Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Dermatologia no Esporte


Bruna Somílio
 Compartilhar

Dermatologia no Esporte

A prática de esporte é uma das melhores decisões possíveis que levam ao bem estar, sendo recomendada por todos os médicos, com muito entusiasmo, aos seus pacientes. Alguns problemas de pele melhoram com o simples fato de se aumentar a atividade física, como eczema, psoríase, alergia, vitiligo e até queda de cabelo.

Porém, a pele abafada, a transpiração, o atrito e pequenos ferimentos diminuem a barreira cutânea predispondo os atletas amadores e profissionais a riscos de doenças dermatológicas que alteram a performance esportiva.

A fricção presente na pele, mesmo em moderada intensidade, causa seu descolamento e ocorre a formação da bolha, que só deverá ser drenada em caso de dor, com o uso de agulha descartável na base da lesão. É importante não retirar o teto, que serve como curativo biológico, para evitar infecção.

Durante uma maratona, as zonas de maior atrito devem ser revestidas por uma pele artificial formada por camadas: “bandaid” – vaselina – micropore – vaselina e meia de algodão. O desodorante nos pés (em talco ou spray) ameniza o suor e evita a umidade diminuindo a incidência dessas afecções dermatológicas, assim como o uso de 2 pares de meia, que amortizam o impacto entre a pele e o tecido de algodão.

Os nadadores, especialmente os de pele e cabelos claros podem apresentar coloração esverdeada dos cabelos que é provocada pelo cobre dos algicidas e tubulações associada a participação do cloro usado no tratamento de água. A solução é a aplicação de peróxido de hidrogênio deixando atuar por trinta minutos.

O contato freqüente com a água também pode facilitar a remoção do cerume que protege o canal auditivo e favorece a ocorrência da otite externa, denominada otite dos nadadores. Recomendamos, portanto, o uso de protetores moldáveis durante a prática da natação.

A orelha quebrada dos lutadores ou orelha de “couve-flor” é conseqüência do atrito e do impacto provocados pelo quimono no pavilhão auricular dos judocas e praticantes de jiu-jitsu formando hematoma no local. Passado o quadro agudo, surge aumento do volume da pele, alteração na pigmentação e deformação da região, com descontinuidade da cartilagem.

Nos esportes praticados ao ar livre, apenas 32% dos brasileiros que se expõem ao sol usam protetor solar. As conseqüências do descuido só aparecem com o tempo, pois os raios UVA e UVB do sol são cumulativos e sem volta, responsáveis pelo aparecimento do câncer de pele. Quanto mais escura for a pele, maior é a produção de melanina e sua capacidade de auto proteção.

Nenhum protetor solar até o momento é capaz de garantir 100% de segurança, então, podem ser acrescentados aos cuidados de um atleta, roupas com fios especiais que barram a ação dos raios solares em 98% (usadas em pacientes que já desenvolveram câncer de pele), além da proteção dos olhos com lentes de contato e lentes de óculos que bloqueiam os raios UVA e UVB, porque a radiação do sol predispõe o indivíduo a catarata podendo levar a cegueira.

Procure seu dermatologista que terá condições de fazer uma melhor avaliação para indicar uma terapêutica com maior chance de sucesso. Descansar adequadamente é fundamental, para evitar o overtraining (treinamento excessivo que desgasta o esportista) e proteção extra é necessária em todas as modalidades esportivas!

 Compartilhar

Publique seu conteúdo como colaborador

Comentários

Comentários Destacados

Não há comentários para mostrar.



Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta 100% gratuita!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora




×
×
  • Criar novo...