Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Pesquisar na comunidade

Resultados para as tags 'homeostase'.

  • Buscar por Tags

    Digite tags (palavras-chave) separadas por vírgulas, não use hashtags (#).
  • Buscar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fórum

  • Suplementos Alimentares
    • Tópicos sobre suplementação
    • Relatos de uso de suplementos alimentares
  • Anabolizantes Esteroides
    • Tópicos sobre esteroides
    • Relatos de ciclos
  • Treinamento de Musculação
    • Tópicos sobre treinamento
    • Lesões musculares
    • Diário de treino
  • Nutrição Esportiva
    • Tópicos sobre nutrição
    • Relatos sobre dietas
  • Gente
    • Tópicos de evolução do shape
  • Assuntos Diversos
    • Tópicos diversos
  • Fãs do Ronnie Coleman's Tópicos

Calendários

  • Campeonatos de musculação
  • Cursos, palestras e feiras
  • Lives

Categorias

  • Esteroides
  • Suplementos
  • Treinamento
  • Nutrição
  • Gente
  • Diversos

Categorias

  • Esteroides
  • Suplementos
  • Treinamento
  • Nutrição
  • Gente
  • Diversos

Categorias

  • Aves
  • Bebidas
  • Carnes
  • Lanches
  • Legumes
  • Ovos
  • Massas
  • Peixes e Frutos do Mar
  • Saladas
  • Sobremesas

Categorias

  • Abdominal
  • Antebraço
  • Bíceps
  • Costas
  • Coxa
  • Glúteo
  • Lombar
  • Ombro
  • Panturrilha
  • Peito
  • Pescoço
  • Romboide
  • Trapézio
  • Tríceps

Pesquisar resultados em...

Pesquisar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    Fim


Data de Atualização

  • Início

    Fim


Filtrar por número de...

Data de registro

  • Início

    Fim


Grupo


Telefone Celular (WhatsApp)


Telefone Fixo


Interesses


Facebook


Instagram


YouTube


Twitter


Website


Tumblr


Série de Treinamento


Suplementação


Dieta Nutricional


Ciclos de Esteroides Anabolizantes & Drogas Afins


Academia


Altura


Peso


Percentual de Gordura

Encontrado(s) 3 registros

  1. Parei de crescer. Não ganho mais massa muscular. E agora? Quem já treina há muito tempo já deve ter feito esse questionamento em algum momento. Nos primeiros meses de treinamento o crescimento é excelente. Com o passar do tempo, os ganhos diminuem ou não ocorrem, mesmo com treinamento a todos gás e alimentação correta. O crescimento que se vivencia nas fases iniciais de treinamento nada mais é do que uma adaptação frente à demanda exigida pelos estímulos oferecidos nos treinos. Há uma espécie de “quebra” no equilíbrio fisiológico do organismo. Como repercussão, há adaptações que forçam a musculatura a se adequar a tal situação. Esse estado de equilíbrio fisiológico é chamado de homeostase, condição metabólica na qual o corpo tenta balancear da melhor forma a razão catabolismo/anabolismo. Vivemos o tempo todo em processo de homeostase, que é alheio à nossa vontade. Mas podemos revertê-lo a nosso favor, por metodologia adequada e inteligente. Lembre-se que, não raramente, o catabolismo é uma condição necessária para o anabolismo. Soa contraditório? Não é. É simples. Cite-se como exemplo a quebra da molécula de glicose. É necessário que haja uma reação catabólica para que se processe uma situação antagônica, ou seja, de anabolismo. A glicólise (quebra da glicose), embora uma reação notadamente católica, fornece a energia necessária para a síntese de outras substâncias, resultando numa situação anabólica. O treino físico consiste de uma série de reações eminentemente catabólicas (degradação de glicogênio, de aminoácidos, ácidos graxos, e assim por diante), que repercutem numa situação anabólica. O treinamento é um agente agressor. Provoca catabolismo. Logo, deve ser aplicado da forma mais consciente possível. Por exemplo, não treine quando estiver doente. Nessas condições, provoca-se enorme estresse que resulta mais em prejuízo do que em benefício. E o que isso tem a ver com quebra da homeostase e com a razão anabolismo/catabolismo? O treinamento continuado por longos períodos gera adaptação do organismo, e os estímulos deixam de funcionar como outrora. Isso é normal. O corpo sabe muito bem como se adaptar a situações de estresse, adequando-se rapidamente aos estímulos oferecidos pelo treinamento. Por isso, devem ser impostas mudanças constantes nesses estímulos. Essas mudanças são chamadas de periodização do treinamento. Periodizar nada mais é do que um gerenciamento planejado das variáveis de treinamento. Se o treino é realizado com determinada intensidade e volume, de forma condicionada e repetida, sem inovações e mudanças, por que então o organismo iria se adaptar? Nesse caso, o máximo que se obtém é a manutenção dos ganhos já alcançados. Para se impor um novo ritmo de ganho e crescimento, deve-se dar uma boa bagunçada na tal homeostase instalada. Aí que entra o principio da sobrecarga. Imagine músculos que estejam bem condicionados a uma carga específica. Eles se encontram em equilíbrio com a demanda, ou seja, em homeostase. Para que haja crescimento, ganho de mais massa muscular, deve-se “quebrar” novamente esse estado de equilíbrio. Daí a necessidade de periodização. Os estímulos não podem ser saturados. Há autores que classificam essa estagnação das aptidões obtidas em função do treinamento como fase de “platô”. Precisa-se mudar regularmente as cargas e repetições do treinamento, sua duração e freqüência, a fim de se renovar tais estímulos. Essa é a ideia geral da periodização. Como periodizar o treinamento? Deve-se mudar todo o esquema de treinos para evitar que os ganhos estacionem? Ou deve-se esperar o momento onde perceptivelmente não se consegue melhorar? Joe Weider, na década de 60, percebeu que a musculatura deixava de responder aos estímulos quando os treinos tendiam a se tornar repetitivos por longos períodos. Os atletas que faziam mudanças periódicas em suas planilhas de treinamento conseguiam manter o crescimento. Atletas que treinavam de modo repetitivo não obtinham bons progressos. Weider denominou este princípio de “confusão muscular”. Propôs mudanças na intensidade, volume e frequência de treinamento, bem como a ordem e combinação de exercícios, sempre que se atingisse uma certa saturação do estímulo. Muito se tem discutido sobre periodização do treinamento esportivo e, mais recentemente, sobre treinamento resistido. A periodização ondulatória, que é defendida pela maioria dos autores como a mais eficiente, propõe uma mudança muito mais freqüente e constante no treinamento. Ela reserva grandes semelhanças com o princípio de confusão muscular de Weider. Estipular mudanças na planilha de treinamento é algo que deve ser estabelecido de acordo com metas e objetivos pessoais. A comutação das variáveis deve ser coesa e inteligente. A “confusão” deve ser nos músculos, e não no cérebro do atleta. A recomendação é se espelhar no treinamento dos bodybuilders profissionais, ótimo exemplo de periodização. Fisiculturistas costumam possuir uma metodologia de treinamento bastante simples. Dividem um ano ou semestre (macrociclo) em fases. A fase maior (macrociclo) é dividida em fases menores de algumas semanas a meses (mesociclos) visando ao ganho de força e potência (período de base), à construção muscular (período de hipertrofia, mesociclo que basicamente pode ser dividido em tensional ou metabólico) e à definição muscular (mesociclo correspondente à fase de período específico). Os microciclos podem ser inseridos nos mesociclos, como por exemplo: período de choque, transição, e assim por diante. A periodização é inútil se não houver um plano nutricional condizente. A ingesta calórica deve, obrigatoriamente, ser compatível com as fases de treinamento, exatamente com ocorre no bodybuilding profissional. Não faz sentido contar calorias na fase de treinamento direcionada para o crescimento muscular. Tampouco não se pode empanturrar de comida na fase de definição. Alimentação adequada a cada ciclo de treinamento é fator FUNDAMENTAL para se lograr êxito. Estabeleça objetivos, trace períodos de forma coerente com a sua realidade. Compreenda que rotina de treinamento é apenas uma força de expressão. Ainda que o treinamento pareça repetitivo, fixe metas e avance um pouco mais em cada sessão de treinamento, de acordo com a aptidão desejada. Sempre haverá um nível mais alto a ser alcançado. Para conquistá-lo, valha-se de inteligência, determinação e destreza.
  2. Dá-se o nome de dia do lixo para aquele dia em que você tira livre da dieta. Nele você pode ingerir o que você gosta, ou seja, faz-se a dieta por 6 dias e em apenas um dia come-se de tudo o que você gosta, tira-se férias da dieta. Isso não vai atrapalhar sua dieta? Durante uma dieta muito rigorosa os níveis de leptina (agente regulador de fome e metabolismo do organismo) caem, com isso, você queima menos calorias. Outra reação do organismo é a homeostase, que ocorre com o organismo devido à manutenção da mesma dieta por muitos dias. Portanto, é recomendado que em um dia da semana se aumentem as calorias da dieta em torno de 25 a 50% e duplique-se a ingestão de carboidratos. Aí você pensa: "então eu posso ingerir pizzas, sorvetes, doces e outras guloseimas?". Errado!! Essa ingestão calórica majorada deve ser de "carboidratos bons", de baixo índice glicêmico (macarrão e arroz integrais, batata doce, etc).Ocorre que quando eu uso os carboidratos provenientes de "lixos" como doces, pizzas, chocolates e outros de alto índice glicêmico, a insulina sobe em picos, inibindo o fator de crescimento IGF-1. Por consequência, há diminuição da síntese protéica muscular e tendinosa, comprometendo-se a manutenção de massa muscular. Uma refeição ruim apenas ferra a dieta inteira? Sim! Apenas um pequeno erro e você ferra sua semana toda! "Então eu não posso comer nada, tenho que parar de viver?". Isso depende do seu objetivo. É lógico que uma pessoa que nunca fez uma dieta e vai iniciar a sua primeira experiência não deve cortar tudo drasticamente. Caso contrário, tal pessoa fará a dieta uma semana no máximo e não vai dar conta de continuar seguindo a rigidez nutricional. Nesses casos, começa-se liberando-se duas refeições livres, de preferência no final de semana, e no meio do dia. Isso evita picos de insulina à noite, o que prejudica a liberação de GH. Aos poucos a dieta deve ser mais restritiva, liberando-se uma refeição "lixo" por semana, até que o sujeito se adapte e aprenda que não há necessidade de "lixos" para se viver bem. Melhor a felicidade de refeições cheias de porcaria ou a felicidade em exibir na praia um físico esbelto? Vamos enumerar algumas dicas para você não sentir necessidade de fazer o "dia do lixo": 1ª dica: corte açúcar e doces, pois estes farão sua insulina subir e seus níveis de IGF-1 cairem; 2ª dica: evite o uso de álcool (qualquer tipo é ruim e estraga a sua dieta) devido à liberação de insulina por ele gerada. Li uma vez em um artigo do Dr. Paulo Muzy que muitas vezes você não fica tonto pelo álcool ingerido, mas sim pela hiper-resposta à insulina; 3ª dica: evite o uso de refrigerantes, e isso quer dizer todos, inclusive os zero e light. Além do alto teor de sódio (que causa retenção de líquidos), essas bebidas contêm aspartame (que segundo estudos aumentam a gordura visceral); 4ª dica: evite o uso de leites e derivados, pois segundo estudos a biodisponibilidade (capacidade de absorção pelo organismo) do leite é muito pequena. É muitíssimo baixa a absorção do cálcio presente no leite; 5ª dica: no desespero para perder peso rapidamente, o sujeito passa a ficar em torno de 3 a 4 hs na academia, e isso é incorreto, pois após os 40 minutos iniciais de exercícios o corpo baixa a taxa de testosterona e inicia o aumento do cortisol (hormônio catabólico), que consome sua massa magra; 6ª dica: controle seu final de semana, deixe seu corpo descansar, afinal, seus músculos hipertrofiam na recuperação. Não fique sem se alimentar, faça as refeições corretamente e nos horários corretos, e não use os carboidratos incorretos ou de forma incorreta, pois a insulina poderá destruir tudo; 7ª dica: não use suplementos como refeição, procure se alimentar com alimentos sólidos, use-os apenas nos horários corretos, pois eles são complementos e não alimentos. Alguns contêm carbos de alto índice glicêmico e há horários corretos para serem consumidos, de modo que não façam a insulina novamente subir inadequadamente e te atrapalhar mais uma vez. Agora vamos dar um exemplo do que um "dia do lixo" pode fazer em sua dieta: Num treino de musculação de alta intensidade por 1 hora se gasta em torno de 300 a 400 calorias. Realizado tal treino por 5 vezes na semana, o gasto calórico semanal girará em torno de 1.500 a 2.000 calorias. Agora veja a destruição do "dia do lixo": 1 fatia de pizza de queijo = 400 calorias. 5 fatias destroem sua semana; 1 dose de vodka ou whisky = 240 calorias por dose (isso sem contar a liberação da insulina mencionada antes); 1 energético = 110 calorias; 1 coca cola lata de 350ml = 137 calorias; Some as calorias "vazias" (sem valor nutricional) ingeridas num "dia do lixo" e tire suas próprias conclusões. Ele destrói facilmente a sua dieta, além de gerar picos de insulina supressores do estado anábolico. Abraço a todos e até a próxima.
  3. Então pessoal, beleza? Costumo acompanhar o fórum aqui em off mas agora criei vergonha na cara e criei um perfil hehe. Idade: 20 anos. Tempo de Treino: 1 ano e meio. Ciclos: Nenhum (0 de experiencias com hormônios/PH's e etc). Objetivo do ciclo: Ganhos limpos se possível. Altura: 1,70 Peso: 72 kg BF: uns 12~13% Pretendo adquirir um enantato de testosterona de 10mls cuja concentração é 300mg/ml. Fiquei pensando então qual seria a melhor forma de utiliza-lo. Aqui vai o protocolo: 1-5 Enantato 450mg/semana 6-6 Enantato 750mg 6-8 Diana 50mg/dia Os meus níveis de testo durante o ciclo ficariam o seguinte: Day 1: 450mg T, 0mg E/D/T (450mg) Day 2: 407.6mg T, 0mg E/D/T Day 3: 369.2mg T, 0mg E/D/T Day 4: 334.3mg T, 0mg E/D/T Day 5: 302.8mg T, 0mg E/D/T Day 6: 274.3mg T, 0mg E/D/T Day 7: 248.4mg T, 0mg E/D/T Day 8: 675mg T, 0mg E/D/T (450mg) Day 9: 611.4mg T, 0mg E/D/T Day 10: 553.8mg T, 0mg E/D/T Day 11: 501.5mg T, 0mg E/D/T Day 12: 454.2mg T, 0mg E/D/T Day 13: 411.4mg T, 0mg E/D/T Day 14: 372.6mg T, 0mg E/D/T Day 15: 787.5mg T, 0mg E/D/T (450mg) Day 16: 713.3mg T, 0mg E/D/T Day 17: 646.1mg T, 0mg E/D/T Day 18: 585.1mg T, 0mg E/D/T Day 19: 529.9mg T, 0mg E/D/T Day 20: 480mg T, 0mg E/D/T Day 21: 434.7mg T, 0mg E/D/T Day 22: 843.8mg T, 0mg E/D/T (450mg) Day 23: 764.2mg T, 0mg E/D/T Day 24: 692.2mg T, 0mg E/D/T Day 25: 626.9mg T, 0mg E/D/T Day 26: 567.8mg T, 0mg E/D/T Day 27: 514.3mg T, 0mg E/D/T Day 28: 465.8mg T, 0mg E/D/T Day 29: 871.9mg T, 0mg E/D/T (450mg) Day 30: 789.7mg T, 0mg E/D/T Day 31: 715.3mg T, 0mg E/D/T Day 32: 647.8mg T, 0mg E/D/T Day 33: 586.7mg T, 0mg E/D/T Day 34: 531.4mg T, 0mg E/D/T Day 35: 481.3mg T, 0mg E/D/T Day 36: 886mg T, 0mg E/D/T (750mg) Day 37: 802.4mg T, 0mg E/D/T (INICIO DIANA 50mg/DIA) Day 38: 726.8mg T, 0mg E/D/T Day 39: 658.2mg T, 0mg E/D/T Day 40: 596.2mg T, 0mg E/D/T Day 41: 540mg T, 0mg E/D/T Day 42: 489.1mg T, 0mg E/D/T Day 43: 443mg T, 0mg E/D/T Day 44: 401.2mg T, 0mg E/D/T Day 45: 363.4mg T, 0mg E/D/T Day 46: 329.1mg T, 0mg E/D/T Day 47: 298.1mg T, 0mg E/D/T Day 48: 270mg T, 0mg E/D/T Day 49: 244.6mg T, 0mg E/D/T Day 50: 221.5mg T, 0mg E/D/T Day 51: 200.6mg T, 0mg E/D/T Day 52: 181.7mg T, 0mg E/D/T Day 53: 164.5mg T, 0mg E/D/T Day 54: 149.1mg T, 0mg E/D/T Day 55: 135mg T, 0mg E/D/T Day 56: 122.3mg T, 0mg E/D/T Day 57: 110.8mg T, 0mg E/D/T Day 58: 100.3mg T, 0mg E/D/T (INICIO TPC) Day 59: 90.8mg T, 0mg E/D/T Day 60: 82.2mg T, 0mg E/D/T Essa ultima aplicação de enan é pra fechar com a quantidade total. A TPC acredito que 20mg de tamoxifeno por algumas semanas já seriam suficientes. Pequenas doses de HCG intra ciclo acho que não é necessário pois o ciclo é curto e não possui nenhuma droga "pesada" vamos dizer assim. De proteção durante o ciclo só o tamox e algum IA para o caso de muita retenção. Como ainda não comecei nada (nem mesmo comprei as drogas), possibilidades de mudanças no protocolo, novas drogas e etc também são bem vindas. É isto. Se caso falei alguma merda ai pode criticar HUAHUHAHUA. Valeu e bons treinos!
×
×
  • Criar novo...