Jump to content
  • Similar Content

    • By Leena Fabrini
      Quase dois terços dos americanos estão acima do peso ou obesos. Muitas dessas pessoas desenvolvem resistência à insulina e diabetes tipo 2, o que aumenta o risco de doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA).
      O aumento de gordura no fígado leva à inflamação e ao deficiente processamento metabólico de gorduras, carboidratos e proteínas.
      Um diagnóstico inicial da esteatose hepática é feita a partir do elevado número de enzimas hepáticas. Uma revisão da literatura por pesquisadores da University School of Medicine, em Whashington, St. Louis, concluiu que o baixo teor de carboidratos da dieta cetogênica pode causar DHGNA.
      No entanto, os efeitos dessas dietas são mínimos sobre a função do fígado se feitas a curto prazo.
      Fontes: Current Opinion Clinical Nutrition & Metabolic Care, 15: 374-380, 2012 e Revista Muscular Development, janeiro/2013, pg. 76.
    • By Julia Santos
      Bom Dia Pessoal tudo bem? Gostaria muuuito da ajuda de vocês! eu faço jump 4 vezes na semana e faço uma dieta low carb + jejum intermitente e me foi indicado por um amigo tomar a oxa para perder mais gordura, ele me indicou tomar 2 cps de 20mg ao dia, porém isso realmente me fará emagrecer mais rapido? Em 1 mês eu já perdi 6kg mas preciso perder mais pois estou bem acima do peso tenho 1,60 e peso 77kg
      Dieta
      Manha - jejum minha ultima refeição é as 21:00 horas do dia anterior
      Almoço (11:00 horas): arroz fake de couve flor com brócolis e uma proteina
      Lanche: um polenguinho quando dá tempo ou nada
      Jantar (20:30 horas): verduras, legumes e proteina
      OBS: nunca tomei oxa, tomo somente lipo6 ultra, orlistat e morosil
      Obrigado
    • By fisiculturismo
      Somente quem está fazendo uma dieta restritiva em carboidratos (low carb) sabe o quanto o humor fica pessimamente alterado, além de ser evidente a queda no desempenho físico.
      A cafeína é bem conhecida como uma substância capaz de aumentar a performance nas atividades físicas por reduzir o grau subjetivo de fatiga e esforço.
      Um grupo na Griffith Universy In Australia estudou se a cafeína poderia superar a queda de performance dos indivíduos sujeitos a dietas restritivas em carboidratos.
      Foram analisadas pessoas em dietas restritivas em carboidratos e pessoas em dietas sem restrição de carbo. Além disso, dentro de cada grupo, algumas pessoas receberam uma pequena dose de cafeína (3mg por kg de peso corporal - ex. um indivíduo de 80 kg receberia 240mg) ou um placebo. Todos realizaram exercícios de alta intensidade.
      Os pesquisadores descobriram que os indivíduos que ingeriram cafeína tiveram aumento de performance, seja no grupo em dieta restritiva em carboidratos, sejam em dieta não restritiva.
      Os indivíduos em dieta restritiva em carboidratos não tiveram o mesmo desempenho daqueles em dieta sem restrição, mas a cafeína ajudou a melhorar a performance física.
      Concluíram os cientistas que a cafeína pode aumentar a performance física independentemente da concentração de glicogênio nos músculos, mas ainda assim não seria capaz de equiparar o desempenho do indivíduo em dieta restritiva em carbo com o indivíduo em dieta sem restrição.
      Fonte:
      Carb-Free Focus: Caffeine Enhances Performance onLow-Carb Diets. FLEX, pp. 128, maio de 2013.
    • By Loirafitness
      Qual seria sua reação se alguém lhe dissesse que você pode comer a vontade, sem se preocupar com calorias ou gorduras e ainda assim ser “grande e seco”, mas que para isso teria que voltar para aquele estilo de vida do período paleolítico? Confesso que fiquei bastante curiosa e resolvi ler sobre o assunto. Depois de muita pesquisa concluí que a teoria tem muito fundamento, mas na hora de colocar em prática bateu certo receio. Até porque quem treina e faz dieta sabe que é um pouco complicado se “arriscar” sem acompanhamento. Vou compartilhar com vocês um pequeno resumo sobre o que aprendi, lembrando que é baseado em pesquisas e não em experiência própria.
      A ideia por trás da Dieta Paleo é comer como nossos antigos ancestrais comiam:  uma dieta que consiste em peixe, carnes de animais de pasto, ovos, vegetais, frutas, fungos, raízes e nozes. É por isso que ela também é conhecida como a dieta do homem das cavernas, dieta da idade da pedra e a dieta do caçador-coletor.
      Os homens ainda não plantavam trigo, milho, arroz, por exemplo, que dirá moíam e misturavam grãos, então as massas não existiam e, portanto, são naturalmente excluídas da dieta. Por isso as fontes de carboidratos se tornam os legumes, verduras e frutas, que nos trazem a quantidade que precisamos desse macronutriente e uma boa quantidade de fibras, tendo um menor índice glicêmico (diz respeito à velocidade com que um alimento que contém carboidrato libera glicose, ou seja, açúcar no sangue), do que as massas.
      Na Idade da Pedra, ninguém estava muito preocupado com o tipo de gordura que estava sendo ingerido. Na verdade pela dificuldade em consumir carboidratos, a gordura era uma fonte de energia.
       Nenhum tipo de alimento processado pode ser inserido nessa dieta. Esqueça os amidos, o leite, os grãos, o sal e diversos outros que são obtidos através da industrialização dos elementos. Portanto, prepare-se para transformar completamente os seus hábitos alimentares e assumir, nesse quesito, a mentalidade do homem paleolítico.
      Então quais os alimentos excluídos da Dieta Paleo? Os grãos, leguminosas (amendoins, diversos tipos de feijões e grão de bico), laticínios, batatas, sal refinado, açúcar refinado e óleos processados (gorduras trans, assim como óleos vegetais refinados como óleo de canola, de girassol e de cártamo).
      Como pode ver, é uma dieta de alta proteína, baixo carboidratos e alta gordura, e faz você comer diversos animais e produtos animais.
      Você deve estar pensando: “Comer um monte de gordura saturada não vai fazer meu coração explodir?” Não, não vai. O mito que a ingestão de gordura saturada está associada a doenças cardíacas já foi totalmente derrubado.
      Dieta Paleo e Hipertrofia:
      É interessante que quando temos acesso aos estudos científicos que falam sobre o porte físico das pessoas (especialmente os homens) do período paleolítico, temos como referência pessoas grandes e saudáveis, com músculos desenvolvidos e pouca gordura ruim no corpo (bom neah?). E isso tem uma explicação lógica: a alimentação baseada em vegetais, carnes e gorduras.
      Esse processo, portanto, é excelente para o desenvolvimento do corpo, que é também conhecido como “hipertrofia”, ou seja, o alargamento dos músculos. Portanto, além de ser perfeita para o emagrecimento, essa dieta também é ótima para quem deseja aumentar a massa magra.
      Dieta Paleo e Emagrecimento:
      É estranho pensar que consumindo gordura e fazendo uma dieta onde não se conta calorias vamos ter perda de peso, mas em ensaios clínicos de perda de peso, intervenções com mais gordura levaram à perdas de peso mais significativas do que as intervenções com menos gordura. Sim, é isso mesmo, estudos mais recentes mostram que consumir gordura “boa” auxilia no emagrecimento. Sem contar que a dieta Paleo é considerada low carb  (baixos níveis de carboidratos), o que ajuda no processo.
      O que eu li sobre experiências de pessoas adeptas a essa dieta, é que você acaba não consumindo tanta gordura como consome carboidrato, isso devido ao gosto enjoativo da gordura. A gordura ainda ajuda na saciedade,  evitando que apareçam aqueles desejos por doces.
      Outra coisa que li em depoimentos dessas pessoas é que dieta paleolítica promove um emagrecimento RÁPIDO. Muitos estavam maravilhados com o resultado.
       Benefícios:
      -Uma maneira fácil e rápida de emagrecer sem contar calorias; -Níveis de energia altos e balanceados sem quedas; -Sem desejo por comidas que não são saudáveis; -Melhora nos exercícios; -Proteção contra vários tipos de doenças, como doenças cardiovasculares e diabetes; -Pele mais clara e cabelos e dentes mais bonitos; -Redução de alergias; -Sono melhorado.
        Conclusão:
      Existem muitas informações na internet de diversas vertentes. Pesquisando pode-se  encontrar  ideias de cardápios e até mesmo dietas montadas. O problema que eu vejo são as quantidades, como saber quanto devo comer para ter hipertrofia ou emagrecimento? Lembre-se que altura, peso e idade influenciam nas porções.  Por isso, se você se interessou, recomendo que procure um profissional que esteja familiarizado com a dieta Paleolítica.

    • By Paulo Cavalcante Muzy
      São incontáveis as vezes que eu e o Rodolfo Peres atendemos a pacientes que afirmam que estão de dieta porque cortaram o carboidrato. Pessoal, zerar o carbo não é fazer dieta (principalmente porque tem uma galera que acha que se zerar o carbo pode mandar bala em churrascaria e fontes proteicas em geral como se estivesse fazendo dieta de Atkins ou de South Beach...)
      NÃO CONFUDAM AS COISAS! Fazer uma dieta extremada como estas duas citadas e deixar de ser obeso é algo completamente diferente de perder gordura em uma situação que você não é mais do que eutrófico, tem uma massa muscular desenvolvida e necessidades metabolicas determinadas pelo exercício...
      Como você pode querer ficar com um físico bonito se faz uma rotina que serve para tirar pessoas da obesidade morbida para colocá-las em um sobrepeso - chamando isso de sucesso? É como querer escovar os dentes com uma britadeira porque se a britadeira quebra as pedras duras do pavimento vai fazer da mesma forma pelo tártaro dos seus dentes...
      Do mesmo jeito que nessa situação a britadeira vai moer seus dentes, na dieta você vai moer seus músculos...
      Vou explicar o porquê:
      Já ouviu falar em prolactina? É um hormônio que serve principalmente serve para induzir a produção de leite.
      Não é só isso: ele inibe a liberação de testosterona. Sabe quem estimula a liberação de prolactina? Consumo de proteína...
      Entendeu porque essas coisas tem de ser medidas e porque dieta é foda? Inclusive o controle da secreção da sua testosterona pode ser determinado pela sua alimentação...
      Pois bem, o que acontece é o seguinte: zerando o carboidrato ou aumentando a quantidade proteíca ingerida como um monstro sem programação nenhuma você acaba por estimular a produçao de prolactina e inibir a sua testosterona...
      Essa é uma das razões principais de monitorar nossos pacientes por exames laboratoriais no consultório: muitos querem "melhorar" seus programas consumindo algumas coisas demais e outras de menos e isso acaba com nosso trabalho e a possibilidade do pessoal chega onde quer.
      Logo, nossa função, é trabalhar para a pessoa entender como as coisas funcionam para ela, em ordem de não cometer enganos bobos, mesmo que na intensão de superar espectativas, próprias e minhas e do Rodolfo (afinal gostamos do que fazemos e nos estimulamos com bons resultados).
      Para nossos pacientes: lembrem-se sempre dos exames de rotina!
      Para nossos leitores: leiam cada vez mais! Não se deixem enganar por dicas rápidas de academia - por mais que carreguem boas intenções, se não estiverem adequadas a você provavelmente vão lhe dar dor de cabeça para consertar o efeito.
×
×
  • Create New...