Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Dietas de baixo carboidrato podem gerar doença no fígado



Dietas de baixo carboidrato podem gerar doença no fígado

Quase dois terços dos americanos estão acima do peso ou obesos. Muitas dessas pessoas desenvolvem resistência à insulina e diabetes tipo 2, o que aumenta o risco de doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA).

O aumento de gordura no fígado leva à inflamação e ao deficiente processamento metabólico de gorduras, carboidratos e proteínas.

Um diagnóstico inicial da esteatose hepática é feita a partir do elevado número de enzimas hepáticas. Uma revisão da literatura por pesquisadores da University School of Medicine, em Whashington, St. Louis, concluiu que o baixo teor de carboidratos da dieta cetogênica pode causar DHGNA.

No entanto, os efeitos dessas dietas são mínimos sobre a função do fígado se feitas a curto prazo.

Fontes: Current Opinion Clinical Nutrition & Metabolic Care, 15: 374-380, 2012 e Revista Muscular Development, janeiro/2013, pg. 76.

ou para curtir

Imagens anexadas

Publique seu conteúdo como colaborador


Comentários

Comentários Destacados

Em 01/06/2017 em 12:12, igor crespo disse:

Boa Tarde amigos.

Sou novo aqui e preciso de ajuda tenho 106 kg e meço 1.70 alt. preciso perder no mínimo 25 kg, me recomendaram entrar numa academia e tomar suplemento kimera com l- carnetina.

Será que alguém pode me dar uma ajuda?

 

Antes do suplemento, sugiro consultar um nutricionista, que tal investir o dinheiro que gastaria nesse suplemento em uma consulta com um profissional para orienta-lo adequadamente?

Na maioria das vezes o mais importante é verificar seus exames de sangue, ajustar uma atividade física e uma dieta! Lembre : não existe milagre! Então busque ajuda profissional e assuma os riscos de ter uma vida melhor! Conte comigo na caminhada!

Elissa Amaral da Cunha 

Nutricionista e Master Coach

ou para curtir

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites
7 horas atrás, Lucas Félix Costa disse:

Isso vale para ciclos de carboidratos? Assim como muitos fisiculturistas, astethics strongmen eu uso pouco carbo para dormir (30g oriundos de 150g de amendoim) e preencho as outras calorias na gordura do requeijão e do azeite.

Depende do carb cycling e da atividade física que estiver fazendo. Eu não gosto de requeijão pelo processo inflamatório no intestino, o amendoim também contém bastante Omega 6, e em excesso acaba ocasionando um desequilíbrio nas gorduras boas e gerando um processo inflamatório no corpo. Inflamação no geral pode dar acne, inchaço, retenção, prisão de ventre, dentre outros sintomas como gripes e resfriados e até mau humor pois um intestino em disbiose atrapalha a fabricação de  serotonina. Nesse caso, sugiro variar as castanhas, e colocar abacate como fonte de gordura. O açaí puro e o coco puro também são alternativas! 

Abraços!

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites


Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta em nossa comunidade! É rápido, fácil e grátis!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora

  • Conteúdo similar

    • Por Fábio Moura Veras
      Sim, o açúcar pode estragar seu organismo, e fará isso lentamente, como qualquer droga ilícita!
      E não ache que por ser açúcar mascavo, frutose ou mel isso significa fim dos problemas.
      O estado de alerta, o gasto de energia e o centro de recompensa do cérebro são reprimidos quando comemos açúcar.
      Uma rede de transmissores no cérebro responde à comida que você come, e se você comer carboidratos, especialmente doces, a rede é inibida, diminuindo o consumo de energia e te deixando lerdo(a).
      Por exemplo, a sinalização de dopamina é reduzida de forma que você sinta menos prazer e queira mais doces, enquanto que o hormônio leptina, que suprime a fome e a saciedade, não são elevados.
    • Por fisiculturismo
      Durante muitos anos os musculadores têm sido bombardeados com a ideia de que shakes de proteína devem ser ingeridos com maltodextrina ou outros carboidratos (dextrose ou waxy maize) para aumento da insulina e da síntese protéica.
      A insulina poderia estimular a síntese protéica e os carboidratos juntamente com a insulina reduziriam o catabolismo.
      O problema é que diversos estudos têm refutado essas ideias já sedimentadas no imaginário dos fisiculturistas e musculadores.
      Para testar se a teoria de que os "carboidratos são anabólicos", cientistas submeteram indivíduos ao consumo de:
      10g de aminoácidos essenciais (EAA); 10g de aminoácidos essenciais (EAA) + 30g de sacarose (CHO); 10g de aminoácidos essenciais (EAA) + 30g de alanina (ALA); Por que um grupo de estudo com alanina? Estudos recentes sugerem que o consumo de alanina antes e durante exercícios prolongados conservam os carboidratos e aumentam o metabolismo de proteína.
      Os pesquisadores verificaram que a insulina aumentou após 30 minutos nos três grupos de estudo e ficou elevada nos grupos que consumiram EAA + CHO e EAA + ALA. No entanto, não houve aumento de síntese proteíca nesses grupos, comparados com o grupo que só ingeriu EAA.
      Isso quer dizer que os carboidratos não aumentam a síntese protéica, logo, basta um bom suplemento protéico no pós-treino, sem a necessidade de maltodextrina, dextrose ou waxy maize. Experimente e dê a sua opinião!
      Fonte:
      Are Carbs Anabolic? FLEX, pp. 118, maio de 2013.
    • Por fisiculturismo
      Somente quem está fazendo uma dieta restritiva em carboidratos (low carb) sabe o quanto o humor fica pessimamente alterado, além de ser evidente a queda no desempenho físico.
      A cafeína é bem conhecida como uma substância capaz de aumentar a performance nas atividades físicas por reduzir o grau subjetivo de fatiga e esforço.
      Um grupo na Griffith Universy In Australia estudou se a cafeína poderia superar a queda de performance dos indivíduos sujeitos a dietas restritivas em carboidratos.
      Foram analisadas pessoas em dietas restritivas em carboidratos e pessoas em dietas sem restrição de carbo. Além disso, dentro de cada grupo, algumas pessoas receberam uma pequena dose de cafeína (3mg por kg de peso corporal - ex. um indivíduo de 80 kg receberia 240mg) ou um placebo. Todos realizaram exercícios de alta intensidade.
      Os pesquisadores descobriram que os indivíduos que ingeriram cafeína tiveram aumento de performance, seja no grupo em dieta restritiva em carboidratos, sejam em dieta não restritiva.
      Os indivíduos em dieta restritiva em carboidratos não tiveram o mesmo desempenho daqueles em dieta sem restrição, mas a cafeína ajudou a melhorar a performance física.
      Concluíram os cientistas que a cafeína pode aumentar a performance física independentemente da concentração de glicogênio nos músculos, mas ainda assim não seria capaz de equiparar o desempenho do indivíduo em dieta restritiva em carbo com o indivíduo em dieta sem restrição.
      Fonte:
      Carb-Free Focus: Caffeine Enhances Performance onLow-Carb Diets. FLEX, pp. 128, maio de 2013.
    • Por Vladimir Viktorovitch
      Quando estão próximos da competição, os atletas seguem uma dieta de baixo teor de carboidratos. Uma pesquisa revelada pela Revista Flex mostrou que dieta com restrição de carboidratos e alto nível de proteínas e gorduras pode baixar a imunidade.
      A análise foi feita com queimados de incêndio. Os que seguiam dieta de baixo teor de carboidratos tiveram maior incidência de pneumonia em comparação aos que não restringiam carboidratos, nem proteínas, nem gordura.
      Embora o estudo se circunscreva a quadro de vítimas de incêndio, serviu para mostrar que a restrição de carboidratos pode reduzir a imunidade.
      Por isso, é recomendável que o atleta utilize suplemento de apoio à imunidade se aderir à dieta de restrição de carboidratos.
      Fonte: Revista Flex, abril 12. Referência a B. Masters et al., Cochrane Database System Revue 2012.
Madrugão suplementos

Não jogue dinheiro fora

Compre suplementos bem mais baratos com o cupom de desconto do FISIculturismo.com.br

Clique aqui para obter seu cupom



×
×
  • Criar novo...