Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Como "empilham" alguns Anabolizantes e o Histórico da Meia-Vida - Atualizado 23/03/2015


Mestre
 Compartilhar

Post Destacado

Definição de Meia Vida Plasmática: Meia vida Plasmática(T1/2) – É o tempo que um fármaco leva para se reduzir a metade, exemplo: - 100mg de um Fármaco de 8 horas de Meia Vida Plasmática, leva 8 horas para se tornar 50mg1.

Chegar a um consenso exato da meia-vida de um éster, é algo já ha muito tempo discutido, mas podemos partir para exemplificar pela quantidade de átomos de carbono do éster, e quanto maior a quantidade de átomos de Carbono do éster, maior será a tendência da sua meia-vida ser mais longa.
 
Acetato 2 carbonos
Propionato 3 carbonos
Enantato 7 carbonos
Cipionato 8 carbonos
Decanoato 10 carbonos
Undecilenato 11 carbonos
 
Existia uma antiga formula do Bill Roberts, que me lembro dela de meados dos anos 2002, que multiplicava-se o número de átomos de Carbono por 1,5. E isso foi regra durante muito tempo, e usávamos isso mesmo seguindo à risca.
 
Mas essa regra, caiu em questionamento, em meados de 2004. O texto abaixo, eu lembro ter sido postado pela primeira vez no Brasil por um colega do fórum, que era usuário aqui e tinha o nick Kusanagi, e esse texto contradiz a teoria do Bill Roberts; hoje esse texto rola em vários lugares da Internet:
 
"Simplesmente porquê as tabelas anteriores eram com base na teoria de um famoso escritor sobre esteroides o Bill Roberts, que formulou anos atrás que para saber a meia-vida de um esteroide era apenas multiplicar a quantidade de carbonos do éster por 1.5, ou seja, o propionato de testosterona que tem três carbonos no éster teria então 4,5 dias de meia vida e o decanoato (10 carbonos) de testosterona teria 15 dias. Infelizmente seu metabolismo não sabe matemática, nem essa fórmula que parece ser simples, mas não funciona na prática. Então essa tabela é totalmente ultrapassada já que hoje já se tem estudos “in vivo” para quase todas as drogas existentes no mercado, tendo valores muito mais confiáveis do que os propostos na teoria do Bill Roberts."
 
Após isso, começou-se aceitar Meia-Vida menor, em meados de 2004 nos forums de musculação do Brasil, abaixo tem algumas delas:
 
"Propionato 2 dias;
Decanoato 7 dias;
Cipionato de testosterona 6 dias;
Enantato de testosterona 5 dias."

 
Mas não existe um consenso sobre isso atualmente, pois por exemplo, podemos citar o próprio laboratório Sigma Pharma que produz o Deposteron(Cipionato), que coloca a informação na Bula, de que a Meia-Vida seria de aproximadamente 8 dias.
 
Mas com isso, podemos usar para nos basear, sobre o fato de empilhar, pois a concentração do fármaco ingerido entrar em estado de equilíbrio no corpo(Css), somente quando empilhar mesmo.
 
Quanto maior a Meia-Vida, mas ele vai demorar para empilhar, ou seja, mais vai demorar para atingir uma concentração sanguínea em estado de equilíbrio.

Quando um fármaco é ingerido, ele demora um tempo(Tmax), para atingir seu pico máximo(Cmax) na corrente sanguínea, e se outra dose não for ingerida ele será totalmente eliminado de acordo com sua Meia Vida Plasmática(T1/2).

Empilhar é estabelecer seu estado de equilíbrio usando doses constantes do fármaco até ele estar em equilíbrio(Css), que demora de 4 a 6 Meia Vida Plasmáticas(T1/2).

Elaborado por Mestre fórum FISIculturismo

Referências

1 - Hardman, J. G.; Limbird, L. E.; Gilman, A. G. Em ref. 29, cap. 1.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 1 mês depois...
Tudo sobre esteroides

Curso sobre esteroides anabolizantes!

Domine o uso de esteroides neste curso de 8 módulos do médico Dr. Luiz Tintore

Clique aqui para conhecer

com a utilização de cipionato de testosterona ha alguma vantagem entre injetar apenas uma vez por semana(7 em 7 dias) ou injetar em 2 doses semanais dividindo a dose?

a nivel de resultados ao fim de algum tempo havera diferenças? cmps

Eu acho que dividindo a dose, a pessoa consegue manter a concentração da Substancia mais estável no corpo.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma conta 100% gratuita!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar agora
 Compartilhar

  • Conteúdo similar

    • Por Gabriel 122
      Então, tenho 19 anos 
      Peso: 50kg
      Tenho 1,71 de altura
      Parei por duas semanas na academia por problemas pessoais e tô voltando a treinar hoje, meu corpo aparenta alguns músculos mas nada de muito absurdo, gostaria de saber qual melhor anabolizante para eu começar a ciclar, lembrando que será minha primeira vez (pensei no oxandrolona, mas vi na internet que não é muito legal para ectomorfos)
       
       
       
       
    • Por Carlos Bernardo
      Groth labs é confiável, já usaram algo deles?
    • Por Amanda Mayrinck Hallak
      Conceito de meia-vida
      A meia-vida de um esteróide refere-se ao intervalo de tempo necessário para que metade da droga seja metabolizada. Quando uma droga tem meia-vida de 10 horas, isso significa que depois deste tempo sua concentração em nosso organismo cai pela metade, sendo que a quantidade restante não estará mais em condição de cumprir sua tarefa apropriadamente.
      Exemplo: O decanoato de nandrolona tem uma meia-vida de 15 dias. Sendo assim, se alguém aplicar 100 mg de decanoato de nandrolona após 15 dias a concentração desta droga diminuirá para aproximadamente 50mg, mais 15 dias para 25 mg e assim sucessivamente caso uma nova aplicação não seja feita.
      Vale lembrar que drogas orais possuem uma meia-vida atípica comparada a outras drogas injetáveis, pois seus cristais se dissolvem lentamente, mas tão logo tenham se dissolvido, a concentração da droga declina rapidamente. Um exemplo é o stanozolol oral, sua meia-vida é em torno de 1 dia.
      Tipos de ciclos
      Os ciclos podem ser: curtos, médios ou longos.
      Independente do ciclo vale lembrar que toda droga possui riscos conhecidos e desconhecidos em curto, médio ou longo prazo; algumas, inclusive podem provocar óbito. Existe uma crença que a combinação de esteróides funciona melhor do que a utilização de apenas um deles. Se por um lado essa crença parece ser indiscutível, por outro é bem certo que determinadas combinações, apesar de parecerem produzir melhores efeitos quanto ao aumento da força e massa muscular, também salientam os efeitos colaterais.
      Um ciclo curto tem um período de 8 a 10 semanas. Com 5 a 6 semanas de administração de drogas e de 3 a 4 semanas de intervalo pelo menos. No intervalo não se utilizam esteroides anabolizantes. Ciclos curtos permitem menores intervalos de descanso entre os ciclos.
      Um exemplo tradicional de ciclo curto é utilizando as drogas Deca Durabolin e Durateston. Deca durabolin possuiu meia-vida de 15 dias e durateston meia-vida de 15 a 18 dias. Este é um tipo de combinação muito comum entre aqueles que estão começando. Para pessoas absolutamente iniciantes, doses pequenas podem ocasionar ganhos espetaculares. Lembre-se quanto mais próximo do inicio, maior é a magnitude dos ganhos. Mulheres jamais devem se envolver com esta categoria de drogas, pois os efeitos colaterais seriam muito salientes.
      Deca Durabolin (Decanoato de Nandrolona)
      Deca é um preparado anabólico injetável. Após a injeção, o decanoato de nandrolona é gradualmente liberado do depósito intramuscular e subseqüentemente hidrolisado em nandrolona.
      A duração de ação é de cerca de 2 semanas. O perfil anabólico de DECA-DURABOLIN, segundo estudos metabólicos realizados em seres humanos, demonstra os efeitos anticatabólico e poupador de proteína, como também os efeitos favoráveis no metabolismo do cálcio (em casos de excreção).
      A Deca é modernamente androgênica, com boas propriedades anabólica e reduzido efeito aromatizante, sendo atípico o pronunciamento de efeitos colaterais.
      Por outro lado, esta droga reduz o desejo sexual e provoca infertilidade em homens mais do que qualquer outro esteroide anabólico em altas dosagens. É uma droga facilmente coletada em exames anti-doping.
      Durateston (Decanoato de testosterona, fenilproprionato de testosterona, isocaproato de testosterona e propionato de testosterona)
      Durateston é um preparado androgênico para administração intramuscular contendo quatro ésteres diferentes do hormônio natural, a testosterona. Pela combinação desses ésteres de testosterona, a ação de Durateston inicia-se logo após a injeção e é mantida por aproximadamente três semanas.
      O propionato e o fenilproprionato de testosterona tem uma ação imediata, mas, de curto período. Já o isocaproato e o decantado tem um inicio de ação mais lento, porem de longa duração. Esta droga pode mostrar excelentes resultados em aumento de forca e ganho de peso e parece não promover muita retenção hídrica como a maioria dos esteróides altamente androgênicos.
      Outra vantagem observada pelos usuários é que só se pode utilizar esta droga por maior período de tempo pelo fato de não causar maciço fechamento dos receptores celulares, como acontece com muitos esteróides. Durateston é geralmente bem tolerado.
      Ao planejar um ciclo, o entendimento da meia-vida das drogas é fundamental e muito importante, pois se não for assim o usuário poderá, dentre outros enganos, se manter dentro de um ciclo durante muito tempo salientando assim todos os possíveis efeitos colaterais.
      Esta informação também pode contribuir para que o ciclo planejado não tenha muita flutuação de drogas no sistema e na concentração sanguinea.
    • Por Iseenlive
      Oxandrolona ciclo feminino.
      Bom, vamos lá..
      Treino a um pouquinho mais de um ano, há uns 3 meses estou com personal. Em janeiro irei numa nutróloga afim dela me passar certas coisinhas pra me ajudar tanto no ganho de massa quanto dar aquela secada na gordura restante... entretanto sempre gosto de pesquisar bastante pra já ter uma noção do que ela poderá me falar, e pra tambem, caso as coisas não ocorram como o planejado. 

      Tudo que encontrei na internet sobre oxandrolona e ciclo feminino foram informações bem variadas, desde tpc pra mulheres até que mulher não precisa de tpc... enfim, gostaria de uma possível sugestão de ciclo/dose e afins pro meu caso... 
      Tenho 20 anos
      1,65 cm
      58-60kg
      Tambem vi bastante informação sobre alguns suplementos pra serem usados durante o ciclo pra evitar alguns colaterais...
       
      Obrigaduu
       
    • Por Mestre
      Nessa presente matéria, temos abaixo uma tabela que explica com referências dados importantes sobre a meia-vida dos Anabolizantes Injetáveis em veículo oleoso.
      Para um melhor entendimento da definição de meia-vida, eu sugiro a leitura de uma matéria passada que explica melhor esse aspecto, agora para quem já tem o conhecimento da definição de meia-vida(T1/2) e sua importância, nem se faz necessário essa leitura complementar.
      Abaixo então vou colocar uma matéria passada que explica melhor a questão meia-vida(T1/2), que seria interessante ler antes de continuar com essa presente matéria de agora, se necessário for.
      O controle da entrada no sangue das preparações injetáveis, é projetado para dar uma taxa de absorção lenta e sustentada, a fim de minimizar as flutuações na concentração plasmática, e garantir um tempo melhor de intervalo entre as doses.
      A atividade do Anabolizante assim é, portanto, prolongada, e com isso pode-se reduzir a frequência das injeções.
      Ao ser aplicada no formato Intramuscular, ela forma um depósito muscular, e essa liberação do depósito é regida pelo coeficiente óleo/água, denominado “logP” do éster associado ao Anabolizante, que está também de certa forma, associada ao número de carbonos do éster, como veremos na tabela abaixo.
      Tudo isso influencia na meia-vida do Anabolizante, inclusive coisas que alguns locais da Internet que comentam sobre o assunto, ignoram, que podem ser coisas como: local da aplicação intramuscular, volume em ml injetado e quantidade em mg da substância administrada.

      Elaborado por Mestre fórum FISIculturismo
      Referências:
      1 - J CLIN ENDOCR METAB., 1986, 63, 1361-1364 
      2 - J VET PHARMACOL THERAP., 2007, 30, 101-108 
      3 - TESTOSTERONE-ACTION, DEFICIENCY, SUBSTITUTION, 3rd Ed. New York: Cambridge University Press 2004, Ch.14 
      4 - J PHARMACOL EXP THER., 1997, 281, 93-102 
      5 - J CLIN ENDOCR METAB., 2005, 90, 2624-2630 
      6 - J ANDROL., 1998, 19, 761-768 
      a - Em cavalos 
      b - Em veículo de suspensão aquosa
×
×
  • Criar novo...