Fisiculturismo natural e hormonizado

Gabriel Ortiz
  • , 1.367 visualizações
Gostou? Compartilhe!

O Fisiculturismo natural é uma “modalidade” do Fisculturismo. Na minha opinião, a modalidade que deve representar os Jogos Panamericanos de Lima no Peru em 2019. Dessa forma, se tem maior segurança para, quem sabe, termos um futuro para o Fisiculturismo nas Olimpíadas.

Esse movimento ganhou força por volta da década de 90, com um intenso debate do congresso Americano sobre doping nos esportes. Na época, Ben Johnson - corredor canadense - e diversos outros atletas estavam sendo pegos nos exames antidoping. Contudo, o uso não se encontra apenas no velocismo, baseball, futebol americano ou outros esportes mais populares. O uso de drogas para performance é percebido até mesmo no xadrez e no tiro esportivo, com drogas específicas para baixar o batimento cardíaco, melhorar a concentração, etc.

Na época do turbilhão do debate antidoping, diversas revistas de renome, como a Muscular Development, começaram a lançar edições denominadas “Naturals”, falando sobre fisiculturismo natural, treino e dieta. Vários atletas também começaram a se intitular naturais, e então começaram a surgir diversas federações. Das mais importantes:

  • NGA - National Gyn Association;
  • WNBF - World Natural Bodybuilding Federation WNBF;
  • OCB - Organization of Competitive Bodybuilders;
  • NANBF - North American Natural Bodybuilding Federation;
  • IFPA - International Federation of Physique Athletes;
  • INBA - International Natural Bodybuilding Association;
  • INBF - International Natural Bodybuilding Federation;
  • ANBF - American Natural Bodybuilding Federation;
  • DFAC - Drug Free Athletes Coalition;
  • NPA - Natural Physique Association.

A principal diferença do Fisiculturismo natural para o Fisiculturismo tradicional é o uso do polígrafo, instrumento detector de mentiras por reações fisiológicas, batimentos cardíacos e outros testes de percepção. São feitos também exames de sangue e urina. Alguns campeonatos da IFBB e outras federações normais utilizam exames antidoping, mas são testes controversos e sem efetividade. Provavelmente, surgiram depois da morte de alguns fisiculturistas na década de 90, como Mohamed Benaziza, Andres Munzer, entre outros. Acredita-se que morreram pelo uso de diuréticos.

A maioria das federações sérias se baseia nas regras da WADA (Agência Mundial Anti Doping), que lança todo ano um guia das substâncias banidas, e realiza atualizações sobre doping. Todo atleta que queira ser natural deve acompanhar essas mudanças e analisar seus suplementos antes de ingerir, para não ser banido do fisiculturismo natural.

Existe um debate muito grande em torno do lapso de tempo aceito pelas federações de 7 (sete) anos sem ter usado nenhuma substância dopante. Existem atletas denominados “Lifetime” que são atletas que nunca utilizaram nenhum tipo de substância dopante, ou esteroides anabolizantes.

Algumas substâncias geralmente utilizadas por atletas e praticantes de musculação, dentre outras que são banidas são as seguintes:

Agentes anabólicos:

  1. Exógenos:
    1. Stanozolol (Winstrol);
    2. Oxandrolona;
    3. Trembolona;
    4. Pré e Pró-hormonais.
  2. Endógenos (quando administrados de forma exógena):
    1. Boldenona;
    2. Nandrolona (Deca);
    3. Testosterona e seus metabólitos e isômeros, dentre eles:
      1. DHEA;
      2. Epitestosterona;
      3. Indutores anabólicos presentes em suplementos.

Outros agentes anabólicos:

  1. Clembuterol;
  2. SARMS;
  3. Hormônios peptídeos, fatores do crescimento e substâncias correlatas:
    1. EPO - Eritropoitina;
    2. LH - Hormônio Luteinizante;
    3. GH;
    4. IGF-1;
    5. MCG;
  4. Beta-2 agonistas:
    1. Formoterol;
    2. Salbutamol.
  5. Hormônios de modulação metabólica:
    1. Inibidores de aromatase:
      1. Anastrozol;
      2. Letrozol.
    2. Moduladores seletivos de recepção de estrogênio:
      1. Tamoxifeno;
      2. Clomifeno.

Vários remédios pra asma são controlados. Broncodilatores devem ter um máximo permitido. Em listas antigas havia uma quantidade permitida de DHEA, mas isso foi encerrado.

Outros anti-estrogênicos, anti-aromatizantes, que a galera usa para fazer “TPC”, ou que alguns médicos prescrevem para tentar aumentar a testosterona de pacientes por outras vias também são banidos.

Insulina, diuréticos, vários estimulantes, anorexígenos, remédios pra emagrecer, drogas como cocaína e maconha, efedrina, anfetamina, vários remédios pesados para dores, pseudoefedrina (que contém em remédios para rinite) sibutramina, etc.

O DMAA, substância encontrada e banida dos pré-treinos também foi proibida. Atenção! Ainda é possível encontrar suplementos com DMAA. Substância extraída do gerânio.

A lista é longa, além dela ainda existe um programa de monitoramento de substâncias e geralmente um lapso de tempo aceitável quando uma substância é banida, você ainda pode baixar o aplicativo para fazer buscas de substâncias ou acessar: http://list.wada-ama.org/prohibited-in-competition/prohibited-substances/.

Os principais expoentes do Fisiculturismo Natural dividem-se em atletas mais pesados e com mais musculatura, e atletas mais leves e bem fibrados e definidos. Dos atletas mais pesados e os campões do “Natural Olympia” (existe um Mr. Olympia Natural realizado em Las Vegas todo ano pela federação PNBA/INBA filiada à WNBF) estão os atletas:

1. Phillip Ricardo Jr.

  • Status:  2015 Natural Olympia World Champ, 4 Time Natural Universe;
  • Peso: 82kg no palco;
  • Altura: 1,80;
  • Tempo de treino: Quase 30 anos;
  • Phillip Ricardo Jr (Meu amigo pessoal e fantástico atleta, maior número de títulos no Natural Olympia).

ricardo-junior.thumb.jpg.37f358ece7c951f

2. Kyoshi Moody

  • Status: 4x Mr. Natural Olympia;
  • Peso: 92kg;
  • Altura: 1,76.

kyoshi-moody.jpg

3. Doug Miller

  • Status; Títulos nas federações INBF, OCB e IFPA;
  • Peso: 85kg;
  • Altura: 1,75;
  • Perimetria: Quase 50cm de braço. Um dos melhores braços do Fisiculturismo Natural.

doug-miller.jpg

4. John Hansen

  • Status; 3x Natural Universe, 1x Natural Olympia;
  • Peso: 95kg;
  • Altura: 1,72;
  • Perimetria: 48cm de braço;
  • Tempo de treino: 20 anos competindo, entre 1979 e 2001;
  • Primeiro Natural Olympia.

john-hansen.jpg

5. Skip La Cour

  • Status: Competiu em federações não tão sérias como Musclemania, usava muita efedrina na época em que era permitida. Participou de competições sérias testadas também, ganhando alguns Universes. Competiu entre 1990 e 2002, fazendo várias capas de revistas;
  • Peso: 98kg;
  • Altura: 1,77.

skip-la-cour.jpg

6. Daveon Hill

  • Status;  2015 Teen and Collegiate National MW 2016 Jr USA ;
  • Idade: 21 anos.

daveon-hill.jpg

7. Layne Norton

  • Status: Bodybuilder PRO das federações IFPA e NGA;
  • Peso: Entre 88kg;
  • Altura: 1,78;
  • Perimetria: 44cm de braço, 64cm de coxa;
  • Melhor agachamento: 280kg;
  • Melhor terra: 318kg;
  • Supino: 175kg;
  • Recordista Mundial no Agachamento em 2005 pela IPF pesando 93kg, com 300kg.

layne-norton.jpg

Atletas naturais autoproclamados ou falsos naturais (fake ass natiies)

No crescente e rentável mundo fitness, começaram a surgir muitos “naturais” autoproclamados. Estes youtubers, ou modelos fitness, se dizem naturais apenas para proveito próprio. Para conseguir patrocínio de suplementos e venderem treinos e dietas na internet.

O mercado fitness rende muita grana, portanto, muita gente aí pela internet tenta tirar proveito da ingenuidade dos leitores. Jovens que acham que poderão ficar com o físico igual ao deles sem esteroides são iludidos pela falsa propaganda de saúde. Obviamente que as empresas que patrocinam essa galera não querem o nome aliado a drogas para performance. Principalmente as empresas de suplementos. Eles tentam esconder a verdade e induzem o consumidor a achar que pode ganhar 10kg de músculo apenas  com o produto que vendem.

Alguns nomes que posso citar de cabeça são:

  • Simeon Panda;
  • Ulysses Jr.;
  • Khali Muscle;
  • C.T Fletcher;
  • Jeff Seid;
  • Matt Oggus.

Esses pivôs da indústria fitness na verdade nunca competiram em federações sérias testadas, exceto por Jeff Seid que compete no Mens Physique IFBB em alto nível, mas não se trata obviamente de uma federação natural. Existem vários e vários outros que se intitulam naturais mas não competem em federações sérias. Existe ainda, uma federação que se intitula natural mas na verdade é uma das maiores farsas da indústria, e todos os atletas naturais sérios não competem nela: Musclemania.

Um atleta que desponta na Musclemania é o asiático Chul Soon, que teve alguns vídeos muito publicados na internet dançando na apresentação um misto de break dance e sei lá o quê. Nascido na Coréia do Sul, Hwang Chul Soon tem 1,78 de altura e em média 85kg. Ele compete na Musclemania desde 2009 e apenas nessa federação.

Naturais x hormonizados

Um atleta natural dificilmente irá ganhar o maior prêmio de um campeonato aberto, mas atualmente muitos naturais estão ganhando títulos expressivos, como Cleveland “The Truth “ Thomas, que ganhou o Mr. América recentemente. Vários atletas naturais estão se destacando e competindo em algumas competições regionais nos Estados Unidos pela federação NPC. Porém, um nível tão alto se aproximando de atletas que hormonizam é de se duvidar.

Um atleta natural deve prezar pelo seu treino, alimentação e descanso com muito mais cuidado, pois não está sintetizando proteína e recuperando seus tecidos no mesmo nível que atletas que estão usando drogas para performance. Alguns estudos indicam que atletas naturais devem dar estímulos mais frequentes aos músculos, treinando-os com mais frequência. Por outro lado, as alças musculares e músculos sinergistas (que auxiliam no movimento) podem ficar muito fadigados, e uma boa periodização e período de descansos tornam-se muito importantes para a evolução de um atleta natural.

Interessou-se pelo Fisiculturismo Natural? Aguardem os próximos vídeos com mais detalhes sobre a categoria e informações sobre treino e dieta que os naturais estão utilizando nos Estados Unidos.

Para entrar em contato comigo basta enviar uma mensagem privada por este site ou acessar minhas redes sociais:

  • INSTAGRAM:[email protected]_ortiz_nattybuilder
  • FACEBOOK: http://pt-br.facebook.com/GabrielOrtizNaturalBodybuilder
  • EMAIL:[email protected]
  • WEBSITE: http://www.revistaoferro.com.br

Álbum de Imagens (85)

  • https://fisiculturismo.com.br/uploads/monthly_2017_01/_PB21408wtmk_CWOIJWEGHO.JPG.36b147508696e25bfa1d78c1750c316f.JPG
  • monthly_2017_01/2007ocbyorton5451195223004.jpg.3f544d5b3641c30f524d4d796395ca9f.jpg
  • monthly_2017_01/2007ocbyortonAbsandtights.jpg.f965c191d5a1963bed3e6f88a7f15410.jpg
Gostou? Compartilhe!

Comentários


Muitas pessoas costumam perguntar se todo fisiculturista toma "bomba" ou se é possível ficar forte sem tomar esteroides anabolizantes, e assim por diante. A resposta para essas questões recorrentes é o fisiculturismo natural. Como bem colocado na matéria pelo atleta natural @Gabriel Ortiz, é sim possível ter um shape musculoso sem o uso de esteroides.

Todavia, os fisiculturistas naturais nunca vão atingir o volume muscular dos fisiculturistas hormonizados, ou que usam esteroides anabólicos. A decisão sobre usar ou não esteroides pode ser influenciada pelos exemplos de shapes dos fisiculturistas naturais. Muitos deles são infinitamente mais hipertrofiados do que novatos que optam pela harmonização antes de atingir o potencial genético.

Certamente não é a melhor escolha, correr riscos desnecessários. A decisão pela hormonização do corpo somente se justifica no caso de se desejar um shape acima dos limites genéticos, os quais somente são atingidos após muito treino de tempo e dieta.

Que o fisiculturismo natural possa trazer boas influências sobre os praticantes de musculação!

 

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Gostou? Compartilhe!

Ótima matéria... parabéns !!!

Esse fato chama muito a atenção nos dias de hoje, infelizmente :

"No crescente e rentável mundo fitness, começaram a surgir muitos “naturais” autoproclamados. Estes youtubers, ou modelos fitness, se dizem naturais apenas para proveito próprio. Para conseguir patrocínio de suplementos e venderem treinos e dietas na internet.

O mercado fitness rende muita grana, portanto, muita gente aí pela internet tenta tirar proveito da ingenuidade dos leitores. Jovens que acham que poderão ficar com o físico igual ao deles sem esteroides são iludidos pela falsa propaganda de saúde. Obviamente que as empresas que patrocinam essa galera não querem o nome aliado a drogas para performance. Principalmente as empresas de suplementos. Eles tentam esconder a verdade e induzem o consumidor a achar que pode ganhar 10kg de músculo apenas  com o produto que vendem."

Isso vem crescendo cada vez mais...e até mulheres modelos fitness vendem essa falsa imagem...

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Gostou? Compartilhe!

Infelizmente sempre existem oportunistas que pretendem enganar os incautos. De qualquer modo, parece que ficou bem claro que é sim possível a construção de um shape bacana sem o uso de esteroides, mas nunca um shape de Mister Olympia, que demanda anos de uso pesado de drogas esteroides. A matéria tira a ilusão e cria a chance de um sonho real. ?

Compartilhar este comentário


Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
Gostou? Compartilhe!


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta em nossa comunidade! É rápido, fácil e grátis!


Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.


Entrar agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Patrick Assis
      Treino a 2 anos, 1,80cm, não sei medidas de braço nem bf.. to fazendo off pra secar depois, pretendo subir mens ou muscular physique
      unicas cosias que usei; suplementos (whey,bcaa,gluta,massa) anabol-5 (pro-hormonal, 1 cx, 120 tablets)
      insta: P_assis1 



    • Por muscleatomic
      Comecei meu primeiro ciclo da vida, nunca tinha ciclado nem nada, pois tinha muito medo. hoje completado 6 anos de treino e bem informado, montei meu protocolo para 12 semanas fazendo assim um cruze para assim não precisar de tpc, ou seja aumentando as doses aos poucos e depois diminuindo aos poucos para assim a produção endógena ir aumentando aos poucos e sobrepor a quantidade exógena ao final do ciclo, qualquer coisa até la aumento as semanas. e por precaução fazerei uso de tamox ou anastrazol para assim evitar aromatização e não dar ginecomastia, ainda estou analisando para a partir da 4 semana, criei esse post com objetivo de ajudar a galera que nunca ciclou e  também a ir acompanhando os relatos que semanalmente irei publicando ao  poucos.
      1º semana >> 1ml (segunda)
      2º semana >> 1ml (segunda)
      3º semana >> 1ml (segunda)
      4° semana >> 2ml (1ml segunda e 1 ml na quinta)
      5° semana >> 2ml (1ml segunda e 1 ml na quinta)
      6º semana >> 2ml (1ml segunda e 1 ml na quinta)
      7º semana >> 2ml (1ml segunda e 1 ml na quinta)
      8° semana >> 2ml (1ml segunda e 1 ml na quinta)
      9° semana >> 1,5ml (1ml segunda e 0,5 ml na quinta)
      10°semana >> 1,5ml (1ml segunda e 0,5 ml na quinta)
      11°semana >> 1ml (segunda)
      12º semana >> 1ml ( segunda)
    • Por fisiculturismo
      É bem sabido que o treinamento com pesos na musculação estimula a produção natural de hormônios anabólicos ou anabolizantes pelo corpo. Existem algumas técnicas de treinamento que podem estimular ainda mais essa produção natural de hormônios, inclusive da testosterona.
      O planejamento das variáveis do treinamento com pesos tem reflexo direto na produção hormonal. Por exemplo, tempos maiores de descanso entre as séries aumentam a produção natural de testosterona (e de massa muscular), enquanto que tempos menores de descanso implicam na maior produção do hormônio do crescimento (GH) (e de definição).
      A seguir, apresentaremos algumas variáveis do treinamento e as respectivas respostas hormonais pelo organismo.
      Exercícios Multi-articulares
      Os exercícios multi-articulares estimulam maior produção natural de testosterona pelo corpo, comparando-se com exercícios não multi-articulares ou isolados. São exemplos de exercícios multi-articulares: agachamento, levantamento terra, supinos e levantamento olímpico. São exemplos de exercícios isolados: extensão de tríceps e burrinho (panturrilha).
      Cargas Elevadas
      Quanto maior a carga ou peso empregado no exercício, maior será a estimulação da produção natural de testosterona. Baseie-se na técnica do 1RM (defina como carga 85 a 95% do peso com o qual você consegue executar uma única repetição com movimento perfeito) e adote séries com aproximadamente 6 a 8 repetições com carga máxima, para fadigar a musculatura em cada série.
      Maior Intervalo entre as Séries - Foco na Testosterona e Hipertrofia
      Quanto maior for o intervalo adotado entre as séries, maior será a produção natural de testosterona. Um estudo científico observou a produção de testosterona em séries de agachamento e supino com intervalos entre 60 (sessenta), 90 (noventa) e 120 (cento e vinte) segundos. A maior liberação de testosterona ocorreu com o intervalo de 120 (cento e vinte) segundos.
      Menor Intervalo entre as Séries - Foco no Hormônio do Crescimento (GH) e Definição
      Quanto menor for o intervalo adotado entre as séries, maior será a produção natural de hormônio do crescimento (GH). O GH é necessário para a síntese protéica, recuperação dos tecidos e queima de gordura. O mesmo estudo mencionado no item anterior revelou que o intervalo de 60 (sessenta) segundos é o que resultou maior liberação de hormônio do crescimento (GH).
      Treinamento com Ênfase na Fase Excêntrica
      Dar ênfase na fase excêntrica do treinamento com pesos implica em maior liberação de GH. Um estudo avaliou a produção natural do hormônio do crescimento comparando um treinamento tradicional (mesma carga na fase excêntrica - movimento a favor da gravidade - e na fase concêntrica - movimento contra a gravidade) e um treinamento com ênfase na fase excêntrica.
      Foram avaliadas as respostas do treinamento de agachamento e supino. O treino tradicional era de 4 (quatro) séries de 6 (seis) repetições com aproximados 52,5% de 1RM. O treino de ênfase excêntrica consistiu em 3 (três) séries de 6 (seis) repetições com aproximados 40% de 1RM para a fase concêntrica e 100% de 1RM para a fase excêntrica.
      Foi significativamente maior a liberação de GH no treinamento de fase excêntrica, e houve melhor resposta de lactato no pós-treino para este tipo de treinamento.
      Portanto, o treinamento com ênfase na fase excêntrica é melhor para definição. Todavia, a execução desse tipo de treinamento é mais difícil, e, normalmente, demanda um parceiro de treino ou um personal trainer.
      Lembre-se que a ênfase na fase excêntrica no treinamento não precisa se dar apenas pela alteração da carga, como se deu no estudo mencionado acima. A execução do exercício com maior tempo na fase excêntrica também serve para enfatizá-la, e provoca maior hipertrofia pela maior liberação natural de hormônios, principalmente o GH, o IGF-1 (fator de crescimento similar à insula) e o MGF (ou IGF-1Ec).
      Treinar com Correntes ou Elásticos
      Os músculos são mais fracos quando estão próximos da contração máxima de movimento. Por isso, a adoção de correntes ou elásticos para aumentar a carga do exercício no momento em que há mais força para execução é uma técnica que é adotada por alguns fisiculturistas aumentar a hipertrofia.
      Não há estudos específicos que revelem maior liberação hormonal pelo emprego dessas técnicas, no entanto, há muitos estudos que indicam que o aumento da hipertrofia aumenta a liberação natural de GH. Logo, treinar com correntes ou elásticos pode aumentar a liberação do hormônio do crescimento.
      Isometria
      Pausas isométricas no treinamento aumentam a tensão instramuscular e elevam a liberação natural de IGF-1. Por exemplo, no supino, você pode segurar a barra quase encostada no peito por 4 (quatro) segundos em cada repetição.
      Treino com Pirâmide Crescente e Descrescente Intercaladas
      A variação do treinamento com técnicas estilo pirâmide (variação de carga e repetição dentro de uma mesma sessão de treinamento) influencia na regulação dos receptores androgênicos e aumenta a resposta da testosterona no organismo. Use pirâmides crescentes e pirâmides decrescentes intercaladas, colocando ainda mais carga na pirâmide crescente posterior.
      Repetições Forçadas
      Um parceiro de treino ou um personal trainer é essencial para se adotar esse tipo de treinamento. As repetições forçadas, após a fadiga, com a ajuda de um terceiro, aumentam a produção natural de GH  e de IGF-1. Foi realizado um estudo avaliando o exercício de agachamento realizado até a fadiga e realizado com repetições forçadas com a ajuda de um parceiro de treino.
      No estudo, o número de repetições foi definido em 12 (doze). O treinamento de repetições forçadas consistiu em 8 (oito) repetições até a fadiga e mais 4 (quatro) repetições com auxílio ou forçadas. No treinamento sem repetições forçadas, deveriam ser realizadas 12 (doze) repetições até a fadiga, sem ajuda.
      O treinamento com repetições forçadas promoveu maior liberação natural de testosterona. Constatou-se que o exaurimento quase que absoluto das fibras musculares pelas repetições forçadas implicou no aumento da síntese protéica por até 72 (setenta e duas) horas após o treino.
      Exaurimento Final
      Findo o treino, outra técnica que pode ser adotada para aumentar a resposta hormonal natural do organismo são exercícios para exaurimento ou esgotamento final. Para promover esse exaurimento você pode combinar as técnicas de pausas isométrica e ênfase na fase excêntrica dos movimentos. Essa promoção de exaurimento final eleva a produção natural de IGF-1 e MGF.
      Por exemplo, para exaurir completamente a musculatura dos braços (num treinamento de bíceps), faça barra fixa com a pegada supinada e a pegada fechada. Suba o corpo até que se forme um ângulo de 90 (noventa) graus no cotovelo e segure a posição por 30 (trinta) segundos. Desça lentamente, e faça quantas repetições conseguir (até não sobrar força alguma nos braços). Use caneleiras se necessário.
      Conclusão
      O aumento dos hormônios anabólicos ou anabolizantes pode se dar naturalmente, pelo treinamento com pesos. Utilize as variáveis do treinamento para aumentar a sua hipertrofia ou definição muscular. As técnicas indicadas nesta matéria dificilmente poderão ser inseridas numa única sessão de treinamento. Planeje com seu professor ou personal trainer as melhores técnicas para cada grupamento muscular, e, também, para o seu programa de periodização de treino. Aproveite ao máximo cada sessão de treinamento na academia!
       
      Fontes:
      7 Smart Ways to Boost Your Testosterone 6 Ways to Increase Testosterone With Exercise All Natural: What Are the Best Protocols to Naturally Increase Hormone Response, Such as Testosterone, with Weight Training?  
    • Por Canutov
      Eu tenho 35 anos, e treino sério faz uns 15 anos. Meu treino é basicamente calistenia e lutas, mas eu fiz longos períodos de musculação também. Sou adepto radical do fisiculturismo natural. Tomo o mínimo de suplementos e minha alimentação é muito disciplinada.
      Sou um cara com estrutura grande, e estava estabilizado por muitos anos em torno dos 90-95kg, com bf=9%. No início de 2016, resolvi começar um esforço para mudar de patamar de peso, que quero estabilizar em 105kg-110kg. Daí comecei um bulking em março, com meta de 103kg (ganho de 10kg), sem subir o bf demais. O resultado foi bom, e eu atingi essa meta em 8 meses (totalmente limpo, só com whey). Ao invés de começar o cutting, resolvi esticar o bulk até 110kg.
      Minha meta é atingir esses 110kg até março, e depois um cutting para voltar a 105kg. Meu treino será exclusivamente funcional: calistenia, elástico, barra fíxa, e exercícios isométricos. Durante o bulking, vou manter uma atividade aeróbica bem moderada, com corrida leve uma vez por semana. Durante o cutting, vou acrescentar treinos de jiu-jitsu três vezes por semana. A suplementação será apenas com whey protein e uma dieta bem planejada.
      Minhas medidas iniciais (24/11/2016)
      Peso: 103kg (de manhã, em jejum) --> 7kg até a meta final
      Altura: 188kg
      Bf: 14%
      Biceps: 51cm (esquerdo) e 50cm (direito)
      Antebraço: 40cm (frio)
      Perna: 71cm (frio)
      Panturrilha: 44cm
      Tórax expandido: 130cm
       
      Como tá para ver nas fotos, com esse bf de 14% a definição não está muito boa, mas eu fiquei muito mais forte (sinto isso nos treinos de jiu). Tomara que a força não caia muito no cutting.


       

    • Por Alan Azevedo
      Organização: Clube Santista de Halterofilismo
      Chancela: IFBB Brasil
      Data: 10 de Dezembro de 2016
      Local: Mendes Convention Center
      End: Av. Francisco Glicério – 206 – Gonzaga – Santos/SP
      Pesagem: 08:00 às 12:00 hs
      Inscrições: R$ 150,00
      Filiação: R$ 150,00
      Passaporte: R$ 50,00
      Abertura dos Portões ao público: 08:00hs
      Início do evento: 13:00hs
      Ingresso: R$ 40,00
      CATEGORIAS:
      *Sênior Masculino
      Até 70kg - Até 80kg –Até 90kg – Até 100kg e Acima de 100kg
      *Master única
      *Junior única
      *Culturismo clássico única
      * Men´s Physique até 1,74 m e Acima de 1,74 m
      *Bodyfitness única
      *Bikini fitness única
      * Wellness até 1,63 m e Acima de 1,63 m
       
       
       

       
       

  • Matérias Recentes