Jump to content
  • Similar Content

    • By fisiculturismo
      No dia 18/5/2012 percebemos que o suplemento alimentar mais controverso de todos os tempos não estava mais à venda numa das maiores lojas do mundo de suplementos alimentares, a famosa Bodybuilding.com. Se você não sabe por que o Jack3d é tão controverso, leia esta matéria: Jack3d é Acusado de Causar Dependência.
      Assim que verificamos a situação entramos em contato com o site Bodybuilding. Até o momento não obtivemos resposta. No site da USP labs, fabricante do Jack3d, não encontramos nada a respeito.
      Resolvemos aprofundar nossas pesquisas e achamos a resposta: A FDA - U.S. Food and Drug Administration (agência reguladora norte-americana semelhante à nossa ANVISA), encaminhou a todas as fabricantes de produtos com 1,3-dimethylamylamine (ou methylhexanamine ou geranium extract ou DMAA) uma carta de alerta por falta de evidências em torno da segurança da substância estimulante.
      A princípio, as cartas de alerta enviadas pela FDA não proibem as vendas dos suplementos alimentares atingidos pelo alerta, mas o contéudo das cartas é rígido. Nelas a FDA avisa que antes de vender produtos ao consumidor, o fabricante tem o dever de apresentar estudos que demostrem a segurança das substâncias, e nenhuma evidência nesse sentido teria sido apresentada pelas marcas de suplementos notificadas. Isso quer dizer, em outras palavras, que a venda não seria permitida.
      Segundo a FDA, a substância DMAA estreita as veias e artérias do organismo, provocando aumento da pressão arterial e colocando em risco o sistema cardiovascular, aumentando as chances de falta de ar, angina e ataque cardíaco.
      Ademais, a FDA alertou os fabricantes que a DMAA sintética não pode ser enquadrada como "dietary ingredient" (ingredientes de suplementos alimentares devem ser: vitaminas, minerais, aminoácidos, ervas ou outras plantas, substâncias para complementar uma dieta alimentar humana, ou uma variação dessas substâncias alimentares).
      A agência de vigilância sanitária norte-americana deu 15 dias para que as fabricantes de suplementos alimentares se manifestem sobre os alertas.
      É bom anotar que no mês passado nós publicamos uma matéria (Jack3d é Seguro!) que tratava de um estudo patrocinado pela USP labs a fim de desmentir os boatos de que o Jack3d causava mal à saúde.
      Agora resta saber se a FDA vai achar que os estudos contratados pela USP labs são suficientes para demonstrar que o uso do estimulante DMAA não oferece riscos à saúde. Além disso, não poderão ser incluídas nos suplementos substâncias sintéticas, a DMAA terá que ser obtida da planta flor-de-gerânio.
      Será que os suplementos alimentares com DMAA vão vingar? Será que a substância estimulante DMAA é realmente segura como capitaneou a USP labs? Enquanto não temos resposta, permanece proibida nos EUA a venda dos suplementos alimentares com DMAA, por serem considerados impróprios para consumo, em razão da falta de evidências de segurança.
      Nos próximos meses saberemos se a novela do Jack3d chegará ao fim ou se trará alguma reviravolta surpreendente. Por ora, bye bye Jack3d!
      ATUALIZAÇÃO: Sem Jack3d, e agora? Assault é o pré-treino sem doping!
      ATUALIZAÇÃO: Jack3d Voltou!
    • By fisiculturismo
      Há pouco tempo publicamos uma matéria sobre a proibição das vendas do suplemento alimentar pré-treino Jack3d [Jack3d Foi Proibido pela FDA (ANVISA dos EUA)]. Para a infelicidade dos milhares de amantes do suplemento alimentar que dava um fôlego e ânimo extra na hora do treino, o Jack3d acabou banido do mercado por conta da substância DMAA (1,3-dimethylamylamine ou methylhexanamine ou geranium extract), que é considerada como doping pela WADA (Agência Mundial Antidoping).
      E agora, em primeira mão, revelamos uma novidade bombástica: o Jack3d voltou! Mas tenha calma, não se afobe. O suplemento alimentar Jack3d não é mais o mesmo. A USPLabs mudou a fórmula. Para evitar confusões, o novo produto se chama Jack3d Micro. E o que é esse tal Jack3d Micro?
      Ainda sabemos muito pouco sobre o novo suplemento alimentar, cujas vendas não foram iniciadas. Alguns sites nos EUA estão promovendo pré-vendas. Por enquanto, só podemos adiantar o conteúdo a que tivemos acesso por anúncios publicitários realizados pela USPLabs para criar uma enorme expectativa em torno do Jack3d Micro.
      No apelo publicitário, a USPLabs afirma que o Jack3d Micro é ultrapotente, é dotado de tecnologia micro, tem fórmula de alta performance, libera energia de forma limpa, suave e duradoura, contém substâncias únicas, patenteadas e protegidas por marca, não tem aditivos artificiais, e, pasmem, NÃO tem creatina e beta-alanina (que são os componentes básicos de qualquer suplemento alimentar pré-treino na atualidade), o que evitaria formigamento.
      Afinal, o que é esse novo Jack3d Micro? Ainda não podemos responder. Mas como a notícia é dada pela USPLabs, deve ser um suplemento alimentar pré-treino de revolucionar o mercado, assim como foi a versão original do Jack3d.
      Fiquem ligados, assim que nós tivermos mais informações sobre o Jack3d Micro vamos informar os nossos membros. Quem souber inglês pode acompanhar as últimas novidades sobre o Jack3d Micro na página da USPLabs, onde são recrutados musculadores para testar o produto, que está em fase de pré-lançamento.
      Gostaria de ser um beta-tester (cobaia de testes do produto em desenvolvimento)? Visite Jack3d Micro Beta-Tester.
    • By fisiculturismo
      O Jornal da Record de hoje apresentou na segunda reportagem da série "Receita Perigosa" uma matéria sobre o Jack3d da USPlabs.
      De acordo com a matéria jornalística, o Jack3d conteria drogas estimulantes e poderia causar dependência.
      Mais uma vez se vê uma matéria sensacionalista contra os suplementos alimentares.
      O atleta de "vale-tudo" Matheus Serafim diz que desmaiou por causa do Jack3d. Mas ele não disse qual foi a dose ingerida, não relatou nada sobre a sua dieta ou treinamento. Culpou o suplemento alimentar por "achismo". Mas pode ter desmaiado por "overtraining" ou por hipoglicemia.
      A reportagem diz que o Jack3d tem uma fórmula bombástica.
      O médico entrevistado diz que o Jack3d tem drogas estimulantes do sistema nervoso central, mas não diz o nome delas. Também diz que o Jack3d teria substâncias que causariam prazer e bem-estar, mas também não as identifica.
      Segundo o médico, o suplemento teria como consequência o treinamento superior ao limite do organismo. Parece que justamente essa é a finalidade do Jack3d, permitir a superação de limites.
      De acordo com a reportagem, o rótulo do Jack3d não informaria a dosagem de cada componente do produto.
      Isso é verdade, e a crítica é pertinente. De acordo com o rótulo, o Jack3d é composto pelas seguintes substâncias: Arginine Alpha-Ketoglutarate, Creatine Monohydrate, Beta Alanine, Caffeine, 1,3-Dimethylamylamine (Geranium [stem], Shizandrol A. No entanto, nele não se discrimina a quantidade de cada uma delas, apenas constando que uma medida do dosador tem 4145 mg dessa fórmula.
      Esse aspecto deveria ser corrigido pela USPlabs, para melhor informar o consumidor.
      Por isso, não dá pra negar: "quem toma atira no escuro" mesmo. Só que nem "tão-escuro". Os componentes estão informados no rótulo, só falta a discriminação de quantidades.
      Em seguida, a matéria afirma que a venda do suplemento não é permitida no Brasil.
      Em primeiro lugar, deve-se esclarecer que a partir da publicação da Resolução RDC n. 27 de 6 de agosto de 2010 da ANVISA, os alimentos para atletas (ou suplementos alimentares, ou suplementos nutricionais, ou complementos alimentares, ou complementos nutricionais) não necessitam mais de registro para serem comercializados no Brasil. Todavia, novos alimentos e novos ingredientes dependem de registro.
      E o que são alimentos para atletas? O seu conceito é dado por Resolução da ANVISA que é apresentada sem numeração no site da Agência.
      Esta Resolução teria sido aprovada em 26/4/2010.
      Segundo ela, os alimentos para atletas compreendem: suplemento hidroeletrolítico para atletas, suplemento energético para atletas, suplemento protéico para atletas, suplemento para substituição parcial de refeições de atletas, suplemento de creatina para atletas, suplemento de cafeína para atletas.
      A resolução exclui explicitamente substâncias estimulantes, hormônios ou outras consideradas como “doping” contidas na lista de substâncias proibidas pela Agência Mundial Antidoping (WADA) e ou legislação pertinente.
      A lista de substâncias proibidas pela WADA inclui a methylhexanamine (ou methylhexanenamine ou dimethylamylamine), que é extraída do Geranium. Saiba mais em WikiPédia - Methylhexanamine.
      De acordo com estudos, o perfil de segurança dessa substância estimulante seria semelhante ao da cafeína.
      Portanto, pelas resoluções da ANVISA, o Jack3d não poderia ser considerado um alimento para atletas, por conter uma substância estimulante proibida pela WADA.
      No entanto, havia boatos no sentido de que em breve o Jack3d teria registro na ANVISA. Há no site da importadora WWSports uma imagem do Jack3d com a indicação "coming soon", isto é, disponível em breve, em tradução livre.
      Será que a fórmula do Jack3d abandonará a substância 1,3-Dimethylamylamine? Ou será que manterá a mesma fórmula e terá registro com base no permissivo legal novos alimentos e novos ingredientes, os quais dependem de registro?
      Nesse aspecto a legislação parece meio truncada. O Jack3d não pode ser considerado alimento para atleta e ser dispensado de registro. Mas pode ele ser considerador como novo alimento ou novo ingrediente e ser vendido com registro? Parece ser viável.
      No site da ANVISA pesquisamos no sitema de "consulta de produtos alimentos" por "Jack3d" em "nome do produto" e por USPlabs em "marca". Não foi acusado resultado.
      É claro que essa simples pesquisa no site da ANVISA não é suficiente para se afirmar que o Jack3d não está registrado. Todavia, para fins dessa matéria, consideraremos o Jack3d como se não tivesse registro.
      Nesse sentido, parece que Jack3d ainda não tem registro na ANVISA e não poderia ser vendido no Brasil. Portanto, aparenta ser correta a reportagem.
      Deve-se tomar muito cuidado com o comércio ilegal ou clandestino de suplementos alimentares. O consumidor que a ele se sujeita corre o risco de comprar produtos falsificados e que podem trazer sérios danos à saúde.
      Apesar de não poder ser vendido no Brasil, o Jack3d tem venda autorizada nos EUA. O consumidor pode realizar importação direta, isto é, comprar o Jack3d nos EUA pela internet. O mais comum é que os brasileiros comprem pelos sites Bodybuilding, Iherb ou Prozis. O Jack3d também é comumente trazido na mala em viagens internacionais.
      Todavia, quando o consumidor opta pela compra do Jack3d nos EUA, está sujeito à Resolução RDC n. 81 de 5 de novembro de 2008 da ANVISA, a qual obriga o consumidor a apresentar para alimentos de uso nutricional especial a respectiva prescrição do profissional pertinente.
      Essa prescrição deve ser dada por nutricionista (indicado o número de registro do profissional no Conselho Regional de Nutricionistas) e conter a posologia ou modo de uso do suplemento alimentar.
      O que se tem visto na prática é que essa exigência está sendo feita para todo e qualquer suplemento alimentar trazido do exterior, mesmo daqueles que podem ser livremente vendidos no Brasil, o que é um disparate.
      No caso do Jack3d, parece ser justa a exigência de prescrição do profissional da saúde, por se tratar de produto cuja segurança ainda não foi atestada pela autoridade sanitária brasileira.
      Voltando à matéria, diz ela que os suplementos alimentares vasodilatadores aumentam os batimentos cardíacos e calibre da veias, eliminando a sensação de cansaço. Dão fôlego extra e turbinam os treinos. Por isso, teriam virado febre nas academias.
      A atleta Juliana confidencia que uma dose de Jack3d é suficiente para atrasar o cansaço e a fadiga muscular, elevando o rendimento nos treinos. Com o Jack3d ela aumentaria progressivamente a carga de pesos e a massa muscular.
      Segundo ela, depois que experimentou o Jack3d, não conseguiu mais treinar sem ele, porque o rendimento nos treinos seria inferior sem o suplemento alimentar. Para Juliana esse seria o motivo do vício.
      Um empresário que não quis se identificar declarou que estaria viciado no Jack3d porque não conseguiria treinar sem o suplemento estimulante. Só que, para ele, uma dose do produto, depois de 1 ano de uso contínuo, não seria mais suficiente. Toma 3 doses para fazer efeito.
      Nesse ponto reside o sensacionalismo da matéria. Não há nenhuma demonstração de que o Jack3d cause dependência física ou psíquica.
      A dependência psicológica relatada pelos entrevistados não é um problema do produto Jack3d, é um problema de quem não sabe fazer uso dele.
      Essas pessoas não estão viciadas no Jack3d, mas no treinamento mais intenso que ele proporciona.
      É a mesma "dependência" que um atleta pode desenvolver em torno de um parceiro de treino ou de um personal trainer ou treinador pessoal.
      Já pensou se um personal trainer for acusado de causar dependência psicológica num aluno se este relatar que não tem mais vontade de treinar sozinho? Piada.
      Portanto, a reportagem deve ser vista com ressalvas.
      Não trouxe nenhuma evidência de que o Jack3d causa dependência, é inseguro para consumo ou pode gerar desmaios. Os relatos apresentados não têm qualquer base científica. O que diz a ciência é que a substância estimulante contida no Jack3d tem perfil de segurança semelhante ao da cafeína.
      No entanto, a matéria faz importante alerta sobre a venda ilegal do Jack3d no Brasil. E, como não pode ser considerado alimento para atleta e como não tem registro na ANVISA, trata-se de produto cuja segurança sanitária não foi atestada no Brasil.
      Nesse sentido, a boa e velha consciência manda que seu uso deve ser acompanhado e prescrito por profissional de nutrição. E no caso de atletas, deve-se lembrar que o Jack3d contém substância proibida pela WADA e que pode ser identificada nos exames antidoping.
      ATUALIZAÇÃO: Jack3d é Seguro!
      ATUALIZAÇÃO: Jack3d Foi Proibido pela FDA (ANVISA dos EUA)
      Hoje já existem no Brasil vários produtos estimulantes e vasodilatadores que podem ser comprados legalmente e que prometem proporcionar os mesmos efeitos do Jack3d.
       
    • By Samuel Moura Rosa
      Mais hipertrofia com suplementação
      Como soubemos, a insatisfação com os resultados alcançados, a busca pela perfeição e a crescente ambição em alcançarmos níveis superiores de hipertrofia muscular/definição muscular/redução de percentual de gordura, leva a indústria de suplementação a uma crescente procura pelas fórmulas ideais para satisfazer seus compradores.
      Pré-hormônios e estimulantes hormonais
      Neste ciclo ambicioso, onde o resultado extremo é mais relacionado com os esteróides anabolizantes do que com o treinamento e a alimentação, nasceu uma outra linha de suplementação promissora: os Pré-Hormônios, geralmente importados, e os Estimulantes de Produção/Liberação Hormonal.
      Baseados na ação dos esteróides anabólicos, esta espécie de suplemento promete uma maior produção e/ou liberação hormonal de Testosterona e de Hormônio do Crescimento, e seria uma escolha intermediária entre a suplementação básica e a “bomba”.
      O grande atrativo para o público geral é que estes tratam-se de produtos considerados legais, vendido liberadamente (no caso dos vendidos aqui no Brasil), com o julgamento pessoal de não estarmos cometendo um ato moralmente antiético, e ainda, sem os possíveis efeitos colaterais dos esteróides, mas com ação semelhante a estes.
      Os suplementos conhecidos no Brasil como Pré-Hormônios são classificados como compensadores protéicos, multivitamínicos e minerais, pois em sua composição nutricional só apresentam estes macro e micronutrientes.
      ZMA
      O chamado estimulante para a liberação de testosterona (ZMA - aspartato de monometionina de zinco), tem sua base nutricional no Zinco, Magnésio e Vitamina B6.
      Estimulante de GH
      Já o estimulante de produção do Hormônio do Crescimento (GH ou HGH), apresenta certa proporção de proteínas, Vitamina C, B6, Cromo e Colina.
      Estes suplementos são apresentados com nomenclaturas atrativas ao consumidor, como estimulantes do Potencial Genético, ou ainda em conjunto, como Combo Genético.
      Estimulantes de produção hormonal não são hormônios
      Então na verdade não são Pré-Hormônios, mas no máximo possíveis estimulantes de produção hormonal. E deles não podemos esperar as mesmas modificações corporais esperadas dos hormônios ou pré-hormônios, pois os resultados vendidos pelas empresas desta linha de suplementos são baseados em pesquisas envolvendo a Testosterona e o hormônio do Crescimento, e não o Zinco, o Magnésio, o Cromo, e as Vitaminas B6 e C.
      Portanto, cria-se apenas a relação, entre o que podemos esperar dos verdadeiros hormônios (incluidos em pesquisas), e da composição química do produto nacional.
      Considero um pouco injusto cobrarmos do Zinco, do Magnésio e das Vitaminas o crescimento muscular, a redução de massa gorda e a definição muscular que os hormônios realizam.
      Que a Testosterona e o Hormônio do Crescimento são dois hormônios primários no crescimento muscular e no gasto lipídico, não resta dúvida alguma. Mas ainda existe uma distância imensa entre o que estes hormônios promovem e o que estes “anabolizantes naturais” são capazes de alcançar.
      Verdadeiros pré-hormônios
      Os verdadeiros Pré-Hormônios são substancias que ocorrem naturalmente no organismo, assim como são os hormônios. No caso da Testosterona, são os precursores deste hormônio principal, produzidos na glândula adrenal. Entre eles estão o Colesterol, seguido em cadeia pela Pregnenolona, a Dehidroepiandrosterona (DHEA), a Androstenediona, para ai sim ser convertida em Testosterona.
      Mas veja bem, esta linha de suplementação é mais promissora que à anterior, mas não pelos resultados obtidos em pesquisas experimentais, e sim por tratar-se de produtos importados, não produzidos e sem liberação para venda aqui no Brasil.
      Sendo assim, existem duas possíveis relações que garantem o interesse do público leigo na aquisição dos pré-hormônios importados: a crença que tudo que é importado, preferencialmente dos EUA, apresenta melhor qualidade que os produtos nacionais.
      Qualquer porcaria importada, tratando-se de suplementos, tem credibilidade no Brasil. Mas poucos sabem que somente os pré-hormônios (quando declarados no rótulo) e a efedrina têm venda proibida por lá, e que lá pode-se lançar e vender qualquer suplemento, desde que declare-se uma meia dúzia de vitaminas que ali estão, ocultando a real composição.
      E o segundo motivo que atrai o interesse de alguns menos informados, diz respeito à associação entre a proibição da venda de um produto e sua real potencialidade. Ou seja, tudo que é proibido é que dá resultado!
      Se os Anabolizantes são tão potentes e tem sua venda proibida, então os suplementos proibidos são os que mais se assemelham a ação dos anabolizantes. Tratando-se de pré-hormônios, e importados então! Sujeitos assim, que desejam um produto não indicado para ingerir, deveriam experimentar um ciclo de Creolina com Soda Cáustica!
      Pré-hormônios apresentam os mesmos efeitos colaterais dos esteroides anabolizantes
      Segundo autores mais renomados na área do treinamento de alta intensidade (não apenas cientistas teóricos), existe um consenso que os PHs, referindo-se tão somente aos verdadeiros pré-hormonais, tendem a apresentar à longo prazo efeitos indesejados semelhantes aos próprios hormônios, de maneira mais pronunciada que os efeitos anabólicos esperados.
      Além de apresentarem um valor de venda altíssimo, os PHs podem apresentar efeitos androgênicos notáveis, semelhantes aos envolvidos com drogas mais efetivas, além de possível hepatotoxidade por tratar-se de comprimidos ingeridos via oral, sendo processados inevitavelmente pelo fígado. Em relação aos efeitos anabólicos, as modificações são muito pequenas, se relacionarmos ao custo financeiro que apresentam.
      Podem sim apresentar modificações satisfatórias em sujeitos com deficiência de produção natural de testosterona, tendo portanto ação repositora, não construtora. Agora para atletas que já fizeram uso de alguma droga verdadeiramente anabólica, a ação destes pré-hormônios poderá deixar a desejar.
      Não acredite em propagandas 
      Agora tratando-se desta linha de suplementação vendida liberadamente no Brasil, todo e qualquer comentário favorável (como ação anabolizante primária) parece ser informação de má fé, ou simplesmente desinformação. Analisando a tabela nutricional podemos constatar que estes não passam de suplementos compensadores de baixo nível.
      Nem ação repositora hormonal eles apresentam. Ação hormonal verdadeira e considerável só poderá ser notada com a administração de hormônios ou seus respectivos pré-hormônios, de GH ou Testosterona.
      Se realizarmos uma simples comparação de composição química/nutricional entre os suplementos “chamados Pré-Hormônios produzidos no Brasil” (ou até mesmo aqueles importados e com venda liberada aqui), e os produzidos nos EUA (com venda proibida no Brasil), poderemos fortalecer ainda mais nossas convicções de que ainda está por vir (se é que uma dia existirá) um produto considerado natural e com mesmo efeito anabólico dos conhecidos esteróides anabolizantes.
      Estudos vão e virão, e o Treinamento Intenso, a Dieta, a Suplementação básica Construtora e o Descanso continuam à ser as estratégias mais eficazes, para quem tem paciência e consciência.
    • By fisiculturismo
      A fabricante de suplementos alimentares Sanibras Bionutrientes lançou o suplemento alimentar Power Jack 3d Max Pump. Se o nome do suplemento alimentar parece não ser lá muito original (quem não conhece o Jack3d?), o mesmo não se pode dizer de sua apresentação.

      O Power Jack 3d Max Pump é composto de uma cartela com cápsulas vermelhas e outra cartela com cápsulas azuis. Além das cartelas, há substâncias em pó. Essa forma de apresentação do suplemento alimentar leva a um efeito psicológico interessante em termos de potência.

      Uma cápsula vermelha contém 420 mg de cafeína. Uma cápsula azul contém Cálcio Alanina Quelato e Cálcio Arginina Quelato.

      Já o pó contém creatina, maltodextrina, vitaminas e minerais.

      A Sanibrás Bionutrientes, na linha Power Supplements, conceitua o Power Jack 3d Max Pump como suplemento de cretina e cafeína para atletas.

      E efetivamente, a cafeína é a substância mais utilizada pelos suplementos alimentares pré-treino para ativar o estado de alerta, isto é, para dar gás ou ânimo para o treino, enquanto que a creatina é a substância mais empregada para dar força e volume muscular.
      Eis aqui mais um suplemento alimentar que pretende ajudar na busca pelo corpo escultural que é o sonho da maioria dos frequentadores das milhares de academias espalhadas por esse Brasilzão.
      Se você já fez uso deste suplemento, deixe a sua experiência abaixo.
×
×
  • Create New...