Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Melhor água ou leite no shake pós-treino de whey?



Melhor água ou leite no shake pós-treino de whey?

Num estudo de 2007, verificou-se que o leite hidrata melhor do que água ou do que bebidas esportivas. O leite é rico em nutrientes e funciona melhor como pós-treino (ou como base para um shake protéico) do que a água.

Colocando-se 2 copos de leite num shake de whey, teremos 24 g de carboidratos e 16 g extras de proteína, dos quais 80% é caseína (cerca de 13 g).

A pesquisa mostra que, após os treinos, quando se ingere caseína com whey, melhora-se o crescimento muscular, e que se bebendo leite aumenta-se a síntese de proteínas, que é justamente o que faz os músculos crescerem.

Além disso, o leite aumenta os níveis de insulina no pós-treino, que é exatamente um dos seus objetivos, não é?!

Então, beba leite após treinar!


Fonte: BROWN, Jordana. Water Vs. Milk, Revista Flex, março de 2010, pp. 116.

ou para curtir

Publique seu conteúdo como colaborador


Comentários

Comentários Destacados

O leite não diminui o tempo de absorção da proteína? Se a proteína hidrolisada ou isolada é mais indicada para o pós treino em relação à concentrada justamente porque sua absorção é mais rápida, por quê tomar com leite? Essa informação do post não me convenceu!!!

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
  • Administrador

Estudo de 2007, fonte de 2010.

Não encontro disponível em lugar algum esse artigo, sou do meio científico e tá difícil de acreditar !

Fonte: BROWN, Jordana. Water Vs. Milk, Revista Flex, março de 2010, pp. 116. Infelizmente a revista não cita expressamente a fonte do estudo. 

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta em nossa comunidade! É rápido, fácil e grátis!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora

  • Conteúdo similar

    • Por fisiculturismo
      Existem muitos estudos sobre a ingestão de Whey Protein no pós-treino que indicam que quantidades superiores e 20 gramas não trariam qualquer benefício em termos de síntese protéica.
      No entanto, existem poucos estudos nos mesmos moldes envolvendo a ingestão de carne vermelha. Um estudo envolvendo 35 homens de meia idade foi realizado para analisar a ingestão de 0g, 57g (12g de proteína), 113g (24g de proteína) ou 170g (36g de proteína) de carne vermelha (com 15% de gordura).
      Quando houve a ingestão de 170g de carne a síntese protéica foi mais elevada, resultando em maior anabolismo. Ao contrário dos estudos envolvendo a Whey Protein, onde se encontrou um limite de 20g para efeitos anabólicos, no caso da carne, quanto maior o consumo, maior o efeito anabólico (respeitado o limite do estudo de 36g).
      Acredita-se que a menor quantidade de leucina na carne (1.7g), em comparação com a whey (8g), seja o motivo dos efeitos positivos de doses maiores.
      Fonte:
      Beef Up!. FLEX, pp. 114, maio de 2013.
    • Por fisiculturismo
      Durante muitos anos os musculadores têm sido bombardeados com a ideia de que shakes de proteína devem ser ingeridos com maltodextrina ou outros carboidratos (dextrose ou waxy maize) para aumento da insulina e da síntese protéica.
      A insulina poderia estimular a síntese protéica e os carboidratos juntamente com a insulina reduziriam o catabolismo.
      O problema é que diversos estudos têm refutado essas ideias já sedimentadas no imaginário dos fisiculturistas e musculadores.
      Para testar se a teoria de que os "carboidratos são anabólicos", cientistas submeteram indivíduos ao consumo de:
      10g de aminoácidos essenciais (EAA); 10g de aminoácidos essenciais (EAA) + 30g de sacarose (CHO); 10g de aminoácidos essenciais (EAA) + 30g de alanina (ALA); Por que um grupo de estudo com alanina? Estudos recentes sugerem que o consumo de alanina antes e durante exercícios prolongados conservam os carboidratos e aumentam o metabolismo de proteína.
      Os pesquisadores verificaram que a insulina aumentou após 30 minutos nos três grupos de estudo e ficou elevada nos grupos que consumiram EAA + CHO e EAA + ALA. No entanto, não houve aumento de síntese proteíca nesses grupos, comparados com o grupo que só ingeriu EAA.
      Isso quer dizer que os carboidratos não aumentam a síntese protéica, logo, basta um bom suplemento protéico no pós-treino, sem a necessidade de maltodextrina, dextrose ou waxy maize. Experimente e dê a sua opinião!
      Fonte:
      Are Carbs Anabolic? FLEX, pp. 118, maio de 2013.
    • Por fisiculturismo
      Os suplementos alimentares de protéina são os mais vendidos no mercado, e isso não ocorre por acaso: eles funcionam! A dose normalmente recomendada de ingestão de proteínas (para aumento de massa muscular) de 1,2g de proteínas por dia por quilo corporal pode não ser suficiente segundo novos estudos (aproximadamente 96g por dia num indivíduo de 80kg).
      Alguns fisiculturistas acreditam que conseguem suprir toda sua necessidade de proteínas pela dieta, porém, um estudo publicado no American Journal of Clinical Nutrition relata que a dieta por si só pode não ser suficiente, havendo necessidade de suplementação.
      Os pesquisadores descobriram que suplementos de proteína podem trazer ganhos superiores de massa muscular de até 38% e ganhos superiores de força de até 33%, em comparação com dietas sem o uso de suplementos de proteína.
      Foram examinados diferentes tipos de suplementos de proteína (whey, caseína, albumina, etc) e eles foram consumidos antes e depois do treino de musculação. Foram fornecidos aproximadamente 50g a mais de proteínas em dias de treinamento, tanto para indivíduos que consumiam suplementos, quantos para aqueles que não os consumiam.
      Os indivíduos que consumiram suplementos de proteína tiveram maior ganho de massa muscular.
      Os pesquisadores concluíram que o consumo de 50g de proteínas provenientes de qualquer tipo de suplemento alimentar do gênero (além das proteína normais da dieta hiperprotéica) parece ser uma medida eficiente para o aumento de massa muscular.
      Fonte:
      Protein Power! FLEX, pp. 128, maio 2013.
    • Por Fábio Moura Veras
      A boa notícia foi veiculada no Nutrition Journal para quem toma suplementos de proteína e tem intolerância a lactose. É sabido que o preço de proteínas de soro de leite tem aumentado nos últimos anos e a tendência é de encarecimento contínuo.
      Felizmente, existem também as proteínas de origem vegetal, tais como a proteína de arroz.
      Neste momento, a proteína do arroz é mais cara do que o soro de leite, mas dentro de cinco anos, será mais barata.
      E se você usar a proteína de arroz da maneira certa, você pode obter os mesmos resultados que você teria com a proteína de soro de leite, como revelaram pesquisadores da University of Tampa numa recente publicação no Nutrition Journal (The effects of 8 weeks of whey or rice protein supplementation on body composition and exercise performance).
      The effects of 8 weeks of whey or rice protein supplementation on body composition and exercise perf.pdf
    • Por fisiculturismo
      Já faz um bom tempo que o ilustre desconhecido Félix Bonfim bombou na internet apresentando laudos de whey que demonstravam que os produtos forneciam mais ou muito mais carboidratos do que o prometido nos rótulos, e, às vezes, muito menos proteínas. Isso nos motivou, em setembro de 2013, a sugerir que o INMETRO regulasse o mercado com um selo de qualidade (Selo do INMETRO para Suplementos Alimentares).
      Há pouco tempo, foi a vez da entidade PROTESTE apresentar laudos de whey, mais uma vez apontando divergências entre os rótulos e os produtos entregues por diversas marcas, inclusive marcas tidas como de excelente qualidade no mercado (PROTESTE Avalia Whey Protein e Reprova Muitos Suplementos).
      E agora, finalmente, a ANVISA deu as caras e decretou a proibição de venda de lotes de diversas wheys, cujas análises da própria agência reguladora revelaram que os rótulos estavam sendo falseados, isto é, os valores nutricionais anunciados não eram entregues pelos produtos.
      Segue a lista de lotes de whey proibidos pela ANVISA:
      Super Nitro Whey NO2 – American Line Suplements  3W – Fast Nutrition Whey Protein Optimazer – Cyberform Whey NO2 Pro Baunilha – Pro Corps Whey NO2 Pro – Pro Corps Whey 5W Pro – Pro Corps Ultra Pure Whey Isolate Whey - Nutrilatina Age Superior Extreme Whey Protein - Solaris Extreme Whey Protein – Solaris 100% Ultra Whey – Ultratech Supplements Bio Whey Protein – Performance Whey NO2 Creatine - Peter Food 100% Whey Xtreme – X-Pharma Super Whey 100% Pure – IntegralMedica Super Whey 3W – IntegralMedica Fisio Whey Concentrado NO2 - Fisio Nutry Designer Whey Protein - D.N.A. Muscle Whey Proto NO2 - Neo Nutri Whey Protein 3W – D.N.A. Isolate Whey – Neo Nutri Nossa maior decepção foi com a whey isolada da Nutrilatina AGE, que é considerada uma marca de excelente qualidade. Infelizmente não tivemos acesso aos laudos para saber o motivo exato das proibições, tais como percentual de erro na informação sobre carboidratos e na informação sobre proteínas. Consta informação no sentido de que algumas wheys apresentavam até soja em sua composição, o que não era informado no rótulo.
      Faça sua parte, compartilhe essas informações para prevenir a compra de produtos da baixa qualidade e para forçar a indústria a oferecer produtos honestos.
      Fonte: Anvisa proíbe a venda de 20 tipos de Whey Protein, Correio Braziliense.
Sinedrol

Emagreça rápido sem passar fome!

Conheça o suplemento que tem feito grande sucesso nas redes sociais com vários relatos de emagrecimento

Clique aqui para conhecer



×
×
  • Criar novo...