Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

HGH, ALGUÉM PODE AJUDAR?


ffkraemer
 Compartilhar

Post Destacado

Vou iniciar um ciclo de HGH INJETÁVEL (Eutropin). Vou tomar 10 ampolas, 4 Ui por semana.

Recebi algumas recomendações, mas, quero algumas da galera do fórum que eu sei que é entendida no assunto.

Bom, eu soube que se eu comer doce ou porcarias do tipo durante o tratamento, posso ficar diabético. Quero saber se devo usar mais alguma coisa junto. O que não devo comer? Essa marca é boa mesmo??

Por favor, tudo que souber a respeito, se puder, poste aqui. Um grande abraço!

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Bom mano existem vários tipos de gh como o norditropin, sumatrope e o eutropin e por Æ vai.

Essas ampolas que vc. comprou são de 4ui bastante forte, por tanto tem que ser guardado na geladeira e não em ambiente fechado.

Para ter um aproveitamente melhor desta droga é administrado com insulina regular fazendo aplicações tanto localizadas como intramusculares, a diferença que a localizada chega mais rápido na corrente sanguinea.

Bom cara não conheço ninguém que tomou gh comeu doce e ficou diabetico pois a insulina baixa a taxa de glicose do sangue.

Por tanto manera nas porcarias ingeridas.

Agora as dosagens não sei ti especificar diárias mas se não me engano é tomado 3 vezes por semana 1 ml dia sim e não, e prepare o bolso pois vc. vai ter que tomar bastante pois não é são 10 ampolas que fará efeito e sim uma grande quantidade dessa droga.

E terá que fazer ciclo com essa droga se quiser ter beneficios dependendo dela.

Ou seja todos os ano vc. tem que fazer um ciclo mais ou menos de 20 a 30 ampolas por ano de gh mano.

Tem um mano da academia que toma atualmente e o bicho gasta um carro popular por ano só tomando essa droga por tanto se vc. tem poucas ampolas tome e depois mude para outros aes mais em conta.

Abraço qualquer coisa poste..

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Um Retrospectivo baseado na mais Recente Pesquisa

Eu era um dos primeiros médicos privados no país a fazer pesquisas sobre o uso do Hormônio de crescimento, a fim de avaliar os benefícios. Inicialmente eu fui extremamente impressionado pela pesquisa inicial em hormônio de crescimento, que mostra melhorias dramáticas em composição corporal, função renal, esfole, humor, etc. Eu fui por muitos anos um sócio da Sociedade de Pesquisas do Hormônio de crescimento e acompanhei de perto a mais recente pesquisa em hormônio de crescimento e terapias de substituição do hormônio em homens. Como o número de estudos em hormônio de crescimento como também testosterona empilhou para cima desde que eu comecei a prescrever testosterona. Eu acredito que agora é o tempo para olhar a pesquisa atrás e ver se hormônio de crescimento e a testosterona cumprem suas promessas de benefícios, e analisar seus possíveis efeitos maléficos.

É bem estabelecido em círculos de bodybuilding que testosterona é superior ao hormônio de crescimento para ganhar músculo. Porém, hormônio de crescimento ainda é enormemente popular e geralmente tem uma reputação melhor que a testosterona em bodybuilding e em círculos anti-envelhecimento. A impressão geral é que a testosterona proporciona bons ganhos de massa muscular, mas ao preço de acne, retenção hídrica, acessos de raiva de temperamento, amplificação da próstata, e possivelmente " gino ". Bem, é reconhecido que hormônio de crescimento não é anabólico como a testosterona, as pessoas ainda pensam em hormônio de crescimento como um hormônio que o fará crescer com quase nenhum efeito colateral. Hormônio de crescimento também tem uma reputação como sendo a " fonte de mocidade " entre entusiastas anti-envelhecimento, considerando que a testosterona ainda é considerada um pouco perigosa. O propósito deste artigo é ver como a pesquisa em testosterona e hormônio de crescimento dos últimos anos apoiou ou disputou a visão do público destes dois hormônios.

O qual é Melhor para Composição de Corpo?

Uma nova pesquisa derramou alguma luz no hormônio de crescimento, constatando um caráter anabólico. Vários estudos no passado mostraram um aumento em massa magra em assuntos que levam hormônio de crescimento. Porém, massa magra necessariamente não significa músculo, mas qualquer coisa que não é gordo e isto inclui água, crescimento de tecido orgânico, massa óssea e crescimento de tecido conjuntivo. Um recente estudo em pacientes de soro positivo (HIV) não mostraram nenhuma mudança significante em massa muscular de esqueleto depois de levar seis miligramas (aproximadamente 18 unidades) por dia de hormônio de crescimento durante 12 semanas. (1) Outro estudo, também em pacientes de HIV, também mostrou uma falta de crescimento de músculo quando usada uma dose de nove miligramas (asperamente 27 unidades) por dia. (2) Se lembre de que indiv[iduos com HIV estão sofrendo freqüentemente perda de e os possíveis efeitos anabókicos do GH deveria ter proporcionado umk aumento de massa muscular. Hormônio de crescimento é provavelmente igualmente ineficaz em indivíduos saudáveis.

Um estudo em jovens (22-33), os atletas altamente treinados mostraram um aumento significante em massa magra, depois de seis semanas tomando 2.67 miligramas (aproximadamente 8 unidades) por dia. (3) Porém este aumento era só de 4%, e pode não ter incluído nada de massa muscular. Parece claramente opressivo que o hormônio de crescimento não é anabólico ou muito pouco anabólico para aumento de massa muscular quando levado por si só, e devido ao seu alto preço no mercado não justifica-se toma´-lo. O único real uso para aumento de massa muscular pode ser como um agente sinergista com testosterona. Foi informado um efeito sinérgico quando usado com testosterona para aumentos em massa magra.

Se você vai gastar dinheiro em hormônio de crescimento para tentar melhorar seu corpo, use-o para ajudar na perda de gordura e na definição muscular, não exclusivamente para aumento de massa muscular. O estudo previamente mencionado com hormônio de crescimento em atletas treinados mostrou uma 12% conseguiu uma diminuição impressionante em gordura corporal. Tão bem é bem estabelecido que a testosterona é bem mais efeitva para aumento de massa muscular do que o hormônio de crescimento , enquanto o hormônio de crescimento é a melhor escolha para perda gorda? A pesquisa neste assunto está misturada, e não há nenhuma resposta fácil à esta pergunta.

Um recente estudo pôs em comparação o hormônio de crescimento com a testosterone e mediu seus efeitos em perda de gordura. Neste estudo, homens recebendo hormônio de crescimento perderam uma média de 13% da gordura corporal, comparada a 5.8% no grupo que recebeu testosterona. (4) Mas antes de você chegar a conclusões, há um par de razões por que este estudo não resolve a pergunta. Em primeiro lugar, este estudo estava em indivíduos muito velhos (velho 65 a 88) que teve IGF-1 e níveis de testosterone baixos. Outro problema é que ainda não foram informadas as doses dos hormônios e fazer uma comparação é difícil. Mais interessante sobre este estudo era que um efeito sinérgico foi achado em um grupo que recebeu testosterona e hormônio de crescimento: eles perderam uma média de 21% do gordura corporal. Isto é mais que a soma das médias dos grupos que receberam um testosterona e outro hromônio de crescimento.

Não foram todos os estudos que mostraram este dramático um efeito em perda de gordura corporal. Um estudo usando doses bastante grandes (5 mg por dia) em mulheres obesas, não observou-se qualquer efeito significante em perda de gordura corporal. (5) O grupo de hormônio de crescimento perdeu menos de duas libras, menos que o grupo de placebo em um período de mês. O resultado principal efeito significante era que o grupo de hormônio de crescimento perdeu muito menos massa magra (uma perda comum de 1.52kg comparados a 3.79kg no grupo que recebeu placebo). Enquanto isto pode parecer impressionante, os mesmos resultados poderiam ser alcançados com uma fórmula de cafeína/efedrina a uma fração do preço. Enquanto há um número bom de estudos que mostram hormônio de crescimento para ser efetivo para perda de gordura, a testosterona em detrminadas situações podem servir pata este propósito.

A testosterone foi achada recentemente para ser efetiva na perda de gordua em homens jovens, desde que em doses pequenas. Um recente estudo mostrou que dados só 100mg por semana de enanthato de testosterona perderam uma média de 6% de gordura corporal depois de oito semanas. (6) 100 mg por semana geralmente é considerado uma dose muito baixa dose por padrões de bodybuilding. Mais impressionante sobre este estudo era que o resultado foi obtido em homens saudáveis jovens, normais (velho 18 a 45), não obesos com deficiencia na produção natural de testosterona. A maioria dos estudos que mostram efeitos positivos com terapia de substituição de hormônio está em assuntos que estão obesos ou indivíduos com produção deficitária de hormônios. Enquanto neste estudo não tinha o objetivo de observar se tinha ocorrido um aumento de massa muscular (não foi citado se tal ganho tinha ocorrido ou não), outro estudo mostrou 100mg por semana de enanthato de testosterona não eram suficientes para aumento de massa muscular. (7) Observou-se que a testosterona tem um mecanismo diferente no processo para perda de gordura,aumentando a taxa metabólica e induzindo tal perda. Considerando o quanto a testosterona é mais barata que hormônio de crescimento, pode ser mais vantajoso usá-la para este objetivo.

Segurança de Hormônio de Crescimento e Testosterone

É amplamente que a testosterona é mais perigosa que hormônio de crescimento. Porém, recente pesquisa está mostrando rapidamente o quanto estes perigos são exagerados. Por exemplo, a hipótese que a testosterona causa câncer de próstata nunca foi estabelecido. De fato, um estuda até mostrou mesmo uma leve correlação negativa entre testosterona e o câncer de próstata! Um estudo em homens jovens que receberam doses suprafisiológicas de testosterona mostraram nenhuma mudança no antígeno específico da próstata (PSA), que é um medida de risco de câncer de próstata. (8)

Hormônio de crescimento também pode ser menos perigoso à próstata como previamente se acreditou. Um estudo mostrou uma forte correlação positiva com câncer de próstata e níveis de IGF-1 . (9) Desde que o hormônio de crescimento estimula a síntese de IGF-1 no fígado, este estudo e outros expõem a possibilidade de um vínculo de hormônio de crescimento e próstata e câncer no peito. Se lembre de que as estatísticas de correlações naõ provam necessaraimente que o IGF-1 possa causar um câncer na próstata, no fígado ou no peito.

De fato os IGF-11 podem ser um dos culpados na história de câncer, e não o IGF-1. Ao Serono (laboratório que entre vários medicamentos produz o GH, Clomid, Insulina,...) patrocinou em Outubro de 1999 Simpósios de Endocrinologia de Envelhecimento, e entre a Sociedade Endócrina que Se encontrou em junho/1999, havia um consenso informal que os pacientes em hormônio de crescimento não aumentaram o risco de câncer de próstata ou de peito. Vários outros recentes estudos também lançaram dúvida no papel de hormônio de crescimento como um vilão causador do câncer.

Considerando que foram mostrados a testosterona e outro esteroides anabólicos em alguns estudos para abaixar níveis de HDL, foi acreditado que a testosterona pode aumentar o risco para doença de coração. Isto foi refutado em um recente estudo em testosterona que mostrou alguns resultados positivos. Um estudo em 21 homens hipogonadais (36 a 57 anos) mostrou que uma dose de substituição de testosterona com o transdérmico Androderm reduz a coagulação sanguínea. (9) Enquanto níveis de HDL abaixaram ligeiramente, é acreditado que a coagulação sanguínea é o marcador mais importante de risco de doença de coração. Outro estudo mostrou uma correlação negativa muito forte com testosterona as doenças no coração.

Hormônio de crescimento mostrou que misturado à testosterona resulta em um aumento no risco de doença de coração. Um estudo nos homens e mulheres anciãos (65-88 anos) mostrou que aquela administração de hormônio de crescimento foi eficiente para abaixar os níveis de LDL , mas elevou os níveis de triglicérides. (10) Desde que altos níveis de triglicérides e LDL são considerados medidas de risco de doença de coração, os efeitos de hormônio de crescimento em risco de doença de coração são ambíguos.

Enquanto mais pesquisas precisam ser feitas, estou convencido de que aquela terapia de substituição de testosterona em homens hipogonadais pode estar mais segura do que doses excessivamente grandes de hormônio de crescimento. Os estudos a longo prazo não têm sido feitas para testar os verdadeiros efeitos a longo prazo destes hormônios, mas a pesquisa parece bastante clara no momento. Michael Mooney informou resultados semelhantes em segurança e efeitos colaterais destes hormônios.

Enquanto nenhum dos estudos com testosterona ou esteróides anabólicos usados em pacientes com HIV documentou qualquer problema de saúde significante associado ao uso terapêutico com tais drogas, nos pacientes do Dr. Gabe Torres' que experimentaram uma redução nos sintomas de lipodistrofias relacionada ao HIV com o uso de 5 a 6gm de crescimento hormônio, 80 por cento experimentaram efeitos colaterais significantes que incluíram níveis de glicose elevados, enzimas pancreaticas elevadas, ou síndrome de túnel carpal. (1)

Conclusão

Eu ainda uso hormônio de crescimento e testosterona como parte de programas de anti-envelhecimento globais em meus pacientes. Este artigo não é tem como objetivo dizer se um hormônio é "bom" ou "ruim". Minha opinião no momento é que a relação de benefícios/malefícios entre a testosterona e o hormônio de crescimento no aumento de massa muscular é que a testosterona vale muito mais a pena. O custo monetário da testosterone é extremamente mais barato que hormônio de crescimento, e em doses mais elevadas é menos perigosa do que o hormônio de crescimento.

Desde que hormônio de crescimento é extremamente caro e talvez mais arriscado que a testosterona, eu sou muito precavido e só o recomendo para pacientes que tem níveis muito baixos de IGF-1, de hormônio de crescimento, ou se esses não têm respondido a terapias de testosterona ou outras. A nova pesquisa também me fez confiante em receitar a testosterona à meus pacientes. Porém, nós temos que manter a atenção às novas pesquisas que indiquem a utilização do hormônio de crescimento no tratamento do anti-envelhecimento e da tetosterona e, programas de bodybuilding. A ciência de suplementação hormonal ainda está em sua infância, e ainda há muito mais perguntas que precisam ser respondidas.

GH - atuação (teorias)

Sem duvidas este peptídeo é um dos assuntos preferidos da mídia, que esporádica e invariavelmente exalta fórmulas mágicas supostamente capazes (suposição deles, claro) de resolver os problemas da humanidade, afinal de contas a busca pela perfeição sempre foi e sempre será uma constante entre os seres humanos, por mais discutíveis e voláteis que sejam os conceitos de perfeição. A bola da vez é o hormônio do crescimento humano (a partir de agora GH), sendo a ele atribuídos:

· Redução do percentual de gordura, com redução da celulite,

· Aumento da massa muscular,

· Fortalecimento dos ossos e articulações,

· Pele mais saudável,

· Melhora da performance sexual e atlética,

· Maior capacidade de cura de lesões,

· Diminuição da pressão arterial,

· Aumento do HDL,

· Combate à osteoporose,

· Enfim uma vida mais feliz e produtiva!

Mas afinal de contas, o que é o GH?

O GH é um hormônio liberado pela parte anterior da glândula hipófise estimulada por inúmeras situações (e põe inúmeras nisso, a concentração séricas deste peptídeo pode variar até 1000% em poucos minutos), alguns fatores que estimulam a liberação de GH são:

· Sono,

· Hipoglicemia,

· Exercício (maior em treinos intermitentes e intensos),

· Refeições ricas em proteínas,

· Estresse (dor, calor, ansiedade),

· Outros agentes (serotonina, estrógenos, adrenalina, dopamina, glucagon, beta-bloqueadores, L-arginina...).

A baixa concentração de GH na infância pode levar ao nanismo. Com o avanço da idade há notável redução deste hormônio, a qual pretende-se relacionar com dibilidades no tecido muscular, ósseo, articular e até mesmo nos órgãos (entre os 30 e 75 anos fígado, rins, cérebro e pâncreas atrofiam em média 30%). Já sua alta concentração pode levar a acromegalia e distúrbios cardíacos e metabólicos. A deficiência de GH é verificada em adultos se os resultados dos testes (indução de hipoglicemia com insulina ou infusão de arginina) forem menores que 5 ng/ml para adultos e 10 ng/ml em crianças. Em casos de deficiência, o tratamento em adultos geralmente é feito com doses variando de acordo com a resposta metabólica, mas que dificilmente excedem 1 mg por dia, podendo ser bem maiores em crianças e adolescentes.

O uso do hormônio do crescimento começou em 1958, retirado diretamente de cérebros humanos, o que causou vários problemas de contaminação e desordens neurológicas fatais em alguns pacientes, levando a descontinuidade desta forma de tratamento. Somente em 1985 o problema foi resolvido, quando o hormônio do crescimento sintético se tornou disponível nos EUA, a evolução científica permitiu obter o GH através de uma recombinação do DNA humano, procurando produzir a seqüência ideal de aminoácidos, sendo mais seguro e obtido com relativa facilidade.

No corpo, existe uma reação em cadeia envolvendo o hormônio do crescimento. Esta cascata se inicia no hipotálamo, quando o fator liberador é solto (GHRH - hormônio liberador de hormônio do crescimento), ele estimula a produção de hormônio do crescimento pela hipófise e sua secreção para a corrente sangüínea, levando a produção e liberação do fator de crescimento tipo insulina (IGF-1) no fígado, o IGF-1 promove a desenvolvimento de ossos e tecidos. Ao perceber o aumento na concentração deste hormônio há a sinalização para que a hipófise cesse a liberação de GH. Se o mecanismo de retroalimentação negativa não funcionar e a produção de GH (e conseqüentemente de IGF-1) se mantiver alta pode ocorrer crescimento patológico de ossos e órgãos, assim como levar a desequilíbrios no metabolismo de glicídios e lipídios.

Os efeitos colaterais mais comuns do uso de GH são edemas, retenção hídrica, dores articulares e ósseas.

Existem algumas hipóteses para explicar a atuação do hormônio do crescimento

· Hipótese da somatomedina.

O GH liberado pela hipófise chegaria ao fígado e tecidos periféricos, causando a liberação e produção dos IGFs. Neste caso o hormônio do crescimento parece ser um fator endócrino muito eficiente visto que em termos de quantidades séricas de IGF-1, aplicar GH mostrou-se cerca de 50 vezes mais eficiente que o próprio IGF-1 (SKOTTNER, 1987). O GH pode também aumentar a quantidade de receptores, prolongando a meia-vida do IGF-1.

GH - mitos e verdades

***O enfoque deste artigo é o uso do GH com fins estéticos e desportivos. Terapeuticamente este hormônio pode ser muito valioso, cabendo ao médico decidir como e quando recorrer a esse recurso***

Todos sabem dos supostos atributos do GH, basta abrir qualquer revistinha dessas e ler a lista. Mas afinal de contas o que realmente é comprovado sobre o GH? Será que os achados científicos apóiam a bajulação em torno deste hormônio? E (a pergunta de sempre) será que vale a pena pagar o preço?

Antes de iniciarmos o estudo, recomendo cuidado na interpretação das pesquisas, sabemos que o hormônio do crescimento pode levar a mudanças em diversos tecidos, incluindo muscular, articular e ósseo. Quando se verifica um aumento na massa magra, significa que houve aumento em algum dos componentes do seu corpo que não seja gordura, incluindo aí todos as estruturas antes referidas, portanto aumento de massa magra não significa necessariamente aumento de massa muscular. Quanto a este equívoco (talvez propositalmente induzido pela industrias farmacêuticas) o médico Michael Mooney, respeitada autoridade em preservação muscular e HIV, desafiou uma empresa produtora de GH:

“Ressalto que o único estudo de Serotostim (nome comercial do GH da empresa) que incluiu uma avaliação crítica das mudanças no tecido muscular usando MRI (ressonância magnética) não mostrou nenhuma alteração. Todos os demais usaram análise de impedância bioelétrica, a qual mede a massa corporal magra, mas não pode medir com segurança as mudanças musculares. Na Terceira Conferência Internacional de Nutrição e Infecção por HIV, em Cannes, França, abril de 1999, Donald Kotler, médico de St. Lukes-Roosevelt Medical Center de Nova York, reportou os resultados de um estudo de 6 meses com o hormônio do crescimento Serostim. Os resultados do Dr. Kotler mostraram que 6 mg de Serostim por dia não promoveram aumento significativo no tecido muscular durante as 12 semanas em que os dados de repetidas MRI de 8 pacientes estavam disponíveis. Muitos outros estudos com diversas populações HIV-negativas também não mostraram melhoras aparentes no tecido muscular”

Feita esta oportuna observação continuaremos com o que interessa. A partir de 1985, com a facilidade de se obter o GH sinteticamente através da recombinação do DNA humano, cientistas do mundo todo dedicaram inúmeras pesquisas ao uso terapêutico deste peptídeo, principalmente em idosos e HIV-positivos.

IDOSOS

Inicialmente os experimentos foram direcionados a pacientes debilitados. Como em 1999, quando KIM et al observaram os efeitos lipolíticos e anabólicos do tratamento com hormônio do crescimento mesmo com restrição calórica, os pesquisadores também analisaram as mudanças na secreção de insulina e GH. Com uma dieta de 25 kcal/kg e 1,2 g/kg de proteína por dia, os pacientes recebiam ou hormônio do crescimento ou placebo. O grupo experimental obteve perda de peso 1,6 vezes maior que o controle, o qual perdeu massa magra (média de 2,62 kg) e apresentou balanço nitrogenado negativo. As injeções de hormônio do crescimento aumentaram as quantidades de IGF-1 e induziram a perda de gordura visceral. Não houve alteração na liberação de insulina no teste de tolerância a glicose.

Vimos na primeira parte do artigo (GH - atuação) o possível funcionamento do eixo GH/IGF-1, muito se fala da importância deste eixo nas adaptações ao treino de força, justamente procurando verificar esta importância TAAFFE et al, (1994) realizaram um estudo onde os pacientes praticavam musculação por 14 semanas e em seguida recebiam ou GH humano recombinado (0,02 mg/kg/dia) ou placebo durante as 10 semanas seguintes de treinamento. Foram medidas a força máxima, composição corporal e níveis séricos de IGF-1. Inicialmente, as quantidades circulantes de IGF-1 eram baixas nos dois grupos (106 mcg/L, aproximadamente metade do correspondente a jovens saudáveis). Com o tratamento de GH houve aumento de cerca de 100% na quantidade de IGF-1 sérico, ao contrário do grupo controle (218mcg/L contra 119mcg/L), porém não houve influência positiva na força. Apesar da diminuição da massa de gordura e aumento na massa magra nos pacientes tratados com GH, não houve aumento significativo na força.

Outro estudo feito em idosos concluiu que o uso do GH (0,02mg/kg/dia) não provoca aumento na hipertrofia muscular, indo contra a hipótese de que a deficiência no eixo GH-IGF seja causadora de menores respostas ao treinamento em idosos. (TAAFFE et al, 1996).

Os resultados do experimento de YARASHESKI et al (1995) apontam que o treino com pesos aumenta a força e o anabolismo em idosos, porém não há influências positivas do GH nestes resultados, sendo os ganhos de massa magra possivelmente advindos de aumento das proteínas não contráteis e retenção de fluídos. A pesquisa de 16 semanas foi feita em idosos, e incluía musculação (4 x semana) e doses diárias de 12,5 a 14 mcg/kg/dia de GH ou placebo. O interessante é que a administração do hormônio causou, tanto aumento no anabolismo quanto no catabolismo protéico, com os ganhos de força e valores líquidos de síntese protéica sendo similares em ambos os grupos.

Os mesmo YARASHESKI participou em 1997 de outra pesquisa desanimadora para os fãs do GH, agora questionou-se a relação do tratamento com GH (12,5 a 18 mU/kg/dia) na densidade óssea. Neste estudo de 16 semanas aliou-se a administração de GH a exercícios físicos, as variáveis medidas foram a composição corporal, densidade óssea e os níveis séricos de IGF-1. Tanto o grupo que recebeu, quanto o que não recebeu hormônio aumentaram de maneira similar a massa magra, apesar do grupo experimental ter maiores aumentos nos níveis séricos de IGF-1 após o treino. As melhoras na densidade óssea foram semelhantes em ambos os grupos, sugerindo maior turnover ósseo, sem acúmulo de mineral.

HIV-POSITIVOS

Outro grupo onde os efeitos do GH foram bastante estudados é o de portadores do vírus HIV. Nesta linha, SCHAMBELAN et al (1996) avaliaram os efeitos a longo prazo do tratamento com hormônio do crescimento no peso e composição corporal, além da performance funcional. O grupo experimental recebeu 0,1 mg/kg/dia durante doze semanas e o outro grupo recebia apenas placebo. O tratamento com hormônio do crescimento ocasionou ganho de peso e massa magra, com diminuição na massa de gordura, ao contrário do grupo controle, que não teve diferenças relevantes nos resultados.

Como o tratamento prolongado de hormônio do crescimento sai muito dispendioso, PATON et al (1999) direcionaram um experimento ao uso de GH coincidindo com a presença de infecções oportunistas durante duas semanas, onde o objetivo era reduzir a perda de massa muscular em HIV-positivos. Nos pacientes tratados com GH o catabolismo se mostrou 60% menor, com aumento médio de 2,2kg na massa magra e diminuição de 0,7 kg de gordura. Os autores apresentam este tipo de intervenção como relativamente segura e eficiente, com um menor custo financeiro, visto que a terapia só é realizada em períodos curtos.

Mas nem todos os resultados foram animadores, um estudo de 1996 tratou pacientes em estados catabólicos crônicos com rhGH (1,4mg/dia), rhIGF-1 (5 mg 2vezes por dia), ou ambos. Todos os grupos tiveram aumento na massa magra e diminuição na massa de gordura, porém os ganhos foram muito inconstantes e instáveis, levando a conclusão de que as drogas e doses testadas não são recomendadas (WATERS et al, 1996). Mais um estudo nesta linha é o de MOONEY (1999), onde se usou cerca de 6 mg/dia de GH em pacientes portadores do vírus HIV. Ao final das 12 semanas não houve mudanças positivas na musculatura esquelética. Com base em conclusões similares WELLE, (1998), afirma que os efeitos anabólicos do tratamento com GH a longo prazo não justificam a abundante terapia de reposição hormonal.

JOVENS

Mesmo em pacientes jovens com deficiência de GH, nem o uso deste hormônio, nem o de IGF-1 causaram aumentos na força. Apesar de ocorrer aumento na massa magra e redução do percentual de gordura em ambos os casos, o tratamento com GH provocou a maior perda de lipídios, além de diminuição na oxidação de carboidratos e aumento das concentrações de glicose e insulina indicando resistência súbita a esse hormônio. Nem o IGF-1 nem o GH afetaram os fluxos de cálcio, confirmando a hipótese de que nenhum deles é pivô no metabolismo ósseo deste mineral (MAURAS et al, 2000)

Muito bem, já vimos que o uso de hormônio do crescimento para promover aumento de massa muscular em pacientes debilitados é questionável, só isso já seria suficiente para desencorajar o uso deste hormônio em indivíduos saudáveis (se não aumenta massa muscular em estados catabólicos extremos que dirá em organismos normais!!). Ainda assim, acho interessante ressaltar evidências diretas como estudos de YARASHESKI et al, (1992); YARASHESKI et al, (1993) e DEYSSIG, et al, (1998).

YARASHESKI et al (1992) realizaram um experimento para avaliar o efeito do tratamento de GH (40 mcg/kg/dia) no anabolismo muscular associado ao treinamento com pesos durante 12 semanas. Ao final do estudo os autores concluíram que o ganho de massa magra proveniente do tratamento com GH é principalmente devido ao aumento de outros tecidos, que não muscular, portanto o uso deste hormônio não aumenta o anabolismo muscular resultante do treinamento com pesos. O mesmo YARASHESKI, juntamente com outros autores, publicou outra pesquisa no ano seguinte com o mesmo objetivo: avaliar a influência do GH (40 mcg/kg/dia) no anabolismo muscular, só que agora foram verificados os efeitos agudos (14 dias) em levantadores de peso experientes. Novamente os valores de IGF-1 aumentaram (224 para 589 ng/ml) e mais uma vez não houve influência positiva no anabolismo.

O estudo de DEYSSIG foi feito em atletas (0,09 UI/kg;dia), e os autores tiveram o valioso cuidado de controlar o uso de esteróides anabólicos. O GH elevou as concentrações séricas do próprio hormônio, de IGF-1 e da proteína transportadora de IGF-1, além de aumentar a taxa de insulina em jejum e diminuir a da tiroxina. Porém, não houve ganho de força nem melhora na composição corporal, conclusão: os efeitos anabólicos e lipolíticos do tratamento com GH podem depender da massa gorda e da deficiência na produção deste hormônio, sendo ineficiente no caso de jovens saudáveis.

CONCLUSÃO

Apesar de toda propaganda exaltando o GH, não existem justificativas para o uso estético desse hormônio, é incompreensível que a mídia e demais pessoas propaguem tais idéias sobre uma substância ineficiente e demonizem, outros hormônios como os derivados da testosterona. A verdade é que o tratamento a base de esteróides anabólicos, parece ser tão, ou mais, eficiente e segura que a terapia com GH, além é claro, da inegável vantagem econômica.

Como foi visto o eventual aumento de massa magra relacionado ao uso de GH, pouco tem a ver com hipertrofia do tecido muscular, o efeito verificado com mais freqüência é a redução no tecido adiposo, além de relatos isolados de melhora na pele, porém a maioria dos ganhos provenientes da terapia de GH podem ser obtidos com facilidade através de práticas alternativas, as quais dificilmente chegarão às cifras gastas com o GH (mais de 2.000 reais por mês). Outro aspecto a se ressaltar é a freqüente insignificância dos ganhos de força, para muitos isso é mais uma indicação de que não houve aumento nas proteínas contráteis, creio que isto seja outro ponto contra o uso de GH pelo simples fato do aumento de massa magra não acarretar melhoras funcionais no aparelho locomotor, o que deveria ser um aspecto importante de qualquer terapia ou treinamento físico, mesmo com fins estéticos.

Sei que, para variar, minhas opiniões estão indo contra a corrente atual de pensamento, porém não tenho nenhuma obrigação em agradar a mídia e nuca gostei de seguir cegamente dogmas, antes, prefiro analisar criticamente o assunto, formar uma opinião concreta e compartilhá-la com vocês, doa a quem doer.

Espero ter feito vc entender

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta 100% gratuita!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora
 Compartilhar

×
×
  • Criar novo...