Ir para conteúdo

Afinal de contas, existe anabolizante esteroide para definir?

É mito ou verdade que existem anabolizantes esteroides para perder gordura e esteroides para ganhar massa?

Madilson Medeiros
  • , 6.166 visualizações
Fisiculturista anabolizado

O uso de anabolizantes esteroides e comum

O mundo da utilização de ergogênicos voltados para o aumento do rendimento esportivo, especialmente no fisiculturismo, é repleto de mitos e mistérios. Hoje é de conhecimento público que (a época da ingenuidade já acabou) estas substâncias são largamente utilizadas como meio de melhora da performance pelos atletas profissionais – prática essa que logo se espalhou pelos praticantes amadores e recreacionais.

Podemos afirmar com propriedade que este tipo de utilização é lugar-comum na maioria dos esportes, porém muito mais flagrante e evidente nas modalidades onde ocorrem mudanças na composição corporal, como é o caso do nosso Bodybuilding, atletismo e da natação – desculpem, foi inevitável não lembrar da Gusmão (Rebeca) – que, inclusive agora treina powerlifting. Nada mais justo!

Mitos no uso de esteroides anabolizantes

De um modo geral, o uso destes recursos reserva conhecimentos apurados em bioquímica, metabolismo e bioenergética – muitas vezes inacessíveis para a maioria da população. Empirismo e método de “tentativa e erro” tem sido empregados pelos que se aventuram nesse campo sem a devida bagagem teórica. Em face desta situação, vários tipos de visões equivocadas costumam surgir. Mitos são criados, falsas idéias e conceitos errôneos aparecem.

Esteroides para ganhar massa muscular e esteroides para definição?

Em relação ao uso de anabolizantes esteroides, há uma série destas lendas. Uma delas é a de que existem drogas que são próprias para definição e outras específicas para volume muscular. Você, a esta altura, deve estar pensando: “Mas isso realmente acontece! Ou não?” A resposta é: SIM, isto de fato ocorre, porém o erro reside em dizer que exista um esteroide anabólico exclusivamente formulado para “definir”, enquanto outro foi criado apenas para incrementar a musculatura. Na verdade, as coisas não funcionam assim e é sobre isto que discutiremos a seguir.

Há algumas semanas atrás, recebi uma mensagem de e-mail no qual um leitor de meu blog, cheio de dúvidas a respeito de sua preparação, me perguntou se poderia chegar a um bom nível de definição muscular sem o uso do AAE Winstrol (Estanozolol). Muito provavelmente, a dúvida deste leitor representa um dos maiores mitos em relação ao estanozolol.

Este fármaco, notoriamente, tem uma excelente reputação neste quesito, porém há certa confusão em relação aos seus efeitos no que diz respeito à mudança da composição corporal. Muitas pessoas atribuem um físico bem definido e com baixo percentual de gordura ao uso desta substância – “quantas ampolas de Winstrol você tomou para ficar rasgado assim?” – e esta idéia tem sido bastante disseminada pela grande maioria dos usuários deste tipo de recurso.

Por um lado, é uma meia-verdade, já que o estanozolol realmente produz efeitos muito interessantes em relação à definição, porém isto não quer dizer que ela seja necessariamente produto de sua utilização.

Todos os esteroides tem a finalidade de aumentar a síntese protéica

Na realidade, os anabólicos esteroides, de um modo geral, não visam proporcionar máxima definição! TODOS, SEM EXCEÇÃO, foram desenvolvidos para favorecer o anabolismo através do aumento da síntese protéica. Alguns tipos, como a oximetolona, foram desenvolvidos não somente com este propósito, mas também aumentar a produção de hemácias nos quadros de anemia, por exemplo.

Seu uso terapêutico se destina a vários estados de convalescença, como os observados nos traumas pós-operatórios, nos tratamentos de AIDS, leucemia, caquexias, queimaduras graves e extensas, hipogonadismos, castrações etc. Paralelamente, estas drogas influem também no metabolismo das gorduras, facilitando a lipólise (queima), especialmente pela diminuição da secreção insulínica, aumento da receptividade dos tecidos à glicose e diminuição da expressão de uma enzima denominada Lipoproteína Lipase (LLP).

Diferença entre os esteroides: maior ou menor aromatização (retenção hídrica e acúmulo de gordura corporal)

A grande diferença entre esses compostos é que alguns (todos são derivados do hormônio testosterona) tem uma probabilidade menor de conversão em ESTROGÊNIO. Portanto, os mais androgênicos (ésteres de testosterona, metandrostenolona, metandriol etc.) são mais passivos de causar retenção hídrica e aumento de gordura de padrão ginóide, enquanto com outros (conhecidos como anabólicos) não acontece o mesmo. Por quê?

Ora, eles convertem mais facilmente em estrogênio – hormônio feminino – e este é que causa aumento de água e gordura subcutâneas, prejudicando a definição. Existem diversas enzimas que mediam outros tipos de conversão, porém algumas reações são mais fáceis de acontecer, enquanto outras são mais difíceis e outras até irreversíveis.

Por exemplo, a conversão que leva testosterona até a formação de 5α ou 5β DHT (metabólito responsável por vários efeitos colaterais adversos), pode levar à formação de 5α ou 5β androstanadiol, que por sua vez, pode formar androsterona ou etiocolanona (duas substâncias muito utilizadas em fórmulas de pró-hormonais).

Este é uma via enzimática de mão única, ou seja, irreversível. Como a testosterona pode formar DHT ou estradiol (também uma via irreversível), estas reações não se desfazem. É por essa razão que o estanozolol dificilmente levará a conversão em estradiol, pois é derivado do DHT e não apresenta possibilidade de retornar à sua forma original - a testosterona, esta sim, passiva formar estradiol.

Estrógenos causam aumento de gordura corporal

Testosterona em si não causa aumento de gordura corporal e retenção hídrica (pelo menos, não diretamente), quem provoca isso são os estrógenos produzidos pelo excesso deste hormônio. Por esta razão é que culturistas utilizam inibidores e bloqueadores de aromatase (enzima responsável pela conversão de testosterona em estradiol).

Graças a essa confusão, muitos praticantes acham que o estanozolol e outros fármacos semelhantes (drostanolona, metenolona, boldenona, trembolona etc.) irão definir seu físico facilmente. Imaginemos um gordinho que utilize uma destas substâncias e continue com a ingestão calórica alta, comendo à vontade... Certamente se tornará um gordinho com um pouco a mais de músculos, porém ainda gordinho.

Então, por qual razão é consenso utilizar este tipo de anabólicos em fase de definição muscular? A resposta é muito simples, inclusive é uma repetição do que já mencionamos acima. Estas drogas tendem a reter menos líquido e são propícias para esta fase.

Mas lembre-se, isso não é regra geral. Existem alguns culturistas que utilizam drogas altamente androgênicas mesmo em períodos de preparação. A diferença é que ter de se lançar mão de mais recursos a fim de evitar retenção hídrica do que em uso de drogas menos androgênicas.

Ambiente calórico

Outro ponto importante é o AMBIENTE CALÓRICO em o atleta se encontra. Costumo dizer, nas rodas de conversa com os colegas, que é preferível utilizar substâncias anabólicas em situações de restrição calórica severa, como as que ocorrem em dietas pré-competição. Ocorre que, neste caso, há uma tendência em utilizar músculos como fonte energética – a temida neoglicogênese – e por esta razão o catabolismo é iminente.

Neste contexto, o anabólico entra com a função de preservar (e na melhor das hipóteses, até aumentar) a massa magra obtida a tão duras penas. Não é por acaso que muitos estudiosos atribuem os ganhos proporcionados pelos AAEs muito mais pela sua capacidade anti-catabólica do que propriamente anabólica.

Para se chegar a níveis extremos de definição muscular – e ainda assim, preservar massa magra – é fundamental que exista todo um contexto voltado a este propósito: dieta e treinamento específicos, sob adequadas condições metabólicas.

Drogas para perda de gordura

Entretanto, uma vez que afirmamos que os AAEs não são estritamente responsáveis pela definição muscular, também é importante ressaltar que existem drogas que são, por outro lado, de uso específico para perda de gordura e aumento da definição. Estas drogas, como os AAEs, não foram criadas para este fim, mas proporcionam um real efeito de queima de gordura e (ou) diminuição do percentual hídrico.

É o caso de substâncias como os β-agonistas, hormônios tiroidianos, anfetaminas, diuréticos etc. Evidentemente, esta é uma situação de risco-benefício, considerando os perigos quanto à sua utilização.

De qualquer maneira, a recomendação é que não se faça uso de substâncias ilícitas não simplesmente pelo fato de serem proibidas pela legislação anti-doping. O principal motivo pelo qual é necessário extremo cuidado na manipulação e administração destes recursos consiste na preservação da saúde, já que seu uso é restrito aos portadores de patologias.

Poucos estudos científicos

Os estudos conduzidos com estas substâncias são empregados no campo terapêutico e sua administração obedece à conduta condizente de cada caso. A utilização para aumento do rendimento atlético ainda é obscura, embora saibamos que existem, ao redor do mundo, experts que dominam o assunto. Fora deste cenário, pode-se dizer que o conhecimento necessário para lidar com tais recursos é totalmente underground.

Conclusão

Embora o uso de AAEs e outras substâncias otimizadoras do desempenho seja arriscado para a saúde, não podemos tapar o sol com uma peneira e simplesmente fingir que tal prática não aconteça. Seria extremamente leviano de nossa parte. Tampouco devemos fazer apologia ao uso destes recursos.

Todavia, ao nos omitirmos quanto a divulgação de informação séria e verdadeira, teremos alguma responsabilidade quanto aos absurdos que usualmente acontecem. Neste caso, informar é melhor que proibir.

Entre para seguir isso  

Comentários

Comentários Destacados

Não há comentários para mostrar.



Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta em nossa comunidade! É rápido, fácil e grátis!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Lia_1988
      Olá, boa noite aos colegas!!!
      Gostaria de pedir ajuda aos mais experientes para eu traçar um caminho para mim. 
      Confesso que não me senti segura com a receita que recebi do endócrino. E não sei nem se é o caso de já utilizar algum recurso ergogênico...
      Vou tentar colocar todas minhas informações nos moldes que tenho visto por aqui.
       

      Idade: 31 anos
      Altura: 167,3
      Peso: 61
      Medicações em uso (Anticoncepcional, etc...): Nenhum. Tenho DIU de cobre.
      Problemas de Saúde: Nenhum
      Tempo de treino: Um ano e alguns meses, contínuos. Contudo, já comecei e parei de malhar muitas vezes.
      Ciclos FEITOS com dose e tempo: Uma experiência, durante três semanas, com metenolona manipulada, 10mg, 2x ao dia, de 12 em 12 horas, de segunda a sexta. Nessa ocasião, fiz dieta de 2g/kg proteína, 1g/kg de gordura e 2g/kg de carbo, Ganhei 300g de massa magra e 2% no percentual de gordura. Resultando na minha realidade atual. Fui questionada pelo endócrino e não soube dizer o que deu errado. Ele desconfia que o problema tenha sido o aeróbico em jejum, porque não apenas não ganhei o que era esperado, como deixei meu metabolismo mais lento.
      Ciclo PROPOSTO com Aes (Marca) dose e tempo: o meu endócrino prescreve ciclos de um mês, disse que prefere altas doses e menos tempo de exposição à drogas. É o oposto que tenho observado por aqui. Na minha última consulta, ele me mandou manipular 10mg de oxan, para tomar duas vezes ao dia, de 12 em 12 horas, de segunda a sábado. Ao mesmo tempo, pentravan, 6mg/ml, sendo a dose em dias alternados (dia sim, dia não) 1ml, para aplicar nos meus braços. 

      Divisão de treino e horário do mesmo: malho às 20hs, de segunda a sexta. Sábados alternados consigo malhar na parte da manhã. 
      Meu treino varia a cada semana, contratei o acompanhamento do Leandro Twin, há um mês. Antes disso, usava a ficha que os instrutores da academia montavam, e nunca achei uma ficha que me deixasse dolorida, cansada ou qualquer coisa. Com o Leandro o treino muda a cada semana, variando os estímulos, mas sempre treinando membros inferiores 2x semana, e os demais, nos outros dias.

      Dieta com quantidade de proteína/carboidrato/gordura por dia: atualmente estou sem dieta, pelo app MyFitnessPal estou calculando cerca de 1700cal mesmo, o que de acordo com minha bioimpedância é o que gasto para me manter, então não mudou nada. 
      Gostaria de perder gordura e ganhar massa magra. Atualmente estou muito insatisfeita com o que reflito no espelho... 
      Estou anexando as fotos, a receita do endócrino e o exame de bioimpedância.
      Suplemento: creatina, uma dose de 3g ao dia; whey, para bater a proteína no app; ômega 3, 3 cápsulas, conforme indica a marca (sundown); e, por fim, polivitamínico.
       





    • Por Rafaela60
      Bom dia,
      estou a mais de um ano travando uma batalha para conseguir emagrecer e venho encontrando muita dificuldade! A 9 meses atrás fiz a dieta do Dunkan que me ajudou a emagrecer 9kgs (dos 85,4 kgs aos 76,5kgs com meus 1,59m de altura) mas ao mesmo tempo que emagreci comecei a ter vários problemas de saúde (entre eles o principal foram as crises de sinusite recorrentes) o que me levou a um consultório de uma nutricionista (que me acompanha a 5 meses agora). A nutri me ajudou a manter o peso que perdi nos ultimos meses mas ainda me encontro com sobrepeso e gostaria muito de emagrecer mais, meu objetivo é ter um corpo saudável (atualmente possuo 17kg de gordura visceral e pelo exame de bioimpedancia tenho corpo de 34 anos sendo que minha idade é 29) e gostaria de chegar nos 65kgs. Acredito que possuo uma alimentação balanceada e meu principal problema atualmente é encontrar exercícios que me auxiliem nessa perda.
      atualmente meu treino é:
      treino 1 - biceps + triceps + ombro + 30-40min de transport ou esteira (intercalando momentos de corrida 2’ com caminhada forte 3’)
      treino 2 - gluteos + abdomen + perna + exercicios de alongamento (estou tentando voltar a abrir um espacate)
      treino 3 - peito e costas + 30-40min de transport ou esteira (intercalando momentos de corrida 2’ com caminhada forte 3’)
      treino 4 - gluteos + abdomen + perna + exercicios de alongamento
       
      nos dias de GAP treino pegando cada grupo de músculos diferentes em cada treino. Tenho condromalacia patelar, preciso de um super fortalecimento de pernas mas alguns aparelhos são restritos por machucarem ou nao serem indicados (pelo ortopedista). 
       
      preciso muito de ajuda! Vi no fórum muitas pessoas pedindo ajuda e tendo essa resposta e melhor ainda, alcançando seus objetivos!!!! Quero muito fazer isso acontecer...
    • Por brunotm
      Bom dia,
      Tenho 26 anos, já malho há uns 8-10 anos, fiz alguns ciclos de oxandrolona/stan e deca/durateston há alguns anos, mas resolvi começar um novo ciclo visando bulking e, posteriormente, cutting se necessário. Gostaria de uma avaliação e ajuda de vocês.
      Segue, em anexo, minha avaliação nutricional de franguináceo e ciclo para análise:
       
      CICLO - BOLD + DECA + TESTO (10 SEM.):
      - SEMANAS 1-8 (Bulking):
      Deca 200mg/sem. (100+100)
      Boldenona 200mg/sem. (100+100)
      Durateston/enantato 500mg/sem. (250+250)
      Xantinon intraciclo
      Vit E 400UI/dia
      Vit D intraciclo??
      Anastrozol 0,5mg DSDN (apos 7 dias de ciclo)
      Tamoxifeno 20mg intraciclo - se ginecomastia
      HCG 250UI 3x/semana
       
      - SEMANAS 9-10 (Cutting):
      Enantato 500mg/sem. (250+250)
      OU GH
      Xantinon intraciclo
      Vit E 400UI/dia
      Vit D intraciclo??
      Anastrozol 0,5mg DSDN
      HCG 250UI 3x/semana
       
      - TPC - SEMANAS 12-16 - APÓS 2 SEMANAS DO FINAL DO CICLO:
      Tamoxifeno 20mg/dia por 04 semanas
      HCG 500UI 2x/semana por 03 semanas
      Silimarina pós-ciclo
       
       
      Aguardo a avaliação de vocês. To disposto a toda e qualquer crítica. Obrigadão desde já! 😉
       


    • Por Isabela Borba
      Início de ciclo e academias fechadas na quarentena do coronavírus
      Janeiro de 2020 começou e você se lançou à todo vapor no mundo da musculação. Você já treinava há anos e buscava melhorar ainda mais sua estética física! Era chegada a hora de usar algum esteroide anabolizante.
      Você iniciou o uso e veio a triste notícia do coronavírus: todas as academias iriam fechar! Bom, você pensou: "vou manter meu ciclo, pois, logo logo tudo voltará ao funcionamento normal". Semanas se passaram e a situação do mundo apenas piorou. Já se passaram meses, e as academias ainda não estão em funcionamento normal.
      E então, o que fazer com o meu ciclo de anabolizantes?
      Faça exercícios funcionais e aeróbios
      Primeiramente, não se desespere. As academias realmente fecharam, mas você ainda pode minimamente treinar em casa. Não se pode comparar a potência de um treino funcional em casa com um treino bem feito em uma academia com cargas.
      Entretanto, pode-se evitar a perda de massa magra com esse tipo de treino. Deve-se, ainda, manter uma média de 30 minutos de exercícios aeróbios ao dia, tanto para a saúde cardiovascular, quanto para se evitar uma deposição maior de gordura nesse período. 
      E meu ciclo de esteroides? Devo parar? Devo fazer TPC na quarentena?
      A verdade é que não há uma resposta correta. Mas, na minha experiência como médica e atleta profissional de fisiculturismo, esse é o pior momento para se interromper um ciclo.
      Quando se interrompe um ciclo de esteroides em homens, deve-se realizar uma TPC (terapia pós-ciclo) adequada para que o eixo fisiológico hipotálamo - hipófise - gônadas retorne ao funcionamento e, consequentemente, a produção de testosterona fisiológica. 
      Em conjunto, deve-se manter uma rotina de treinamentos intensos e dieta à risca para haver menor perda de massa muscular possível no período, afinal, você retornará ao seu nível “normal” de testosterona.
      A estratégia mais inteligente para os homens, então, seria manter a testosterona em uso e retirar outros esteroides, caso haja alguma associação. Por exemplo, caso você esteja utilizando deposteron associado à oxandrolona, deve-se considerar retirar a segunda droga. 
      Já no caso das mulheres, que, geralmente, utilizam os derivados de DHT (como a oxandrolona e o estanozolol) para performance, é interessante que se mantenha o uso deste tipo de esteroide em uma dose reduzida nesse período. Caso você esteja utilizando outros tipos de esteroides, considere retirar essas drogas. 
      Obviamente, tudo isso deve ser discutido e conversado com o seu médico, que analisará seus exames laboratoriais e fará sua avaliação corporal. Juntos vocês poderão discutir sobre a melhor estratégia.
      Conclusão
      Para resumir: 
      Mantenha uma rotina de treinos diários em casa; Mantenha a dieta, mesmo em casa; Converse com seu médico sobre o seu ciclo, considerando as desvantagens de pausar o uso nesse período; Mantenha o uso de creatina, e. caso você não a utilize, considere iniciar. Este suplemento irá auxiliar a retenção de glicogênio muscular.
×
×
  • Criar novo...