Jump to content
amomar13

Tamoxifeno aumenta em 90% o risco de trombose?

Rate this topic

Recommended Posts

Tá correto sim, só acho exagero dizer que aumenta em 90%.

O exato mecanismo através do qual os estrógenos atuam promovendo ativação da coagulação ainda não foi elucidado. Ações sobre fatores da coagulação, inibidores da coagulação e frinólise foram observadas. Os estrógenos ocasionam aumento da trombina e da fibrina, redução do fibrinogênio, redução de inibidores da coagulação (como anti-trombina, proteína C e inibidor do fator tecidual) e também ações sobre a fibrinólise, como redução do inibidor do ativador do plasminogênio.

Moduladores seletivos dos receptores estrogênicos, como o tamoxífeno e o raloxifeno, possuem efeitos antiestrogênicos em tecido endometrial e mamário e são utilizados no tratamento do câncer de mama. No entanto, esses compostos possuem efeitos estrogênicos na coagulação, aumentando o risco de tromboembolismo venoso.

Quem já possue trombofilias (heredidárias ou adquiridas), pode ter chances aumentas em até 4 vezes.

Mais informações em:

http://falandosobrecancer.com.br/tamoxifeno/

Share this post


Link to post
Share on other sites

Exatamente, no entanto o uso em doses normais em indivíduos sãos e não fumantes é bem determinada como sendo segura, mesmo a longo prazo...

Corrigindo o primeiro parágrafo do to texto

O exato mecanismo através do qual os estrógenos atuam promovendo ativação da coagulação ainda não foi elucidado. Ações sobre fatores da coagulação, inibidores da coagulação e frinólise foram observadas. Os estrógenos ocasionam aumento da trombina e da fibrina, redução do fibrinogênio, redução de inibidores da coagulação (como anti-trombina, proteína C e inibidor do fator tecidual) e também ações sobre a fibrinólise, como redução do inibidor do ativador do plasminogênio.

A palavra correta é fibrinólise... De qualquer maneira, ótima resposta...

Ahh, não leve em consideração 90%, isso não existe... O que ocorre é um agravamento.. Se vc é são e não apresenta roblemas de coagulação, não fuma, e está com seus niveis de colesterol, glicemia e triglicérides sob controle, não há grande coisa a temer... 90% é pura especulação... Abração...

Lembre-se que os estrogenios contidos em pilulas anticoncepcionais apresentam o mesmo efeito, e vc já viu algum caso de trombose venosa profunda ou coagulação disseminada em usuárias de anticoncepcionais? O maior problema é em pacientes pos operatorios sendo de-heparinizados ou gestantes... De resto, tudo ok...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Tb Acho que foi uma excelente resposta.

Mas discordo do Pharmabio (p/ variar) sobre os pequenos riscos dos contraceptivos orais nas mulheres. Acho que os riscos não são pequenos não.

Podem chegar até 4x ao de mulheres não usuárias de pílulas.(1) E parce que mesmo os mais recentes ainda não eliminam esse problema.(2)

Outro ponto de relevância é a viagem aérea como fator de risco para mulheres usuárias de contraceptivos orais. (3)

Mas qto aos homens existe um estudo em que 24 homens participaram durante 3 anos. 1 teve Trombose profunda, o que marca 4.2% (4)

(1) Clin Appl Thromb Hemost. 2003 Apr;9(2):125-30.

Changes in prescription patterns of oral contraceptives in a northern Italian province: relation with venous thromboembolism.

Girolami A, Spiezia L, Vianello F, Girolami B, Fabris F.

University of Padua Medical School, Department of Medical and Surgical Sciences, Padua, Italy. fabvian@unipd.it

Oral contraceptives (OC) are a definite risk for venous thrombosis. It is commonly accepted that they cause a fourfold increased risk of thrombosis compared to non-users. The prescription patterns were evaluated from 1990 to 2000 in a northern Italian province (province of Padua). This province is typical of other northern Italian provinces. As a consequence, it can be safely assumed that the observations gathered may apply to the entire north of Italy. During these years, a sharp increase in the use of OC was noted. Furthermore, around 1995 to 1996, a marked switch toward the use of preparations containing third-generation progestins was noted. During the past few years of the observation period, approximately 80% of women use preparations containing third-generation progestins. During the same period, an increased incidence of episodes of venous thromboembolism (VTE) was noted. The increase in the prevalence of VTE episodes appeared to be proportional to the increased use of OC, regardless of the type of progestin contained in the oral contraceptive preparations.

(2) Lakartidningen. 2003 Sep 25;100(39):3050-2.

[Venous thromboembolism and combined oral contraceptives. Reported adverse reactions indicate at least similar risk with the most recent contraceptive pills]

[Article in Swedish]

Kieler H, Persson I, Odlind V.

Lakemedelsverket, Uppsala. Helle.Kieler@mpa.se

Rare adverse drug reactions (ADRs) to combined oral contraceptives (COCs), such as venous thromboembolism (VTE), are seldom disclosed until a COC has been on the market for some time. Two new COCs, Yasmin and Cilest have recently been launched in several European countries with expectations of being safer than older COCs. Utilising data from spontaneous reporting of ADRs to the Medical Products Agency in Sweden and sales data, VTE incidence for Yasmin and Cilest was estimated and compared with VTE incidence for a second (Follimin) and a third generation (Desolett) COC. The reported VTE incidence for Yasmin and Cilest was higher 4.6, and 3.7 per 10,000 users per year, respectively than the corresponding VTE incidences for Follimin and Desolett of 1.9 and 2.9 per 10,000 users per year, respectively. The differences were, however, not statistically significant. We conclude that the risk of VTE associated with the most recent COCs is at least similar to that of older COCs.

(3)Arch Intern Med. 2003 Dec 8-22;163(22):2771-4.

Risk of venous thromboembolism after air travel: interaction with thrombophilia and oral contraceptives.

Martinelli I, Taioli E, Battaglioli T, Podda GM, Passamonti SM, Pedotti P, Mannucci PM.

Angelo Bianchi Bonomi Hemophilia and Thrombosis Center, Istituto di Ricovero e Cura a Carattere Scientifico, Maggiore Hospital, University of Milan, Milan, Italy.

BACKGROUND: Conflicting data are available on air travel as a risk factor for venous thromboembolism. To our knowledge, there are no studies investigating whether individuals with thrombophilia and those taking oral contraceptives are more likely to develop venous thromboembolism during flights than those without these risk factors. PARTICIPANTS AND METHODS: The study sample consisted of 210 patients with venous thromboembolism and 210 healthy controls. DNA analysis for mutations in factor V and prothrombin genes and plasma measurements of antithrombin, protein C, protein S, total homocysteine levels, and antiphsopholipid antibodies were performed. RESULTS: In the month preceding thrombosis for patients, or the visit for controls, air travel was reported by 31 patients (15%) and 16 controls (8%), with an oddsratio of 2.1 (95% confidence interval, 1.1-4.0). Thrombophilia was present in 102 patients (49%) and 26 controls (12%), and oral contraceptives were used by 48 patients and 19 controls (61% and 27% of those of reproductive age, respectively). After stratification for the presence of air travel and thrombophilia, the odds ratio for thrombosis in individuals with both risk factors was 16.1 (95% confidence interval, 3.6-70.9). Stratification for the presence of air travel and oral contraceptive use gave an odds ratio of 13.9 (95% confidence interval, 1.7-117.5) in women with both risk factors. CONCLUSIONS: Air travel is a mild risk factor for venous thromboembolism, doubling the risk of the disease. When thrombophilia or oral contraceptive use is present, the risk increases to 16-fold and 14-fold, respectively, indicating a multiplicative interaction.

(4) Cancer. 1994 Jul 1;74(1):74-7.

Tamoxifen administration is associated with a high rate of treatment-limiting symptoms in male breast cancer patients.

Anelli TF, Anelli A, Tran KN, Lebwohl DE, Borgen PI.

Department of Surgery, Memorial Sloan-Kettering Cancer Center, New York, New York 10021.

BACKGROUND. Although an uncommon disease, male breast cancer (MBC) will be responsible for 300 deaths in 1993 in the United States. Because of the high rate of estrogen receptor positivity in males, adjuvant hormonal therapy with tamoxifen in the adjuvant setting has been used widely. Little is known about the side effects of this estrogen receptor blocker in males. METHODS. The authors evaluated the side effects of adjuvant tamoxifen treatment in 24 patients (19 of whom were estrogen receptor positive) treated at the authors' institution between 1990 and 1993. RESULTS. Fifteen (62.5%) patients reported at least one side effect. The most common side effect was a decrease in libido, which occurred in 7 (29.2%) patients; followed by weight gain, which occurred in 6 (25%) patients; hot flashes, which occurred in 5 (20.8%); mood alterations, which occurred in 5 (20.8%); depression, which occurred in 4 (16.6%); insomnia, which occurred in 3 (12.5%); and deep venous thrombosis, which occurred in 1 (4.2%). Five (20.8%) patients terminated treatment with tamoxifen in less than 1 year because of these side effects. Two of these patients had decreased libido, two had hot flashes, and one suffered deep venous thrombosis. CONCLUSIONS. In contrast to female breast cancer patients, who have a 4% attrition rate to adjuvant tamoxifen treatment, MBC patients have a 20.8% attrition rate related to side effects of tamoxifen treatment.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Legal, friedman, não tinha esse dado. a prevalencia realmente é muito superior à que eu esperava. Claro que temos de considerar a presena de agravantes como cirurgias e a sindrome de voo economia, entre outros, mas ainda assim, não achava que chegaria a um indice tão alto. 4.7 pra 10000 chega a ser um absurdo. É motivo de sobra pra suspender a utilização. o protocolo internacional poe sob observação quaisquer medicamentos com prevalencia de 1/35000, imagina nessa faixa.

De qualquer modo, valeu pela nova informação.

Share this post


Link to post
Share on other sites

fala amigos,valeu pelas respostas só vi hj pq estava viajando,bom conclusão aumenta mesmo o risco mas somente pouco menos de 5% logo é um risco calculado,maior que o pharmabio pensava mas não chega nem perto de 90% bom se um dia eu for para o japão,australia etc de avião eu nem tomo rsrs mas pra evitar as tetoides durante o ciclo,eu vou continuar usando já que to sem verba para o arimidex que é unanimidade,abraço a todos

Share this post


Link to post
Share on other sites
dansf disse:
desculpem a ignorancia mas oq eh trombose ?

Dá uma lida nesse pedaço de um site da internet...

"Apesar de muita gente nem saber como ocorre o problema, a TVP é uma doença complexa que pode trazer sérias complicações quando não tratada de forma rápida e adequada. Trata-se de um coágulo - também chamado de trombo – que se forma no interior das veias, obstruindo a circulação do sangue.

Sabemos que quando nos cortamos nosso organismo reage rapidamente fechando os vasos sanguíneos do local do ferimento com a formação de um coágulo visando estancar o processo de perda sanguínea. Quando o processo de formação de coágulos nas veias se dá de maneira patológica, ou seja, sem necessidade, caracteriza-se o quadro de Trombose Venosa Profunda (TVP).

A principal conseqüência da TVP é a Embolia Pulmonar. Esta ocorre quando um pedaço do trombo (coágulo) que se formou no interior das veias profundas da perna se desprende e atinge os vasos sanguíneos dos pulmões. Dependendo do volume que se desprendeu e da área atingida, a pessoa pode falecer"

fonte:

http://saude.gov.br/saude-de-a-z/trombose-causas-sintomas-diagnostico-tratamento-e-prevencao

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.


  • Similar Content

    • By Mestre
      Não vou entrar no mérito da questão novamente sobre SERM(Moduladores Seletivos do Receptor de Estrogênio) e ficar aqui dizendo uma coisa bem batida atualmente que é o fato de que Tamoxifeno e Clomifeno podem ser usados na TPC para recuperação do eixo HPT, e dizendo que MSRE é uma classe de substancias que conta com vários outros MSRE´s e citando o nome dos demais. Pois isso eh uma coisa que já falo a mais de 10 anos e confesso que já estou um pouco cansado disso.
       
      A intenção desse texto é apenas tentar quantificar a intensidade de ação do Clomifeno e do Tamoxifeno no corpo do homem.
       
      Cheguei até a ver citações sobre uma possível diferença que existiria na ação do Clomifeno em Homens se comparado às Mulheres, e que a eficiência do Clomifeno na mulher para incremento de LH e FSH seria superior do que nos Homens, e por isso que Clomifeno é indicado no tratamento terapêutico em mulheres, e que para o tratamento de Hipogonadismo em homens, o ideal seria mais voltado terapeuticamente ao uso do Tamoxifeno.
       
      Mas não foi isso que um Estudo no tratamento de Hipogonadismo em homens conduzido com Clomifeno apontou, pois é relatado uma resposta normal ao Clomifeno, e seu uso em baixas doses por longo prazo(~60 dias) leva à normalização androgênica e melhora visível no aumento da produção de Testosterona1.
       
      Outro fator que se discute sobre Tamoxifeno e Clomifeno, é que a dosagem do Clomifeno eficaz no homem para recuperação do eixo HPT seria superior a do Tamoxifeno, e desta forma acabaria sendo mais vantajoso o uso do Tamoxifeno. E até podemos relacionar a dose eficaz na TPC de 40mg de Tamoxifeno com doses de 150mg de Clomifeno. E de fato na comparação miligrama por miligrama p Tamoxifeno se torna mais vantajoso.
       
      Mas lendo um estudo2 conduzido em um paciente que apresentava testosterona total (TT) de 316ng/dl, onde após ter sido submetido a apenas 25mg de Clomifeno/dia por 60 dias, onde esse paciente após os 60 dias de tratamento teve um aumento significativo de Testosterona, me fez repensar um pouco essa ideia anterior de que eh necessário uma dose mais alta de Clomifeno para fazer o mesmo efeito que uma dose menor de Tamoxifeno faria.
       
      Nesse mesmo estudo2, um paciente com TT de 280ng/dl onde foi administrado nele Tamoxifeno 20mg/dia por 30 dias, e ao final dos 30 dias o paciente já apresentava também um aumento significativo de Testosterona.
      Portanto baseado nessas informações acima, dá mesmo a impressão que o Tamoxifeno foi mais eficiente.
       
      Não estou aqui afirmando nada que Tamoxifeno é melhor que o Clomifeno para essa função ou vice-versa, e estou apenas tentando ilustrar melhor essa história, apresentando para isso referências de pesquisas e estudos de veracidade.
       
       EFEITOS COLATERAIS
       
      Vou citar abaixo alguns colaterais, e vou pegar os colaterais dessas substâncias que eu mais observo sendo citado pelas pessoas. Mas claro que pegando a bula dessas medicações, veremos um infinidade de outros colaterais. 
       
      Sobre os efeitos colaterais do Clomifeno
       
      É normal vermos comumente sendo citado pelas pessoas como efeitos colaterais do Clomifeno, Depressão e Alterações Visuais como Embaçamento Visual e Fotofobia.
       
      Algumas pessoas apontam a Depressão como colateral mais inconveniente do Clomifeno, já outras pessoas tendem a achar mais problemáticos os problemas relativos à visão, onde alguns afirmam que esses problemas de visão se acontecerem seriam irreversíveis, mas outras fontes apontam para o fato de que esses problemas visuais desaparecem rapidamente após a descontinuação do Clomifeno3. Salvo a raríssimas exceções onde a continuidade do tratamento com Clomifeno após o aparecimento de problema visual foi continuada por muito tempo; nesse quadro aconteceram algumas raras ocorrências de dano irreparável3.
      Mas segundo fontes, o raríssimo dano irreparável da visão é plenamente possível de ser evitado, se a pessoa descontinuar o uso do Clomifeno ao primeiro sinal de problema visual3.
       
      Sobre os efeitos colaterais do Tamoxifeno
       
      Vou citar também os colaterais do Tamoxifeno que mais vejo comentado, e um deles que também traz assim como o Clomifeno, são problemas visuais e também Tromboembolismo Venoso.
       
      Na parte visual oque pode acarretar o uso do Tamoxifeno, que segundo pesquisas ocorre em 10% dos casos do uso é a catarata onde a pessoa começa ter uma visão embaçada e turva. A Catarata ocorre quando a "lente" dos olhos que é utilizada para dar foco na luz da retina fica embaçada, e esse efeito colateral é bastante comum no uso do Tamoxifeno4.
      Mas devemos também salientar, que esse colateral ocorre em mulheres se tratando de câncer de mama, onde o uso de Tamoxifeno é bem prolongado, e não sei se no uso mais breve que se faz dele na TPC isso ocorreria tbm numa incidência de 10%.
      Com relação ao Tromboembolismo Venoso, os SERMS aumentam o risco de Tromboembolismo Venoso, uns mais e outros menos.
       
      Vou comparar aqui os dois SERMS que mais pegam nessa parte de Tromboembolismo Venoso, que são o Tamoxifeno e o Raloxifeno(que também pode ser usado na TPC).
      O Aumento na incidência nos casos de Tromboembolismo Venoso no comparativo, é de aproximadamente 3 vezes relativo ao Raloxifeno, e de 7 vezes se considerarmos o Tamoxifeno5,6.
       
      Sendo que essa incidência maior de Tromboembolismo Venoso por parte do Tamoxifeno, pode estar associada aos já executados tratamentos oncológicos em pacientes com câncer de mama, que pode ter distorcido esses números e creditado ao Tamoxifeno um maior potencial de Tromboembolismo Venoso5,6.
      Os SERMS tem sim o potencial de aumento de Tromboembolismo Venoso, inclusive o Clomifeno também pode causar tais efeitos, mas citado em algumas literaturas em menor escala que o Tamoxifeno e o Raloxifeno5,6.
      Considerações Finais:
      Como eu já citei acima, a ideia desse texto nem é ficar apontando para as pessoas qual é melhor ou pior para determinada função, e sim apresentar dados com referências, para que as pessoas com posse desses dados possam ter algo para formar um própria consciência do assunto.
      Colocando um resumo das pesquisas aqui apresentadas em humanos com Tamoxifeno e Clomifeno, podemos concluir também que ambos recuperaram a produção endógena de Testosterona dos pacientes, a diferença é que o Clomifeno fez isso em 60 dias com 25mg, enquanto o Tamoxifeno fez isso em 30 dias com 20mg.
      Elaborado por Mestre fórum FISIculturismo
      Referências:
      1- Guay AT, Bansal S, Heatley GJ. Effect of raising endogenous testosterone levels in impotent men with secondary hypogonadism: Double blind placebo-controlled trial with Clomiphene citrate J Clin Endocrinol Metab 1995
       2- Arq Bras Endocrinol Metab 2000;44/5: 440-444
       3- Bula do Clomid fabricado pela Medley Industria Farmacêutica Ltda.
       4- Alice Adler PhD e nbsp Senior- Scientist Emerito Schepens Eye Researc Institute Massachusets Eye and Ear- Harvard Medical School
      5- MEIER CR, JICK H. Tamoxifen and risk of idiopathic venous thromboembolism. Br J Clin Pharmacol. 1998
      6- PLU-BUREAU G, Hormonal contraception and risk of venous thromboembolism: When to ask for an asessment of hemostasis Which parameters Ginécologie Obstétrique & Fertelité 2008

    • By GEMEOSLIMA
      Bom dia Marombas.
      Willys, 29 anos, 1,71, 84kg, malho desde 2006 (13 anos)
      Vamos lá, estou vindo de uma parada de treinos e dietas a 2 anos.
      Estou a 1 mes em dieta e baixei o BF para 13%
      Pensando em competir estreantes ano que vem se tudo ocorrer bem até abril. (Secar e corrigir os pontos fracos)
      Anexo, os exames laboratoriais.
      Fechei com um atleta e treinador  pra ver se em 6 meses monto a armadura, rs! Segue o protocolo passado por ele:
      Enantato 250mg 2x semana 
      Primabolan 100mg 3x semana
      Oxandrolona 10mg 2x ao dia 
      Anastrozol 1mg todo dia ( Estradiol deu elevado 57 pg/ml)
      Estarei deixando o treino e dieta em anexo.
      5200259_65347.76066.234723.36392248.pdf
    • By Marcos120120
      Fala galera 
      Queria uma informacao..
      Um ciclo feminino feito assim.
      Ciclo de 12 semanas!
      Ox 30 mg semanal
      Bold 100 mg semanal
      Sabendo que ciclo feminino oxandrolona  x bold, devemos diminuir as dosagens conforme o fim do ciclo ' essa seria 'basicamente a tpc da mulher.!
      No caso quando isso não é feito de ir duminuindo as dosagem haverá  colaterais como queda de libido,baixo auto estima  entre outros.
      Qual seria uma tpc ideal nesse caso de libido?  Clomid com tamoxofeno? Qual dosagem?
    • By Hawkins
      Oi pessoal,
       
      Estou fazendo meu segundo ciclo de Testo com Oxan e gostaria de uma opinião sobre IA. O ciclo é de 8 semanas, sendo:
      1-2: 40 mg Oxan + 150 mg testo Gel pentravan tsd
      3-8: 60 mg Oxan + 150 mg testo gel pentravan tsd
       
      O médico me receitou Anastrozol 1mg/sem, 1x a semana, como IA, mas ao invés de usá-lo (impactando diretamente meu E e fazendo ele variar mais que pipa no vento) to pensando em usar Tamoxifeno. Não tenho tomado o anastro pq não to sentindo nenhuma sensibilidade e realmente não queria mexer no meu E diretamente. 
       
      O que acham? Alguém pode me ajudar com uma recomendação?
      Outra coisa, fumante usar tamoxifeno é muito muito arriscado? Posto isso, reconsidero tomar Tamoxi e fico no anastrozol?
       
      Valeus!
       
       
       
    • By JefersonBlado
      Oi pessoal, boa noite, eu queria a ajuda de vcs. Fiz meu primeiro ciclo de deposteron. Fiz um ciclo curto, já que foi o meu primeiro. Fiz o ciclo de 4 semanas, uma ampola por semana. A última aplicação foi dia 15 de fevereiro. Devo fazer alguma tpc? Qual fazer?
      obrigado 
×
×
  • Create New...