Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Pesquisar na comunidade

Resultados para as tags 'catabolismo'.

  • Buscar por Tags

    Digite tags (palavras-chave) separadas por vírgulas, não use hashtags (#).
  • Buscar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fórum

  • Suplementos Alimentares
    • Tópicos sobre suplementação
    • Relatos de uso de suplementos alimentares
  • Anabolizantes Esteroides
    • Tópicos sobre esteroides
    • Relatos de ciclos
  • Treinamento de Musculação
    • Tópicos sobre treinamento
    • Lesões musculares
    • Diário de treino
  • Nutrição Esportiva
    • Tópicos sobre nutrição
    • Relatos sobre dietas
  • Gente
    • Tópicos de evolução do shape
  • Assuntos Diversos
    • Tópicos diversos
  • Fãs do Ronnie Coleman's Tópicos

Calendários

  • Campeonatos de musculação
  • Cursos, palestras e feiras
  • Lives

Categorias

  • Esteroides
  • Suplementos
  • Treinamento
  • Nutrição
  • Gente
  • Diversos

Categorias

  • Esteroides
  • Suplementos
  • Treinamento
  • Nutrição
  • Gente
  • Diversos

Categorias

  • Aves
  • Bebidas
  • Carnes
  • Lanches
  • Legumes
  • Ovos
  • Massas
  • Peixes e Frutos do Mar
  • Saladas
  • Sobremesas

Categorias

  • Abdominal
  • Antebraço
  • Bíceps
  • Costas
  • Coxa
  • Glúteo
  • Lombar
  • Ombro
  • Panturrilha
  • Peito
  • Pescoço
  • Romboide
  • Trapézio
  • Tríceps

Pesquisar resultados em...

Pesquisar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    Fim


Data de Atualização

  • Início

    Fim


Filtrar por número de...

Data de registro

  • Início

    Fim


Grupo


Telefone Celular (WhatsApp)


Telefone Fixo


Interesses


Facebook


Instagram


YouTube


Twitter


Website


Tumblr


Série de Treinamento


Suplementação


Dieta Nutricional


Ciclos de Esteroides Anabolizantes & Drogas Afins


Academia


Altura


Peso


Percentual de Gordura

Encontrado(s) 9 registros

  1. O duelo constante entre anabolismo e catabolismo que define quem você será! O treinamento com pesos está sempre sujeito a novas avaliações, mudanças e modificações de conceitos, advindas de pesquisas científicas, e principalmente pelo antigo sistema de tentativa e erro, que consiste principalmente nos experimentos práticos de praticantes experientes, como os fisiculturistas. Neste sistema, uma das questões mais relevantes diz respeito à hipertrofia muscular, estratégias e sistemas de conquistar a hipertrofia desejada, métodos mais eficientes e potentes de aumentar o peso corporal advindo de massa muscular. Sendo assim, o Anabolismo Muscular ganha imensa importância, à medida que para promover o aumento de massa muscular, é preciso dominar as questões referentes a este fenômeno fisiológico. Do lado oposto, mas de igual ou maior importância, está o Catabolismo Muscular, responsável pela dificuldade em promover o anabolismo e a hipertrofia muscular. Anabolismo é a denominação relacionada à função metabólica de armazenamento, síntese, produção, construção e ganhos, tanto no que refere-se ao tecido muscular, quanto de qualquer outra estrutura tecidual. Catabolismo é exatamente o oposto, ou seja, é a função metabólica orgânica de degradação, desaminação, destruição, gastos e perdas, de qualquer dos tecido estruturais do corpo humano. O mais interessante é que ambos podem relacionar-se paralelamente, ou seja, ao mesmo tempo que uma estrutura pode estar sofrendo uma degradação, outra poderá estar sendo construída. Afinal, são liberações hormonais que modulam estes fenômenos, e temos a capacidade de possuir hormônios anabólicos e catabólicos, que garantem a perfeita sinergia metabólica de cada indivíduo, em situações específicas. Sendo assim, vale salientar que o Anabolismo e o Catabolismo se enfrentam continuamente, de maneira que sempre em alguma situação, em menor ou maior proporção, hormônios catabólicos estarão em atividade, promovendo a degradação protéica muscular ou lipídica, mesmo quando preconizamos a síntese e a construção. Entre estes hormônios, os mais relacionados com a hipertrofia muscular são o Hormônio do Crescimento Humano (hGH), o IGF-1, a Testosterona, a Insulina e o Cortisol. Alguns deles atuam especificamente de forma anabólica protéica, enquanto outros podem trabalhar a favor do anabolismo muscular e também no catabolismo lipídico. Em nossa análise, estamos comparando-os apenas de forma metabólica voltada para a estética corporal, mas nenhum deles está ai para deixar o corpo humano mais belo, musculoso ou definido. Se assim fosse, só teríamos glândulas capazes de produzir GH, Testosterona e Insulina. Então, nem sempre poderemos rotular um deles como vilão ou mocinho, pois ao mesmo tempo que poderá ser catabólico muscular, também poderá contribuir na oxidação de ácidos graxos livres, e até mesmo na digestão de macronutrientes à nível digestivo, ou promover a síntese muscular, paralelamente ao armazenamento de gordura. Mas o que interessa desta teoria fisiológica, para nós “leitores marombeiros”, é a parte relacionada à manipulação destes hormônios anabólicos e catabólicos, no que diz respeito à hipertrofia muscular, dificuldade construtiva, perdas de peso, força e massa magra, o sobretreinamento, o overtraining, o perfil antropométrico de cada praticante, os objetivos quando comparados a cada fase e tipo de treinamento, a escolha da dieta e suplementação, a modulação hormonal, entre outros fatores, relacionados intimamente com estes fenômenos metabólicos, mas que de maneira sucinta, não competem a este artigo. Como não possuímos a fórmula mágica necessária para promovermos apenas o anabolismo, cabe a cada bodybuiding ou profissional desta área, manipular o balanço metabólico, de maneira que possamos promover os fatores anabólicos, predominando sobre os fatores catabólicos. Esta manipulação compreende o Balanço Metabólico Positivo, resultando no ganho de peso corporal e na hipertrofia muscular. Uma maneira simples e inteligente de ter o anabolismo sempre favorável está no fato de manter um nível de glicemia normal, evitando quedas glicêmicas relacionadas à falta de ingesta regular, e liberações extremas e imediatas de insulina relacionadas à ingesta de carboidratos de alto índice glicêmico, que podem acarretar uma hipoglicemia ou choque insulínico. A insulina é um hormônio que deve sempre trabalhar a favor do anabolismo muscular, desde que seja liberada para transportar os nutrientes certos para os locais certos, como no momento pós treino. Ingestas freqüentes, em intervalos de no máximo três horas, com a presença de carboidratos complexos e de baixo índice glicêmico, favorecem a liberação gradual de insulina, mantendo regular a glicemia sanguínea e o nível de glicogênio muscular, além de evitar o armazenamento de carboidratos na forma de gordura. Ainda em relação a este hormônio anabólico, a estimulação de liberação no momento pós exercício, e o aproveitamento deste fato, são questões já bem conhecidas, garantindo por vezes a venda das suplementações usadas neste período. Em relação ao GH, vale ressaltar que não estamos discutindo suplementos pré-hormonais nem hormônios exógenos, e sim a liberação endógena natural deste hormônio. A ação do GH é em partes antagonista a ação da insulina, ou seja, em situações como hipoglicemia, a presença do GH na corrente sanguínea esta mais elevada, ao contrário da insulina. Estimular a hipoglicemia para colher os benefícios deste hormônio não é recomendado, mas em situações como a do sono profundo, a liberação deste já se apresenta mais elevada, favorecendo ao anabolismo proteico. Além do lado anabólico muscular, o GH também é um potente mobilizador de ácidos graxos livres, além de intervir positivamente no metabolismo dos carboidratos e lipídico, duas situações favoráveis à perda de gordura corporal. Quando relacionamos ação hormonal com treinamento com pesos, o mais tradicional dos hormônios é a Testosterona. Ele é o pai dos hormônios, sendo responsável pelas características sexuais masculinas, potencializando a síntese protéica e o gasto lipídico, apresentando como resultado a hipertrofia muscular e sua definição. Possuindo capacidades anabólicas e androgênicas diferenciadas dos demais hormônios, a testosterona é responsável pelo aumento de massa magra, formação óssea, aumento de libido e de energia, e função imunológica. As situações que mais prejudicam a liberação hormonal de testosterona são aquelas relacionadas ao treinamento, como o overtraining, falta de descanso, stress, dieta pobre em gorduras monoinsaturadas e ômega 3. A utilização de exercícios básicos e multiarticulares na rotina de treino, a aplicação de sobrecargas tensionais de alta intensidade, e a suplementação com tribulus terrestris, zinco, magnésio, vitamina B6 e vitamina C, são estratégias utilizadas com o propósito de aumentar o nível de testosterona livre total. O Cortisol é o hormônio mais odiado pelos bodybuiding e competidores do fisiculturismo. É conhecido como o vilão do anabolismo muscular, por tratar-se de um hormônio com características catabólicas. Ele é liberado em quantidades significativas em situações de stress físico e mental, em altas temperaturas, e em situações de desgaste extremo. Além de promover a degradação protéica, também é responsável pela oxidação de ácidos graxos livres, além de manter a glicemia sanguínea, fazendo neoglicogênese hepática, mesmo que às custas de tecido muscular. Como em muitas situações não podemos evitar a liberação hormonal deste, cabe a nós controlar ou precaver-se de seus efeitos, minimizando as proporções de seus malefícios relacionados à parte estética. Em relação ao treinamento, uma maneira simples de evitar os estragos do cortisol, está no fato de evitar treinos extensivos, ou seja, longos, com duração maior que uma hora. Estudo relacionados a esta variável mostram que o ideal seriam sessões com duração inferior a quarenta minutos, pois a partir deste momento, o ambiente interno é favorável ao catabolismo, pela maior liberação de cortisol. É claro que esta regra só vale para treinamentos intensos! Séries submáximas intervaladas com conversas, passeios e descanso de cinco minutos, nem com duração total de três horas estimulará a secreção de cortisol, até porque também não estará promovendo ganhos, ou seja, quem nada ganha, nada terá a perder. Outro fato comum são rotinas de treinamento que não privilegiam a total recuperação muscular entre estímulos, como treinar o mesmo grupo muscular freqüentemente, sem que este esteja totalmente recuperado e supercompensado. Esta é a situação estimulante para a instalação de um quadro de overtraining. E esta síndrome favorece a liberação constante de cortisol, que além de impedir os ganhos, promove as perdas indesejadas. Já em relação à alimentação, o fato de realizar uma refeição rica em proteínas e carboidratos ao acordar, assim como antes de dormir e pós treinamento, podem reduzir drasticamente as chances da presença catabólica de cortisol nestes horários críticos. A suplementação com aminoácidos isolados, de cadeia ramificada, glutamina e vitamina C são estratégias utilizadas para prevenir, evitar e minimizar o catabolismo. Sendo assim, o fato crucial está em promover o anabolismo e minimizar o catabolismo. As variáveis intervenientes mais comuns utilizadas, como a dieta e o treinamento, são em grande parte responsáveis pelo anabolismo muscular, mas que por vezes podem promover o armazenamento lipídico. Assim como situações que tem por finalidade o gasto calórico e lipídico, acabam por promover o catabolismo muscular como conseqüência. Por vezes, estratégias escolhidas para promover o anabolismo acabam mais por minimizar as perdas do que promover os ganhos, o que já é de certa forma muito vantajoso. Então torna-se cada vez mais importante dominar os fatores anabólicos e catabólicos que envolvem o treinamento, pois se situações catabólicas estiverem predominado sobre as anabólicas, todo e qualquer esforço de treinamento intensivo será prejudicial.
  2. Parei de crescer. Não ganho mais massa muscular. E agora? Quem já treina há muito tempo já deve ter feito esse questionamento em algum momento. Nos primeiros meses de treinamento o crescimento é excelente. Com o passar do tempo, os ganhos diminuem ou não ocorrem, mesmo com treinamento a todos gás e alimentação correta. O crescimento que se vivencia nas fases iniciais de treinamento nada mais é do que uma adaptação frente à demanda exigida pelos estímulos oferecidos nos treinos. Há uma espécie de “quebra” no equilíbrio fisiológico do organismo. Como repercussão, há adaptações que forçam a musculatura a se adequar a tal situação. Esse estado de equilíbrio fisiológico é chamado de homeostase, condição metabólica na qual o corpo tenta balancear da melhor forma a razão catabolismo/anabolismo. Vivemos o tempo todo em processo de homeostase, que é alheio à nossa vontade. Mas podemos revertê-lo a nosso favor, por metodologia adequada e inteligente. Lembre-se que, não raramente, o catabolismo é uma condição necessária para o anabolismo. Soa contraditório? Não é. É simples. Cite-se como exemplo a quebra da molécula de glicose. É necessário que haja uma reação catabólica para que se processe uma situação antagônica, ou seja, de anabolismo. A glicólise (quebra da glicose), embora uma reação notadamente católica, fornece a energia necessária para a síntese de outras substâncias, resultando numa situação anabólica. O treino físico consiste de uma série de reações eminentemente catabólicas (degradação de glicogênio, de aminoácidos, ácidos graxos, e assim por diante), que repercutem numa situação anabólica. O treinamento é um agente agressor. Provoca catabolismo. Logo, deve ser aplicado da forma mais consciente possível. Por exemplo, não treine quando estiver doente. Nessas condições, provoca-se enorme estresse que resulta mais em prejuízo do que em benefício. E o que isso tem a ver com quebra da homeostase e com a razão anabolismo/catabolismo? O treinamento continuado por longos períodos gera adaptação do organismo, e os estímulos deixam de funcionar como outrora. Isso é normal. O corpo sabe muito bem como se adaptar a situações de estresse, adequando-se rapidamente aos estímulos oferecidos pelo treinamento. Por isso, devem ser impostas mudanças constantes nesses estímulos. Essas mudanças são chamadas de periodização do treinamento. Periodizar nada mais é do que um gerenciamento planejado das variáveis de treinamento. Se o treino é realizado com determinada intensidade e volume, de forma condicionada e repetida, sem inovações e mudanças, por que então o organismo iria se adaptar? Nesse caso, o máximo que se obtém é a manutenção dos ganhos já alcançados. Para se impor um novo ritmo de ganho e crescimento, deve-se dar uma boa bagunçada na tal homeostase instalada. Aí que entra o principio da sobrecarga. Imagine músculos que estejam bem condicionados a uma carga específica. Eles se encontram em equilíbrio com a demanda, ou seja, em homeostase. Para que haja crescimento, ganho de mais massa muscular, deve-se “quebrar” novamente esse estado de equilíbrio. Daí a necessidade de periodização. Os estímulos não podem ser saturados. Há autores que classificam essa estagnação das aptidões obtidas em função do treinamento como fase de “platô”. Precisa-se mudar regularmente as cargas e repetições do treinamento, sua duração e freqüência, a fim de se renovar tais estímulos. Essa é a ideia geral da periodização. Como periodizar o treinamento? Deve-se mudar todo o esquema de treinos para evitar que os ganhos estacionem? Ou deve-se esperar o momento onde perceptivelmente não se consegue melhorar? Joe Weider, na década de 60, percebeu que a musculatura deixava de responder aos estímulos quando os treinos tendiam a se tornar repetitivos por longos períodos. Os atletas que faziam mudanças periódicas em suas planilhas de treinamento conseguiam manter o crescimento. Atletas que treinavam de modo repetitivo não obtinham bons progressos. Weider denominou este princípio de “confusão muscular”. Propôs mudanças na intensidade, volume e frequência de treinamento, bem como a ordem e combinação de exercícios, sempre que se atingisse uma certa saturação do estímulo. Muito se tem discutido sobre periodização do treinamento esportivo e, mais recentemente, sobre treinamento resistido. A periodização ondulatória, que é defendida pela maioria dos autores como a mais eficiente, propõe uma mudança muito mais freqüente e constante no treinamento. Ela reserva grandes semelhanças com o princípio de confusão muscular de Weider. Estipular mudanças na planilha de treinamento é algo que deve ser estabelecido de acordo com metas e objetivos pessoais. A comutação das variáveis deve ser coesa e inteligente. A “confusão” deve ser nos músculos, e não no cérebro do atleta. A recomendação é se espelhar no treinamento dos bodybuilders profissionais, ótimo exemplo de periodização. Fisiculturistas costumam possuir uma metodologia de treinamento bastante simples. Dividem um ano ou semestre (macrociclo) em fases. A fase maior (macrociclo) é dividida em fases menores de algumas semanas a meses (mesociclos) visando ao ganho de força e potência (período de base), à construção muscular (período de hipertrofia, mesociclo que basicamente pode ser dividido em tensional ou metabólico) e à definição muscular (mesociclo correspondente à fase de período específico). Os microciclos podem ser inseridos nos mesociclos, como por exemplo: período de choque, transição, e assim por diante. A periodização é inútil se não houver um plano nutricional condizente. A ingesta calórica deve, obrigatoriamente, ser compatível com as fases de treinamento, exatamente com ocorre no bodybuilding profissional. Não faz sentido contar calorias na fase de treinamento direcionada para o crescimento muscular. Tampouco não se pode empanturrar de comida na fase de definição. Alimentação adequada a cada ciclo de treinamento é fator FUNDAMENTAL para se lograr êxito. Estabeleça objetivos, trace períodos de forma coerente com a sua realidade. Compreenda que rotina de treinamento é apenas uma força de expressão. Ainda que o treinamento pareça repetitivo, fixe metas e avance um pouco mais em cada sessão de treinamento, de acordo com a aptidão desejada. Sempre haverá um nível mais alto a ser alcançado. Para conquistá-lo, valha-se de inteligência, determinação e destreza.
  3. Bom, como alguns q ja leram meus topicos anteriores, ja sabem q quero , digamos, "retroceder" (voltar ao meu corpo- ao que era ou pelo menos perto disso) depois de 1 ano e meio de musculacao (treinava 3 a 5 x semana rigidamente para hipertrofia) . Passei de 70 kg para 97 com ajuda de suplementos (whey, albumina, aminofluid, malto, hipercalorico) e fiz dois ciclos (primeiro com winstrol X deca) depois com dura X winstrol. Ganhei muuuuiittaa massa muscular e tambem gordura nesse ano e meio . Desde começo de abril venho tentando, entao, catabolizar (perder os musculos adquiridos) para voltar a ser o frango q era sem musculos e magro (sem definicao tambem, ou seja , uma capinha de gordura pelo corpo , mas sem ser gordo) . Tudo isso para fazer um papel em uma nova novela brasileira que estréia em novembro (PORFAVOR, EDUCADAMENTE PEÇO AQUI QUE NÃO ENTREM EM JULGAMENTO DE VALORES ... Cada um faz o que quer, e o tópico não é pra discutir se isso vale a pena ou não, mas sim pra tratar do que realmente o fórum conhece... A questão do físico. Educadamente, mais uma vez, dispenso comentarios do tipo "Otário", "Você é retardado?", já que muitas pessoas tem uma linha de raciocinio muito limitada e como gostam de musculação - o q é um direito de vcs - acham que músculos são a própria vida) . Bem , dito isso, vamos ao que interessa: Atualmente estou com 74.5 Kg já a umas duas semanas (perdi até agora 22 kilos por aí) em quase 4 meses a base de dieta severa e aerobicos diarios. Mas meu corpo ta definido ainda e se ve muito os musculos principalmente do peitoral, ombros, trapezio, "asa" q se formou nas costas e costelas. Será q não conseguirei perder mais q isso ? Digo catabolizar esses resquicios de musculos, muitos ainda bem evidentes ? sera q se emagrecer mais (mesmo sem comer quase nada de proteina e sem praticar NADA anaerobico) vou ficar cada vez mais definido(sem gordura) e com musculo ? Ou com o tempo esses musculos vao se denegrindo pela falta de trabalho de musculacao ? Obrigado...É isso;
  4. Olá, Sei que esse título pode parecer incoerente para a maioria deste forum, mas é verdade. Sou ator já há algum tempo. Nunca fui praticante de atividade físicas e nem musculação, tive sempre um corpo magro e sem definição (tinha 1.82m , 67 kg). Em 2001, com meus 19 anos comecei a malhar pesadoporque foi precisopara minha carreira de ator. malhei pesado durante uns 6 meses, tomando sempre WHEY, ALBUMINA, CREATINA, MALTO, as vezes AMINO 2222 e devido à pressa de adquirir musculos para compromissos profissionais, tomei anabolizantes. Com 6 meses de treinamento, fiz um ciclo de 8 semanas com DECA DURABOLIN (50-100-150-150-200-200-200-150-150mg) com WINSTROL (50-100-100-150-200-200-150-150mg). Ganhei peso. Aí já estava com uns 79 kg, nofinal de 2001. Querendo (e precisando mais) malhei mais uns 7 meses e fiz meu segundo ciclo com DURATESTON (750mg/semana) com WINSTROL (dsdn) por 8 semanas. Sempre suplementando com os citados produtos protéicos inclusive hipercalóricos q usei durante muitos meses seguidos. Março de 2004 estava eu com 97 kg, bastante volume, média definição, gordura e músculos. Era o que eu precisava até então para meus trabalhos como ator. Em abril deste ano recebi uma proposta para testes de uma nova novela brasileira que iniciará suas filmagens em novembro deste ano. Passei no teste quanto minha interpretação. O único problema era o corpo: para o papel, necessito estar com o corpo de um meninomais novo, quase sem definição e sem massa também. resumindo: preciso basicamente voltar ao que eu era antes da malhação ... Meus 1.82 e novamente uns 70 quilos. Comecei então o processo de catabolização urgente: pouca proteína, muita atividade aeróbica, nada de musculação e dieta rigida. Agora (junho de 2004) me encontro com 76 kg, uma definição mediana (queria menos definição ainda - corpo de moleque novamente), muitas estrias (inevitável, ams sem problemas). Mas ainda quero alcançar meus obketivos .... Minhas questões são : - conseguirei voltar a minha forma natural pré-musculação ou os esteróides causam mudanças irreversiveis no corpo ? (Tipo meu pescoço estava bem grosso já afinei, ams quero mais fino - meus deltóides ainda se encontram um pouco elevados, queria diminui-los mais ainda - criei um pouco o aspecto de "asas" nas costas e ainda possuo um pouco, meus braços em ecrtas posições (tipo cruzando os braços) ainda se encontram um pouco grossos - minha cintura engrossou um pouco , sempre tive cintura um pouco fina .... PS: Não gostaria de tomar termogenicos pelo efeito de definição que eles proporcionam .... Acho q meus musculos pdoem vir mais em evidencia com a ingestao destes .... prefiro uma aparencia mais "natural" sem definição ... Concordam ? Conseguirei voltar ao normal ou isso é uma realidade remota??? O q mais necessito fazer para facilitar o processo ? Tentei ser breve , e busco ajuda ... Obrigado mesmo ! Carlos Alberto.
  5. Pessoal é o seguinte, eu treino para hipertrofia muscular 6 vezes na semana (2x ABC) sendo que ultimamente eu estou levando quase duas horas para terminar cada treino devido ao excesso de pessoas que entraram na academia nessa epóca. A minha dúvida é a seguinte. Treinando de segunda a sábado quase duas horas por dia e no domingo jogando futebol na praia durante 1h e 30min pode causar a perca de massar muscular?
  6. Pessoal, Sei que o questionamento pode ser besta, mas juro que quanto mais leio, mais confuso fico hehe Tem muito material divergente em várias fontes, mas é claro que tenho buscado sempre as dicas do pessoal daqui Mas enfim, já li falando que quando se treina sem malto, há uma degradação do músculo considerável. Não lembro o percentual, mas falava tipo 15% de quebra sem malto e 3% com malto..algo assim, bem significativo. Por outro lado, também li que ingerindo a malto, aumenta consideravelmente a insulina, o que também não seria bom pro crescimento. Então me perdoem a ignorância, mas como posso otimizar os resultados com a suplementação abaixo? Meu treino é assim: durante o dia bastante proteina e refeições/lanches a cada 3 horas. Creatina as 20:30h ( no intervalo da facul) Malto durante o treino Pós treino com whey + glicina + glutamina + albumina Após o treino tomo o shake imediatamente, depois banho e sono. Ajudem ai, por favor!
  7. Esse catabolismo é proteico ou de hidratos de carbono?
  8. ola pessoal do forum boa tarde, estou com uma duvida eu ja dei uma lida em topicos anteriores, ja li em outros sites e forum mas acho que e uma pergunta pouco comun que ainda nao foi levantada, eu ainda nao fiz uso de esteroides anabolizantes, e por vezes, tenho de parar de treinar, pois, sou policial militar. Minha escala de trabalho atrapalha meu treino, ou seja, perco muito do que ganhei em volume e força. Então me perguntei: dizem que quem toma esteroides anabolizantes ganha, mas se por um motivo tiver que parar, perde tudo que ganhou. Mesmo fazendo tpc, o que é normal, ja que o corpo cataboliza, mesmo se vc nao treina (e esse é o grande motivo de eu ainda nao ter tomado esteroides). Mas ai eu pensei se eu sem tomar anabolizantes perco muita força e volume muscular, vou tomar logo de uma vez certo? Só tem um porém. Quando eu paro de treinar perco tudo, catabolismo ok, mas em 2 meses de treino eu ja recupero minha forma forçA volume etc. Gostaria de saber se isso é possivel quando se toma anabolizantes, se é possivel retornar a forma sem fazer um novo ciclo (ja que nao quero fazer muitos ciclos e nem tomar muitas doses ) que ja possou por essa situacao ou sobre responder eu agradeço.
  9. Meio estranho esse tópico mas é algo chato, fiz meu primeiro ciclo e me esbarrei no famoso problema de a mulher avacalhar meu ciclo. Comecei decolando 5 quilos em 2 semanas... mas aí meu relacionamento começou a avacalhar... e na quarta semana... lá se foram meus ganhos. No final da oitava semana (fim do ciclo) cheguei a 8kg de ganho de massa apenas. Quer ciclar? arrume tempo e esqueça caso tenha relacionamento meia boca... se fosse um relacionamento firme talvez nem teria tido esse problema. Era uma peguete. Acredito firmemente que a libido alta me fez prender mais tempo ainda indo atrás dessa pessoa, que por sinal.. eu não me importo assim. A testosterona meche com a cabeça. Acho que eu não queria ficar sem sexo. Se esses 8 kgs vão se manter? Não sei. Mas não está nem perto do que eu poderia ter ganhado, visto que mais da metade do meu ciclo foi abalado por psicológico focado na mulher. Ainda acho que por ter despertado mais desejo e essa fixação por ela, posso até ter um pouco apaixonado pela pessoa. Eh,... aqui está a comprovação que a testosterona tem tudo haver com sexo. Relacionamento meia boca durante ciclo... pule fora que é cilada!!!!! O mesmo aconteceu um colega meu, que está muito revoltado com o grande investimento de um ciclo caro perdido!!! E vocês, já rolou isso?
×
×
  • Criar novo...