Pesquisar na Comunidade

Resultados para as tags 'dieta'.



Mais opções de busca

  • Buscar por Tags

    Digite tags (palavras-chave) separadas por vírgulas, não use hashtags (#).
  • Buscar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fórum para Hipertrofia e Emagrecimento

  • Anabolizantes Esteroides
    • Tópicos sobre Esteroides
  • Suplementos Alimentares
    • Tópicos sobre Suplementação
  • Treinamento de Musculação
    • Tópicos sobre Treinamento
  • Nutrição Esportiva
    • Tópicos sobre Nutrição
  • Gente
    • Tópicos sobre Evolução do Shape com Fotos
  • Assuntos Diversos
    • Tópicos sobre Temas não Previstos em outros Fóruns

Calendários

  • Campeonatos de Musculação
  • Cursos, Palestras e Feiras

Categorias

  • Esteroides
  • Suplementos
  • Treinamento
  • Nutrição
  • Gente
  • Diversos

Categorias

  • Esteroides
  • Suplementos
  • Treinamento
  • Nutrição
  • Gente
  • Diversos

Categorias

  • Aves
  • Bebidas
  • Carnes
  • Lanches
  • Legumes
  • Ovos
  • Massas
  • Peixes e Frutos do Mar
  • Saladas
  • Sobremesas

Categorias

  • Abdominal
  • Antebraço
  • Bíceps
  • Costas
  • Coxa
  • Glúteo
  • Lombar
  • Ombro
  • Panturrilha
  • Peito
  • Pescoço
  • Romboide
  • Trapézio
  • Tríceps

Grupo


Interesses


Instagram


Facebook


YouTube


Twitter


Google+


Website URL


Série de Treinamento


Suplementação


Dieta Nutricional


Ciclos de Esteroides Anabolizantes & Drogas Afins


Academia


Altura


Peso


Percentual de Gordura

Encontrado(s) 676 registros

  1. Não tenho como fazer exercícios e quero perder peso o mais rápido possível, mas sem ficar passando vergonha na rua desmaiando, não como legumes, nem verduras e eu pensei em fazer essa dieta com frutas ao invés de leite, mas me deu fraqueza.
  2. Não tenho como fazer exercícios e quero perder peso o mais rápido possível, mas sem ficar passando vergonha na rua desmaiando, não como legumes, nem verduras e eu pensei em fazer essa dieta com frutas ao invés de leite, mas me deu fraqueza.
  3. Olá pessoal!!! Pra quem não me conhece eu sou veterano e faço musculação natural. Resolvi voltar com esse tópico novo na área da nutrição. Assim como todo marombeiro quero baixar meu bf. Sou baixinho, tenho só 1,64 cm, estava com 71 kg. Agora estou com 69,6 kg. Acredito que com 68 kg estarei com um bom bf e 67 kg é meu sonho de consumo pois isso daria talvez uns 14% de bf. Então preciso perder pelo menos 2 kg e não é fácil perder os últimos dois quilos. Todo mundo tem coisas boas e ruins a dizer sobre dietas, dos bons e maus resultados. Venho ajustando minha dieta desde 2011 e finalmente nessa última semana estou conseguindo resultados excepcionais o que me motivou a voltar ao fórum. Não sigo nenhum dieta em especial mas já li muito sobre várias delas no google e nos fóruns como Atkins, metabólica, cetogênica, de saldo calórico, contagem de calorias etc e etc. Quem quiser minha opinião sobre qualquer uma dessas dietas, alimentos e qualquer assunto relacionado é só perguntar. Pretendo falar aos poucos sobre cada um dos itens que coloquei ou retirei da minha dieta. E hoje vou falar do café. Eu substituí o leite pelo café preto no café da manhã, mas procuro não exagerar. Ele é um ótimo termogênico natural. O café tem sido absolvido dos males que pensavam que ele causava, mas até hoje acho que exagerar pode não ser uma boa ideia. No café da manhã tomo uma xícara daquelas em que se toma café com leite. No emprego tomo na manhã e na tarde dois cafezinhos em cada turno, 1/2 copinho de cada vez e já deixo separados na minha mesa os copinhos. À noite só uma xícara pequena de café. Dica boa né? Eu entrei no time dos cismados com leite...mas sem radicalismos. Continuo com alguns derivados do leite e foi por motivo de prevenção contra doenças bem específicas que eu imagino estar associadas ao leite, Pois vou começar agora meu relato...a luta pra emagrecer, que posso perder e não emagrecer... ou ganhar e chegar aos 68 ou 67 kgs. Partiu!!!!
  4. Idade:16 anos Altura:1,70 Peso:54 kg Fui até a nutricionista,fiz a dieta e mesmo assim não obtive resultados satisfatórios.Quero ganhar no máximo 6 kg,mas quero uma dieta limpa. Alguém pode me ajudar?Suplemento somente com whey. Obrigada,Ana Gabrieli
  5. bulking limpo

    E aê galera blz? Bom, montei um bulking limpo pra min e gostaria da opinião de vocês, fiz tudo bem organizado no excel, abaixo colocarei fotos da planilha e também a planilha (que pode servir como organização da dieta de vocês também, ela é automatizada... Então vamos lá... Dieta.xlsx A divisão calórica ficou assim: 17% Pré treino, 33% Pós treino, 50% Restante do dia Agora a divisão de alimentos:
  6. Estou a procura de um nutricionista esportivo, vocês sugerem algum? De preferência que atenta unimed leste fluminense.
  7. Fala galera do fórum, beleza? Essa seman me consultei em um nutricionista esportivo pra pegar uma dieta nova.Na consulta foi definido um novo objetivo, que é o de reduzir gordura e ganhar o máximo de massa magra Junto com a dieta o nutricionista me receitou alguns manipulados,como crisina(eu tenho um pouco de ginecomastia) e pimenta do reino.Mas junto com eles foi receitado xantinon,que eu vi na web que seria um protetor hepático, que a galera usa quando tá ciclando ou fazendo tpc. Qual seria a intenção dele ao me passar esse protetor?eu nunca fiz e nem vou fazer algum uso de anabol, então vale a pena tomar o remedio?será que não existem contra indicações pro uso?(pelo que eu pesquisei, não encontrei nenhuma...) Vou ficar mt grato se alguem puder responder, valeuu galera obs:se ajudar, eu posso postar a dieta aqui
  8. dieta monstr , hipertrofia

    Fala galera é o seguinte preciso da ajuda de vocês pra formular uma dieta com o objetivo de ganhar massa muscular com resultados se possível em 3 meses. Tenho 16 , 1.90m 75 kg Vou começar a fazer academia de segunda a sexta às 8h até as 9h e pouquinho da manhã , estudo da 13h até as 18h , fasso jiu jitsu segunda , quarta e sexta das 19:15 as 20:30 Aceito tbm dicas já que sou totalmente leigo no assunto . Um abraço
  9. E o seguinte, voltei a malhar tem uns 2 meses, sempre fui adepto a dieta cetogênica, creio que conheço bem meu corpo para fazer tal dieta, zerando carbo e tal... Sei muito bem quando repor carboidrato e etc. Mas enfim, há duas semanas resolvi reativar essa dieta, porém o peso na balança não ta mudando vei! Não saio dos 86kg, e to fazendo CERTO! Minha alimentação ta girando em torno de água, carnes, ovos e verduras praticamente. A balança não muda os 86, porem eu acordo a cada dia mais seco, a barriga mais chapada, eu não sei o que ta acontecendo! Eu to ficando doido já com isso. Será que eu to ganhando massa magra? Pois li em muitos lugares que com a dieta cetogênica o aumento de massa magra acontece e isso ta dando um empate parcial na balança? Ou será que fiquei estagnado e não estou percebendo? Minhas calças tudo caindo, blusas largas.. Eu vou ficar doido! Me expliquem os motivos disso está acontecendo por favor? kkk Altura: 1,74 Peso: 86kg
  10. ola meu nome e miguel gostaria de saber se alguem pode me ajudar a montar uma dieta pois tenho nenhuma experiencia . dados objetivo : perda de peso idade : 18 peso: 131 kg altura : 182 tempo de treino : 2 messes
  11. Bom dia galera Eu fiz um plano alimentar pra ganhar peso na academia apesar de estar ganhando peso tenho ganhado muito pouco em um prazo enorme de tempo, eu to a 2 meses na academia e so engordei 1,5kg alem de que no começo conseguia pega mais peso mais agora nao mais Gostaria de uma avaliação rápida, queria saber se estou fazendo tudo certo, ou deveria trocar algo por exemplo, coloca mais algum suplemento ou mais proteina ate mesmo pra da uma economizada (rs) lembrando que é pra massa magra em galera vlw CAFÉ DA MANHÃ (6:00) Opção 1: 1 copo de 200ml de vitamina (leite desnatado + fruta + 1 colher de sopa de HIPERCALÓRICO) + 2 fatias de pão de forma ou 1 unidade de pão francês com 1 fatia de queijo branco + 1 fatia de peito de peru light. LANCHE DA MANHÃ (09:00) Opção 1: Fruta. ALMOÇO (12:00) Opção 1: Salada (folhosos) à vontade + 2 colheres de sopa de salada crua + 1 colher de sopa de salada cozida + 2 colheres de servir rasa de arroz + 1 concha pequeno de feijão + 1 filé de frango grelhado + 1 copo de 150ml de suco natural. Pré-treino (13:00) 2 pedaços médios de batata doce e BCAA (2 Capsulas) Pós-treino (15:00) Imediatamente após o treino, ingerir 2 cápsulas de BCAA + 2 scoops WHEY PROTEIN CONCENTRADO diluído em 200ml de água gelada + creatina (3g). Consumir omelete (1 ovo inteiro + 2 claras + queijo branco + peito de peru light)+ 1 copo de 150ml do suco do uva natural. LANCHE DA TARDE (18:00) 1 copo de 200ml de iogurte + 2 fatias de pão de forma com creme de ricota. JANTAR (21:00) Salada (folhosos) à vontade + 2 colheres de sopa de salada crua + 2 colheres de salada cozida + 2 pegador de macarrão + 1 filé de frango grelhado +1 copo de 150ml de suco natural. CEIA (23:00) 1copo de 200ml de vitamina (leite desnatado + fruta + 1 colher de sopa de HIPERCALÓRICO).
  12. Eae Galera, Tudo bom com vocês? Bom, Meu nome é Gabriel tenho 20 anos peso 65Kg e tenho 1,70m de altura.... Estou começando agora (Sou muito Magro e quero "crescer") me ajudem com uma dieta, não sei oque fazer pois não consigo saber oque comprar para comer, as coisas que não posso e nem as quantidades corretas para ingerir, Alguém pode elaborar uma tabela de Dieta pra eu seguir? Elaborar as refeições. Uma que dê um resultado muito bom (Sem coisas muito caras por favor kkkk) Em relação a Suplementos, Estou pensando em comprar o Monster Extreme Black (44 Packs) da probiótica. pois já vem completinho o Pack... Quem puder me ajudar eu agradeço muito, VLW!!!
  13. Alguns alimentos que ajudam na alimentação, como por exemplo em dietas etc.. Achei este post na internet e achei interessante compartilhar com vocês.. Airelas As arielas são excelentes para combater as infecções urinárias. São também uma grande fonte de antioxidantes: vitamina C e E, e acima de tudo são dos melhores alimentos para contrariar os efeitos negativos dos radicais livres. Ajudam também a reduzir o risco de cancro, ataque de coração e doenças cardíacas. Dose recomendada: 1/4 chávena, 11 Kcalorias Chá verde Pesquisas recentes demonstraram que o chá verde está repleto de antioxidantes, notáveis para prevenir o risco de doenças cardíacas e cancro. Dose recomendada: 1 chávena, 0 Kcalorias Mirtilos Os mirtilos são excelentes para o cérebro, ajudam a combater a perda de memória de curto prazo, e para além disso são excelentes antioxidantes. Dose recomendada: 1/2 chávena, 40 Kcalorias Manga O licopeno presente nesta maravilhosa fruta tropical ajuda a prevenir a degeneração macular que é responsável pela perda de visão. As mangas têm também uma grande concentração de fibra e potássio que ajudam a recuperar de e prevenir diversas doenças. Dose recomendada: 1 manga, 135 Kcalorias Kiwi Este fruto é excelente para a prevenção da degeneração macular devido à sua elevada concentração de luteína. É também grande fonte de vitamina C, fibra e potássio. Dose recomendada: 1 kiwi, 50 Kcalorias Cenouras É a fruta que mais betacaroteno contém. O betacaroteno é uma forma da vitamina A - formada por propriedades antioxidantes. Dose recomendada: 1/2 chávena de cenouras cozidas, 27 kcalorias Amêndoas As amêndoas são excelentes anti-stressantes. São óptimas fontes de vitamina B2 e E, bem como de magnésio e zinco, que são formidáveis para combater os radicais livres responsáveis por doenças cardíacas. Dose recomendada: Amêndoas com casca, 1/3 chávena, 306 Kcalorias Tomates Uma das grandes recomendações para a saúde são os tomates pois contêm licopeno: um poderoso antioxidante comprovado no combate nas doenças cardíacas e na prevenção do cancro de pele. O tomate é também uma grande fonte de vitaminas: A, C e E. Dose recomendada: 1 chávena de tomates aos cubos: 32 Kcalorias; ou 1 chávena de tomates cherry, 27 calorias Espinafres e outras folhas verdes Os espinafres são óptimos, especialmente para melhorar a visão. Quer os espinafres, quer a couve e outras folhas de vegetais verdes são uma óptima fonte de antioxidantes, fibra e ferro. Dose recomendada: 1 chávena de folhas cruas, 1/2 chávena cozinhadas, 20 Kcalorias Feijão O feijão em geral, é uma excelente fonte de proteína, fibra, magnésio, zinco, cálcio e ferro. É rico em ácido fólico, o que pode reduzir consideravelmente o risco de defeitos genéticos se ingerido antes e durante a gravidez. Os feijões são uma óptima fonte de proteína, fibra, magnésio, zinco, cálcio e ferro. Dose recomendada: 1 chávena de feijão cozido, 225 Kcalorias Brócolis Os brócolos são uma poderosa arma de combate a muitas doenças devido à sua alta concentração de vitamina A e C. Adicionalmente contêm nutrientes muito importantes para um corpo saudável como o cálcio, o potássio e a fibra. Dose recomendada: 1 chávena de flores de brócolos crus, 44 miligramas de cálcio, 66 Kcalorias Café Um por dia pode ser uma excelente ajuda na prevenção da diabetes de tipo II, bem como o cancro do cólon. Contudo, o café para ser um amigo e não um inimigo deve ser ingerido com muita moderação. Dose recomendada: 1 café expresso sem açúcar, 4 Kcalorias Aveia Óptima fonte de fibra, especialmente indicada para começar o dia. É óptima para ser ingerida ao pequeno-almoço juntamente com fruta. Como a aveia tem um índice glicémico baixo, é uma excelente ajuda para manter a energia ao longo do dia, bem como o controlo da fome. Dose recomendada: Aveia integral, 1/3 chávena, 113 Kcalorias Leite Magro O leite magro é uma óptima fonte de cálcio, pois é baixo em gordura e contém vitamina D, que ajuda o corpo a absorver o cálcio. Tomar uma dose de 1,000 a 1,200mg de cálcio por dia ajudará a prevenir a osteoporose. Dose recomendada: 1 chávena, 300mg cálcio, 90 Kcalorias Morangos Para além da sua beleza irradiante, são um óptimo snack quando apetece algo doce. Quando apetecer um bolo, a ingestão de alguns morangos ou framboesas eliminará esse desejo. Os morangos e as framboesas são ricas em fibras e em vitamina C. Dose recomendada: 1/2 chávena, 60 Kcalorias Espargos Este vegetal é muito rico em ácido fólico, ajuda a estabilizar o humor e a prevenir defeitos genéticos no bebé quando ingerido durante e antes da gravidez. É também um diurético natural e uma excelente fonte de potássio. Dose recomendada: 7 espargos cozidos, 25 Kcalorias Maçãs As maçãs ajudam a combater os ataques de fome, e estão cheias de vitamina C. São uma boa fonte de fibra solúvel, óptima para baixar o colesterol e os níveis de glicose. Dose recomendada: 1 maçã, 47 Kcalorias Ervilhas As ervilhas são uma excelente fonte de fibra. A melhor opção são as ervilhas frescas ou congeladas, pois as enlatadas usualmente contêm um alto teor de sal. Dose recomendada: 1/2 chávena de ervilhas congeladas, 30 Kcalorias Alcachofra A alcachofra é rica em antioxidantes e em potássio, óptimo para a boa manutenção muscular e para a manutenção da tensão arterial num nível saudável. Dose recomendada: 1 coração de alcachofra cozido, 50 kcalorias Abacate Para uma boa visão os abacates são a solução, pois são ricos em vitamina E. A gordura mono saturada do abacate é óptima para o bom aspecto da pele e do cabelo. Dose recomendada: 1/2 chávena, 80 Kcalorias
  14. A obesidade é uma doença crônica que afeta cada vez mais crianças e adultos. Na última década sua prevalência aumentou 32%. Nos países desenvolvidos, onde os alimentos ricos em energia são abundantes e baratos e os estilos de vida são cada vez mais sedentários, a obesidade, há algum tempo, já é um problema significativo. Os países em desenvolvimento têm a desnutrição como um dos maiores problemas, mas a obesidade vem crescendo assustadoramente e já é também considerada uma grave questão de saúde pública. No Brasil, 40% dos adultos e 20% das crianças têm excesso de peso (Monteiro e cols.,1997). A obesidade é acompanhada por um aumento marcante do número de células adiposas. Através da perda de peso, pode-se conseguir a diminuição no tamanho celular, mas o número de células permanece alto. O aumento do número de células é maior quando o ganho de peso ocorre precocemente do que quando se inicia mais tarde. Não se sabe ao certo se esse estímulo é nutricional, endócrino, comportamental, genético ou alguma combinação dessas associações (Waitzberg, 2000). São vários os fatores incluídos na gênese da obesidade que se encontram ainda inconclusivos. Dentre eles, podemos destacar o papel dos macronutrientes. Evidências epidemiológicas mostram que o aumento da ingestão de gorduras está relacionado com o aumento da obesidade (Monteiro, 1999). Um estudo realizado no ambulatório de obesidade do hospital das clínicas da FMUSP mostra que indivíduos que procuram tratamento para redução de peso apresentam uma alimentação predominantemente hiperlipídica. A partir de evidências clínicas e de artigos científicos, pretendemos destacar os principais efeitos da dieta do Dr. Atkins no emagrecimento e verificar suas implicações relacionadas ao bem-estar e estado de saúde, considerando o aporte de calorias e nutrientes, o perfil lipídico e o controle de fome e saciedade. Qual o tipo de dieta mais indicado para perda de peso? Existe uma composição ideal ou mais eficiente com relação aos macronutrientes no tratamento da doença? A dieta A dieta do Dr. Atkins é a mais famosa das dietas pobres em carboidrato e ricas em proteína e gordura. Geralmente, as dietas com essas características apresentam de 55-65% de gorduras, 25-30% de proteínas e menos de 20% de carboidratos. Robert Atkins é um médico cardiologista que relata ter observado os efeitos da sua dieta em pacientes cardiopatas, tendo a perda de peso como um efeito adicional. A partir de sua experiência, publicou seu primeiro livro em 1972. Após vinte anos, o autor atualiza alguns conceitos e publica “A nova dieta revolucionária do Dr. Atkins”. O autor sugere que existe uma “vantagem metabólica” da proteína com relação ao carboidrato, sendo assim o indivíduo poderia emagrecer independentemente da in-gestão calórica. Em uma revisão bibliográfica sobre os vários tipos de dieta, Freedman e cols. (2001) demonstram que dietas hipocalóricas, independentemente da distribuição dos macronutrientes, resultam em perda de peso. Em outro estudo, Wing e cols. (1994) discutem a melhora do controle glicêmico e diminuição da resistência a insulina como um reflexo do emagrecimento, em qualquer tipo de dieta. RaeiniSarjaz e cols. (2001) afirmam que restrição calórica é importante para melhora do perfil lipídico. Quanto à perda de peso, pode-se dizer que, sem dúvida, o que vale em uma dieta são as calorias totais. A dieta Atkins não restringe calorias, mas com a proibição dos carboidratos a alimentação fica restrita, sendo assim, como outras dietas da moda, acaba se tornando monótona e talvez por isso hipocalórica, o que vem a favorecer a perda de peso. Atkins considera o carboidrato como grande vilão pelo fato de favorecer o aumento da insulina. A insulina seria responsável por um maior acúmulo de gordura, maior retenção hídrica, aumento de triglicérides e maior risco de doenças cardiovasculares. A hiperinsulinemia realmente aumenta a captação de nutrientes, inibe a lipólise e favorece um aumento no tamanho dos adipócitos, e está amplamente relacionada com a obesidade. A discussão ainda permanece, mas não se sabe ao certo se a elevação dos níveis de insulina é causa ou reflexo do sobrepeso (Frost et al, 2000; Felig et al.). Por outro lado, Schwartz (2000), analisando estudos experimentais, coloca que a insulina tem uma função essencial no SNC para o controle da fome e saciedade, gasto energético e regulação da leptina. Além disso, o potencial de elevação de glicemia/insulinemia não está simplesmente relacionado à ingestão de carboidratos, mas sim, ao tipo de carboidrato (simples ou complexo), à composição da alimentação (proteínas, fibras) e ainda a outros estímulos, como, por exemplo, presença de gordura saturada. A dieta Atkins propõe uma drástica redução na ingestão de carboidratos que varia de 15 a 60 g, de acordo com as fases que ele denominou de: indução, perda de peso contínua, pré-manutenção e manutenção. A indução duraria em média 14 dias e a ingestão de carboidrato não ultrapassa 15 g por dia. Segundo Atkins, neste período, a perda de peso é “surpreendente” e esse é um dos maiores estímulos para seguir a dieta pela “vida inteira”. Para ingressar na segunda fase (a continuação) seria necessário fazer exames laboratoriais para avaliar o perfil lipídico. Caso haja aumento de colesterol total e LDL, o autor sugere a substituição de gordura saturada por insaturada. A quantidade de carboidratos, então, deve ser de, no máximo, 30 g por dia. A pré-manutenção seria uma fase de transição, em que o indivíduo pode reduzir ou manter o peso. A dieta ainda é restritiva e a quantidade de carboidrato fica em torno de 45 g por dia. A última fase é permanente e, de acordo com o autor, favorece a manutenção do peso. A quantidade de carboidratos deve aumentar gradativamente, respeitando a tolerância individual, podendo chegar até a 60 g por dia. Os doces continuam sendo proibidos. Se houver aumento de 2,5 kg, o programa deve ser reiniciado. De acordo com os princípios da dieta Atkins vale colocar em questão se realmente as gorduras são mais adipogênicas. Estudos mostram que, inclusive entre as camadas mais pobres da população, a transição nutricional está relacionada com o aumento do consumo de gorduras e proteínas (Monteiro et al, 1997). Esta marcante ingestão de gorduras pode estar relacionada com uma maior palatabilidade, uma mastigação menos trabalhosa, menor efeito sacietógeno no momento da ingestão, maior densidade energética, e ainda, balanço energético menos eficiente. De acordo com Foster e cols. (2001), ao comparar a adesão das dietas Atkins e dieta convencional por 12 semanas, houve uma maior adesão à dieta das proteínas. Num estudo de Horton e cols. (1995) observou-se que os macronutrientes se oxidam de forma diferente, ou seja, com uma sobrecarga de carboidratos, ocorre uma maior oxidação destes; no entanto, quando a sobrecarga é de gordura, esta não se oxida mais, com conseqüente acúmulo. Além da distribuição dos macronutrientes, também é importante considerar o tipo de gordura utilizado na dieta. De acordo com Delany e cols. (2000), quanto mais longa for a cadeia do ácido graxo, mais saturado ele será e, portanto, engordará mais que os mais insaturados. De acordo com Foster e cols. & Brehm e cols. (2001), em uma comparação entre a dieta Atkins e convencional, a Atkins parece favorecer a relação LDL/HDL. No entanto, acreditamos que as frações HDL e LDL modificadas se-jam as ruins e não as protetoras, o que ainda deve ser investigado. Conclusão São necessários estudos com maior duração para avaliar a possível eficácia clínica e segurança da Dieta do Dr. Atkins como ferramenta terapêutica na redução e manutenção de peso a longo prazo. Para o tratamento da obesidade é seguro afirmar que dietas hipocalóricas e balanceadas, que proponham uma reeducação alimentar, trazem os resultados mais eficazes e duradouros. Referências bibliográficas à disposição sob solicitação A Dieta do Dr. Atkins: uma Análise Crítica Mônica Beyruti Ana Paola Monegaglia Mariana Del Bosco Rodrigues Nutricionistas da Clínica Alfredo Halpern
  15. Qual seria sua reação se alguém lhe dissesse que você pode comer a vontade, sem se preocupar com calorias ou gorduras e ainda assim ser “grande e seco”, mas que para isso teria que voltar para aquele estilo de vida do período paleolítico? Confesso que fiquei bastante curiosa e resolvi ler sobre o assunto. Depois de muita pesquisa concluí que a teoria tem muito fundamento, mas na hora de colocar em prática bateu certo receio. Até porque quem treina e faz dieta sabe que é um pouco complicado se “arriscar” sem acompanhamento. Vou compartilhar com vocês um pequeno resumo sobre o que aprendi, lembrando que é baseado em pesquisas e não em experiência própria. A ideia por trás da Dieta Paleo é comer como nossos antigos ancestrais comiam: uma dieta que consiste em peixe, carnes de animais de pasto, ovos, vegetais, frutas, fungos, raízes e nozes. É por isso que ela também é conhecida como a dieta do homem das cavernas, dieta da idade da pedra e a dieta do caçador-coletor. Os homens ainda não plantavam trigo, milho, arroz, por exemplo, que dirá moíam e misturavam grãos, então as massas não existiam e, portanto, são naturalmente excluídas da dieta. Por isso as fontes de carboidratos se tornam os legumes, verduras e frutas, que nos trazem a quantidade que precisamos desse macronutriente e uma boa quantidade de fibras, tendo um menor índice glicêmico (diz respeito à velocidade com que um alimento que contém carboidrato libera glicose, ou seja, açúcar no sangue), do que as massas. Na Idade da Pedra, ninguém estava muito preocupado com o tipo de gordura que estava sendo ingerido. Na verdade pela dificuldade em consumir carboidratos, a gordura era uma fonte de energia. Nenhum tipo de alimento processado pode ser inserido nessa dieta. Esqueça os amidos, o leite, os grãos, o sal e diversos outros que são obtidos através da industrialização dos elementos. Portanto, prepare-se para transformar completamente os seus hábitos alimentares e assumir, nesse quesito, a mentalidade do homem paleolítico. Então quais os alimentos excluídos da Dieta Paleo? Os grãos, leguminosas (amendoins, diversos tipos de feijões e grão de bico), laticínios, batatas, sal refinado, açúcar refinado e óleos processados (gorduras trans, assim como óleos vegetais refinados como óleo de canola, de girassol e de cártamo). Como pode ver, é uma dieta de alta proteína, baixo carboidratos e alta gordura, e faz você comer diversos animais e produtos animais. Você deve estar pensando: “Comer um monte de gordura saturada não vai fazer meu coração explodir?” Não, não vai. O mito que a ingestão de gordura saturada está associada a doenças cardíacas já foi totalmente derrubado. Dieta Paleo e Hipertrofia: É interessante que quando temos acesso aos estudos científicos que falam sobre o porte físico das pessoas (especialmente os homens) do período paleolítico, temos como referência pessoas grandes e saudáveis, com músculos desenvolvidos e pouca gordura ruim no corpo (bom neah?). E isso tem uma explicação lógica: a alimentação baseada em vegetais, carnes e gorduras. Esse processo, portanto, é excelente para o desenvolvimento do corpo, que é também conhecido como “hipertrofia”, ou seja, o alargamento dos músculos. Portanto, além de ser perfeita para o emagrecimento, essa dieta também é ótima para quem deseja aumentar a massa magra. Dieta Paleo e Emagrecimento: É estranho pensar que consumindo gordura e fazendo uma dieta onde não se conta calorias vamos ter perda de peso, mas em ensaios clínicos de perda de peso, intervenções com mais gordura levaram à perdas de peso mais significativas do que as intervenções com menos gordura. Sim, é isso mesmo, estudos mais recentes mostram que consumir gordura “boa” auxilia no emagrecimento. Sem contar que a dieta Paleo é considerada low carb (baixos níveis de carboidratos), o que ajuda no processo. O que eu li sobre experiências de pessoas adeptas a essa dieta, é que você acaba não consumindo tanta gordura como consome carboidrato, isso devido ao gosto enjoativo da gordura. A gordura ainda ajuda na saciedade, evitando que apareçam aqueles desejos por doces. Outra coisa que li em depoimentos dessas pessoas é que dieta paleolítica promove um emagrecimento RÁPIDO. Muitos estavam maravilhados com o resultado. Benefícios: -Uma maneira fácil e rápida de emagrecer sem contar calorias; -Níveis de energia altos e balanceados sem quedas; -Sem desejo por comidas que não são saudáveis; -Melhora nos exercícios; -Proteção contra vários tipos de doenças, como doenças cardiovasculares e diabetes; -Pele mais clara e cabelos e dentes mais bonitos; -Redução de alergias; -Sono melhorado. Conclusão: Existem muitas informações na internet de diversas vertentes. Pesquisando pode-se encontrar ideias de cardápios e até mesmo dietas montadas. O problema que eu vejo são as quantidades, como saber quanto devo comer para ter hipertrofia ou emagrecimento? Lembre-se que altura, peso e idade influenciam nas porções. Por isso, se você se interessou, recomendo que procure um profissional que esteja familiarizado com a dieta Paleolítica.
  16. Gente, muitas pessoas perguntam inúmeras vezes sobre dietas, e, aliás, a cada dia, mais dietas surgem no instagram, no facebook, na roda de amigos... É cada absurdo que eu vejo que sempre preferi nem comentar, mas dai, acabo não sendo uma boa profissional, porque não estaria fazendo minha parte né? Bom, então vou te dizer algo pra nunca mais você esquecer de se lembrar! Esta preparado? A melhor dieta.... É aquele que você segue! Sim! Seja uma dieta simples, de arroz com feijão, carne e salada, seja uma dieta de frango com batata doce, seja uma dieta cheia de coisas caras e sofisticadas.... Nada vai adiantar se você furar a dieta a cada dois dias! Se sempre você achar uma desculpa para comer um docinho, ou ir atrás de um petisco... E aí meu amigo, minha amiga.... As desculpas são as mais variadas! - Festa de aniversário do filho e você foi amarrado e obrigado a comer bolo e brigadeiro -TPM, Nossa! Nenhuma mulher sofre disso né? Você deve ser uma coitada porque precisa agora comer uma panela de brigadeiro por tamanho sofrimento! --Eu mereço! Merece?? O que você fez pra merecer uma panela de brigadeiro? Que prêmio mais chinfrim você se dá heim? Que tal aumentar seu ticket médio? Valorize-se! Você merece ter um corpo saudável! Você merece colocar o biquini de lacinho! Você merece não ser escrava da balança! E quanto a dieta? É aquilo que falamos SEMPRE! Procure evitar os produtos industrializados, evite frituras, açúcar, refrigerantes, bolachas de pacote. Inclua verdinhos no seu dia a dia, beba bastante água, faça exercícios e tenha uma boa noite de sono! Aí coleguinha... Sucesssssooo! Beijos e Boa semana
  17. Eai galera to com uma duvidas sobre dieta, estou notando que meu abdomen está acumulando gordura, queria uma dieta que funcione de fato, para perda de gordura. e como devo fazer nos meus treinos se os abdominais é necessário, e como devo fazer para aparecer os gomos, obs: sou ectomorfo e mesmo assim nao aparece
  18. Estratégias Nutricionais para Aumento da Massa Muscular Autor : Rodolfo Anthero de Noronha Peres* – CRN8-2427 O aumento expressivo da massa muscular só é possível quando existe sinergia entre o treinamento, o descanso, a alimentação e uma suplementação nutricional adequada (se necessário). Quando apenas um destes fatores não está adequado, sem dúvida, o processo de hipertrofia muscular será prejudicado. A hipertrofia ocorre apenas a partir do saldo de síntese protéica, ou seja, quando a síntese de proteínas excede a degradação protéica. Para maximizar o ganho de massa muscular, é necessário otimizar os fatores que promovam a síntese e diminuam a degradação protéica. Um grande número de potenciais fatores pode influenciar as alterações induzidas pelo exercício sobre o metabolismo protéico muscular, incluindo tipo, intensidade, freqüência e duração do exercício, fatores hormonais, duração do período de recuperação pós-exercício de força e ingestão dietética. A ausência de uma ingestão alimentar adequada mantém a síntese protéica negativa, mesmo com a presença do exercício de força. Estima-se que em torno de 60-70% do sucesso em um programa de treinamento dependa da alimentação. Portanto, este artigo apresenta várias estratégias nutricionais que não podem ser negligenciadas quando se tem por objetivo o aumento da massa muscular. São estratégias fundamentadas em anos de experiência atuando com bodybuilders de alto nível. Os adeptos deste esporte são ótimos parâmetros, pois buscam a condição máxima de apresentação física em simetria, densidade, volume e definição muscular. Eles estão para o nosso trabalho com indivíduos freqüentadores de academia não atletas, como a Fórmula 1 está para a indústria automobilística. Ou seja, podemos utilizar as mesmas estratégias/princípios, logicamente com as devidas proporções. 1. Estabeleça objetivos factíveis! Primeiramente deve-se ter ampla consciência que sem o uso de drogas anabólicas nocivas à saúde, é praticamente impossível um ganho em massa isenta de gordura superior a dois quilos em um mês. Vale mencionar também que conforme o indivíduo torna-se cada vez mais adaptado ao treinamento, a evolução torna-se mais lenta. 2. Atenção com sua ingestão calórica! Um dos erros mais comuns é ingerir a mesma quantidade ou até menos calorias do que se gasta, ficando com um déficit energético considerável. Essa prática certamente impedirá o processo de hipertrofia. Não se esqueça que a capacidade do músculo de formar novas proteínas musculares depende não só da oferta de aminoácidos da dieta, mas também da ingestão energética. O equilíbrio energético positivo é importante na resposta imunológica e na liberação hormonal. Para proporcionar um adequado ganho de massa muscular, deve-se ingerir em torno de 500 calorias acima do gasto energético por dia. Ou seja, se o indivíduo possui um gasto energético de 3000 calorias/dia, necessita ingerir pelo menos em torno de 3500 calorias para obter um processo anabólico. Existem alguns indivíduos/atletas que utilizam uma ingestão calórica bem mais elevada. No entanto, o risco de ocorrer um indesejável acúmulo de gordura corporal é grande. 3. Procure crescer sempre com qualidade! Nas décadas de 1980 e 1990, era comum indivíduos que buscavam o ganho de massa muscular preocuparem-se em aumentar muito o peso corporal, ingerindo uma enorme quantidade de calorias. Essa prática provocava um aumento muito grande no tecido adiposo. Após atingir o peso desejado, iniciava-se o processo de perda de gordura. Porém, com o passar do tempo, observou-se que essa não era a forma mais inteligente, pois, na fase de definição, boa parte da massa muscular conquistada com árduo sacrifício, era rapidamente perdida. Antes de começar qualquer trabalho, para os mais gordinhos, recomenda-se diminuir o excesso de gordura corporal antes de se iniciar um processo para aumento de massa muscular. Nesse período, o indivíduo deve preocupar-se não somente com o aumento da massa magra, mas também em evitar o acúmulo de tecido gorduroso, para garantir uma fase de definição mais curta e menos árdua. Quanto menor e menos intenso for o período de definição muscular, menores as chances de perda de massa magra. 4. Faça um fracionamento correto das refeições! Sabe-se que a alimentação causa um substancial aumento na síntese protéica e uma pequena inibição na degradação, o que resulta em um acréscimo de proteína muscular. Todavia, a resposta anabólica da alimentação é transitória, e dentro de algumas horas após o término da refeição, ou após um período de jejum, há a reversão desses dois processos (degradação > síntese). Desse modo, o ideal seria manter uma média entre cinco e sete refeições diárias, alimentando-se a cada 2,5 – 3 horas, visando garantir um contínuo estado anabólico. 5. Mantenha a ingestão de proteínas adequada em todas as refeições! O músculo esquelético possui em torno de 50% da proteína corporal total. Seus dois componentes dominantes são a água e a proteína, na razão de aproximadamente 4:1. A proteína corporal está em constante reciclagem, com síntese de novas proteínas e degradação de antigas proteínas. As mudanças que ocorrem na massa muscular refletem alterações nas taxas de síntese e degradação protéica corporal. Quando há maior disponibilidade de aminoácidos livres, ocorre ativação das taxas de síntese protéica. Porém, à medida que essa disponibilidade cai, o organismo passa a usar as proteínas estruturais, ativando as taxas de degradação protéica. A quantidade protéica necessária para o indivíduo que treina com alto volume e/ou intensidade deve ser oferecida durante todo o dia, devendo ser distribuída em todas as refeições. Essas proteínas devem oferecer, sobretudo, aminoácidos essenciais (proteínas de alto valor biológico) para que sejam utilizadas no crescimento muscular. Alimentos como aves, carne bovina magra, peixes, lacticínios desprovidos de gordura e ovos devem fazer parte de todas as refeições diárias. Quando houver impossibilidade da utilização de um desses alimentos, seja por dificuldade de transporte e/ou falta de tempo, recorrer a suplementos protéicos pode ser uma boa medida. Isso não significa que a hipertrofia muscular somente será obtida com a ingestão de uma quantidade exacerbada de proteínas. Recomenda-se em torno de dois gramas de proteína para cada quilo de peso corporal. Um indivíduo com 90 kg deveria ingerir em torno de 180 gramas de proteínas ao dia. Esta quantidade seria suficiente para aqueles indivíduos mais prudentes/inteligentes que ficam distantes de qualquer droga anabólica. Sem dúvida, o uso dessas drogas otimiza muito a síntese protéica, tornando necessária uma ingestão protéica bem mais elevada. 6. Tenha um bom equilíbrio de todos os nutrientes! Muitos indivíduos ainda preocupam-se somente com a ingestão protéica, esquecendo da importância dos outros nutrientes. A dieta deve conter quantidades adequadas de proteínas, carboidratos e lipídios, variando de acordo com características individuais e fase do treinamento. Outro grande erro é negligenciar a ingestão de micronutrientes (vitaminas e sais minerais). A deficiência de uma vitamina ou de um sal mineral na dieta pode interferir diretamente no ganho de massa muscular, mesmo que a dieta contenha quantidades adequadas de macronutrientes. Portanto, nunca deixe de lado as frutas, verduras e legumes. 7. Se alimente corretamente também nos dias de descanso! Muitas pessoas ainda acham que a dieta deve ser seguida adequadamente somente nos dias em que houver treinamento com pesos. No entanto, não se deve esquecer que a degradação protéica dos grupamentos musculares solicitados durante o exercício de força permanece elevada por até 24 horas, e a síntese protéica muscular permanece acima dos valores basais em média por até 24-36 horas. Ou seja, mesmo nos dias com ausência de treinamento (descanso), ocorre a hipertrofia muscular. O ideal é escolher somente um dia da semana, normalmente aos domingos, para comer o que quiser e gostar (logicamente sem grandes exageros). Nos outros seis dias da semana, a dieta deveria estar o mais próximo do ideal possível. 8. Administre a quantidade e o tipo corretos de carboidratos! Tenha em mente que existem diferentes tipos de carboidratos, a principal fonte de calorias no organismo. Eles podem ser simples e complexos. Quanto mais complexos, mais demoradamente eles “queimam” e mais eficiente e sustentada será a liberação de energia. Já os carboidratos simples liberam energia rapidamente. Os carboidratos complexos existem em cereais, tubérculos, massas e pães. Já os carboidratos simples estão presentes em frutas e no açúcar de mesa. No entanto, deve-se também considerar sempre o índice glicêmico desses alimentos. Esse índice reflete o impacto que determinado tipo de carboidrato exerce sobre a glicose sangüínea. Salvo na refeição imediatamente após o treinamento, deve-se preferir sempre carboidratos de baixo índice glicêmico. Batata-doce, cará, inhame, pão integral, arroz integral, macarrão integral e aveia, por exemplo, são boas opções. Tanto o excesso, quanto a ausência de carboidratos na dieta, trariam conseqüências indesejáveis. A primeira situação proporcionaria um indesejável acúmulo de gordura e a segunda atrapalharia consideravelmente o ganho de massa magra, além de não ser condizente com a saúde. 9. Ingira a quantidade correta de gorduras! Ao contrário do que muitas pessoas ainda pensam, em função da má publicidade, a gordura é um macronutriente essencial em nossa dieta. Uma alimentação deficiente em gorduras não é condizente com uma boa saúde, pois elas auxiliam no processo digestivo, transporte de vitaminas lipossolúveis, compõem a estrutura de todas as membranas celulares e ainda são precursores de diversos hormônios. E ainda, diversos estudos comprovam que a ingestão adequada/suplementação de ômega 3 otimiza a hipertrofia muscular. É interessante manter um aporte lipídico entre 15 e 25% das calorias provenientes de toda dieta. Apenas em torno de 1/3 destas deveriam provir de gorduras saturadas, sendo que os 2/3 resultantes deveriam provir de gorduras monoinsaturadas e de gorduras poliinsaturadas. 10. Não se esqueça das fibras alimentares! Fibra alimentar é o termo geral para designar os diversos polissacarídeos de carboidratos encontrados nas paredes das células vegetais. Por serem resistentes a enzimas digestivas, eles deixam resíduos no trato digestório. As fibras alimentares são encontradas em duas formas básicas: solúveis e insolúveis em água. As fibras solúveis incluem gomas e pectinas, enquanto as fibras insolúveis são: celulose, hemicelulose e lignina. As fibras insolúveis atravessam todo o trato gastrintestinal sem serem metabolizadas, mas as fibras solúveis podem ser metabolizadas no intestino grosso. Dietas ricas em fibras parecem evitar doenças como câncer de cólon e hemorróidas. Os alimentos à base de trigo e verduras são boas fontes de fibra insolúvel, enquanto aveia, leguminosas, legumes e frutas são excelentes fontes de fibras solúveis. Recomenda-se uma ingestão entre 20 e 30 gramas de fibras diariamente. 11. Esteja sempre bem hidratado! A água representa entre 60 e 70% do peso corporal do homem, portanto, é um nutriente de fundamental importância para a vida. Deve-se manter uma ótima ingestão de água durante todo o dia, e não apenas durante a atividade física. A quantidade recomendada depende de fatores individuais e a ingestão deve ser a mais fracionada possível, já que a sede não é um bom indicador de hidratação. Normalmente, quando sentimos sede, significa que nosso organismo está apresentando uma redução em torno de 2% de seus líquidos corporais. Lembramos que a água é o melhor e mais importante diurético existente! Um ótimo aporte hídrico é fundamental para a hipertrofia muscular, além de manter sua saúde. 12. Não se esqueça dos antioxidantes! Com objetivo de prevenir o estresse oxidativo, o organismo apresenta um grande número de antioxidantes enzimáticos e não enzimáticos, que previnem a formação das espécies reativas de oxigênio ou são capazes de eliminar tais substâncias. Estudos demonstram que o trabalho muscular intenso gera maiores quantidades de radicais livres de oxigênio, os quais, se não forem devidamente neutralizados, podem iniciar um processo deletério nas células e tecidos, chamado estresse oxidativo. Este pode levar à destruição de lipídios, proteínas e ácidos nucléicos, causando diminuição da performance física, fadiga, estresse muscular e overtraining. Algumas pesquisas indicam que a quantidade fisiológica de antioxidantes pode não ser suficiente para prevenir o estresse oxidativo induzido pelo exercício e que antioxidantes adicionais podem ser necessários para reduzir o estresse oxidativo, o dano muscular e o processo inflamatório. Aqui, podemos destacar a vitamina C e a vitamina E. A administração de antioxidantes, como as vitaminas C e E, podem reduzir a lesão oxidativa causada pelo exercício. O ótimo desenvolvimento muscular não pode ser acompanhado de um estresse oxidativo acentuado, pois criaria situações adversas para o metabolismo celular. Conseqüentemente, cresce a importância da suplementação antioxidante – desde que bem orientada – no sentido de manter íntegras as membranas celulares durante o exercício. 13. Inclua alimentos funcionais em sua dieta! Atualmente, muito se pesquisa sobre alimentos funcionais, ou seja, aqueles que possuem elementos benéficos à saúde, à capacidade física e ao estado mental, além dos nutrientes básicos de uma alimentação saudável. Podemos citar: vinho tinto, chá verde, molho natural de tomate, alho, oleaginosas, cebola, temperos naturais (manjericão, alecrim, orégano), linhaça e cereais integrais. 14. Alimente-se antes do treinamento! É conveniente realizar uma refeição sólida em torno de 60 a 90 minutos antes do treinamento. Este período é bem variável, pois enquanto algumas pessoas podem apresentar um ótimo rendimento realizando uma alimentação sólida apenas 30 minutos antes do exercício, para outras essa prática pode ser desastrosa. Portanto, a individualidade sempre deverá ser respeitada. Essa refeição deveria conter uma quantidade adequada de carboidratos complexos e proteínas, além de ser reduzida em fibras, frutose e gorduras. Nesse momento, uma refeição com a quantidade adequada de carboidratos aumenta de forma significativa o conteúdo de glicogênio nos músculos e no fígado, constituindo um importante fator para melhorar o desempenho. 15. Alimente-se depois do treinamento! Imediatamente após o treinamento, é interessante realizar uma refeição o quanto antes, para auxiliar no processo de recuperação e evitar o catabolismo. Essa prática promoverá melhor perfil hormonal anabólico, diminuição da degradação protéica miofibrilar e rápida ressíntese de glicogênio. A fim de garantir maior praticidade, o uso de suplementos, nesse caso, é bem interessante, pois além da dificuldade de transporte, observa-se em treinamentos mais intensos, o que é conhecido como anorexia pós-esforço, dificultando o processo alimentar. Após um período de no máximo 60 minutos, é interessante realizar uma refeição contendo uma boa quantidade de proteínas de alto valor biológico, carboidratos complexos, e restrita ao máximo em gorduras. Nesse momento, os níveis sangüíneos do hormônio anabólico insulina encontram-se elevados, o que propicia uma ótima absorção dos nutrientes ingeridos. 16. Escolha a melhor suplementação alimentar! Deixemos bem claro que a suplementação alimentar depende exclusivamente da alimentação do indivíduo. Não é possível realizar a prescrição de um suplemento sem antes ter sido realizada uma análise minuciosa sobre a dieta, necessidades nutricionais, treinamento, dados antropométricos, etc. Infelizmente observamos que a maior parte dos suplementos são indicados ao “pé do ouvido”, sem o devido controle sobre esses fatores. E mais: normalmente quem faz a prescrição é o próprio dono da loja de suplementos ou algum amigo de academia. É impossível fazermos um ranking dos melhores suplementos alimentares, pois o que pode ser fundamental para alguém, pode ser totalmente desnecessário para outro. Por exemplo, uma pessoa que não possui a menor possibilidade de realizar as refeições intermediárias devido ao montante de trabalho se beneficiaria muito com uma refeição líquida. Já para outra pessoa que possui uma rotina diária tranqüila, o uso de refeições líquidas é desnecessário. No entanto, dois momentos peculiares em que a suplementação realmente é muito interessante para todos aqueles que visam uma hipertrofia muscular (exceto iniciantes), seria antes e após o treinamento. O uso de maltodextrina acompanhado de uma pequena quantidade de whey protein proporcionaria um melhor rendimento associado a um aumento na síntese protéica. Para aqueles indivíduos com um nível mais avançado, devido à alta intensidade do treinamento, além de maltodextrina e whey protein, o uso de BCAAs e glutamina parece ser interessante. Ainda para os indivíduos em nível avançado, a inclusão de outros suplementos, tais como o HMB em determinados períodos também pode ser útil. Já imediatamente após o treinamento, recomenda-se o uso de um shake contendo proteínas de rápida absorção (whey protein), além de uma mistura de carboidratos com alto índice glicêmico (dextrose e maltodextrina). Esses valores são variáveis de acordo com cada indivíduo, mas como parâmetro, em torno de 1 grama de carboidratos por kg de peso corporal (50% maltodextrina e 50% dextrose) e 0,5 gramas de proteínas hidrolisadas por kg de peso corporal parece ser o suficiente para garantir uma ótima ressíntese de glicogênio, uma excelente liberação do hormônio anabólico insulina, otimizar a síntese protéica e interromper a proteólise. Em nível avançado, pode-se ainda enriquecer essa solução com BCAAs, glutamina e HMB, dependendo de sua disponibilidade financeira. CONCLUSÃO A pergunta mais comum entre os praticantes de musculação é: qual o segredo para aumentar a massa muscular? A resposta é uma só: conhecimento! Este artigo teve por objetivo colocá-lo no caminho, pois o processo do conhecimento é uma jornada sem fim. Por isso, que a cada dia aqueles que se engajam em um processo sério de treinamento adquirem corpos cada vez mais perfeitos e os bodybuilders estão cada vez maiores e mais definidos. Procure estar sempre atento e cuidado para não absorver informações sem fundamento. Sempre procure a orientação de um profissional especializado.
  19. No cotidiano de nutricionistas, treinadores, atletas experientes e de qualquer pessoa envolvida com treinamento com pesos, algumas perguntas são muito frequentes: Qual suplemento eu tomo para crescer? O que eu devo comer antes do treino? Quais alimentos são bons para mim? Sem dúvida, os profissionais são capazes de imediatamente sanar algumas dúvidas mais básicas, tais como: inclua alimentos fonte de proteína em sua dieta; cuidado com carboidratos simples e gorduras saturadas; mantenha uma ótima hidratação; aumente sua ingestão de fibras, vitaminas e sais minerais ingerindo mais frutas, legumes e verduras; tome um suplemento de proteína associado com carboidrato imediatamente após o treino, etc. No entanto, sabe-se que para um indivíduo obter um resultado realmente satisfatório em seu programa de treinamento, é necessário mais do que apenas essas dicas, mas sim um programa nutricional totalmente individualizado, elaborado por um nutricionista esportivo competente. POR ONDE COMEÇAR? Nenhum programa nutricional poderá ser elaborado sem a estimativo do valor calórico total da dieta. Normalmente se observa que muitos profissionais utilizam apenas as fórumulas fornecidas por softwares, livros e outras fontes. Este método pode servir até como um ponto de partida, porém, acaba ignorando uma de nossas maiores características: individualidade biológica! Ou você acredita que duas pessoas com a mesma idade, sexo, atividade física e atividades gerais apresentam exatamte o mesmo gasto energético? Que bom seria, pois nosso trabalho seria muito menos árduo. Mas na prática é bem diferente. A melhor maneira de se estimar o gasto energético real de um indivíduo (além de ter as fórmulas como base) é considerando a ingestão calórica habitual média. Isto pode ser obtido por meio de entrevista com um profissional experiente, ou ainda com a comparação de um registro alimentar (método no qual o indivíduo descreve tudo o que ingeriu naquele período determinado) com as eventuais mudanças antropométricas ocorridas no mesmo período. Recomenda-se que o ideal seja obter uma média da ingestão de no mínimo uma semana. Após estabelecer o gasto energético diário, devemos adicionar calorias, pois nosso objetivo é aumentar a massa muscular. Neste momento, não deve haver erros, sendo que um aumento exagerado irá proporcionar acréscimo no tecido adiposo, assim como um aumento insuficiente não proporcionará o desejado ganho de massa muscular. Temos obtido sucesso quando trabalhamos com um aumento em torno de 20% na ingestão calórica. Por exemplo, se o gasto energético diário é de 3000kcal, a ingestão alimentar deveria ser de 3600kcal para se obter ganho de massa magra. O segundo passo seria dividir este valor calórico entre cinco e sete refeilções diárias, visando manter um melhor aproveitamento dos nutrientes ingeridos. Sabe-se que os horários equivalentes ao desjejum, alimentação pré e pós-treino, devem apresentar uma maior ingestão calórica do que nos demais horários. Tal como no exemplo logo abaixo: Refeição #1 20% Refeição #2 10% Refeição #3 10% Refeição #4 20% (pré-treino) Refeição #5 20% (pós-treino) Refeição #6 10% Refeição #7 10% O exemplo acima varia de acordo com características individuais, como: horário de treino, rotina de atividades diárias, etc. Muitas pessoas ainda acreditam que apenas a alimentação no período pós-treino é a chave para o sucesso! No entanto, de nada adiantará uma ótima refeição pós-treino se as demais refeições não seguirem o mesmo padrão de qualidade. Agora já temos o valor calórico e seu respectivo fracionamento, podemos organizar os nutrientes. E ADIVINHEM, POR ONDE COMEÇAMOS? ISSO MESMO, PROTEÍNAS! Não que apenas a ingestão adequada de proteínas será o suficiente, mas este nutriente é essencial para nosso sucesso. A questão é a dificuldade em se obter proteínas de fontes alimentares convencionais, visto que os melhores alimentos fonte (carnes magras, ovos, etc.) necessitam de um prepara não muito prático para a maioria das pessoas que possuem outras atividades além da academia, sejam elas acadêmicas ou profissionais. Neste momento, os suplementos protéicos são de grande valia, mas isto é assunto para outro artigo. Normalmente, quando se almeja hipertrofia muscular, trabalha-se com uma ingestão protéica na ordem de 2 gramas/kg/dia, valor este corroborado por inúmeros estudos. No entanto, muitas vezes trabalhamos com valores um pouco maiores, como 3 gramas/kg/dia ou até mesmo 4 gramas/kg/dia. MAS NÃO SERIA DESPERDÍCIO? Não. Ocorre que a ingestão protéica neste caso não será somente relacionada com a síntese protéica, mas também com um processo de auxílio na queima de gordura corporal, visto que a metabolização da proteína exige um maior custo energético para o organismo, além de auxiliar no controle da liberação do hormônio insulina quando presente em todas as refeições do dia. Isto funciona muito bem para aqueles indivíduos com dificuldades em perder gordura corporal, com um metabolismo lento, os quais se beneficiam mais com uma dieta controlada em carboidratos e mais rica em proteínas. Já para pessoas com metabolismo rápido, procuramos manter a ingestão de carboidratos mais elevada associada com uma ingestão protéica em torno de 2 gramas/kg/dia. Com isto, novamente vemos que a dieta deve ser sempre individualizada. Não existe receita de bolo! O segundo passo seria estipular a ingestão de lipídios. Lembrando que ela é fundamental para o processo de hipertrofia, visto a importância desse nutriente na produção do hormônio anabólico testosterona. Consideramos suficiente uma ingestão em torno de 20% das calorias totais, mas dependendo do indivíduo e da fase de preparação, podemos trabalhar com até 30% das calorias totais provenientes de lipídios. Para estupularmos a ingestão de carboidratos, é fácil. Apenas somamos o valor calórico que deve ser ingerido de lipídios com o valor calórico que deve ser ingerido de proteínas e subtraímos do valor calórico total. Para esse cálculo, devemos ter em mente que 1 grama de carboidrato equivale aproximadamente a 4 calorias; 1 grama de proteína equivale a aproximadamente a 4 calorias e 1 grama de lipídios equivale a aproximadamente a 9 calorias. E QUAIS ALIMENTOS EU DEVO ESCOLHER? Devemos escolher alimentos protéicos de alto valor biológico, como: frango, peru, peixe, carne vermelha magra, clara de ovos, queijo cottage, mix protéicos, whey protein, só pra citar alguns exemplos. Quanto aos lipídios, devemos impor um limite de até 1/3 destes ser proveniente de gorduras saturadas, sendo que o restante deve provir de gorduras mono e poli-insaturadas. BOns exemplos seriam: azeite de oliva extra virgem, oleaginosas, abacate, óleo de canola, triglicerídeos de cadeia média, óleo de boragem, ômega 3, etc. Os carboidratos podem ser divididos ao longo do dia da seguinte maneira: * 20% no café da manhã * 20% na refeição pré-treino * 20% na refeição pós-treino * 40% restantes divididos igualmente nas demais refeições Devemos preferencialmente escolher alimentos fonte de carboidrato de baixo índice glicêmico. Este índice reflete o impacto que a ingestão do carboidratos proporciona na glicemia e com a qual está relacionado diretamente, portanto com o controle do hormônio insulina. Ótimas fontes seriam: batata-doce, mandioca, cará, inhame, arroz integral, pães integrais também nos auxilia quanto à ingestão de fibras, vitaminas e sais minerais. Nos momentos relacionados ao treinamento (logo antes e imediatamente após), podemos utilizar carboidratos com um índice glicêmico mais elevado, como maltodextrina e dextrose. E ONDE ENTRAM OS DEMAIS SUPLEMENTOS? Primeiramente, como demonstramos, a suplementação é útil para tornar possível a ingestão dos nutrientes necessários, pois em alguns momentos do dia, pode ser interessante a introdução de algum suplemento protéico para garantir a obtenção de toda proteína necessária. Ou ainda, nos horários pré e pós-treino, uma suplementação acaba sendo muito mais viável do que a ingestão de alimentos sólidos, devido a maior velocidade de absorção e praticidade. E temos ainda suplementos com capacidade ergogênica, ou seja, que podem melhorar a performance no treinamento além de auxiliar no processo recuperativo. Como exemplo temos os bcaas, glutamina, creatina, arginia, alpha-keto-glutarato, hmb, leucina, etc. no entanto, a introdução desses suplementos na dieta deve obedecer uma demanda para serem necessários, como um treinamento intenso. Novamente ressaltamos a importância do acompanhamento profissional. Este artigo não tem o objetivo de fornecer informações para que qualquer indivíduo elabore sua própria dieta, mas sim demonstrar a complexidade do trabalho, reforçando a necessidade da consulta com um profissional devidamente capacitado. Procure sempre um nutricionista! Fonte: Revista Combat Sport - ANO 12 - nº51 - Abril/Maio 2010
  20. Olá, qual é a melhor dieta para ectomorfo?
  21. Olá, sou Rafael tenho 1,70 m e 68 kg, GENETICA: MESO. Gostaria de saber como desenvolver uma dieta para ficar com a pele fina. Atualmente estou seguindo da seguinte forma: Chá Verde pela manha e pela noite, Whey isolate definition body action pos treino , BCAA probótica 1 hr antes do treino, Colágeno durante o dia e Dextrose durante os treinos. Nos finais de semana ZERO o carboidrato e vou correr (não malho nos fins de semanas). Na minha alimentação tento reduzir o sódio 70% e estou começando a comer pão integral, bolacha integral e bastante suco de laranja, porém no almoço como mais macarrão e purê, com bastante salada e frango, peixe ou carne. Se alguém puder me ajudar e me dizer se estou no caminho certo ou se falta algo ou se estou errado em algo eu agradeceria desde já.
  22. Sou mulher teho 17 anos , 1.75 de altura peso 60 kg e quero dieta para hipetrofia esta boa ou vc acha que tenho que mudar alguma coisa? REF1 -7:30: 1 Ovo Cozido 2 Fatias de Pão integral com Requeijão light 200ml de leite com aveia REF2 -10:30: 1 Fruta (maçã, banana etc) Barra de Cereais (Qual indicam?) -12:30 (Pré Treino): 1 Fruta (se eu demorar mto nao da pra malhar direito) REF3 -13:15 (Almoço/Pos treino): 200g macarrao cozido com molho de tomate 150g de carne vermelha SALADA (Alface, Tomate, Pepino etc) REF4 -15:30: (Mesma coisa que as 10:30) REF5 -17:15: Batata doce Peito de frango (quando der) ou Pão integral 200ml de leite com aveia REF6 -20:30: (Intervalo da facul, 10~15min nao da pra demorar a comer) 2 fatias de pao integral (nao da pra comprar peito de peru todo dia, queijo cottage eh caro, como com oque?) 1 fruta REF7 -24:00: (hora que eu xego da facul, tem problema eu fazer essa refeição? vou dormir em seguida.) Omelete com 2 ovos Arroz e Feijão 100g de carne vermelha Salada Dificil, nao axei nenhuma dieta pra quem malha na hora do almoco, e fiquei perdido em montar uma, me enrolei no pos treino, que no caso seria meu almoco. Quais suplementos devo tomar? (No maximo 200 reais :\) Espero mesmo que me ajudem! PS: EU PESQUISEI, NAO ENCONTREI NADA QUE SE ENCAIXE NOS MEUS HORARIOS! =\
  23. Recentemente fiz ma consultoria esportiva com um grupo que costuma a formar bons atletas, o consultor me pediu um tipo de físico que imagino que gostaria de ficar, informei que a categoria Men's Physique seria mais adequada a minha vontade, ele me passou uma dieta, gostaria que avaliassem, são 2 meses de dieta e treino passado pelo headcoach, estarei postando fotos antes e depois , apos a conclusão da dieta. Gostaria da opinião de vocês. Medida Dieta
  24. Galera por favor se alguém puder me ajudar, Tenho 18 anos, treinei 1ano e dois meses direto e percebi uma mudança significativa... Tive q parar por 6 meses por conta de tempo. Voltei agora e gostaria de ajuda na divisão dos treinos e os exercícios... Tenho 1,72 de altura Peso: 62kg Medidas de braço e etc não sei ao certo, me considero ectomeso, tenho muita dificuldade para ganhar peso muitas mesmo!!! E ganhar massa muscular na região dos músculos pequenos como bíceps e tríceps
  25. Treino já faz 5 meses e um més atras comecei a tomar hipercalórico, isso junto com minha dieta fez com que eu ganhasse algo entre 3 a 4 kg , eu tenho 1,70 de altura e atualmente estou pesando 55 kg, gostaria de saber se continuo tomando o hipercalórico ou se troco pelo whey. Sei que posso tomar os dois juntos, mas agora só tenho dinheiro pra comprar um dos dois, qual devo comprar ???