Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Pizza fake portuguesa (guacamole opcional)

Pizza fake portuguesa é uma receita sem massa e com molho de guacamole que é simplesmente uma explosão de sabor!

TeimoZinha
 Compartilhar


Pizza fake portuguesa (guacamole opcional)

Ingredientes:

Para massa:

  • 2 xícaras de queijo minas ralado  (meia-cura).

Recheio:

  • 2 colheres de sopa de molho do tomate;
  • 2 fatias de peito de peru;
  • 2 ovos;
  • Orégano a gosto;

Guacamole (opcional):

  • 1 fatia de abacate;
  • 1 fatia pequena de cebola picada;
  • 6 tomates cereja picado;
  • 1/2 suco de limão;
  • Sal e azeite a gosto.

Modo de preparo:

  1. Forre o fundo da frigideira com aproximadamente 2 xícaras de queijo minas ralado (usei o meia-cura, mas pode ser o queijo coalho também);
  2. Quando o queijo começar a dourar, acrescente o molho de tomate (coloquei aproximadamente 2 colheres de sopa);
  3. Acrescente as 2 fatias de peito de peru;
  4. Cozinhe os ovos, amasse-os com um garfo, fazendo uma farofinha, e coloque-a sobre o peito de peru;
  5. Finalize com orégano.

Guacamole - opcional:

  1. Amasse o abacate grosseiramente com um garfo;
  2. Acrescente os demais ingredientes (tomate, cebola, sal, limão e azeite).

 

Informações Adicionais

  • Método de Preparo: Assar
 Compartilhar

Publique seu conteúdo como colaborador

Comentários

Comentários Destacados

Não há comentários para mostrar.



Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta 100% gratuita!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora

  • Conteúdo similar

    • Por fisiculturismo
      Somente quem está fazendo uma dieta restritiva em carboidratos (low carb) sabe o quanto o humor fica pessimamente alterado, além de ser evidente a queda no desempenho físico.
      A cafeína é bem conhecida como uma substância capaz de aumentar a performance nas atividades físicas por reduzir o grau subjetivo de fatiga e esforço.
      Um grupo na Griffith Universy In Australia estudou se a cafeína poderia superar a queda de performance dos indivíduos sujeitos a dietas restritivas em carboidratos.
      Foram analisadas pessoas em dietas restritivas em carboidratos e pessoas em dietas sem restrição de carbo. Além disso, dentro de cada grupo, algumas pessoas receberam uma pequena dose de cafeína (3mg por kg de peso corporal - ex. um indivíduo de 80 kg receberia 240mg) ou um placebo. Todos realizaram exercícios de alta intensidade.
      Os pesquisadores descobriram que os indivíduos que ingeriram cafeína tiveram aumento de performance, seja no grupo em dieta restritiva em carboidratos, sejam em dieta não restritiva.
      Os indivíduos em dieta restritiva em carboidratos não tiveram o mesmo desempenho daqueles em dieta sem restrição, mas a cafeína ajudou a melhorar a performance física.
      Concluíram os cientistas que a cafeína pode aumentar a performance física independentemente da concentração de glicogênio nos músculos, mas ainda assim não seria capaz de equiparar o desempenho do indivíduo em dieta restritiva em carbo com o indivíduo em dieta sem restrição.
      Fonte:
      Carb-Free Focus: Caffeine Enhances Performance onLow-Carb Diets. FLEX, pp. 128, maio de 2013.
    • Por Vladimir Viktorovitch
      Quando estão próximos da competição, os atletas seguem uma dieta de baixo teor de carboidratos. Uma pesquisa revelada pela Revista Flex mostrou que dieta com restrição de carboidratos e alto nível de proteínas e gorduras pode baixar a imunidade.
      A análise foi feita com queimados de incêndio. Os que seguiam dieta de baixo teor de carboidratos tiveram maior incidência de pneumonia em comparação aos que não restringiam carboidratos, nem proteínas, nem gordura.
      Embora o estudo se circunscreva a quadro de vítimas de incêndio, serviu para mostrar que a restrição de carboidratos pode reduzir a imunidade.
      Por isso, é recomendável que o atleta utilize suplemento de apoio à imunidade se aderir à dieta de restrição de carboidratos.
      Fonte: Revista Flex, abril 12. Referência a B. Masters et al., Cochrane Database System Revue 2012.
    • Por Leena Fabrini
      Quase dois terços dos americanos estão acima do peso ou obesos. Muitas dessas pessoas desenvolvem resistência à insulina e diabetes tipo 2, o que aumenta o risco de doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA).
      O aumento de gordura no fígado leva à inflamação e ao deficiente processamento metabólico de gorduras, carboidratos e proteínas.
      Um diagnóstico inicial da esteatose hepática é feita a partir do elevado número de enzimas hepáticas. Uma revisão da literatura por pesquisadores da University School of Medicine, em Whashington, St. Louis, concluiu que o baixo teor de carboidratos da dieta cetogênica pode causar DHGNA.
      No entanto, os efeitos dessas dietas são mínimos sobre a função do fígado se feitas a curto prazo.
      Fontes: Current Opinion Clinical Nutrition & Metabolic Care, 15: 374-380, 2012 e Revista Muscular Development, janeiro/2013, pg. 76.
    • Por Keto
      O primeiro documentário brasileiro de longa metragem acerca da alimentação low carb. Vale assistir.
       
    • Por TeimoZinha
      Numa tijela coloque 1 caixinha de creme de leite, acrescente a mesma medida da caixinha de polvilho azedo e finalize com duas medidas da caixinha de queijo meia cura ralado. 
       Unte uma forma com manteiga ghee e coloque com ajuda de uma colher as porções na forma com espaço entre elas (elas crescem no forno).
      Leve ao forno pré-aquecido 220° por aproximadamente 25 minutos.
       
      Observação: Pode acrescentar um pouco de sal caso o queijo esteja menos salgado.





×
×
  • Criar novo...