Jump to content
Rodolfo Peres
Rodolfo Peres

Protegendo o Fígado em Ciclos de Esteroides Anabólicos

Sign in to follow this  

Uma das maiores preocupações dos usuários mais cautelosos de esteróides anabólicos, sempre é a saúde de seu fígado. Lógico que existem muitos que não estão nem aí tanto para o estado do seu fígado quanto para outros órgãos do corpo, principalmente o cérebro. São esses imbecis que normalmente acabam desenvolvendo diversos efeitos colaterais provenientes do uso incorreto de drogas anabólicas, e quando não há mais nada a fazer, culpam as drogas por sua infelicidade, quando na verdade deveriam culpar sua própria ignorância.

Este artigo expõe algumas estratégias para minimizar o nível de lesão a este órgão durante um ciclo, assim como promover uma regeneração mais rápida e eficaz após o término da administração das drogas. Esta última consideração é extremamente importante principalmente para aqueles que insistem em fazer ciclos subseqüentes, mantendo muitas vezes, pequenos intervalos entre os mesmos.

O fígado é o maior órgão do corpo humano. Pesa cerca de 1,5 kg localizando-se ao lado direito, no quadrante superior da cavidade abdominal, protegido pelas costelas. Esse órgão executa mais de 500 funções importantes em nosso organismo, sendo que as principais são as seguintes:

  • Integração entre os vários mecanismos energéticos do organismo;
  • Armazenar e metabolizar vitaminas;
  • Fazer síntese de proteínas plasmáticas;
  • Detoxificação de toxinas químicas produzidas pelo organismo;
  • Detoxificação de toxinas químicas externas ao organismo;
  • Filtragem mecânica de bactérias;
  • Controle do equilíbrio hidro-salínico;
  • Síntese de gorduras e secreção do suco biliar.

Quase todos os esteróides causam lesão no fígado, sendo que os 17 alpha-alquelados são os mais tóxicos pela dificuldade de processamento. Observa-se maior toxicidade por parte de drogas como a oximetolona, stanozolol, methandrostenolona, metiltestosterona e em menor grau, pela oxandrolona. Vale mencionar que vários medicamentos largamente utilizados pela população, tais como os “inocentes” ácido acetil salicílico (aspirina) e o paracetamol (tylenol), podem ser tanto ou até mesmo mais tóxicos ao fígado do que os “temíveis” esteróides anabólicos.

O tipo de lesão hepática clássica encontrado em usuários de esteróides anabólicos denomina-se colestática. As alterações na estrutura dos hepatócitos acontecem provavelmente por ação oxidante na membrana, por meio do aumento de LDH plasmático e pela diminuição da glutationa peroxidase (enzima antioxidante). Retenção de bile nos canalículos biliares ocorre principalmente com o uso da oximetolona.

A maior parte das lesões promovidas no fígado são reversíveis tão logo o uso do medicamento seja interrompido, devido a grande capacidade de regeneração desse órgão. Existem relatos de fígados que se regeneraram após terem cerca de 80% de seus hepatócitos comprometidos. Porém, efeitos mais sérios como icterícia somatizada pelo amarelamento da pele, das unhas e branco dos olhos é um sinal para imediata interrupção do medicamento e procura de orientação médica para monitoramento das funções hepáticas.

Cuidados Durante o Ciclo

Para os que ainda insistem em fazer uso dessas drogas hepatotóxicas, o primeiro passo, após um exame cerebral para verificar o grau de sanidade, seria realizar uma bateria de exames laboratoriais a fim de verificar a saúde de seu fígado. Os exames mais comuns denominam-se aminotransferases.

Estas são enzimas amplamente distribuídas nos tecidos humanos, porém atividades mais elevadas são encontradas no miocárdio, fígado, músculo esquelético, com pequenas quantidades nos rins, pâncreas, baço, cérebro, pulmões e eritrócitos. Os níveis séricos das aminotransferases são importantes na verificação da função hepática.

As aminotransferases mais úteis a fim de diagnóstico são: transaminases glutâmico-oxaloacética e transaminases glutâmico pirúvica. Além de logicamente evitar superdosagens dessas drogas, o segundo passo seria a adoção de algumas medidas profiláticas, dentre elas, a inclusão de protetores hepáticos, evitar alguns medicamentos e ervas específicas, manter uma boa alimentação, etc.

Com relação aos protetores hepáticos, o mais conhecido e utilizado é o silybum marianum ou silimarina. Diversos estudos científicos realizados na Alemanha confirmam os efeitos benéficos da silimarina. Extraída das sementes do cardo marianum e formada por flavonolignanos, a silimarina apresenta grande capacidade regeneradora dos hepatócitos, provavelmente por estimular a síntese de proteínas. Estudos comprovaram seu poder na diminuição dos níveis de bilirrubinas, redução da esteatose hepática e dos níveis de transaminases.

Entre outros protetores hepáticos estão: a cynara scolymus - a conhecida alcachofra, que aparentemente também apresenta uma ação regeneradora, mas necessita de mais estudos para confirmar tal efeito; os ácidos graxos ômega 3 e o óleo de prímula da noite que possuem ação anti-inflamatória e ajudam na diminuição das transaminases; os aminoácidos metionina, cisteína e glutamina que auxiliam na eliminação das toxinas hepáticas; a vitamina E, o mineral selênio e o ácido alpha-lipóico, que atuam na síntese do complexo antioxidante glutationa peroxidase.

Quanto à dieta, deve-se evitar uma ingestão excessiva de ferro (carne vermelha), vitamina A (acima de 10.000 UI/dia), frituras, alimentos gordurosos e condimentados, minimizar o álcool, incentivar a ingestão de proteínas vegetais (soja), peixes, frutas, cereais, verduras e legumes. Ainda quanto à alimentação, o uso do alecrim é uma boa escolha por sua ação antioxidante, protetora e regeneradora hepática; já a alfafa auxilia no processo digestivo; o abacate é um grande protetor hepático, pois estudos realizados no Japão demonstraram uma diminuição do dano ao fígado em pessoas que comiam abacate todos os dias; o abacaxi, através da bromelina, auxilia a digestão; o boldo, na forma de chá, ajuda a diminuir as transaminases e auxilia no processo digestivo; e o chá verde, devido sua ação antioxidante e digestiva.

Deve-se ainda evitar ervas hepatotóxicas, tais como a equinácea e a valeriana, e ter cautela com alguns medicamentos, como os antiinflamatórios hormonais, a maioria dos antibióticos, fenitoína, bupropiona, anti-depressivos tricíclicos, acetaminofem, paracetamol, ácido acetil salicílico, dentre outros. Uma boa medida é sempre verificar a bula dos medicamentos, a fim de constatar se existe algum risco de toxicidade hepática.

Cuidados ao Terminar o Ciclo

Ao se terminar um ciclo com drogas anabólicas hepatotóxicas, é comum que o fígado tenha sofrido lesões em algum grau. Devido a grande capacidade de regeneração deste órgão, como já mencionado, a tendência é que o órgão recupere toda sua estrutura em um determinado período. Porém, existem medidas que podem otimizar este processo, sendo estas fundamentais para aqueles ainda mais teimosos que insistem em realizar ciclos pesados com maior freqüência e com curto período de intervalo entre os mesmos.

Após um ciclo, o sistema de detoxificação do fígado é sobrecarregado, sendo que os metabólitos tóxicos se acumulam e a sensibilidade a outros químicos torna-se progressivamente maior. A implementação da dieta detoxificante deve ser feita de maneira progressiva e dura, em média, de três a quatro semanas. É importante a conscientização do indivíduo para que a dieta detoxificante faça parte da rotina diária, mantendo os resultados benéficos a longo prazo.

Quando o objetivo da terapêutica nutricional é detoxificar ou melhorar a reserva orgânica hepática, alguns aspectos também devem ser considerados. Alguns alimentos e bebidas que contêm toxinas e alergenos alimentares deveriam ser excluídos da dieta, como leite de vaca, açúcar e glúten.

A hidratação adequada é importante para eliminar os produtos biotransformados, possibilitando a excreção mais eficiente dos compostos tóxicos. É importante ressaltar que de nada adianta ingerir grande quantidade de água em um determinado período. A melhor forma de hidratar-se é administrar pequenas quantidades de líquidos, constantemente, durante todo o dia. Uma das principais vias de eliminação de toxinas modificadas é a bile. Entretanto, quando a excreção de bile é inibida, as toxinas ficam no fígado por mais tempo.

Alimentos como o chá verde ou preto, alecrim, alho e cebola, frutas cítricas, frutas vermelhas, oleaginosas, cereais integrais e leguminosas, soja, peixes e alimentos orgânicos possuem propriedades benéficas ao processo de detoxificação de acordo com sua composição.

Agentes como a colina, betaína, metionina, vitamina B6, ácido fólico e vitamina B12, são úteis para promover a fluidez da bile para fora do fígado. Já as vitaminas do complexo B são importantes para evitar o dano celular e ajudar no mecanismo de detoxificação.

Os alimentos funcionais são auxiliares no processo de detoxificação, entre eles destacam-se os vegetais brássicos (agrião, brócolis, couve-chinesa, couve-de-bruxelas, couve-folha, mostarda, nabo, rabanete e repolho).

Elementos probióticos, tais como os lactobacillus e os bifidobactériuns, também atuam na metabolização de medicamentos. Eles podem ser definidos como preparações ou produtos contendo microorganismos determinados que, quando viáveis e em número suficiente, alteram a microbiota intestinal do indivíduo, exercendo efeitos benéficos à sua saúde.

A vitamina C (ácido ascórbico), além de auxiliar no processo de detoxificação, também atua reduzindo a ação do hormônio catabólico cortisol, que normalmente encontra-se elevado após o término de um ciclo. A silimarina além de seu efeito protetor já mencionado, também possui ação detoxificante.

Vale ressaltar novamente que o melhor para a saúde de qualquer fígado é manter-se longe de qualquer tipo de droga anabólica, ainda mais quando observa-se que os objetivos estéticos alvejados pela maioria de seus usuários, poderiam ser atingidos por meio de treinamento rigoroso e dieta adequada. Maiores informações sobre o assunto podem ser obtidas no livro Guerra Metabólica – Manual de Sobrevivência.

Sign in to follow this  


User Feedback

Recommended Comments

Otimo artigo,  mas so corrigindo um erro ''O fígado é o maior órgão do corpo humano'' Errado ;/ o maior orgão do corpo humano é a pele

Share this comment


Link to comment
Share on other sites

Muito bom texto Rodolfo.
Parabéns. Site favoritado.

Share this comment


Link to comment
Share on other sites

Nos diversos estudos que existem na internet, diversas opiniões como as do Dudu Haluch,Leandro Twin... O melhor remédio para proteção hepática é não usar..

Share this comment


Link to comment
Share on other sites

O fígado é o maior órgão do corpo humano? Peso x medida nem sempre estão correlacionados!

Share this comment


Link to comment
Share on other sites

Óleo de prímula excelente. Fiz algumas pesquisas para óleo de prímula e encontrei vários benefícios além da recuperação do tecido hepático e não e caro.

 

Parabéns Rodolfo, primeiro pelo tempo dedicado e aos conselhos e segundo pelos imbecis...kkk...

 

Share this comment


Link to comment
Share on other sites

Gostaria de saber, para quem é soro positivo, mais estar com a saúde do fígado excelente, porem quer fazer um ciclo com cuidado. Quais as instruções do especialista do site?

Share this comment


Link to comment
Share on other sites
Em 3 de novembro de 2015 at 21:21, Alex227 disse:

Gostaria de saber, para quem é soro positivo, mais estar com a saúde do fígado excelente, porem quer fazer um ciclo com cuidado. Quais as instruções do especialista do site?

Por favor, crie um tópico com a sua dúvida em:

https://fisiculturismo.com.br/forum/forum/10-dúvidas-sobre-esteroides/

Share this comment


Link to comment
Share on other sites


Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Add a comment...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


  • Similar Content

    • By kitoliro14
      Olá gostaria de concelhos e instruções para uma melhor decisão a tomar em relação ao meu PRIMEIRO CICLO!
      Malho a 3 anos e a 2 acompanho relatos, estudos e guias, como  justamente os presentes no Fórum.
      Minha ideia inicial seria DURA + DECA ou apenas DURA, as dosagens gostaria de dicas em relação minhas características fisicas.
      O objetivo é o aumento de massa muscular.
      Desculpe pela ignorância e desde já agradeço!
      Fotos anexadas no final.
      IDADE: 21
      ALIMENTAÇÃO DIÁRIA: ARROZ INTEGRAL, PÃES INTEGRAIS, BATATA DOCE e FRANGO.
      TREINO:             
      SEGUNDA: PEITO & TRCPS   
      TERÇA: COSTAS & BICEPS     
      QUARTA: PERNA & OMBRO ( mesmo exausto com treino de pernas tento tirar maximo proveito para os ombros)*                                       
      QUINTA: PEITO & TRCPS             
      SEXTA: COSTA & BICEPS             
      SÁBADO:  PERNA & OMBRO(*)
      ALTURA: 1,86m
      PESO: 78kg  Objetivo: 85 - 90kg 
      BF: 10%
       
      Obrigado.
       
    • By Leandro Guerra
      BOA NOITE GALERA, PRECISO DA AJUDA DE VOCÊS.

      ESTOU EM MÃOS COM OS SEGUINTES ANABOLIZANTES

      DECA 10ML
      DURATESTON 14ML
      TREMBOLONA 10ML
      PRIMOBOLAN 10ML
      COMO POSSO MONTAR UM CICLO COM ESSES ANABOLIZANTES ??

      LEMBRANDO QUE ESTOU NUMA DIETA ARREGADA, POIS TENHO QUE PERDER 15KG
      E MALHO A BASTANTE TEMPO, SOMENTE AGORA QUE ESTOU ME DEDICANDO, ESTOU SEM FALHAR A 8 MESES.
       
    • By WESLEYDEZZZ
      Misturar drogas que retem ( enantato testo/  dianabol 6 semanas)  com drogas que nao retem ( enantato / oxandrolona 4 semanas  ) no fim do ciclo compensa? 
    • By Tiago Ramos
      Treino a 1 ano , 5 vezes por semana, mas não obtive resultado nenhum praticamente .
      Estou pensando em fazer um ciclo de injetável mais não sei qual o melhor 
      Tenho 1,88 de altura e peso 78 kg 
      Já fiz um ciclo de oral Dianabol ,mais não adiantou nada , e de quebra ainda me deixou com ginecomastia,vim fazeno tratamento para ginecomastia e está praticamente sumida ,não sinto dor nenhuma mais  no mamilo e apenas um caroço minúsculo ,somente um pequeno inchaço venho tratando com tamoxifeno e colocando gelo ao dormir, e tomando zma para ver se ajuda a acabar
      Mais então como disse no começoestou em dúvida no que tomar gostaria de crescer mais seco não muito inchado ,mais não tenho noção nenhuma,então tô aqui pra pergunta como fazer correto,o que toma para meu caso , o que tomar ná TPC, e se esse caso da minha ginecomastia pode voltar.
      Deis de já obrigado.
    • By Pé Grande
      Pessoal,
      sempre fui obeso cheguei a pesa 132 kg, mais resolvi mudar de vida e hoje em dia malho todos os dias e ainda faco uma rotina de treinos de triatlo. nessa pega ja perdi 32 kg, mais ainda mantenho um BF 40%, queria entra com ciclo para aumento da massa muscular, me indicaram GH 4ui/diario por 40 dias + dura amp 2 x semana por 8 semana . quero aumentar massa mais sem prejudicar meus treino e desempenho no triatlo. alguém me ajuda o que posso fazer ???
      ALtura 1,90
      peso atual 100 kg
      idade 33 anos
      treino ja a 3 anos, com dieta rigorosa
×
×
  • Create New...