Jump to content

Search the Community

Showing results for tags 'esteroides'.



More search options

  • Search By Tags

    Type tags separated by commas.
  • Search By Author

Content Type


Forums

  • Anabolizantes Esteroides
    • Tópicos sobre esteroides
    • Relatos de ciclos
  • Suplementos Alimentares
    • Tópicos sobre suplementação
    • Relatos de uso de suplementos alimentares
  • Treinamento de Musculação
    • Tópicos sobre treinamento
    • Lesões musculares
    • Diário de treino
  • Nutrição Esportiva
    • Tópicos sobre nutrição
    • Relatos sobre dietas
  • Gente
    • Tópicos de evolução do shape
  • Assuntos Diversos
    • Tópicos diversos

Calendars

  • Campeonatos de Musculação
  • Cursos, Palestras e Feiras

Categories

  • Esteroides
  • Suplementos
  • Treinamento
  • Nutrição
  • Gente
  • Diversos

Categories

  • Esteroides
  • Suplementos
  • Treinamento
  • Nutrição
  • Gente
  • Diversos

Categories

  • Aves
  • Bebidas
  • Carnes
  • Lanches
  • Legumes
  • Ovos
  • Massas
  • Peixes e Frutos do Mar
  • Saladas
  • Sobremesas

Categories

  • Abdominal
  • Antebraço
  • Bíceps
  • Costas
  • Coxa
  • Glúteo
  • Lombar
  • Ombro
  • Panturrilha
  • Peito
  • Pescoço
  • Romboide
  • Trapézio
  • Tríceps

Find results in...

Find results that contain...


Date Created

  • Start

    End


Last Updated

  • Start

    End


Filter by number of...

Joined

  • Start

    End


Group


Telefone Celular (WhatsApp)


Telefone Fixo


Interesses


Facebook


Instagram


YouTube


Twitter


Website


Tumblr


Série de Treinamento


Suplementação


Dieta Nutricional


Ciclos de Esteroides Anabolizantes & Drogas Afins


Academia


Altura


Peso


Percentual de Gordura

Found 138 results

  1. Tem pessoas que morrem com uma dose mínima de penicilina, ok? É claro que as naturezas dos problemas desencadeados por cada substancia são diferentes e varia de pessoa por pessoa. Penicilina seria p/ curar, mas tem pessoas que são alérgicas e morrem na hora com uma agulhada desta substancia. Tem pessoas que são expostas a radiacao, a metais pesados como o mercurio, por exemplo (em quantidades muito superiores ao limite recomendado pela onu), nao ficam doentes e levam uma vida saudavel. Tem pessoas que nunca fumaram, nunca beberam e tiveram uma alimentacao saudavel a vida inteira, e no entanto tem cancer aos 20 e tantos anos de vida. Logo se vc tomar deca, no caso 2 por semana, vai depender do seu organismo. Acredito que esta possibilidade é muito remota. Quem bota medo na gente sobre anabolizantes é a mídia, quando um usuário entre mil, se dá mal, seja por mal uso, falta de informacao, ou pela propria reacao inesperado do organismo, a mídia cai de pau em cima e denegrindo o uso de esteroides. Como uma conclusao geral, usar anabolizantes, é muito mais seguro do que andar nas ruas de sao paulo, a probabilidade de se morrer usando esteroides (desde que usado com bom senso, protecoes etc) é muito pequena. Intoxicacões leves isso é perfeitamente normal, tanto é que isto é previsto na bula do remédio: reacoes adversas. Valeu véio!
  2. Visto o grande número de usuários que buscam respostas sobre ciclos, estou elaborando meu próprio guia de ciclo e TPC. O texto é breve e direto, não vou explicar a ciência por ter escolhido isso e aquilo, até porque poucos leem. É importante que saiba que ninguém vai montar um ciclo pra você aqui no fórum, se precisa de ajuda especializada procure um coach. Eu e outros aqui no fórum prestamos esse tipo de serviço, é melhor que fazer coisas no escuro. A primeira coisa a se definir é o objetivo: bulk (aumento de massa muscular) ou cut (diminuição de gordura corporal)? Alguns ainda preferem classificar bulk em limpo e sujo, pra mim só existe bulk que não deve ser nem totalmente limpo e nem muito sujo. Importante lembrar que antes de fazer qualquer ciclo, você precisa ter certeza de que sua dieta e treino estão adequados, é preciso fazer uma contagem do gasto calórico diário e definir a ingestão de proteínas, carboidratos e gorduras conforme seu objetivo, do mesmo modo, é preciso avaliar encurtamentos musculares, desvios posturais e músculos deficientes pra elaborar um treino que seja o adequado pro seu corpo. Se você está naquela de que tal exercício é bom pra isso, evitar comer tal alimento é o ideal pode abandonar aqui, sem dieta e treino esqueça de usar esteroides. Esqueça! Quando se trata de hormônios anabolizantes, sempre é preciso estar magro pra poder usar. A gordura corporal atua como um órgão endócrino, ela sequestra os esteroides e os converte em estrogênio (que em excesso vai te engordar mais ainda, além de aumentar sua propensão a outros efeitos colaterais) além de que a gordura também gera uma condição inflamatória através da produção excessiva de citocinas inflamatórias, isso combinado com esteroides não é legal, você tem um risco muito mais elevado de dano vascular, cardíaco e trombose. E é importante lembrar que danos vasculares são irreversíveis. Pois bem, tendo isso em mente o ideal que sempre preconizo é o seguinte: bulk se você tem até 12~13% de BF, cut se você tem até 14~15% de BF e se tiver mais que isso apenas dieta. Só dieta mesmo, termogênico só se usa com menos de 10% de BF. E sempre ter um peso mínimo para usar esteroides, antes de usar qualquer hormônio você precisa pelo menos saber treinar e comer adequadamente, pois os esteroides não fazem nada além de potencializar o resultado da sua dieta e do treino. Homens com menos de 70kg não devem e mulheres com menos de 50kg não devem nem pensar em usar, porque nesse ponto é extremamente fácil melhorar as medidas sem o uso de hormônios. Todo mundo pensa que só se progride usando hormônios. Saudades da época que você fazia o necessário para ter resultados, e isso normalmente se limitava a treino e dieta, que aliás, quase ninguém faz direito. "Ah, mas eu faço dieta e treino certinho." Sua dieta é composta em mais de 80% de alimentos não-industrializados? Ela respeita sua necessidade biológica de ingestão de cada nutriente? Sabe qual a quantidade de minerais e vitaminas está ingerindo? Sabe quantas calorias tem sua dieta? Seu treino é adequado a seus desvios posturais ou é aquele treino que você faz os exercícios que pegam bem? Respeita seu descanso? Você chega a falha muscular em pelo menos 1 série de cada exercício? Talvez não esteja tudo tão certinho assim, não é... Eu também vos deixo a "equação de Toxi", é um algoritmo bastante simples pra saber de certeza quando não usar esteroides. A equação é a seguinte: Para HOMENS (Sua altura em centímetros) + (Percentual de Gordura %BF) - 100 - (Seu Peso) <= 20 Para MULHERES (Sua altura em centímetros) + (Percentual de Gordura %BF) - 100 - (Seu Peso) <= 25 Ou seja, a soma da sua altura com o seu BF, menos o seu peso e menos 100 não pode dar um valor acima de 20 caso seja homem e 25 caso seja mulher. Vamos exemplificar, um homem com 1,80m de altura, BF de 14% e 90kg de peso ficaria assim: 180 + 14 - 100 - 90 = 4 Agora, se você está dentro desses números, não quer dizer que seja adequado usar esteroides, isso apenas quer dizer que você tem um mínimo de aporte muscular e que está fazendo algo direito, por isso talvez (eu disse talvez) posas cogitar o uso de esteroides. Lembrando que se você homem tem mais de 16% de BF ou mulher tem mais de 30%, esqueça o uso de esteroides, vá fazer dieta e treinar até atingir um valor adequado! Se não se encaixou nesses modelos, esqueça de usar esteroides. Apenas em casos muito específicos é que se pode burlar essa equação, mas este não é um guia para avançados, apenas para indivíduos que estão começando o uso de hormônios. E agora, quais esteroides escolher? A primeira etapa é classificar os hormônios pra não confundir seis com meia dúzia. Existem um receptor celular chamado de Receptor Androgênico, ele é sensível a certos tipos de esteroide e pouco responsivo a outros. Existem os esteroides que atuam através deste receptor e outros esteroides que atuam por outras vias bioquímicas, sendo assim, o ideal caso você vá combinar hormônios, é usar esteroides de diferentes vias pra evitar competição dos hormônios por uma via, enquanto a outra está sendo pouco utilizada. A classificação é a seguinte: Forte atividade relacionada ao receptor androgênico: deca, boldenona, oxandrolona, trembolona, masteron, turinabol e primobolan. Fraca atividade relacionada ao receptor androgênico: dianabol, hemogenin, stanozolol e halotestin. A testosterona é um hormônio um tanto neutro, ela tem sinergia com qualquer esteroide e eu recomendo que esteja sempre presente em ciclos masculinos. Antes de exemplificar os ciclos, é importante dizer que qualquer droga pode ser usada tanto pra bulk quanto pra cut, a diferença é que algumas aparentemente funcionam melhor de uma maneira do que as outras. Eu mesmo já vi vários ciclos de bulk com oxandrolona e stanozolol trazerem bons resultados, assim como cuts contendo deca e dianabol serem muito efetivos. Mas vamos demonstrar alguns modelos de ciclos conforme exemplificamos até agora. Exemplos de ciclos MASCULINOS Ciclo iniciante cut ou bulk (o melhor pra se começar) 1-8 Testosterona 300~600mg/semana 3-8 Pode adicionar algum oral em 30mg/dia (stano, diana ou oxan) Ciclo cut ou bulk (iniciante e intermediário) 1-8 Testosterona 400~600mg/semana 3-8 Oxandrolona 40~60mg/dia Bulk intermediário (ideal para %BF mais baixo) 1-8 Testosterona 400~600mg/semana 5-8 Dianabol 40~60mg/dia Ciclo intermediário cut ou bulk 1-10 Testosterona 400~600mg/semana 1-10 Boldenona 400~600mg/semana Ciclo intermediário cut ou bulk 1-8 Testosterona 400~600mg/semana 3-8 Stanozolol 40~60mg/dia Ciclo intermediário Bulk 1-8 Testosterona 400~600mg/semana 1-8 Deca 200~400mg/semana Bulk intermediário/avançado (ideal para %BF mais baixo) 1-10 Testosterona 400~600mg/semana 1-10 Deca 200~400mg/semana 6-10 Dianabol 40~60mg/dia Cut intermediário/avançado (ideal para %BF mais baixo) 1-12 Testosterona 200~500mg/semana 1-12 Boldenona 400mg~600mg/semana 6-10 Stanozolol 40~60mg/dia Bulk avançado (somente para usuários experientes e com BF baixo) 1-10 Enantato de testosterona / 500~800mg 1-10 boldenona / 400~600mg 1-10 deca / 400~600mg 5-10 Dianabol / 50~60mg Cut avançado (somente para usuários experientes) 1-12 Testosterona 200~500mg/semana 1-4 Oxandrolona 40~60mg/dia 5-12 Trembolona 175~350mg/semana 5-12 Masteron 175~350mg/semana Exemplos de ciclos FEMININOS Ciclo Iniciante 1-6 Oxandrolona 15mg/dia 7- Oxandrolona 10mg/dia 8- Oxandrolona 5mg/dia Ciclo Intermediário bulk ou cut 1-8 Primobolan 200mg/semana Ciclo Intermediário Bulk ou Cut 1-7 Stanozolol: ORAL 20mg/dia; INJET 50mg/dia sim, dia não Ciclo Intermediário Bulk ou Cut 1-8 Boldenona 150~250mg/semana Ciclo Avançado Bulk 1-8 Deca 50~200mg/semana Ciclo Avançado Bulk ou Cut 1-10 Boldenona OU Primobolan 100~200mg/semana 7-10 Oxandrolona OU Stanozolol 10~20mg/dia Um ponto importante também a ser destacado são os protetores usados intra ciclos para otimizar sua recuperação na saída deles, lembrando sendo que um aporte vitamínico adequado é essencial para isto funcionar. O uso de HCG é sempre uma opção válida em qualquer estrutura de ciclo, pois dessa forma o corpo ainda é estimulado a produzir hormônios por conta própria. Uso de inibidores de aromatase (IA) como anastrozol, letrozol ou exemestano, podem e devem ser utilizados mediante apresentação de sintomas de conversão acentuada de testo livre em estrogênio, cuidado com o uso indiscriminado para não lhe causar queda muito brusca neste hormônio que pode acarretar em diversos colaterais indesejados, e ainda pode lhe dificultar a recuperação pós ciclo. Diferentes estudos comprovam que níveis ideais de prolactina e estrogênio melhoram a sensibilidade a insulina, a queima de gordura e também o anabolismo. Não se deve zerar estrogênio e prolactina, apenas mantê-los controlados. Existem muitos sintomas da alteração no estrogênio, mas alguns, como problemas sexuais, podem ocorrer tanto no excesso quando na falta de estrógenos e prolactina, por isso o ideal é sempre monitorar com exames de sangue. Saber como estão os hormônios apenas pelos sintomas é pra quem já é experiente, e fez muitos exames de sangue, associando os resultados a sintomatologia, não será tão eficiente você apenas ler quais são os sintomas e tomar os devidos procedimentos. Vitaminas essenciais que devem existir sempre, ciclo e TPC, poderíamos citar: Vitamina E, C, D, minerais como magnésio e zinco e aminoácidos como a Taurina, que contribui para a saúde testicular. Isso seria uma base. Vamos as dosagens (um modelo): Vitamina ? 5~10 mil UI/DIA Vitamina E: 400 ui /DIA Vitamina ? 500~1000 g / DIA Magnésio: 300-400 mg/DIA Zinco: 20~40 mg/DIA Taurina: 1000~2000mg/DIA (durante o ciclo e/ou na TPC) HCG (durante 75% do ciclo): 500~750 ui/SEMANA ( 2 ou 3 aplicações de 250 ui) IA: (Sempre preferir de farmácia antes de manipulados): 1 comp a cada 3/4 dias e diminuir o intervalo caso sinta necessidade. OBS: Ao chegar ao fim do ciclo aumentar o espaçamento entre as doses para poder tira-lo durante a TPC. O uso de Oxandrolona, Stanozolol, Oximetolona (hemogenin), Turinabol, Dianabol e mesmo o uso dos outros esteroides em doses mais altas acaba por causar estresse no fígado, por isso, você pode optar por usar um protetor hepático. A recomendação aqui é o uso de Acetilcisteína (também conhecido por NAC) na dose de 600 a 1200mg por dia e SAM-E na dose de 200 a 500mg por dia. Esqueça Tribulus e Xantinon, eles não tem real efeito para quem usa esteroides. Leia o tópico abaixo, se tiver dúvidas. A Terapia Pós Ciclo (TPC) Esta é uma parte crucial em qualquer ciclo, mas que muitos dão pouca importância. Boa parte dos usuários de esteroides está interessada apenas nos resultados que os hormônios oferecem, mas poucos dão a devida atenção aos efeitos colaterais indesejáveis e como remediá-los após o uso. Terminado o ciclo, alguns colaterais ficam se mantém no usuário e precisam ser tratados, os mais perceptíveis são decorrentes do desbalanço hormonal (acne, tristeza, depressão, impotência sexual, desânimo, etc.), colaterais bastante comuns, mas não tão perceptíveis são a hipertensão, colesterol alterado, danos vasculares e elevação de marcadores inflamatórios. Problemas mentais podem ocorrer de maneira silenciosa também, muitas vezes o indivíduo não percebe a mudança mental que ocorreu consigo mesmo. Alguns medicamentos e suplementos podem ser incluídos em uma TPC para atenuar esses colaterais e restabelecer o mais rápido possível suas taxas alteradas, vou por abaixo as substâncias mais utilizadas (e eficazes) usadas atualmente nas terapias pós-ciclo de esteroides: - TAPER DOWN Não é uma substância, mas sim um método. Consiste em reduzir vagarosamente a dose dos esteroides ao fim do ciclo, por alguns é o chamado modelo pirâmide. Permite uma transição mais tranquila do estado com perfil hormonal bastante androgênico e anabólico (usando esteroides) para o estado pouco androgênico e anabólico (sem esteroides). Em homens não funciona, não vou explicar aqui os motivos porque iria alongar muito o tópico. - Ashwagandha - 400 a 600 mg antes de dormir Adaptógeno que regula o cortisol, eleva naturalmente a produção de testosterona, além de ser anticancerígeno. Tem leve efeito calmante. - Longjack - 200 a 400 mg antes de dormir Ótimo efeito antioxidante, também eleva a testosterona naturalmente, especialmente em indivíduos com deficiência na produção deste hormônio (como é o caso de indivíduos após o uso de testo). - Ginkgo Biloba (ginkomed) - 80 a 200 mg antes de dormir Um dos melhores suplementos para tratar colaterais mentais, pode ser usado durante e após o ciclo. Além disso, alivia colaterais vasculares por melhorar a pressão arterial. Recomendo o uso. - Vitamina E - 200 a 400mg em refeições com gordura Protetora do fígado, antioxidante, contribui para elevar a testosterona em casos de deficiência. Recomendo o uso durante o ciclo e após, o ideal é usar sempre (mesmo que não esteja usando esteroides). - Vitamina D3 - 5000 a 10.000ui em refeições com gordura Incontáveis benefícios contra o câncer, diabetes, deficiência de testosterona e sistema imune. Recomendo o uso contínuo também, visto que demora semanas pra concentrar na corrente sanguínea e trás benefícios apenas a longo prazo. Usar apenas na TPC não adianta. - HCG (Gonadotrofina Cariônica Humana) - 500 a 5000 ui por semana Esse hormônio simula o hormônio Luteinizante (LH) que é quem induz a produção de testosterona pelo testículo ou pelo ovário. Recomendo usar na TPC apenas quando não usar intra-ciclo, mas pra mim, doses de 500 a 750 ui por semana durante o ciclo é mais eficiente. - DHEA (dehidroepiandrostenediona) - 50 a 100 mg por dia (preferencialmente antes de dormir) Hormônio produzido pela glândula supra-renal, é base pra produção de testosterona ou estrogênio. Também tem efeito calmante, neuroregulador, contribui para elevar a testosterona pós-ciclo e reverter a disfunção erétil. - Tamoxifeno - 10 a 40 mg por dia (eu prefiro dividir a dose em 2x ou tomar tudo antes de dormir) Modulador seletivo do receptor de estrogênio: compete pelo estrogênio em tecidos específicos, como na hipófise, pituitária e nas mamas. Aumenta o hormônio Luteinizante (LH) o que eleva a testosterona. - Clomifeno - 25 a 100 mg por dia (eu prefiro dividir a dose em 2x ou tomar tudo antes de dormir) Modulador seletivo do receptor de estrogênio. Age de maneira similar ao Tamoxifeno, há quem prefira misturar ambos, eu gosto de usar apenas um, geralmente prefiro Tamoxifeno porque tem menos colaterais e o custo/benefício é melhor. - Anastrozol - 0,5mg de 4 em 4 dias até 1mg por dia Medicamento inibidor de aromatase, age desativando a enzima aromatase que é quem converte hormônios androgênicos em estrogênio, também eleva o LH. É meu IA preferido, gosto de usá-lo durante o ciclo quando precisa controlar o estrogênio, mas também após o ciclo caso esteja acompanhado de HCG. Em doses baixas é eficiente sozinho pra uma TPC, podendo até excluir o uso de Tamoxifeno ou Clomifeno. A combinação de Anastrozol e DHEA costuma ser muito boa para tPC. Causa rebote, mas se você reduzir a dose devagar isso não é problema. Nunca vi um caso de rebote de Anastrozol quando feito o desmame, diminua a dose pela metade a cada 1 ou 2 semanas até suspender o uso e não vai ter problemas. - Exemestano - 12,5 a 175 mg por semana Medicamento inibidor de aromatase, muito mais potente que Anastrozol, caríssimo, porém não causa rebote. Nunca compre manipulado, medicamento manipulado não funciona e é sempre preferível pegar um anastrozol de farmácia que custa 50~60 reais do que qualquer manipulado. A dose deve ser usada com cautela. - Letrozol - dose bastante variável Mais potente dos inibidores de aromatase, precisa ser usado com muita cautela, é fácil zerar o estrogênio e ficar se sentindo mal por semanas. Recomendo cautela a quem for usar e começar sempre com uma dose baixa, como 1/4 de comprimido a cada 4 dias. - Ômega 3 - 1 a 10 g por dia (podendo usar mais) Suplemento básico intra e pós-ciclo, deve estar presente na vida de todo usuário de esteroides. Melhora o colesterol e diminui os marcadores inflamatórios. Mesmo doses de 1 ou 2 g por dia já trazem ótimos benefícios. Apenas use ômega 3 animal (de peixe ou tubarão), pois o vegetal possui péssima biodisponibilidade. - Creatina - 3 a 5 g por dia (podendo usar mais numa fase de saturação) Ótimo suplemento para melhora da força, hidratação celular e captação de glicogênio pelo músculo. Gosto de prescrever na TPC de ciclos bulk, especialmente para manter a força e rendimento muscular. Uso de 1 a 2 meses contínuo, depois é recomendado uma pausa, até porque tem o efeito reduzido depois desse período. Importante lembrar que não existe TPC pra uma droga ou pra outra, alguns esteroides costumam agredir mais o corpo, por tanto requerem uma TPC mais intensa e duradoura, enquanto outros não. Para ciclos com drogas orais e normalmente menores que 6 semanas, o uso de fitoterápicos e suplementos já é suficiente. Para ciclos com drogas injetáveis por tempos maiores de 6 semanas a TPC precisa ser mais intensa, você pode usar apenas algumas ou todas as substâncias indicadas. HCG e Anastrozol na TPC não requer uso prolongado, 3 a 4 semanas costuma ser suficiente, mas os fitoterápicos e suplementos você pode usar por muito mais tempo. Minha indicação é que a TPC tenha a mesma duração do ciclo (obviamente não precisa usar tudo do começo ao fim). Praticamente todos esses itens você pode encontrar ou solicitar manipulação no site da http://www.barbozaomanipulacao.com.br/ e utilizando o cupom CASSIO10 ainda garante 10% de desconto. Exames de sangue Após um ciclo ou mesmo após uma TPC é importante fazer exames de sangue para identificar o que foi alterado durante o ciclo, abaixo cito os principais exames de sangue a serem feitos (mas não necessariamente os únicos): - TESTOSTERONA TOTAL E LIVRE - HEPATOGRAMA (TGO, TGP, GAMA GT) - 25-HIDROXIVITAMINA D - CREATININA - UREIA - HEMOGRAMA COMPLETO - FERRO SÉRICO - FERRITINA - PERFIL LIPIDICO (LDL, HDL E TRIGLICERÍDIOS) - CORTISOL PLASMÁTICO - ESTRONA - E1 - ESTRADIOL - E2 - PROLACTINA - PSA - PROTEÍNA C REATIVA - HOMOCISTEÍNA Além disso, é recomendado que usuários recorrentes de esteroides façam exames mais específicos, como ultrasom hepático, eletrocardiograma e/ou ecocardiograma para identificar alterações no fígado e coração que possam não ser detectadas nos exames sanguíneos. Leve para alguém capacitado ver os exames, principalmente se algo estiver fora dos valores de referência (mínimo ou máximo). Confira o tópico abaixo, ele ajuda a encontrar substâncias para sua TPC e proteção intra-ciclo. O tópico foi escrito por mim (TOXI) com ajuda do @FrancoSirena e ainda pode sofrer alterações.
  3. Olá, vim aqui na buscar de auxílio para ciclar pela primeira vez na esperança de fazer MENOS besteira do que fazendo sozinho. Idade: 24 Altura: 1,68 Peso: 69kg Medicações em uso (Anticoncepcional, etc...): Nenhuma Problemas de Saúde: Nenhum Tempo de treino: 2 anos e 7 meses. Parei 1 mês após o primeiro ano e voltei, e sofri um acidente de moto recentemente (14/11/2018) onde quebrei ambos os punhos, ficando afastado até dia 10/01, hoje diria que estou 80%, tenho algumas limitações em certos exercícios. Ciclos FEITOS com dose e tempo: Nunca fiz. Ciclo PROPOSTO com Aes (Marca) dose e tempo: Pretendo fazer um primeiro ciclo leve. Meu objetivo não é ficar gigante, e sim definido e bem vascularizado, mas com um bom volume muscular (algo próximo a David Laid por exemplo, mas em menor proporção, afinal tenho muito menos altura que o rapaz.). Descartei o Stano devido a meu punho ser comprometido, não quero brincar com essa articulação. Pensei em Dura 250mg 2 vezes por semana, durante 10 semanas. Algo bem padrão, mas não sei se daria bons resultados isolado. Também considerei bastante não usar AES, e sim tentar um ciclo de clembuterol por 14 dias, para ver se consigo secar bem (começando com 1ml, até 3ml). Em geral estou em busca de algo diferente, que me motive mais um pouco a treinar, já que estou na mesma a 2 anos. Divisão de treino e horario do mesmo: Segunda: Peito, ombro e trapézio, costuma ser 19h. Terça: Costas, bíceps e tríceps, costuma ser 19h. Quarta: Inferior completo, costuma ser 19h. Quinta: Peito, ombro e trapézio, costuma ser 19h. Sexta: Costas, biceps e tríceps, costuma ser 10h. Outras informações: Tenho aula em tempo integral de segunda a quinta, então treino durante a noite. Sexta treino pela manhã. Não lembro a última vez que fiz aeróbico, os meus treinos demoram sempre entre 1h20min e 1h30min, menos o de membros inferiores, que demoram 1h10min +-. Não gosto de treinar perna junto com superior, não me sinto confortável. Treino abdomen todos os dias. Dieta com quantidade de proteina/carboidrato/gordura por dia: Ah, aqui vai ser divertido. Primeiro eu não como nenhum tipo de salada ou fruta, suplemento com multivitamínico. Nunca usei uma balança na vida para pesar comida e nunca fui a um nutricionista decente (Todos os que eu fui trabalhavam com a "reeducação alimentar" e parecia que eu falava grego quando eu falava que NÃO COMO FRUTAS E VERDURAS. Não é por má vontade, não é por desafio, não é por frescura. Desde pequeno eu vomito com isso, meus pais escondiam na comida, batiam no liquidificador, e o resultado é o mesmo, vômito ao comer. Simplesmente deixei de ir a nutricionista pelo fato de eles não se adequarem a mim, e sim eu ter que me adequar a eles de forma estúpida, enqnto eu pedia qualquer outra solução). Suplementos: Multivitamínico após o almoço, 5g de creatina antes do treino e 5g após o treino. Manhã: Macaxeira (mandióca), frango e 1 ovo cozido. Almoço: Arroz, feijão e carne (frango 4x, peixe 1x, carne vermelha 1x, domingo é o que tiver na mesa). Lanche (varia de 16h30~17h30, dependendo da faculdade): Macaxeira (mandióca), frango e 1 ovo cozido. -----treino---- Jantar: Macaxeira (mandióca), frango e 1 ovo cozido. Ah, e SIM, eu como isso T-O-D-O-S, os dias, durante 2 anos e meio, de segunda a sexta (sábado eu como isso no café da manhã, almoço e lanche, o jantar eu como o que tiver afim), e no domingo como isso no café da manha... almoço e jantar como o que tiver na mesa. Desculpe não falar a quantidade das comidas, eu realmente nunca pesei. Como vocês podem ver, seguir dieta não é um problema pra mim, DESDE QUE EU CONSIGA COMER O QUE FOR COLOCADO NO MEU PRATO. Meu BF está um pouco mais alto do que normalmente porque eu estava comendo só isso desde sempre, e queria fazer um teste de 2 semanas do lixo, pra ver se meu bulking rendia mais... comi TUDO que via pela frente, estou falando de 500g de bolo de chocolate, 20 fatias de pizza, etc... Ganhei 3kg nessas 2 semanas, obviamente o bf subiu um pouco, mas o meu volume também, até que foi satisfatório, mas já voltei pra dieta normal. Obrigado pela atenção e estou aberto a sugestões sobre AES, suplementação e tudo mais! Fotos:
  4. Por Dudu Haluch – a testosterona é o principal hormônio anabólico, e nas mulheres esse hormônio é produzido pelas glândulas supra-renais e ovários, porém em menores quantidades 0,25 a 1mg/dia, uma quantidade cerca de 10 a 20x menor que nos homens. Essa é a principal razão da dificuldade das mulheres em ganhar massa muscular, portanto o medo de algumas mulheres de ficar grande com o treinamento de força é totalmente infundado sem o uso de esteroides androgênicos; - uma média de ~10kg de massa muscular (não apenas peso bruto) em 4-5 anos de treino com tudo bem feito. Pode ser bem variável isso, mas está em acordo com muitas mulheres que tem muitos anos de treino. Evolução do físico leva muitos anos de forma natural, e mesmo com hormônios não é tão simples quando dieta e treino não são bem feitos. Quanto mais tempo de treino e melhor seu físico, mais difícil se torna evoluir, porque você tende a se aproximar do limite natural; – o uso do anticoncepcional diminui de forma bastante agressiva os níveis de testosterona total e livre, o que tende a limitar fortemente o ganho de massa muscular; – o padrão do corpo feminino em forma de pera é decorrente da maior presença de receptores de estrogênio na região do glúteo e das coxas, assim como maior presença de receptores alfa-adrenérgicos (anti-lipolíticos) em relação a receptores beta-adrenérgicos (lipolíticos), o que favorece maior acúmulo de gordura nessa região. Membros inferiores de mulheres foram encontrados para ter cerca de nove vezes mais receptores alfa-2 em relação a receptores beta-2. Isso significa menor queima de gordura para as mulheres nos membros inferiores. Receptores alfa e beta adrenérgicos são receptores das catecolaminas (adrenalina e noradrenalina), hormônios que quando se ligam a esses receptores levam a um aumento (beta 2 adrenérgicos) ou redução (alfa 2 adrenérgicos) da lipólise (quebra da gordura em ácidos graxos para posterior oxidação na mitocôndria); – o uso do anticoncepcional tende a aumentar a concentração desses receptores alfa-adrenérgicos (alfa-2 principalmente), presentes principalmente no glúteo e nas coxas das mulheres, dificultando muito a perda de gordura nessas regiões; – por reduzir a testosterona a aumentar a concentração de receptores alfa-2 adrenérgicos, o anticoncepcional claramente cria um ambiente hormonal totalmente desfavorável para uma mudança favorável na composição corporal, já que dificulta o ganho de massa muscular e queima de gordura; – as doses mais eficazes de esteroides androgênicos para as mulheres visando ganho de massa muscular giram em torno de ~20mg dia (oxandrolona, stanozolol, primobolan, etc, doses comuns em categorias Wellness), o que equivale a cerca de ~140mg de androgênios por semana (claro que ocorre alguma perda devido à metabolização). Considerando que as mulheres produzem ~4-7mg de testosterona semana, temos níveis de androgênios ~20x maiores para gerar bons ganhos de massa muscular num curto espaço de tempo; – as consequências são óbvias, doses maiores oferecem um potencial maior risco de virilização e masculinização. Hipertrofia do clitóris, perda dos seios, queda de cabelo, engrossamento da voz, hirsutismo, acne, são colaterais comuns quando se passa essa faixa de maior segurança. Doses maiores oferecem maior ganho de massa muscular, mas também potencializam colaterais; – mesma coisa que vale para os homens, vale para as mulheres, você não consegue manter após um ciclo os ganhos que teve durante o ciclo, pois a concentração de hormônios durante o ciclo é muito acima do que o seu corpo produz naturalmente (10-20x mais androgênio). Isso provoca um crash hormonal pós ciclo, de modo que boa parte, se não todos os ganhos serão perdidos, então não adianta se iludir com o uso temporário de esteroides; – as atletas e modelos fitness que atingem físicos invejáveis em geral possuem genética muito acima da média (maior sensibilidade à insulina e à androgênios), e/ou fazem uso mais frequente de hormônios (mas não em doses altas como muitos podem pensar). É frequente o uso de GH, principalmente em fase em que se interrompe o uso de esteroides. Essas mulheres sabem que o abuso agrava a virilização e muitas delas já possuem alguns traços virilizantes; – dedicação, paciência e conhecimento são as únicas formas de construir um físico bonito quando seu potencial genético é mais limitado. Mas a maioria das pessoas tem condições de conquistar isso com essas três qualidades, com genética mediana. O difícil mesmo é ter conhecimento, paciência e disciplina, por isso meninas a quase totalidade de vocês continuará apenas admirando o shape dos sonhos das suas musas do fitness. Genética top e espírito de bodybuilder são pra poucos, mas você tem a chance de tentar. Fonte: http://www.duduhaluch.com.br
  5. Comprei um testoviron 250mg/10 ml da Muscle Pharma, ele é verde . Isso é normal ? Porque todos os esteróides que eu tomei eram ou transparente ou amarelos...
  6. Galera o que me dizem sobre o Buck stack? BUCK STACK PHARMA PLIX *100mg de Metandrotelona* *150mg de Enantato de Testo* *100mg de Acetato de Trembolona*
  7. Galera pode ser uma pergunta boba, ou até mesmo paranóia minha, mas alguém tem esse conhecimento por exemplo se fizer a compra de um produto e postarem no final de semana, sábado e domingo ficará "guardado" a espera da entrega, nesse tempo, ja que ficara dentro de caixa e galpão sei la. Não corre o risco dos produtos estragarem?
  8. Galera, é o seguinte: Ja ouvi falar de varias terapias pos-treino, porem, todas elas pra anabolizantes "mais fortes", gostaria de saber com voces, qual seria uma boa TPC pra usar apos o ciclo de HALOVAR, meu objetivo é hipertrofia com qualidade, e pretendo consultar um medico, desde já agradeço quem puder ajudar. Abraços.
  9. Olá galera! Eu tenho 17 anos e meu sonho sempre foi ter pernas grossas, eu tenho 47 cm de perna esquerda e direita, peso 53kg e tenho 1,60 de altura, e queria aumentar minhas pernas para 53 cm, pois acho que já seria uma diferença boa no meu corpo e me deixaria mais confiante e bonita. Eu tenho interesse em tomar alguma coisa realmente que funcionasse, eu malho a 7 meses. Por favor galera, se puder me ajudar ficarei grata!
  10. Olá a todos, sou novo aki, estou querendo ciclar, e quero saber a opinião de vocês. Ja faz 1 ano e 4 meses que estou treinando e me alimentando corretamente no inicio pesava 62 kilos, agora estou pesando 80 a 83, dependendo do horario do dia em que me peso como sou ectomorfo, nunca sequei , pois meu primeiro objetivo é cresce qual é o melhor produto para min começar a ciclar..
  11. Se você é iniciante e gosta de ler o gh15 esqueça tudo e começe do 0. o gh15 é alguem que sabe muito, muito mesmo, porem oq ele faz é falar do uso de esteroides para profissionais. Tembolona Ace é perfeita, equipona tbm, masterom é ótima, é a evolução da stano com muito menos dor. se vc é iniciante pense da seguinte forma: tenho receptores virgens, eles vão reagir com muito mais eficacia, 200mg de deca vão fazer por vc aquilo que 1, 2 ou 3g de deca fazem e um usuário avançado. como ciclo basico o ideal seriam 2 duras por semana com 200mg de deca de farma, uma tpc e ao menos 1 mês de descanso pro proximo ciclo, se possivel 2. isto é a coisa mais eficiente. se vc está começando agora esqueça o gh, não vai te ajudar muito no começo, trembolona antes dos 90kg com bf baixo vai acabar com vc, v c vai passar a ter rava dela. se vc é niciante seus anabolizantes são deca, durateston, hemogenin e dianabol. amanhã eu falarei mais sobre eles.
  12. Vamos comentar o desenvolvimento de Jeff Seid. Supor os esteroides que ele usou, etc. 13 ANOS 14 ANOS 15 ANOS ATUALMENTE 17/18 ANOS
  13. Sei que muitos odeiam o hemogenin, mas isso não vem ao caso. Quero saber se as pessoas que usam esteróides hj e não é prejudicado, se pode ser prejudicado no futuro ? ex: quando tinha uns 18 anos eu fiz um pequeno ciclo e não me fez mal algum, depois fiz um check-up e nada constatou. Mas tenho medo que lá pelos meus 30, 35 anos eu possa desenvolver algum tipo de cancer ou ter meu figado ou rim alterados devido ao esteroide que tomei a 10 anos atrás, é possível que aconteça isso ? Quanto ao hemogenin, tomei algumas cartelas já, nunca uma seguida da outra, tomava uma e descansava por um tempo e depois mandava outra e tb nunca fui prejudicado, posso sofrer mais pra frente por algo que fiz anos atrás ? Desculpa se a pergunta foi idiota. Valeu!
  14. Fala galera, acompanho sempre o fórum, não sou muito de postar pq sempre acabo encontrando algo sobre minhas dúvidas, mas dessa vez não achei. Não é sobre mim. Tenho um amigo que está ciciando: Bold + Sustanon: seg, qua e sexDeca: ter e quiEle sempre tem crises de garganta e dessa vez foi muito forte. Ele acabou tomando umas injeções anti-inflamatórias na segunda 26/10 e continuou com o ciclo, depois disso está sentindo fadiga, abs inchado e está notando o amarelento nos olhos, pelo que li são alguns sintomas do fígado, acredito que sobrecarregou muito. Queria saber se tem algum relato aqui da página de algo parecido, se pra ele é melhor interromper o ciclo e/ou tomar alguma medicação, fazer exames, etc. Vlw
  15. Há um tempo atrás muitos de nós acreditavam que bastava ciclar e fazer uma boa TPC que você manteria boa parte dos ganhos, que quanto mais você ganhasse melhor, que fazer front load e kick start era muito bom porque você conseguiria ganhar 2-4 kg por semana nas primeiras semanas, lol. Acreditamos que ciclar deca e dura era bom para um bulk e que pra secar, trembo, testo, masteron, stano fariam a mágica, e depois TPC novamente. Outros acreditaram que blast e cruise era a salvação, que você poderia se manter on fire até atingir seu objetivo, e depois fazer uma linda TPC q estava tudo certo. E as mulheres sempre na esperança de que aquela linda garota wellness tem um ciclo especial, e que se ela seguisse seria igual. Ou quantas de vocês meninas não se impressionaram em ganhar 4-6kg com simples stano/oxan e depois viram tudo ir para o ralo após o ciclo, e não entendem porque a garota wellness continua sempre gostosa. Ou você jovem que não consegue entender o porquê aquele bodybuilder estar sempre grande ou o men’s physique que está sempre seco. Nós erramos, os ganhos de um ciclo são apenas temporários, principalmente para aqueles que fazem TPC. A TPC é muito pouco eficiente, é apenas uma medida mais rápida de colocar as coisas em ordem. Mas como manter os ganhos de 1000-2000mg de hormônios semanais se após uma TPC seu corpo vai estar produzindo apenas os ~50mg semanais de testosterona (ou ~4mg semanais na mulher)? Atletas que mantém um shape grande e seco dificilmente param com os hormônios ou vivem em intervalos curtos de parada. Lógico que para os atletas das categorias mais leves (culturismo clássico, ~70-80 kg) e para as atletas femininas bikini/wellness é plausível manter um shape razoavelmente bom natural em OFF (~8-12%de BF) se sua genética for de alto nível. Ciclos com deca, boldenona, testosterona, drogas de meia-vida longa em geral, são muito supressivos e após o uso você vai passar meses com eixo inibido enquanto se perdem seus ganhos. Somente os frangos (tipo ciciar com 60-70kg, tendo 1,70~1,80m de altura) se iludem com esses ciclos, porque eles ganham 10~15kg e por adaptação o corpo conseguem manter boa parte, simplesmente porque naturalmente ele conseguiria aquilo se fosse mais dedicado e paciente. Os caras mais novos também parecem responder melhor a TPC, recuperação do eixo mais rápida, isso facilita. Mas não me perguntem sobre ciclo mágico, não existe, o que você mantém após um ciclo é somente aquilo que você conseguiria natural. Ter grandes ganhos é burrice, ganhar rápido é ilusão (muita retenção), esperar manter o que ganhou após uma TPC é ingenuidade, a menos que vc seja frango, aí até com PH vc vai bem. abraços, dudu haluch - texto retirado da página do Dudu Haluch
  16. Olá pessoal, tenho 15 anos e gostaria de saber que esteroide anabolizante posso tomar para intensificar meu treino e ou para máxima hipertrofia sem ter efeitos colaterais fortes ou médios e que tipo de proteção terei de tomar, Obrigado!
  17. Como soubemos, a insatisfação com os resultados alcançados, a busca pela perfeição e a crescente ambição em alcançarmos níveis superiores de hipertrofia muscular/definição muscular/redução de percentual de gordura, leva a indústria de suplementação a uma crescente procura pelas fórmulas ideais para satisfazer seus compradores. Neste ciclo ambicioso, onde o resultado extremo é mais relacionado com os esteróides anabolizantes do que com o treinamento e a alimentação, nasceu uma outra linha de suplementação promissora: os Pré-Hormônios, geralmente importados, e os Estimulantes de Produção/Liberação Hormonal. Baseados na ação dos esteróides anabólicos, esta espécie de suplemento promete uma maior produção e/ou liberação hormonal de Testosterona e de Hormônio do Crescimento, e seria uma escolha intermediária entre a suplementação básica e a “bomba”. O grande atrativo para o público geral é que estes tratam-se de produtos considerados legais, vendido liberadamente (no caso dos vendidos aqui no Brasil), com o julgamento pessoal de não estarmos cometendo um ato moralmente antiético, e ainda, sem os possíveis efeitos colaterais dos esteróides, mas com ação semelhante a estes. Os suplementos conhecidos no Brasil como Pré-Hormônios são classificados como compensadores protéicos, multivitamínicos e minerais, pois em sua composição nutricional só apresentam estes macro e micronutrientes. O chamado estimulante para a liberação de testosterona (ZMA - aspartato de monometionina de zinco), tem sua base nutricional no Zinco, Magnésio e Vitamina B6. Já o estimulante de produção do Hormônio do Crescimento (GH ou HGH), apresenta certa proporção de proteínas, Vitamina C, B6, Cromo e Colina. Estes suplementos são apresentados com nomenclaturas atrativas ao consumidor, como estimulantes do Potencial Genético, ou ainda em conjunto, como Combo Genético. Então na verdade não são Pré-Hormônios, mas no máximo possíveis estimulantes de produção hormonal. E deles não podemos esperar as mesmas modificações corporais esperadas dos hormônios ou pré-hormônios, pois os resultados vendidos pelas empresas desta linha de suplementos são baseados em pesquisas envolvendo a Testosterona e o hormônio do Crescimento, e não o Zinco, o Magnésio, o Cromo, e as Vitaminas B6 e C. Portanto, cria-se apenas a relação, entre o que podemos esperar dos verdadeiros hormônios (incluidos em pesquisas), e da composição química do produto nacional. Considero um pouco injusto cobrarmos do Zinco, do Magnésio e das Vitaminas o crescimento muscular, a redução de massa gorda e a definição muscular que os hormônios realizam. Que a Testosterona e o Hormônio do Crescimento são dois hormônios primários no crescimento muscular e no gasto lipídico, não resta dúvida alguma. Mas ainda existe uma distância imensa entre o que estes hormônios promovem e o que estes “anabolizantes naturais” são capazes de alcançar. Os verdadeiros Pré-Hormônios são substancias que ocorrem naturalmente no organismo, assim como são os hormônios. No caso da Testosterona, são os precursores deste hormônio principal, produzidos na glândula adrenal. Entre eles estão o Colesterol, seguido em cadeia pela Pregnenolona, a Dehidroepiandrosterona (DHEA), a Androstenediona, para ai sim ser convertida em Testosterona. Mas veja bem, esta linha de suplementação é mais promissora que à anterior, mas não pelos resultados obtidos em pesquisas experimentais, e sim por tratar-se de produtos importados, não produzidos e sem liberação para venda aqui no Brasil. Sendo assim, existem duas possíveis relações que garantem o interesse do público leigo na aquisição dos pré-hormônios importados: a crença que tudo que é importado, preferencialmente dos EUA, apresenta melhor qualidade que os produtos nacionais. Qualquer porcaria importada, tratando-se de suplementos, tem credibilidade no Brasil. Mas poucos sabem que somente os pré-hormônios (quando declarados no rótulo) e a efedrina têm venda proibida por lá, e que lá pode-se lançar e vender qualquer suplemento, desde que declare-se uma meia dúzia de vitaminas que ali estão, ocultando a real composição. E o segundo motivo que atrai o interesse de alguns menos informados, diz respeito à associação entre a proibição da venda de um produto e sua real potencialidade. Ou seja, tudo que é proibido é que dá resultado! Se os Anabolizantes são tão potentes e tem sua venda proibida, então os suplementos proibidos são os que mais se assemelham a ação dos anabolizantes. Tratando-se de pré-hormônios, e importados então! Sujeitos assim, que desejam um produto não indicado para ingerir, deveriam experimentar um ciclo de Creolina com Soda Cáustica! Segundo autores mais renomados na área do treinamento de alta intensidade (não apenas cientistas teóricos), existe um consenso que os PHs, referindo-se tão somente aos verdadeiros pré-hormonais, tendem a apresentar à longo prazo efeitos indesejados semelhantes aos próprios hormônios, de maneira mais pronunciada que os efeitos anabólicos esperados. Além de apresentarem um valor de venda altíssimo, os PHs podem apresentar efeitos androgênicos notáveis, semelhantes aos envolvidos com drogas mais efetivas, além de possível hepatotoxidade por tratar-se de comprimidos ingeridos via oral, sendo processados inevitavelmente pelo fígado. Em relação aos efeitos anabólicos, as modificações são muito pequenas, se relacionarmos ao custo financeiro que apresentam. Podem sim apresentar modificações satisfatórias em sujeitos com deficiência de produção natural de testosterona, tendo portanto ação repositora, não construtora. Agora para atletas que já fizeram uso de alguma droga verdadeiramente anabólica, a ação destes pré-hormônios poderá deixar a desejar. Agora tratando-se desta linha de suplementação vendida liberadamente no Brasil, todo e qualquer comentário favorável (como ação anabolizante primária) parece ser informação de má fé, ou simplesmente desinformação. Analisando a tabela nutricional podemos constatar que estes não passam de suplementos compensadores de baixo nível. Nem ação repositora hormonal eles apresentam. Ação hormonal verdadeira e considerável só poderá ser notada com a administração de hormônios ou seus respectivos pré-hormônios, de GH ou Testosterona. Se realizarmos uma simples comparação de composição química/nutricional entre os suplementos “chamados Pré-Hormônios produzidos no Brasil” (ou até mesmo aqueles importados e com venda liberada aqui), e os produzidos nos EUA (com venda proibida no Brasil), poderemos fortalecer ainda mais nossas convicções de que ainda está por vir (se é que uma dia existirá) um produto considerado natural e com mesmo efeito anabólico dos conhecidos esteróides anabolizantes. Estudos vão e virão, e o Treinamento Intenso, a Dieta, a Suplementação básica Construtora e o Descanso continuam à ser as estratégias mais eficazes, para quem tem paciência e consciência.
  18. “O Senhor é meu Pastor e não me faltará”. “Ainda que eu passe pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque Tu estás comigo, a tua vara e o teu cajado me consolam”. (SL 23.1,4). Estou dando inicio a essa matéria usando um texto da Bíblia Sagrada, um salmo onde Davi que foi um rei em Israel, reconhece e expressa seu sentimento, sua incapacidade, sua fragilidade diante da morte. Eu que sempre fui tão alto-suficiente, tão independente, tão alto-confiante, estribado em minhas conquistas e vitorias e sucesso profissional, mas de uma hora para outra, vi meu castelinho de areia indo por água abaixo. E a maior certeza que temos nessa vida é que mais cedo ou mais tarde vamos nos deparar com esta realidade, em algum momento de nossa caminhada, estaremos cara a cara com a morte! Você está preparado para isso? Estou hoje com 46 anos de idade, desses 46 anos eu dediquei 30 ao esporte. Acumulei ao meu curriculum mais de 180 titulos. Muita coisa foi escrita ou falada sobre mim, mas é a primeira oportunidade que tenho, onde de próprio punho posso relatar minha historia. Faz 10 anos que Deus me livrou da morte, e eu entende que tenho como missão, contar meu testemunho e alertar a todos , sobre os riscos e perigos, ao se fazer uso de anabolizantes. Meu diagnostico medico “ Hepatocarcinoma (muticêntrico e/ou com metástases)”,” vesícula biliar hidrópica com barro biliar”, “nefropatia crônica” nos rins. Os médicos me deram pouca expectativa de vida, me lembro que a sugestão foi que eu fosse aos E.U.A. tentar fazer um transplante de fígado lá, pois se entrasse na fila aqui no Brasil não resistiria, não havia mais tempo, e nem nada que eles pudessem fazer por mim. E mesmo que eu fizesse o transplante de fígado, ainda assim teria que fazer hemodiálise o resto de minha vida, pois meus rins não funcionavam mais. Foi bem difícil para mim ter que ouvir tudo isso, estava diante do vale da sombra da morte, totalmente desacreditado pelos médicos. Nessa época do ano de 1998 estava me preparando para o campeonato mundial que aconteceria na Turquia no mês de novembro. Era final de setembro estava já a dois meses fazendo dieta e me preparando, e fazendo uso dos anabolizantes, sei que muitos tem curiosidade para saber o que eu estava tomando, eu estava tomando: Testosterona aquosa 100 mg, Stanazolol 100 mg, oxandrolona 100 mg, 12 U.I. de G.H., eu tinha um contrato de patrocínio, onde uma das clausulas era estar sempre em forma para campanhas fotográficas e apresentações ao publico, eu mantinha a forma praticamente o ano inteiro, mas isso nunca foi sacrifício para mim, pois sempre gostei de fazer minhas dietas, ainda hoje tenho hábitos alimentares saudáveis e é muito difícil sair fora das minhas dietas, cabeça de fisiculturista acho que nunca muda. No começo do mês seguinte, fui ministrar um curso em Recife, e acabei passando muito mal, era na época em que havia um surto de rota- vírus, foi quando atraves de exames, os médicos detectaram todos esses problemas. Me lembro que quando recebi a noticia fiquei meio chocado, mas aos poucos fui entendendo que Deus tinha um plano em tudo isso. Eu me converti a Jesus Cristo no ano de 1992, quando morei nos E.U.A., e quando estava atravessando o meu vale de sombra da morte, eu sentia muita paz e confiança Nele. Acho que ninguém esta, nem nunca vai estar preparado para morte, mas eu aprendi que Jesus foi o único que venceu a morte. Respeito todas as religiões, mas eu não acredito em nenhuma delas, porque no tumulo de seus fundadores você encontra seus restos mortais, mas no tumulo de Jesus lá em Jerusalem, tem uma placa escrito Ele não esta aqui, Ele ressuscitou, seu tumulo esta vazio!, só Ele poderia me dar essa vitória. Fiz uma oração, onde pedi a Ele perdão pelos meus erros, e pedi a Ele que me deixasse vivo, pois não queria morrer! Em 15 dias eu tive uma melhora incrível, os médicos não sabiam explicar o que estava acontecendo comigo, todo aquele quadro trágico de morte se reverteu! Jesus o meu Pastor me carregou no colo e atravessou o vale da sombra da morte comigo! E agora? O que vou fazer com essa nova vida?, pois me sentia como se tivesse nascido de novo! Primeira atitude,” vou tornar meu problema publico, para que não aconteça com ninguém o que aconteceu comigo”. Eu nem imaginava a repercussão que daria quando fiz a primeira matéria para a revista veja em novembro de 1998. Segunda atitude, “Não posso ficar de braços cruzados e não fazer nada com relação a experiência sobrenatural que tive com Deus”. Comecei a estudar e me preparar através de seminários e estudos relacionados a teologia, Deus tem uma obra e uma missão para mim, não só na área do esporte, mas eu quero fazer algo pela minha geração, e pela nova geração que esta se levantando, pois com 46 anos vi com meus olhos a maioria de meus amigos serem enterrados, vitimas de acidentes de transito, over-dose de drogas, AIDS, etc. Sete anos de minha vida fui pastor da igreja bola de neve, mas faltava algo. Hoje estou com um ministério o nome é ZION, onde eu e muitos outros Cristão, profissionais da área de esporte estamos ensinando aos jovens o esporte saudável e a palavra de Deus, combinação perfeita, pois somos corpo e espírito, não adianta cuidar do corpo e não cuidar do espírito, quando o seu vazio existencial é preenchido com a palavra de Deus, você não quer nem saber de drogas! Antes de ser pastor eu fiz mais um pedido a Deus, competir mais uma vez, seria a ultima, pois eu queria escrever minha historia, não como um homem que encerrou sua carreira porque teve uma doença e não poderia mais competir, mas como um homem que abandonou sua carreira no esporte por gratidão a Deus, por Ele ter restaurado a minha saúde e me dado uma nova vida, e essa nova vida iria dedicar a Ele e a sua obra. Em 2002 eu venci o Campeonato Brasileiro, e pela ultima vez estava pisando em um palco para competir, dali em diante eu piso em palcos para anunciar a Palavra de Deus, o seu amor, a sua bondade e que Ele verdadeiramente faz você atravessar o vale da sombra da morte, faz você deitar em verdes pastos e te guia mansamente as águas tranqüilas. Continuo praticando esporte, amando o esporte, sou casado e tenho uma grande família, sou muito feliz e grato pela vida que Deus me deu.
  19. O documentário Bigger Stronger Faster - Is it still cheating if everyone's doing it? (em tradução livre: Maior Mais Forte Mais Rápido - deixa de ser trapaça quando todo mundo trapaceia?) é uma crítica acirrada à cultura norte-americana, onde a população se apresenta contrária ao uso de anabolizantes esteróides nos esportes e para fins estéticos, mas ao mesmo tempo venera atletas que fazem uso de substâncias ilegais. Dentre os famosos que são venerados pelos norte-americanos, e que fazem ou que fizeram uso de anabolizantes esteróides, o filme apresenta Hulk Hogan, Sylvester Stallone, e Arnold Schwarzenegger. Segundo o documentário essas personalidades influenciam crianças, jovens e adultos apresentando físicos extremamente musculosos, mas escondem a verdade por trás das montanhas de músculos: anabolizantes esteróides. O filme apresenta uma realidade obscura dos esportes de elite, que não incomoda apenas o fisiculturismo de alto rendimento, mas praticamente todas as modalidades esportivas que dependem de músculos fortes e rápidos: o doping. Para o documentário, o atleta de elite é compelido a usar anabolizantes para atingir o topo nos esportes, sem os quais nunca seria um campeão, certo que todos os competidores fazem uso de alguma substância proibida. São apresentados no vídeo os casos dos velocistas Ben Johnson e Carl Lewis, do ciclita Floyd Landis e dos jogedores de baseball José Canseco, Barry Bonds e Mark McGwire. No filme são entrevistados médicos, advogados, parlmentares, atletas profissionais e ratos de academia. O autor do documentário critica o pânico que a mídia levanta em torno dos anabolizantes, sem base científica ou prática para tratá-los como drogas homicidas. Apresenta 450.000 como o número de mortes causadas por cigarro a cada ano; 75.000 por álcool; e apenas 3 por anabolizantes esteróides. Nos números de emergência de hospital, o documentário apresenta como primeiro colocado no lista o álcool, como segundo colocado a cocaína, terceiro a maconha, e somente na centésima quadragésima segunda posição os anabolizantes esteróides. Há no documentário depoimento do médico Norm Fost, segundo o qual não haveria dúvida de que os esteróides anabolizantes esteróides causam sérios efeitos colaterais, mas que eles não teriam sido devidamente demonstrados ainda. Também há depoimento do médico Gary Wadler, que é contra os anabolizantes e representa a entidade Antidoping, e que diz que os efeitos colaterais dos esteróides não podem ser demonstrados porque seria antiético. No filme são apresentados os efeitos colaterais da Vitamina C, pelo médico Carlon Colker, e que são muito semelhantes àqueles imputados aos anabolizantes esteróides. Segundo o médico, até amendoim é perigoso, pessoas alérgicas podem morrer por causa dele. Mas não é por isso que o amendoim é proibido para consumo. Um dos irmãos do produtor do documentário, que é usuário de esteróides, diz que sentiu como efeitos colaterais: acne e crescimento de pelos no peito e nas costas. O outro irmão, que também é usuário da droga, afirma que ao usar esteróides tem reduzidas as "bolas do saco". Uma atleta profissional diz que o efeito colateral é o som grosso da voz e o crescimento de pelos. De acordo com o documentário, não haveria alteração de personalidade pelo uso de esteróides, ou ataques de raiva, como é divulgado na mídia. Segundo o documentário, os esteróides anabolizantes têm sim efeitos colaterais, como qualquer outro medicamento, mas eles seriam reversíveis com o fim do uso da droga. São mencionados os seguintes efeitos colaterais: acne, crescimento de pelos, aumento do colesterol, diminuição dos testículos e diminuição dos espermas (até mesmo esterilidade). Todos esses efeitos seriam reversíveis. Para o produtor do documentário, os esteróides não causam calvície (mas podem adiantá-la se for um traço genético). Os esteróides também causam ginecomastia nos homens, e nas mulheres, além de acne e crescimento de pelos, causam engrossamento da voz, problemas menstruais e podem aumentar o clitóris. Alguns desses efeitos não seriam reversíveis. Nas crianças, os esteróides poderiam prejudicar o crescimento dos ossos, mas isso não foi provado. Também não foi provado que os esteróides causam câncer ou problema nos rins. Problemas no fígado seriam causados apenas por esteróides de administração oral. Quanto aos problemas de coração, diz o documentário que não há prova que os esteróides os causem, mas afirma que baixa testosterona também traz problemas de coração. No que toca à agressividade, o documentário afirma que apenas 5% da população apresenta esse efeito colateral. Sobre efeitos colaterais a longo prazo, não se pode dizer nada, porque não há nenhum estudo. Em entrevista, o advogado Rick Collins afirma que a sociedade norte-americana aceita que as pessoas se exponham a inúmeros riscos desnecessários, tais como cirurgias plásticas, lipoaspirações, bungee jump, saltos de pára-quedas, esquiar na neve e assim por diante. Os riscos dessas atividades são tremendos, sem qualquer necessidade. Se todos esses riscos são permitidos, por que não permitir o uso de anabolizantes esteróides para fins estéticos? De acordo com o advogado, os usuários de esteróides são em sua grande maioria (85%) ratos de academia, e não atletas, o que não justificaria a proibição dos esteróides por razões de trapaça nos esportes. No vídeo é apresentada uma entrevista com o médico Wade Exum, diretor do comitê olímpico norte-americano de controle de doping, o qual revelou que mais de 2.000 atletas falharam no antidoping, mas que os resultados foram escondidos. O documentário ainda aborda o caso nebuloso de um adolescente que se suicidou e cujos pais e a mídia culparam os esteróides, o que deu origem a uma lei dura contra os anabolizantes no Congresso norte-americano. No entanto, o adolescente tinha outros problemas completamente alheios aos anabolizantes. Por fim, o filme critica a indústria de suplementos alimentares, a falta de controle sobre os produtos e as propagandas enganosas em torno dela. Em resumo, o documentário é uma forte crítica a alguns valores sociais. Permite-se que o cidadão assuma inúmeros riscos sem necessidade, para fins estéticos ou de prazer, mas não se permite que use esteróides. Cigarro e álcool são drogas que matam milhares de vezes mais do que esteróides, mas são permitidos. Não há demonstração científica de que os esteróides causem mortes, mas eles são os primeiros a serem apontados como causa de morte quando algum de seus usuários falece. E os grandes heróis norte-americanos, produtos de filmes como Rocky, Rambo, Exterminador do Futuro e outros, foram estrelados por pessoas que usam ou usavam esteróides, mas são veneradas pelos mesmos que condenam o uso das drogas. Assista ao filme no YouTube: Obs.: Atenção: Apesar de o documentário criticar a proibição do uso de anabolizantes para fins estéticos, cumpre lembrar que no Brasil a sua venda também é proibida para esse fim. Somente podem ser adquiridos por razões de saúde e com prescrição médica. Não se esqueça que todos os medicamentos têm efeitos colaterais, e o mau uso de anabolizantes pode causar severos efeitos colaterais. Você acha que os anabolizantes esteróides deveriam ser permitidos para fins estéticos? Ninguém duvida que os esteróides anabolizantes proporcinam impressionantes ganhos de força e massa muscular, mas o seu usuário se sujeita a riscos por conta de efeitos colaterais já comprovados, bem como por outros ainda não demonstrados. Se a sociedade aceita o consumo de drogas como o álcool e o cigarro (que comprovadamente causam severos danos à saúde), e de intervenções cirúrgicas de risco para fins estéticos (desnecessárias), deveria também aceitar o uso de anabolizantes por adultos para melhora da massa muscular e aparência geral do corpo? A proibição ou a liberação do uso depende de lei, e a lei, em teoria, decorre da vontade do povo. Criamos em nosso fórum um tópico para que os usuários discutam sobre o uso de anabolizantes esteróides para fins estéticos. Se você é contrário ou a favor, não deixe de expressar a sua opinião. Para participar da discussão, clique no link abaixo:
  20. Bom dia amigos deste fórum. A intenção deste tópico é promover informações e alertar todos os usuários, que já me ajudaram muitas vezes anteriormente no meu antigo perfil, que infelizmente não me recordo da senha e não tenho mais acesso ao antigo e-mail :´(. Primeiramente informação valiosa: Para saber se o GH é verdadeiro, é simples: Façam aplicação intramuscular de ao menos 5 UI de GH em jejum 90 minutos antes de recolher sangue para um exame de GH Basal. Qualquer laboratório faz esse exame por algo em torno de R$ 60,00. Se der acima do normal, vc sabe que está batendo. Para os mais leigos, GH bom aponta 10 a 15 ng/ml no exame. Enfim, vamos lá. GH Kigtropin - Duo Pharma, Duo Pharmy e Premium Pharma. Não caiam nesta cilada. Em junho de 2018, visualizando o instagram da Duo Pharma, indicada por fisioculturistas famosos como o HORSE, fiz minha maior compra com eles, gastando mais de R$ 2.300,00 com GH Kigtropin, que o vendedor havia me garantido ser de excelente qualidade. Já havia feito inúmeras compras com esta empresa antes, e na hora de comprar, pensei: uma empresa mesmo que underground, que representa atletas conhecidos nacionalmente, não vai me passar para trás, certo? ERRADO! Após mais de 1 mês aguardando o produto, me enviaram 02 caixas, realizei 02 exames de sangue em dias diferentes, sendo uma aplicação subcutânea e outra intramuscular, e os valores de referencia sequer chegaram ao máximo de um indivíduo natural. Os representantes da DUOPHARMA falaram que não vão resolver, tentando jogar pro vendedor antigo, enfim, fodas pro cliente, e me bloquearam. Quem quiser a conversa toda, é só me chamar. Vou postar abaixo parte das conversações, pois minha maior intenção aqui é que outras pessoas não caiam mais em golpes destas pessoas, como foi meu caso. CUIDADO COM ESTES CALOTEIROS, COMPREM PRODUTOS DE PESSOAS DE CONFIANÇA!
  21. BOM... Tenho 27 anos, 1,67 de altura, 58 quilos, me considero magra e meu objetivo é ganhar massa malho a 1 ano e fiz meu primeiro ciclo injetável de 12 semanas com stanozolol tomando 1ml 2X na semana as segundas e quintas-feiras - Arrependimento da minha vida. As Mudanças em meu corpo foram: fiquei apenas com meu corpo mais definido, mas a minha voz ficou grossa e meu clitores cresceu, existe alguma tpc que reverta isso? não quero ficar com essa voz. não satisfeita com meu corpo estou pensando em ciclar novamente me indicaram Boldenona, mas não sei o que fazer como é segundo ciclo minha voz pode piorar né? o que voces acham ? e qual anabolizante me indicariam para o segundo ciclo?
  22. Não procuro por produtos milagrosos, mas sim pela dose adequada. Acompanho alguns atletas profissionais e celebridades do fisioculturismo e quando eles expõem a quantidade de hormônio que possuem no corpo, eu entendo o porquê esses caras sofrem com colaterais. Minha dúvida é a seguinte: É possível fazer o uso dos esteroides sem sofrer com os colaterais? Meu objetivo não é 'ficar monstro', apenas potencializar o meu treino e ter ganhos superiores a treinar natural. Acredito que dobrar minha taxa hormonal já seria satisfatório. É possível fazer o uso de maneira controlada, conseguindo manter sua taxa hormonal nos níveis que deseja? Agradeço desde já.
  23. dae galera blz Vou fazer um ciclo 20 ml de trembolona acetato + 20 de boldedona + 20 de propionato de testo,3 mls segunda mais 3 mls quinta tudo junto o que acham?liberdade total de opinião valew galera obrigado
  24. ESTEROIDES E MULHERES: DA OBESIDADE CENTRAL À RESISTÊNCIA INSULÍNICA Bom, não é segredo pra ninguém que o uso de esteroides vem aumentando consideravelmente ano após ano, nem é preciso que o IBGE vá as ruas perguntar “Nos escuse a petulância, mas você utiliza bombas?” pra descobrir isso. A busca pelo uso de esteroides (leia-se hormônios anabólicos androgênicos) é, obviamente, a melhora da composição corporal ao diminuir o percentual de gordura e aumentar o volume/qualidade muscular. No público feminino os colaterais mais conhecidos são o aumento da acne, queda do cabelo, retenção de líquidos, engrossamento da voz, crescimento anormal de pelos, não sendo tão raro encontrar moças detentoras de corpos esculturais, mas com barbinha e em alguns casos falando mais grosso até que eu (pouco provável). Tem várias tretas cardiovasculares, neuronais etc, só pra constar, é claro. Pra infortúnio da mulherada existem alguns efeitos colaterais que vão contra os objetivos estéticos, são eles: resistência à insulina, adiposidade abdominal e redução do gasto energético. Epa, peraí, mas os esteroides, especialmente a testosterona, não deveriam fazer o oposto? E o post do dotô falando sobre suplementar com testosterona porque esse é melhor hormônio existente nesta nessa terra de incertezas e mágoas? Bem, é complicado, mas calma lá, tentaremos entender. VEM COMIGO MONSTRO (A), vamos ver o que a literatura (também conhecida como CIÊNCIA) tem a dizer sobre isso. Não tem a menor chance de um comitê de ética aprovar um estudo prescrevendo esteroides pra mulheres só pra ver o que acontece com elas a nível molecular, mas felizmente (ou não) existe uma condição patológica que faz com que as damas produzam mais testosterona do que o normal: a síndrome de ovário policístico. Essa patologia faz com que o ovário e as adrenais produzam andrógenos em excesso, condição chamada hiperandrogenismo. É com esse tipo de evidência que vou tentar explicar como os esteroides podem afetar o metabolismo feminino. Uma revisão (1) comparou os efeitos dos andrógenos em homens e mulheres. Aparentemente a deficiência de testosterona em masculinos tem efeitos parecidos com o excesso do mesmo hormônios em femininas. Nos caras a testosterona é uma maravilha: reduz a gordura visceral, diminui adiponectina, melhora sensibilidade insulínica periférica, estimula PGC1a, reduz a síntese de lipídeos no fígado, aumenta o gasto energético, melhora sensibilidade a leptina e a secreção de insulina (IMAGEM 1). Só que nas moças o contrário é evidenciado. Se você der uma boa olhada na IMAGEM 2 verá que o hiperandrogenismo maltrata bastante as damas. Pra começar, há um incremento no estresse oxidativo sistêmico pela ativação do Fator Nuclear Kappa B (NFkB), o que leva a uma mobilização de macrófagos tipo 1, esses monstrinhos são como tratores dentro do seu corpo produzindo bilhões de citocinas inflamatórias e agentes pró-oxidantes. Não os leve a mal, é o papel deles, isso é uma resposta imunológica (claro que mal desencadeada). O tecido adiposo também passa por remodelação. Naturalmente as mulheres tem uma proporção de gordura bem maior que os homens (aproximadamente o dobro), só que distribuído na região gluteal/femural, enquanto que os homens tem mais gordura visceral e na região da cintura. O hiperandrogenismo também altera a expressão de proteínas no tecido adiposo (1), levando a uma “masculinização” da gordura nas mulheres, ou seja, elas passam a ter maior estocagem de gordura na região da cintura. Percebe, Ivair, a petulância dos andrógenos? Virilizam até sua pança! Alterações na secreção e funcionalidade da leptina também são evidenciadas (1)(2)(6)(7). O mecanismo não parece claro, mas foi relatada diminuição da atividade da Leptina na termogênese do tecido gordo marrom, lavando a um menor gasto energético. Também foi relatada produção excessiva de leptina (hiperletpinemia) e resistência à ela. Outro interessante ocorrido foi a redução da expressão de proopiomelacortina (POMC), responsável por controlar o apetite entre várias outras coisas. Mas o que mais me intriga é a resistência insulínica. Na verdade a insulina e eu sempre fomos grandes amigos e nunca tivemos segredos entre nós. Eu sempre soube o que precisava saber, mas agora estamos falando de MULHERES. Mulher é complicada, mesmo a nível molecular. Isso simplesmente não deveria acontecer, mas acontece e vários fatores são associados a esta resistência. O que se sabe é que em mulheres com hiperandrogenismo a insulina tem uma eficácia de 35% a 40% menos, isso já obriga o pâncreas a produzir mais insulina pra compensar e então se instala uma hiperinsulinemia. Uma parada interessante é que o hiperandrogenismo parece aumentar as fibras musculares tipo II (menos sensíveis a insulina) e inibir a atividade da glicogênio sintase no músculo (6)(7), aí você já tem resistência insulínica na musculatura. O aumento do estresse oxidativo sistêmico e do tecido adiposo abdominal/visceral contribuem pra resistência insulínica, já expliquei sobre nesse vídeo https://goo.gl/RtbA7p Diminuição dos GLUT-4 na gordura (4) também é um mecanismo adicional pra essa condição. Na IMAGEM 3 você pode perceber resumidamente o que acontece: o excesso de andrógenos promove aumento da gordura visceral que por sua vez secreta uma porrada de citocinas inflamatórias e essas detonam a cascata da insulina nos tecidos alvos, impedindo a glicose de entrar (via redução de GLUT-4), o pobre pâncreas é que tem que segurar a onda e passa a produzir mais insulina pra dar conta do recado e impedir que você mulher linda e maravilhosa tenha hiperglicemia. Óbvio que ninguém é de ferro, de tanto trabalhar em algum momento o pâncreas vai começar a travar e aí eu te desejo boa sorte. Creio eu (eu creio, porque a ciência crê, e nela minha fé está) que os maiores problemas acontecem depois do receptor de insulina. Veja bem, a insulina se liga normalmente ao receptor, contudo a cascata de efeitos não ocorre normalmente. Na IMAGEM 4 fica detalhada a vasta cascata de sinalização da insulina. O hiperandrogenismo atua negativamente aqui de várias maneiras: a PKC (circulada em verde) parece ter seu efeito reduzido, tendo ela participação ativa na translocação de GLUT-4. Entretanto, o fator mais impactante é a fosforilação em serina do IRS (substrato do receptor de insulina), aliás, se um dia você for pro Show do Milhão e o Sílvio te perguntar qual o defeito mais presente na resistência insulínica, você pode falar sem pensar que é fosforilação em serina do IRS, é muito provável que acerte e fique rico. Caso você não saiba, o IRS tem diferentes sítios onde um fosfato pode se ligar, normalmente o receptor da insulina coloca um fosfatinho em TREONINA do IRS e com isso ele segue saltitante e alegre propagar a sinalização da insulina. Agora se um fosfato for colado em SERINA ele será desativado e não fará nada. Outra coisa importante é que a resistência insulínica é seletiva. Na FIGURA 4 circulado em azul está a Proteína Ligada ao Receptor do fator de Crescimento 2 (GRB2), esta via pode funcionar independente da atividade o IRS, logo, a insulina pode exercer seus efeitos mitogênicos (expressão de genes, proliferação, etc.) mesmo sem exercer seus efeitos metabólicos (captação de glicose, síntese de glicogênio, anabolismo e por aí vai). Esta via pode agravar a resistência insulina uma vez que os ERKs 1/2 podem ativar a via da JNK, conhecida inimiga dos efeitos metabólicos insulínicos. É CONFUSO? Calma, vou resumir. Na IMAGEM 5 vemos claramente que através do excesso de andrógenos, aqui demonstrado através da PCOS (síndrome de ovário policístico, na sigla em inglês), o receptor de insulina é fosforilado em serinas, o que o desativa. Aquela outra via, a do GRB2, entretanto, pode funcionar sozinha induzindo os efeitos mitogênicos da insulina. Só que sem IRS funcionando, não terá também AKT trabalhando, tampouco PI3K. Se essas gracinhas estão desocupadas você não tem os efeitos benéficos da insulina e o que isso te trará? Mais glicose no sangue, já que ela não está entrando pros tecidos que deveria. Agora façamo-nos uma pergunta: por que maldição o IRS é fosforilado em serina? Seria o Mr. M capaz de desvendar esse mistério? Eu aposto que não, já que até a ciência está com dificuldade pra isso. Pra tentar explicar essa inativação da IRS foi sugerido uma hipotética serina-kinase (7), onde a mesma estaria inativando a atividade da AKT e também estimulando a atividade dos Citocromos P450 envolvidos na “fabricação” de esteroides (IMAGEM 6). Agora na IMAGEM 7 os caras foram ainda mais longe e propuseram que essa fosforilação em serina é causada pelos ácidos graxos livres nas células. É conhecido que esteroides androgênicos melhoram o funcionamento dos receptores Beta Adrenérgicos a Lipase Hormônio Sensível no tecido adiposo visceral. Provavelmente com isso você tem maior liberação de ácidos graxos livres vindos os quais em excesso vão zoar tudo, pela fosforilação em serina do IRS. Outras coisas que é importante observarmos: atividade física e dieta são diretrizes no tratamento de atividade física, levando em consideração que a maioria das mulheres que usam esteroides treina e se alimenta corretamente (ou pelo menos deveria, né?) é explicável porque resistência insulínica e adiposidade abdominal não são tão presentes. O uso de esteroides menos androgênicos que a testosterona, como oxandrolona e metenolona, podem interferir nisso, já que esses efeitos deletérios se dão especificamente pelo receptor de andrógenos. O tempo de uso também é impactante, logo é algo a se levar em conta. Interessante observar que o hiperandrogenismo provavelmente não é o único fator que desencadeia resistência insulínica, até porque o tratamento pra reduzir os andrógenos ou desativar o receptor androgênico nem sempre revertem o quadro. Por fim, dê uma nova olhada nas imagens 3 e 7. Você percebe algo estranho? Está bem claro que os andrógenos contribuem pra resistência insulínica, mas também fica evidenciado que a resistência insulínica por si causa hiperandrogenismo, especialmente pela ativação da CYP450c17. É uma espécie de bola de neve onde um alimenta o outro. Será que o uso de esteroides exógenos não poderia fazer essa bola de neve metabólica começar rolar e, a partir daí, quem vai segurá-la? RESUMINDO: "Masculiniza" a gordura feminina: as mulheres naturalmente tem o percentual de gordura maior que os homens, entretanto a distribuição da gordura nas mulheres costuma ser melhor que nos homens. No público masculina a gordura é normalmente concentrada na região da cintura/abdome enquanto que nas mulheres ela é distribuída nos flancos, coxas e quadril. Acontece que a gordura abdominal é mais prejudicial a saúde que as outras. Ela também estimula o aumento dos macrófagos, piorando a sensibilidade a insulina e favorecendo a obesidade. Acontece que com o uso de andrógenos as mulheres sofrem alterações a nível genético que favorece o depósito de gordura na região abdominal. Resistência insulínica no músculo: o uso de andrógenos altera a proporção de fibras musculares I e II, essa proporção desequilibrada acaba resultando numa menor captação de glicose pelo músculo, levando a resistência insulínica. Alteração de receptores no hipotálamo: o hipotálamo feminino fica menos responsivo a leptina e à produção de POMC, isso leva a diminuição da ativação da gordura marrom, levando a um menor gasto energético. Hiperinsulinemia: mulheres ficam 35% a 40% menos sensíveis a insulina com o excesso de andrógenos. Isso leva a um aumento da produção de insulina pra compensar esse efeito negativo. Isso, obviamente, pode dificultar a queima de gordura, engordar e até levar a um caso de diabetes tipo II. Infelizmente a ciência não elucidou completamente como se dão os efeitos deletérios do hiperandrogenismo em mulheres, mas já podemos ter uma luz na situação. Todavia, nada nos impede de especular e discutir em cima do que já está elucidado. ? REFERÊNCIAS: Navarro, G., Allard, C., Xu, W. and Mauvais-Jarvis, F. (2015), The role of androgens in metabolism, obesity, and diabetes in males and females. Obesity, 23: 713–719. DOI: 10.1002/oby.21033 Baptiste, Catherine G. et al. Insulin and Hyperandrogenism in Women with Polycystic Ovary Syndrome. The Journal of steroid biochemistry and molecular biology 122.0 (2010): DOI: 10.1016/j.jsbmb.2009.12.010 A E Newell-Fugate. The role of sex steroids in white adipose tissue adipocyte function. Reproduction. 2017 Apr;153(4):R133-R149. DOI: 10.1530/REP-16-0417 Rosenbaum D, Haber R & Dunaif A. 1993 Insulin resistance in polycystic ovary syndrome: decreased expression of GLUT-4 glucose transporters in adipocytes. American Journal of Physiology – Endocrinology and Metabolism 264 E197–E202. Corbould A. 2007 Chronic testosterone treatment induces selective insulin resistance in subcutaneous adipocytes of women. Journal of Endocrinology. 192 585–594. DOI: 10.1677/joe.1.07070 Evanthia Diamanti-Kandarakis, Andrea Dunaif; Insulin Resistance and the Polycystic Ovary Syndrome Revisited: An Update on Mechanisms and Implications, Endocrine Reviews, Volume 33, Issue 6, 1 December 2012, Pages 981–1030. DOI: 10.1210/er.2011-1034 Joselyn Rojas, Mervin Chávez, Luis Olivar, et al. Polycystic Ovary Syndrome, Insulin Resistance, and Obesity: Navigating the Pathophysiologic Labyrinth. International Journal of Reproductive Medicine, vol. 2014, Article ID 719050, 17 pages, 2014. DOI: 10.1155/2014/719050 Escobar-Morreale HF, San Millán JL. Abdominal adiposity and the polycystic ovary syndrome. Trends Endocrinol Metab. 2007 Sep;18(7):266-72. Epub 2007 Aug. DOI: 10.1016/j.tem.2007.07.003
  25. Pessoal se poderem me dar dica para monta um ciclo com 8 Stanozolol / Winstrol + 8 Duratestons. Tenho 17 anos, 1,83, 71Kg Malho a 6 meses
×
×
  • Create New...