Jump to content

José Roberto Dias Resende

Colaborador
  • Content Count

    2
  • Joined

  • Last visited

1 Follower

About José Roberto Dias Resende

  • Rank
    Professor de Lutas
  • Birthday 01/03/1981

Detalhes

  • Gênero
    Masculino
  • Profissão
    Personal Trainer

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

  1. texto enviado em word. Benefícios do Judô.docx
  2. O Hapkido é uma arte marcial coreana utilizada nos tempos atuais como uma das melhores e mais eficazes técnicas de defesa pessoal do mundo. Até hoje a essência desta incrível arte marcial esta sendo mantida por seus praticantes sérios e estudiosos. Podemos separar o Hapkido em duas formas de treinamento: Hapkido convencional: utilizado para o treinamento de militares do exército Hapkido contemporâneo: voltado para o treinamento de homens, mulheres, crianças, deficientes físicos, agentes de segurança, policiais etc... Veja um vídeo sobre o Hapkido:
  3. O Kickboxing é uma arte marcial americana que consiste em chutes e socos, protegidos por equipamentos de proteção individual, tais como luvas, botas, caneleiras, coquilhas e protetores bucais. O kickboxing teve sua origem na Tailândia (Muay Thai), há dois seculos aproximadamente, a partir dai, desenvolveu-se nos Estados Unidos no final da década de 60, uma variação que proibia chutar abaixo da linha da cintura, podia bater-se sem grandes restrições, daí surgiu o Full Contact, que era uma luta com contatos muitos contundentes. Quem criou o Kickboxing, foi uma geração de praticantes de Karatê, que se decepcionaram com as regras deste, que na época, proibia o contato excessivo. Esses atletas resolveram promover competições abertas, com Knock out permitido e incentivado. Num sentido amplo, há várias artes marciais nomeadas como kickboxing, incluindo o adithada(boxe indiano), leghwei(boxe birmanês), assim como o savate(boxe francês). Num sentido restrito, o termo kickboxing é associado ao Kickboxing Japonês ao Kicboxing americano e estilos ou regras spin-off. O kickboxing é muitas vezes confundido com o Muay Thai (boxe tailandês), pela proximidade que são as duas lutas, modificando apenas as regras, vestimentas certos golpes que são permitidos no Muay Thai e não são no kickboxing o uso do cotovelo e do joelho (cotoveladas e joelhadas) não são permitidos em Kickboxing, já em outra modalidade de kickboxing que é o K1, os golpes de joelho são permitidos. Ambos são semelhantes mas com extremas diferenças, não apenas nas regras, mas também na prática. Contudo, o foco do lutador durante a luta é diferente. Nas regras do muay thai, tem as cotoveladas a mais. Já as joelhadas são permitidos tanto no muay thai como na modalidade K-1 do Kickboxing. Dentre as várias variações de Kickboxing apresentadas, deve-se procurar uma onde a Academia, o professor ou os atletas são íntegros, que saibam representar bem o esporte, sem denegrir tal arte marcial, tão bem conceituada. Em uma competição de Kickboxing, os lutadores devem posicionar-se de pé, com separação mínima entre os pés de dois palmos, e entre os competidores de dois metros. A competição deverá ter dois a três rounds, com duração de dois minutos, dependendo do número de competidores, devendo-se observar que, durante uma seletiva, os combates deverão obedecer a regra dois por dois, ou seja, dois rounds de dois minutos de combate intercalados por um minuto de descanso, e durante as semi-finais, a regra três por três, sendo estas regras acordadas anteriormente por reunião técnica ou cursos e congressos. No Kickboxing, bem como qualquer outra arte marcial, deve-se procurar academias filiadas e professores aptos e diplomados, pois toda academia precisa ter uma entidade superiora que a supervisione, que preste suporte para que sempre possa melhorar seu trabalho tanto na área prática, como na teórica, pois não basta o atleta saber apenas socar e chutar, tem que saber também a teoria, ou seja, os fundamentos, a história, seus criadores, etc. Veja um vídeo com os movimentos básicos do Kickboxing:
  4. עגמ ברק O Krav Magá é um sistema de combate corpo a corpo, com origem em Israel, que envolve golpes de varias Artes Marciais, como: Quedas, rolamentos, agarramentos, torções, imobilizações, neutralizações, conduções de pessoas, revistas pessoais, abordagem, desarme de arma de fogo, chutes, socos, quebramentos, golpes vitais, segurança de terceiros e celebridades, e varias outras técnicas. Não existe regras no Krav Magá, porque sua aplicação visa técnicas de defesa pessoal e combate urbano que podem ser utilizadas em situações de perigo. Suas técnicas podem ser usadas por todas as pessoas, não importando sua idade, sexo ou peso. Os golpes devem ser aplicados para atingir as partes vulneráveis do corpo humano, como orelhas, canelas, joelhos, garganta, nariz, queixo, olhos, genitais, pontos de pressão, dentre outras. No Krav Magá, todos os golpe aplicados são válidos em perigo real quando se trata de salvar a vida de terceiros ou pessoal, possibilitando sempre controlar o adversário, golpeando-lhe as partes mas frágeis corpo. Os golpes tem também como objetivo aprimorar os reflexos naturais do corpo humano e buscar sempre o aperfeiçoamento e domínio do sistema de defesa pessoal. Não existindo, assim, regras para a aplicação dos golpes em situações de risco real. O Krav Maga, torna-se uma junção de todas as artes marciais, treinando chutes, socos, torções, projeções e o que for necessário no dia a dia, para auto-defesa. É muito importante num treino de Krav Magá, o aquecimento, o alongamento e o preparo físico, pois é necessário em um momento de risco, não cansar tão facilmente, necessitando assim, ter músculos mais fortes. No Krav Magá, também são usados objetos normais, comuns ao dia a dia, que serão automaticamente transformados em armas até mesmo fatais estando nas mãos de um praticante de Krav Magá, em situação de extremo risco. Tais objetos: chaves do carro, pulseiras, anéis, cordões, canetas, etc. Interessados em praticar Krav Magá, devem procurar academia séria, com professores credenciados, instituições que sabem realmente o espírito marcial e respeitam o aluno, independente da classe social, religião ou cor, devendo levar em conta a dificuldade de cada um, moldando o treino para cada tipo de turma.
  5. Atualmente muitas pessoas buscam aprender a se defender em diversas academias e instituições de treinamento. Contudo, não basta apenas praticar alguns golpes e técnicas específicas para obter resultados positivos. O treino de defesa pessoal precisa ser abordado de maneira séria e responsável, tendo em vista que uma grande parcela deste público muitas vezes já passou por situações de risco e encontra-se fragilizada e com auto-estima abalada. Notoriamente, um instrutor não deve ser apenas uma pessoa que conhece artes marciais e tenha sucinta experiência em luta. Afinal, o objetivo do treinamento é muito maior que o próprio aprendizado, pois requer confiança, mudança de atitude, superação de medos e desafios. Sendo assim, somente um profissional de altíssimo nível técnico e com fundamentação teórico-científica poderá oferecer comprovadamente condições reais para tamanha exigência e preparar o aluno de maneira integral, tanto no chão (luta de chão ex: Jiu-Jitsu), como em cima (chutes e socos), saindo de qualquer tipo de situação de risco. Não basta apenas ensinar a lutar, é preciso transmitir ao aluno segurança, valorizar e estimular suas potencialidades, aumentar seu condicionamento físico e preservar sua saúde e qualidade de vida, deixando-o apto a entrar e sair em qualquer ambiente, sem nenhum tipo de medo ou trauma, confiando mais ou totalmente em sua própria pessoa. Em caso de mulheres, seria importantíssima a prática da defesa pessoal, pois o marginal chega perto achando que vai encontrar uma pessoa totalmente frágil e é facilmente neutralizado por uma praticante. Infelizmente, hoje, temos que conviver com situações de extremo risco, indo desde uma simples feira até um dia de pagamentos em um banco lotado, o risco é igual, somos constantemente seguidos por pessoas mal intencionadas. Em um simples pedido de informação, podemos ter uma pessoa que nos estuda, querendo nos roubar. Portando, seguir algumas regras de segurança simples, nos ajudam a viver mais seguros no dia-a-dia. Coisas simples, mas eficazes como: nunca contar dinheiro na rua ou na presença de estranhos, diversificar caminhos, principalmente em dia de pagamento, sempre olhar para os dois lados da rua quando sair de alguma casa ou estabelecimento, desconfiar de pessoas que nos seguem por muito tempo em um mesmo passo, deixar luzes acesas em casa quando for sair, evitar fones de ouvido quando estiver caminhando, pois tira a atenção, etc. Cursos de defesa pessoal específica não são tão naturais, quanto às aulas de artes marciais, portanto o aluno deve-se procurar um ambiente sério, com professores qualificados, como já descrevemos acima e aproveitar o máximo das aulas, pois é nelas que realmente aperfeiçoamos nossas técnicas, que podemos precisar no dia a dia. E é claro, quando houver curso ou seminário em sua cidade ou cidade vizinha, com esse propósito, fazer o possível em comparecer.
  6. Uma grande polêmica que se difunde entre as academias é a carência, ou seja, o tempo correto pra se obter promoção de faixas. Muitos acham que obrigatoriamente o atleta tem que ficar aquele tempo na faixa, outros acreditam que se ele aprendeu o solicitado naquela graduação, não há porque segurá-lo. Dois pontos difíceis e importantíssimos, são o preparo físico e a resistência em receber golpes de maior impacto, em meu modo de ver, o mais importante é o comportamento fora e dentro do Dojô. O correto é padronizar, pois na maioria das vezes, o atleta é chamado pela academia ou federação concorrente, oferecendo-lhe graduações maiores, sendo isso completamente anti-ético. O lado inverso dessa polêmica, é a academia que mantém o atleta muitos anos além da carência solicitada, temendo uma possível concorrência de um aluno que pode, depois de muitos anos, desligar-se de seu mestre, montando assim uma equipe própria. Isso incomoda muita gente, pois na maioria dos casos o atleta formado supera seu professor, às vezes até tendo didática melhor, treinando junto com os alunos, incentivando-os com sua técnica apurada e experiência. Outro ponto polêmico é a penalidade adotada a aqueles atletas que “aprontam” do lado de fora do tatame. Algumas academias usam a suspensão, outros o rebaixamento de faixas ou até em casos mais extremos, a expulsão em casos mais graves. Todas as academias deveriam se harmonizar, parar com rixas e discórdias, pois o verdadeiro artista marcial não é aquele que apenas entra no tatame, mas sim aquele que prega o mesmo respeito dentro de casa com seus pais, na academia, com colegas e professores.
  7. Antigamente, a maioria das pessoas imaginavam que as lutas marciais tinham por objetivo principal a defesa pessoal, fisicamente falando. Normalmente o indivíduo que praticava era uma pessoa bastante forte, de personalidade, e com energia e técnicas de defesa pessoal, fisicamente falando, bastante aprimoradas e testadas, em inúmeros combates antigos, estas qualidades eram apenas uma das conseqüências dos treinamentos marciais, elas eram atribuições vindas por acréscimo dentro de uma meta muito mais profunda, com treinamentos pesadíssimos, treinando-se em ambientes naturais, tais como florestas, campos, etc. Hoje, as academias procuram incentivar os atletas para um caminho mais competitivo, treinamentos não menos eficientes, mas focado mais em competições, com uma pequena diferença da defesa pessoal, pois visando na maioria das vezes pontuar, em vez de dominar, neutralizar seu adversário. Hoje, ao contrário de antigamente, os atletas são mais franzinos, porem com ótimo preparo físico e força, pois tem a facilidade de terem uma academia pra se fortalecer e ótimos profissionais pra ajudar a isso. Os treinamentos hoje, são feitos em ambientes próprios, com batedores, luvas de foco e tatames para aliviar as quedas e até, para os mais favorecidos, ajuda monitorada por computador e personal trainer. As lutas marciais, na verdade, têm como um seus principais objetivos, ser um caminho alternativo para as nossas buscas de soluções aos problemas que o mundo nos reserva, estresse, dívidas, problemas, etc. Assim, este caminho – o “DO” – nos dá uma imensa sensação de bem estar, pois dentro de uma academia, você encontra muitas coisas que são difíceis de se encontrar no dia a dia amizade, disciplina, respeito principalmente o respeito, pois numa academia, você aprende a respeitar uma pessoa mais jovem que você, porem com uma graduação maior. O caminho marcial, seja ele qual for (competição, defesa pessoal ou lazer), é uma excelente “válvula de escape” para quem quer melhorar o estilo de vida, tanto numa academia com mais recurso a uma com menos recursos.
×
×
  • Create New...