Cansado de whey protein de baunilha, chocolate ou morango? Que tal abacaxi, banana e coco?

fisiculturismo
  • , 347 visualizações
Gostou? Compartilhe!

Quase todos os musculadores que levam os treinos a sério consomem whey protein. E os sabores mais comuns de whey protein são: baunilha, chocolate e morango.

A repetição desses sabores tradicionais por anos a fio pode enjoar. Experimentamos um sabor inusitado: Caribbean Cooler (nome de um drink). É uma mistura de abacaxi, banana e coco elaborada pela Syntrax para a whey Nectar. É uma whey protein gostosa, sem dúvida, mas sentimos falta de um pouco mais do coco no sabor.

E você? Encararia um sabor diferente como este ou prefere ficar no tradicional?

Saiba mais

Editado por fisiculturismo

Álbum de Imagens (8)

Avaliar:

Gostou? Compartilhe!

Comentários


Não há comentários para mostrar.



Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta em nossa comunidade! É rápido, fácil e grátis!


Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.


Entrar agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Fabiana Ribeiro
      Junte todos os ingredientes e bata no liqüidificador, mixer ou shaker de sua preferência.
    • Por Everton Santos
      Pois é, eu ouço esse tipo de pergunta com uma frequência altíssima. O indivíduo acabou de começar a treinar na academia, após anos de sedentarismo, ou baixo nível de atividade física e já está pensando em pré-treino, creatina, termogênico, etc...
      Sou 100% a favor do uso da maioria dos suplementos encontrados hoje no mercado, porém, nem tudo serve para todos e nem todos têm a real NECESSIDADE de consumí-los.
      Talvez os suplementos que tenham a maior necessidade de consumo são aqueles à base de PROTEÍNA, como a albumina, whey protein, proteína de soja, caseína e a recentemente lançada proteína da carne.
      Isso devido à DIFICULDADE de se manter uma devida ingestão proteica em determinados locais, situações e horários, além da facilidade de transporte, fato que é exceção quando falamos de fontes de proteína. Qualquer fonte que imaginarmos não “resistem” muito tempo sem a devida REFRIGERAÇÃO, como as carnes em geral, ovos, leite, queijo, etc.
      Compre de forma consciente, consuma aquilo que você PRECISA e não aquilo que você DESEJA.
      Procure sempre um profissional de confiança, pesquise e questione.
      Ótimos treinos!
    • Por Samuel Moura Rosa
      Quando o assunto é a primeira refeição pós-musculação, para quem almeja a hipertrofia muscular máxima, a grande maioria de seus praticantes já tem sua opinião formada: uma quantidade significativa de proteínas, adicionada de algum carboidrato. O carboidrato faz o meio campo, e liga o meio anabólico muscular para que a proteína recupere e construa a massa muscular. Alguma coisa de errado até aqui? Veremos...
      Formulado à base de proteínas de alto valor biológico, a Whey Protein atualmente é conhecido como um compensador nutricional protéico ou hiperproteico, devido à adição de novas fontes e formas de proteínas que os laboratórios da suplementação acrescentam em sua composição. Geralmente usado como fonte primária para o período Pós-Treinamento, pode ser utilizado também ao longo do dia, ou em inúmeras situações, de acordo com as necessidades energéticas do sujeito em treinamento.
      Sendo um alimento de alto valor protéico, e sabendo-se da relação entre o ganho de massa muscular e a ingesta diferenciada de proteínas, este suplemento ganha cada vez mais espaço na dieta de atletas e praticantes de musculação, não somente na refeição pós treino.
      Trata-se geralmente do primeiro suplemento a ser utilizado por alguém que pretende investir em suplementação para potencializar o ganho de massa muscular. É portanto considerado o básico, o feijão com arroz da suplementação, ou seja, na maioria dos casos é mais importante que qualquer outra linha de suplementos, possuindo uma importância compensadora e construtora realmente eficiente.
      O que leva muitos usuários a abandonar sua utilização ou trocar por outro suplemento mais promissor, de ação rápida e aparentemente melhor, diz respeito ao whey protein por si só, nem sempre apresentar resultados visíveis a curto prazo. Sendo ele completamente confiável, eficaz, construtor de massa muscular e nocivo a saúde, trata-se de apenas mais um alimento de sua dieta, mais uns gramas de proteína sem acréscimo de gordura, mais uma rica porção protéica de altíssimo valor biológico, de absorção extremamente rápida, prático para situações pós treino, de sabor agradável, e de concentração nutricional elevada, sendo o ingrediente certo para que seu bolo cresça de maneira progressiva e verdadeira, não sendo portanto o responsável apenas pelo seu inchaço pós-treino.
      Só a whey protein pode cumprir esta função imprescindível para quem espera resultados satisfatórios à longo prazo, mesmo que você não perceba os resultados de sua utilização, se comparados à outra suplementação diferenciada.
      Segundo outros estudos, a comercialização da Whey Protein teve início há cerca de três décadas, junto a estudos que mostravam a importância da ingesta adequada de proteínas no período pós treinamento.
      A proteína do soro do leite apresenta-se atualmente de três diferentes formas de disposição e extração a partir do leite:
      de maneira Isolada (extraída através de um processo químico industrial chamado de troca iônica, apresentando um maior aporte de proteína nobre isolada de qualquer outro nutriente, como gorduras e carboidratos);  de forma Hidrolisada (extraída através da hidrólise enzimática, com todos os aminoácidos quebrados, conferindo à matéria prima uma maior capacidade de ser assimilada e absorvida na ingesta); e a forma Concentrada (apresenta um perfil que inclui vários aminoácidos essenciais não produzidos pelo organismo, sendo a forma mais completa de proteínas existente). Estas diferentes formas, quando ingeridas logo após o treinamento, apresentam um caminho de absorção intestinal elevado, quando comparados a qualquer outro alimento protéico.
      Bom, até ai nenhuma super novidade que mereça a atenção de você leitor. Mas quando falamos de whey protein adicionado a um carboidrato (seja ele a maltodextrina ou a dextrose), algumas considerações devem ser realizadas.
      Afinal, o que acontece fisiologicamente após uma sessão de treinamento intenso, quando acrescentamos um carboidrato complexo como estes?
      Neste momento pós treino, o Cortisol é um dos hormônios predominantes na corrente sanguínea. Os níveis de glicogênio muscular e a glicose sanguínea apresentam uma queda devido ao desgaste energético para realizar a sessão.
      Um carboidrato de alto índice glicêmico, com cadeia média (como a dextrose e a maltodextrina), provoca uma liberação insulínica instantânea, repondo os níveis de glicogênio e glicose sanguínea, minimizando a ação do Cortisol, hormônio catabólico.
      Até aqui estamos satisfeitos com a ação de nossos carboidratos. Mas a Insulina é um hormônio contraregulatório ao GH, hormônio do crescimento, altamente anabólico. Quando os níveis de circulação sanguínea de um se eleva, do outro se reduz.
      Então o que vale mais? Recuperação energética do glicogênio muscular, minimizando o efeito do cortisol, ou promover a liberação do hormônio anabólico GH?
      Os dois! Acontece que isso não é possível somente com a ingesta de algum carboidrato. A Insulina é um hormônio altamente anabólico, assim como o GH.
      Qualquer carboidrato, como a maltodextrina e a dextrose, provoca esta liberação insulínica, que abre a porta para a entrada de glicose para dentro das células musculares, reduzindo o estado catabólico existente quando os estoques de glicogênio muscular e glicêmico estão baixos.
      Porém, esta mesma insulina inibe a liberação natural momentânea de outro hormônio anabólico, também de igual importância, o GH. Alguns autores relatam também que estes carboidratos quando ingeridos junto à whey protein, acabam por inibir outros fatores anabólicos desta proteína.
      Também acredita-se que este carboidrato (nesta situação pós treino) tenha um caminho natural de armazenamento na forma de gordura. Outra nova linha de críticas a respeito da ingesta de maltodextrina ou dextrose pós-treino, está no fato de que estes carboidratos – quando utilizados freqüentemente - provocam picos de liberação insulínica que acabam por reduzir a sensibilidade dos receptores deste hormônio nas células musculares.
      Com o passar do tempo, a utilização destes carboidratos passaria a não promover a mesma liberação natural de insulina. Esta situação provoca, além do fato de não termos a mesma eficiência no transporte de nutrientes anabólicos, a provável semelhança com a disfunção hormonal dos diabéticos. Mas este seria outro assunto.
      Nesta situação, quando o objetivo primário é a hipertrofia muscular, um substituto nutricional parece ser lançado com esta finalidade, minimizando a ação do cortisol, sem inibir a liberação do GH e IGF’s: os MCT (triglicerídeos de cadeia media).
      Derivado do leite humano, óleo de côco e óleo de palmeira, este triglicerídeo possui 6, 8, 10 e 12 cadeias de carbono em sua composição. Esta forma de gordura tem uma absorção semelhante à dos carboidratos, porém, sem a participação da Insulina, fazendo com que esta fonte energética não seja armazenada no tecido adiposo, e principalmente, regulando a glicemia sem inibir a liberação hormonal do GH, pois mantém a Insulina estável.
      Em um mercado formado pela antiga opinião do carboidrato e proteína pós-treino, esta estratégia ainda é considerada novidade na área da suplementação. Talvez esta novidade nem venha a vingar realmente, assim como poderá ser fonte de futuros estudos, e quem sabe, tornar-se a nova indicação para suplementar após treinamento. Mas como diz Big Raffa, a verdade de hoje poderá ser a mentira de amanhã!
    • Por Dra. Shalimar Diniz
      Atualmente a maioria das pessoas já sabe a grande importância de praticar exercícios físicos para ter uma saúde em dia e um físico de dar inveja. Uma boa parte dessas pessoas opta por se matricular em uma academia, praticando exercícios aeróbios e/ou musculação. Porém, o que ocorre muita das vezes, é que mesmo tendo um treino excelente, se a alimentação estiver inadequada, não haverá os melhores resultados ou até mesmo quase nenhum resultado. É por isso que o binômio treino+alimentação adequada é fundamental.
      Algumas pessoas tentam se alimentar por conta própria ao invés de procurar ajuda profissional e aí não chegam aonde poderiam estar. É muita informação sobre dieta, o que pode ficar meio confuso. Chegando à academia, com o objetivo de hipertrofia, emagrecimento, ou "secar" = reduzir o percentual de gordura - muitos vão ouvir a indicação de que deverá tomar suplemento proteico e que o mais indicado seria o Whey Protein. Mas será que todos podem e devem tomar? Qual a sua dose? E o principal: O que é o Whey Protein e quais os tipos existentes?
      Primeiramente podemos saber o que é um suplemento. Segundo a ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Alimentar- suplementos alimentares são alimentos especialmente formulados e elaborados para praticantes de atividade física. Eles contêm as mesmas substâncias nutricionais dos alimentos, mas em doses concentradas. Algumas pessoas confundem suplemento com anabolizante. Não tem nada a ver um com outro. Os anabolizantes são substâncias sintéticas, que tem os hormônios como base e geralmente testosterona e o de crescimento (GH). Costumam ser prescritos por um médico em caso de necessidade.
      A Whey Protein é uma proteína que provém do soro do leite (considerado melhor fonte de proteínas), possui alto valor biológico (contêm todos os aminoácidos essenciais para construção muscular), altas concentrações de BCAA e de glutamina. É usada numa tentativa de impulsionar os níveis de força, acentuar ganhos no tamanho do músculo e reparar/prevenir danos no tecido muscular que ocorrem após a prática de exercícios intensos.
      Quando treinamos causamos micro-lesões no tecido muscular e como defesa o corpo dá um estímulo de recuperação desse tecido. Porém, para que isso aconteça da melhor forma possível, o corpo deverá ter disponível: proteínas, carboidrato e outros nutrientes essenciais. Caso contrário, após cada treino, ocorrerá perda de massa muscular.
      A Whey Protein além de ser matéria-prima para construção muscular, ajuda na manutenção da imunidade, já que contêm muitas imunoglobulinas e lactoferrinas. Promove também mais saciedade, além de ser rica em cisteína um aminoácido necessário para produção de glutationa no fígado, auxiliando assim no processo de desintoxicação.
      O Whey Protein é um suplemento muito utilizado, pois é uma maneira fácil de aumentarmos a proteína da dieta sem que aumentemos lipídeos (gordura), afinal, a maioria dos tipos de proteínas da nossa alimentação estão aliados a gordura.
      O que muitos não sabem é que o Whey Protein pode ser encaixado em uma dieta em diversos horários e formas e ele ser usado em uma dieta tanto para ganho de massa, como para emagrecimento, redução de percentual de gordura... Tudo dependerá do conjunto do cardápio e de como ele será encaixado.
      Importante: O Whey Protein só funcionará da forma que deseja, caso a dieta como um todo esteja adequada! Isto é, se o indivíduo quer ganhar massa e toma Whey Protein com esse propósito, mas se alimenta com menos proteína do que deveria ou não sabe como tomar, o Whey Protein terá papel de complemento ou função energética e não de suplemento.
      Quais são os tipos de Whey Protein existentes?
      Concentrada: Pode fornecer aproximadamente 29 a 89% de proteína, dependendo do tipo de produto. Quanto menor o nível de proteína concentrada, maiores são os níveis de gordura e lactose, podendo conter grandes quantidades de imunoglobulinas e lactoferrinas. Ou seja, mantêm carboidratos e gorduras do leite em pequena quantidade e em maior proporção a proteína. É a forma mais barata de Whey Protein, rica em aminoácidos essenciais e de cadeia ramificada, que permitem a liberação de componentes bioativos responsáveis pela aceleração do anabolismo e recuperação muscular. Não é indicado para quem tem intolerância à lactose. Isolada: É a forma de Whey Protein mais pura, contendo cerca de 90% ou mais de proteína em sua composição. Além disso, a maioria das Wheys Isoladas são isentas de gordura e com menos de 1% de lactose, sendo o mais indicado para os portadores de intolerância à lactose. Possui todas as vitaminas e mineras do leite, além de todos aminoácidos essenciais, não essenciais e condicionalmente essenciais. Sua digestão é considerada ótima. Hidrolisada: Este tipo de Whey Protein possui as cadeias de proteínas quebradas em menores segmentos, os peptídeos, tornando-o mais fácil e rápido de ser digerido. É um tipo de proteína que tem menores possibilidades de causar reações alérgicas. No mercado há Whey Protein parcialmente hidrolisado e 100% hidrolisado. Tipos de Apresentação do Whey Protein:
      Pó: é o mais conhecido, todas as marcas disponibilizam essa forma. Diversos tamanhos de frascos com 900g, 1400g, 2000g e 3500g, fracionada em saches de 50 a 60 gramas e até mesmo pacotes (saco). Whey líquido: suplemento rico em Whey já pronto para consumo na forma líquida. Prático. Whey em Gel: Suplemento prático de whey Protein também já pronto para consumo com a facilidade de transporte por estar em saches. Barras Proteicas: Barras ricas em Whey Protein que são bem práticas. Em geral possuem além da protein, um pouco de carboidrato, gordura, vitaminas e minerais. Algumas dicas sobre o Whey Protein:
      Lembre-se sempre de tampá-lo muito bem após o uso. Guarde em local fresco e arejado. Escolha os que têm menos quantidade de gordura por dose. Pode optar por um Whey Protein que já tenha glutamina. Não se esqueça de ver qual sabor está comprando. A forma como irá tomar: puro, com leite, com suco, com outros suplementos, etc, vai depender de diversos fatores como o horário. Cuidado com a quantidade de proteína da sua dieta! Um excesso de proteína pode ser muito prejudicial para sua saúde, forçando rins e fígado demais. Tomar muita quantidade de proteína de uma vez só não faz com que ganhe mais massa, não será tudo absorvido, apenas forçando seu corpo a metabolizar tanta proteína junto. Algumas pessoas conseguem se alimentar de forma excelente, além de não ter um treino tão intenso, o que não torna obrigatório o uso do Whey Protein. O horário onde deve tomá-lo, as quantidades e como deve tomá-lo, irão depender de uma série de fatores como: objetivo, avaliação física, objetivo, horários das refeições e treinos, gasto calórico, necessidades de proteína, etc.
      Por isso, para saber exatamente se deve usar essa proteína, quando e como, é importante fazer uma consulta com um profissional nutricionista, que avaliará todos os pontos necessários, e respeitando as individualidades, indicará o melhor e ideal para um. Lembre-se: o tipo, forma, quantidade e horário de suplemento e dieta que seu amigo tem, pode não ser o ideal para você.
    • Por Juarez Leao
      i9Life Whey Protein Açaí para Eles, i9Life Whey Protein Morango para Elas
       
      Proteína concentrada e isolada do soro de leite
      Suplemento alimentar proteico destinado a atletas para aumento de massa muscular
       
      • 24g de proteína por dose • Rápida absorção • Glutamina • Low carb • Bcaa • Melhora o desempenho físico • Auxilia a recuperação dos músculos • Ganho de massa magra • Alto valor biológico • Baixo teor de gorduras • Zero açúcar • Não contem glúten Compare e comprove.
      Ainda na dúvida? Consulte desconto para Testar e dá depotimento. 
      Solicite gartuitamente nossa Apostila: e-mail: [email protected]
      * Cadastre sua Academia
      Att. Juarez Leão - Distribuidor i9life 
      Whatsapp (98) 98131-9154