Ir para conteúdo
Madilson Medeiros
Madilson Medeiros

Aeróbios: antes ou depois da musculação?

Não é de hoje que temos abordado a questão das diferentes contribuições dos substratos energéticos, ou seja, os nutrientes, na prática da atividade física. Persistem ainda, para muitos, velhos conceitos e ideias equivocadas acerca da alimentação do atleta, das diversas modalidades esportivas.

Neste contexto, muitas dúvidas costumam figurar no cenário da prática esportiva. Aqueles que já estão mais habituados com nutrição esportiva, provavelmente não se surpreendem mais com certas “pérolas” que costumamos ouvir na academia, nas quadras e pistas.

O entendimento de como os nutrientes atuam durante a atividade física é simplesmente fundamental, quer seja para que se busquem estratégias de treinamento, de alimentação, como para otimizar a saúde e a qualidade de vida.

Tais conhecimentos se mostram essenciais em situações onde o fator primordial é o rendimento e a otimização da performance. Através dessa bagagem teórica, torna-se possível ao executante direcionar ser treinamento da melhor forma, proporcionando, assim, um maior aproveitamento de sua capacidade bioenergética.

O combustível oxidado durante o exercício depende da intensidade e duração do mesmo, da idade, gênero e condicionamento do atleta, e do seu estado nutricional prévio. Inicialmente, em termos percentuais, a maior contribuição energética da atividade advêm do carboidrato.

À medida que a duração do exercício continua, a fonte energética pode variar a partir do glicogênio muscular para a glicose sérica, mas em todas as circunstâncias, se a glicose no sangue não pode ser mantida, a intensidade do exercício realizado vai diminuir, ou fatalmente, ocorrerá hipoglicemia.

A gordura somente é utilizada em maiores proporções mediante a intensidade dos exercícios, sendo metabolizada cada vez menos ao passo em que aumenta a intensidade da atividade. Aminoácidos podem contribuir para o gasto energético da atividade durante o exercício, mas em indivíduos alimentados provavelmente possui menos de 5% do gasto calórico.

Porém, ao passo que a duração do exercício aumenta, os aminoácidos teciduais podem contribuir para a manutenção da glicemia através da gliconeogênese no fígado.

Trazendo a situação para a prática da musculação, é muito comum surgirem dúvidas quanto ao momento ideal da atividade aeróbia, quando esta é realizada juntamente com a sessão de musculação.

Muitas pessoas, erroneamente, acabam por realizar a atividade aeróbia antes da musculação, isto por que supõem que esta estratégia seja mais eficaz para a queima de gordura corporal.

Ocorre que, durante a aerobiose, nenhum indivíduo, por mais condicionado que seja, inicia a atividade já consumindo gorduras como fonte de energia. Esta utilização - em termos percentuais, é claro – só ocorrerá após alguns minutos de atividade aeróbia ininterrupta.

E ainda assim, jamais será regida única e exclusivamente pelos estoques corporais de gordura. O que é ocorre é que, gradualmente, conforme a continuidade do exercício, o organismo utilizará proporcionalmente MAIS gordura que glicogênio (carboidrato).

Observe que tal condição somente ocorrerá caso a atividade seja moderada (cerca de 50 a 65%, no máximo, da FC máx.). Caso a atividade aeróbia seja de alta intensidade (exceto nos protocolos de intermitência), o principal substrato será glicogênio muscular.

Ora, se a musculação é assistida, em sua maioria, pelo glicogênio muscular, e este foi gasto na sessão inicial de aerobiose, o que restará de combustível para suprir a demanda energética na musculação, trabalho eminentemente anaeróbio?

Se você respondeu ácidos graxos provenientes dos estoques de gordura corporal, está redondamente enganado.

Nesta situação, é metabolicamente mais viável utilizar proteína tecidual como fonte energética. Em outras palavras, você estará - embora não goste muito do termo - “queimando” sua massa muscular conseguida a duras penas, através de um mecanismo alternativo de energia por transaminação, conhecido como ciclo glicose-alanina.

Agora, analisemos a questão de forma inversa: após encerrada a atividade anaeróbia, ou seja, a musculação, iniciemos o trabalho aeróbio.

Uma vez que o glicogênio muscular encontra-se diminuído em função da sessão de musculação, há a grande atuação de hormônios contrarregulatórios e o organismo encontra-se em condições ideais, a ativação da oxidação de gorduras, neste momento, se dá muito mais eficientemente Nesta circunstância, obviamente, quando a pretensão é a oxidação de gorduras corporais, deve-se fazer a aerobiose imediatamente após o término da musculação, sem a presença de refeição pós-treino, o que poderia impedir a máxima utilização da gordura como substrato energético.

Mais uma vez, afirmamos a necessidade de um entendimento, mesmo superficial, para que possamos otimizar cada vez mais a prática de nossa atividade e assim promovermos melhores resultados, não somente em nossa composição corporal e aparência, bem como na melhora do rendimento.

Então, da próxima vez que alguém suscitar algum questionamento acerca da aerobiose antes ou após o treino de musculação, contemple todos os aspectos envolvidos quanto à bioenergética e fuja dos achismos.

Algumas considerações importantes quanto à utilização de substratos energéticos em nosso organismo, durante a atividade física:

Em repouso, 33% da energia do corpo vem de carboidratos ou de glicogênio, armazenado nos músculos e no fígado. 66% vem da gordura.

Durante o trabalho aeróbico, 50-60% da energia vem de gorduras.

Principalmente carboidratos são usados durante os primeiros minutos de exercício.

Geralmente, leva 20 a 30 minutos de atividade aeróbica contínua para queimar gordura numa razão média de 50% de carboidratos e 50% de gordura.

Exercício intenso ou prolongado pode esgotar rapidamente o glicogênio muscular.

Exercício intenso submáximo utiliza proporcionalmente menos carboidrato.

Proteína pode fornecer até 10% da utilização total de energia substrato durante o exercício intenso prolongado, se as reservas de glicogênio e ingestão de energia são insuficientes (Brooks, 1987).

Quanto mais condicionado um indivíduo, mais ele utilizará gorduras que carboidratos:

  1. Atinge o estado estacionário mais cedo, e permanece lá por mais tempo.
  2. Maior estimulação simpática mobiliza os AGs.

Em uma dieta baixa em carboidratos, utiliza-se uma proporção maior de gordura, mas a resistência é suprimida:

  1. Resistência pode ser reduzida em até 50% por má nutrição.
  2. Aumenta o risco de queimar o tecido magro (músculo) por gliconeogênese (conversão de proteína em glicose).
  3.  

Aeróbicos de alta intensidade, curta duração:

  1. Queimam mais calorias em menos tempo.
  2. Mais glicose, ou glicogênio utilizado.

Aeróbicos de baixa intensidade, longa duração:

  1. Maior proporção de gordura é queimada (não necessariamente mais gordura.

Musculação, pliometria, sprints, ou exercícios intervalados de alta intensidade:

  1. Inicialmente, ATP e CP (produção alática de energia).
  2. Carboidratos utilizados (produção lática de energia).
  3. A gordura somente é utilizada horas após o exercício anaeróbico.
     

REFERÊNCIAS

• ACSM – American College of Sports Medicine. Position stand on exercise and fluid replacement. Med Sci. Spots Exerc., 28-12, I-x, 2007.

• Borsheim E, Aarsland A, Wolfe RR. Effect of an amino acid, protein, and carbohydrate mixture on net muscle protein balance after resistance exercise. Int J Sport Nutr Exerc Metab.2004 Jun;14(3):255-71

• Guyton, A. C.; Hall, J. Tratado de Fisiologia Médica. 10ª ed. São Paulo: Guanabara Koogan, 2002.

• Kreider R.B. et al: ISSN exercise & sport nutrition review: research & recommendations. J Int Soc Sports Nutr 2010, 7:7

• Marquezi ML, Lancha Junior AH. Possível efeito da suplementação de aminoácidos de cadeia ramificada, aspartato e asparagina sobre o limiar anaeróbio. Rev Paul Educ Fis 1997;11:90-101.

• Mcardle, W. D.; Katch, F. I; Fisiologia do Exercício: Energia, Nutrição e Desempenho Humano. 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., 2003.

• Tirapegui, J.; Castro, I. A. Introdução a suplementação. In: Tirapegui, J. Nutrição, metabolismo e suplementação na atividade física. São Paulo: Atheneu, 2005. p. 131-136.

BONS TREINOS E ATÉ A PRÓXIMA!


Entre para seguir isso  
Entre para seguir isso  

Comentários


Muito bom!! Mesmo para quem já sabia, ter a confirmação embasada em artigos científicos é bem melhor, parabéns pela matéria!

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

obrigado pelas informações.

 

fiquei em dúvida sobre a alimentaçâo antes e depois da musculação + corrida:

faço musculação a noite e as vezes corro na esteira durante 30min após o treino.

sempre que volto da musculação, mesmo correndo, tomo meu whey protein (10min. após terminar a corrida).

se meu objetivo for perder gordura nestes dias, que momento devo tomar meu whey protein ???

jah que eh um alimento rico em proteina e pouca gordura.

 

obrigado

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Ótima explanação

 

Seria  bom também um artigo sobre suplementação de carboidrato de Alto IG e proteína no pre e no pós treino, além da ingestão de outras substâncias nutritivas (BCAA,Glutamina e Etc)

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Ótima matéria, sem sombra de dúvidas. Se me permitir fazer uma crítica construtiva, as palavras usadas poderiam ser mais claras/diretas de modo a um leigo (como eu) entender e compreender melhor todo o texto. Muitas pessoas praticam atividades físicas mas poucas tem o habito de ler a respeito. Abs.

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta em nossa comunidade! É rápido, fácil e grátis!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora


  • Conteúdo Similar

    • Por Klaus69
      Comecei na academia faz uns 8-9 meses, tenho 18 anos, 1,77 de altura peso 62kg frango pra caralho, e tipo... treino 5 dias por semana, tomo hipercalórico me mato pra caralho, pegando sempre a máxima carga que dê para fazer 8-12 reps, treino perna 2 vezes, durmo no mínimo 8 horas por dia, dou tudo por tudo e os resultados não vêm... tudo que eu ganhei foi 2kg nem sei se foi de MM, com esse peso deveria ter ganho pelo menos uns 8-9kg em 9 meses mas nem perto dessa merda, sempre quis ter um shape foda mas tou desmotivado pra cacete e ja pensei até em desistir pois tenho medo de perder mais uns 10 meses e continuar na mesma...

      O que eu quero com esse tópico perguntam vcs? DICAS! MOTIVACAO! PORQUE EU TOU PERDENDO A CABEÇA
    • Por Gabr133l
      A um mes comecei uma dieta e treino para ganhar massa muscular, quero saber se a dieta esta boa , se tiraria algo, ou colocaria algo, não sei, me ajudem pfv OBS: Quero ganhar o minimo possivel de calorias (TREINO 5 VEZES NA SEMANA, E SOU NOVO NO FÓRUM)
      QUEM PASSOU ESSA DIETA PARA MIM FOI UMA NUTRICIONISTA ESPORTIVA,PORÉM NÃO SENTI MUITA FIRMESA, E AS INFORMAÇÕES DE CARBOS E PROTEINAS PESQUISEI NA NET
      Altura: 1,64 
      Peso: 55
      BF: 10%
       
      CAFÉ DA MANHA 7:00
      Nesfit - Cacau e cereais                                    30 Gramas (129kcal)  (20g Carbo/ 2,4g Proteina)
      Leite Desnatado                                                200 Ml (74kcal)    (10g Carbo/ 6g Proteina)
      Mucilon Tradicional Milho                                  3 Colheres de Sopa (80kcal)  (18g Carbo/ 1g Proteina)
      Banana                                                              1 Unidade (60kcal)  (15g Carbo/ 0,81g Proteina)
      Pasta de Amendoim                                          2 colheres (178kcal)  (6,4 Carbo/ 8,6g Proteina)
       
      LANCHE DA MANHÃ 9:30 
      Pão integral                                                       3 Faltias (169Kcal)  (30g Carbo/ 8,25g Proteina)                                   
      Frango Assado                                                  35 Gramas  (65Kcal) (9,25g Proteina)
      Milho verde cozido (grão)                                 1 Colher de Sopa (30kcal) (7g Carbo)
      Ervilha (enlatada)                                              2 Colher de Sopa (24Kcal)  (4g Carbo / 1,5g Proteina)
      Sementes de linhaça dourada                          1 Colher
       
      ALMOÇO/ PRÉ TREINO 12:00
      Frango                                                           95 Gramas  (195Kcal)   (29,55g Proteina)
      Arroz Integral                                                63 Gramas (74 Kcal)   (16g Carbo/ 1,7 Proteina)
      Batata Doce                                                  168 Gramas (190Kcal)  (43g Carbo/ 4g Proteina)
      Feijão                                                             
       
      PÓS TREINO 14:00
      Whey                                                         ½ Scoop 125Kcal (20g Proteina)
      Dextrose                                                     1 Colher (28g Carbo)
       
      LANCHE DA TARDE 15:00
      Batata Doce                                                 252 gramas (215Kcal) (50g Carbo/ 4g Proteina)
      Frango                                                         95 gramas (195Kcal) (29,55g Proteina)
      Queijo Minas Frescal Light                           1 Fatia (47Kcal) (6g Proteina)
      Bergamota                                                    1 Unidade
       
      LANCHE DA TARDE 18:00
      Granola                                                          4 Colheres (165Kcal) (36g Carbo/ 3g Proteina)
      Mel                                                                 1 Colher (45Kcal) (12g Carbo)
       
      JANTAR 21:00
      Feijão cozido                                                 80 Gramas (65 Kcal) (11g Carbo/ 4g Proteina)
      Batata Doce                                                  120 Gramas (140Kcal) (23g Carbo 1g Proteina)
      Ovo Cozido                                                   1 Unidade (70Kcal) (5g Proteina)
      Salada                                                           A Vontade
       
      Oq faria de diferente? Se tirariam algo, e poderia algo, achei muito carboidrato sei lá, porem como nao entendo quase nada quero a ajuda de vcs, me ajudem aaae
    • Por Hugo Malacrida
      Fala ai Rapaziada
      Eu emagreci 30 Kilos,hoje estou com 90 kg,1,92 de altura e 20 anos de Idade.Porém,como perdi uma certa quantia de peso,meu abdomen,cintura e Peito ficaram um pouco flácidos. Gostaria de Saber se mesmo assim é possível definir e ter  o corpo que todo Homem gostaria de ter. Desde já,Obrigado
    • Por inaldsonjunior
      Alguém conhece algum complexo que queime gordura e não faça mal???
      Valeu
    • Por Monica Cabral Cunha
      Acabei de me registrar aqui. Fiz crossfit por 1 ano e meio e deu uma detonada nos meus joelhos. Fiquei parada um tempo, fiz ballet mas acabei parando. Entrei numa academia pra fazer spinning, só que to achando que minha perna ta perdendo massa muscular. Odeio musculação, muito mesmo, mas acho que vou ter que começar a  fazer. A minha pergunta é: faço treino de perna antes ou depois da aula de bike? bjs a todos e muuuuito obrigaaaada! 
  • Matérias Recentes

×
Esta popup será fechada em 10 segundos...