

https://diariodeatleta.com.br/10-maiores-mitos-da-nutricao-pos-treino/

Quote
4. Existe uma janela de oportunidade de uma hora para síntese protéica após o treino

Você pode estar se perguntando: isso é um mito porque a janela real é de meia hora? Duas ou três horas? Ou talvez 6 horas? Infelizmente, nas últimas duas semanas eu li diferentes artigos, todos sugerindo que essa janela tem um tempo bastante dilatado.

Não é de se surpreender que com esse tipo de inconsistência esse seja provavelmente o mais impregnante mito do fisiculturismo atual! Pior ainda, ele origina-se da própria pesquisa científica. As mais frequentemente citadas pesquisas sobre a janela de oportunidade de síntese protéica pós-treino usam indivíduos idosos (Esmark et al., 2001) e descobertas sobre exercício aeróbio (Levenhagen et al., 2001) para fazerem suas profecias. Enquanto essa é uma prática completamente aceita quando esses são os únicos dados que temos para seguir adiante, há alguns problemas dignos de atenção.

Indivíduos idosos digerem e absorvem proteínas de uma forma diferente do que adultos saudáveis. Na verdade, eles digerem e absorvem whey protein de uma forma parecida com que digerem e absorvem a caseína (Dangin et al., 2003); em outras palavras eles tem uma lenta digestão e absorção para whey. Idosos também se beneficiam em ingerir 80% das proteínas diárias em uma única refeição (Arnal et al., 1999), contrastando com os benefícios das nossas múltiplas refeições.

E mais, o tradicionalmente baseado estudo de Esmark et al. (2001) mostrou que ingerir uma refeição pós-treino apenas 2 horas depois do treino na verdade evitou quaisquer melhorias induzidas pelo treinamento. Quem desvendar esta ganha um troféu.

Segundo, com relação ao aeróbio... bem, digamos apenas que existe uma óbvia diferença entre as formas que nosso músculos respondem aos dois tipos de exercícios. Tenha em mente que, com relação ao metabolismo de carboidrato no pós-treino, talvez não haja muita diferença – nós simplesmente não sabemos, mas certamente a longo prazo as diferenças no metabolismo protéico podem ser observadas.

Então, em que deveríamos basear nossa nutrição? Consideremos o mais subestimado artigo científico dos últimos 5 anos. Tipton e seus colegas (2003) investigaram a síntese protéica um dia após o treino, e descobriram que houve um período de 24h com níveis elevados de síntese protéica. Isso mesmo, um dia inteiro. Isso significa que tomar um shake pela manhã terá o mesmo impacto na síntese protéica muscular que um shake ingerido no pós-treino.

Esses resultados não deveriam ser tão surpreendentes pois já sabemos há mais de uma década que a síntese protéica pós-treino fica elevada por esse tempo todo (MacDougall et al., 1995), mas se você está descobrindo isso pela primeira vez, então é muito empolgante!

Uma pesquisa sugere que até mesmo 48 horas depois do treino nosso nível de síntese protéica pode estar elevado em 33% (Phillips et al., 1997), dando-nos um período ainda maior durante o qual podemos maximizar o crescimento muscular com shakes protéicos.

1x0 contra a janela de oportunidade de uma hora.

5. Tomar o shake imediatamente depois do treino irá produzir a maior síntese protéica

Um estudo comparativo que usou shakes ingeridos imediatamente após o treino (Tipton et al., 2001), versus shakes ingeridos uma hora após o treino (Rasmussen et al., 2000) teve resultados surpreendentes: parece que o shake tomado imediatamente no pós-treino resultou em uma síntese protéica 30% menor do que naquelas pessoas que esperaram uma hora. Visto isso, vamos simplesmente aprender, nos adaptar, e seguir em frente.

2x0 contra a janela de oportunidade de uma hora.

ou para curtir

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Obrigado, Mohammed!

bem o texto que escrevi não aborda apenas o uso do shake proteico após o treino.

Pra saber sobre o teu texto deveria ler o artigo completo do Tipton e do Rasmussen...pois o q vejo aqui é um parágrafo de uma metanálise (q vc sugeriu)...assim avaliaria a metodologia e os parâmetros adotados (grupo populacional, perfil, teste duplo cego, atividades resistidas propostas, enfim...tem uma séria de particularidades a serem avalidadas). Uma coisa é muito importante...onde foram publicados os trabalhos, pois só assim nos atentaremos ao peso e seriedade do mesmo...afinal, nem todo artigo, mesmo publicado, é digno da verdade ou franqueza absoluta. Concorda?

abs

ou para curtir

Link para o post
Compartilhar em outros sites

ahh, mas pra dar uma posição minha. Eu uso e recomendo o uso de shakes na proporcão 4 carbo : 1 proteina logo após o treino sim (até 1 hora) a janela de oportunidade existe e consigo restabelecer meus atletas (inclusive eu mesmo) com essa dinâmica. O uso de antioxidantes para altletas de alto desempenho (maratonas e triatletas) é um pouco questionável...nos demais eu prescrevo polivitamínicos/minerais + quercetina

ou para curtir

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta em nossa comunidade! É rápido, fácil e grátis!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora
  • Conteúdo similar

    • Por Luis Meirelles
      Métodos de produção de whey
      Existem diversos métodos diferentes de produção de whey, sendo que cada um deles resulta em tipo diferente de pó, contendo quantidades maiores ou menores de proteína, bem como diferentes espectros de biodisponibilidade de várias proteínas.
      Desnaturação da whey pelo calor
      No que diz respeito aos peptídeos de whey, o calor ou qualquer tipo de tratamento térmico provoca rupturas estruturais e mudanças nas ligações químicas, criando cadeias de ligações cruzadas, chamadas de cross-linking. Em outras palavras, isso significa desnaturação. A sua principal consequência é um aumento dramático do tempo de digestão dessa proteína modificada.
      A whey desnaturada é mais barata
      O uso de calor prolongado em altas temperaturas é a forma mais rápida e econômica de se realizar a secagem de uma proteína.
      Há muito já se sabe que os fabricantes de proteínas comuns, melhor dizendo, wheys commodities, utilizam grandes quantidades de calor para tornar essas proteínas em forma de pó, por um processo de produção mais rápido e mais barato.
      O custo médio de 900 g (novecentos gramas) de whey não desnaturada concentrada é de R$ 250,00 (duzentos e cinquenta reais), ao passo que whey concentrada desnaturada gira em torno de R$ 90,00 (noventa reais).
      Absorção mais rápida e melhor retenção de nitrogênio pela whey não desnaturada
      Uma proteína desnaturada ou cross-ligada apresenta milhares de ligações potenciais a mais que precisam ser degradadas no intestino antes que se possa absorvê-la. Demora mais para ser retida e compartilhada nos músculos.
      Desse modo, leva-se muito mais tempo para que os aminoácidos cheguem aos compartimentos-alvo, produzindo índices bem baixos de retenção de nitrogênio.
      Uma whey não desnatura possibilita uma retenção incrivelmente maior de nitrogênio, aproximadamente 68% (sessenta e oito por cento) a mais do que a mesma proteína whey obtida por um processo de produção que a desnature.
      Frações proteínicas da whey não desnaturada
      A whey verdadeira é formada por diferentes frações proteínicas. Cada uma delas é crítica para a obtenção de um metabolismo otimizado e, consequentemente, para extensão da vida.
      Os métodos de produção que whey que utilizam o calor reduzem as frações proteínicas, podendo até eliminar algumas frações.
      As frações proteínicas da whey não desnaturada são:
      betalactoglobulina; alfa-lactalbumina; albumina de soro bovino; imunoglobulinas; glicomacropeptídeos; lactoferrina; beta-microglobulinas; gamaglobulinas; lactoperoxidas; lisozima; lactolina; relaxina; lactofano; fator de Crescimento IGF-1; fator de Crescimento IGF-2; proteoses; peptonas; colostro. As wheys desnaturadas perdem os fatores de crescimento IGF-1 e IGF-2, assim como o colostro.
      Propriedades funcionais da verdadeira whey não desnaturada
      É justamente a combinação exata e as relações entre cada uma dessas frações que fornece à verdadeira whey não desnaturada as suas extraordinárias propriedades funcionais.
      Essas são vitais para a saúde, pois, são capazes de:
      transportar e compartimentalizar minerais; regular a pressão arterial; estimular o sistema imunológico; aumentar a absorção intestinal de nutritientes e prevenir diarréia; maximizar a retenção de nitrogenio; diminuir a oxidação do colesterol LDL; manter a integridade intestinal e prevenir a translocação de bacterias, estimulando a massa intestinal e evitando a sua atrofia; otimizar a função hepática; estimular a síntese de proteinas viscerais; estimular a secreção de hormonios troficos no intestino; aumentar a produção de IGF-1. Por outro lado, as wheys desnaturadas, assim como outros produtos industrializados por meios térmicos, já são estudadas como substâncias que poderiam ser cancerígenas.
      Tipos de whey não desnaturada
      Há muito conteúdo sobre as wheys desnaturadas, que são encontradas nos tipos concentrada, isolada e hidrolisada.
      Por outro lado, as wheys não desnaturadas são encontradas apenas nas formas concentrada e isolada. E, ao contrário do que se indicada para as wheys desnaturadas, a melhor whey não desnaturada é a concentrada, por ser aquela que preserva melhor as frações proteínicas. Quanto mais próximo do soro do leite natural, melhor.
      No campo das wheys desnaturadas, é indicada como "pior" a whey concentrada e como "melhor"a whey hidrolisada.
      Benefícios da whey não desnaturada
      Esse tipo de proteína de soro de leite foi submetida a um extenso estudo, que revelou sua impressionante variedade de benefícios, além de sua capacidade de fortalecer o crescimento muscular saudável.
      Estudos mostram que a whey desnaturada:
      ajuda a baixar a pressão sanguínea e melhorar a função vascular se você estiver com sobrepeso ou pressão alta; fortalece os níveis normais de açúcar no sangue e aumentar a sensibilidade à insulina em pessoas com diabetes tipo 2; reduz a inflamação, incluindo inflamação relacionada à doença inflamatória intestinal, pelas suas ações protetoras devidas à sua capacidade de estimular a síntese de mucina intestinal e modificar a composição do microbioma intestinal; ajuda a normalizar seu peso: a proteína de soro de leite não apenas a satisfaz, mas também reduz as cólicas da fome, aumenta o metabolismo (permitindo que você queime mais calorias) e ajuda a manter a massa muscular e eliminar o excesso de gordura armazenada. Whey desnaturada e riscos para a saúde
      As wheys desnaturadas, também chamadas de whey fast food (em razão de serem produtos industriais ultraprocessados), deixam o organismo ácido. Além de haver perda de cálcio da massa óssea, esse cálcio é distribuído na forma de cristais e acumulado nas artérias cardíacas, gerando rigidez arterial e problemas cardíacos.
      A acidez causada no organismo pelo excesso de proteína ácida pode resultar em pedras nos rins, causando cálculo renal.
      Quando optar por um suplemento de proteína, verifique se ele não contém whey termolisada (ultra-aquecida), que demonstrou ser a mais carcinogênica dos alimentos termolisados.
      Evite proteínas de soro de leite derivadas de leite ultrapasteurizado.
      Se o fabricante do soro de leite não fornecer um Certificado de Conformidade (CoC) informando que o seu soro é feito de leite não pasteurizado, é bem provável que seja a whey derivada de leite ultrapasteurizado.
      Whey por troca iônica é a mais perigosa
      O processo de troca iônica para produção e filtragem de proteínas whey é o pior, mais antiquado ou ultrapassado, além de perigoso.
      Existem várias marcas que usam esse antigo método de extração, que é o mais barato de todos.
      Texto original de Dr. Luis Meirelles.
    • Por contribuinte
      Dentre as wheys baratinhas Best Whey da Athletica Nutrition e Whey Grego da Nutrata, qual é a melhor opção?

    • Por vicentelaff
      Eae galera,
      Entao, eu tava pensando em comprar uma glutamina, um BCAA e um whey, mas tava em dúvida sobre as marcas e se vale msm a pena. Depois que eu comprei aquele lixo daquele pacote de "hipertrofia máxima" da x-pharma, só vou comprar suplemento perguntando aqui antes ! kkk !
      Então, a glutamina seria essa daqui  glutamina-body-size-300-gr   eai ? a marca é boa ? o preço ta bom ?
      O BCAA seria esse bcaa-dymatize-400-capsulas eai ? a marca é boa ? o preço ta bom ?
      E o whey seria esse daqui super-whey-100-pure-907gr eai ? a marca é boa ? o preço ta bom ?
      Valeus galera !
    • Por Alymec
      Qual marca é mais confiável? Qual marca fornece realmente os valores indicados? Qual dá mais resultado?
      Ultimamente li bastante sobre os casos das empresas que fornecem quantidades diferentes de carbos e proteínas do que vem dizendo no pote, e apesar de terem sido aprovadas, ainda fico com um certo receio sobre essas duas. De um lado, a Probiotica, uma marca com um grande nome até mesmo internacionalmente, mas que vem sofrendo algumas acusações, e de outro a Integral, marca que vem crescendo muito. (Quem assiste UFC sabe...)
      Queria saber dos que realmente conhecem e que já fizeram uso: Qual whey vale mais a pena investir?
      https://www.corpoidealsuplementos.com.br
      Não pelo preço, mas pela qualidade do produto.
      Vlw!
    • Por Jonatan Cigani Carias
      Como já foi relatado no artigo anterior, referente aos períodos bulking (grosso) e cutting (corte), seria interessante utilizar hipercalóricos no período bulking e retirá-los no período cutting, continuando com o whey protein. Também depende do objetivo do consumidor, dos hábitos alimentares, de quanto de calorias ele está ingerindo durante o dia e que tipo de caloria. Avaliar também as distribuições de macronutrientes é muito recomendado. É expressamente importante lembrar que antes de utilizar qualquer tipo de suplementação alimentar é preciso passar pelo nutricionista esportivo, para que o uso seja de melhor aproveitamento juntamente com uma alimentação balanceada.
      O próprio nome suplemento já diz que é para complementar o que a dieta não supre. Às vezes é utilizado como estratégia para aqueles que não têm tempo para uma correta alimentação e buscam o suplemento como uma fonte de alimentação rápida, de fácil preparo e saudável. Outros escassos de informação acham que os suplementos irão resolver seus problemas ou proporcionar resultados aos seus objetivos, como se fosse uma fórmula mágica, mas que na verdade não é. É apenas um recurso ergogênico, ou seja, que aumenta seu poder de trabalho.
      Tanto o whey protein quanto o hipercalórico são importantes suplementos dietéticos para obtenção da massa muscular. É bom lembrar que existem alguns hipercalóricos que em seus ingredientes já adicionam proteínas como whey protein, caseína, além de carboidratos como dextrose, maltodextrina e às vezes amido de milho ceroso (waxy maize). Portanto, às vezes não ficando necessário o uso do whey protein. Esses são classificados como bons hipercalóricos. Mas também são encontrados aqueles que em sua composição encontram-se albumina, proteína de soja, proteína do trigo, leite em pó, considerando estas como as proteínas do produto, não as desclassifico, mas informando que são inferiores a whey protein e a caseína.
      É interessante frisar que a whey protein é importante a todo o momento, é como tomar leite todas as manhas. Por isso fica imprescindível a sua utilização por esportistas para melhores ganhos de massa muscular.
      Geralmente o termo “ganho de massa muscular” significa desenvolver apenas os músculos sem acréscimo de gordura corporal, utilizando-se apenas de suplementos de proteínas (Ex. whey protein) já que as gorduras e carboidratos são facilmente adicionados à alimentação tradicional. Lembrando que cada indivíduo é diferente, portanto, existem estratégias diferenciadas para o alcance da massa muscular.
      Há também outros suplementos dietéticos para aumento da massa muscular, porém a sua utilização deve ser orientada pelo nutricionista para que não haja um uso indiscriminado e que possa a vir ocasionar problemas de saúde.
      Dr. Kadu Martins
      Nutricionista Especializado em Nutrição Esportiva
      CRN – 34187 SP
×
×
  • Criar novo...