Ir para conteúdo

Remada curvada com um braço é melhor do que com dois



Remada curvada com um braço é melhor do que com dois

A remada curvada é um bom exercício para a lombar, mas o problema é que sua amplitude de movimento é um pouco limitada, pois os pesos atingem o peito na posição de chegada e os braços posicionam-se irregularmente ao pegar a barra, o que acaba dando ênfases diferentes em cada lado das costas.

Além disso, é comum nas execuções com muito peso que os praticantes não inclinem suficientemente o tronco em relação ao solo, havendo uma diminuição da amplitude de movimento para a extensão dos ombros e transferência da ação muscular. Também comum e errônea é a movimentação do tronco para ajudar os músculos extensores dos ombros no cumprimento da tarefa.

O ideal é executar a remada curvada na barra T com um braço. Utilizar um braço de cada vez impede o desequilíbrio e a amplitude (ROM) reduzida.

O Weider Research Group demonstrou que quando treinadores realizaram a remada com halteres com um braço (serrote), o peso que eles foram capazes de usar foi significativamente mais do que a metade do que eles poderiam levantar usando dois braços na remada curvada. Isso significa que eles eram essencialmente mais fortes ao se usar um braço em detrimento a dois braços alinhados no stiff. Desse modo, pode-se colocar mais peso e, portanto, alcançar um maior crescimento muscular.

Para executar a remada curvada com um braço:

  • fique à esquerda da barra em uma posição escalonada (perna esquerda à frente e perna direita para trás);
  • curve-se para frente até a altura dos quadris, de modo que o tronco fique quase paralelo ao chão;
  • apoie sua parte superior do corpo com a mão esquerda sobre o joelho esquerdo;
  • agarre a barra perto do fim com a mão direita em linha;
  • puxe a barra para cima em direção ao seu lado direito, trazendo o cotovelo para cima e atrás das costas o mais alto possível;
  • retorne lentamente o braço para baixo, até a extensão completa.

No vídeo abaixo, as pernas não estão em posição escalonada, ou ântero-posterior.

Fonte: STOPPANI, Jim. Gym Doctor, Revista Flex, março de 2010, pp. 100.

ou para curtir

Publique seu conteúdo como colaborador


Comentários

Comentários Destacados

Eu acho que ficaria mais interessante se a pegada fosse na ponta da barra, e não no centro da barra!!! Que aí poderíamos puxar a barra no máximo possível da contração e não teríamos a preocupação das anilhas baterem no peitoral na hora da remada. Fica aí a dica!!!

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta em nossa comunidade! É rápido, fácil e grátis!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora

  • Conteúdo similar

    • Por Matheus de Sá
      Bom tarde pessoal, a um tempo atrás, uns dois meses, durante um treino de pernas, fui fazer agachamento livre, e acabei sentindo uma fisgada na lombar, imediatamente, parei com exercício e fui terminar o meu treino, acontece que durante a semana, fiquei com um incomodo na região lombar (apenas do lado esquerdo), que dificultava um pouco a locomoção, após essa semana foi passando e voltou ao normal, até que um dia fui me alongar, levando a pelve um pouco mais para a frente, e acabei sentindo uma fisgada na região da imagem abaixo, marquei o médico, mas é daqui 3 semanas só, alguém teria alguma hipótese de qual musculo eu me lesionei? ou apenas alongando eu consigo voltar ao normal? Eu penso que seja no nervo ciático, pois ontem fui fazer uma sessão se alongamento para a lombar e acabei sentindo muito mais o lado esquerdo, do que o direito.
       
      https://imgur.com/XMfZEov
    • Por Luan Viana
      Deitar de bruço; Colocar as mãos na altura da cabeça; Fazer a extensão do tronco com o movimento da cabeça e dos pés.
    • Por Talles Sucesso
      Colocar uma das pernas à frente, afundar com a coluna ereta e pegar os halteres; Posicionar os pés na largura dos ombros; Fixar um ponto à frente para se equilibrar; Manter a coluna ereta (fazendo isometria da lombar e do abdome); Flexionar a perna da frente concentrando a força no calcanhar e levando a outra perna atrás até encostar ou quase o joelho no chão; Fazer o movimento na vertical (para cima) e não para frente; Evitar fazer força com a pena de trás, concentrar a força na perna que está à frente; Trocar a perna à frente e repetir o afundo, progredindo em passadas.  
    • Por Luan Viana
      Posicionar-se em frente da barra e fazer a pegada ligeiramente mais aberta do que a largura dos ombros; Manter a coluna ereta; Deixar o tronco paralelo ou quase paralelo com o solo e bem estabilizado, assim como o pescoço; Trazer a barra próxima ao peito com os cotovelos bem abertos, unindo as escápulas ao final; Voltar a barra com o máximo de amplitude possível, alongando bem lá embaixo.
    • Por Talles Sucesso
      Apoiar-se no banco na região proximal da coxa (não passar da linha do quadril); Cruzar o braço no peito; Manter a coluna completamente ereta; Manter a região de cervical estática; Flexionar o tronco o máximo que conseguir, sem perder a forma ereta da coluna; Subir até alinhar a coluna ereta com o restante do corpo.



×
×
  • Criar novo...