Ir para conteúdo
Madilson Medeiros
Madilson Medeiros
Entre para seguir isso  

Pré-hormonais, álcool e enzimas hepáticas

A grande disseminação dos chamados pré-hormonais, compostos que mimetizam a ação de drogas anabolizantes esteroidais, tem se tornado uma opção bastante popular entre os praticantes de musculação, por proporcionarem rápidos e expressivos aumentos em força e volume musculares. A utilização destas substâncias tem sido bastante popular não somente pelos efeitos acima citados, bem como pela facilidade na sua aquisição. Apesar de sua proibição pela legislação brasileira, é relativamente fácil encontrá-los.

O que muita gente não sabe – como já comentamos anteriormente, a falta de informação é um mal crônico em nosso país – é que estes produtos praticamente são e se comportam como os AAEs em que foram inspirados. A diferença é que estas substâncias serão, através de processos enzimáticos, convertidas pelo organismo na forma anabólica da droga original ou em algo muito próximo dela. Resumindo, os PHs nada mais são do que AAEs “politicamente corretos”. Ainda não se atribuiu a esta classe de substâncias a demonização própria dos AAEs.

Isto acaba por fazer com que muitas pessoas que optam por estes recursos, estufem o peito e afirmem com convicção: “Eu não utilizo anabolizantes! Só pré-hormonais!” Este tipo de comportamento revela uma visão equivocada e até paradoxal, constituindo-se portanto, uma verdadeira antítese.

Uma das “vantagens” deste tipo de composto reside no fato da sua administração – por via oral – o que se traduz em uma enorme conveniência para aqueles que não suportam a idéia de injeções. Entretanto, esta conveniência é, na verdade, uma faca de dois gumes, pois leva ao surgimento de uma quantidade ainda maior de efeitos colaterais indesejáveis, pela “dupla” passagem pelo metabolismo hepático.

Para piorar a situação, os maiores consumidores de PHs são na maioria, adolescentes ansiosos por rápidos efeitos em seus físicos. Vale a pena ressaltar, mais uma vez, que muitos deles não percebem que tais produtos apresentam os mesmos efeitos dos famigerados AAEs, sendo comparáveis aos 17-α alquelados, renomados por lesões hepáticas. Como se não bastasse, juntamente com o uso indiscriminado – e muitas vezes, excessivo – dos PHs, é muito comum o consumo de bebidas alcoólicas nesta faixa etária, aumentando exponencialmente a possibilidade de lesão hepática.

Como a maioria de nós já tem conhecimento, pré-hormonais precisam passar pelo fígado e preservar a forma ativa esteroidal. De certa forma, estes compostos tendem a ser neutralizados por este órgão, então a solução encontrada foi adicionar um grupo metil ou etil na posição α do 17° carbono da molécula. Essa alteração acaba se constituindo como uma “proteção” para que a molécula do éster passe ilesa pela atividade hepática. Isto é evidenciado pelo grande aumento na produção das aminotransferases hepáticas, especialmente TGO (transaminase glutâmico-oxalácetica) ou AST(aminotransferase do aspartato) e TGP (transaminase glutâmico-pirúvica) ou ALT (aminotransferase da alanina) e das enzimas FA (Fosfatase Alcalina) e GGT (Gama Glutamil Transferase).

Já na ingestão de álcool, através da ADH (Álcool-desidrogenase), ocorre a formação de um composto denominado formaldeído, que deve ser neutralizado por processo enzimático pela ALDH (Aldeído-desidrogense). Estas reações exigem excessivamente o metabolismo hepático, e em última instância, o metabolismo renal, levando à desidratação comum no período pós-ingestão alcoólica. Como o tecido muscular é constituído de cerca de 70 a 75% de água, ocorre, além do trauma hepático, diminuição do volume muscular.

Tanto na ingestão excessiva de álcool, como na utilização de determinados medicamentos, estas enzimas tendem a apresentar variações. Isto pode revelar, na maioria dos casos, problemas relativos ao funcionamento do fígado, embora seja importante salientar que nem sempre o aumento destes marcadores representa dano hepático. Na ocorrência de exercícios vigorosos, como a musculação, elas tendem também a aumentar.

Porém, indiscutivelmente o consumo de álcool e a utilização concomitante de AAEs orais ou PHs elevam a atividade metabólica do fígado, podendo gerar graves lesões neste órgão. Observe que, até aqui mencionamos apenas os possíveis danos hepáticos, mas também devem ser pesadas as outras diversas reações negativas advindas da utilização dos PHs, como supressão da produção endógena de testosterona, aromatização, dislipidemias, etc.

Enfim, se você treina duro na sala de musculação e ainda assim, não quer abrir mão das noitadas regadas a álcool na companhia dos amigos, pense duas vezes antes de utilizar pré-hormonais. Pode sair mais caro do que você imagina.


Entre para seguir isso  


Comentários

Comentários Destacados

Não há comentários para mostrar.



Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta em nossa comunidade! É rápido, fácil e grátis!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Edjane
      Sou um pouco dificil de ganhar massa muscular, faço o uso de whey+ creatina + glutamina +dextrose  +bcaa (malho no minio 3vezes na semana). Trabalho em shopping e é complicado ter tempo.
      Frequento a academia praticamente a vida toda rs.. Mas nunca tao certinho como agora. Certinha estou há 6 meses. Comprei OXANDROLONA 20MG (comprimido) mas ainda não tomei, estou com muitas duvidas...
      Posso comer carne de porco e ingerir bebida alcoólica? A oxan. dá problema no fígado? Como devo ciclar (malho na parte da manhã)? 20mg está bom para o primeiro ciclo? A OXAN. Vai me ajudar a secar a gordura abdominal? Há 6 anos fiz um ciclo de stigor, mas tive varias complicações devido a minha má  alimentação.
      Dessa vez estou fazendo acompanhamento com uma Coach (personal online) mas ela não passa ciclo e me colocou o maior terror sobre a OXAN.
      Confesso que estou com pouco de medo. Quem usou fale sobre as reações que tiveram!
      Tenho 32 anos, 1 filha , 1,75m , peso 67kg , percentual de gordura 27%. Quero chegar aos 75kg de massa magra.

       

    • Por padeiro
      Eu gostaria de saber se durante o ciclo pode-se beber algum tipo de bebida? eu ouvi falar que pode tomar só destilados é verdade? o que a bebida influencia no ciclo, pode cortar o efeito da droga? OBRIGADO
    • Por Rodrigo Enseki
      Apliquei ontem uma ampola de Durateston e semana que vem mais uma. Dou uma pausa por conta das festas de fim de ano já que a clínica vai estar fechada e volto em janeiro. E faço o ciclo de 4 semanas. Algum ploblema em relação a isso? Tenho outra dúvida , se há algum problema em consumir bebida alcoólicas durante esta fase nos finais de semana algumas taças de vinho? Depois desse ciclo eu posso parar ou preciso sempre fazer ciclos?
      Obg desde já !
    • Por Victor Torres
      Fala galera... comecei a tomar m stane, mas vou ter que viajar e levar alguns comprimidos! A pergunta é simples e direta
      Pode levar m stane no voo sem complicações? Ou posso colocar alguns comprimidos dentro do pote da creatina.. 
      Abçss!
    • Por adrianinha123
      Fala galera tudo joia?
      entao, terminei meu ciclo de oxan a aproximadamente 1 semana, e iniciei uma tpc que durará 30 dias. O ciclo durou 2 meses, mas eu ja estava sem ingerir bebida alcoolica um tempo antes, entao, fazem 3 meses e meio que eu nao coloco uma gota de alcool na boca.
      porem, meu aniversario é na semana q vem e eu ainda vou estar na tpc. Queria saber se posso ingerir alcool, pq apesar de eu estar a esse tempao sem beber e inclusive, pretendo continuar assim pra otimizar meus ganhos, nessa data especial eu queria tomar uma com os amigos rsrsrs
       
×