Ir para conteúdo
Fábio Moura Veras
Fábio Moura Veras

O Açúcar Pode Estragar o seu Organismo como Qualquer Droga Ilícita

Sim, o açúcar pode estragar seu organismo, e fará isso lentamente, como qualquer droga ilícita!

E não ache que por ser açúcar mascavo, frutose ou mel isso significa fim dos problemas.

O estado de alerta, o gasto de energia e o centro de recompensa do cérebro são reprimidos quando comemos açúcar.

Uma rede de transmissores no cérebro responde à comida que você come, e se você comer carboidratos, especialmente doces, a rede é inibida, diminuindo o consumo de energia e te deixando lerdo(a).

Por exemplo, a sinalização de dopamina é reduzida de forma que você sinta menos prazer e queira mais doces, enquanto que o hormônio leptina, que suprime a fome e a saciedade, não são elevados.

Álbum de Imagens (2)

  • https://fisiculturismo.com.br/uploads/monthly_04_2013/ccs-69938-0-06168500-1365528442.jpg
  • monthly_04_2013/ccs-69938-0-63522500-1365528597.jpg


Comentários

Comentários Destacados

O complicado é que muitos usam o açúcar de firma extremamente errada e indisciplinada. Eu só uso em duas ocasiões. Durante o treino misturado à água e misturado com mamão quando estou em definição e preciso abastecer meu glicogênio. Açucar na alimentação habitual é um entorpecente. Os refrigerantes são cheios de açúcar ee disfarçam o sabor com ácidos em uma estratégia igual à da nicotina no cigarro. Confesso que mesmo tendo sido alcoólatra foi mais difícil eu me livrar do açúcar que do álcool.

Editado por Lucas Félix Costa

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta em nossa comunidade! É rápido, fácil e grátis!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora


  • Conteúdo Similar

    • Por Leena Fabrini
      Quase dois terços dos americanos estão acima do peso ou obesos. Muitas dessas pessoas desenvolvem resistência à insulina e diabetes tipo 2, o que aumenta o risco de doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA).
      O aumento de gordura no fígado leva à inflamação e ao deficiente processamento metabólico de gorduras, carboidratos e proteínas.
      Um diagnóstico inicial da esteatose hepática é feita a partir do elevado número de enzimas hepáticas. Uma revisão da literatura por pesquisadores da University School of Medicine, em Whashington, St. Louis, concluiu que o baixo teor de carboidratos da dieta cetogênica pode causar DHGNA.
      No entanto, os efeitos dessas dietas são mínimos sobre a função do fígado se feitas a curto prazo.
      Fontes: Current Opinion Clinical Nutrition & Metabolic Care, 15: 374-380, 2012 e Revista Muscular Development, janeiro/2013, pg. 76.
    • Por Julio Cesar Caetano
      Fala galera tudo bem?
      Primeiramente vou me apresentar, meu nome é Júlio, tenho 25 anos e treino musculação a cerca de 8 anos. 
      Nunca participei de nenhum fórum porque toda vez que pesquiso algo e leio os relatos, muitas pessoas já respondem com 2 pedras na mão, dando lição de moral, arrogância etc... E não tenho paciência para essas coisa que julgo extremamente desnecessário,então aquela coisa que deveria ser prazerosa e saudável, trocar informações, aprender, errar, etc acaba se tornando algo que gera raiva nos indivíduos, porém vou tentar participar de fato pela primeira vez.
      Atualmente estou em cutting, quando estava calculando a quantidade de carboidratos, proteínas, gorduras e macros me surgiu a seguinte dúvida: Se em um dia eu tive um gasto calórico maior do que consumi, porém a quantidade de carboidratos foram maiores do que deveria, o que acontece?!  (HAHAHA)
      Isso não aconteceu comigo, apenas surgiu a dúvida mesmo...
      Obrigado!
    • Por Miguel V
      https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/the-new-york-times/2017/06/18/ate-que-ponto-devemos-reduzir-o-acucar-no-sangue-de-diabeticos.htm
    • Por Ultrafitness Suplementos
      Quais os suplementos mais indicados para ganhar massa muscular? (lembrando que deve-se correlacionar com a alimentação e as necessidades do atleta).  

      1⃣  #‎Whey‬ protein: o mais procurado para ‪hipertrofia‬, pois fornece aminoácidos essenciais que funcionam como construtor de ‪músculo‬, ajudando no crescimento muscular. ?

      2⃣  ‪#‎BCAA‬: formado por três aminoácidos (l-leucina, l-valina e Isoleucina), o bcaa também é um ‪#‎suplemento‬ que auxilia na conquista de músculos, em sua composição vc encontra um terço de ‪#‎proteínas‬, além de que uma de suas funções é evitar o catabolismo e ajudar na recuperação muscular, sendo muito utilizado pelos ‪atletas‬.

      3⃣  #ZMA: um complexo formado por ‪#‎zinco‬, ‪#‎magnésio‬ e aspartato. Tanto o zinco quanto o magnésio já mostraram ter ação no aumento de ‪#‎hormônios‬ que estimulam o crescimento muscular. Entretanto, é recomendado que o consumo de ZMA seja combinado com alguma fonte de ‪#‎proteínas‬ (ou sólida ou via suplemento).

      4⃣  #Maltodextrina: algumas pessoas tem "medo" dos ‪#‎carboidratos‬, porém, eles influenciam sim no ganho de massa (como todos macronutrientes), a‪ maltodextrina‬ é um tipo de ‪carbo‬ que, como sabemos, é essencial para fornecer ‪#‎energia‬ durante o ‪treino‬.

      Quando não consumimos esse nutriente, nosso organismo irá utilizar como fonte de energia as proteínas diminuindo o ganho muscular (por isso das dietas de proteína não serem recomendadas), além disso, o carbo aumenta a captação de #aminoácidos pelo músculo.
      Por isso, o consumo de proteínas deve estar aliado ao de carboidratos.

      5⃣  #Creatina: a substância formada a partir de aminoácidos, gera força de explosão, sendo a primeira fonte de energia que nosso ‪#‎corpo‬ recruta durante a prática de atividade física. Por isso, a ‪creatina‬ é capaz de aumentar a ‪#‎forca‬ e a nossa performance esportiva para hipertrofia.   Lembrando que é essencial um nutricionista para adequar suas necessidades para melhor ganho muscular.   Abs e até o próximo post !!!   Dicas da Ultrafitness Suplementos
      Acesse também nosso site: https://www.ultrafitness.com.br ?
    • Por Everton Santos
      Carboidratos, também chamados de glicídios, são moléculas compostas por carbono, hidrogênio e oxigênio, em proporções de 2:1 (H2O) dos dois últimos elementos, daí o nome: carbo (carbono) + hidrato (água).
      Esse macronutriente tem sua digestão iniciada na boca e é absorvido no intestino, caindo na circulação, já em sua forma mais simples, a glicose, chamada vulgarmente de açúcar do sangue. Os altos índices de glicose na corrente sanguínea desencadeiam a liberação do hormônio insulina, que vai mediar o processo de absorção de algumas moléculas, dentre elas a própria glicose e os lipídeos (gorduras).
      Todos os macronutrientes (carboidratos, gorduras e proteínas) são compostos basicamente de carbono, hidrogênio e oxigênio, à exceção das proteínas, que também possuem nitrogênio. O que dá a cada substância propriedades únicas é a maneira como são dispostas suas ligações químicas e a proporção entre os átomos.
      DICAS SOBRE A INGESTÃO DE CARBOIDRATOS
      - Escolha os alimentos pelo índice glicêmico: o IG nada mais é a magnitude da elevação dos níveis plasmáticos de glicose induzida por determiado alimento, e quanto maior for o IG mais rápida será a absorção desse carboidrato e, consequentemente, maior será a liberação de insulina (como todos já sabem a insulina é um hormônio anabólico, no entanto, também está relacionado ao acúmulo de gurdura). Em diversas ocasiões esses picos de insulina são interessantes, mas dificilmente serão bem-vindos para quem deseja reduzir o percentual de gordura. Frutas e alimentos ricos em fibras geralmente produzem menores respostas glicêmicas. Esses alimentos têm um menor IG devido à sua absorção mais lenta por conta de uma maior quantidade de fibras.
      - Aproveite o momento: depois do exercício temos um período de poucas horas em que os carboidratos podem ser absorvidos através de um processo independente da insulina, visto que as contrações musculares induzem a migração da proteína GLUT-4 (transportadora de glicose tipo 4) para a superfície celular, fazendo desta uma boa hora para se ingerir carboidratos sem os "inconvenientes engordativos da insulina" (MacLean et al, 2000). Outro momento favorável é após despertar, pois passamos várias horas em jejum devido ao sono, que favorece um processo catabólico mediado pelo cortisol, o qual tem sua liberação inibida pelos níveis sanguíneos de insulina.
      - Evite o momento: altas taxas de glicemia inibem a liberação de hormônio do cescimento, o qual tem picos significativos durante o sono. Portanto deve-se tomar alguns cuidados quanto à ingestão de carboidratos no período da noite, optando por carboidratos de baixo IG e ingerindo os mesmo juntamente com proteínas em uma proporção de pelo menos 1:0,75. Os carboidratos aumentam os níveis plasmáticos de insulina (em maior ou menor magnitude dependendo do tipo e quantidade), já as proteínas aumentam os níveis de glucagon, que tem os efeitos antagônicos à insulina, mantendo assimum equilíbrio hormonal satisfatório (Sears B., Lawren W., 1985). Levando em conta que cada pessoa tem uma reação insulínica distinta, uma relação de 1:1 entre esses macronutrientes seria mais garantido para manter esse equilíbrio.
      "Existem autores que defendem alta ingestão de carboidratos, outro defendem baixa, ou até mesmo nula e alguns preconizam o equilíbrio, com quantidades equivalentes entre carboidrato e gordura. Paradoxalmente, todos estão certos e errados ao mesmo tempo. Há pessoas mais sensíveis que produzem respostas de insulina exageradas, portanto devem ter cuidado com carboidratos.
      Muitos organismos não suportam concentrações elevadas de corpos cetônicos geradas pela "abstinência", devendo equilibrar a ingestão de glicídios (carboidratos). Por sua vez, dietas ricas em proteínas são desaconselháveis para portadores de disfunções renais. Talvez a propagação dessas dietas "revolucionárias" tenha mais interesse financeiro do que humano, tanto que seus gurus são invariavelmente autores de best-sellers e engordam sua conta bancária utilizando poderosas estratégias de marketing. (Gentil, P.)
      O ideal é que se encontre uma maneira mais conveniente respeitando as limitações fisiológicas e psicológicas de cada um, variando o cardápio e até mesmo o tipo de dieta, para evitar a monotonia e o platô (momento em que a dieta para de fazer efeito e o resultado trava") gerado pelas adaptações metabólicas no organismo.
       
       
      CONHEÇA UM POUCO MAIS SOBRE OS CARBOIDRATOS
      Sergio Sheman
      - Biochemistry - Physical Trainer (since 1985)
      - Specialist in Performance Nutrition (ISSA - USA)
       
      ___________________________________________________
      Referências:
      Greiwe J.S., Holloszy J.O., Semenkovich C.F. Exercise induces lipoprotein lipase and GLUT-4 protein in muscle independent of adrenergic-receptor signaling. J Appl Physiol, 2000 Jul;89(1);176-81
      Kristianensen S, Gade J, Wojtaszewski J.F., Kiens B., Richter E.A. Glucose uptake is increased in trained vs. untrained muscle during heavy exercise. J Appl Physiol, 2000 Sep;89(3):1151-8
      MacLean P.S., Zheng D., Dohm G.L. Muscle glucose transporter (GLUT-4) gene expression during exercise. Exerc Sport Sci Rev, 2000 Oct;28(4):148-52
      Fonte: Revista Combat Sport - ANO 12 - nº51 - Abril/Maio 2010
×
Esta popup será fechada em 10 segundos...