Jump to content

Search the Community

Showing results for tags 'colesterol'.



More search options

  • Search By Tags

    Type tags separated by commas.
  • Search By Author

Content Type


Forums

  • Anabolizantes Esteroides
    • Tópicos sobre esteroides
    • Relatos de ciclos
  • Suplementos Alimentares
    • Tópicos sobre suplementação
    • Relatos de uso de suplementos alimentares
  • Treinamento de Musculação
    • Tópicos sobre treinamento
    • Lesões musculares
    • Diário de treino
  • Nutrição Esportiva
    • Tópicos sobre nutrição
    • Relatos sobre dietas
  • Gente
    • Tópicos de evolução do shape
  • Assuntos Diversos
    • Tópicos diversos

Calendars

  • Campeonatos de Musculação
  • Cursos, Palestras e Feiras

Categories

  • Esteroides
  • Suplementos
  • Treinamento
  • Nutrição
  • Gente
  • Diversos

Categories

  • Esteroides
  • Suplementos
  • Treinamento
  • Nutrição
  • Gente
  • Diversos

Categories

  • Aves
  • Bebidas
  • Carnes
  • Lanches
  • Legumes
  • Ovos
  • Massas
  • Peixes e Frutos do Mar
  • Saladas
  • Sobremesas

Categories

  • Abdominal
  • Antebraço
  • Bíceps
  • Costas
  • Coxa
  • Glúteo
  • Lombar
  • Ombro
  • Panturrilha
  • Peito
  • Pescoço
  • Romboide
  • Trapézio
  • Tríceps

Find results in...

Find results that contain...


Date Created

  • Start

    End


Last Updated

  • Start

    End


Filter by number of...

Joined

  • Start

    End


Group


Telefone Celular (WhatsApp)


Telefone Fixo


Interesses


Facebook


Instagram


YouTube


Twitter


Website


Tumblr


Série de Treinamento


Suplementação


Dieta Nutricional


Ciclos de Esteroides Anabolizantes & Drogas Afins


Academia


Altura


Peso


Percentual de Gordura

Found 18 results

  1. Eu fiz algumas pesquisar sobre o ovo e tive como conclusao q um bom alimento tirando o tal do colesterol, e queria saber uma coisa tipo eu nunca tive problemas d colesterol c começar a comer vamos supor uns 4 ovos por semana ah grande riscos d eu ter?? alguem sabe me dizer algo a respeito??
  2. Quem lê as pesquisas recentes sobre este alimento já percebeu que ele foi totalmente desmistificado. Aquela velha história do colesterol alto não é a maior das verdades. Hoje um amigo me perguntou sobre isso, questionando quais benefícios e prejuízos a gema do ovo poderia oferecer, o que me inspirou a escrever um pouco sobre esta fonte rica de ferro, ácido fólico e vitaminas do complexo B, um coquetel “anti-anemia” que cuida também do sistema nervoso e da memória. A saber, a cor “amarelo vivo” da gema é dada pelo corante natural alaranjado conhecido como carotenóide, um precursor da vitamina A, tão conhecida pelas suas funções na saúde dos olhos, pele e cabelos. Como se não bastasse a riqueza nutricional da gema, ela também contém colina, um composto presente nas membranas que “encapam” nossas células, e contido no neurotransmissor acetilcolina, um mensageiro químico responsável pela transmissão do impulso nervoso nas células musculares. Ou seja, a perfeição do movimento muscular depende desta substância formada no organismo humano! Além disto, a ingestão de colina é essencial na gravidez, quando atua na boa formação do cérebro do bebê. Mas e a história do colesterol, onde fica? É fato que a gema é rica nesta substância. Nosso organismo, porém, está apto a regular perfeitamente nossos níveis colesterolêmicos. Quando a sua ingestão é muito baixa, produzimos, consequentemente, uma quantidade maior de colesterol, e vice-versa. Fatores como hereditariedade, estresse e obesidade oferecem muito mais risco à saúde do coração do que o colesterol vindo da dieta. O temido “colesterol alto”, desta forma, pode ser evitado com a ingestão de alimentos ricos em fibra, como a aveia, e gorduras insaturadas presentes nos óleos vegetais e sementes oleaginosas. Além disto, este esteroide também tem sua função no organismo. Ele é necessário para fabricar hormônios como a testosterona, “produzir” a vitamina D (que também é produzida por nós durante a exposição à luz solar) e construir as paredes das células. Sabendo disto, você deixaria de ingerir alimentos ricos em colesterol, um participante essencial da regulação dos níveis da testosterona? Também é importante considerar que outra substância contida na gema do ovo, a lecitina, é capaz de ligar-se ao colesterol eficientemente, impedindo que ele seja totalmente absorvido pelo organismo. No nosso corpo, a lecitina está contida na medula óssea, no cérebro, no fígado e no coração e é inevitável para o bom funcionamento do sistema nervoso. Além de auxiliar a concentração, ela é um agente anti-colesterolêmico, sendo, portanto, conhecida como uma importante protetora do coração. Depois desta leitura, é possível, então, reavaliar o perfil da gema do ovo e constatar que ela saiu da lista de alimentos inimigos do coração e alcançou um dos lugares mais importantes no grupo de alimentos com propriedades protetoras. Quer manter a memória em dia e prolongar sua saúde mental? Coma um ovo inteiro pelo menos três vezes por semana! Atletas, em especial, podem e devem seguir à risca esta dica.
  3. Um estudo realizado por pesquisadores britânicos chegou à conclusão de que, ao contrário do que diz a crença popular, o consumo de ovos não provoca um aumento excessivo de colesterol, nem causa riscos de infarto. O relatório elaborado por dois especialistas da universidade inglesa de Surrey confirmou que o verdadeiro perigo para o colesterol está na gordura saturada. Segundo a crença popular, a presença deste elemento na gema seria a causa do aumento do nível de colesterol no sangue. Além disso, mais de 40% dos britânicos acreditam que deve-se comer, no máximo, três ovos por semana, para prevenir problemas de saúde. Entretanto, os pesquisadores concluíram que o efeito do colesterol presente nos ovos é insignificante do ponto de vista clínico. No estudo, os cientistas constataram que apenas um terço do colesterol sanguíneo se origina na dieta. Os ingleses ainda afirmaram que os outros fatores que aumentam os níveis de gordura no sangue - e o risco de infarto - são o fumo, o sedentarismo e a obesidade. "Deve-se corrigir este erro enraizado que vincula o consumo de ovos ao alto colesterol no sangue", disse o professor Bruce Griffin. "A quantidade de gorduras saturadas na dieta exerce um efeito no colesterol sanguíneo que é muito maior que a relativamente pequena quantidade de colesterol dos ovos", acrescentou. Griffin também garantiu que as pessoas não precisam limitar o consumo deste alimento. "As pessoas não devem fazer limitações do consumo de ovos. Elas podem até ser encorajadas a incluí-los em uma dieta saudável, já que são altamente nutritivos", disse. Fonte: EFE - Agência EFE
  4. eu vejo varias pessoas falarem pra comer a clara do ovo antes de durmir, mas pq nao comer tb a gema, pois ela nao tem quantidade significativa de gordura prejudicial.É so por causa do colesterol?Se eu comer o ovo inteiro(tem mais proteina do q so a gema)pode prejudicar algo? E quando eu cozinho o ovo é bom add azeite nele? Conto com a ajuda de vcs
  5. me deem uma explicação sobre colesterol ai q quero saber oq ele faz etc perguntas: 1 - fazer exercicio abaixa colesterol? 2 - colesterol é a qtidade de açucar no sangue ou to errado? 3 - altos indicies podem causar oq por ex?
  6. O consumo de antioxidantes com parte da dieta habitual é bastante recomendável por evitar ou atenuar os efeitos indesejáveis do estresse oxidativo, função muito procurada por atletas e praticantes de atividade física, uma vez que a prática de atividade física aumenta significativamente a produção de radicais livres. Os radicais livres são formados no nosso organismo durante processo de transformação do oxigênio em água. Estima-se que cerca de 5% do oxigênio consumido pelo corpo não seja eficientemente convertido em água, transformando-se então em radical livre. Como o consumo de oxigênio aumenta durante a atividade física, a formação de radicais livres é maior. Além disso, o exercício físico aumenta a produção de radicais livres de outras maneiras: pelo aumento da epinefrina e outras catecolaminas, que podem produzir radicais livres; pelo aumento da produção de ácido lático que pode converter um radical livre fraco em um radical livre forte e pela resposta inflamatória secundária ao dano muscular que ocorre em caso de overtraining. Estas substâncias são altamente reativas e podem provocar lesões em várias estruturas do nosso organismo. Hoje em dias são tidas como a principal causa do envelhecimento, além de colaborarem tanto para o surgimento quanto para o agravamento dos sintomas de várias doenças, entre elas, hipertensão, aterosclerose, diabetes, câncer e mal de Alzheimer. As uvas e seus derivados, como vinhos e sucos são ótimas fontes naturais de antioxidantes, particularmente os vinhos tintos, pelo seu alto teor de polifenóis, ou compostos fenólicos, que comprovadamente possuem atividade antioxidante. Nas uvas, estão presentes principalmente na casca e sementes. A cor dos vinhos é determinada pelo processo de elaboração, nem sempre pela cor das uvas. No processamento de vinhos brancos não há contato da casca da uva, onde se encontram as antocianinas, flavonóides responsáveis pela cor tinta das uvas. Ou seja, os vinhos brancos podem ser elaborados com uvas tintas, mas vinhos tintos não podem ser elaborados com uvas brancas. É antiga a crença nas propriedades benéficas do vinho em relação à prevenção de doenças e manutenção da saúde. O consumo habitual e moderado de vinho tinto pode prevenir ou reduzir risco de desenvolver doença cardíacas coronarianas e acidentes vasculares isquêmicos, conhecidos popularmente como “derrames”. Um dos principais mecanismos que explicam estes efeitos está na capacidade antioxidante dos compostos fenólicos presentes em vinhos de um modo geral, mas em maior quantidade nos vinhos tintos. Estes compostos inibem a formação do LDL- colesterol (colesterol ruim). Outras propriedades importantes atribuídas aos fenólicos do vinho são: proteção contra disfunções neurológicas, efeito antiinflamatório e ação anticancerígena. Ainda não existe consenso em relação à necessidade de suplementação de antioxidantes para todos os indivíduos que praticam atividade física, pois até certo ponto, o organismo se adapta ao aumento da produção de radicais livres. Portanto, recomenda-se que o atleta ou praticante de atividade física analise junto com sua nutricionista a sua ingestão de antioxidantes diária e verifique às suas necessidades individuais.
  7. Galera como todos já estão carecas de saber, controlar os níveis de estrogênio durante o ciclo é primordial, pois ele traz grande parte dos nossos colaterais. Eu fiz um ciclo com AEs que aromatiza muito. No caso usei Durateston como base de testosterona para esse ciclo. Por displicência desta vez eu não utilizei nenhum inibidor de aromatase. Conclusão minhas taxas de estrogênio foram la para cima, consequentemente a progesterona e o estradiol também. Eu vou iniciar agora utilizando enantato de testosterona com doses de 250 a 300 mg/semana só para manter o shape. Como se fosse um Cruise. A pergunta é: Uma vez com essas taxas elevadas de estrogênio no exame, consequentemente progesterona e estradiol, como regulo essas taxas agora? Usar um IA tipo Anastrozol resolveria esse problema? Sei que o tamoxifeno é um anti estrogênico também, e que age na mama, mas ele serviria para este caso também, por ser um anti estrogênico? Só uma.observação: Estou com gineco (claro rs). Minhas taxas de testosterona total e testosterona livre estão como esperado.. Testosterona total acima de :>1500 ng/dl. E testosterona livre o exame nem conseguiu detectar e ser preciso pelo laboratório que eu fiz, porque as taxas estão altíssimas. "Não foi possível o calculo da testosterona livre devido ao valor da testosterona total" O resto dos resultados estão dentro do que esperava. Apenas o colesterol HDL que caiu drasticamente e o LDL aumentou. Estou com 8 mg/dl de HDL, e 174 mg/dl de LDL. Eu já esperava uma queda do HDL e um aumento no LDL, mas não esperava que o HDL caísse tanto. O tamoxifeno ajuda a regular os níveis de HDL e LDL também, mas como ainda vou continuar hormonizando e tendo em consideração todo o cenário que mencionei acima, não sei o que utilizar neste momento. Peço ajuda dos mais experientes. Obrigado.
  8. Pessoal, eu estou fazendo um vlog focado para iniciantes, pra quem já entende do assunto vai ver que nao estou dizendo nenhuma novidade. Mas comecei um vlog voltado para se precaver de possíveis problemas em ciclos de anabolizantes. Então gostaria de compartilhar com vcs, já que devo muito a esse fórum pelo aprendizado. Obrigado! Nesse vídeo falo sobre alterações do perfil lipídico que ocorrem quando se usa AE's e como se cuidar...
  9. Antes de viajar eu descobri que meu colesterol estava muito alto, mais alto que o da minha mae. Isso pq eu fazia uma alimentacao balanceada e malhava todos os dias. Acabei indo pros EUA, e com certeza ele continua alto, acho que ate aumentou mais. Minha cardiologista falou que se nao abaixar vou ter que tomar remedio, isso pq eu tenho 24 anos. Entao eu gostaria de saber se existe alguma dieta que possa ajudar e manter o colesterol num nivel baixo.
  10. As gorduras não são as vilãs para a nossa saúde e sim as nossas escolhas em relação à elas. Existem vários tipos de gordura, dentre elas podemos citar: trans-saturadas, saturadas, Omega-6, Omega-3, mono e poli-insaturadas. Alguns tipos especiais de gorduras, como ômega-3 e ômega-6, são saudáveis e cruciais para um sistema imunológico forte e uma pele saudável ao passo que gorduras trans-saturadas e saturadas são prejudiciais a nossa saúde. Os alimentos, tanto os naturais como os processados, podem conter vários tipos de gordura. Alguns tipos têm efeito positivo à saúde, aumentando o HDL, que é o "colesterol bom" enquanto outros podem ser prejudiciais, aumentando o nível de LDL, o "colesterol ruim". Mesmo os tipos de gordura benéfica devem ser consumidos com moderação, pois qualquer tipo de gordura contém mais calorias do que proteínas e carboidratos: A gordura é uma fonte concentrada de energia. Enquanto cada grama de gordura contém 9 kcal, um grama de carboidrato contém em torno de 4 kcal. Além disso, nossas reservas de energias provenientes de gordura são muito mais abundantes. Em média um corredor tem mais de 60 mil calorias estocadas na forma de gordura contra menos de 2 mil de carboidratos. Sendo assim, gorduras são essenciais quando se está exercitando por longos períodos de tempo. Exercícios de baixa intensidade utilizam gordura como pelo menos metade da fonte de energia. Isto porque, para usar gordura como energia, é preciso muito mais oxigênio do que o necessário na utilização de carboidratos. Assim, em exercícios de baixa intensidade nos quais há farto oxigênio, gordura é a principal fonte de energia. Sendo assim, a utilização de gordura diminui à medida em que a intensidade do exercício aumenta. Vamos descatar e falar um pouco sobre a importância do Omega-3 que é um tipo de gordura conhecida como ácido graxo essencial e é muito importante para uma boa saúde. O corpo humano não é capaz de produzir Omega-3, tendo que obtê-lo através da alimentação. Um grande número de pesquisas vem demonstrando os benefícios do Omega-3 para o coração e todo sistema circulatório. Os benefícios do Omega-3 incluem: Atividade antiinflamatória; Atividade anti-trombos (entupimento dos vasos sanguíneos); Redução dos níveis de colesterol e triglicerídeos e Redução da pressão arterial. Os benefícios do omega 3 estendem-se para a redução do risco de desenvolver diversas doenças, incluindo: Diabetes; Acidente vascular cerebral (derrame); Artrite reumatóide; Asma; Síndromes inflamatórias intestinais (colites); Alguns tipos de câncer; Declínio mental. Alguns estudos também indicam que o Omega-3 traz benefícios para o humor, o aprendizado e para o sistema imunológico. O Omega-3 pode ser encontrado nas nozes, castanhas, peixes especialmente de águas frias, rúcula e nos óleos vegetais, como azeite, canola, soja e milho As melhores fontes de Omega-3 são os peixes, algumas espécies possuem maior quantidade como por exemplo: Cavala, Arenque, Sardinha, Salmão, Atum, Bacalhau. Recomenda-se a ingestão de pelo menos 2 porções de peixe por semana, mas se for possível incluir outras fontes de Omega-3 os benefícios serão maiores. Os peixes devem ser assados, cozidos ou grelhados. Não se deve fritá-los, pois este processo destrói o Omega-3. É de reforçar que o excesso de gordura provoca obesidade e colesterol e que as gorduras de origem animal são particularmente nocivas para a saúde.
  11. Os médicos são sempre bombardeados com a literatura científica notificando que doença cardíaca resulta dos elevados níveis de colesterol no sangue. A terapia que sempre foi aceita é a prescrição de medicamentos para baixar o colesterol e uma severa dieta restringido a ingestão de gordura. Qualquer recomendação diferente dessa, era considerada uma heresia e poderia possivelmente resultar em erros médicos. Estas recomendações não são cientificamente ou moralmente defensáveis. Foi descoberto há alguns anos que a inflamação na parede da artéria é a verdadeira causa da doença cardíaca, levando a uma mudança de paradigma na forma como as doenças cardíacas e outras enfermidades crônicas serão tratados. As recomendações dietéticas estabelecidas há muito tempo criaram uma epidemia de obesidade e diabetes, cujas consequências apequenam qualquer praga histórica em termos de mortalidade, o sofrimento humano e terríveis consequências econômicas. Apesar do fato de que 25% da população tomar caros medicamentos a base de estatina e, apesar do fato de termos reduzido o teor de gordura de nossa dieta, mais pessoas vão morrer este ano de doença cardíaca do que nunca. Estatísticas do "American Heart Association", mostram que 75 milhões dos americanos atualmente sofrem de doenças cardíacas, 20 milhões têm diabetes e 57 milhões têm pré-diabetes. Esses transtornos estão a afetar pessoas cada vez mais jovens em maior número a cada ano. Simplesmente dito, sem a presença de inflamação no corpo, não há nenhuma maneira que faça com que o colesterol se acumule nas paredes dos vasos sanguíneos e cause doenças cardíacas e derrames. Sem a inflamação, o colesterol se movimenta livremente por todo o corpo como a natureza determina. É a inflamação que faz o colesterol ficar preso. A inflamação não é complicada - é simplesmente a defesa natural do corpo a um invasor estrangeiro, tais como toxinas, bactéria ou vírus. O ciclo de inflamação é perfeito na forma como ela protege o corpo contra esses invasores virais e bacterianos. No entanto, se cronicamente expor o corpo à lesão por toxinas ou alimentos no corpo humano, para os quais não foi projetado para processar, uma condição chamada inflamação crônica ocorre. A inflamação crônica é tão prejudicial quanto a inflamação aguda é benéfica. Que pessoa ponderada voluntariamente exporia repetidamente a alimentos ou outras substâncias conhecidas por causarem danos ao corpo? Bem, talvez os fumantes, mas pelo menos eles fizeram essa escolha conscientemente. O resto de nós simplesmente seguia a dieta recomendada correntemente, baixa em gordura e rica em gorduras poli-insaturadas e carboidratos, não sabendo que estavam causando prejuízo repetido para os nossos vasos sanguíneos. Esta lesão repetida cria uma inflamação crônica que leva à doença cardíaca, diabetes, ataque cardíaco e obesidade. Deixe-me repetir isso. A lesão e inflamação crônica em nossos vasos sanguíneos é causada pela dieta de baixo teor de gordura recomendada por anos pela medicina convencional. Quais são os maiores culpados da inflamação crônica? Simplesmente, são a sobrecarga de simples carboidratos altamente processados (açúcar, farinha e todos os produtos fabricados a partir deles) e o excesso de consumo de óleos ômega-6 (vegetais como soja, milho e girassol), que são encontrados em muitos alimentos processados. Imagine esfregar uma escova dura repetidamente sobre a pele macia até que ela fique muito vermelha e quase sangrando. Faça isto várias vezes ao dia, todos os dias por cinco anos. Se você pudesse tolerar esta dolorosa escovação, você teria um sangramento, inchaço e infecção da área, que se tornaria pior a cada lesão repetida. Esta é uma boa maneira de visualizar o processo inflamatório que pode estar acontecendo em seu corpo agora. Independentemente de onde ocorre o processo inflamatório, externamente ou internamente, é a mesma. Na artéria doente parece que alguém pegou uma escova e esfregou repetidamente contra a parede da veia. Várias vezes por dia, todos os dias, os alimentos que comemos criam pequenas lesões compondo em mais lesões, fazendo com que o corpo responda de forma contínua e adequada com a inflamação. Enquanto saboreamos um tentador pão doce, o nosso corpo responde de forma alarmante como se um invasor estrangeiro chegasse declarando guerra. Alimentos carregados de açúcares e carboidratos simples, ou processados com óleos omega-6 para durar mais nas prateleiras foram a base da nossa dieta durante anos. Estes alimentos foram lentamente envenenando a todos. Como é que um simples bolinho doce cria uma cascata de inflamação fazendo-o adoecer? Imagine derramar melado no seu teclado, ai você tem uma visão do que ocorre dentro da célula. Quando consumimos carboidratos simples como o açúcar, o açúcar no sangue sobe rapidamente. Em resposta, o pâncreas secreta insulina, cuja principal finalidade é fazer com que o açúcar chegue em cada célula, onde é armazenado para energia. Se a célula estiver cheia e não precisar de glicose, o excesso é rejeitado para evitar que prejudique o trabalho. Quando suas células cheias rejeitarem a glicose extra, o açúcar no sangue sobe produzindo mais insulina e a glicose se converte em gordura armazenada. O que tudo isso tem a ver com a inflamação? O açúcar no sangue é controlado em uma faixa muito estreita. Moléculas de açúcar extra grudam-se a uma variedade de proteínas, que por sua vez lesam as paredes dos vasos sanguíneos. Estas repetidas lesões às paredes dos vasos sanguíneos desencadeiam a inflamação. Ao cravar seu nível de açúcar no sangue várias vezes por dia, todo dia, é exatamente como se esfregasse uma lixa no interior dos delicados vasos sanguíneos. Mesmo que você não seja capaz de ver, tenha certeza que está acontecendo. Voltemos ao pão doce. Esse gostoso com aparência inocente não só contém açúcares como também é cozido em um dos muitos óleos omega-6 como o de soja. Batatas fritas e peixe frito são embebidos em óleo de soja, alimentos processados são fabricados com óleos omega-6 para alongar a vida útil. Enquanto ômega-6 é essencial - e faz parte da membrana de cada célula controlando o que entra e sai da célula - deve estar em equilíbrio correto com o ômega-3. Com o desequilíbrio provocado pelo consumo excessivo de ômega-6, a membrana celular passa a produzir substâncias químicas chamadas citocinas, que causam inflamação. Atualmente a nossa dieta costumeira tem produzido um extremo desequilíbrio dessas duas gorduras (ômega-3 e ômega-6). A relação de faixas de desequilíbrio varia de 15:1 para tão alto quanto 30:1 em favor do ômega-6. Isso é uma tremenda quantidade de citocinas que causam inflamação. Nos alimentos atuais uma proporção de 3:1 seria ideal e saudável. Para piorar a situação, o excesso de peso que você carrega por comer esses alimentos, cria sobrecarga dce gordura nas células que derramam grandes quantidades de substâncias químicas pró-inflamatórias que se somam aos ferimentos causados por ter açúcar elevado no sangue. O processo que começou com um bolo doce se transforma em um ciclo vicioso que ao longo do tempo cria a doença cardíaca, pressão arterial alta, diabetes e, finalmente, a doença de Alzheimer, visto que o processo inflamatório continua inabalável. Não há como escapar do fato de que quanto mais alimentos processados e preparados consumirmos, quanto mais caminharemos para a inflamação pouco a pouco a cada dia. O corpo humano não consegue processar, nem foi concebido para consumir os alimentos embalados com açúcares e embebido em óleos omega-6. Há apenas uma resposta para acalmar a inflamação, é voltar aos alimentos mais perto de seu estado natural. Para construir músculos, comer mais proteínas. Faça uso de suplementos alimentares, "whey protein" na sua forma isolada. Existem vários tipos de suplementos que reduzem a inflamação no organismo provocada pelo alimento: "super biocurcumin", omega 3, "samento". Escolha carboidratos muito complexos, como frutas e vegetais coloridos. Reduzir ou eliminar gorduras omega-6 causadoras de inflamações como óleo de milho e de soja e os alimentos processados que são feitas a partir deles. Uma colher de sopa de óleo de milho contém 7.280 mg de ômega-6, de soja contém 6.940 mg. Em vez disso, use azeite ou manteiga de animal alimentado com capim. As gorduras animais contêm menos de 20% de ômega-6 e são muito menos propensas a causar inflamação do que os óleos poliinsaturados rotulados como supostamente saudáveis. Esqueça a "ciência" que tem sido martelada em sua cabeça durante décadas. A ciência que a gordura saturada por si só causa doença cardíaca é inexistente. A ciência que a gordura saturada aumenta o colesterol no sangue também é muito fraca. Como sabemos agora que o colesterol não é a causa de doença cardíaca, a preocupação com a gordura saturada é ainda mais absurda hoje. A teoria do colesterol levou à nenhuma gordura, recomendações de baixo teor de gordura que criaram os alimentos que agora estão causando uma epidemia de inflamação. A medicina tradicional cometeu um erro terrível quando aconselhou as pessoas a evitar a gordura saturada em favor de alimentos ricos em gorduras omega-6. Temos agora uma epidemia de inflamação arterial levando a doenças cardíacas e a outros assassinos silenciosos. O que você pode fazer é escolher alimentos integrais que sua avó servia (frutas, verduras, cereais, manteiga, banha de porco) e não aqueles que sua mãe encontrou nos corredores de supermercado cheios de alimentos industrializados. Eliminando alimentos inflamatórios e aderindo a nutrientes essenciais de produtos alimentares frescos não-processados, você irá reverter anos de danos nas artérias e em todo o seu corpo causados pelo consumo da dieta típica americana. O ideal é voltarmos aos alimentos naturais e muito trabalho físico (exercícios). Referências Livro:"A Cura para a Doença Cardíaca e A Grande Mentira do Colesterol" Autor: Dr. Dwight Lundell, ex-Chefe de Gabinete e Chefe de Cirurgia no Hospital do Coração Banner, Mesa, Arizona.
  12. OVO - NUNCA MAIS TENHA DÚVIDAS SOBRE ESTE ALIMENTO! Hoje acho que deixarei vocês mais felizes, pois sou um crítico severo dos alimentos vendidos com promessas enganosas de saúde, mas que no entanto significam verdadeiros venenos para o corpo humano, entretanto, preciso também deixar claro que existe uma gama de alimentos que são sim extremamente saudáveis e que pelo grande poder da indústria alimentícia, acabam muitas vezes sendo “apedrejados” de todas as formas para tentar confundir as pessoas a consumirem os industrializados “enriquecidos” e etc... E o pior é que não só conseguem seu objetivo com a população em geral, mas também fazem com que um número absurdo de profissionais de saúde sejam levados por informações superficiais, aceitem como verdades sem pesquisar a verdadeira fonte, sem procurar estudar profundamente o assunto e pra piorar ainda mais, passem a orientar seus pacientes tendo como única fonte uma notícia qualquer, uma entrevista ou um “professor”. Vamos começar do início. Vocês sabiam que é raro que uma universidade de medicina (eu pessoalmente não sei de nenhuma) tenha aulas sobre nutrologia? Nós médicos costumamos saber tanto de alimento quanto qualquer outra pessoa (ou até menos na maioria das vezes), pois não existem professores específicos. Imaginem então, quando haverão professores de Nutrigenética? Mas qual é a importância disto, se aprendemos a dar remédios, não é mesmo? Pois é exatamente este tipo de pensamento que domina a mente da imensa maioria dos médicos. Amigos, Hipócrates, considerado o pai da medicina moderna, 400 anos antes de Cristo já dizia: “Deixe que o alimento seja seu remédio e que seu remédio seja seu alimento.” E esta frase tem um impacto enorme na medicina atual, uma vez que cada vez mais estamos descobrindo que o caminho da cura não é o tratamento, mas sim a prevenção das doenças! Não adianta esperarmos que a doença se instale, pois muitas vezes tentar tratar uma afecção, dependendo de qual seja, se torna um caminho doloroso e com final infeliz. O fundamental é compreendermos que enquanto fazemos prevenção, ou seja, um programa preventivo de manutenção de saúde, temos um plano A, B, C, D, etc... A partir do momento em que se instala uma doença, aí não temos mais opções. A única opção é o plano A e aí uso de medicamentos, efeitos colaterais, sequelas. E os 3 pilares da Antiaging Medicine são Modulação Hormonal, Exercícios Físicos Moderados e justamente a Nutrigenética, por isto dedico grande parte de meu tempo à busca dos mais variados e importantes estudos sobre os alimentos. Mas vamos então ao nosso tema e falar sobre este alimento que hoje é considerado pelos maiores especialistas do mundo, como o segundo melhor alimento do mundo. Surpresos? Pois foi isto mesmo que escrevi, e vou provar a vocês. Aliás, percebam que não estou ganhando nada de nenhuma indústria que vende ovos nem nada do tipo, portanto, não sou eu quem provarei, mas os estudos. E contra estudos sérios, idôneos, publicados em revistas internacionais e indexados, não há espaço para opinião pessoal. É assim e pronto. Aliás, deixem-me fazer uma observação aqui e pedirei uma colaboração de vocês. Comecei a escrever por simples incentivo de amigos queridos e na busca de ajudar as pessoas, trazer informações comprovadas e atualizadas e guiar as pessoas no sentido de tentar mudar, não só por si mesmas, mas pelas crianças. Quem me conhece sabe que tenho verdadeira adoração por crianças e imensa preocupação com o preço que pagarão por tudo a que estão expostas hoje em dia. Mas vejo que esta iniciativa de escrever em um blog tem tomado proporções muito grandes e de fato não esperava, pois já concedi inúmeras entrevistas sobre cirurgia plástica, algumas também sobre antienvelhecimento nas maiores emissoras de TV, jornais, revistas, sites, porém são sempre editadas com o que mais atrai as pessoas, então acho que sempre me sinto parte realmente de um show. Falta poder explicar realmente as coisas, orientar de forma abrangente aqueles que nos lêem e assistem. Acontece que, como bons brasileiros, algumas pessoas não se prestam a ler os artigos que são compartilhados por diversas pessoas que me acompanham principalmente compartilhando nas redes sociais, e aí volta e meia aparece um desinformado e lança frases do tipo “eu não concordo com isso...” Olha, não sou de ficar bravo com a ignorância das pessoas, pois faz parte da natureza humana. Mas isso me entristece... Dá vontade de escrever pras mesmas: “Queridos(as), não existe a opção de concordar ou não frente a provas. O que escrevo, por exemplo, não é a minha opinião, porque quando quiser expressar a minha visão, escreverei antes -eu acho-. Tudo que coloco a disposição é ciência, resultado de estudos científicos atuais e com grande impacto para a saúde, caso contrário não teria motivo para me prestar a escrever. Então a opção é ler, ou não ler e não escrever sobre o que não sabe. Além disso, a próxima opção é, com o conhecimento da informação, aplicar ou não em suas vidas, isto sim é uma opção pois ninguém é obrigado a fazer algo que não deseja. Temos o livre arbítrio, não é mesmo!” E é uma atitude clara daquelas pessoas que não se interessam realmente pelos assuntos ou vivem encontrando desculpas para o que NÃO alcançam em suas vidas. Deixem-me eu explicar dando um exemplo: há dias os noticiários vêm revelando escutas telefônicas de políticos com um contraventor. E sabem porque estas histórias não vão para frente e não dão em nada? A culpa é do próprio povo obviamente. Boa pare das pessoas serão capazes de ouvir a chamada da notícia, dizendo que “escutas revelam ligação de tais políticos com o crime”, não se prestarão a ler ou ouvir as provas que são indiscutíveis (vozes de ambos os lados fazendo combinações) e aí quando indagadas sobre aquele fato virão com o famoso bordão de quem não faz idéia do assunto, mas tem obviamente opiniões vagas: “Ah, eu não acredito, não concordo com isso...” Mas eu pergunto, concordar com o quê se não é algo para se omitir opinião de concordância rs? Então quando lerem algum comentário do tipo, respondam simplesmente orientando a pessoa que leia o artigo ao invés de emitir um comentário sem conteúdo ok! Mas vamos parar de “filosofia” (desculpem, mas precisava desabafar para compartilhar com vocês) e falemos do OVO. Como já escrevi anteriormente, o ovo é considerado o segundo alimento mais completo do mundo. Tudo que é necessário para que haja uma vida, está contido no ovo. Para que você saiba, o primeiro é o leite materno, terceiro o côco, quarto a quinoa real. Mas e porque já ouvimos tantas vezes algum “gênio” falar mal deste alimento? Infelizmente também não sei o motivo, mas vou fazer com que todos vocês que estão lendo tenham mais informações do que qualquer pessoa que seja contra o ovo e possa arguir com sabedoria para nunca mais ter dúvidas sobre o assunto. Muito se fala a respeito do problema do colesterol relacionado ao ovo, mas saibam que até hoje, não houve NENHUM estudo que conseguiu comprovar esta teoria absolutamente furada. A culpa pelo colesterol elevado vem de tempos meus amigos e se nós médicos estudássemos história da medicina, encontraríamos muitas respostas. Ainda escreverei sobre o mito do colesterol, mas posso lhes assegurar que colesterol é uma substância essencial à vida e a partir dele é que ocorre toda síntese de hormônios sexuais no corpo. Ele é considerado hoje pela medicina moderna internacional, como um biomarcador. Mas isto explicarei com detalhes em um outro artigo. O importante é que vocês saibam, médicos e não médicos, que não só eu, como qualquer médico que tenha estudado profundamente sobre o tema, colocamos a disposição inclusive nossos diplomas de médico se alguém trouxer um, apenas um estudo comprovando que o ovo aumenta o colesterol! Pois bem, o ovo é composto por: - Ácidos Graxos Saturados - Ácidos Graxos Insaturados - 20 Aminoácidos - 14 Minerais - 12 Vitaminas - Carotenóides Dentre os componentes, destaco principalmente: - Vitamina B12, Folato, Vitaminas A, D, E, K - Aminoácidos/Proteínas (20% das proteínas que necessitamos diariamente é proporicionada por 1 Ovo) - Fosfatidilcolina (também chamada de Lecitina) - Carotenóides Luteína / Zeaxantina* * Estas substâncias em nosso corpo diminuem a incidência de doença cardiovascular, diminuem a degeneração macular nos olhos (relacionada com a idade), faz prevenção de catarata e de retinose pigmentar. Ou seja, melhora a visão e previne doenças oftálmicas degenerativas Em estudo publicado pela Nutrition and Metabolism EM, 2008, foi escrito que o estudo evidenciou e comprovou que o ovo tem os seguintes benefícios: - Ação Anti-Inflamatória (sendo capaz de diminuir a Proteína C Reativa) - Emagrecimento (como efeito indireto, pois o ovo aumenta o hormônio mais abundante do corpo, Adiponectina- antigamente chamado de GBP28) - Aumento do HDL (o colesterol chamado de “bom”) - Diminui os níveis de Insulina (prevenindo diabetes, além de conferir melhor qualidade de vida às pessoas eu ingerem*) * Insulina hoje é um exame imprescindível, mas que ainda não é solicitado como deveria na medicina. É isoladamente o exame que consegue predizer com maior fidedignidade a longevidade de uma pessoa, além de hoje ser o principal indicador de diabetes. Fazer o que pessoal, a medicina avança, os paradigmas são quebrados, o conhecimento evolui, então se você nunca realizou, saiba que deveria saber seus índices basais. E se você é um colega médico, aproveite a informação e passe a utilizar esta medida como rotina. Estude o assunto, pois glicose isoladamente já não tem valia nenhuma. Bom, não preciso dizer que o melhor ovo é realmente o “caipira”, mas melhor comer o “não caipira” do que ficar sem ovo. O ovo orgânico ou caipira, chega a ter de 10 a 20 vezes mais ômega 3 d que o não orgânico! Também não preciso dizer que comer o ovo cru não é uma boa idéia, não recomendo devido ao problema da salmonellose, infecção que pode se instalar através de micro rachaduras na casca. Outra coisa, busque guardar seus ovos dentro da geladeira e não naquele local da porta, que é de fato o pior local para se guardar, por causa da probabilidade de provocar rachaduras no abre e fecha da porta. Por último, saibam que o ovo deve ser ingerido completo, não devemos comer só uma parte ou outra, isto não existe e não faz o menor sentido! Vou disponibilizar a vocês a porcentagem de absorção de aminoácidos (proteínas) de cada alimento para que vejam que o ovo é além de tudo, uma fonte proteica melhor do que qualquer outra possível à nós: - Leite Materno – 49% de absorção - Ovo (clara+gema) – 48% - Carne, peixe e frango – 32% - Fórmulas de aminoácidos – as melhores não chegam a 30% - Soja – 17% - Produtos láteos – 16% - Clara de ovo – 17% - Espirulina – 6% E para que percam o medo, saibam que a Universidade de Harvard realizou um estudo onde estudantes de medicina ingeriram 25 ovos por dia durante 3 meses. Querem saber o resultado? O colesterol baixou... Pena que estas coisas não prosperam na medicina. Se fosse a descoberta de uma nova medicação para que as pessoas devessem usar diariamente para tratar alguma doença, podem ter certeza de que no dia seguinte teríamos um representante laboratorial batendo em nossas portas em nossas clínicas oferecendo amostras grátis. Isso quando não oferecem viagens, jantares, entre outros meus amigos. O lado escuro da medicina... Para finalizar, vou explicar como a nutrigenética enxerga alimentos como possíveis remédios. Olhem o exemplo do ovo: - Bom para alergias devido à presença de Zinco - Bom para Artrite devido à presença do antioxidante mais potente que existe no corpo, apelidado de guardião do nosso corpo: A Glutationa (que já tem para aplicação injetável e em breve terá também em gel com nanotecnologia lipossômica, ou seja, gel para passar na pele e através da pele a substância é absorvida diretamente para a circulação. -Tem a presença desta que é a última Vitamina descoberta na Nutrologia, chamada PQQ (Pirrolo Quinonina Quinona) é benéfica para o crescimento e desenvolvimento corporal -Atua na degeneração macular Resumindo caros leitores, não tenho dúvidas de que provei a vocês que o ovo deveria fazer parte da dieta de todas as pessoas diariamente. Eu procuro comer cerca de 5 ovos por dia e não tenho nenhuma alteração sanguínea. Pelo contrário, meus níveis sanguíneos estão dentro dos padrões ótimos, pois para mim não basta somente estar dentro da normalidade. Trabalho buscando a otimização dos níveis das substâncias importantes no corpo, uma outra forma de examinar o metabolismo humano que é objetivo da medicina antiaging: não deixar que os níveis tenham quedas nem aumentos, mas mantenham-se estáveis dentro dos melhores índices para que não haja declínio metabólico corporal. Bom, espero que de agora em diante, frente a QUALQUER pessoa que contraindique o ovo como alimento, vocês indaguem os motivos se quiserem, ou perguntem sobre estas substâncias e estes estudos que coloquei a disposição neste artigo. Ou melhor, não fale nada, mas volte, leia novamente e lembre de que aqui estão as provas, porque não quero causar nenhum problema a ninguém, só não acho justo que as pessoas continuem sendo mal orientadas. Reparem no absurdo que a ignorância tem causado às pessoas, que hoje em dia têm medo de comer um alimento fundamental. De 1974 a 2003, houve uma diminuição de 84% na ingesta de ovos no Brasil. Aí de 2003 a 2009, houve ainda uma diminuição de mais 87% sobre a quantidade já diminuída! Isto são dados do IBGE. Sei que a grande culpa final disto é do próprio médico e me culpo também por ter aprendido isto um dia e aceitado como verdade por um período. Repito, não estou aqui querendo falar mal de ninguém, mas sim fazendo uma crítica muito sensata ao ensino médico de maneira geral. Como sempre aconselho, leve a informação aos seus familiares, peçam que leiam o artigo e compreendam a importância fundamental do conhecimento correto na saúde das pessoas e das gerações futuras. Você pode fazer a diferença em sua família e mudar o futuro das crianças. Dos diversos estudos que pesquisei, acredito que o mais acessível e prático para a leitura de vocês todos, principalmente médicos é este livro magnífico escrito pelo Dr. Sérgio Pupin, que vocês podem comprar pela internet: “O Mito do Colesterol”. Aliás, se você tiver um amigo ou familiar médico, seria um ótimo presente à qualquer um! http://www.blogdodrvictorsorrentino.com/2012/05/ovo-nunca-mais-tenha-duvidas-sobre-este.html?m=0
  13. A associação entre colesterol e alimentos gordurosos é imediata, mas a maior parte da substância é fabricada pelo nosso próprio organismo. O fígado, responsável pela produção de 75% do colesterol presente no sangue (os outros 25% vêm da alimentação), transforma a gordura saturada ingerida em LDL - uma lipoproteína de baixa densidade, que, em excesso, favorece o depósito de gordura nas artérias, o que aumenta risco de infarto, derrame e outras doenças cardiovasculares. Ele diminui ou até interrompe o fluxo de sangue para o coração e para o cérebro. Há estudos que mostram que LDL em excesso também aumenta o risco de desenvolver a doença de Alzheimer. Em níveis normais, o colesterol tem um papel essencial ao ajudar as células a trabalharem normalmente. Ele é o componente estrutural das membranas celulares em todo nosso corpo e está presente no cérebro, nervos, músculos, pele, fígado, intestinos e coração. Nosso corpo também usa o colesterol para produzir vários hormônios, vitamina D e ácidos biliares que ajudam na digestão das gorduras. Ele vira um problema quando está acima das taxas preconizadas. Sintomas do colesterol alto O colesterol alto não produz sintomas, mas isso não significa que ele não produza danos ao organismo. Ao longo do tempo, o colesterol ruim em excesso pode levar à formação de placas nas artérias. Conhecida como aterosclerose, a doença impede a passagem do sangue e pode levar a doenças cardíacas. A boa notícia é que o colesterol alto é facilmente detectado por exame de sangue e há várias formas de controlá-lo. Exame de colesterol Aos 20 anos, as pessoas devem checar seu colesterol a cada cinco anos. Após os 40 anos, é recomendada a realização de um check up anual para medir os níveis de colesterol HDL, LDL e colesterol e triglicérides. O exame que mede o perfil lipídico de cada um mostra os diferentes tipos de colesterol que circulam no sangue: o mau colesterol ou LDL, o bom colesterol ou HDL, o VLDL e os tiglicérides. O LDL, ou mau colesterol Por ser uma gordura, o colesterol não se mistura com o sangue, por isso, para ser transportado ele se junta a uma lipoproteína, que funciona como se fosse um o ônibus que transporta o colesterol por todo o nosso corpo. O LDL é responsável pelo transporte do colesterol do fígado para os tecidos. Apesar da fama de mau, é o LDL quem produz diferentes tipos de hormônios, vitamina D e ácidos biliares que ajudam na digestão das gorduras. Ele só vai ser nocivo quando estiver em excesso, ou seja, acima de 160 mg/dLUma dieta rica em gorduras saturadas e trans tende a aumentar os níveis do LDL, também chamado de mau colesterol. Para a maior parte das pessoas, um nível de LDL abaixo de 100 é considerado saudável, mas quem tem problemas cardiovasculares tem que ter níveis ainda mais baixos. Ele é responsável pelo depósito da gordura nas paredes das artérias e corresponde a cerca de 70% do total do colesterol em circulação. Quanto maior o LDL, maior o risco de problemas. O HDL, ou bom colesterol Mais de um terço do colesterol do sangue é carregado pelo HDL, que funciona como uma espécie de vassoura, pois limpa o LDL e triglicérides dos tecidos e vasos sanguíneos impedindo a formação de placas de gordura, a aterosclerose, principal causa de acidente cardiovascular. Gorduras saudáveis, como o azeite de oliva, e exercícios físicos ajudam a aumentar o HDL. Também chamado de "bom colesterol”, além de limpar o organismo, o HDL exerce funções antioxidantes e antiinflamatórias –suas moléculas protegem a parede dos vasos e impedem o surgimento das lesões que facilitam o depósito de gordura nas artérias. Descobriu-se ainda que ele também conta com poderes anticoagulantes, o que ajuda a evitar a obstrução arterial. Triglicérides O organismo transforma o excesso de calorias, açúcar e álcool em triglicérides, um tipo de gordura carregada no sangue e armazenada pelas células de gordura. Pessoas acima do peso, sedentárias, fumantes ou que bebem muito tendem a ter o triglicérides alto. O mesmo vale para os que comem muito carboidratos. Triglicérides acima de 150 predispõe ao risco de síndrome metabólica, associada a doenças cardíacas e diabetes. Colesterol Total É a soma dos níveis de LDL, HDL e VLDL (lipoproteína de baixíssima densidade) no sangue. O VLDL é um precursor do LDL. O colesterol total abaixo de 200 é considerado saudável. Acima disso, já há risco aumentado de doenças do coração. Colesterol proporcional Uma outra forma de medir o seu risco cardíaco é dividir o colesterol total pelo colesterol HDL. Por exemplo, um colesterol total de 200 dividido por um HDL de 50 dá uma proporação de 4 para 1. Os médicos recomendam manter essa proporção e não passar muito disso. Aliás, quanto menor a proporção, melhor estimating heart disease risk, it's not as important in guiding treatment. Doctors look at total cholesterol, HDL cholesterol, and LDL cholesterol to determine treatment. Colesterol na comida Alimentos ricos em colesterol, como ovos, camarões e lagosta já não são mais completamente proibidos. As pesquisas mostram que o colesterol proveniente da comida tem um efeito pequeno no colesterol total do sangue para a maioria das pessoas. Alguns “respondem” mais a esse colesterol e os níveis aumentam depois de uma refeição com ovos, por exemplo. Mas para a grande maioria, a grande vilã é a gordura saturada e a trans. O consumo diário aceitável é de 300 miligramas de colesterol por dia para pessoas saudáveis e 200 miligramas para os que tem risco de doenças cardíacas. Um ovo tem cerca de 200 miligramas de colesterol. Colesterol e histórico familiar Algumas pessoas herdam o gene que aumenta a produção de colesterol. Para outros, a alimentação é a culpada. Em muitos casos, o colesterol alto é resultado da combinação de dieta e genética. O que aumenta o seu risco? Fatores que predispõem ao aumento do colesterol: -- Dieta rica em gorduras saturadas e colesterol -- Histórico familiar de colesterol alto -- Estar acima do peso ou ser obeso -- Circunferência abdominal -- Histórico familiar de infarto: em homens abaixo de 55 e em mulheres abaixo de 65 -- Envelhecimento -- Fumar -- Ter diabetes Colesterol e as mulheres Até a menopausa, as mulheres costumam ter colesterol total mais baixo do que homens da mesma idade. Elas também têm níveis mais altos de HDL. Um dos motivos é o estrógeno – o hormônio sexual feminino aumenta o HDL, mas sua produção diminui na menopausa. Aos 55 anos, o risco de desenvolver colesterol alto aumenta entre as mulheres. Ataque ao colesterol alto O tratamento do colesterol visa aumentar os níveis de HDL e diminuir os de LDL. Quando os níveis estão um pouco acima do estipulado, o mais indicado é a mudança de hábitos alimentares e a adoção de exercícios físicos: essas medidas conseguem melhorar até 30% os níveis de colesterol. 1) Coma mais fibras A fibra solúvel presente em uma série de alimentos ajuda a reduzir o LDL. Pães integrais, cereais, aveia, frutas, frutas secas, vegetais e legumes são fontes ricas em fibras. 2) Evite gorduras Limite sua ingestão de gordura a 35% das calorias diárias. Fuja dos alimentos industrializados, ricos em gorduras trans, e de gorduras de origem animal e frituras em geral. 3) Escolha as proteínas certas Carne vermelha e leite integral são ricos em proteínas, mas são fonte de colesterol. Substitua por carnes magras, peixes ou proteína de soja. Recomenda-se comer peixes, ricos em ômega-3, ao menos duas vezes na semana. 4) Mantenha dieta de baixa ingestão de carboidratos Há evidências de que uma dieta com pouco carboidrato é melhor do que a com pouca gordura para melhorar os níveis de colesterol. 5) Perca peso Emagrecer também significa diminuir o triglicérides, o LDL e o colesterol total. 6) Pare de fumar Ao parar de fumar, o bom colesterol melhora em até 10%. 7) Pratique exercícios físicos Nos primeiros dois meses de exercícios aeróbicos, o HDL aumenta 5%. O ideal é fazer ao menos 30 minutos de corrida, bicileta, natação ou caminhada diariamente. Tratamentos 1) Remédios Nem sempre alimentação e exercícios são suficientes para baixar o colesterol, sobretudo se você tiver predisposição genética. Nesse caso, as estatinas costumam ser a primeira escolha para reduzir o LDL. Elas inibem a produção de colesterol no fígado. As estatinas conseguem reduzir os índices de LDL em até 50%. Se o HDL estiver muito baixo e a mudança de hábito não tiver surtido efeito, o paciente vai ter que tomar niacina, uma vitamina que aumenta a presença do HDL em até 25%. 2) Suplementos Alguns suplementos também ajudam a reduzir o colesterol. Entre eles: cápsulas de óleo de semente de girassol e de óleo de peixe DADOS -- 15% da população brasileira tem o colesterol (LDL) acima de 160 mg/dL -- 90% da população têm valores de LDL inadequados acima de 100 Para evitar acidentes cardiovasculares as pessoas devem estar atentas aos níveis de LDL e HDL no organismo. O ideal é manter o HDL sempre alto, acima de 40 mg/dL para os homens e acima 50 mg/dL para mulheres. Já o LDL deve estar abaixo de 130 mg/dL, sendo que o ideal é mantê-lo em torno de 100 mg/dL. Outro tipo de gordura que deve ser observada de perto, pois aumenta o risco de problemas cardíacos, é o triglicérides -- além de aumentar a gordura nas artérias, ele baixa a quantidade de HDL. Níveis de LDL recomendados pela Sociedade Brasileira de Cardiologia • Risco Altíssimo, pessoas que já tiveram infarto ou acidente cerebral vascular, derrame e portadores de diabetes devem ter o LDL menor que 70 mg/dL • Pessoas com risco baixo, ou seja, tem 10% de chance de ter infarto em 10 anos, LDL menor que 160 mg/dL • Pessoas com risco médio, ou seja, tem entre 10% e 20% chance de ter infarto em 10 anos, LDL menor que 130 mg/dL • Pessoas com risco alto, ou seja, mais de 20% chance de ter infarto em 10 anos, LDL menor que 100 mg/dL Risco altíssimo Você sofre de doença cardiovascular e apresenta um ou mais dos seguintes fatores de risco: ( ) Diabetes ( ) Tabagismo ( ) Múltiplos fatores para a síndrome metabólica, como triglicérides alto (200 ou mais), HDL baixo ( menor do que 40), hipertensão e obesidade ( ) Histórico de ataque cardíaco ou angina instável Risco baixo Você apresenta um (ou nenhum) dos fatores de risco: ( ) Hipertensão ( ) Tabagismo ( ) Obesidade ( ) Histórico familiar de doença cardiovascular precoce ( ) Colesterol elevado Risco moderado Você apresenta dois (ou mais) dos seguintes fatores de risco: ( ) Hipertensão ( ) Tabagismo ( ) Obesidade ( ) Histórico familiar de doença cardiovascular precoce ( ) Colesterol elevado Risco alto Você já sofreu doença cardiovascular e apresenta dois ou mais dos seguintes fatores de risco: ( ) Diabetes ( ) Hipertensão ( ) Tabagismo ( ) Obesidade ( ) Histórico familiar de doença cardiovascular precoce ( ) Colesterol elevado Os diferentes tipos de gorduras e sua ação nos níveis de colesterol: Saturadas: são aquelas que promovem o aumento dos níveis de colesterol. São encontradas principalmente nas gorduras das carnes, leite integral e seus derivados, biscoitos recheados, croissants, tortas, sorvetes cremosos, coco, gordura de coco e azeite de dendê. Polinsaturadas: são aquelas que não promovem o aumento do colesterol. São encontradas em alguns óleos vegetais (soja, milho, girassol) e margarinas cremosas, e estão presentes também na gordura de alguns peixes (cavala, arenque, truta, sardinha). Monoinsaturadas: são aquelas que não promovem o aumento do colesterol. São encontradas principalmente no azeite de oliva, óleo de canola, amendoim, avelã, nozes, castanha de caju e abacate. Gordura Trans: outro tipo de gordura que aumenta o colesterol. Os alimentos ricos em gordura trans são as margarinas de consistência dura, gorduras industriais utilizadas em preparações de sorvetes, chocolates, cremes, molhos prontos e algumas sobremesas cremosas e gordura hidrogenada utilizada para frituras. Colesterol: O colesterol presente nos alimentos interfere nos níveis de colesterol no sangue. Encontrado apenas em alimentos de origem animal. Para reduzir a ingestão de colesterol, deve-se diminuir o consumo de vísceras (fígado, miolo, miúdos), leite integral e seus derivados (queijo, manteiga, creme de leite), biscoitos amanteigados, croissants, folhados, sorvetes cremosos, embutidos (salsicha, lingüiça, bacon, torresmo, banha de porco), frios (presunto, salame, mortadela), pele de aves, frutos do mar (camarão, ostra, marisco, polvo, lagosta). 5 alimentos polêmicos com relação ao colesterol Chocolate – Antes considerado proibido ( ao leite, branco), mas hoje existe um grupo que pode ser consumido sem problemas. É o chocolate amargo, que tem substâncias antioxidantes protetoras ( flavonóides) Ovo – O ovo já foi muito condenado por conta dos níveis de colesterol na gema - 200 mg por gema ( consumo total indicado de colesterol por dia é de 300 mg). Ele foi considerado vilão antes pois acreditavam que o colesterol presente na gema poderia alterar o colesterol no sangue, porém o resultado de muitas pesquisas realizadas mostrou que o colesterol do ovo não estava relacionado ao colesterol que circula no sangue e pesquisas realizadas mostraram que o consumo de 1 unidade por semana não prejudica a saúde. É aconselhável alternar com fontes de proteína: carne, frango , peixe. Não dá para comer só ovo e deixar de lado essas fontes. Café – dependendo do modo que vc prepara o café, ele tem substância gordurosas no grão, você pode aumentar o colesterol, hj o recomendável é usar filtro ou coador. O expresso não é aconselhável, pois não barra as substâncias e o árabe também não é aconselhável. Abacate – a gordura dele foi considerada boa, monoinsaturada, a mesma presente no azeite de oliva, porém ele é bem calórico. Suco de berinjela – A berinjela não baixa colesterol, é um mito. Outros alimentos indicados para baixar o colesterol Suco de uva, vinho – Tem substâncias antioxidantes (flavonóides). Azeite – é uma gordura boa, mas é calórica. Obesos devem tomar cuidado pois 1 grama de gordura tem 9 calorias e 1 grama de carboidrato e proteína tem 4. Aveia em flocos , farelo – fibra solúvel - reduz colesterol – existem pesquisas que provam que a aveia é uma fibra solúvel que ajuda a reduzir o colesterol. Peixe, sardinha, salmão – ricos em ômega 3, um tipo de gordura que não aumenta o colesterol – uma das fontes principais é a sardinha que não é cara. Linhaça – Rica em Ômega 3 Nozes, amêndoas, amendoim, castanha – gordura boa, mas calóricas. Soja, leite de soja, sucos – Ricos em fibras e antioxidante - ajudam a reduzir o colesterol. fonte: http://www.drantoniosproesser.com/website/index.php/noticias/182-colesterol
  14. Queria saber se poderia usar sinvastatina para abaixar o colesterol dentro de um ciclo básico?
  15. e aí galera blz??? bom..eu senti a falta aqui no forum de uma tabela de referencia para o pessoal esta se guiando por ela a respeito do seu colesterol, circuferencia da cintura, gordura corporal, pressao arterial, indice de consumo de glicogenio, etc. entao, eu estarei colaborando com todos aqui..estou montando uma tabela para o pessoal estar se guiando melhor e saber o que se passa consigo mesmo ok? espero que gostem abçs e tamos aí Tabela de valores de glicemia, trigliceridios, colesterol, lípideos e frações Cassificação da pressao arterial e sanguínea em adultos Indice de massa corporal em adultos (IMC) (para aqueles que tem o IMC como referência é claro) Classificação da Relação entre a Cintura e o Quadril Classificação de percentual de gordura corporal, sobre peso, limites aceitáveis de gordura, etc.
  16. Esteroides anabolizantes orais produzem grandes reduções nas concentrações séricas de lipoproteína de alta densidade-HDL (colesterol bom). Nossa hipótese é que este efeito relacionado com a sua via de administração e não estava relacionado com a sua potência androgênica. Nós administrada Stanozolol oral (6 mg/dia) ou doses supra fisiológicas de enantato de testosterona intramuscular (200 mg/semana) a 11 levantadores de peso do sexo masculino durante seis semanas em um desenho cruzado. O Stanozolol reduziu o HDL-colesterol e a subfração HDL2 por 33% e 71%, respectivamente. Em contraste, a testosterona diminuiu a concentração de HDL-colesterol em apenas 9% e a diminuição foi na subfração HDL3. O nível de apolipoproteína A-I (principal componente proteico do HDL) diminuiu em 40% durante o uso de Stanozolol, mas apenas 8% durante o tratamento com testosterona. A concentração de colesterol de lipoproteína de baixa densidade-LDL (colesterol ruim) aumentou 29% com Stanozolol e diminuiu 16% com o tratamento com testosterona. Além disso, o Stanozolol aumentou a atividade hepática da pós-heparina triglicérides Lipase em 123% (a deficiência dessa enzima evolui com hipertrigliceridemia), enquanto a variação máxima durante a terapia com testosterona (+ 25%) não foi significativa. O ganho de peso foi similar com ambas as drogas, mas a testosterona foi mais eficaz na supressão de hormônios gonadotróficos. Conclui-se que os efeitos indesejáveis de lipoproteínas de esteroides 17-alfa-alquilados administrados por via oral são diferentes daquelas de testosterona parentérica (injetada) e que a testosterona pode ser preferível em muitas situações clínicas. Traduzido e adaptado de http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/2915439
  17. Oi galera ! Estou com uma serie de duvidas, oriundas de um cutting eterno em que estou (1 ano com dieta hipocalorica) Em janeiro de 2012 eu estava pesandoo 100kg, pura gordura sem massa magra. Entrei na academia e até 04/2012 eu perdi uns 10kg, sem dieta nem nada, só "cuidando". Ai parei de perder peso e gordura, eis que comecei a de fato a estudar melhor essa parte de nutrição e comecei a fazer dieta (um fisiculturista me mostrou o caminho inicial quando fui comprar suplemento). comer em 3/3horas, contar proteinas, carbos, gorduras e assim vai. Fiz alguma coisa ou outra errado em que fui ajustando, mas estava tendo resultados, até novembro de 2012 eu estava com 84kg. até ai show! Mas eu ainda estava com uma pança e nem perto de ver os ABS (12-13% de BF). Pois bem, de lá pra cá eu tenho intesificado a dieta, treinos. Porem os resultados pararam de vir. Minha dieta se baseia em 2g de carbo, 3g de proteina e 1 g de gordura por peso corporal. Isso dá um deficit de 500-600 calorias. FInal de semana sempre tem uma escapada e eu nao faço tantas refeicoes, geralmente sao umas 3/4 ! Entao resolvi ir a uma endocrinologista ( inicio de 04/2013), ver se tinha algo errado, pois eu estava mantendo o peso, sem perder gordura e sem ganhar massa. Fazendo uma dieta relativamente boa e treinando 4, 5, 6 vezes por semana, Aerobicos em jejum umas 3x por semana. Fiz o exames que ela solicitou, voltei la, ela simplesmente falou que está tudo certo e que a dieta estava boa e era pra continuar assim ! Ja um outro amigo meu, que faz dieta hipercalorica (oq ele come no almoço da mais do que como o dia inteiro de carboidrato), foi la e ela passou varias mandadas pra ele..que quer crescer mais Falou da tireoide e etc, ele até esta usando o Puran T4 e caralho a quatro, a mando dela. Diz que ela até sugeriu o uso de GH se ele quisesse e etc. Sendo que ele tem bem mais massa que eu e é mais seco (usn 9% de BF) Fiquei de cara com isso, pois pegamos dieta no mesmo nutricionista e fazemos o mesmo treino. pois bem, comecei a dar uma olhada nos exames (fazem 2 meses que fiz) e mesmo de lá pra ca nao tive mais resultados, achei alguns itens no minimo estranhos: Testosterona total (373,6 ng/dl - referencia 240 a 827 para homens adultos) Comparei com outros amigos que treinam serio, dieta e etc, nenhum deu abaixo de 650 ! Eu tenho 22 anos, mesmo estando dentro dos parametros essa TESTOSTERONA nao esta BEM BAIXA?! A diferença esta BEM grande. Colesterol HDL ( 40,7 mg/dl ) Assutei quando pesquisei na internet sobre este colesterol, pois 40mg ja é considerado deficiencia, e o colesterol tem relacao com a producao de testo certo? Colesterol total ( 123,8 ) - este está ok. Estou bem perdido pessoal, Já fiz uso de salbutamol no ano pasasdo, acabei de sair de um ciclo de ECA - A e mesmo assim a pança continua a mesma ! O Peso, o mesmo. Não é querer dar desculpas por nao conseguir resultados sabe? tanto que eu demorei mais de ano para ir num medico ver se tinha algo errado, mas sinto que alguma coisa nao está certo.
  18. Sendo o colesterol um esteroide de origem animal, por que dizem que devemos evitar frituras para evitarmos o colesterol, sendo a fritura feita com oleo vegetal, normalmente de soja?
×
×
  • Create New...