Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Como se dá a atrofia testicular pelo uso de esteroides?


Rastermition
 Compartilhar

Post Destacado

Aê, para quem entende de anabolizantes e jah fez ciclos, eu tenho algumas dúvidas:

Como eh realmente que acontece a atrofia testicular durante um ciclo de testosterona?

Quais os sintomas de tais atrofias?

Eh reversível? Durante o ciclo ou somente no pós-ciclo com Clomid?

Falows

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


na teoria apenas ciclos longos..... de mais de 8 semanas de duracao, e principalmente qdo se utilizam drogas muito androgenicas(testosteronas,hemogenin, dianabol, etc), podem induzir a atrofia testicular...., mas na pratica pode ocorrer mais facilmente ou nao....varia individualmente.....

A atrofia pode ser revertida durante o ciclo c/ a utilizacao do Hcg, e no pos ciclo se faz a terapia c/ clomid para ajudar o eixo hpta a se restabelecer mais rapidamente e se for necessario, pode se tomar hcg novamente.....

A atrofia testicular ocorre porque devido a enorme quantidade de hormonios androgenicos exogenos presentes no organismo , a sua propria producao de testosterona(endogena) e interrompida....., como sao os testiculos q produzem testosterona , eles entao "param" de funcionar......., se os testiculos ficam sem atividade por muito tempo eles atrofiam....., e se essa atrofia nao for tratada ela se agrava e pode se tornar irreverssivel apos um longo periodo de uso de anabolizantes....

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

olha...... alguns podem dizer q eu ja ciclei outros vao dizer q nao.....

Eu tomei doses muito baixas e por periodos curtos.....

Ate hj eu tomei:

-10mg de Dianabol Naposim(2 comprimidos, 1 de manha e outro de noite) por 45 dias= nenhum efeito colateral, aumento de forca de 60% apos a 3 semna ate a 8 semana...., depois diminuiu mas venho mantendo um gnaho de 20% em relacao a antes..., ganhei 4,5kg durante o ciclo..., depois perdi tudo numa dieta pra definicao...

Apos 4 meses off-cicle(eheheh se eq isso pode se chamar de ciclo) eu resolvi tentar de novo:

-12mg de Winstrol comprimidos por 15 dias...., acho q me ajudou a definir, mas nao sei pq me deu dor de barriga e eu tive q parar de tomar os comprimidos....

E finalmente apos uns 3 meses resolvi ciclar de verdade, um ciclo de 3 winstrol depot(injetavel) por 6 semanas(um ciclo considerado por muitos como fraco)....

So q logo na primeira auto aplicacao, apliquei muito superficial, inflamou o deltoide q nem uma bola de ping-pong(eheheh, foi sinistrol) e eu pensei

q fosse um abcesso , fui no medico e ele me falo q eu apliquei errado e bla, bla,..... :oops::oops:

Depois disso parei o ciclo.....ate me recuperar do susto...., vo ve se arrumo uma farmacia q aplica , ou vou ver se tomo coragem qualquer hora e tento de novo....., eheheheh , e isso ai...

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Os esteróides anabolizantes androgênicos (EAA) vêm sendo utilizados abusivamente por atletas competitivos e também por atletas recreativos, em dosagens que são 10 a 100 vezes maiores que as preconizadas em tratamentos médicos, o que acarreta repercussões físicas e psiquiátricas. O artigo menciona os quadros psiquiátricos associados ao uso de EAA e comenta a importância dos transtornos de imagem corporal em relação ao abuso de EAA.

Os esteróides anabolizantes androgênicos (EAA) são andrógenos sintéticos com atividade anabólica semelhante à testosterona. Os EAA têm a função primária de desenvolver e manter características sexuais masculinas, além da função anabolizante que acarreta aumento da síntese protéica e conseqüente aumento da massa muscular.1,2

A testosterona foi isolada, caracterizada quimicamente e sintetizada em laboratório em 1935.3,4 O primeiro uso não-médico dos EAA foi feito por soldados alemães na II Guerra Mundial com o intuito de aumentar a agressividade.3 Os anos 50 marcaram o início do uso entre atletas competitivos. Mas só nos anos 70 pudemos observar um aumento progressivo do uso de EAA entre atletas competitivos e o início do uso entre atletas recreativos, inclusive entre as mulheres.3,5 Hoje faz até mesmo parte da cultura dos freqüentadores de academias. O ano de 1975 ficou marcado pela inclusão dos EAA na lista de drogas consideradas “doping” pelo Comitê Olímpico Internacional,6 sendo o ano de 1988 um marco histórico dessa questão, pois foi quando o atleta Ben Johnson perdeu sua medalha olímpica em Seul devido ao uso de EAA.3

Um estudo populacional realizado em 1988 nos EUA estimou em mais de um milhão os usuários de EAA. A média de idade para início do uso na população de adultos é de 18 anos. Para os adolescentes, a média de idade de início do uso é de 15 anos.7 Mesmo não havendo dados epidemiológicos brasileiros, esses estudos nos dão idéia da dimensão do problema.

Em relação à forma de uso, os EAA são administrados em “ciclos” que duram de 4 a 12 semanas, freqüentemente envolvendo várias drogas simultaneamente (“empilhadas”) ou doses que são gradualmente aumentadas e a seguir diminuídas (pirâmide),6 administradas por via oral e via intramuscular associadamente, com períodos de abstinência que variam entre um mês e um ano. As doses usadas costumam ser 10 a 100 vezes maiores que as doses habitualmente preconizadas em tratamentos e estudos médicos.8 As principais drogas usadas são metandienona (Dianabol), cipionato de testosterona (Testosterona Depot, Sustanon, outros), decanoato de nandrolona (Deca-durabolin, Durabolin), oxandrolona (Anavar), enantato de metenolona (Primobolan), estanozolol (Winstrol) e undecilenato de boldenona (Equipoise). O undecilenato de boldenona é uma droga de preparação veterinária, o que denota a falta de limites dos usuários. Na tentativa de evitar os efeitos colaterais e de aumentar a ação das drogas, são usados: diuréticos, outros hormônios (diidroepiandrosterona, eritropoietina, hormônio de crescimento humano, insulina, tiroxina e triiodotironina), estimulantes do hormônio de crescimento, estimulantes da testosterona (clomifeno, ciclofenil e gonadotrofina coriônica humana).6 Na Internet encontramos “sites” de estímulo ao uso de EAA, com recomendação de dosagens e “dicas” de como conseguir as drogas. Sabe-se também que os EAA são prescritos e vendidos nas próprias academias, sem qualquer critério e controle.

Conseqüências orgânicas do uso de EAA podem ocorrer em diversos sistemas. Na pele: acne, aumento de pelos corporais e calvície. No fígado: colestase e tumores hepáticos. No sistema nervoso central: convulsões, dor de cabeça e trombose do seio sagital. No metabolismo: intolerância à glicose, aumento de LDL colesterol e diminuição do HDL colesterol. No sistema endócrino: atrofia testicular temporária, dificuldade urinária e ginecomastia.

São ainda descritos quadros psiquiátricos associados ao uso dos EAA. Na vigência do uso: psicoses ou sintomas psicóticos, mania ou hipomania, ansiedade e/ ou pânico e comportamento violento. Na retirada da droga podem ocorrer quadros depressivos.8 Alguns trabalhos avaliam a dependência a EAA segundo critérios do DSM-III-R. A insatisfação com a imagem corporal é citada como um fator que predisporia os usuários à dependência. Não há dados de prevalência de dependência de EAA.2,9 Kindlundh (1999) menciona o consumo pesado de álcool (mais de uma vez por semana) como associado ao uso de EAA entre adolescentes.

Embora considere-se a importância das alterações de imagem corporal na questão do abuso de EAA, pouco se sabe ainda sobre imagem corporal e hábito de fazer dietas e exercícios físicos entre homens. Em contraste com o que se conhece com relação às mulheres, a insatisfação com a imagem corporal em homens, especialmente entre os jovens, direciona-se ao ganho de peso. Tucker (1982) estudou o tipo físico “ideal” de homens jovens universitários e estimou que 70% não estavam satisfeitos com seu corpo e desejavam ser mais musculosos.

Um tipo de transtorno dismórfico corporal está francamente associado ao uso de EAA. Denominado “dismorfia muscular”, caracteriza-se pelo fato de homens, mesmo sendo musculosos e “grandes” (como se entitulam), têm medo de parecerem fracos e “pequenos” e algumas vezes consideram que sua massa magra é insuficiente. A preocupação excessiva com a musculatura causa ansiedade e prejuízo social, ocupacional e em outras áreas de funcionamento. Há uma excessiva preocupação com o treinamento físico e com a dieta, o que pode levar ao uso de substâncias ergogênicas.10 O uso de EAA nessa população pode ser desencadeado ou mantido pela presença de transtorno dismórfico corporal.11,12

A mídia, que estimula o culto ao corpo irreal, também tem noticiado as conseqüências do abuso dos EAA, o que salienta a importância do meio científico na investigação mais aprofundada e na abordagem adequada do problema.

Referências

American College of Sports Medicine. Position statement on the use and abuse of anabolic-androgenic steroids in sports. Med Sc Sports Exerc 1987;19:534-9.

Brower KJ, Blow FC, Beresford TP, Fuelling C. Anabolic-androgenic steroid dependence. J Clin Psychiatry 1989;50(1):31-3.

Fuller MG. Anabolic-androgenic steroids: use and abuse. Compr Ther 1993;19(2):69-72.

Johnson NP. Was Superman a junky? The fallacy of anabolic steroids. J S C Med Assoc 1990;January:46-8.

Andersen RE, Barlett SJ, Morgan GD, Brownell KD. Weight loss, psychological, and nutricional patterns in competitive male body builders. Int J Eating Disord 1995;18(1):49-57.

Kennedy MC. Anabolic steroid abuse and toxicology. Aust NZ J Med 1992;22:374-81.

Yesalis CE. Epidemiology and patterns of anabolic-androgenic steroid use. Psychiatr Ann 1992;22:7-18.

Pope HG Jr, Katz DL. Affective and psychotic syndromes associated with use of anabolic steroides. Am J Psychiatry 1988;145:487-90.

Brower KJ, Blow FC, Young JP, Hill EM. Symptoms and correlates of anabolic-androgenic steroids dependence. Br J Addict 1991;86(6):759-68.

Pope Jr HG, Gruber AJ, Choi P, Olivardia R, Phillips KA. Muscle dismorphia: an underrecognized form of body dismorphic disorder. Psychosomatics 1997;38:548-57.

Pope HG Jr, Katz DL, Hudson JI. Anorexia nervosa and “reverse anorexia” among 108 male bodybuilders. Compr Psychiatry 1993;34(6):406-9.

Schwerin MJ, Corcoran KJ, Fisher L, Patterson D, Askew W, Olrich T, et al. Social physique anxiety, body esteem and social anxiety in bodybuilders and self-reported anabolic steroids users. Addict Behav 1996;21(1):1-8.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta 100% gratuita!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora
 Compartilhar

×
×
  • Criar novo...