Ir para conteúdo
  • Conteúdo Similar

    • Por Leena Fabrini
      A cafeína é um suplemento pré-treino. As pesquisas mostram que a cafeína pode aumentar a força e a resistência muscular, permitindo que você treine mais pesado por mais tempo, além de ajudar a queimar mais gordura corporal durante o treino. Um estudo de pesquisadores da Índia confirma sua eficácia.
      Os pesquisadores indianos estudaram grupos de pessoas consumindo doses de aproximadamente 4, 8 e 12 mg de cafeína por kg de massa corporal, ou aproximadamente 400 mg, 800 mg e 1200 mg de cafeína para uma pessoa de 100 kg, 1h antes de testar suas forças e resistências musculares isométricas (estáticas).
      Os resultados mostraram uma correlação positiva entre o aumento da cafeína ingerida e o aumento da força muscular. O grupo que ingeriu a dose de 2 mg de cafeína por kg de massa corporal obteve um aumento de 15% na força muscular.
      A dose de 4 mg de cafeína resultou em um aumento de 40% e o grupo que ingeriu 6 mg de cafeína por kg apresentou um aumento de 50% em sua força muscular isométrica.
      O mesmo padrão foi observado pelos pesquisadores ao testarem a resistência muscular após ingestão de cafeína. A dose de 2 mg de cafeína por kg de massa corporal resultou em um aumento de 20% na resistência muscular isométrica.
      O grupo com a dosagem de 4 mg de cafeína apresentou uma aumento de 40% na resistência muscular e, por fim, o grupo que ingeriu 6 mg de cafeína por kg de massa corporal apresentou aumento de 50% na resistência muscular isométrica.
      Recomenda-se tomar de 200 a 400mg de cafeína aproximadamente uma hora antes do seu treino.
      Todavia, antes de um treino mais pesado, ou se quiser um aumento significativo na força muscular, considere aumentar a dose para aproximadamente 800 mg.
      Mas atenção: você pode acabar desenvolvendo tolerância à cafeína. Então, para garantir que a técnica mantenha sua eficácia ao longo do tempo, a dose mais alta de cafeína deve ser ingerida apenas ocasionalmente.
      Fonte: BROWN, Jordana. Strong Caffeine, Revista Flex, março de 2010, pp. 122.
    • Por Leena Fabrini
      Entendiado com a esteira? Um recente estudo do Centro de Pesquisa Muscular da Universidade de Copenhagen na Dinamarca mostrou que o treino de cardio pode ainda ser mais efetivo quando feito de modo recreativo!
      Os pesquisadores dinamarqueses escolheram 36 homens para seguir um programa de cardio de 12 semanas: uns para jogar futebol recreativo (consistindo de treinos de futebol), correndo por uma hora, duas ou três vezes por semana; e outros não seguiram nenhum plano de exercício.
      Os cientistas descobriram que os homens que jogaram futebol tiveram um maior aumento em seu VO2 máximo (uma medida de capacidade aeróbia), diminuição da gordura corporal (quase duas vezes mais) e um maior aumento no número de capilares por fibra muscular (o que pode ajudar a aumentar o crescimento muscular, havendo maior irrigação de sangue nos músculos, juntamente com mais oxigênio, nutrientes e hormônios anabólicos que ele transporta).
      O grupo de futebol, de fato, ganhou massa muscular (quase 2,3kg) e diminuiu o nível de LDL (mau colesterol).
      Não se preocupe se você não pode jogar futebol para salvar a sua vida - o ponto deste estudo é que o treinamento de futebol, caracterizado pelo "stop-and-go" (semelhante ao treinamento intervalado de alta intensidade) é melhor do que corrida constante. Assim, se o futebol não é uma opção para você, faça algum outro Treino Intervalado de Alta Intensidade (HIIT) num total de 2 a 3 horas por semana.
      Fonte: STOPPANI, Jim. Cardio Corner: Kick Your Fat Goodbye, Revista Flex, março de 2010, pp. 96.
    • Por Bruno1993
       
      Boas pessoal, o que acham do video? Critiquem a vontade
    • Por Leena Fabrini
      Um estudo de referência do Instituto do Câncer Dana-Farber mostrou que o exercício promove o uso e a quebra de gordura estimulando o músculo a liberar um hormônio chamado PGC-1 alfa.
      O hormônio recém-descoberto transforma a gordura branca no abdômen em gordura marrom, promovendo a perda de gordura total. Usar o PGC-1 alfa como um fármaco pode promover a perda de gordura de um modo semelhante ao do exercício.
      O hormônio não foi testado nem aprovado em humanos. Ele pode proporcionar uma nova forma de tratar a obesidade no futuro. Nesse ponto, a melhor maneira de aumentar o PGC-1 alfa é praticar mais exercícios físicos.
      Fontes: International Journal Obesity publicado online em 31 de janeiro e 2012 e Revista Muscular Development, janeiro/2013, pg. 74.
    • Por Leena Fabrini
      A gordura abdominal ou visceral aumenta o risco da diabete tipo 2, a hipertensão, aumenta a gordura no sangue, o risco de ataque cardíaco e acidente vascular cerebral.
      O problema é mais grave nos homens do que nas mulheres, mas muitas mulheres armazenam mais gordura nas vísceras após a menopausa.
      Uma pesquisa australiana reuniu os resultados de 35 estudos (meta-análise) e constatou que o exercício aeróbio é melhor para diminuir a gordura visceral. A maioria dos estudos acerca do treino com peso mostrou apenas pequenos efeitos.
      Os pesquisadores não conseguiram encontrar provas suficientes para dizer que a combinação de exercício aeróbico com musculação funcionou melhor do que o aeróbico sozinho. Eles concluíram que a intensidade moderada de exercício aeróbico – 150 minutos por semana – diminui a gordura abdominal.
      Fontes: Obesity Reviews, 13: 68-91, 2011 e Revista Muscular Development, janeiro/2013, pg. 74.
  • Matérias Recentes

×
Esta popup será fechada em 10 segundos...