Jump to content

Search the Community

Showing results for tags 'vitamina d'.



More search options

  • Search By Tags

    Type tags separated by commas.
  • Search By Author

Content Type


Forums

  • Anabolizantes Esteroides
    • Tópicos sobre esteroides
    • Relatos de ciclos
  • Suplementos Alimentares
    • Tópicos sobre suplementação
    • Relatos de uso de suplementos alimentares
  • Treinamento de Musculação
    • Tópicos sobre treinamento
    • Lesões musculares
    • Diário de treino
  • Nutrição Esportiva
    • Tópicos sobre nutrição
    • Relatos sobre dietas
  • Gente
    • Tópicos de evolução do shape
  • Assuntos Diversos
    • Tópicos diversos

Calendars

  • Campeonatos de Musculação
  • Cursos, Palestras e Feiras

Categories

  • Esteroides
  • Suplementos
  • Treinamento
  • Nutrição
  • Gente
  • Diversos

Categories

  • Esteroides
  • Suplementos
  • Treinamento
  • Nutrição
  • Gente
  • Diversos

Categories

  • Aves
  • Bebidas
  • Carnes
  • Lanches
  • Legumes
  • Ovos
  • Massas
  • Peixes e Frutos do Mar
  • Saladas
  • Sobremesas

Categories

  • Abdominal
  • Antebraço
  • Bíceps
  • Costas
  • Coxa
  • Glúteo
  • Lombar
  • Ombro
  • Panturrilha
  • Peito
  • Pescoço
  • Romboide
  • Trapézio
  • Tríceps

Find results in...

Find results that contain...


Date Created

  • Start

    End


Last Updated

  • Start

    End


Filter by number of...

Joined

  • Start

    End


Group


Telefone Celular (WhatsApp)


Telefone Fixo


Interesses


Facebook


Instagram


YouTube


Twitter


Website


Tumblr


Série de Treinamento


Suplementação


Dieta Nutricional


Ciclos de Esteroides Anabolizantes & Drogas Afins


Academia


Altura


Peso


Percentual de Gordura

Found 2 results

  1. Encontramos muitas opções de suplementos no mercado, porém, alguns deles são os que consideramos de maior importância no processo de saúde, longevidade e, também, performance. Existe uma épica frase que diz assim: "que seu remédio seja seu alimento, e que seu alimento seja seu remédio", Hipócrates - pai da medicina moderna. Então devemos primeiramente, antes de pensar em remédio, pensar nos "remédios da farmácia de Deus", que são nossos alimentos. A cura e a prevenção da maioria das doenças está tudo na natureza que Deus criou. Lembrando que este artigo é informativo e de forma alguma tem a intenção de realizar alguma prescrição generalizada, o que seria incabível, antiético e sem sentido. Segue abaixo uma lista de alguns suplementos que consideramos essenciais para saúde, performance e longevidade. Magnésio Dimalato Pode ser manipulado na forma de Dimalato, que é uma forma quelada, deste mineral. Os minerais só são altamente biodisponiveis se ingeridos na forma quelada. Uma forma interessante é o ZMA, que é a junção de Zinco + Magnésio, contanto que seja de alta qualidade como o ZMA da @blackskullusa, por exemplo. O Magnésio é considerado um santo remédio. Remédio da farmácia de Deus, melhor antiarrítmico existente no planeta: bom para o cérebro; bom para combater dores; bom para fibromialgia; ajuda a prevenir diabetes; fortalece os ossos através da fixação de cálcio neles; ajuda a regular o potássio no corpo; rejuvenesce todo o organismo; diminui a insônia por regular o GABA no nosso sistema (ótimo se ingerido com glutamina); participa da regulação e formação do ciclo de Krebs; sintetiza a Glutationa, que é o antioxidante mais poderoso do seu corpo, e ele precisa de magnésio para sua formação; participa de mais de 300 funções bioquímicas do nosso corpo. Aproximadamente 80% das pessoas no mundo são deficientes de magnésio. As melhores formas apresentadas em forma de suplementos são magnésio dimalato, magnésio aspartato (fórmula do Zma @blackskullusa), treonato de magnésio, citrato de magnésio e cloreto de magnésio. Outro detalhe importante é que não adianta pedir magnésio sérico como forma de exame para deficiência do mineral. Esta base não é das melhores para identificar deficiência. Temos 9 possíveis sintomas de deficiência de magnésio, que são: cãibras nas pernas; insônia; dores musculares (fibromialgia); ansiedade; hipertensão; diabete tipo 2; fadiga; dores de cabeça (enxaqueca); osteoporose. A junção de zinco e magnésio também pode ser considerada uma combinação fantástica para estímulo natural de testosterona. Para aqueles que buscam melhora da disposição, melhora da qualidade do sono e melhor recuperação muscular. Este é um aliado que consideramos vital, não só para benefícios diretos citados acima, como também indiretos. Toda doença hoje tem algum grau de associação com deficiência de magnésio (Dr Normal Shealy, 2013, PhD, Neurocirurgião americano). DHA 500mg ou Ômega 3 1g Este é um maravilhoso suplemento que deve fazer parte da dieta de todas as pessoas. Porém, existem muitos ômega 3 de péssima qualidade no mercado. Para saber a qualidade, primeiramente, devemos avaliar o preço. Produtos que custam menos de R$ 75,00 a R$ 90,00 para 120 cápsulas dificilmente serão de alta qualidade. Outro marcador interessante é o cheiro. Se você abrir o pote e ele apresentar cheiro de peixe, provavelmente está altamente contaminado. Ômega 3 deve se ter sua encapsulação com altos padrões de qualidade e isso tem um custo, como citei acima. Estes ômega 3 baratinhos de farmácia são péssimos e ainda podem causar intoxicação com mercúrio, além, de gerar azia e refluxo. Portanto, tome estes cuidados para garantir os benefícios de melhora da saúde. O ômega 3 é excepcional para: fornecer ação anti-inflamatória; aumentar o sistema imune; melhorar a qualidade da pele; tem ação antitrombótica; inibe agregação plaquetária; promove a saúde cardiovascular; diminui as chances de alzheimer no futuro; dentre muitos outros benefícios. Iodo Lugol 5% Considerado um suplemento excepcional para aumentar a capacidade neuronal e cognitiva, saiba que você ingere metade do Iodo que seu pai ingeria no passado. Japoneses consomem 100 vezes mais iodo por dia que o brasileiro. É inquestionável a inteligência diferenciada dos japoneses. Hoje o solo é pobre e o iodo que utilizamos no sal é apresentado na forma orgânica, que pode ser cancerígena se consumida em excesso. Iodo deve ser consumido na forma inorgânica. "Ah, mas eu não tenho bócio", ok, não estamos discutindo saúde básica, sobrevivência, estamos discutindo sobre ter uma saúde de excelência que gere longevidade e menor risco de doenças futuras como câncer de mama, câncer de ovário ou câncer de próstata por exemplo, que são coisas completamente distintas. O Iodo é desintoxicante, desinfetante, elimina metais pesados, quela mercúrio, quela chumbo, quela cádmio, você não fica gripado, dentre outros benefícios. Existem vários livros médicos relatando esses benefícios como o Livro do Dr David Bronstein, maior especialista de Iodo e tireóide no mundo. E aqui no Brasil um livro muito interessante do Dr Juliano Pimentel. Pessoas com hipotireoidismo também podem se beneficiar com o uso conjunto de Lugol, selênio e zinco. Em muitos casos, pacientes que estão usando doses altíssimas de T4 sem que o problema da tireóide seja resolvido, podem usar conjuntamente com o tratamento medicamentoso estes três suplementos citados acima (Lugol, selênio e zinco). Eles podem auxiliar a tratar o problema, não deixando ativar o t3 reverso, e com muito menos t4 já se pode resolver o problema. Uma regra importante é que você necessita ingerir, juntamente com o iodo, o selênio, para garantir ótima absorção. Selênio Uma cápsula em jejum com Lugol 5% é excelente para regulação do sistema endócrino e coadjuvante no processo de absorção do Iodo (LUGOL 5%). A dose depende de cada pessoa. Benefícios: combate radicais livres; aumenta a imunidade; auxilia na prevenção de doenças cardiovasculares; auxilia na perda de peso; auxilia no trabalho nutricional de aumento de massa muscular. Vitamina D3 A dose individual depende do resultado dos exames sanguíneos. A deficiência de vitamina D é verificada em 97% dos brasileiros. Esta vitamina é considerada o melhor anticâncer existente no planeta. Procure manter altos no sangue os níveis de vitamina D, ele deve estar sempre acima de 50 nanogramas por ml, por isso, a necessidade dos exames, inclusive este dado está publicado na literatura. A vitamina D protege o organismo de 85% dos cânceres que você poderia eventualmente desenvolver. Ela deve ser consumida com algum tipo de gordura por ser lipossolúvel. Tomar sol também pode ser uma opção "natural" para aumentos dos níveis de vitamina D (necessita ser entre 12h e 14h, por 20 minutos por dia, com 70% do corpo descoberto). Vitamina K2 É a vitamina antienvelhecimento. Afirma-se que 80% das doenças cardíacas e morte súbita poderiam ser completamente evitadas se este nutriente não estivesse deficiente. Em uma semana sem ingesta já se encontra em deficiência. Anti-rugas, anticáries e anticâncer. É considerada a peça chave que estava faltando no quebra-cabeça da nutrição adequada. Excepcional captador de cálcio, removendo, por exemplo, uma calcificação da válvula aórtica e sinalizando para os ossos que é onde deveria estar diminuindo o risco de DCV e acabando com a osteoporose, duas doenças consideradas irmãs. Outro fator importantíssimo, e que deveria ser obrigatório, é o uso da combinação de vitamina K2 (carreador de cálcio, tirando da artéria e enviando pro osso), magnésio (auxilia o cálcio a segurar no osso) e vitamina D3 (garante melhor absorção do cálcio) em pessoas que estão suplementando com cálcio. E há derivados ainda melhores, como uma Whey Protein de alta qualidade, como é o caso da Whey Zero da @blackskullusa, onde cada 100g de produto fornece cerca de 600mg de cálcio altamente biodisponível. Essa medida garante que todos os benefícios possam ser desfrutados sem risco de osteoporose, DCV, morte súbita, AVC dentre outros problemas relacionados à calcificação de artérias por deficiência nutricional. Custos "”Ah mas essa suplementação é cara?". Isso depende do que você considera caro. Quem não investe em saúde hoje, investirá na doença amanhã. Vejo muitas pessoas gastarem R$ 200,00 a R$ 300,00 em uma festa para ficarem 2 a 3 horas. Pergunto: uma suplementação para 30 dias por menos de R$ 500,00 é cara? Caso sua saúde seja sua prioridade, não é caro. Vamos analisar a média em reais desse investimento por mês: vit D3; vit K2; magnésio dimalato; Lugol 5%; selênio; ômega 3 1g. Total deste investimento: R$ 250,00 por mês. Não são essas fórmulas manipuladas que custam R$ 2.000,00 a R$ 3.000,00 por mês como algumas pessoas pensam. Não são essas fórmulas caríssimas que são essenciais à saúde. É possível a suplementação para se ter saúde com produtos com preço infinitamente mais acessível. As formulações acima citadas podem ser inseridas na rotina nutricional por um custo baixo e são suficientes para a maioria das pessoas. Espero que tenham gostado do material apresentado. Para saber exatamente quais suplementos tomar e a posologia para prevenção, tratamento e manutenção da sua saúde, procure um nutricionista ou médico nutrólogo. Sigam no instagram: @clinicaortomecularbracca @rafaelbracca Referências bibliográficas: A.V da Costa. O magnésio e o que ele pode fazer por você. E. Thesaurus, 2010. Brasília, pág. 283. Alzheimer’s Association. Alzheimer’s facts and figures. https://www.alz.org/alzheimers-dementia/facts-figures Acetyl-L-Carnitine WebMD. Vitamins and Supplements. Acetyl-L-Carnitine. Accessed 5-14-14, https://www.webmd.com/vitamins-and-supplements/qa/what-is-acetyllcarnitine-alc Brownstein D. Clinical Experience with Inorganic Non-radioactive Iodine/Iodide. The Original Internist. 12(3):105-108, 2005. D’Amour P, Rousseau L, Hornyak S, Yang Z, Cantor T. Influence of Secondary Hyperparathyroidism Induced by Low Dietary Calcium, Vitamin D Deficiency, and Renal Failure on Circulating Rat PTH Molecular Forms. Int J Endocrinol. Finley JW, Bogardus, GM. Breast Cancer and Thyroid Disease Quart. Review Surg Obstet Gyn 17:139-147, 1960. Garcia-Solis Pand others. Inhibition of N-methyl-N-nitrosourea-induced mammary carcinogenesis by molecular iodine ([I.sub.2]) but not by iodide (I) treatment: evidence that [I.sub.2] prevents cancer promotion. Mol Cell Endocrinol2005;236:49-57. Ghent WR and others. Iodine replacement in fibrocystic disease of the breast. Can J Surg 1993;36:453-460. Henderson S. High carbohydrate diets and Alzheimer’s disease. Med Hypotheses 2004; 62:689- 700. Hollowell J. Use of Iodine for Water Disinfection: Iodine Toxicity and Maximum Recommended Dose. Environmental Healthy Perspectives, Aug 1, 2000. Institute of Medicine (US) Committee to Review Dietary Reference Intakes for Vitamin D and Calcium; Ross AC, Taylor CL, Yaktine AL, et al., editors. Dietary Reference Intakes for Calcium and Vitamin D. Washington (DC): National Academies Press (US); 2011 Jones G. Pharmacokinetics of vitamin D toxicity. Am J Clin Nutr. 2008;88(2):582S-6S. [Pubmed]. Johnson RJ et al. Potential role of sugar (fructose) in the epidemic of hypertension, obesity and the metabolic syndrome, diabetes, kidney disease, and cardiovascular disease. Kanazawa I, Tanaka K, Ogawa N, Yamauchi M, Yamaguchi T, Sugimoto T. Undercarboxylated osteocalcin is positively associated with free testosterone in male patients with type 2 diabetes mellitus. Osteoporos Int. 2013;24(3):1115-9. Khansari N et al. Chronic Inflammation and Oxidative Stress as a major cause of agerelated diseases and cancer. Recent Patents on Inflammation and Allergy Drug Discovery 2009, 3, 73-80. Kirmani S, Atkinson EJ, Melton LJ 3rd, Riggs BL, Amin S, Khosla S. Reltationship of testosterone and osteocalcin levels during growth. J Bone Miner Res. 2011;26(9):2212-6. Leaky gut and magnesium deficiency: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK507249/ Magnesium Therapy, by Patricia Ann Braun, M.D. http:// pbraunmd.org/magnesium.htm. Magnesium: The Nutrient that Could Change Your Life, by J.I. Rodale http://www.mgwater.com/rodtitle.shtml McCANN JC and AMES B. Vitamin K, an example do triage theory: is micronutrient inadequacy linked to diseases of aging? Am J Nutr 2009, Oct, 90(4): 889-907. McTiernan A and others. Incidence of Thyroid Cancerin Women in Relation to Known or Suspected Risk Factors for Breast Cancer. Cancer Research 47, 292-295, January 1, 1987. McCullough ML, Bostick RM, Daniel CR, Flanders WD, Shaukat A, Davison J, Rangaswamy U, Hollis BW. Vitamin D status and impact of vitamin D3 and/or calcium supplementation in a randomized pilot study in the Southeastern United States. J Am Coll Nutr. 2009;28(6):678-86. [PubMed]. Mercola J. Avoid This Food to Help Slow Aging. Mercola.com. February 22, 2012 http://bit.ly/S3Nf84. M.G. Enig. Know Your Fats: The Complete Primer for Understanding the Nutrition of Fats, Oils and Cholesterol. Bethesda Press, 2000, p. 106. Miller, DW. Iodine for Health, http://www.lewrockwell.com/miller/miller20.html. Miller, DW. Extrathyroidal Benefits of Iodine. Journal of American Physicians and Surgeons. Volume 11, Number 4, Winter 2006. Miller, DW. Iodine for Health. http://www.lewrockwell.com/miller/miller20.html. Ottoboni F and Ottoboni A. The Modern Nutritional Diseases. Second Edition. 2012. Chapter Ten : The Diet-Disease Connection; Chapter 12: Disease Prevention- the Shunned Science. Fernley, NV: Vincente Books. Reiman E, Kewei C, Alexander G, et al. Functional brain abnormalities in young adults at genetic risk for late-onset Alzheimer’s dementia. Proc Natl Acad Sci USA 2004;101(1):284-289. The dangers of magnesium deficiency in endurance athletes: https://www.healthline.com/nutrition/magnesium-deficiency-symptoms The Magnesium Miracle, by Carolyn Dean, M.D., N.D., Ballantine Books, 2007. Weaver CM, Heaney RP. 2006. Food sources, supplements, and bioavailability. In: WeaverCM, HeaneyRP, editors. Calcium & human health. Totowa , N.J. : Humana Press. 137 p. [Springer]. Zhang L and others. Nonradioactive iodide effectively induces apoptosis in genetically modified lung cancer cells. Cancer Res 2003;63:5065-5072. 50, Kiel, D.P., Kauppila, LI., Cupples, LA, Hannan, M.T., O'Donnell, C.J., Wilson and P.W. (2001). Bone loss and the progression of abdominal aortic calcification over a 25-year period: the Framingham heart study. Calcif Tissue Int 68:271-276. Erratum in: Calcif Tissue Int (2004) 74:208. 5l. McFarlane, S.l., Muniyappa. R. Shin, J.J., Bahtiyar: G. and Sowers, J.R. (2004), Osteoporosis and Cardiovascular Disease. Endocrine 23(l): l-l0.
  2. GANHOS MUSCULARES COM A VITAMINA D Por Hélcio Sabatella As vitaminas são normalmente associadas a funções de proteção e dão suporte à saúde geral e bem-estar. Por exemplo, a vitamina C tem propriedades antioxidantes que mitigam muitos efeitos negativos associados com o dano oxidativo em biomoléculas, tais como ADN dentro do corpo. A vitamina D é um pouco diferente. Como outras vitaminas, promove saúde-geral, mas também desempenha um papel ativo na promoção do crescimento e força muscular. A vitamina D é uma vitamina solúvel em esteróides semelhantes a gordura que funciona como um auxiliar pró-hormonal em muitos processos diferentes, tais como a absorção e o metabolismo do cálcio e do fósforo nos ossos. Além disso, baixos níveis de vitamina D que são predominantes em nós ocidentais correlacionam-se com diversas doenças, como câncer e doenças cardiovasculares. Algumas das propriedades na promoção muscular associadas à vitamina D, aparentemente vêm um pouco a partir da estrutura química similar entre a vitamina D e as moléculas de esteróides como testosterona. Estudos demonstraram que a vitamina D se pode ligar-se ao receptor androgênio, talvez imitando algumas das propriedades de reforço muscular da testosterona. A vitamina D pode também ligar-se e ativar o receptor D que regula diretamente a expressão de centenas de genes, com vários dos genes ligados por vitamina D diretamente envolvidos na geração do crescimento e da força muscular. AUMENTO DOS NÍVEIS DE TESTOSTERONA E RECEPTOR DE ANDRÓGENO Entre os genes regulados pela vitamina D, alguns parecem estar envolvidos na produção de testosterona. Um estudo realizado por Wehr investiga a relação entre os níveis de vitamina D e com a testosterona em mais de 2.200 homens. O estudo mostrou uma forte correlação entre estes níveis. O grupo com os níveis mais baixos de vitamina D tinha as medições mais baixas de testosterona, e o grupo com a maior quantidade de vitamina D possuía a mais testosterona. Curiosamente, Wehr também descobriu que níveis mais altos de vitamina D produzia menores quantidades do hormônio sexual da proteína de ligação (SHBG). A testosterona circula na corrente sanguínea ligada principalmente à SHBG e apenas uma pequena fração é livre, portanto, biologicamente ativa, onde ele pode ativar o receptor andrógeno. A vitamina D tem a capacidade de reduzir os níveis de SHBG o que vai dar lugar a uma maior atividade de testosterona. Assim, a vitamina D não só aumenta a produção de testosterona, mas também aumenta a atividade da testosterona, diminuindo influência inibidora da SHBG em função da testosterona. Uma vez que a produção de vitamina D pode ser se dá por exposição à luz solar, as diferenças na produção de vitamina D induzida por luz solar deve variar ao longo do ano. Assim, numa outra parte do presente no estudo, Wehr validou ainda mais a relação entre a vitamina D e a produção de testosterona por descobrir a estreita correlação entre os níveis de vitamina D e a produção de testosterona durante todo o ano. Os pesquisadores demonstraram que a produção elevada de vitamina D nos meses de verão acarretam num maior nível de testosterona, e vice-versa, durante os meses de inverno. Ao todo, este estudo destaca a capacidade da vitamina D para aumentar ou manter os níveis de testosterona. A pesquisa enfatiza a importância de consumir o suficiente de vitamina D na dieta, especialmente durante os longos meses de inverno, quando a exposição ao sol é diminuída e a necessidade de vitamina D a fim de estimular ou manter a produção de testosterona. Além de aumentar os níveis de testosterona, a vitamina D tem sido relatada por pesquisadores da empresa holandesa Organex . A investigação para estimular a atividade do receptor andrógeno em células musculares esqueléticas isoladas. O aumento do receptor de androgênico estimulado pela vitamina D promoveu a proliferação de células satélites do músculo em novas fibras musculares, o que pode conduzir a um aumento do crescimento muscular. Além da influência da vitamina D sobre o receptor de androgênio, os investigadores constataram que o esteróide anabólico decanoato de nandrolona (DECA) estimulou a expressão do receptor da vitamina D isolada nas células musculares e que a combinação de decanoato de nandrolona e vitamina D tinha uma sinergia esmagadora no efeito da conversão de células satélite em tecido muscular em células musculares esqueléticas isoladas. Estes resultados sugerem que o consumo de vitamina D juntamente com esteróides anabolizantes deve ser extremamente influente sobre o crescimento muscular. Além do mais, dado que os esteróides anabólicos tem efeitos colaterais negativos que são amplificados pelo consumo de grandes quantidades destes fármacos, a ingestão de doses menores de esteróides suplementadas com vitamina D deve mitigar alguns dos efeitos colaterais associados com o uso de esteróides, enquanto ainda estimular aumentos significativos no tamanho muscular e força. Em suma, a capacidade da vitamina D de aumentar a quantidade de testosterona e receptores de androgênio deve estimular poderosamente o crescimento muscular não só por iniciar a proliferação de células satélites, mas também por aumentar a síntese de proteínas no tecido muscular considerando que a testosterona e a função do receptor de androgênio cooperam ativamente para estimular a síntese de proteínas nas células musculares. ATIVIDADE ANTIAROMATASE De acordo com uma investigação feita por Krishnan A de vitamina D diminui consideravelmente a expressão da enzima aromatase nas células de gordura. Uma vez que a atividade da aromatase em células de gordura pode diminuir os níveis de testosterona por catalisar a conversão de testosterona em estradiol, um composto estrogênio, A vitamina D tem capacidade de diminuir a aromatase o que representa um outro mecanismo no seu arsenal para aumentar a testosterona. Além disso, os investigadores neste estudo mostraram que a vitamina D diminui a atividade da aromatase e os níveis em células da mama como a conhecida ginecomastia, que é um tipo de célula que normalmente expressa grandes quantidades em consequência da enzima aromatase. Esta constatação implica que as funções da vitamina D tem forma semelhante em seres humanos através da diminuição da quantidade e da atividade da aromatase. Além disso, os pesquisadores também investigaram a influência da vitamina D em combinação com inibidores da aromatase tais como Arimidex sobre a atividade da aromatase, também em células da mama humana isoladas. Curiosamente, os seus resultados mostraram que a vitamina D aumenta o efeito de inibidores de aromatase. Uma vez que alguns atletas e desportistas consumem inibidores da aromatase durante ciclos de esteróides anabólicos para evitar a conversão dos esteróides em estrogênio, a vitamina D em combinação com inibidores da aromatase deve diminuir a capacidade da aromatase em converter esteróides anabólicos para prevenir estrogénio assim alguns dos efeitos colaterais desagradáveis associados com uso de esteróides anabolizantes, como o desenvolvimento do tecido mamário, também conhecida como ginecomastia. Em conclusão, a vitamina D tem a poderosa capacidade de regular a expressão de genes específicos que estão intimamente envolvidos no crescimento muscular. Além disso, a maioria das pessoas parecem ter valores inferiores de vitamina D devido à inadequação dietética e uma falta de exposição à luz solar. Consequentemente, a vitamina D é, evidentemente, um complemento necessário e influente para o atleta, fisiculturista e levantador de pesos ou ganhar músculos e aumentar a força. ____________________________________________________________________________________________________________ O Hormônio-Vitamina D interfere com cerca de 3.000 genes associados a muitas doenças, diminuindo os seus riscos Até agora , os cientistas encontraram cerca de 3.000 genes que são regulados pela vitamina D, o que é notável quando se considera que o corpo humano tem apenas entre 20-25,000 genes totais. Pesquisadores da vitamina D continuam a encontrar benefícios para a saúde na vitamina D em praticamente todas as áreas que eles olham, incluindo: Câncer (mais de 17 tipos) Hipertensão Doenças cardíacas Autismo Obesidade Artrite Reumatoide Diabetes 1 e 2 Esclerose Múltipla Doença de Crohn Resfriados Doença Inflamatória Intestinal Tuberculose Doença de Alzheimer Infecção por MRSA Demência Defeitos de Nascença Esquizofrenia Infertilidade Melanoma (câncer de pele) Asma Depressão Osteoporose Doenças Autoimunes A vitamina D há muito que está associada ao bom funcionamento dos tecidos musculares e esqueléticos e à disponibilidade celular de cálcio. O cálcio é essencial para a contração muscular assim como é um mensageiro químico intracelular, com papel importante na atividade das mitocôndrias. Estas, para além de serem as “fábricas” de energia celular, estão envolvidas diretamente na saúde celular, como seja na co-regulação do seu ciclo de divisão (precisamente por mitose) assim como em processos de morte programada, ou apoptose. As mitocôndrias estão ainda envolvidas no nível de stress oxidativo a nível celular. Assim não é de estranhar a ligação dos níveis de vitamina D e um número grande de distúrbios que interferem com o estado de saúde e que podem originar doenças, mais ou menos graves ou mesmo mortais. Vários dados apresentados em estudos epidemiológicos publicados nos últimos anos têm associado a deficiência (menos de 20 ng/mL no sangue) ou insuficiência (entre 21-29 ng/mL no sangue) nos níveis sanguíneos de vitamina D com um risco acrescido no desenvolvimento de doenças cancerosas, autoimunes, infecciosas, diabetes tipo 2 e cardiovasculares. Agora, num artigo (DOI:10.1371/journal.pone.0058725) publicado on line na revista PLOS ONE nodia 20 de Março de 2013, cientistas do Centro Médico da Universidade de Boston, em Massachusetts nos Estados Unidos, apresentam pela primeira vez resultados que indicam que os níveis de vitamina D (especificamente o colecalciferol ou vitamina D3) têm um impacto direto sobre a expressão de muitos genes (291 genes foram investigados neste estudo) envolvidos em várias vias metabólicas que se sabe estarem associadas com o desenvolvimento de células cancerígenas, com doenças infecciosas e autoimunes, com doenças cardiovasculares. Assim este estudo dá um passo em profundidade na ligação entre os níveis presentes de vitamina D e os processos moleculares que estão na origem ou que estão envolvidos naquelas doenças. O estudo indica ainda que a manutenção de níveis suficientes de vitamina D desempenha um papel importante no robustecimento do sistema imunitário e na diminuição do risco em desenvolver aquelas doenças. Segundo Michael F. Holick, um dos líderes da investigação, «este estudo identifica marcadores moleculares que ajudam a explicar os benefícios da vitamina D na saúde dos sistemas não esqueléticos», e acrescenta que «enquanto muitos mais estudos são necessários para confirmar as nossas observações, os dados obtidos demonstram que manter os níveis recomendados de vitamina D pode ter um efeito marcante sobre a expressão genética nas células do nosso sistema imunitário e pode ajudar a explicar o papel da vitamina D na redução do risco para as doenças cardiovasculares, câncer, entre outras». Recorde-se que esta é a única vitamina que tanto pode ser ingerida através da dieta como sintetizada no organismo após exposição solar. Assim, aproveite o despertar da Primavera e reponha os seus níveis de vitamina D. Vai ver que se sentirá muito melhor. António Piedade Referência ao artigo: Arash Hossein-nezhad, Avrum Spira, Michael F. Holick.Influence of Vitamin D Status and Vitamin D3 Supplementation on Genome Wide Expression of White Blood Cells: A Randomized Double-Blind Clinical Trial. PLoS ONE, 2013; 8 (3): e58725 (DOI:10.1371/journal.pone.0058725) http://www.plosone.org/article/info%3Adoi%2F10.1371%2Fjournal.pone.0058725 ____________________________________________________________________________________________________________ QUANTO DE "VITAMINA D3" PRECISAMOS TOMAR? Por Ademir Lima Júnior Fúria Uma nova pesquisa constatou que as recomendações atuais de ingestão de vitamina D3 são muito baixas e que o peso corporal deve ser levado em conta para se determinar a dose adequada para cada indivíduo. O estudo foi realizado pela The Pure North S’Energy Foundation, uma ONG canadense que utiliza suplementos nutricionais baseados em evidências científicas, para a prevenção de doenças crônicas. Atualmente ela é a maior organização sem fins lucrativos do Canadá, focada na prevenção primária. Eles estudaram o efeito combinado da suplementação da vitamina D3 e do peso corporal sobre a vitamina D3 e o cálcio séricos em uma grande população, com 17.614 adultos saudáveis. Os participantes relataram a suplementação de vitamina D3 variando de 0 a 55.000 UI por dia e tinham níveis séricos variando de 4 a 157,6 ng/mL. Nenhum aumento no risco de hipercalcemia foi observado com o aumento da suplementação de vitamina D3. Os autores recomendam que as diretrizes clínicas para a suplementação de vitamina D3 sejam específicas para o peso normal, sobrepeso e obesos. Intervalo do IMC e Suplementação necessária para atingir níveis de 60 ng/mL Baixo peso (<18,5) -------------- 5.000 a 9.000 UI/dia Normal (18,5 a 24,9) ----------- 9.000 a 10.500 UI/dia Sobrepeso (25 a 29,9) --------- 12.500 a 14.000 UI/dia Obeso (30 a 35) ----------------- 19.500 a 24.000 UI/dia Excessivamente obeso (> 35) ---- > 20.000 UI/dia Eles concluíram dizendo: “As recomendações nacionais atuais sobre as doses de vitamina D3 são demasiadamente baixas para atingir níveis séricos de 25(OH)D acima de 60 ng/mL. Nossa pesquisa usou valores de doses para atingir níveis séricos alvos de 25(OH)D de 60 ng/mL, que são mais altos que o nível de ingestão tolerável pela Saúde do Canadá, de 4.000 UI/dia. Isso demonstra que a suplementação de vitamina D3 de pelo menos 15.000 UI/dia não representa um risco aumentado para efeitos adversos.” Fontes: http://www.plosone.org/…/info%3Adoi%2F10.1371%2Fjournal.pon… http://www.purenorth.ca/
×
×
  • Create New...