Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Síndrome do overtraining



Síndrome do overtraining

O Paradoxo do Exercício Físico

Todos sabemos que a atividade física proporciona benefícios ao organismo, e que estes são estendidos à melhoria de inúmeras funções corporais, como melhora da flexibilidade, da resistência cardiovascular, da força, dentre outros benefícios.

Vale a pena comentar também que o exercício físico, diferente da atividade física, proporciona outros ganhos ao corpo humano, principalmente por acelerar processos metabólicos e induzir o organismo à níveis de atividade mais intenso o que, conseqüentemente, favorece o processo de adaptação.

Vamos partir do princípio de que, todo o tipo de estímulo que o organismo recebe, gerará respostas que, conforme a intensidade destas, gerará adaptação (em níveis molecular, celular e tecidual).

Entretanto, quando a intensidade e a frequência do exercício físico atingem níveis máximos, o organismo começa a responder (e adaptar-se) de maneira diferente da que pretendemos, propiciando o que chamo de “estresse excessivo do treinamento” comumente conhecido como “síndrome do overtraining”.

A Síndrome do Overtraining

Em definição básica, a síndrome do overtraining consiste em um estado de treinamento muito além que o indivíduo pode suportar, ocasionando sérios problemas no organismo em níveis psicológicos e fisiológicos. Estes problemas vão desde lesões em articulações ou músculos (e, conforme o caso, fraturas ósseas), até problemas mais sérios como insônia, depressão, irritabilidade, impotência e problemas reprodutivos, propensão a problemas respiratórios e gastrointestinais, perda de peso e baixa imunidade.

Os sinais que indicam overtraining nem sempre são claros, o que dificulta seu diagnóstico, principalmente pelo fato de envolver fortes fatores psicológicos que demoram a se manifestar. Todavia, depois de instalada esta síndrome o corpo pode levar vários meses, ou mesmo alguns anos, até que o distúrbio deixe de existir e os sinais e problemas fisiológicos desapareçam por completo. Entre os sinais físicos e psíquicos mais conhecidos, encontram-se:

  • Diminuição da Performance (força/peso);
  • Diminuição da Massa Muscular;
  • Diminuição dos níveis de Testosterona;
  • Aumento dos níveis de Cortisol;
  • Irritabilidade e apatia;
  • Depressão;
  • Diminuição da Glutamina e,
  • Aumento exponencial da vulnerabilidade infecciosa.

A alta incidência desta síndrome entre os atletas deixa cada vez mais clara a necessidade de se analisar as possíveis causas desse fenômeno.

O desencadeamento da Síndrome do Overtraining é um processo complexo, resultado de drásticas alterações de fluxo hormonal em função da maior ativação do sistema nervoso autônomo e do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal, além da supressão do eixo hipotálamo-hipófise-gonadal (Lehmann & col, 1998).

Essa afirmação fica clara quando encara-se o exercício físico intenso como um dos fatores desencadeadores do estresse, tanto físico quanto psicológico. Contudo, alguns autores classificam estas alterações do sistema endócrino como uma conseqüência do overtraining, e não necessariamente a sua causa.

Como possíveis causas, algumas pesquisas sugerem que são:

  • lesão e inflamação;
  • redução drástica dos estoques de glicogênio (muscular e hepático);
  • diminuição da disponibilidade de glutamina durante o exercício;
  • hipótese de fadiga central.

Vale a pena citar que grandes Volumes de treinamento físico vem por originar a maior parte das causas citadas para o desencadeamento do overtraining, com mais influência do que a que sua Intensidade, confirmando que a quantidade de exercício influencia com maior grau o aparecimento dos efeitos negativos desse fenômeno.

Outro fator necessário de citação diz respeito à importância da Glutamina para otimizar o sistema imunológico e suprimir os efeitos do overtraining. A glutamina é um aminoácido não essencial (ou seja, o organismo pode sintetizá-lo a partir do ácido glutâmico, valina e isoleucina). A síntese da glutamina acontece primariamente nos músculos, mas ocorre também nos pulmões, fígado, cérebro e possivelmente no tecido adiposo. É importante citar que em condição de overtraining (e também lesões ou estresse), os órgãos necessitam de uma demanda muito maior de glutamina, o que não pode ser suprido apenas pela síntese corporal, sendo sugestiva a possibilidade de suplementação com este aminoácido.

Concluindo

Como mencionado, a atividade física bem como o exercício físico regular, promove a melhoria de inúmeras funções corporais. Todavia, em efeito contrário, quando o exercício intenso é realizado com freqüência que não facilita a recuperação do organismo, o indivíduo começa a sofrer os efeitos malignos do excesso de treinamento.

A sobrecarga de exercício excessivo e prolongado com inadequada recuperação e descanso leva ao engano, leva ao estado de fadiga central, leva ao overtraining!

Referencial Bibliográfico

- Lehmann, M. Foster, C. Dickhuth, H. Gastmann, U. Autonomic Imbalance Hypothesis and Overtraining Syndrome. Medicine Science Sports & Exercise 1998; 30:1140-5;

- McArdle W. Katch F. Katch V. Fundamentos de Fisiologia do Exercício. Guanabara Koogan. Rio de Janeiro, 2002.

 

ou para curtir

Publique seu conteúdo como colaborador


Comentários

Comentários Destacados

Não há comentários para mostrar.



Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta em nossa comunidade! É rápido, fácil e grátis!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora

  • Conteúdo similar

    • Por marcus.mvcm
      Prezados, boa tarde.
      Estive visitando algumas páginas do fórum e gostei muito da forma com que orientam as pessoas que se dispõem à evoluir o shape com base na dieta e treinos. Portanto gostaria da ajuda de vocês para algumas orientações principalmente em relação à dieta. Sou iniciante no assunto, então já peço descupas se falar alguma bobagem no meu relato.
      Nos últimos dois meses exatamente retornei aos treinos de musculação, estava pesando 76,10 Kg, com BF de 20,83% (método de dobras cutâneas). Estava realizando um jejum intermitente de 18h, mas sem controle de macros pois não tinha nenhuma noção do assunto. Na ultima, cheguei a bater o peso de 71 kg, sem suplementos, somente termogênico pré treino às vezes (Stimerex ES). Com o tempo fui pegando as manhas do controle de macros, e através de vídeos do Youtube (Canal Leandro Twin pra ser mais exato, podem me crucificar se for o caso) comecei a controlar os macros na ultima semana (140g de Proteína, 140g de Carbo e 70g de gordura). Porém de acordo com o que vi, para um falso magro (creio que seja o meu caso) seria interessante aumentar esses percentuais inicialmente para depois ir reduzindo.
      Meu medo era de que tivesse perdido muita massa magra com esse jejum intermitente, mas de acordo com a avaliação que fiz ontem isso não ocorreu (posso ter deixado de ganhar mais). Portanto segue dados abaixo da dieta e treino atual, bem como a dieta que adotei nesta semana.
       
      Objetivo: Perder gordura, principalmente abdominal preservando o máximo possível de massa magra, obtendo maior definição.
      Idade: 27 anos
      Altura: 168 cm
      Peso: 70,5 kg
      Medicações em uso: Apenas suplementação (Creatina e às vezes meio Stimerex ES nos dias de treino de pernas)
      Problemas de Saúde e histórico de cirurgias: Fiz uma apendicectomia em 2001.
      Exames de sangue hormonais recentes:  Providenciarei.
      Tempo de treino: 30 meses de musculação distribuídos de 2017 a 2021 de forma interrupta (maior período treinando foi em 2017 por 4 meses).
      Ciclos FEITOS com dose e tempo: Não se aplica.
      Ciclo PROPOSTO com Aes (Marca) dose e tempo: Não se aplica.
      Divisão de treino e horário do mesmo: 
      Musculação de segunda à sexta às 18:00
      TREINO A
      _Pulley Costas: 3x15
      _Pulley Frente Pirâmide (Aumentando carga): 3x (10 + 8 + 6)
      _Remada Baixa: 3x15
      _Pulley Frente Supinado + Remada Curvada com Barra: 3x (10 + 10)
      _Rosca Barra W: 3x15
      _Rosca Direta Crossa Pirâmide (Aumentando carga): 3x (10 + 8 + 6)
      _Rosca Scott: 3x12
       
      TREINO B
      _Cadeira Flexora (Devagar + Rápido): 3x (10 + 10)
      _Flexor em pé: 3x12
      _Afundo com pés altos no Multifuncional: 3x10
      _Leg Press (Devagar + movimentos curtos): 3x (10 + 10)
      _Cadeira Adutora (Devagar + movimentos curtos): 3x (10 + 10)
      _Abdominal Infra Vertical com caneleira: 3x até a falha
       
      TREINO C
      _Supino Reto: 3x15
      _Supino 45° (Drop 8 Diminuindo Carga): 3x (8 + 8 + 8)
      _Voador + Fly: 3x (10 + 10)
      _Tríceps Cross Pirâmide (Aumentando carga): 3x (10 + 8 + 6)
      _Tríceps Coice no Cross (Corda Longa): 3x12
      _Tríceps Francês c/ halteres (2 mãos): 3x12
       
      TREINO D
      _Leg Press Horizontal:  3x15
      _Panturrilha no Gêmeos (Devagar + Movimentos rápidos): 3x (15 + 15)
      _Banco Extensor Drop 10 (Diminuindo Carga): 3x (10 + 10 +10)
      _Agachamento no Guiado: 3x15
      _Passada com Power Bag: 3x (12 + 12)
      _Abdominal Supra máquina: até a falha
       
      TREINO E
      _Elevação Lateral de Hateres com Rotação: 3x12
      _Elevação Frontal de Halteres com Rotação: 3x12
      _Desenvolvimento Máquina Normal Drop 8 (Diminuindo Carga): 3x (8 + 8 + 8)
      _Desenvolvimento Máquina Pegada Neutra: 3x12
      _Remada Alta no Cross Drop 10 (Diminuindo Carga): 3x (10 + 10 +10)
      _Encolhimento no Multifuncional (Devagar + Movimento rápido): 3x (10 +10)
       
      Observações quanto aos treinos:
      _Após o fim de cada treino realizo de 20 a 40 minutos de cardio, variando entre esteira, bike e elíptico.
      _Pela manhã, em jejum realizo um pedal ao ar livre de 30 minutos, intensidade mais baixa.
       
      DIETA COM QUANTIDADES E MACROS (130g Carbo, 150g Proteína e 60g de Gordura. 1680 calorias)
       
      Café da manhã (8h)
      _1 Ovo (50g)
      _1 Fatia de pão de forma Integral (20g)
      _Banana (50g)
      _Leite Integral (100ml)
       
      Almoço (13h)
      _Arroz Branco (50g)
      _Feijão Carioca (50g)
      _Carne Vermelha magra assada ou Peito de frango grelhado (200g)
      _Brócolis (100g)
      _Salada de Folhas (40g)
      _Fio de Azeite
       
      Lanche da tarde (16h)
      _Mamão (50g)
      _Aveia (20g)
      _Amendoim Cru (20g)
       
      Jantar (20h)
      _Peito de Frango Grelhado (120g)
      _Feijão Carioca (50g)
      _Tomate (50g)
      _Salada de Alface (50g)
      _Fio de azeite.
       
      Ceia (22h)
      _Albumina (40g)
      _Banana (40g)
      _Canela em pó (1g)
      _Adoçante (1g)
      _Leite Desnatado (200ml)
       
      Observações quanto à dieta:
      _A carne vermelha inserida no almoço se refere aos dias em que não consigo estar levando meu almoço para o trabalho, devido à rotina do mesmo. Portanto almoço numa determinada churrascaria (pago pela empresa) em que consigo não sair do foco, e tem carne bovina magra assada (a mesma eu consigo pesar perfeitamente, os carbos que são mais difíceis, mas vou na balança 3x sem problemas).
      _Minha dieta é focada na economia, com alimentos mais baratos possível. Esse é o motivo de ter albumina (que estou gostando muito) e não Whey.
      _Tenho algumas variações dos alimentos cadastrados no app que uso, que são: Iogurte natural (200g) com albumina (40g) na ceia somente, ou ricota (20g) + café puro ao invés do leite no café da manhã. 
      _O aplicativo que uso é o Alimente-se (Dieta e nutrição com saúde) Premium, nota 4,8 de 5 na Play Store (maior nota da categoria).
      _Quanto ao termogênico, estou evitando usar todos os dias, pois me deixa muito agitado.
      _Consumo de Água: 2,5L por dia. 
      FOTOS DE HOJE:

      (Se não for assim que insere as fotos, favor indicar o melhor método).
      Então é isso galera, preciso de ajuda, quem puder me orientar, serei eternamente grato.
      Obrigado!

      Outro fato que esqueci de comentar é que na avaliação por dobras cutâneas e medidas de ontem o BF foi de 16,06%.
    • Por AleDFC
      Pessoal, sou nova por aqui. Tenho 45 anos e treino há 8. Sempre fui bem gorda e em 1993 cheguei no auge com mais de 120kg. 
      Ano passado, após ver que, mesmo treinando corretamente, os ganhos aparentes tinham estagnado, optei por procurar um médico e iniciar o uso de anabols.
      Comecei em janeiro com 50mg de testo 1x por semana (tomo até hoje) e 10mg por dia de oxadrolona. Fiz isso por dois meses e meio. Após esse período parei a oxan e passei para 10mg de Stano junto com a testo. 

      Segunda tenho nova consulta. Bom, o resultado no corpo foi visível, como podem ver nas fotos abaixo, porém minha voz engrossou bastante após o stano, assim como o crescimento de pelos e espinhas no queixo. Nada muito absurdo (os pelos e as espinhas), mas já perto do limite. 

      Minha dúvida é: Acredito que ele pare com o Stano (essa é a minha vontade). Pela experiência de vcs, essa será a hora de dar uma pausa no ciclo ou entrar com outra droga? Meu nutri me falou da Deca, porém realmente tenho medo de virilizar demais.

      Hoje o maior incômodo são os membros inferiores, onde ainda tenho bastante flacidez. Continuo treinando muito e com uma dieta digamos que 80%.



    • Por Saiyajin_orgulhoso
      Para um Jovem de 17 anos levantar 35KG na rosca direta e 3 repetições é uma boa quantia de força? Execução feita da forma correta sem roubos...
    • Por Kellysilva
      Olá, boa noite.
      treino há 6 meses e gostaria  de baixar meu percentual de gordura, queria que vocês me ajudassem com uma dieta onde eu possa diminuir essa porcentagem e ao mesmo tempo aumentar a massa muscular.
      minha dieta atual:
      *café da manhã 6:30
      2 fatias de pão integral 
      2 ovos fritos
      1 fatia de queijo coalho
      100ml de café 
      * lanche 9:30
      3 ovos cozidos 
      *almoço 12:30
      200g de frango grelhado
      100g de arroz branco 
      100g de feijão carioca cozido
      salada à vontade 
      *lanche e pré treino 15:30/16:00
      100ml de café 
      50g de tapioca 
      200g de peito de frango 
      *pós treino 
      3 ovos fritos
      * janta 21:00
      200g de peito de frango grelhado
      100 g de batata doce 
      salada a vontade 
      Água 2,5L no mínimo.
       
      altura 1,62
      peso 58kg
      bf 22%
       
      Nenhum problema de saúde ou histórico de doenças.
      nenhuma cirurgia, exceto cesariana.
      não faço uso de anticoncepcional ou qualquer outra medição.
      treino 5x/semana
       
       



    • Por fisiculturismo
      Falar em destreinamento (ou descondicionamento) para um aficcionado em musculação parece um tremendo absurdo. Pois saiba que o treinador Bryan Haycock, mentor do HST (Hypertrophy-Specific Training - em tradução livre: Treino Específico para Hipertrofia) defende um período de treinamento com o emprego de menos carga e até um período de destreinamento (SD - Strategic Deconditioning - em tradução livre: Destreinamento Estratégico).
      Para Bryan, o destreinamento estratégico é um período de tempo sem qualquer treinamento com pesos que seja longo o suficiente para reverter as adaptações do organismo ao treinamento de musculação. Ele defende que seja um período de 12 a 14 dias.
      E o destreinamento deve ser realizado a cada 6 a 8 semanas. Segundo Bryan, um estudo japonês realizado em animais (não pode ser realizado em humanos porque os músculos tinham que ser analisados ao final do estudo) demonstrou que o anabolismo muscular cai depois de um período de treinamento intenso, e que 12 dias de destreinamento seriam suficientes para retomar o estado anabólico, sem perda de massa muscular.
      O destreinamento não se confunde com recuperação muscular. A recuperação muscular se refere à recomposição do tecido muscular, que ocorre em no máximo 1 semana, e que não implica na recuperação da capacidade anabólica máxima.
      No destreinamento estratégico, os primeiros 7 dias implicam na recuperação muscular. Os 7 dias seguintes permitem que os músculos diminuam suas defesas contra o treinamento intenso. Os 14 dias sem treino são suficientes para para o descondicionamento muscular, mas não suficientes para perda significativa de massa muscular.
      Experimente esta estratégia ou princípio do HST nos seus treinos e comente os resultados.
      Fonte:
      HAYCOK, Bryan. Strategic Deconditioning. FLEX, pp. 108, maio de 2013.
Madrugão suplementos

Não jogue dinheiro fora

Compre suplementos bem mais baratos com o cupom de desconto do FISIculturismo.com.br

Clique aqui para obter seu cupom



×
×
  • Criar novo...