Jump to content

Os benefícios do vinho para a saúde

Amanda Mayrinck Hallak
  • , 77,903 views

Desde a antigüidade, o vinho esta ligado à evolução da medicina. Usado como remédio por curandeiros e religiosos na arte da cura, o vinho se torna a mais antiga prescrição médica documentada.

Usado por varios nas mais diversas funções tais como: desinfetante na cura de feridas, medicamento, veículo para outras drogas e componente de uma dieta saudável o vinho destaca sua importância em varias situações.

Porém, a partir do final do século XIX, a visão do vinho como medicamento começou a mudar. O alcoolismo foi definido como doença e os malefícios de seu consumo indiscriminado começaram a ser estudados. Nas décadas de 70 e 80, o consumo de álcool foi fortemente atacado por campanhas de saúde pública exaltando as complicações de seu uso em excesso. Entretanto, várias pesquisas científicas bem conduzidas têm demonstrado que, consumido com moderação, o vinho traz vários benefícios à saúde.

Estudos evidenciam um consumo moderado de vinho para ressaltar seus efeitos benéficos. Entretanto existe uma dificuldade em ressaltar o que seria este consumo sensato. Valores recomendados entre entre 30g a 60g de consumo diário são divergidos em vários países. Alem também de outros fatores que influenciam estes limites: sexo, idade, constituição física, patrimônio genético, condições de saúde e uso de outras substâncias (drogas, medicamentos etc). Em linhas gerais, um homem pode consumir até 30 g de álcool por dia. Para as mulheres, por diversas razões (menor tolerância, menor proporção de água no organismo etc) recomenda-se até 15 g por dia. A diferença entre consumo moderado e exagerado pode significar a diferença entre prevenir e aumentar a mortalidade.

Na atividade física o vinho esta sendo usado por alguns atletas para ajudar na vasodilatação. Isto pode ser justificado pelo fato de algumas pesquisas terem mostrado o mecanismo molecular que explica a ação do vinho na saúde das veias e artérias.

 

vinho-fisiculturismo.jpg

 

Os estudos, que foram realizados em ratos, visavam estudar os efeitos dos polifenóis presentes no vinho. Eles são um grupo de substâncias químicas que, graças à produção de monóxido de carbono (CO) têm efeito vasodilatador. A equipe conseguiu comprovar que um tipo específico de polifenól, a delfinidina, desencadeia uma série de reações que no final provoca o relaxamento vascular, segundo explicou o autor do estudo, Matthieu Chapolin. Desta maneira, as veias do corpo têm menos chances de ficarem entupidas e, conseqüentemente, o risco de doenças cardíacas diminuí.

Vale ressaltar a importância de algumas substancias que o vinho possui. Além do álcool ele apresenta diversas substâncias antioxidantes em sua composição. Entre os mais de 1000 compostos encontrados no vinho, os polifenóis (flavonóides, taninos, catecinas, resveratrol etc) são os mais estudados.

Os polifenóis, derivados de várias plantas, são os antioxidantes mais encontrados em nossa dieta. De acordo com sua origem, apresentam diferentes estruturas químicas. Atualmente, vários estudos têm demonstrado que o resveratrol, um antioxidante natural presente em vinhos tintos e brancos, está associado com os efeitos benéficos do vinho na doença coronária. Além disso, em laboratório, o resveratrol tem mostrado efeito protetor contra o câncer, embora estes resultados ainda não tenham sido demonstrados na prática clínica. Também controversa é a hipótese de que os flavonóides parecem mostrar um efeito protetor contra doenças cardiovasculares, atuando sobre o LDL (colesterol ruim).

Como foi dito repetidas vezes, o consumo moderado parece ser o caminho para a felicidade. Muito ainda precisa ser entendido sobre os reais efeitos, benéficos e maléficos, do vinho sobre a saúde antes de torná-lo a panacéia universal para as moléstias do mundo moderno. Entretanto, em pouquíssimas situações, um remédio pôde ser tão infinitamente agradável e prazeroso.

Álbum de Imagens (1)

  • https://fisiculturismo.com.br/uploads/monthly_10_2012/ccs-69938-0-26814200-1350483759.jpg
Sign in to follow this  

User Feedback

Recommended Comments

O vinho tem sido utilizado por alguns fisiculturistas imediatamente antes da apresentação em campeonatos de musculação para ampliar a vasodilatação e também para funcionar como um elemento relaxador, a fim de que a apresentação do atleta não seja prejudicada por eventual nervosismo diante do público. Na foto desta matéria, você pode ver o nosso colaborador Fábio Moura Veras se preparando para ingerir uma dose de vinho antes de sua apresentação no Aberto de Fisiculturismo de Brasília 2012.

Share this comment


Link to comment
Share on other sites

ja tive a oportunidade de estudar sobre os vinhos, oinos, yahin(acho q se escreve assim, depois eu vejo direitinho) etc,

a grande verdade e que o vinho que e utilizado para fins medicinais, etc. NAO E O VINHO DO SEC. XX OU XXI...

o vinho para fins medicinais era sem adiçao ou qualquer quimica, este sim tinha como objetivo alem de festas, fins medicinais...

o q contava o teor de acides e embreague eram duas coisas:

1-como era armazenado(geralmente em couro de animais)

2-tempo de armazenamento

Share this comment


Link to comment
Share on other sites

o q acontece e na verdade uma confusao em relaçao ao vinho antigo(oinos, yahin,etc.) que era geramente puro(alguns misturavam com outras bebidas para deixa-lo mais forte, mas ai ja nao e um vinho puro.

e o vinho deste seculo...que nao e puro...raro algumas empresas q ainda fazem a produçao(e manual)do vinho antigo(obvio sao carissimos)

mas colocando numa escala 95%dos vinhos atualmente, nao traz esse beneficio q diz a materia(medicinal)

(sobre a vasodilataçao e um caso a parte)

Share this comment


Link to comment
Share on other sites

ahhh um detalhe importante

o vinho antigo..pelo seu proprio processo de fermentaçao e armazenamento(esse ponto e importante pois o teor de embreagues depende tb disso bastante) possui tb um teor alcoolico...mas q nao se compara ao vinho do sec. XX ou XXI

abcs

Share this comment


Link to comment
Share on other sites

So para lembrar pessoal. polifenois são encontrados somente em vinhos TINTOS DE BOA QUALIDADE, esqueçam os "cantinas da serra" ou chapinha ou mesmo os vinhos brancos.

Share this comment


Link to comment
Share on other sites
Guest Richard Alcântara

Posted

Excelente matéria! Também, esta Linda Nutricionista só vem nos instruindo com ótimos textos. Parabéns....

Share this comment


Link to comment
Share on other sites


Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Add a comment...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


  • Similar Content

    • By EM.Leozinho
      tipo eu jah ouvi falar sobre o vinho e tals.... parece que ajuda a preveni algumas coisas e tals.... alguem poderia me dizer oq eh... coisas do tipo.... eh que eu nao me recordo... e fiquei curioso... hehehe desde jah vlws....
    • By Pedro Alvim Neto
      O exercício físico apresenta diversos benefícios, entre eles, redução da pressão arterial e do risco de doenças cardiovasculares, aumento do HDL colesterol, melhora do diabetes tipo 2 e resistência à insulina, proteção contra complicações vasculares, modulação da secreção hormonal, da produção e consumo de energia e consequentemente melhor qualidade de vida e longevidade.
      Entretanto, ocorrem diversas adaptações fisiológicas durante a atividade física, sendo necessários ajustes cardiovasculares e respiratórios para compensar e manter o esforço realizado.
      O exercício físico intenso pode aumentar a produção de radicais livres ou espécies reativas de oxigênio no músculo esquelético e em outros tecidos, associadas ao metabolismo energético acelerado. Essas espécies podem contribuir para danos tissulares e celulares e prejudicar o desempenho físico.
      Caso a produção de EROs (espécie reativa de oxigênio) seja prolongada, pode sobrecarregar as defesas antioxidantes celulares naturais, levando à perda da função da membrana e organelas das células, latência do retículo sarcoplasmático e desacoplação da mitocôndria, podendo ser uma das causas de atrofia muscular, fadiga e overtraining.
      Os mecanismos que envolvem a produção de EROs nos exercícios aeróbio e anaeróbios são distintos. É bem aceito que a produção de EROs e dano tecidual subsequente resultante de exercício aeróbico é em grande parte devido ao aumento do fluxo no transporte de elétrons levando ao aumento da fuga de radicais superóxido.
      Já durante e após o exercício anaeróbio pode ser mediada através de outras vias, tais como, a ativação da cadeia de transporte de elétrons, a síntese aumentada das enzimas xantina-oxidase e NADPH-oxidase, o prolongado processo de isquemia e reperfusão tecidual e a atividade fagocítica.
      Além disso, o aumento da síntese de ácido láctico, catecolaminas e o processo inflamatório elevado após exercícios anaeróbios com intensidades supra-máximas também contribuem significativamente para a produção de EROs.
      Antioxidantes são substâncias capazes, mesmo em concentrações relativamente baixas, de retardar ou inibir a oxidação do substrato, através de sua capacidade de doar elétrons para o radical livre.
      Alternativas nutricionais para estimular defesas antioxidantes têm sido estudadas, para reduzir os efeitos oxidantes promovidos pelo exercício extenuante, dentre elas a suplementação com vitamina A, C e E, B- caroteno, selênio, zinco, creatina, glutamina e ômega-3.
      Há evidências de que a suplementação de vitaminas possa prejudicar processos adaptativos do exercício, podendo resultar na redução do processo de biogênese mitocondrial, a suplementação deve ser evitada na proximidade do treino, já os alimentos que possuem vitaminas antioxidantes podem ser ingeridos nas proximidades dos treinos, esses não vão interferir na biogênese mitocondrial, pois, apenas vão modular o estresse oxidativo e não vão interferir nas adaptações fisiológicas da atividade física.
      Diferentemente dos estudos com vitaminas, a suplementação de flavonoides parece ser uma estratégia interessante, pois além do possível aumento da biogênese mitocondrial, também apresenta proteção antioxidante. Os compostos fitoquímicos geralmente são manipulados e devem ser prescritos por nutricionistas para que o organismo possa absorvê-los de forma mais eficiente e que sejam utilizadas estratégias corretas na suplementação destes nutrientes. Esses nutrientes são encontrados em alimentos como: abacate, suco de uva integral, suco de cereja e tomate.
      Os polifenóis representam grande variedade de compostos, divididos em diversas classes, tais como, ácidos hidroxibenzóicos, ácidos hidroxicinâmicos, antocianinas, flavonóis, flavonas, flavonoides, flavononas, isoflavonas, estilbenos e lignanas. São moléculas abundantes na dieta, e há crescente interesse sobre suas ações na prevenção de doenças degenerativas, por apresentarem função antioxidante, anti-inflamatória, atividades cardioprotetoras e anticancerígenas.
      As antocianinas são pigmentos amplamente distribuídos na natureza, solúveis em água e de cor intensa, responsáveis pela coloração azul, vermelha, violeta e púrpura de muitas espécies do reino vegetal.
      As fontes de antocianinas comercialmente utilizadas são as cascas de uva e repolho roxo, há inúmeros outros frutos e flores que são estudadas como fonte deste pigmento; jabuticaba, açaí, berinjela, batata- doce roxa e alguns frutos não convencionais como camu- camu.
      É importante incluir na alimentação de praticantes de atividades físicas, alimentos ricos em vitaminas antioxidantes e polifenóis para fazer a modulação do estresse oxidativo sem inibir as adaptações da atividade física ocorrendo assim a biogênese mitocondrial. A suplementação de vitaminas antioxidantes deve ser feita em horários distantes dos treinos, e caso seja necessário. Importante ter um acompanhamento de nutricionista esportivo para que exames periódicos de micronutrientes sejam feitos para saber se realmente há necessidade de se usar uma suplementação.
       
      Referências Bibliográficas:
      GONÇALVES, Lívia de Souza. Efeitos da suplementação da quercetina sobre o rendimento físico em esteira ergométrica e indicadores metabólicos do exercício exaustivo em atletas de futebol. 2014. 64f. Dissertação (Mestrado) - Pós-graduação em Patologia da Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2014.
      PEREIRA, Milena Biazi Prado. O papel dos antioxidantes no combate ao estresse oxidativo observado no exercício físico de musculação. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo, v. 7, n. 40, p. 233- 245, jul/ago. 2013.
      ROCHA, Juliana de Cássia Gomes. Adição dos corantes naturais antocianinas e luteína em bebidas formuladas com proteínas de soro de leite. 2013. 128f. Dissertação (Mestrado) - Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, 2013.
       
    • By fisiculturismo
      Ultimamente temos visto muitos novos suplementos espalhafatosos sendo lançados no mercado. Os rótulos dos produtos são elaborados com as mais rebuscadas técnicas de marketing, assim como as propagandas desses suplementos.
      A Sanibras Bionutrientes parace não estar muito preocupada com isso. Seu último lançamento no mercado de suplementos alimentares é bem diferente da última leva de produtos lançados pela indústria.
      O Dilatex é um suplemento alimentar cujo rótulo do produto é extremamente simples. A embalagem é muito semelhante àquela comum a produtos manipulados em farmácias do gênero. Trata-se de um suplemento alimentar que contém alanina e arginina, componentes comuns aos pré-treinos.
      No rótulo consta a indicação de uso de 4 cápsulas por dia, nada mais. Mas afinal, pra que serve um suplemento alimentar com alanina e arginina? A resposta para essa pergunta pode ser encontra no site que a Sanibras Bionutrientes criou para o Dilatex, e que copiamos a seguir:
      Dilatex é um suplemento de uso profissional composto de Alanina e Arginina à partir do minerais Quelatos. Quando uma molécula de mineral está ligada a um aminoácido específico, facilita a assimilação pelo organismo, promovendo uma rápida absorção do aminoácidos. A estabilidade destes complexos quelatos foram potencializadas em nosso laboratório à partir da tecnologia denominada OxyPump®, garantindo o equilíbrio dos complexos quelatos. Este complexo possui a vantagem de ser melhor biodisponível (até 90% de absorção, contra 10 a 20% dos minerais inorgânicos), sem interferir na absorção de outros nutrientes, sem possuir efeitos colaterais, nem causar dopping.
      No caso do Dilatex, este equilíbrio garante uma rápida assimilação da Arginina e da Alanina que são precursores do Óxido nítrico e da Carnosina.
      A tecnologia OxyPump diferencia o Dilatex dos outros suplementos do mercado, pois até o momento, outros laboratórios não desenvolveram tecnologia para estabilidade da Alanina com a Arginina em um complexo como o Dilatex.
      Será que o Dilatex será um sucesso? A Sanibras Bionutrientes apostou em trilhar um caminho diferente das outras marcas. O destaque de seu suplemento alimentar decorre de sua própria simplicidade numa prateleira cheia de produtos concorrentes. Pra essa pergunta, só o mercado de suplementos alimentares e seus ávidos consumidores têm a resposta.
      Saiba mais sobre este suplemento
    • By Mestre
      Hoje em dia, muito encontrada em Suplementos Pré-Treino, a cafeina é associada ao efeito Vasoconstritor por causa das dores de cabeça.
      Podemos citar o medicamento Doril que serve para aliviar a dor de cabeça e possui na sua formulação Acido Acetilsalicílico(um analgésico) e Cafeina.
      A Cafeina nesse caso do Doril, serve como tratamento para dor de cabeça quando ela tem origem vascular, que é por exemplo a dor de cabeça da ressaca no dia seguinte pós bebedeira, pois nesse caso da dor de cabeça vascular, ela ocorre pois uma vasodilatação nos vasos sanguíneos do cérebro ocorre. Nesta hora a Cafeina com seu potencial Vasoconstritor aliado ao analgésico que pode ser o Acido Acetilsalicílico, iram possivelmente resolver o problema da dor de cabeça.
      Mas como então colocam Cafeina em Suplementos Pré-Treino que prometem Vasodilatação?
      - Essa é uma resposta muito contraditória, e pesquisando em outros fórums e locais da net, achei várias pessoas se perguntando a mesma coisa, e não obtendo respostas claras por parte dos usuários.
      Pois bem, podemos dizer que a Cafeina possui um efeito Vasoconstritor e Vasodilatador ao mesmo tempo, isso ocorre de forma seletiva, onde nos vasos sanguíneos do Cérebro ela causa uma Vasoconstrição, enquanto nos vasos sanguíneos do restante do corpo, ela causa uma Vasodilatação1.
      Assim, essa referência faz cair por terra a dúvida das pessoas que dizem não entender como é colocado uma substancia Vasoconstritora em um suplemento Pré-Treino que promete Vasodilatação.
      Elaborado por Mestre fórum FISIculturismo
      Referencia:
      1 - BRALY, J. Food Allergy & Nutrition-Revolution. 1992. Keats Publishing, Inc.
    • By Rafafguima
      Fui a uma consulta com um nutrólogo com o objetivo de crescer.
      Tenho 37 anos, 1,91m, 95kg e 13%BF.
      Depois de pedir vários exames que renderam mais de 20 páginas de laudo, ele me retorna por e-mail com uma dieta e uma prescrição de manipulados com duas receitas. Sendo uma de vitaminas e minerais e a outra de diversas substâncias que creio serem esteroides naturais.
      A receita em questão é:
      Rhodiola rosea 400mg Mucuna 300mg Mag glicil glutamina 100mg Cyanotis vaga 200mg Turkesterona 300mg Resveratrol 200mg Tomar 1 flaconete 8/8h por 60dias
      Detalhe que o laboratório em que fiz a primeira cotação me cobrou R$ 1.620,00 por essa fórmula.
      Alguém tem experiência com essas substâncias? O preço é esse mesmo? Vale o investimento? Existe colateral?
      Valeu!
×
×
  • Create New...