Jump to content

Search the Community

Showing results for tags 'álcool'.



More search options

  • Search By Tags

    Type tags separated by commas.
  • Search By Author

Content Type


Forums

  • Anabolizantes Esteroides
    • Tópicos sobre esteroides
    • Relatos de ciclos
  • Suplementos Alimentares
    • Tópicos sobre suplementação
    • Relatos de uso de suplementos alimentares
  • Treinamento de Musculação
    • Tópicos sobre treinamento
    • Lesões musculares
    • Diário de treino
  • Nutrição Esportiva
    • Tópicos sobre nutrição
    • Relatos sobre dietas
  • Gente
    • Tópicos de evolução do shape
  • Assuntos Diversos
    • Tópicos diversos

Calendars

  • Campeonatos de Musculação
  • Cursos, Palestras e Feiras

Categories

  • Esteroides
  • Suplementos
  • Treinamento
  • Nutrição
  • Gente
  • Diversos

Categories

  • Esteroides
  • Suplementos
  • Treinamento
  • Nutrição
  • Gente
  • Diversos

Categories

  • Aves
  • Bebidas
  • Carnes
  • Lanches
  • Legumes
  • Ovos
  • Massas
  • Peixes e Frutos do Mar
  • Saladas
  • Sobremesas

Categories

  • Abdominal
  • Antebraço
  • Bíceps
  • Costas
  • Coxa
  • Glúteo
  • Lombar
  • Ombro
  • Panturrilha
  • Peito
  • Pescoço
  • Romboide
  • Trapézio
  • Tríceps

Find results in...

Find results that contain...


Date Created

  • Start

    End


Last Updated

  • Start

    End


Filter by number of...

Joined

  • Start

    End


Group


Telefone Celular (WhatsApp)


Telefone Fixo


Interesses


Facebook


Instagram


YouTube


Twitter


Google+


Website URL


Série de Treinamento


Suplementação


Dieta Nutricional


Ciclos de Esteroides Anabolizantes & Drogas Afins


Academia


Altura


Peso


Percentual de Gordura

Found 29 results

  1. Estou na 4° semana de stanozolol, tomo 20mg por dia. Não sou muito de beber bebidas alcoólicas , apenas socialmente. O problema é que ira ter uma festa esse fim de semana. Posso ingerir álcool?
  2. Sou um pouco dificil de ganhar massa muscular, faço o uso de whey+ creatina + glutamina +dextrose +bcaa (malho no minio 3vezes na semana). Trabalho em shopping e é complicado ter tempo. Frequento a academia praticamente a vida toda rs.. Mas nunca tao certinho como agora. Certinha estou há 6 meses. Comprei OXANDROLONA 20MG (comprimido) mas ainda não tomei, estou com muitas duvidas... Posso comer carne de porco e ingerir bebida alcoólica? A oxan. dá problema no fígado? Como devo ciclar (malho na parte da manhã)? 20mg está bom para o primeiro ciclo? A OXAN. Vai me ajudar a secar a gordura abdominal? Há 6 anos fiz um ciclo de stigor, mas tive varias complicações devido a minha má alimentação. Dessa vez estou fazendo acompanhamento com uma Coach (personal online) mas ela não passa ciclo e me colocou o maior terror sobre a OXAN. Confesso que estou com pouco de medo. Quem usou fale sobre as reações que tiveram! Tenho 32 anos, 1 filha , 1,75m , peso 67kg , percentual de gordura 27%. Quero chegar aos 75kg de massa magra.
  3. Boa tarde marombas, Pretendia começar um ciclo agora na primeira semana de dezembro, estudou seguindo a dieta bem regrada, tá tudo ok, porém eu tenho uma viajem para praia com meus amigos que eu combinei e já paguei tudo, a gente vai dia 03/01/2019 e volta dia 07/01/2019. Eu acredito que dia 4 e dia 7 dá pra treinar, o problema é que vou ficar dia 4,5,6 sem treinar, sem seguir a dieta e ingerindo bastante álcool (whisky com água de coco e algumas cervejas). O ciclo que pretendo fazer é esse: ( no caso eu começaria a usar a oxan na 5º semana, ou seja, só quando eu voltar da praia ) Enantato/Cipionato 1- 12 = 500mg (2x na semana)(250mg à cada aplicação) Oxandrolona 5 - 12 = 60mg (tsd)(20mg de 8 em 8 horas) Inibidor de aromatase Anastrozol 1 - 12 = 0.5mg (dsdn)(De acordo com seu feelling e exames, tu aumenta ou diminui a frequência ou dose). Será que vou me fuder se eu fizer isso? Começo a ciclar agora ou espero pra ciclar só depois da praia?
  4. Galera tenho uma duvida nao sei se já foi discutida aqui que é o seguinte: O que acontece a um individuo que sai de um ciclo de grega e dura e depois de uns vinte dias bebe cerca de 7 litros de cerveja e chopp, 2 doses de vodka(caipiroska) 2 de batidinha com pinga e qudo chega em casa come uma pera para aliviar a consciencia. É esse individuo sou eu, ando meio parado de beber mas quando bebo, bebo muito, isso prejudicaria muito os meus resutados???? ah e essa pera ajudaria a evitar mais o efeito catabólico?
  5. Pessoal, comprei 15 cápsulas de terma pro para começar a usar fazendo 1 hora de exercícios aeróbicos ... irei usar de segunda a sexta, gostaria de saber se tem algum problema tomar uma cervejinha no fds ... pode me dar alguma zica ?? []´s Vitor
  6. Muitos de nós temos a noção de que não devemos ingerir bebidas alcoolicas ao treinarmos. Mas beleza, por que eu não devo? Ai estão algumas das respostas (lembrando que ainda falta algumas). Abraços Se o seu objetivo não é emagrecer, mas ganhar massa muscular, não pense que está livre dos efeitos do álcool. Mais uma vez, o professor Marcelo Bráz dá as dicas: Se você procura ganho de massa muscular, não existe coisa pior que o consumo de bebidas alcoólicas. O fator principal para quem procura aumento de massa muscular é a alimentação. Se a alimentação é falha, se faltam nutrientes, vitaminas etc, os ganhos de massa muscular são comprometidos. Mesmo que o individuo tenha um bom treinamento e alimentação, seu rendimento e seus ganhos podem acabar bastante comprometidos devido ao fato de que seu corpo não conseguirá obter os nutrientes e vitaminas como realmente necessitaria. Ninguém cresce durante do treinamento ou dentro da academia. É fora da academia, durante o descanso, que o individuo irá crescer. Por isso são necessárias boas noites de sono e a manutenção de uma boa alimentação, não só ao longo do dia como durante a semana toda. Entenda onde o álcool entra nisso observando os efeitos da bebida alcoólica dentro do organismo. O álcool: Atrapalha a capacidade do organismo em absorver os nutrientes; Causa desidratação do organismo; Diminui a taxa de açúcar no sangue; Eleva os níveis de cortisol (hormônio do catabolismo); Diminui os níveis de testosterona; Causa deficiência de vitaminas B1, B2, B6, B12 e C. Vitaminas de extrema importância para aqueles que procuram aumento de massa muscular. Mesmo sendo bem calórico, o álcool prejudica o organismo, que fica deficiente de vitaminas, sais minerais e proteínas. Ele é rapidamente absorvido pelo corpo e acaba “perturbando o seu metabolismo e a capacidade do seu organismo em restabelecer a glicemia (presença de açúcar no sangue)”. Mesmo bem alimentado, o organismo não consegue absorver bem os componentes dos alimentos, através do intestino delgado — principalmente as vitaminas B1, B6, B3 e o ácido fólico. Isso faz com que a pessoa tenha falta de apetite, e essa deficiência alimentar provoca reações danosas, causadas também pela queda acentuada de potássio, magnésio, cálcio, zinco e fósforo. Estudos recentes também comprovam que o álcool diminuiria os níveis de testosterona do corpo. Segundo Dr. João Pinheiro (CRMSP 74184 – Fisiologia Hormonal e Esportiva /Nutrição Esportiva): “Teses e estudos recentes comprovam que o álcool é hiper-estrogênico, ou seja, nas mulheres, faz seu fígado produzir muito hormônio feminino (estradiol/estrona), e nos homens, esse efeito silencioso é refletido na inibição dos receptores da testosterona no tecido muscular e hipotálamo. Neste último, os danos são ainda mais graves. Eles malham e a fibra somente fica “inchada”, a força não vem, a fadiga e a agressividade aumentam, libido e ereção diminuem cada vez mais.” Praticamente é muito complicado uma pessoa adquirir uma razoável quantidade de massa muscular “enchendo a cara” sempre. Quem procura aumento de massa muscular sabe o quanto uma boa alimentação e o descanso são fundamentais. Logo, o álcool somente vai prejudicar e/ou retardar os seus resultados. Contudo há aquele camarada que quer continuar bebendo e quer uma desculpa também .... Há o sequinte estudo para explicar uma relação positiva entre alcool e alguns exercicios. A cerveja, por exemplo, tem sido apontada como uma boa fonte de diversos nutrientes e muitas vezes é utilizada na preparação de atividades de endurance ou como reposição após competições. MAAAS ,o suco de laranja americano supre 4 vezes mais a quantidade de potássio e quase mais de 3 vezes a de carboidrato necessário, e levaria em média a ingestão de 11 cervejas, por exemplo, para obter a quantidade de vitamina B recomendada pelo RDA. PERFORMANCE NA PRESENÇA DO ÁLCOOL NO SANGUE (EFEITO ACURADO) Performance motora - pequena quantidade de álcool (0.02-0.05gr/dL) pode causar redução nos tremores de mão, melhora no equilíbrio, jogar com maior precisão e retidão nos arqueiros, mas com tempo de reação menor e menor coordenação olho/mão; quantidade média de álcool (0.06-0.10 gr/dL) afeta negativamente as habilidades. Força, explosão e performance de curta duração - O efeito do consumo de álcool, em doses pequenas e médias podem ser ambíguas, pois podem trazer efeitos no aumento da força, altura de saltos, corridas de 200 e 400m e ainda pode resultar em fadiga mais cedo durante exercícios de alta intensidade. Em contra-partida a ingestão de álcool mostrou falta de força muscular em diversos músculos, em resistência muscular e em corridas de 100 metros. Concluindo: Lembre-se que “evitar a ingestão de bebida alcoólica” é a primeira observação feita para pessoas que visam ganhar massa. Mas se por acaso você for beber, tente evitar ao máximo os exageros. Não fique horas sem comer e nem beba com o estômago vazio. Lembrando também do alto ganho calorico oferecido por simples gramas de alcool. Cada grama de álcool (etanol) contém 7 kilocalorias comparado a 9 de gordura e 4 para carboidrato e proteína. Além de algum detalhes O excesso de álcool pode impedir uma boa performance; indivíduos diagnosticados como dependentes do álcool apresentaram diversos graus de lesão muscular e fraqueza. Criei esse tópico mais para tirar dúvidas, muitas vezes eu já li pessoas elaborando dietas e falando "Pooo mas tenho q tomar aquela sagrada cervejinha no fds", como não tinha pesquisado sobre o tema , não podia falar. Contudo ai está o lado positivo e o Negativo da história. Espero ter ajudado vocês.
  7. Bebo aos finais de semanas e às vezes fumo alguns blacks quando estou bebendo. Devo abolir esses hábitos enquanto estiver fazendo o uso do suplemento? Respondam-me por favor, dúvidas a mil rs
  8. Olha só, usar álcool é como apedrejar seu sistema endócrino: ele eleva a sua insulina fazendo com que o excesso ocupe os receptores de somatomedina C (o que ferra o seu metabolismo de GH) e a partir daí nada mais “conversa” direito em você. Álcool ainda tem um agravante: funciona como tóxico do sistema nervoso central (através do aldeído produzido no processo de metabolização, que é responsável pela dor de cabeça, irritação, gosto de pau de guarda-chuva na boca do dia seguinte) e como relaxante muscular central à copia de seus primos benzodiazepínicos, o que vai com certeza deixar alguns treinos subseqüentes bem podrinhos.... Mas como estamos nessa seção para falar de hormônios, vamos fazer uma conta do ponto de vista hormonal, ok?! Se 20min. de treino resistido fazem com que seu corpo tenha estímulo para modificar determinado segmento por 10 dias, significa que ao você encher a cara solenemente você jogou fora o treino de pelo menos 10 dias antes da fatídica bebedeira. Outra conta ruim: cada pessoa tem um tempo para retornar aos padrões iniciais insulinêmicos, ficando oscilando como um pêndulo por algum tempo. Neste tempo nada de ganho, nada de melhora. Pense e faça a sua escolha de maneira acertada.
  9. Eu gostaria de saber se durante o ciclo pode-se beber algum tipo de bebida? eu ouvi falar que pode tomar só destilados é verdade? o que a bebida influencia no ciclo, pode cortar o efeito da droga? OBRIGADO
  10. Apesar de o álcool possuir grande aceitação social e seu consumo ser estimulado pela sociedade, este é uma droga psicotrópica que atua no sistema nervoso central, podendo causar sérios danos a saúde. Doenças do fígado, sistema digestivo e coração, assim como perda de apetite e deficiências vitamínicas, são alguns dos problemas causados diretamente pelo álcool. É comum beber em festas, noitadas, encontros com amigos, etc. Isso se tornou algo básico, seja diariamente ou somente nos finais de semana. Há pessoas que não conseguem se divertir caso não tenha bebidas nas “curtições e encontros”. São comuns comentários do tipo: “festa sem álcool não tem graça. Não consigo curtir sem álcool. Com isso, acaba ocorrendo a introdução da bebida alcoólica na rotina de vida, gerando muitas vezes abusos e, em determinados casos, levando até a dependência. É muito comum ver pessoas que passam a semana toda seguindo “dieta”, seja com objetivo de ganho de massa muscular, emagrecimento ou definição. Mas quando chega ao final de semana acha sagrado beber. Beber apenas no final de semana já atrapalha o processo de qualquer objetivo. "O processo de absorção do álcool é relativamente rápido (90% em uma hora). Porém o mesmo não ocorre com a eliminação, que demora de 6 (seis) a 8 (oito) horas e é feita através do fígado (90%), da respiração (8%) e da transpiração (2%)." Muitas pessoas passam a noite toda bebendo, sem dormir, sem comer direito e, para piorar, no dia seguinte ficam ainda mais horas sem comer, isso quando não passam muito mal e/ou tem ressaca, o que detona ainda mais o organismo, em todos os sentidos. As bebidas alcoólicas contem muitas calorias perdendo apenas para a gordura. Um grama de álcool contem sete calorias e o que e pior, calorias vazia. Mesmo em pequenas quantidades, o álcool já se torna devastador para aniquilar qualquer sucesso em termos de resultados de emagrecimento e/ou definição. Não pense que se seu objetivo é ganho de massa muscular este quadro muda. Entenda onde o álcool entra nisso observando os efeitos da bebida alcoólica dentro do organismo. O álcool: Atrapalha a capacidade do organismo em absorver os nutrientes; Causa desidratação do organismo; Diminui a taxa de açúcar no sangue; Eleva os níveis de cortisol (hormônio do catabolismo); Diminui os níveis de testosterona; Causa deficiência de vitaminas B1, B2, B6, B12 e C. Vitaminas de extrema importância para aqueles que procuram aumento de massa muscular. Além disso, o álcool é hiper-estrogenico, ou seja, nas mulheres, faz seu fígado produzir muito hormônio feminino (estradiol/ estrona), e nos homens, esse efeito silencioso é refletido na inibição dos receptores da testosterona no tecido muscular e hipotálamo. Neste último, os danos são ainda mais graves. Eles malham e a fibra somente fica “inchada”, a força não vem, a fadiga e a agressividade aumentam, libido e ereção diminuem cada vez mais. No organismo, o álcool não consegue absorver bem os componentes dos alimentos, através do intestino delgado — principalmente as vitaminas B1, B6, B3 e o ácido fólico alem da queda acentuada de potássio, magnésio, cálcio, zinco e fósforo. No entanto, evitar a ingestão de bebida alcoólica é a primeira observação feita para pessoas que visam ganhar massa ou perder gordura, pois o álcool atrapalha em ambos objetivos. Mas se por acaso você for beber, tente evitar ao máximo os exageros. Não fique horas sem comer e nem beba com o estômago vazio.
  11. Para conquistar um corpo bonito é necessário que haja uma alimentação balanceada que supra todas as demandas energéticas do nosso organismo aliada a prática de exercício físico. Parece simples, entretanto, o mais difícil costuma ser conciliar alimentação saudável com a vida social e o mais freqüente é a burlada na dieta no final de semana, sair com os amigos para um barzinho beber é uma rotina de muitos. O que não se sabe, ou melhor, não se tem consciência, é que o álcool é um grande vilão para nosso corpo e atrapalha em muito a busca para um corpo e vida saudável. Uma curiosidade: O consumo moderado (dosagem recomendada) segundo alguns estudos é de 3 copos de 200mL de cerveja para homens e 2 copos de 200mL para mulheres; doses elevadas podem causar prejuízo na performance de uma forma geral e por um considerável período de tempo De acordo com estudos existem malefícios causados pelo consumo de bebidas alcoólicas antes, durante ou após a prática esportiva. Dentre esses efeitos adversos, podemos citar: O álcool estimula a diurese, portanto, ao invés de reidratar o indivíduo (o necessário durante a prática de atividade física), proporciona desidratação potencializada somada ao exercício, o que pode provocar fraqueza, tontura e diversos danos; É absorvido rapidamente pelo organismo e influencia o metabolismo negativamente, dificultando seu funcionamento natural e a capacidade em restabelecer a glicemia (presença de açúcar no sangue); Diminui a massa magra por elevar o nível de hormônio cortisol (hormônio do catabolismo), diminui os níveis de testosterona (hormônio também responsável pelo aumento de massa magra) e causa deficiência de vitaminas B1, B2, B6, B12 e C. Vitaminas de extrema importância para aqueles que procuram aumento de massa muscular; O valor calórico da cerveja (altamente calórica, 7Kcal por grama) não é aproveitado pelo organismo na forma de glicose, não fornecendo combustível para as células do corpo; Alteração do metabolismo dos lipídios, favorecendo ao acúmulo da gordura na região visceral. Atenção: aquela barriga de “chope” que é a principal queixa dos adeptos a “levantamento de copo” nos finais de semana é decorrente exatamente do alto valor calórico dos chopes e afins e pela influência do álcool no metabolismo do carboidrato e lipídio. E mais: o consumo de energético junto com o álcool reduz o efeito deste, uma vez que o estimulante diminui o efeito depressor do álcool sobre o sistema nervoso, como reduz a percepção da embriaguez, normalmente as pessoas acabam por ingerir maior quantidade de álcool apenas por não saberem os riscos e aparentemente não transparecerem estar “bêbadas”. Uma super-dosagem desta substância aumenta a freqüência cardiorrespiratória e pode provocar irritação estomacal e intestinal. O que a princípio é euforia e excitação, pode transformar-se em tontura e desmaio. O Álcool é depressor do SNC (sistema nervoso central) e afeta primeiramente os centros superiores (o que se repercute na fala, pensamento, cognição e juízo crítico) e posteriormente deprime os centros inferiores (afetando a respiração, os reflexos, e em casos de intoxicação aguda, podendo levar ate morte). Mesmo alimentado, o organismo alcoolizado não consegue absorver com eficiência os componentes dos alimentos — principalmente as vitaminas B1, B6, B3 e o ácido fólico. Isso faz com que a pessoa tenha falta de apetite, e essa deficiência alimentar provoca reações danosas, causadas também pela queda acentuada de potássio, magnésio, cálcio, zinco e fósforo. Estudos recentes também comprovam que o álcool diminuiria os níveis de testosterona do corpo, conforme podemos ler o que Dr. João Pinheiro (CRMSP 74184 - Fisiologia Hormonal e Esportiva /Nutrição Esportiva) aponta:“Teses e estudos recentes comprovam que o álcool é hiper-estrogênico, ou seja, nas mulheres, faz seu fígado produzir muito hormônio feminino (estradiol/estrona), e nos homens, esse efeito silencioso é refletido na inibição dos receptores da testosterona no tecido muscular e hipotálamo. Neste último, os danos são ainda mais graves. Eles malham e a fibra somente fica “inchada”, a força não vem, a fadiga e a agressividade aumentam, libido e ereção diminuem cada vez mais.” O processo para depurar (limpar) o sangue é demorado e é função do fígado. Quando o consumo é rotineiro e elevado, as células do fígado começam a acumular gordura, podendo ocorrer inflamação e destruição das células, resultando em uma hepatite alcoólica que pode desencadear a cirrose hepática. Esta, se não tratada no início, pode levar à morte. Nosso fígado como principal metabolizador do álcool, pode ser ajudado e protegido com uma boa hidratação e alimentação rica em elementos que ajudam a desintoxicar o organismo como brócolis, repolho, couve flor, couve de Bruxelas, couve verde, agrião, rúcula, acelga não esquecendo dos antioxidantes e carboidratos presentes nas frutas e verduras em geral. Um adendo: evite a associação de bebidas alcoólicas com alimentos gordurosos porque é mais trabalho para o fígado! Portanto, evite ao máximo o consumo de bebidas alcoólicas mesmo durante as saídas, afeta muito a dieta e o metabolismo além de afetar o efeito de grande parte de produto ou medicamento utilizado.
  12. Amigos, tenho uma pergunta que realmente considero séria. Seguinte, estou na minha quinta semana de oxandrolona, estou tomando 90 mg essa semana, faço uma dieta super correta, faço tudo da forma correta. Só que sábado agora é meu aniversário, e um amigo me falou que eu poderia no dia não tomar a oxandrolona e beber, mas não beber muito, e que voltasse no dia seguinte a tomar de forma correta. Pensei em manter a dieta até a hora da festa, e aí sim beber algumas cervejinhas e comer algumas coisas, e no dia seguinte voltar a dieta normal e tomar ela de novo, e voltar a minha vida sem bebida. Isso procede ou é algo muito errado? Por favor me ajudem! Grande abraço galera!!!
  13. Comprei creatina e maltodextrina hj, nunca tomei nenhum dos 2... tenho 2 duvidas...quem souber me responda por favor 1ª: Qual eh a melhor hora para se tomar malto, antes durante ou depois do treino? 2ª: Vou tomar a creatina ateh nos fins de semana, certo? Caso eu beba, vai cortar o efeito? O que acontecerá? Valeu...kem souber me dah um toque ae por favor
  14. Olha estava tomando creatina a 2 semanas sem beber,só que onteem eu bebi um dia,isso vai cortar todo efeito da creatina ou não?
  15. ae galera tipo...treino semana td com musculaçao e aeróbico ...tomo suplemento e tal + de final de semana mando bebida alcoolica de sabado pra domingo eu sei q alcool n da certo com musculaçao e tal só q essa 1X por semana xega a prejudicar o crescimento?
  16. Apliquei ontem uma ampola de Durateston e semana que vem mais uma. Dou uma pausa por conta das festas de fim de ano já que a clínica vai estar fechada e volto em janeiro. E faço o ciclo de 4 semanas. Algum ploblema em relação a isso? Tenho outra dúvida , se há algum problema em consumir bebida alcoólicas durante esta fase nos finais de semana algumas taças de vinho? Depois desse ciclo eu posso parar ou preciso sempre fazer ciclos? Obg desde já !
  17. O álcool, ou mais especificamente o álcool etílico ou etanol (uma forma de carboidrato), classifica-se como uma droga depressora. Alguns atletas utilizam álcool para aprimorar o desempenho atlético, em virtude de hipotéticos efeitos psicológicos positivos. Todavia, as estatísticas continuam sendo imprecisas e os resultados práticos são depressores do bom desempenho físico. O álcool O álcool é uma forma de carboidrato que proporciona cerca de 7 kcal de energia por grama (ml) de substância pura. Uma bebida alcoólica contém 28,4 g ou 28,4 ml de álcool teor 100 (50%). Isso equivale a 340 ml de cerveja regular (cerca de 4% de álcool por volume). O estômago absorve entre 15 a 25% do álcool ingerido. O intestino delgado capta rapidamente o restante para distribuí-lo através de todos os compartimentos hídricos do corpo (particularmente os tecidos ricos em água do sistema nervoso central). A ausência de alimento no trato digestivo facilita a absorção de álcool, o remove com um ritmo de aproximadamente 10g por hora, o que equivale ao conteúdo em álcool de uma bebida. O consumo de duas bebidas alcoólicas em 1 hora produz uma concentração alcoólica no sangue entre 0,04 a 0,05 g/dl. Os fatores como idade, peso corporal, conteúdo corporal de gordura e sexo, influenciam o nível de álcool no sangue. Uma concentração sanguínea de álcool acima de 0,40 (19 bebidas ou mais em 2 horas), pode resultar em coma, depressão respiratória e eventual morte. Os efeitos no exercício físico Alguns atletas utilizam o álcool para aprimorar o desempenho em virtude de seus hipotéticos efeitos psicológicos e fisiológicos. Na esfera psicológica, alguns argumentaram que o álcool antes da competição reduz a tensão e a ansiedade (efeito ansiolítico), realça a autoconfiança e promove a agressividade. Facilita também a “desinibição” neurológica em virtude de seu efeito estimulante inicial que, no entanto, é transitório. Assim sendo, o atleta pode acreditar que o álcool facilita o desempenho físico ao nível ou próximo de sua capacidade fisiológica, particularmente para as atividades de força e potência máximas (McArdle & Katch, 2002). Todavia, as pesquisas não consubstanciam qualquer efeito ergogênico do álcool sobre a força muscular, a potência anaeróbica máxima a curto prazo ou o desempenho mais prolongado nos exercícios aeróbicos. Apesar de atuar inicialmente como estimulante, o álcool acaba deprimindo a função neurológica (deterioração da memória, da percepção visual, da fala, da coordenação motora) em relação direta com sua concentração sanguínea. Alguns desportistas utilizam o álcool para amortecer a função psicomotora, diminuindo o tremor das mãos. Assim sendo, o uso de álcool tem sido prevalente em provas de tiro de precisão, arco e flecha, e tiro com rifle. Contudo, apesar do potencial teórico específico para a melhora do desempenho, a maior parte das pesquisas indicam que o álcool, na melhor das hipóteses, na proporciona qualquer benefício ergogênico. Na pior das hipóteses, pode desencadear efeitos colaterais perigosos que deterioram muito o desempenho (efeito ergolítico) (McArdle & Katch, 2002). Na corrente sanguínea, o álcool exerce uma ação curiosa sobre a hemoglobina. Por um mecanismo diferenciado, torna a combinação da hemoglobina com o oxigênio muito mais estável do que a normal. Isto resulta como conseqüência que a hemoglobina não é reduzida nos tecidos tão depressa como convém. A sua combustão não é, portanto, perfeita. Dessa forma, em falta de oxigênio dentro da célula, a molécula de gordura não é metabolizada (quebrada) normalmente, pois para que os ácidos graxos possam ser catabolizados é necessária a presença de oxigênio. Como este não foi reduzido aos tecidos como deveria, em função da ligação estável na hemoglobina causada pelo álcool, isto torna um dos fatores pelos quais as pessoas que ingerem muito álcool tem dificuldade em quebrar a gordura corporal e emagracer. Esta afirmação pode confirmar-se ainda pelo fato de que, o organismo tendo preferência pelos compostos carboidratos para a geração de energia, acaba utilizando o álcool como preferencial pela facilidade de penetração deste dentro da célula. A gordura, dessa forma, fica preservada (Uba Chupel, 2009). Apesar destes efeitos (negativos) poderem variar entre os indivíduos, eles se tornam evidentes em uma relação dose-resposta com níveis sanguíneos do álcool superiores a 0,05 g/dl. Na perspectiva fisiológica, o álcool prejudica a função cardíaca. Em um estudo, a ingestão de 1g de álcool por kg de peso corporal durante 1 hora elevava seu nível sanguíneo para mais de 0,10 g/dl. Esse nível, observado frequentemente entre os que “bebem socialmente” deprimia agudamente a contratilidade miocárdica. Para o metabolismo, além da alteração na forma da hemoglobina, o álcool deprime a capacidade do fígado para a síntese de glicose a partir de fontes diferentes dos carboidratos através da gliconeogênese. Esses efeitos poderiam deteriorar profundamente o desempenho nas atividades aeróbicas de alta intensidade que dependem maciçamente da capacidade cardiovascular e da energia proveniente do catabolismo dos carboidratos (McArdle & Katch, 2002). Concluindo Além de danos aos sistemas psicológicos e fisiológicos aos indivíduos ditos como “normais”, o álcool prejudica drasticamente o desempenho em exercícios físicos, deprimindo inúmeras funções metabólicas do organismo. O álcool exagera o efeito desidratante do exercício físico em ambientes quentes, por atuar como um poderoso diurético deprimindo a liberação do hormônio anti-diurético. Por causa da ação do álcool como vasodilatador periférico, não deveria ser consumido durante a exposição ao frio extremo nem para facilitar a recuperação após uma hipotermia. A conclusão de uma declaração de princípios do Colégio Americano de Medicina Desportiva sobre o uso de álcool nos desportos é tão válida atualmente como ao ser publicado em 1982: - o álcool não aprimora e pode até reduzir a força, a potência, a velocidade, a endurance (resistência) muscular local e a endurance cardiovascular. Referencial - McArdle W. Katch F. Katch V. Fundamentos de Fisiologia do Exercício. Guanabara Koogan. Rio de Janeiro, 2002 - Tesouros da Juventude – Volume nº 3, pg 1373. - Uba Chupel, M. Efeitos do Álcool no Metabolismo Energético. Projeto de Pesquisa da Secretaria Municipal de Educação, Saúde, Cultura e Esporte – Três Barras – 2009.
  18. Quanto menos álcool, melhor: Pesquisas recentes indicam benefícios do consumo moderado de bebidas alcoólicas, como o vinho. Especialistas, porém, alertam que, até agora, o comprovadamente positivo é não beber » TATIANA SABADINI Uma taça de vinho por dia faz bem ao coração; um copo de cerveja pode ajudar a melhorar a performance de um atleta; mulheres que consomem bebida alcoólica regularmente não engordam: não param de surgir pesquisas sobre benefícios do álcool consumido moderadamente, mas o embate continua. Do outro lado da balança, estão as consequências que o organismo pode sofrer por causa do excesso, essas sim comprovadas há anos pela ciência. Os estudos dos supostos benefícios são recentes e, portanto, precisam de uma comprovação mais ampla. Para os médicos, a melhor opção ainda é não beber. Para aqueles, porém, que não conseguem ficar longe da cervejinha gelada ou de um bom vinho, a ordem é moderação. O consumo excessivo de álcool aumenta o risco de danos a vários órgãos, como o fígado e o cérebro, e também o risco de acidentes cardiovasculares. “Para qualquer médico, seria irresponsável recomendar mais de dois drinques por dia para os homens e um para as mulheres. Muitas pessoas bebem vinho por causa dos antioxidantes e dos flavanoides. Mas o melhor é fazer a suplementação de outra forma, através da alimentação ou em cápsulas. Minimizar o consumo de álcool é sempre a melhor opção”, disse ao Correio Lindsay Brown, professora da escola de ciências biomédicas da Universidade de Queensland, na Austrália. Segundo a médica australiana, entre os estudos recentes existem evidências epidemiológicas de que as pessoas que bebem moderadamente, de uma a duas taças de vinho por dia, podem diminuir o risco de doenças cardiovasculares. A suposição é de que os polifenóis flavanoides, encontrados na bebida à base de uvas, podem ter ações positivas. Nos anos 1990, a mídia americana incentivou estudos sobre a substância, que poderia evitar doenças cardiovasculares, diabetes e obesidade. “Por causa disso, temos mais de 3 mil publicações científicas sobre o assunto. Por isso, há um aumento de indícios que comprovam benefícios contra outros problemas. Sabemos muito mais do que há 10 anos, mas ainda há muito a aprender sobre todos os nutrientes do vinho”, afirma Lindsay. Benefício “mental” Uma taça depois do almoço e outra após o jantar são suficientes para Olavo Tadeu Câmara, 56 anos. “Aprendi a tomar vinho muito cedo, antes mesmo de ir para a escola”, brinca. “Cresci em Andrado, no interior de Minas, e morávamos perto de uma vinícola.” Atualmente, as degustações ficam restringidas a no máximo três vezes por semana. Para o arquiteto, que faz atividades físicas e tem acompanhamento médico regularmente, o vinho pode trazer benefícios mais para a saúde mental do que para a física. “É um momento para relaxar e estar tranquilo. Acredito que a bebida possa ter seus benefícios, mas nada de exagero. O organismo responde da forma como você o trata, e o vinho pode servir como complemento disso”, afirma. Para o sommelier Paulo Kunzle, 47 anos, a sentença também é verdadeira. Há um ano, ele descobriu que tem tendência a ter um nível muito alto de plaquetas e usou o vinho como forma de terapia. “Conversei com o meu médico e tomei todas as precauções. Descobri que o vinho estava me ajudando esse tempo todo, porque ele tem propriedades que ajudam a afinar o sangue e dilatam as artérias”, comenta. Hoje, ele toma religiosamente duas taças por dia. E é um dos maiores defensores do hábito. “Uma das principais vantagens do vinho são os antioxidantes. Basta tomar como exemplo a região de Bordeaux, que tem um baixo índice de mortalidade por problemas cardíacos, e cada habitante consome, em média, 60 litros da bebida por ano. Meu conselho é sempre escolher os tintos secos, porque os suaves têm um conservante chamado sorbato de potássio.” O vinho tem mais de 2 mil componentes. Um litro tem 14mg de resveratrol, um polifenol considerado essencial para a saúde, segundo os cientistas. É pouco provável, no entanto, que se possa obter uma quantidade suficiente com a bebida para reduzir significamente o risco de doenças cardíacas. “Os polifenóis ou outras tantas substâncias podem ter contribuído para os resultados positivos em estudos experimentais, mas nós simplesmente ainda não temos nenhuma evidência detalhada sobre essa assunto”, explica Lindsay. Dieta Um estudo divulgado na semana passada e muito comentado na internet e pela comunidade médica sugere que mulheres que bebem álcool regularmente têm menos tendência a engordar. A autora do estudo, Lu Wang, do departamento de Medicina Preventiva do Brigham and Women’s Hospital, de Boston, nos Estados Unidos, explicou ao Correio que o ponto de partida da pesquisa foi o fato de que mais de metade dos americanos consome bebidas alcoólicas. Itens como vinho, cerveja ou vodca eram considerados fontes de energia que, a longo prazo, poderiam resultar em ganho de peso. “No entanto, não foi possível obter evidências consistentes de que o consumo de álcool apresenta um risco para o desenvolvimento da obesidade”, comenta a especialista. Os cientistas calcularam a ingestão de álcool com base no consumo de bebidas descrito em um questionário respondido por 19.220 mulheres, todas com 39 anos, livres de doenças cardiovasculares, câncer e diabetes e que tinham peso normal. O acompanhamento foi feito, anualmente, durante 13 anos. Segundo Lu Wang, não foi possível obter dados concretos para explicar por que o consumo de álcool pode influenciar no peso, mas descobertas de outros estudos podem oferecer algumas explicações plausíveis. O álcool ajuda o próprio corpo a estimular o processamento da energia. Mas de nada adianta exagerar na dose, apenas com moderação é possível perceber algum efeito. “Entre as mulheres, aquelas que têm consumo leve a moderado de álcool normalmente têm uma ingestão menor de calorias de fontes não alcoólicas. Por outro lado, a ingestão de álcool tende a induzir o aumento do gasto de energia, além da caloria consumida através da bebida. Isso pode explicar o resultado do nosso estudo. Existem também outros mecanismos pelos quais o álcool pode modificar o peso corporal. Incluindo o efeito do álcool na absorção e digestão de nutrientes, interferência na oxidação dos lipídios e acumulação de gordura”, sugere Lu Wang. Sem evidências conclusivas » RICARDO TEIXEIRA No consultório do cardiologista, uma senhora que precisa de medicações para controlar sua pressão arterial encerra sua consulta perguntando se ela pode manter o seu hábito de tomar uma taça de vinho por dia. O doutor lhe responde que não só pode como deve: “Minha cara, temos acompanhado nos últimos anos uma série de estudos que demonstram que o consumo moderado de álcool reduz o risco de doenças cardiovasculares, incluindo o infarto e o derrame cerebral. Isso significa que quem bebe pouco tem menos eventos cardiovasculares do que aqueles que não bebem. Já o consumo exagerado de álcool provoca um maior risco de doenças cardiovasculares. Veja bem, devemos entender consumo moderado como até duas doses de bebida por dia para homens e uma dose para mulheres. As pesquisas ainda apontam que esse efeito protetor do consumo diário e moderado deixa de existir quando a pessoa exagera na dose mesmo que seja por apenas um dia no mês”. Essa mesma senhora ouvirá dos médicos que sua taça de vinho é capaz de reduzir seu risco de doença de Alzheimer e outros tipos de demência. Ouvirá também que já existem estudos que demonstram que o seu hábito também está associado a um envelhecimento com maior nível de independência física e maior longevidade. As bebidas alcoólicas, de uma forma geral, promovem esses efeitos positivos, mas o vinho tinto parece ser levemente superior, pois, além do álcool, ele possui outras substâncias protetoras, como os flavonoides, incluindo o resveratrol. Apesar de todas essas evidências, não existe justificativa até o momento para se indicar o consumo de álcool por potenciais efeitos medicinais. À luz do conhecimento atual, recomenda-se que os médicos não indiquem o uso de álcool como se fosse um suplemento alimentar para prevenir doenças. Devem recomendar às pessoas que não bebem que continuem sem beber e, às pessoas que já têm o hábito de beber, que não ultrapassem os limites. Mas isso também está mudando, já que estudos recentes têm demonstrado que o consumo regular de álcool, mesmo em doses leves a moderadas, está associado a um maior risco de diferentes tipos de câncer, como o de mama, reto e fígado. Por essa razão, em 2009, o Instituto Nacional do Câncer da França deu início a uma campanha chamada Álcool Zero, defendendo a ideia de que mesmo uma dose diária não é segura. Não se deve pensar no álcool como um elemento promotor da saúde da população, não só pelo aumento do risco de câncer, mas também porque muitas pessoas atravessam a barreira entre o consumo moderado e o consumo exagerado. Esse consumo exagerado é responsável por uma em cada 25 mortes no mundo e, como se não bastassem as mais de 200 doenças secundárias ao álcool, ainda temos os enormes problemas sociais que estão associados ao seu consumo. E isso já é um problema para lá de antigo. Por 40 dias e 40 noites, Noé, sua mulher, três filhos e os animais embarcaram na arca enquanto o dilúvio destruía o resto do mundo. Ao chegar em terra firme, uma das primeiras coisas que Noé fez foi “tomar vinho e ficar embriagado” e os filhos precisaram protegê-lo para que ele não metesse os pés pelas mãos. O livro do Gênesis marca a presença do álcool e seus riscos já nos primórdios da humanidade. * Doutor em neurologia e pesquisador do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo da Unicamp. Escreve todas as segundas-feiras no blog Saúde para Todos do Correio Braziliense. CORREIOBRAZILIENSE • Brasília, terça-feira, 16 de março de 2010
  19. Estou tomando creatina há quase um mês e ainda não percebi resultado algum... Não bebi café, nem bebidas alcoólicas e nem refrigerante de cola! Gostaria de saber quais substâncias que se eu ingerir irão cortar o efeito da creatina? Mais precisamente, queria saber se bebidas alcoólicas, refrigerante de cola e café cortam os efeitos da creatina.
  20. Falai ... entao eu qria saber se o alcool eh tao ruim assim a ponto de estragar meu treinamento mesmo se eu beber uma vez por semana soh ?? tipo, c eu beber umas 5 latinhas de breja 1 vez por semana isso vai estragar meu treino ????? vlw
  21. eae pessoal eu aki denovo, falei com o instrutor e comecei a treinar hoje ABC, perna ombro, peito triceps, costa biceps.. espero obter resultados.... so pra tira uma duvida hj tirei a medida do biceps to com 30 e peito 96 esta bom pra minha idade ? (16) ... a e tambem gostaria de saber se a bebida alcolica atrapalha em algo, pois todos fins de semana eu saio e nao me controlo hehe... to tomando albumina tambem... falow é isso ai, gostei mtu deste forum agradeço aos caras q me responderam na msg anterior..
  22. o que prejudica mais desses dois tipos cerveja ou bebidas destiladas tipo prejudica no desenvolvimento:? Bebo quase todo final de semana e parece que dá uma inchada, alguem aí incha tb postem ae galera!
  23. Vou iniciar no M-DROL e gostaria de saber se posso tomar 2 caps por dia.Será que se eu beber corta o efeito?
  24. O Alcool ingerido à noite em dia de treino atrapalha muito na hipertrofia? Atrapalha de algum outro jeito? Somente o alcool e nao os tira gostos que engordam.
  25. Boa noite pessoal Eu irei fazer um ciclo somente com dianabol, durante 4 semanas com 40mg por dia. Realizei outros dois ciclos, um com Durateston 500mg semana, Deca Durabolim 400mg por semana durante 8 semanas e Dianabol com 40mg nas quatro ultima semanas. Outro foi com Ciclo 6 600mg semana e estanolozol Oral,6 comp por dia. Eu sei que vão falar que sou frango e tudo mais, mas eu preciso saber se posso beber uma semana após o término do ciclo, pois vai ter viagem de formatura da facul e é em praia e tudo mais. Daí iria tomar esse dianabol pq um amigo meu parou na segunda semana o ciclo dele e me deu, o que vai rende 4 semanas. sei que vai da só um aumento de uns kg, mas pra ir na praia agr ta bom! Realmente tem grandes riscos isso?? Posso ir pro hospital e dar hepatite ou coisa assim dependendo de quanto beber?
×
×
  • Create New...